Sebrae - Estamos ai

Irmãos Brazão monitoraram outros políticos do PSOL além de Marielle, diz Lessa

Na delação homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), Ronnie Lessa, assassino confesso de Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, afirmou que o plano de espionar o PSOL não mirava apenas a vereadora, mas também outros políticos do partido.

Durante o depoimento à PF, Lessa afirmou que os irmãos Brazão infiltraram Laerte Silva de Lima e a mulher, Erileide Barbosa da Rocha, no PSOL. O casal era um “braço armado” da milícia de Rio das Pedras, na Zona Oeste do Rio. As informações são do portal G1.

“O Domingos [Brazão], por exemplo, não tem papas na língua. Ele simplesmente fala que… ele colocou, digamos assim, um espião no PSOL, no partido da Marielle. E o nome desse espião seria Laerte, que é uma pessoa do Rio das Pedras, que depois eu soube se tratar de um miliciano. Uma pessoa responsável por várias atividades da milicia lá. E essa pessoa trazia informações para os irmãos com relação ao PSOL em si”, declarou Ronnie.

“Não somente em relação à Marielle. Ele falava sempre do Marcelo Freixo. Falava do Renato Cinco. Tarcísio Motta… Falava dessa pessoa. E demonstrava, assim, um interesse diferenciado por essas pessoas, pelas pessoas do PSOL”.

Ouvido pelo Fantástico, Freixo declarou que Ronnie Lessa “é um psicopata”. “Ronnie Lessa é um psicopata. É uma pessoa sem qualquer respeito à vida. Quantas pessoas ele matou antes da Marielle? A psicopatia dessa pessoa, bem como sua covardia, se soma a um Rio de Janeiro onde crime, polícia e política não se separam.”

O Fantástico de ontem trouxe com exclusividade detalhes da delação de Ronnie Lessa. Foi a 1ª vez que Lessa admitiu ter praticado o crime que resultou na morte de Marielle e Gomes. Em 2 horas de depoimento gravado, Lessa fala quem são os mandantes, o que receberia pelo crime e o destino da arma usada em 14 de março de 2018.

A filiação de Laerte e Erileide aconteceu em abril de 2017, quando Lessa começou a fazer buscas na internet pelo nome de Marcelo Freixo — na época, uma das figuras mais atuantes do PSOL. Em 2019, Lessa admitiu em depoimento ao Ministério Público do Rio (MPRJ) ter pesquisado na internet informações sobre o então deputado federal.

O PSOL declarou que o casal foi expulso do partido em dezembro de 2020. “Sua real atuação já era de conhecimento do partido desde meados de 2019, mas não foram tomadas iniciativas estarem sob investigação. Os fatos mostram que as milícias não possuem limites em sua atuação criminosa e contam, por muitas vezes, com o apoio de agentes do Estado, quando eles próprios não o são”, disse, em nota. “O PSOL segue na luta por justiça até que todos os envolvidos no assassinato de Marielle e Anderson sejam julgados e condenados”. Completou.

O Exército afastou, ontem, militares que informaram erroneamente aos moradores de Canoas, no Rio Grande do Sul, que um dique nas proximidades do bairro Mathias Velho havia se rompido. As tropas obtiveram a informação e, sem confirmá-la, passaram a ordenar a evacuação de áreas em risco. Após um desmentido da prefeitura de Canoas, a Força admitiu “erro de procedimento” e informou que os militares envolvidos foram afastados de suas funções.

Os militares integravam a 14ª Brigada de Infantaria Motorizada, subordinada à 5ª Divisão do Exército, e atuavam na Operação Taquari 2, de apoio humanitário ao Estado afetado pelas enchentes. A Força pediu “sinceras desculpas pelo ocorrido”.

Segundo o comunicado do Exército, o informe do rompimento do dique foi recebido pelas tropas no início da noite de domingo. Às 19h13, a prefeitura de Canoas desmentiu a situação no X (antigo Twitter) e classificou a informação como fake news. O Exército abrirá uma sindicância para apurar por qual meio a informação falsa chegou às tropas e por qual razão foi passada adiante sem ser checada previamente.

“Militares que atuavam no bairro Mathias Velho, souberam, sem confirmação, que um dique havia se rompido e imediatamente passaram a comunicar erradamente aos moradores da necessidade de evacuação das áreas consideradas em risco. O Exército Brasileiro esclarece que tal situação decorreu de um grave erro de procedimento”, diz a nota. Segundo boletim da Defesa Civil gaúcha de ontem, as fortes chuvas que atingem o Estado desde o fim de abril totalizam 169 mortos e 56 desaparecidos.

Ontem, o município de Brejo da Madre de Deus, no Agreste, celebrou seus 273 anos, com uma série de eventos festivos que resultaram em uma grande festa no centro da cidade. Os shows atraíram uma multidão de moradores e visitantes para aproveitar os shows de ‘Pra Valer Estilizado’, ‘Solange Almeida’ e ‘Edinho Lima’.

As apresentações começaram com o show da banda Pra Valer Estilizado, que animou o público com muito forró pegado. Em seguida, a atração mais esperada da noite, Solange Almeida, reconhecida nacionalmente “Sol” subiu ao palco com muita alegria e emoção, trazendo ao público seus maiores sucessos em um super show. Para encerrar as festividades, o artista local Edinho Lima não deixou ninguém ficar parado, com repertório diversificado finalizou o evento com uma apresentação que celebrou o talento e a cultura local.

Por Mauricio Rands*

Vivemos reescrevendo o próprio passado. O sapiens somos bam-bam-bans em narrativas. Desde os caçadores e coletores antepassados, quando nos recolhíamos às cavernas para descansar, comer e nos proteger. Frágeis que somos, sempre atenuamos nossa fragilidade por meio da linguagem. Essa poderosa que nos impele a construir mitos. E a mentir muito.

Estórias que iniciam por alguma conexão com a realidade facilmente descambam para ficções. Que nossos cérebros são estruturados para nelas acreditar. Uns mais, outros menos. Mas quem de nós não “remodelou” o que se passou em nossas vidas? O maior mentiroso é sempre aquele que acredita na própria ficção. Feito o amigo da juventude que, certo dia, para impressionar a menina, de repente animou-se a reinventar dias que teria passado na Inglaterra correndo nas pistas da Fórmula 3, mas que tinha convite para correr na Fórmula 1. O Brasil pode ter perdido um novo Ayrton Sena.

Como a vida é dura e curta, essa capacidade nos impele a enfrentá-la com ânimo. De outro modo, muito do que vivemos pareceria inútil. Crer nas próprias idealizações do presente requer reinterpretar o passado. Como já nos advertia Gabriel Garcia Marques, em seu “Viver para contar”, “a vida não é a que a gente viveu, e sim a que a gente recorda, e como recorda para contá-la.” Por isso, a História, feita das nossas estórias, é ela própria uma ficção. Como me recorda Diego, recém-licenciado nessa ciência da fascinante narrativa do passado.

Lasca é saber que essa grande ficção não é criada de forma neutra. Assim como os modelos de linguagem da inteligência artificial não são neutros, a grande dama ficcional também não o é. Os fatos registrados foram-no, o mais das vezes, objeto da curadoria dos grupos dominantes. Os registros dos destituídos de poder são sempre mais escassos. E mesmo quando existem, são enquadrados nas molduras dos curadores. Os que tinham alguma forma de poder.

Em 1989 Eric Hobsbawm escreveu brilhante ensaio sobre a Revolução Francesa, quando, em seus 200 anos, ela passou a ser reinterpretada por uma certa ideologia revisionista (“Ecos da Marselhesa”). Então, alguns de seus intérpretes pretendiam reduzir-lhe o alcance transformador. O que induziu Hobsbawm a sugerir que procurassem investigar como a revolução foi percebida pelos contemporâneos. Talvez aí esteja uma chave para diminuir os subjetivismos.

Quando viajei a convite do Governo Alemão para uma imersão em suas instituições, voltei bem impressionado com a grande obra de reconstrução que o povo alemão foi capaz de fazer depois da 2ª Guerra. A catarse sob a liderança lúcida e equilibrada de Adenauer. A criação de instituições democráticas através da Lei Fundamental de 1949. Como bem descreveu Kissinger no capítulo do seu “Leadership” dedicado a Adenauer. Ao ler John Kampfner, um inglês que trabalhou dez anos em Berlim como correspondente do Financial Times (“Why the Germans Do it Better”) tive reforçada essa avaliação positiva. Para algum tempo depois, ser contraditado pelo primo Rhandau, que me narrou algumas de suas experiências contraditórias nesses oito anos em que lá vive.

Em seu mestrado na Universidade de Bamberg, imprimiu o olhar versátil e criativo próprio dos brasileiros a um trabalho de consultoria a uma poderosa rede de supermercados que recorreu à universidade para sua reestruturação gerencial. Seu projeto foi o escolhido e adotado pela empresa. Celebrado. Como já havia acontecido com outra consultoria por ele prestada. Desta feita, um projeto também de reestruturação gerencial para a Universidade de Aachen. Pouco depois desses êxitos intelectuais e profissionais, com seu biotipo brasileiro não-ariano, foi “convidado” a se retirar de uma loja.

Rhandau e Kampfner, dois estrangeiros, perceberam a mesma realidade de maneiras diversas. Narrativas. Assim é se lhes e nos parece. Mas que a realidade existe, essa parece ser uma narrativa difícil de nela descrer.

*Advogado, professor de Direito Constitucional da Unicap, PhD pela Universidade Oxford

A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado fará, hoje, às 14h, uma audiência pública para discutir a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 3/2022, que retira a posse dos chamados “terrenos da marinha” da União. Os terrenos da marinha são áreas da costa marítima com 33 metros do mar ao continente. São situados na costa marítima e nas margens dos rios e de lagoas.

Conforme a proposta, pessoas que ocupam os terrenos poderão adquiri-los mediante pagamento, enquanto Estados ou municípios terão o bem transferido a eles gratuitamente. As informações são do portal Poder 360.

“A proposta distribui esses imóveis entre os Estados, municípios e particulares. No entanto, tendo em vista que a proposta busca alterar a Constituição para modificar a propriedade sobre os terrenos de marinha, atualmente pertencentes à União, e sua extinção pode impactar o Balanço Geral da União e as receitas correntes da União, torna-se fundamental que a matéria seja debatida e aprimorada em audiência pública”, disse o senador Rogério Carvalho (PT-SE) no requerimento em que propõe a realização da audiência pública.

O texto da PEC 3/2022, que teve origem na Câmara dos Deputados, revoga o inciso VII do artigo 20 da Constituição Federal e o parágrafo 3º do artigo 49 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. A matéria conta com parecer favorável do senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ).

Por José Adalbertovsky Ribeiro*

MONTANHAS DA JAQUEIRA – Se Maomé não vai à montanha, a montanha vai a Maomé, dizia o ditado. Bons tempos quando as montanhas visitavam Maomé. Hoje se Pindorama não vai à guerra, a guerra vem a Pindorama. Esta terra de Vera Cruz, a terra da verdadeira cruz, exporta montanhas de ferro, montanhas de soja, de sal-gema, rios de suco de laranja, enxames de bois, florestas de madeiras com e sem leis. Importa containers de cocaína dos Andes, violência das fronteiras, arsenais de armas e munições da Europa e das Américas.

Estas terras brasilis exportam em grande escala know how de corrupção. Preparem seus corações! Em tempos de paz, vírgula, vamos importar guerras nas próximas temporadas. Entre um bombardeio e outro contra os irmãos da Ucrânia, o criminoso de guerra Vladimir Putin resolveu exportar guerra sob a forma de gás natural, petróleo, trigo. O custo de reconstrução da Ucrânia será pago pelo mundo. O PIB dos vermelhos, de 1,86 trilhões de dólares, é menor do que do Brazil, de 2,17 trilhões de dólares.

A Rússia é uma potência atômica. Estas terras auriverdes são uma potência mundial em matéria de roubalheira. O PIB da corrupção é incalculável. Aliás, toda ditadura é corrupta e assassina por natureza. Vide bula Putin e seus magnatas, o terrorista Nicolas Maduro e seus comparsas.

O comissário de coração, unhas e dentes comunistas, o guabiru do mensalão e do Petrolão, foi perdoado de todos os pecados cabeludos, e está com ficha limpa para ser eleito uma das excelências do Congresso Nacional, possivelmente presidente da Câmara dos Deputados. Se derem bobeira, irá implantar o parlamentarismo comunista, pois a caterva vermelha não brinca em serviço.

Bons tempos, a seleção canarinha era campeã do mundo. Pelé matava no peito, amaciava a pelota, driblava um, dois, três, disparava o canhão e o goleiro não via nem o azul. Hoje a seleção não ganha nem para o Íbis. (Com todo respeito pelo time do pássaro preto). Em compensação, no Estado da Baía da Guanabara, o maior guabiru dos esgotos cariocas desde os tempos de Pedrálvares Cabral roubou até o Pão de Açúcar aos pés do Cristo Redentor e hoje desfila em carro de Bombeiro e sirenes ligadas como herói nacional.

O mundo financiará a reconstrução da devastada Faixa de Gaza. A reconstrução do Rio Grande do Sul é nosso dever de casa.

O periodista, blogueiro e escritor Magno Martins é um renascentista. Foi nascido e criado na Galáxia de Gutenberg, em meio aos linotipos de chumbo. Renasceu há 18 anos nas nuvens de silício da Internet, vitorioso como sempre. Ainda hoje flutua entre os dois mundos com suas botas de sete léguas.

O empresário Eduardo de Queiroz Monteiro é um ninja. Junto com a família e seus colaboradores, lidera, impulsiona e engrandece o primordial legado do patriarca Armando Monteiro Filho, um nobre na ampla expressão da palavra. Eduardo tem a nobreza de gestos e ações.

A festa em louvor dos 18 anos do Blog e 26 anos da Folha foi um cântico de louvores a quem bem merece.

PLANETA PALAVRA – “Números são infinitos – Palavras são mais infinitas que números!”. Meu novo livro (o quarto), edição primorosa da CEPE Editora, foi impresso e publicado. São crônicas das épocas pré e pós anistia, diretas-já, crônicas atuais, quase poesias e digressões filosóficas. Falta marcar a data de lançamento.

*Periodista, escritor e quase poeta

Eleição de Surubim virou um clássico

O novo levantamento do Instituto Opinião sobre a corrida eleitoral em Surubim, em parceria com este blog, traz um dado que pode revelar surpresa: o crescimento da pré-candidata do PSB, Véia de Aprígio. Mas é fácil de explicar para os que não acompanham o quadro político na terra de Chacrinha e Capiba, dois gênios, um da comunicação e outro na música.

Vereadora no sexto mandato, Véia de Aprígio, além de ter uma forte identificação com o eleitorado de baixa renda, saindo da zona rural, é apoiada pela prefeita Ana Célia (PSB), que encerra seu ciclo de duas gestões extremamente aprovada pela esmagadora opinião pública de Surubim, com 65% de ótimo e bom. Isso é muito relevante. Historicamente, um governante bem avaliado costuma emplacar o sucessor.

Outro dado que favorece a pré-candidata oficial é a divisão do bloco da oposição. É verdade que nem sempre o eleitor que vota num candidato da oposição tem simpatia pelo outro, mas Flávio Nóbrega (Solidariedade), que já governou o município, aparece com 12% e isso subtrai muito mais votos de Chaparral do que mesmo de Véia de Aprígio. Somados os percentuais de Chaparral com Nóbrega – 31% com 12% – o eleitorado de Surubim, teoricamente, tenderia a eleger um candidato da oposição.

Mas, cientificamente, não se pode inferir que os 12% de Nóbrega se transferiram, automaticamente, para Chaparral. Acontece sempre uma divisão, boa parte pode ir até para Chaparral, mas quem está inclinado a votar em Flávio Nóbrega, no campo da oposição, pode não se simpatizar com Chaparral. E aí pode até não ir também para Véia, com mais chances de anular o voto ou votar nulo.

De qualquer forma, o que a pesquisa do Opinião mostra é que Surubim desponta com indicativos para uma das eleições mais disputadas da sua história, concentrando as atenções não apenas do Agreste Setentrional, mas de todo o Estado.

Rompimento por desconfiança – Apostar na unidade das oposições em Surubim é jogar dinheiro fora. Chaparral e Flávio Nóbrega, que já foram aliados, hoje são água e óleo, não se misturam. Nas eleições de 2020, Chaparral apoiou a candidatura de Flávio a prefeito contra Ana Célia, que ganhou com uma diferença de apenas 267 votos. Mas, já no pleito passado, Flávio apoiou Chaparral para deputado, mas rompeu às vésperas das eleições, suspeitando que ele seria candidato a prefeito, como de fato é. Flávio queria a palavra empenhada do apoio dele para tentar voltar a governar Surubim.

Rejeição de Mandacaru atrapalha – Outro dado que certamente está atrapalhando o projeto de Chaparral de derrotar os Farias em Surubim é seu alinhamento ao Governo Raquel. Pelo levantamento do Opinião, entre os três níveis de poder, o estadual é o rabo da gata em aprovação. Raquel Lyra Mandacaru tem quase 60% de reprovação no município ante apenas 32% de aprovação. Já o Governo Lula é aprovado por 68,6% e o da prefeita Ana Célia por 64,6%.

Danilo, Rodrigo e Pedro na campanha – Surubim é, também, terra do superintendente da Sudene, Danilo Cabral, derrotado nas eleições para governador em 2022. Seu grupo, que é por extensão o da prefeita Ana Célia, elegeu o deputado estadual Rodrigo Farias, que vem se revelando num dos mais atuantes parlamentares do bloco da oposição. O grupo também apoiou o deputado federal Pedro Campos, irmão do prefeito do Recife, João Campos, que irá, ao lado de Pedro, reforçar o palanque de Véia de Aprígio.

Moraes acelera processos de Bolsonaro – Ministro do STF, Alexandre de Moraes trabalha com um prazo semelhante para a conclusão de dois inquéritos de repercussão internacional: o do 8 de Janeiro, no qual o ex-presidente Jair Bolsonaro é investigado, e o que apura o assassinato de Marielle Franco. Moraes acredita que, em até dois meses, ambos os inquéritos serão concluídos ou estarão bem perto disso. A partir daí, então, terá início a fase de instrução.

PSB investe e aposta em Madalena – Em encontro no Recife com o prefeito João Campos (PSB), a pré-candidata socialista à prefeita de Arcoverde, Madalena Britto, saiu super animada: terá a presença dele no seu palanque nos seus principais eventos de campanha. Para o PSB, especialmente o prefeito recifense, Arcoverde é prioridade e por isso mesmo Madalena terá tratamento vip do partido e todas as atenções das suas principais lideranças, que não têm mais dúvida do crescimento da aliada e da sua possível vitória nas eleições de outubro.

CURTAS

SEM LEGENDA 1 – Presidente estadual do Solidariedade, Marília Arraes recebeu do presidente nacional do partido, Paulinho da Força, carta branca para decidir o imbróglio de Serra Talhada, onde o deputado Luciano Duque já lançou a sua pré-candidatura sem autorização do diretório estadual.

SEM LEGENDA 2 – “Pernambuco, quem decide é Marília”, disse Paulinho, para frustração de Duque, que não contará com o apoio de Marília para disputar a Prefeitura de Serra, simplesmente porque ela tem poderes de negar a legenda. E, a esta altura, Duque não tem como se filiar em outro partido.

ZÉ ANIMADO – Presente na festa do blog, quinta-feira passada, o pré-candidato do PDT a prefeito de Caruaru, José Queiroz, disse que o desgaste da governadora Raquel Lyra vai puxar o prefeito Rodrigo Pinheiro para baixo, fazendo ele crescer feito rabo de cavalo. “Vamos ganhar a eleição, pode apostar”, afirmou.

Perguntar não ofende: Surubim ou Belém do São Francisco, qual será a eleição mais disputada?

Pré-candidata do PSB à prefeita de Surubim, Véia de Aprígio subiu 12 pontos percentuais em relação ao último levantamento do Instituto Opinião, em março. Estava com 16% e agora aparece com 28%, empatada, tecnicamente, com Cléber Chaparral (UB), que ainda lidera, mas recuou cinco pontos, saindo de 36,9% para 31,1%.

Já Flávio Nóbrega (Solidariedade) também caiu, de 15,1% para 12,6%, enquanto Edgar (PL) saiu de 4% para 2,3%. Denivaldo Pereira, também do PL, aparece com 0,6%. Brancos e nulos somam 9,4% e indecisos, que eram 14%, agora somam 16%. Na espontânea, modelo pelo qual o entrevistado é forçado a lembrar o nome do seu candidato preferido sem o auxílio da lista com todos os nomes, Chaparral está à frente.

Mas os números configuram, como na estimulada, um empate técnico. Se as eleições fossem hoje, Chaparral teria 21,4% dos votos e a Véia de Aprígio 16,6%. Foram citados ainda Flávio Nóbrega, com 8,9% das citações e, por fim, o Professor Edgar, com apenas 0,3%. Neste cenário, brancos e nulos representam 8,6% e indecisos sobem para 41,9%.

No quesito rejeição, Chaparral também lidera. Entre os entrevistados, 19,4% disseram que não votariam nele de jeito nenhum, seguido de Véia de Aprígio, com 14,3% dos entrevistados que disseram que não votariam nela de jeito nenhum. Em seguida, aparece Flávio Nóbrega, com 11,4%, Denivaldo com 8,3% e Professor Edgar (4,3%).

No confronto direto entre Chaparral e Véia de Aprígio, o levantamento do Opinião também identificou um quadro de empate técnico, com uma vantagem numérica de apenas dois pontos para o candidato do União Brasil. Se a eleição fosse disputada apenas entre eles, Chaparral teria 38,6% e Véia de Aprígio 36,6%. Brancos e nulos seriam 12,9% e indecisos chegariam a 11,9%.

Já num duelo nas urnas entre Véia de Aprígio, que é a candidata oficial, apoiada pela prefeita Ana Célia (PSB), e Flávio Nóbrega, a socialista venceria as eleições hoje com 40,3% dos votos contra 31,1% do tucano. Brancos e nulos somariam 17,1% e indecisos 11,5%. Frente ao Professor Edgar, Veia teria 48,9% dos votos contra 13,1% e diante de Denivaldo venceria com 51,1% dos votos contra 5,7%.

Estratificando a pesquisa, os maiores percentuais de intenção de voto de Chaparral aparecem entre os eleitores na faixa etária de 25 a 34 anos (40%), entre os eleitores com renda familiar acima de cinco salários (33,3%) e entre os eleitores com grau de instrução no ensino médio (33,3%). Por sexo, 32,3% dos seus eleitores são homens e 30,2% são mulheres.

Véia de Aprígio, por sua vez, tem suas maiores taxas de intenção de voto entre os eleitores com renda familiar acima de cinco salários (41,7%), entre os eleitores com grau de instrução superior (36,4%) e entre os eleitores jovens, na faixa etária de 16 a 24 anos (33,3%). Por sexo, 30,7% dos seus eleitores são mulheres e 24,8% dos seus eleitores são homens.

O levantamento foi a campo entre os dias 20 e 21 deste mês, sendo aplicados 350 questionários. O intervalo de confiança é de 95% e a margem de erro máxima estimada é de 5,2 pontos percentuais para cima ou para baixo sobre os resultados encontrados na amostra.

A modalidade da pesquisa adotada é pela técnica de Survey, que consiste na aplicação de questionários estruturados e padronizados a uma amostra representativa do universo de investigação. Foram realizadas entrevistas pessoais e domiciliares. O registro na justiça eleitoral tem o protocolo de número PE-03038-2024.

AVALIAÇÃO DE GESTÃO

O instituto Opinião também levantou o grau de satisfação da população com os três níveis de poder: a gestão Lula é a que detém a melhor avaliação e a de Raquel Lyra a pior. Para os entrevistados, o Governo Lula é aprovado por 68,6% e reprovado por 23,1%, enquanto o de Raquel é aprovado por apenas 32% e rejeitado por 57,1%, enquanto a gestão da prefeita Ana Célia é a segunda mais bem avaliada, abaixo apenas da de Lula. Seu governo é aprovado por 64,6% dos entrevistados e reprovado por apenas 27,7%. 

Logo mais, exatamente à meia-noite, este blog traz a segunda pesquisa de intenção de voto, em parceria com o Instituto Opinião, de Campina Grande (PB), para prefeito de Surubim, a chamada capital da vaquejada, terra de Chacrinha e Capiba. Os surubinenses, portanto, têm um motivo especial para dormir um pouco mais tarde hoje.

Da Agência Brasil

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) prendeu, no município de Naviraí (MS), um homem foragido e que, segundo a corporação, participou dos fatos ocorridos em 8 de janeiro de 2023, quando o Palácio do Planalto, o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal (STF) foram invadidos e depredados.

A prisão aconteceu na manhã da última quarta-feira (22). “Os policiais rodoviários federais realizavam ronda na BR-163, quando se depararam com um veículo realizando ultrapassagem em faixa contínua e decidiram abordá-lo. O veículo era conduzido por um homem, acompanhado da mãe.”

Ainda segundo a corporação, no momento da abordagem, o próprio condutor informou que tinha pendências com a Justiça e que estaria envolvido nos atos de 8 de janeiro de 2023.

“A passageira, por sua vez, afirmou que estavam em fuga para a Argentina, tendo em vista possível condenação definitiva do filho. O homem, que estava em cumprimento de determinação cautelar com uso de tornozeleira eletrônica, teria rompido o equipamento no dia anterior para realizar a viagem para fora do país”, informou a PRF.

Durante a abordagem, os policiais constataram mandado de prisão emitido pelo STF em desfavor do condutor. Ele foi preso e encaminhado para a Delegacia de Polícia Federal em Naviraí.

Da coluna Na Mira – Metrópoles

Enquanto o vento frio cortava a madrugada de quarta-feira (22) na área central da capital da República e os termômetros beiravam os 16°C, a temperatura dentro de uma boate de prostituição, a cerca de 800 metros da Esplanada dos Ministérios, ignorava a friaca e se mantinha em ebulição. Alvoroçada, a tropa de pelo menos 50 garotas de programa dava tudo para conquistar a atenção de prefeitos e suas comitivas.

Os chefes de dezenas de municípios de todo país haviam desembarcado no DF para os três dias de eventos organizados pela 25ª Marcha dos Prefeitos. Como é de praxe e já mostrado anteriormente, após as agendas oficiais, as noitadas são regadas a álcool e sexo — sempre negociado em altas cifras com as prostitutas. Aos berros de “Vai, prefeito!”, era fácil identificar quando assessores gritavam e encorajavam o chefe da comitiva a abraçar e beijar as garotas durante os shows de striptease.

Bonachão, muito suado e desinibido pela bebedeira, um dos prefeitos estava animadíssimo após as consecutivas doses de vodca com energético — que, aliás, custavam insanos R$ 55 por latinha. A coluna Na Mira acompanhou duas noites de gandaias comandadas pelos prefeitos e por seus grupos políticos em solo brasiliense.

Chapa preta

Estacionados próximos à boate, carros que ostentavam placas nas cores pretas do Poder Executivo municipal denunciavam a presença dos prefeitos. Dentro da casa, apinhada de seguranças do estabelecimento, os políticos e assessores ocupavam mesas redondas cercadas por cadeiras de veludo vermelhas. O poderio financeiro era ostentado por “combos” devidamente expostos sobre a mesa. Era o chamariz para atrair as garotas “mais caras” da casa.

O prefeito sentado no fundo do salão, estrategicamente posicionado na ponta do palco, empolgava-se a cada show sensual anunciado pelos microfones. Cheias de energia e se contorcendo nas barras de poledance, as garotas tiravam cada peça de roupa e dançavam sensuais para os clientes ilustres. Quem frequenta a casa não se preocupa com o dinheiro investido para os momentos de prazer. Uma cerveja longneck não saía por menos de R$ 40. Já uma garrafa de uísque oito anos chegava a R$ 1,2 mil.

Exigente, um dos prefeitos presentes na boate “trocava” de menina a cada uma hora de conversa ao pé do ouvido. “Essa era chata”, disse ele a um homem que parecia ser seu segurança, logo após a garota deixar o assento. Em minutos, outra garota de programa tomava o posto e tentava “fechar negócio” com o prefeito, que é chefe do Executivo de um município do interior paulista.

Hora de faturar

Anualmente, as prostitutas que trabalham na boate esperam com ansiedade pela Marcha dos Prefeitos. “É a hora de faturar. Os políticos chegam com vontade de gastar, e a gente precisa estar com disposição para ganhar”, afirmou uma das garotas que estava na casa e conversou com a reportagem sem saber que estava sendo gravada.

Goiana, a morena de 20 anos veio para o DF preparada para ficar pelo menos durante os três dias de evento. “Estou hospedada com uma amiga e dividimos as despesas diárias”, explicou. As duas garotas de programa estavam acomodadas no hotel anexo à boate. “É bem mais prático. Acertamos o programa e já podemos subir para um dos quartos”, contou.

A morena e a maioria das garotas que desfilava pelo carpete vermelho da boate topavam uma hora de sexo por R$ 1 mil. Outras pediam valores entre R$ 1,5 mil e R$ 2 mil. Ávidos, alguns políticos não barganhavam os cachês. Pegavam nas mãos da garota de programa, acertavam o valor exigido e o casal subia para um dos quartos do hotel ou deixavam o local de carro.

O presidente Lula inaugurou neste sábado (25) obras na rodovia Presidente Dutra, em São Paulo, cuja contratação ocorreu no governo Bolsonaro, encabeçada pelo ex-ministro da Infraestrutura e hoje governador paulista, Tarcísio de Freitas.

A entrega ocorreu, no entanto, sem a presença do governador estadual. Segundo a Presidência da República, foi realizado um convite na quarta-feira (22), por e-mail, e a resposta do Palácio dos Bandeirantes indicando que Tarcísio não compareceria foi recebida na quinta-feira (23). As informações são da CNN.

A CNN questionou o Palácio dos Bandeirantes sobre a ausência. Até o momento da publicação desta reportagem, não houve resposta.

Essas obras foram contratadas em dezembro de 2021, quando o Grupo CCR S.A, que já administrava a rodovia, venceu a relicitação. A Dutra é o trecho da BR-116 que liga as regiões metropolitanas de São Paulo e Rio de Janeiro. O certame também incluiu trecho da BR-101, entre a divisa dos dois estados até Ubatuba (SP).

À época, o Ministério da Infraestrutura, comandado por Tarcísio, afirmou que aquele foi o maior leilão rodoviário da história, em volume de investimentos previstos. O projeto totaliza cifra de R$ 14,8 bilhões, incluindo os trechos entregues neste sábado (que representam cerca de R$ 1,4 bilhão do montante).

Entre as entregas estão o novo trevo Jacu-Pêssego, no km 213, e a pista marginal, sentido São Paulo, entre o km 209,5 e km 211,8. Em toda a rodovia, trafegam diariamente cerca de 350 mil veículos — entre os de passageiros e os de carga — e 50% do PIB.

As obras estavam previstas para serem entregues somente em fevereiro de 2025, mas no governo Lula a entrega foi adiantada em nove meses.

O evento

Além de Lula, compareceram uma série de ministros de Estado. O presidente da República, em sua participação, afirmou que apenas em 2023 seu governo investiu mais em rodovias do que a gestão anterior em quatro.

O ministro do Transporte, Renan Filho, também foi ao palco e enumerou uma série de obras promovidas pelo governo Lula em toda a BR-116 — a maior rodovia do país, que corta o território do Rio Grande do Sul ao Ceará.

Renan Filho ainda destacou a melhoria das vias na BR-116 promovida pelo governo Lula. Segundo dados da pasta, os trechos considerados bons passaram de 29% da totalidade para 49% na gestão do petista.

Seis dos meus oito irmãos participaram da minha festa em comemoração aos 18 anos do blog, dando assim um toque mais emocionante ao evento.

O Ministro do STF, Alexandre de Moraes, trabalha com um prazo semelhante para a conclusão de dois inquéritos de repercussão internacional: o do 8 de Janeiro, no qual o ex-presidente Jair Bolsonaro é investigado, e o que apura o assassinato de Marielle Franco.

Moraes acredita que, em até dois meses, ambos os inquéritos serão concluídos ou estarão bem perto disso. A partir daí, então, terá início a fase de instrução. As informações são da coluna de Paulo Cappelli

Nela, o STF analisará os elementos apresentados pelos órgãos de investigação e decidirá o que será levado adiante e o que ficará fora do escopo dos respectivos processos. Dada a relevância e a complexidade dos temas, os dois casos deverão ser submetidos à votação pelo plenário da Corte, que conta com 11 ministros.

Em relação a Marielle Franco, a Polícia Federal pediu a abertura de quatro novos inquéritos para apurar supostos crimes, como de corrupção, mapeados no curso da investigação. Esse movimento, contudo, não atrasará o desfecho do inquérito original, que tem o objetivo de identificar todos os envolvidos no assassinato da vereadora.

Determinada pelo ex-ministro da Justiça Flávio Dino em 2023, a entrada da PF no caso é vista no STF como o “ponto da virada” para a elucidação do crime.

Para quem pretende curtir o mês de junho com a combinação de baixas temperaturas e a tradição das festas de interior, com certeza, escolheu Areia, no Brejo da Paraíba, como opção de destino turístico. 

Segundo a Associação de Turismo Rural e Cultural de Areia, Atura-PB, entre hotel e pousadas associados, 80% deles já estão com os fins de semana de todo o mês de junho com reservas esgotadas. E os 20% restantes têm entre 80% e 90% de ocupação. 

Os estabelecimentos se prepararam para receber o público consumidor do destino Areia e montaram uma programação de atrações durante 30 dias de festa junina,  com muito forró pé de serra, quadrilha e comida típica.

O município, que é terra do pintor Pedro Américo, capital estadual da cachaça e das flores, vem registrando mínimas de 19⁰, mas com sensação térmica bem inferior, já que está a 630 metros acima do nível do mar. E segundo a empresa de meteorologia Climatempo, deve prevalecer para os próximos dias tempo nublado e com chuva. O que faz o friozinho continuar firme por Areia.

Claro que,  com a aproximação do inverno, as expectativas ganham outras proporções para os meses da estação na cidade. Além disso, Areia dispõe de excelentes equipamentos turísticos para o público fã do friozinho. Uma gastronomia de massas, filés bovinos e fondues que harmonizam bem com vinhos e com cachaças premiadas nacional e internacionalmente.

E se você deseja conhecer engenhos, muitos deles estão abertos à visitação, com opções de lazer. Areia reúne também uma variedade de cafés no centro da cidade e na zona rural , floriculturas e balneário que fazem um receptivo diferenciado.

De acordo o presidente da Atura, Professor Leonaldo Alves, “como Areia costuma entregar excelentes condições de tarifas de hospedagem,  gastronomia de sabores ímpares e ambientes que valorizam a regionalidade dentro da junção da simplicidade com a sofisticação  da identidade local, isso faz com que o município tenha excelentes avaliações e seja sempre a primeira opção para fins de semana de diversão e de descanso, principalmente nesta época do ano.”

Veja a programação do São João da Atura no perfil do Instagram: @aturaareiapboficial

Em meio a uma disputa com o bolsonarismo pelas cores da bandeira nacional, pré-candidatos a prefeito do PT nas eleições deste ano têm optado por destacar o verde, o amarelo e o azul nos materiais de divulgação publicados nas redes sociais e deixado o tradicional vermelho em segundo plano. O movimento é mais evidente no Sudeste e no Centro-Oeste, regiões onde o presidente Luiz Inácio Lula da Silva perdeu para Jair Bolsonaro em 2022.

O secretário de comunicação do PT, deputado Jilmar Tatto (SP), diz que as campanhas municipais devem se preocupar com as características da eleição local para definir a estratégia, mas ressalta que o verde e amarelo não pode ser esquecido. As informações são do O GLOBO.

“Tem uma orientação de a gente não deixar que o outro lado se aproprie das cores verde e amarela. Mas cada campanha tem as suas características de acordo com a cidade. A bandeira do Brasil é do povo brasileiro. E nós não vamos abrir mão”, disse Tatto.

O PT planeja ainda lançar em breve uma campanha para atrair novos filiados, cujo material trará as cores da bandeira nacional em destaque. Já em relação às disputas municipais, por restrições da legislação eleitoral, os postulantes ainda não podem se apresentar diretamente como candidatos. Em alguns locais, os nomes que almejam concorrer criaram movimentos para poderem organizar as atividades de pré-campanha.

Na capital de Minas Gerais, o deputado federal Rogério Correia está à frente do movimento “BH pode mais”. O logotipo utilizado tem espaço maior para as cores verde, amarela e azul do que para o vermelho. Em 2022, Bolsonaro venceu em Belo Horizonte por 54,25% dos votos válidos no segundo turno contra 45,75% de Lula.

Correia diz que o destaque dado ao verde tem relação com as propostas que pretende apresentar para a cidade: “É pauta essencial para Belo Horizonte a questão ambiental e temos propostas inovadoras na área”.

Em Goiânia, a deputada federal Adriana Accorsi também montou um movimento. O logotipo do “Somar por Goiânia” privilegia o verde, apesar de também contar com o vermelho, o rosa, o laranja e dois diferentes tons de azul. Bolsonaro teve 63,95% dos votos válidos na capital goiana em 2022 e Lula, 36,05%.

Em Vitória, outra capital onde o ex-presidente saiu vitorioso na eleição de 2022 (54,70% x 45,30%), o pré-candidato do PT, João Coser, tem usado o amarelo, o verde e o azul com mais destaque em seu material.

Triângulo mineiro

Fora das capitais, a estratégia de pré-candidatos de priorizar as cores da bandeira também é vista. Em Uberlândia, no triângulo mineiro, região com forte presença do agronegócio, a deputada Dandara Tonantzin também lidera um movimento para as atividades de sua pré-candidatura. O material do “Uberlândia da Gente” tem as cores azul e amarelo. O verde e o vermelho também estão no logotipo, mas em menor destaque.

O espaço da cor vermelha já gerou debate no PT nas duas últimas eleições presidenciais.