Aeroporto de Brasília recebe alerta de ameaça de bomba hoje

Uma ameaça de bomba no estacionamento externo do Aeroporto de Brasília mobilizou o Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar, na manhã de hoje. A natureza do objeto suspeito ainda não foi identificada. Os órgãos iniciaram a operação e isolaram a pista exclusiva para transporte de aplicativo e uma parte da área de acesso ao serviço. O local continua isolado para verificação do artefato pelo esquadrão antibomba da Polícia Militar.

Segundo o Corpo de Bombeiros, oito carros da corporação compareceram ao local, incluindo o de produtos perigosos. A verificação do produto constou como “inconclusiva”, não sendo possível confirmar se se tratava de bomba. O objeto está sendo escaneado e será, posteriormente, destruído. As informações e imagens são do jornal Folha de São Paulo.

A Inframerica, administradora do aeroporto, ativou o plano de contingência, reunindo todas as equipes e acionando o 5º Batalhão da PM que se deslocou para o local em conjunto com o Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal. Pousos e decolagens não foram afetados. Também não houve atrasos ou cancelamentos no aeroporto, segundo a Inframerica. A Polícia foi acionada por volta das 9h30, para averiguar dois pacotes suspeitos localizados nas proximidades do aeroporto de Brasília.

Minha corridinha diária de 8 km hoje foi em Brasília, onde passo mais uma semana de trabalho. Diferente da semana passada, esvaziada por pela presença dos parlamentares em suas bases para as negociações do troca-troca partidário, a semana começa movimentada pela chegada de centenas de prefeitos. 

Não se trata de uma nova marcha. Eles estão em Brasília atendendo a uma convocação da Federação Nacional dos Municípios. Na pauta, a redução de 20% para 8% da alíquota do INSS, medida já aprovada pelo Congresso, mas vetada pelo presidente Lula. 

A briga envolvendo Musk, o dono do X, ex-Twitter, com o ministro Alexandre Moraes, do STF, esquentou a pauta política. Tem também governadores do Norte e Nordeste com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, tentando renegociar a dívida dos seus estados.

O ex-presidente Jair Bolsonaro e a ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro ingressaram com uma ação na Justiça contra o presidente Lula cobrando indenização por danos morais e retratação sobre as declarações relativas ao desaparecimento de móveis do Palácio da Alvorada, a residência oficial dos presidentes da República.

A medida se dá após o próprio governo divulgar uma nota, na última quarta-feira (20), na qual confirma a localização de 261 itens que Lula dizia estarem desaparecidos ou terem sido “levados” por Bolsonaro ao fim da gestão. As informações são da CNN.

ogo nos primeiros dias de mandato, Lula deu entrevistas e declarações, nas redes oficiais do governo e na imprensa, apontando que estavam faltando sofás e camas, entre outros mobiliários, do palácio presidencial. A primeira-dama Janja chegou a abrir as portas do Alvorada para, em entrevista, apontar para itens danificados ou desaparecidos.

“Acontece que, quando você entra no palácio, está tudo desarrumado. Ou seja, a sala que tinha sofá já não tem mais. O quarto que tinha cama já não tinha mais cama. Ou seja, estava totalmente… Eu não sei como é que fizeram, não sei por que fizeram, não sei se eram coisas particulares do casal, mas levaram tudo”, afirmou Lula em janeiro de 2023, durante entrevista aos jornalistas.

Alegando um descaso nos bens do Alvorada, além da ausência de itens básicos, o governo foi às compras para equipar uma parte da área íntima da residência oficial. Conforme mostrou a Folha de S. Paulo, foram adquiridas onze peças, entre elas, um sofá de três lugares com mecanismo para reclinar a cabeça e os pés (65 mil reais), um de dois lugares também elétrico e reclinável (63 mil reais) e uma poltrona de couro italiano com aparador de pés (29 mil reais). Ao todo, foram gastos quase 400 mil reais.

Na ação, o casal Bolsonaro afirma que, ao assumir o governo, em 2019, optou por decorar o Alvorada com seus objetos pessoais. Segundo eles, os móveis do acervo do Palácio ficaram guardados e mantidos em um depósito também administrado pela Presidência.

Os advogados dos Bolsonaro alegam que houve abuso deliberado do cargo por parte de Lula para propagar informações inverídicas, sendo que as declarações foram veiculadas pela imprensa nacional e internacional, “maculando de forma irreversível” a imagem da família e com o objetivo de “difamar, injuriar e caluniar os autores” da ação.

“Espera-se de um Chefe de Estado um comportamento exemplar ao lidar com o interesse público. Espera-se de um Chefe de Estado polidez ao proferir palavras, quando estas possam atingir terceiros. Espera-se de um Chefe de Estado diligência ao utilizar o seu amplo poder. Um Chefe de Estado é bem assessorado para os mais diferentes assuntos e demandas”, afirma a defesa.

Os pedidos no processo

Jair e Michelle Bolsonaro pedem que Lula faça uma retratação pública por meio de uma coletiva de imprensa no Palácio da Alvorada, nas redes oficiais do governo federal e ainda na GloboNews, que veiculou entrevista da família presidencial sobre o desaparecimento e a má conservação dos móveis do Alvorada.

Eles pedem ainda uma indenização por danos morais no valor mínimo de 20 mil reais, corrigidos a partir de 2023, como uma “medida pedagógica”. O montante deve ser repassado a uma instituição de caridade localizada em Ceilândia, cidade próxima à capital federal.

Em nota, a Secretaria de Comunicação da Presidência informou que os móveis comprados em 2023 “foram imprescindíveis para recompor o ambiente do Palácio de acordo com seu projeto arquitetônico, e não são necessariamente de mesma natureza dos itens do relatório citado”.

A Secom acrescenta que os itens foram comprados para recompor o ambiente do Palácio que estava deteriorado e que “também não quer dizer que os 261 itens encontrados estavam em condições de uso”.

O retorno do tenente-coronel Mauro Cid à prisão desestabilizou toda família do ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro e despertou o temor de que outros membros do clã sejam os próximos alvos.

O general Mauro Lourena Cid, pai do tenente-coronel, confidenciou a amigos das Forças Armadas que tem receio de ser preso, assim como o filho. O temor também ronda a esposa do militar, Gabriela Cid, que foi uma das 17 indiciadas — ao lado do marido e de Jair Bolsonaro — pela Polícia Federal no inquérito que apura a falsificação de carteiras de vacinação contra Covid-19. As informações são do O GLOBO.

Já o general Lourena Cid é investigado no inquérito das joias da Arábia Saudita que Jair Bolsonaro tentou se apropriar, de maneira ilegal. O militar atuou na comercialização irregular de presentes destinados ao Estado brasileiro.

Os familiares do ex-ajudante de ordens estavam protegidos pelo acordo de delação premiada firmado por Mauro Cid. Se a tratativa for anulada, todos perdem os benefícios garantidos até então.

A diferentes amigos, Lourena Cid tem repetido a frase de que “o pesadelo não termina”. Em entrevista à repórter Paola Serra, o general disse que a família “está surpresa e arrasada” com o retorno do filho à prisão. O militar afirmou ainda que desconhece detalhes do áudio em que o filho fez críticas ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), e à Polícia Federal.

O velório do jornalista Paulo Pestana, de 66 anos, que morreu na madrugada de hoje, em Brasília, será realizado amanhã, a partir das 9h, na capela 1 do cemitério Campo da Esperança, na Asa Sul. O corpo do jornalista será cremado em Valparaíso de Goiás, às 14h. Pestana tinha sintomas compatíveis com a dengue desde a semana passada, mas a causa da morte não foi informada.

A morte do jornalista e cronista Paulo Pestana, na madrugada de hoje, comoveu Brasília. Em especial ao governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), que, sensibilizado, disse ter perdido o seu “mentor político”. “Uma perda muito grande. Um excelente articulador, profissional excepcional. Perco um dos meus principais mentores políticos”, disse o governador. Leia a seguir a última crônica escrita por Paulo para o Correio Braziliense e publicada ontem no portal.

A música na revolução

Viver é ter histórias para contar. A vida de Tirso Saenz foi assim, quase uma saga, com muitas dessas histórias, que começa numa família musical, passa pela educação formal nos Estados Unidos, transforma-se ao servir a revolução socialista de Cuba e sossega ao lado da mulher, Maria Carlota, em Brasília.

Sossega, mas não muito. Seu Tirso Saens morreu aos 92 anos quando lançava a segunda edição do livro O ministro Che Guevara – testemunho de um colaborador, no Rio de Janeiro, cheio de memórias. O trabalho diário tinha acabado, mas a defesa intransigente da revolução cubana continuou até o fim.

Morando no Lago Norte nos últimos anos, ele aproveitava a aposentadoria depois de uma vida dedicada ao trabalho pela ideologia que acreditava, contando histórias, principalmente sobre sua relação com Che Guevara. Os detalhes ainda estavam frescos na memória.

Não foi um revolucionário de primeira hora, não desceu a Sierra Maestra para depor Fulgêncio Batista, embora deplorasse o ditador. Mas serviu à revolução com fervor, tanto que o pai – que havia impedido a desejada carreira musical – lamentou-se ao ver o filho sem poder dormir mais que três horas por noite de tanto trabalho.

Mas depois de uma vida inteira dedicada à revolução cubana, Tirso Saenz deixou de lado as crises do petróleo e das matérias-primas minerais e voltou a se dedicar ao que mais gostava: música. Mais precisamente, boleros, paixão juvenil que não abandonou nem depois de ter vivido tantas décadas.

Tudo poderia ser diferente se o pai, músico, não tivesse vendido o piano da casa depois de passar um ano tocando fora do país, longe da família, algo deprimido. Achava que a vida dos filhos seria melhor se fossem doutores. Tirso se formou engenheiro químico, voltou a Cuba comandando uma multinacional, entrou no ministério do governo cubano e fez a revolução.

A música nunca saiu do radar. Nas viagens oficiais, ele sempre achava um jeito de dar uma canja e entreter colegas de delegação, cantando os clássicos da canção cubana, temas que ajudaram a definir a música popular ocidental.

Em Brasília, realizou um sonho: gravou um disco, Recuerdos, com o melhor que os compositores cubanos já fizeram. Contigo em la distancia, de Cesar Portillo; Dos gardenias, de Isolda Carrillo; Quizás, quizás, quizás, de Oswaldo Farrés; de origem puramente cubana, juntam-se à argentina El dia que me quieras, de Gardel e La Pera, num desfile latino apresentado com a voz suave, que coube perfeitamente nos arranjos e produção de Jaime Ernest Dias.

O disco pode ser ouvido em todas as plataformas de streaming, graças ao trabalho de Gustavo Vasconcellos, um baterista de rock que decidiu abrir a gravadora GRV para promover artistas independentes e amantes da música.

As histórias que Tirso Saens colecionava e relatava com inegável prazer a quem se dispusesse a dividir uma dose de rum estão registradas em livros e até em algumas entrevistas. A admiração ao líder Che Guevara permaneceu intacta até o fim, mas Tirso Saenz foi além: nunca teve que endurecer; bastava cantar para mostrar toda sua ternura.

Do Correio Braziliense

O motorista suspeito de invadir a área de segurança do Palácio do Alvorada estava bêbado e errou o caminho para casa, segundo informaram fontes da Polícia Federal ao Correio Braziliense. O homem mora em um dos condomínios do Setor de Hotéis e Turismo Norte, às margens do Lago Paranoá, e foi preso em casa por agentes da corporação.

O incidente ocorreu na manhã deste sábado (24) e a PF foi acionada e abriu inquérito para investigar o que foi tratado inicialmente como uma tentativa de invasão, já que o condutor não atendeu às ordens de parada, nem mesmo após ter os pneus do carro atingidas pela equipe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) e do Exército que faziam a segurança do perímetro.

As diligências iniciaram logo após um carro, modelo Ford Focus, acelerar e invadir as proximidades do Palácio. O motorista, de acordo com informações obtidas pelo Correio, começou a empreender velocidade na altura do Palácio do Jaburu, residência oficial do vice-presidente da República, e conseguiu romper a barreira de segurança que impede a aproximação de pessoas não-autorizadas.

O veículo avançou até a guarita do Alvorada e foi atingido por disparos feitos pelos seguranças que estavam no local. Mesmo com os pneus perfurados, o motorista conseguiu sair do local e fugir. Imagens do veículo mostram um dos pneus completamente destruído.

Janja e Lula estavam no Alvorada

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e a primeira-dama, Janja Lula, estavam no Palácio da Alvorada quando houve a tentativa de invasão da residência oficial da Presidência da República. Depois do tumulto, a movimentação voltou ao normal no Palácio.

Confira a íntegra da nota da Polícia Federal sobre a prisão:

A Polícia Federal identificou neste sábado, 24/2, um homem suspeito da tentativa de invasão ao Palácio da Alvorada.

O indivíduo foi localizado em um condomínio nas proximidades do Alvorada. Neste momento ele está prestando esclarecimentos na Superintendência de Polícia Federal no Distrito Federal.

O veículo que teria sido usado na tentativa de invasão foi apreendido. A PF realiza perícias no automóvel e no local da ocorrência. As investigações seguem em curso.

Almocei, hoje, em Brasília, com o jornalista Renato Ferraz, colunista de automóveis deste blog. Ele me levou para conhecer o restaurante Tia Zélia, na Vila Planalto, local onde se abrigaram as primeiras levas de trabalhadores que construíram, sob lama e poeira, dependendo da época do ano, a capital da República.

O lugar, a pouco menos de 1 km em linha reta do Palácio do Planalto e da Esplanada dos Ministérios, é gerenciado por tia Zélia, a cozinheira preferida do presidente Luís Inácio Lula da Silva, cujas fotos enfeitam as paredes do lugar.

“Nesse governo, ele ainda não veio. Mas eu entendo as razões”, disse ela a este blogueiro, enquanto dava ordens aos garçons e demais funcionários do restaurante, batizado com o seu nome.

Além de imagens de Lula, como se fosse um oratório antigo de casas da zona rural dos sertões, o lugar é cheio de fotos de políticos, principalmente de petistas, homenagens e recortes de reportagens jornalísticas.

Na parte interna, apenas seis mesas – uma delas para 10 lugares – e a cozinha, aberta ao público; fora, um gigantesco toldo de lona branca e dezenas de mesas espalhadas pela grama de área pública do outro lado da rua.

Essas ‘invasões’, que expõem funcionários e clientes a riscos de atropelamentos e intempéries climáticas, são bem típicas da cidade que Juscelino Kubitscheck inventou de criar.

A baiana Tia Zélia, que na verdade se chama Maria de Jesus Oliveira da Costa, diz conhecer Lula desde 2008, quando lhe serviu uma buchada de bode.

Lula gostou, voltou e sempre que quis mandou seguranças e auxiliares buscá-la. Aliás, a iguaria é um dos carros-chefes do cardápio, que tem geralmente três opções variadas diárias. É buchada de bode, carne-de-sol e rabada – outro prato preferido de Lula. Tem também macarrão simples, feijão tropeiro ou no caldo, salada tradicional e, claro, cervejas geladas e pingas de todos os estados.

O preço é, além do sabor, convidativo: R$ 45 em média para uma pessoa, com variação diária de pelo menos uma opção. Mas, apesar da lona branca aconchegante, os melhores lugares ficam sob as figueiras ainda não centenárias, mas que oferecem tudo o que às vezes desejamos na secura de Brasília- apenas sombra.

Voltando à minha rotina da ponte aérea Recife-Brasília depois das paradinhas para rodar o País em lançamentos da biografia de Marco Maciel, festas de fim de ano e o carnaval.

A semana promete!