Sebrae - Estamos ai

Prefeito de Brejo recebe título de “Prefeito amigo da criança” pela Abrinq

O prefeito Roberto Asfora de Brejo da Madre de Deus, no agreste pernambucano, foi homenageado com o título “Prefeito Amigo da Criança” pela Fundação Abrinq. Este é o segundo ano em que ele recebe tal distinção, pondo o município entre as 100 cidades laureadas. A premiação reflete o impacto positivo das políticas públicas voltadas para a juventude, implementadas durante sua gestão.

No encontro que reuniu autoridades municipais de todo o Brasil, Asfora compartilhou sua satisfação e honra pela premiação. Ele destacou o reconhecimento nacional obtido pela segunda vez, fruto do compromisso com o município e, em especial, com o bem-estar das crianças. O prefeito enfatizou a dificuldade e a importância desse reconhecimento, evidenciando o sucesso de uma administração dedicada e esforçada.

A trajetória de Roberto Asfora é marcada pela consistência e pelo impacto duradouro de suas políticas, como demonstrado pela primeira premiação recebida em 2005/2006. Sua liderança tem colocado Brejo da Madre de Deus em destaque tanto no estado de Pernambuco quanto no cenário nacional.

De 8 a 13 de outubro, João Alfredo festejará seus 89 anos de independência política com um evento sem precedentes. Sob a administração de Zé Martins, foi anunciada uma programação espetacular, destacando-se pela presença de artistas de grande prestígio.

A celebração contará com apresentações de artistas ilustres como Solange Almeida e Édson Gomes, além de grupos famosos como Mastruz com Leite. Murilo Huff e Walkyria Santos também estão entre as atrações, juntamente com Avine Vinny, Waldonys, e a dupla Ramon e Randinho, além de Nuzio Medeiros e Vitórias Freitas, que prometem realçar o evento.

Zé Martins, prefeito de João Alfredo pelo PSB, expressou seu entusiasmo pela festa: “Estamos empenhados em reviver a cultura local e as tradicionais celebrações de rua desde o início do nosso mandato. Esta com certeza será uma das maiores festividades que já organizamos. Estou ansioso para que a população aproveite e se orgulhe da nossa programação”, enfatizou.

Da Agência Brasil

As seis dezenas do concurso 2.736 da Mega-Sena serão sorteadas, a partir das 20h (horário de Brasília), no Espaço da Sorte, localizado na Avenida Paulista, nº 750, em São Paulo

O sorteio terá a transmissão ao vivo pelo canal da Caixa no YouTube e no Facebook das Loterias Caixa. O prêmio da faixa principal está acumulado em R$ 40 milhões.

Caso apenas um apostador acerte o prêmio e aplique o valor na poupança, receberá R$ 235 mil de rendimento no primeiro mês.

As apostas podem ser feitas até as 19h (horário de Brasília) nas casas lotéricas credenciadas pela Caixa, em todo o país ou pela internet. O jogo simples, com seis números marcados, custa R$ 5.

Do Brazil Journal

O maior e mais tradicional escritório de advocacia de São Paulo, o Pinheiro Neto está no centro das grandes transações do Brasil corporativo, frequentemente assessorando multinacionais que investem no País.

O CEO do escritório, Fernando Meira, tem ouvido uma resposta incômoda quando pergunta como os clientes (internacionais) desses escritórios estão vendo o Brasil. Ultimamente, a resposta tem sido unânime: “O Brasil não está mais no radar.”

Para o advogado, o Brasil tem um potencial enorme — mas continuará sendo “o país do futuro” se não houver um projeto nacional pactuado entre as elites política e política e empresarial. 

“O que o investidor quer é previsibilidade, estabilidade e segurança. O que o Brasil oferece é o oposto,” Meira disse ao Brazil Journal. “É zero segurança jurídica, com mudança nas regras o tempo todo.”

Meira disse que nossos problemas crônicos estão fazendo o Brasil desembarcar do trem da história. 

“Lá fora só se discute inteligência artificial e como ela vai impactar todo mundo. No Brasil, a gente fica discutindo Bolsonaro e Lula, resultado fiscal, tributação de blusinha,” disse o advogado, que começou a trabalhar no escritório há 35 anos. “Há uma sensação de fracasso do País. A gente não consegue dar seriedade para as discussões que precisam ser feitas.”

Abaixo, os principais trechos da entrevista.

Como você tem visto a demanda de clientes internacionais pelo Brasil?

O Brasil não está mais no radar do investidor estrangeiro. Não está recebendo dinheiro novo. 

A gente [o Pinheiro Neto] sempre foi um pulso: quando o Brasil vai bem e está bem posicionado, toda semana é um monte de checagem de conflito — de empresas, de investidores de diferentes geografias e segmentos – porque quando o Brasil vai bem ele atrai muito investimento da Europa, dos Estados Unidos, da Ásia…

Mas nos últimos anos, o que temos visto é que o investidor estrangeiro que já está no Brasil continua olhando para o País, porque é uma visão de longo prazo, um mercado que tem fundamentos sólidos, com mais de 200 milhões de pessoas, liderança na produção de commodities agrícolas, minerais, e que tem um mercado mais sofisticado. 

Mas quem ainda não está simplesmente parou de olhar, mesmo com a Rússia cancelada, e a China mais cancelada ainda. 

E por que isso tem acontecido?

O Brasil tem um potencial enorme, mas continua só no potencial. Nos últimos anos, o País está diminuindo sua posição estratégica.

Eu converso lá fora com todos os escritórios e pergunto como eles têm sentido o interesse dos clientes deles pelo Brasil. A resposta tem sido sempre a mesma: ‘Francamente, o Brasil não está mais no radar. Outras geografias estão muito mais atrativas.’

E por que isso? Porque é difícil acompanhar o que acontece no Brasil. O que o investidor quer é previsibilidade, estabilidade e segurança. O que o Brasil oferece é o oposto! É zero segurança jurídica, com mudanças nas regras o tempo todo! 

A verdade é que muita gente que acreditou naquelas ondas de ‘agora o Brasil vai’ acabou se queimando. Quando você olha o histórico do Brasil, o que acontece? Quando começa a sinalizar que vai dar certo, as empresas acreditam e tomam dívida para aumentar seu negócio – e aí o Brasil dá aquele voo de galinha. A taxa de juros vai lá para cima, e a estrutura de capital das empresas entra em colapso. 

Aí vem reestruturação de dívida, venda de ativos… É o tempo inteiro isso! As empresas que estão melhor posicionadas hoje são aquelas que têm uma posição de liderança na sua respectiva indústria e que aprenderam a ser mais conservadoras. 

Muitos empresários têm reclamado da situação do Brasil hoje…

O ponto para mim não é nem reclamar. Porque hoje em dia tudo é tão raso e polarizado: ‘essa turma é isso, essa é aquilo.’ 

Para mim, é uma questão de visão de País. Qual é o projeto desse País? O projeto desse País tem que ser um capitalismo com responsabilidade social e enfrentamento das carências históricas. Tem que ter seriedade. Tem que ter combate corrupção. Tem que ter responsabilidade fiscal. Não tem atalho. Não tem caminho fácil. A agenda que funciona é aquela que sabemos que é a correta.

Qual a agenda propositiva? O que o Brasil deveria estar fazendo neste momento?

Perseguindo o grau de investimento e tentando entrar numa OCDE, para ganhar respeitabilidade. E o que precisa para isso? De novo: estabilidade, previsibilidade e segurança jurídica. E menos ruído! 

Os fundamentos do País são muito sólidos, mas se a gente não oferecer isso, o capital não vai vir para cá. 

Nosso escritório se defende neste cenário ruim, porque uma das nossas principais práticas é a reestruturação. Mas como brasileiro, essa é a minha visão.

Por que não vamos na cartilha daquilo que sabemos que dá certo? Daquilo que deu certo em todos os outros lugares do mundo? É tijolinho em cima de tijolinho. É conseguir trabalhar nos consensos. Tem um monte de consensos, mas não conseguimos implementar nem os consensos! 

O maior problema do Brasil hoje é falta de projeto?

Sim, mas tem outro, que é o crime organizado. Tem usina de açúcar e álcool comprada por fundos debaixo do PCC, que fornece álcool para postos bandeira branca, que pertencem ao PCC. 

A visão é sempre do atalho, de como vou dar a grande tacada, mesmo que não seja correta. O cara que faz a coisa direitinho é o bobo. O cara que tem a visão de que vamos fazer as coisas que já se provaram acertadas e se afastar das que já se provaram acertadas e se afastar das que já se provaram erradas, este também é visto como bobo. 

Como criamos um projeto de País com essa mentalidade?

Do Giro Mata Norte

O jovem de 18 anos de idade, Carlos Eduardo, conhecido por Carlinhos, aluno do curso de Direito, é o presidente do Partido Progressista (PP), legenda que disputará a majoritária pela prefeitura de Buenos Aires referendando o nome de Henrique Queiroz (PP) e do pré-candidato a vice Léo (PSD).

Carlinhos é filho do vereador e presidente da Câmara Municipal de Buenos Aires, Luiz Carlos, conhecido por “Oiti”, que está no seu primeiro mandato e disputará a reeleição pelo Partido Liberal (PL).

O Progressistas, partido comandado no estado por Eduardo da Fonte (PP) e, no Recife, por Lula da Fonte (PP) se prepara para entrar na história em Pernambuco, com perspectiva de fazer algumas dezenas de prefeitos em 2024.

Em conversa com o comunicador Josildo Santos, Carlinhos disse está entusiasmado com esse primeiro momento de desbravar os caminhos da política local, mesmo que não vá disputar uma vaga no legislativo, mas acredita que será uma grande aprendizagem acompanhar a trajetória do partido que sonha alto.

Na última quarta-feira, a Prefeitura de Belo Jardim celebrou a inauguração de duas significativas melhorias urbanas: a modernização da Avenida Natalício Amaro e a estreia do calçadão Antônio Falcão de Araújo. A avenida, agora com 580 metros de asfalto renovado, e o calçadão, com 540 metros de extensão, oferecem à comunidade local novas opções de lazer e exercício, além de melhorar a acessibilidade e a mobilidade urbana. 

A secretária de Infraestrutura e Urbanismo, Joedna Souza, expressou grande satisfação com essas entregas, destacando-as como marcos da gestão municipal. “Estamos aqui na avenida Natalício Amaro, que foi toda revitalizada com asfalto, pista de cooper, calçada e área verde. Aqui antes era apenas uma avenida e agora também é um espaço de lazer. Essa obra é um marco para a gestão municipal e estamos muito felizes de realizar mais uma grande entrega para a população de Belo Jardim”, afirmou.

A homenagem ao senhor Antônio Falcão de Araújo, um respeitado cidadão de Belo Jardim, adicionou um toque pessoal à cerimônia. Com uma vida dedicada ao serviço bancário e jurídico na região, sua memória foi honrada na presença de autoridades locais, incluindo o prefeito Gilvandro Estrela, a primeira dama Márcia Feitosa, e membros do legislativo municipal. A celebração não apenas reconheceu as contribuições de Araújo, mas também reforçou o compromisso da administração atual com o progresso contínuo da cidade.

Praticamente às vésperas das eleições, o prefeito de Águas Belas , Luiz Aroldo (PT), escancarou o uso da máquina na tentativa de eleger o sucessor: mais de R$ 3 milhões para obras de calçamento, segundo ato no Diário Oficial de hoje. Confira abaixo:

AVISO DE ADJUDICAÇÃO
CONCORRÊNCIA PÚBLICA Nº 2/2024
A Comissão de Contratação da Prefeitura Municipal de Águas Belas, no Estado
de Pernambuco, constituída por ato do Prefeito, torna público que, tendo em vista o
resultado apurado em julgamento realizado em 11 de junho de 2024 da Concorrência
Pública nº 2/2024, Processo nº 18/2024, que tem como objetivo a contratação de empresa
de engenharia para pavimentação em paralelepípedo granítico de vias urbanas do
Município de Águas Belas – PE, resolve por bem adjudicar em favor da empresa: M. M. DA
SILVA OLIVEIRA CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS LTDA, CNPJ: 35.978.627/0001-04, estabelecida
na Rua Antonia Cabral de Oliveira, 25 – Centro – São Joaquim do Monte – PE – CEP: 55.670-
000, foi vencedora do presente certame, por apresentar o menor valor global, totalizando
R$ 3.326.596,06 (três milhões trezentos e vinte e seis mil quinhentos e noventa e seis reais
e seis centavos).
Águas Belas-PE, 11 de junho de 2024
MATHEUS DE OLIVEIRA ARAÚJO VASCONCELOS
Secretário de Infraestrutura e Serviços Públicos

Do Poder360

O Conselho de Ética da Câmara dos Deputados arquivou nesta 4ª feira (12.jun.2024) o pedido de cassação contra o deputado Glauber Braga (Psol-RJ), acusado de agredir o colega Abilio Brunini (PL-MT) em 8 de novembro de 2023. O caso se deu em uma reunião da Comissão de Direitos Humanos para discutir o conflito na Faixa de Gaza.  O PL apresentou uma representação ao Conselho pedindo a cassação de Braga.

O relator do processo, deputado Ricardo Ayres (Republicanos-TO), declarou em seu parecer que não havia “justa causa” para o andamento do caso e recomendou o arquivamento. O relatório foi aprovado foi aprovado com 9 votos a favor e 4 contra.

Esta não foi a 1ª vez que Braga se envolveu em embates na Câmara. Em 16 de abril, o psolista agrediu e expulsou da Câmara um integrante do MBL (Movimento Brasil Livre). O homem que discutiu com o deputado foi o youtuber Gabriel Costenaro. O arquivamento da ação se dá uma semana depois do Conselho de Ética encerrar o caso contra o deputado André Janones (Avante-MG). Na ocasião, o relator, deputado Guilherme Boulos (Psol-SP), também recomendou arquivar o processo.  Janones era acusado de supostamente participar de um esquema de desvio de salários de assessores do gabinete dele, prática chamada na política de “rachadinha”, para cobrir despesas de campanhas eleitorais. 

EMBATES NA CÂMARA E REAÇÃO DE LIRA

Em 5 de junho, logo depois do arquivamento da ação contra Janones, deputados da oposição e governistas discutiram acaloradamente. Janones e Nikolas Ferreira (PL-MG), por exemplo, quase se agrediram dentro do colegiado e nos corredores da Câmara. Os repetidos embates levaram o presidente da Casa Baixa, Arthur Lira (PP-AL), a apresentar um projeto para mudar o regimento interno e autorizar à Mesa Diretora a suspender cautelarmente o mandato de congressistas que infringirem o Código de

Ética até que a punição seja, de fato, votada pelo Conselho.  A proposta teve a urgência aprovada na noite de 3ª feira (11.jun) e o texto deve ser analisado nesta 4ª feira (12.jun).  O projeto foi debatido na reunião do Conselho de Ética desta 4ª (12.jun). Há um receio entre os deputados contrários que o texto dê muito poder à Mesa Diretora, especialmente a Lira.  Braga afirmou que se sente “com a cabeça na bandeja sendo entregue ao senhor Arthur Lira”.

Miguel tem a força

De tudo que a pesquisa do Opinião revela hoje, no que diz respeito à sucessão municipal em Petrolina, o que chama mais atenção é a força eleitoral do ex-prefeito Miguel Coelho (UB). Embora tenha uma gestão aprovada por mais de 70% dos petrolinenses, o prefeito Simão Durando (UB), que era vice de Miguel e o sucedeu, quando renunciou para disputar o Governo do Estado em 2022, só elastece a vantagem ante o ex-prefeito Júlio Lóssio (PSDB), quando seu nome é associado ao apoio de Miguel.

Sai de 13 para impressionantes 32 pontos de diferença, uma marca que aponta, indiscutivelmente, Miguel, de longe, a maior liderança do São Francisco. Isso ficou evidente também na eleição de segundo turno para governador. Quando Miguel apoiou Raquel, a tucana saiu de seis mil votos, no primeiro turno, para 86 mil votos em Petrolina. Isso numa região, o Sertão, onde, predominantemente, Marília Arraes (SD) ganhou em quase todos os municípios, associando seu nome ao presidente Lula.

Miguel, aliás, foi extremamente correto e solidário com Raquel. Tão logo saiu o resultado do primeiro turno para governador, no qual ficou de fora, indo Marília e Raquel para o confronto final, o então candidato pelo União Brasil anunciou o seu apoio à tucana, sem ao menos ter uma conversa formal. Revelou na mesma noite, ao final da apuração. Engajou-se na campanha como se fosse a sua, mas eleita, Raquel não valorizou Miguel nem tampouco prestigiou o clã Coelho.

Certamente, temendo sombra, porque Raquel Mandacaru é o tipo de política que não abre espaço a ninguém que possa representar, no futuro, uma ameaça às suas pretensões políticas. Não quer, na verdade, ninguém que tenha brilho próprio. É tão narcisista que se olha no espelho todos os dias e diz: “Espelho meu, há alguém nesta face da terra melhor do que eu”.

Com o tempo, o grupo de Miguel se aliou ao projeto do prefeito do Recife, João Campos (PSB), visto, desde já, como o potencial e temente adversário de Raquel em 2026, quando tentará a reeleição. Saindo reeleito no primeiro turno, João se transforma, naturalmente, no candidato natural das oposições. Neste cenário, Miguel e o seu grupo terão papel extremamente importante na campanha de João pelo Interior, especialmente no Vale do São Francisco.

PREFEITO BEM AVALIADO – Ainda retratando o levantamento do Opinião, dos três gestores – Lula, no plano nacional, Raquel no estadual e Simão Durando no municipal – o prefeito é o que detém maior sintonia com a população. O conjunto da sua administração é aprovado por 71% dos petrolinenses, batendo, inclusive, Lula, que tem 58% de aprovação, enquanto a governadora aparece no rabo da gata – 46,8% de aprovação, enquanto 36% a desaprovam.

João no palanque de Simão – O prefeito do Recife, João Campos (PSB), dará o start, amanhã, da aliança eleitoral com o prefeito de Petrolina, Simão Durando (UB), da mesma forma que o União Brasil já fez com o projeto da reeleição dele no Recife. O ato será às 17h, no hotel Grande Rio, na Orla do São Francisco, com a presença de todo o clã Coelho, sob a liderança de Miguel.

A chorona – Rifada pelo PT em seu projeto de disputar a Prefeitura de Caruaru, a deputada Rosa Amorim anda choramingando. “Sou centralizada pelo partido, acho que agora temos uma boa configuração, mas, ao mesmo tempo, acho que foi uma pena o Partido dos Trabalhadores não ter lançado uma candidatura própria. Seria um bom momento para a cidade, o PT está num bom momento”, disse, ontem, na Rádio Folha, ao expressar seu desapontamento com Lula, que prefere o partido no palanque de Zé Queiroz (PDT).

Lula pisa na bola – As declarações do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em evento no Rio de Janeiro, na manhã de ontem, causaram uma turbulência no mercado brasileiro maior do que a esperada para o dia, que tinha duas importantes divulgações nos Estados Unidos, que poderiam mover o humor dos investidores. Após as falas de Lula, o dólar alcançou máxima de R$ 5,43, mas perdeu força e fechou o dia a R$ 5,406, em alta de 0,86% ante o fechamento anterior. Já o Ibovespa, principal índice da bolsa brasileira (B3), abriu em leve alta antes do discurso de Lula, mas inverteu rapidamente o sentido e passou o dia no vermelho, fechando em queda de 1,4%, em 119.936 pontos.

Vai jogar a toalha? – O prefeito de Arcoverde, Wellington Maciel (MDB), criou uma grande expectativa em relação à entrevista coletiva que convocou para amanhã, às 11h. Nos bastidores, a versão mais corrente, vazada por gente aliada dele, é de que anunciará, oficialmente, sua desistência da reeleição. Empresário bem-sucedido em Arcoverde e na região, Wellington não se revelou bom gestor público nem habilidade política. Sua gestão tem um alto índice de rejeição, e nas pesquisas de intenção de voto para prefeito não consegue passar dos 6%.

Curtas

SE A MODA PEGA – A Câmara dos Deputados aprovou, ontem, projeto que prevê a suspensão de mandato para parlamentares por quebra de decoro. O texto altera o regimento interno da Casa Legislativa e dá mais celeridade ao processo suspensivo. Bem que essa moda poderia chegar nas assembleias legislativas e câmaras municipais.

É PRA VALER – De acordo com o texto, a Mesa Diretora terá cinco dias úteis após a ocorrência para encaminhar o pedido de suspensão do deputado ao Conselho de Ética por quebra de decoro parlamentar. O colegiado, por sua vez, terá 72 horas para se manifestar sobre a punição.

IMPACTADO – Em entrevista, ontem, ao Frente a Frente, programa que ancoro pela Rede Nordeste de Rádio, o vice-prefeito de Santa Cruz do Capibaribe, Helinho Aragão, disse que nem ele próprio, agora escolhido como candidato do grupo que está no poder, foi informado com antecedência pelo prefeito Fábio Aragão sobre a decisão dele de desistir da reeleição. “Fiquei impactado. Aliás, ainda estou”, confessou.

Perguntar não ofende: Quando Lula vai se conscientizar de que tem que mudar o ministro Alexandre Padilha, desastroso articulador político?

Em Petrolina, maior colégio eleitoral do Sertão, o prefeito Simão Durando (UB), que tenta um novo mandato, larga na frente com 39% das intenções de voto, segundo pesquisa do Instituto Opinião, em parceria com este blog. Em segundo lugar, aparece o ex-prefeito Júlio Lóssio (PSDB), com 26,4% e em terceiro o também ex-prefeito Odacy Amorim (PT), com 11,2%, enquanto Lara Cavalcanti (PL) tem apenas 2,8% e Perpétua da Saúde (Psol) se situa abaixo de 1%, com exatos 0,6%.

Brancos e nulos somam 6% e indecisos chegam a 14%. Neste cenário, Simão abre uma frente de 13 pontos sobre Lóssio, o segundo colocado, mas quando o Opinião quis saber a influência do ex-prefeito Miguel Coelho e da governadora Raquel Lyra nas eleições em Petrolina. Quando o eleitor é instigado a responder se votaria num candidato apoiado por Miguel, Simão sobe de 39% para 53,4%, enquanto Lóssio cai de 26,4% para 21,4%, vantagem de 32 pontos.

Já Odacy, quando tem seu nome associado ao senador Humberto Costa, principal líder do PT no Estado, também cai, de 11% para 9%. Na espontânea, modelo pelo qual o eleitor é forçado a lembrar o nome do seu candidato preferido sem a lista com todos os pré-candidatos, Simão também lidera. Aparece com 21%, Lóssio com 4,4%, Lara 1,2% e Odacy com 1%. Neste cenário, brancos e nulos somam 3,4% e indecisos sobem para 63,6%.

No quesito rejeição, Odacy lidera. Entre os entrevistados, 18% disseram que não votariam nele de jeito nenhum, seguido por Lóssio. Ainda entre os entrevistados, 10,8% afirmaram que não votariam de jeito nenhum no tucano, enquanto 9% disseram o mesmo em relação a Lara. Já 8,2 dos entrevistados disseram que não votariam de jeito nenhum em Perpétua e apenas 6,6% afirmaram que não votariam de jeito nenhum em Simão.

O Opinião fez ainda os cruzamentos de cenários. Num confronto isolado entre Simão e Lóssio, o prefeito venceria. Teria 46,6% dos votos contra 36,6%, uma diferença de 10 pontos. Já se o adversário do prefeito viesse a ser Odacy, a vantagem de Simão seria muito maior. Ele teria 60% dos votos contra 24% do petista. Já se fosse Lara, Simão venceria igualmente com 65,8% dos votos contra 12,8%. Por fim, se a candidata viesse a ser Perpétua, o prefeito teria 70% dos votos e ela apenas 8,6%.

Estratificando a pesquisa, Simão tem suas maiores indicações de votos entre os eleitores mais jovens, na faixa etária de 16 a 24 anos (56,1%), entre os eleitores com grau de instrução superior (43,8%) e entre os eleitores com renda familiar acima de cinco salários (43,4%). Por sexo, 43,5% dos seus eleitores são homens e 35,1% são mulheres.

Já Lóssio aparece com melhores percentuais de intenção de voto entre os eleitores na faixa etária de 25 a 34 anos (30,2%), entre os eleitores com renda familiar até dois salários (30,2%) e entre os eleitores com grau de instrução até a 9ª série (31,4%). Por sexo, 27,2% dos seus eleitores são mulheres e 25,4% dos seus eleitores são homens.

Odacy, por fim, aparece mais bem situado entre os eleitores com grau de instrução superior (17,5%), entre os eleitores na faixa etária de 45 a 59 anos (15,8%) e entre os eleitores com renda familiar acima de cinco salários (12%). Por sexo, 11,9% dos seus eleitores são mulheres e 10,3% dos seus eleitores são homens.

O levantamento foi a campo entre os dias 3, 4 e 5 de junho, sendo aplicados 500 questionários. O intervalo de confiança estimado é de 95,0% e a margem de erro máxima estimada é de 4,4 pontos percentuais para mais ou para menos sobre os resultados encontrados no total da amostra.

A modalidade de pesquisa adotada envolveu a técnica de Survey, que consiste na aplicação de questionários estruturados e padronizados a uma amostra representativa do universo de investigação. Foram realizadas entrevistas pessoais (face a face) e domiciliares. A pesquisa está registrada sob o protocolo PE-05701/2024.

AVALIAÇÃO DE GESTÃO

No mesmo levantamento, o Opinião mediu o nível de satisfação da população de Petrolina com os três níveis de governo – federal, estadual e municipal. O municipal, à frente Simão Durando, é o mais bem avaliado. Sua gestão conta com 71% de aprovação e 18,6% de desaprovação. Em seguida, a gestão Lula, que tem 58,8% de aprovação e 32% de desaprovação, enquanto o Governo Raquel aparece com a menor taxa de aprovação: 46,8% ante 36% de desaprovação. 

O dia do amor, ou a noite dos namorados, num lugar bem especial com minha Nayla Valença: no restaurante Sabor do Campo, no meio do mato, sentindo o cheiro de flor de jetirana. Cenário romântico, pé no chão de vidas secas. Meu amigo Kelsen Ferreira caprichou no cardápio e na música.

Logo mais, exatamente à meia-noite, este blog traz pesquisa do Instituto Opinião para prefeito de Petrolina, maior colégio eleitoral do Sertão. Um bom motivo para os petrolinenses irem dormir hoje um pouquinho mais tarde.

Da Agência Brasil

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (12), o regime de urgência para o Projeto de Lei 1904/24, que equipara o aborto de gestação acima de 22 semanas ao homicídio, aumentando de dez para 20 anos a pena máxima para quem fizer o procedimento. Os projetos com urgência podem ser votados diretamente no Plenário, sem passar por debates em comissões.

O texto fixa em 22 semanas de gestação o prazo máximo para abortos legais. Hoje em dia, a lei permite o aborto nos casos de estupro, de risco de vida à mulher e de anencefalia fetal (quando não há formação do cérebro do feto). Atualmente, não há no Código Penal um tempo máximo de gestação para o aborto legal.

O aborto não previsto em lei é punido com penas que variam de um a três anos, quando provocado pela gestante ou com seu consentimento, e de três a dez anos, quando quem provocar um aborto sem o consentimento da gestante.

Caso o projeto seja aprovado, a pena máxima para esses casos passam a ser de 20 anos nos casos de abortos cometido acima das 22 semanas, igual a de homicídio simples previsto no artigo 121 do Código Penal.

Os deputados também aprovaram hoje o regime de urgência para o Projeto de Lei 4372/16, que invalida a homologação da delação premiada de réu preso.

Pela segunda vez, o município de Buíque ganhou o prêmio Prefeito Amigo da Criança, da Fundação Abrinq. O prefeito Arquimedes Valença (MDB) recebeu a premiação, nesta quarta-feira (12), em Brasília, ao lado do Deputado Federal Fernando Monteiro, da Secretária de Finanças, Telma Valença, e do Secretário de Assistência Social, Matheus Brazão.

“O Prêmio Prefeito Amigo da Criança é um reconhecimento tão importante que nos leva à certeza que fizemos uma gestão séria, de qualidade e de comprometimento com os que mais precisam, nesse caso as nossas crianças”, disse o prefeito. Apenas outros 99 prefeitos brasileiros receberam o prêmio, neste ano.

O estrategista e empresário pernambucano André Gustavo Vieira, há muito tempo atuando no cenário da política nacional, na Europa e África, aceitou o desafio de voltar a Douala, na República dos Camarões, para coordenar a campanha do presidente do partido PURS, alinhado com o Brics.

Ele vai estruturar a campanha presidencial de Serge Espoir Matomba, que já havia feito em 2018. Apesar de não ter vencido o pleito, a campanha dirigida por André foi considerada, em 2018, a melhor já feita na África, em evento realizado em Johanesburgo, na África do Sul. Ele desembarcou na África Central levando um grupo de empresários.

A Procuradoria Geral Municipal do Paulista obteve, nesta quarta-feira (12.06), a autorização da Justiça para que a Prefeitura possa retomar as obras do Cineteatro Paulo Freire. A decisão foi tomada pelo juiz de Direito da Vara da Fazenda Pública da Comarca de Paulista, Dr. Marcelo Marques Cabral, que revogou decisão anterior.

O magistrado se baseou nas informações e documentos apresentados pela Procuradoria Geral Municipal. O órgão da Prefeitura apresentou um laudo técnico do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), que usava uma área do Cineteatro e deixou o local, por apresentar risco iminente de desabamento.

A Procuradoria Geral Municipal também reuniu pareceres da Defesa Civil corroborando a medida adotada pelo TRE. Além disso, a Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe) apresentou uma nota técnica garantindo que o Cineteatro Paulo Freire não consiste em bem tombado pelo Estado de Pernambuco, tampouco encontra-se em processo ou no entorno imediato de bem protegido pela Lei n.° 7.970/1979.

A retomada das obras do Cineteatro visa devolver à cidade um equipamento funcional, dentro dos padrões de acessibilidade e conforto. O local é um importante marco da cultura no município e a sua requalificação colocará Paulista, novamente, como roteiro de apresentação teatral, além de outras manifestações artísticas que o espaço visa proporcionar.

Após postagens deste blog, que levantou o assunto, a Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco virou alvo de uma ação popular, na Justiça estadual, movida pelo advogado Carlos Henrique Rosa de Souza, por ato lesivo ao patrimônio público e aos princípios administrativos em relação ao abandono em que se encontra o histórico prédio onde ficava o Diario de Pernambuco, no bairro de Santo Antônio, região central do Recife.

O Diario de Pernambuco, jornal mais antigo em circulação na América Latina, com quase 200 anos, ocupou o prédio por décadas, ficando no local, em frente à Praça da Independência, até 2004,quando se transferiu para Santo Amaro. À época o jornal pertencia ainda aos Diario Associados, condomínio midiático criado por Assis Chateaubriand. Em constante crise, o prédio foi vendido ao Governo do Estado por R$ 2 milhões.

O então governador Jarbas Vasconcelos negociou sua incorporação ao patrimônio pernambucano. A ideia era que a construção virasse sede do Arquivo Público Estadual.

Ainda naquele ano, o Governo do Estado chegou a contratar uma empresa de engenharia, em caráter de urgência, mas o projeto do novo Arquivo Público não foi para a frente. Houve ainda um leve sinal de que o projeto avançaria, em 2011, já no Governo Eduardo Campos. Nada.

Em 2014, houve a intenção de que para lá se deslocasse o Porto Digital. Também não avançou. O resultado é que o edifício está em situação precária, envergonhando os pernambucanos que se lembram de sua imponência do passado.

“Os réus vêm desrespeitando a legalidade e a moralidade ao não disporem das condições de utilização do bem público, isto porque não foi preenchido o requisito da satisfação ao interesse público nem tampouco cuida da conservação do bem histórico”, disse o advogado na ação.

O pedido de liminar exige, entre outras coisas, que o imóvel seja “desobstruído do acúmulo de lixo, entulhos e excrementos de pessoas em situação de rua”, que “haja manutenção de guarda patrimonial para evitar a entrada de vândalos no imóvel, posto que o espaço atualmente encontra-se vulnerável a invasões” e que a Justiça possa fixar um “prazo para iniciar as condições para publicação de edital de licitação visando a reforma do prédio”.

Além disso, pede que haja multas para descumprimento e que seja instaurado inquérito para apurar possíveis omissões no caso.