FMO - Processo Seletivo 2024

Após ano de vitórias no Congresso, Haddad começa 2024 com desafio de manter boa relação com parlamentares

Após um ano de vitórias no Congresso Nacional, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, termina 2023 sob uma chuva de críticas de parlamentares e setores da economia devido à vontade do governo federal de retomar a reoneração de parcela da indústria.

O desafio de Haddad em 2024 será manter a boa relação com o Congresso que vinha se sustentando até meados de dezembro. As informações são da CNN.

O governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) editou, na sexta-feira (29), uma medida provisória (MP) que reonera gradualmente as atividades econômicas a partir de 1º de abril de 2024. Ou seja, empresas que tinham benefícios fiscais podem perdê-los.

Os parlamentares não gostaram nem do conteúdo, nem da forma – acham que deveria ser por meio de projeto de lei e não em meio ao recesso. Na visão de parte dos parlamentares, a MP do Executivo desautoriza e atropela decisão anterior do Congresso em favor do alívio tributário.

Entidades que representam setores afetados e a Frente Parlamentar do Empreendedorismo (FPE) – composta por 205 deputados federais e 46 senadores – pediram, inclusive, que o presidente do Congresso e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), devolva a MP ao Poder Executivo.

Caso o pedido seja acatado, o texto nem tramitaria no Congresso. Pacheco afirmou que precisa analisar tecnicamente o assunto e conversar com lideranças parlamentares, deixando a possibilidade de devolução em aberto.

Mesmo que a Medida Provisória tramite no Congresso, os parlamentares podem mexer no texto ou até deixá-lo perder a eficácia. Por isso, Haddad pode começar 2024 sem continuar a boa fase com a qual conseguiu encerrar 2023

Haddad chegou a ser questionado no início de 2023 por parte de parlamentares quanto à sua capacidade política de dialogar com o Congresso. Relatos à CNN ao longo dos últimos meses são de que o ministro surpreendeu e se tornou um dos titulares da Esplanada dos Ministérios mais bem vistos pelos políticos.

Haddad transmitiu habilidade política ao negociar com os parlamentares, na avaliação de deputados e senadores ouvidos, mesmo enfrentando resistência de uma ala do próprio PT.

Veja algumas aprovações no Congresso que podem ser consideradas vitórias do ministro Fernando Haddad em 2023:

  • reforma tributária;
  • novo marco fiscal;
  • retomada do chamado voto de desempate ao Executivo no Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais);
  • taxação de fundos exclusivos e offshore;
  • regulamentação e taxação de empresas de apostas esportivas online;
  • alteração em regras de tributação de incentivos fiscais concedidos a empresas.
Jaboatão dos Guararapes - Carvanval 2024

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Luís Roberto Barroso, disse que o embate entre os Poderes Judiciário e Legislativo é um reflexo da quantidade de congressistas que apoiam o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). Segundo ele, o ex-presidente “elegeu o Supremo” como adversário.

“O ex-presidente atacava o tribunal e ofendia seus integrantes com um nível de incivilidade muito grande. Em qualquer parte do mundo, isso seria e apavorante”, afirmou em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, acrescentando que o comportamento “foi relativamente tolerado por um grande contingente de eleitores que se identificaram com aquela linguagem e atitude”.

Para Barroso, “é natural” que os congressistas que se elegeram na onda bolsonarista “queiram corresponder às expectativas dos seus eleitores que acham que o Supremo é parte do problema”.

Segundo ele, há na democracia “lugar para liberais, progressistas e conservadores”, mas não para aqueles que não a valorizam. “Tenho procurado convencer as pessoas que o Supremo é indispensável na democracia”, afirmou.

Uma eventual raiva ao STF é fruto, conforme o magistrado, de um processo histórico de desrespeito institucional. Ainda, de uma animosidade nas redes sociais, alimentada pela atuação de robôs. “Há uma motivação política de mobilização de bases radicais no discurso contra o Supremo”, afirmou.

O ministro do STF afirmou manter uma boa relação com o presidente do Congresso, Rodrigo Pacheco (PSD-MG). Segundo Barroso, o senador é “extremamente civilizado e educado” e representa “uma liderança importante” no Congresso.

Apesar disso, Barroso declarou que há, no Senado, um grupo com uma visão crítica severa do STF, o que classificou como injusta.

“Ele [Pacheco], presidente de uma Casa, procura, em alguma medida, expressar o sentimento dominante naquela Casa. O que eu verbalizei mais uma vez é que mexer no Supremo, no ano em que foi invadido por golpistas antidemocráticos, é uma simbologia ruim”, declarou.

Conforme o magistrado, o STF “tem feito muito bem” ao Brasil. “Na defesa da democracia, nós prestamos um serviço importante”, afirmou.

“Não acho que o STF acerta sempre, como uma instituição humana, ele tem falhas. Num colegiado, pessoas têm ideias próprias, às vezes um de nós diverge de alguma linha que prevaleça, ninguém é dono da verdade”, disse. “Nós conseguimos deter o populismo autoritário, prestamos um serviço imprescindível ao país, que é a preservação da Constituição e da democracia”, completou.

Ao falar sobre as medidas do Congresso para limitar os poderes do STF, Barroso afirmou que algumas delas já foram acolhidas pelo Supremo de forma espontânea. Entre elas, a submissão ao plenário de ações cautelares que envolvem atos dos outros Poderes.

O problema dessas pautas do Congresso, segundo Barroso, não é o conteúdo, mas a “simbologia” por trás, uma vez que podem “passar para a sociedade a ideia equivocada de que o Supremo tem algum problema”.

Barroso disse não se preocupar com pesquisas de opinião, pois, “em alguma medida”, sempre se está “desagradando alguém”. Ele afirmou avaliar que o STF vem cumprindo seu papel.

“Opinião pública é um conceito um pouco volátil, ela varia e muda a opinião pública de lugar com frequência. Eu sou um sujeito que eu vivo para a história e não para o dia seguinte”, declarou. “Interpretar a Constituição, com independência e coragem moral, significa desagradar setores da sociedade, política ou economia”, finalizou.

Jaboatão dos Guararapes - Dengue 2024

Da Agência Brasil

Levantamento feito pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública apresenta diagnósticos sobre a situação estrutural e funcionamento das instituições de segurança pública e das unidades policiais especializadas no atendimento à mulher. Os dados foram obtidos a partir de pesquisas feitas com polícias militares e civis, corpos de bombeiros, órgãos periciais e unidades de atendimento a mulheres, bem como instituições voltadas para a investigação de narcóticos em todas as unidades federativas.

Segundo a pesquisa, 554.473 ocorrências foram registradas em 2022, ano-base da pesquisa divulgada em 2023. Deste total, 170.984 foram de ameaças. Ainda segundo o diagnóstico, apenas 18,66% das Delegacias de Atendimento às Mulheres (Deams) tinham plantão 24 horas.

O Ministério da Justiça lembra que, naquele ano, ainda não vigorava a Lei 14.541/2023, sancionada em 2023 pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que garante o funcionamento 24 horas por dia dessas unidades, inclusive nos domingos e feriados.

Narcóticos

Conforme o levantamento, 44% das unidades especializadas na investigação de narcóticos estão localizadas no Sudeste e 23%, no Nordeste. Na Amazônia Legal, que corresponde a 59% do território brasileiro, estão localizados 15% desses postos de investigação. A região engloba oito estados (Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins) e parte do Maranhão.

O número equivale a 12 unidades policiais especializadas na investigação de narcóticos. O Ministério da Justiça ressalta que, em 2022, tais unidades foram responsáveis pela apreensão de 737,5 mil quilos de drogas, 65 armas de fogo, 181 veículos, 9 embarcações e 877 aparelhos celulares.

Polícias militares e civis

Quanto ao perfil das instituições de segurança pública, a pesquisa identificou “interrupção de uma série de três anos consecutivos de queda do número de policiais militares na ativa no país, com aumento de 0,6% em relação a 2021 (acréscimo de 2.300 policiais)”.

O levantamento aponta ainda aumento do efetivo feminino nas polícias militares, sendo 2022 o ano de pico dessa alta, com aumento de 1,6% de mulheres nas corporações.

Quanto à raça-cor declarada, os dados indicam que, do total de policiais militares no Brasil, a maioria (39,2%) se declara de cor branca; 31,8% se declaram pardos e 5,2%, de cor preta. “Apenas 0,7% dos policiais militares se declararam de cor amarela e 0,3% se declararam indígenas”, detalha o levantamento, ao destacar que houve, nesse caso, um “elevado percentual de dados não informados [22,9%]”.

De acordo com o estudo, o efetivo de policiais civis aumentou pelo segundo ano consecutivo. O número de delegados, escrivães e agentes em atividade cresceu 1% na comparação com 2021. Isso equivale a um acréscimo de 1.017 profissionais.

Destes, 58,9% se declaram brancos; 26,6%, pardos; 3,8%, pretos; 0,7%, de cor amarela; e 0,3%, indígenas. Dados não informados, nesse quesito, representam 9,7% do total.

Bombeiros e peritos

Tendo como recorte os corpos de bombeiros militares, o levantamento identificou que, em 2022, o efetivo aumentou 0,9%, o que corresponde a um acréscimo de 622 profissionais ao quadro. Segundo o Ministério da Justiça, isso representou aumento percentual de 0,9%.

Do efetivo de bombeiros militares na ativa, 41,7% se declaram de cor parda; 36,8%, brancos; 8,4%, de cor preta; 1,6%, de cor amarela; e 0,3%, indígenas. Nesse quesito, o percentual de dados não informados ficou em 11,1%.

O efetivo de peritos aumentou 6,5% em 2022, na comparação com 2021. O levantamento mostra que, em 2022, o número de peritos do sexo masculino caiu 1,7%, perda que foi compensada com uma alta de 2,6% no número de profissionais do sexo feminino.

A maioria dos peritos criminais ativos no Brasil se declara de cor branca (56%); 16,6% se declaram pardos; e 2,9%, de cor preta. Apenas 2,6% dos peritos se declararam de cor amarela e 0,2% se declararam indígenas. O percentual de dados não informados ficou em 21,7%.

Petrolina - Bora cuidar mais

Na última corridinha de 8 km do ano, há pouco, em Afogados da Ingazeira, bati de frente com a minha eterna professora Tadea Moraes. Ela não me ensinou o beabá nos bancos do Colégio Normal. Daquela época, nos anos 70, a que mais me marcou foi a múltipla Letícia Góis, que ensinava francês com a obrigação, antes do início das aulas, de cantar de pé e com a mão direita no peito, La Marseillaise, o hino da França.

Tadea deu sequência ao período ginasial, uma das melhores professoras de Português, ao lado de Socorro Dias. Professores como Tadea nunca saem da memória, porque são mestres incríveis, que transformam a sala de aula em um lugar mágico de aprendizado, nos inspiram e motivam. Têm paciência, amor e sabedoria. Para mim, sua influência foi muito além da sala de aula. Moldou-me o caráter, um farol de transferência do conhecimento.

Doces lembranças de um tempo feliz, seu avental sempre sujo de giz. Doces recordações de nossa mestra querida. Que bom revê-la saudável e feliz, logo cedo, na calçada da sua casa! Não resisti a um abraço fraterno, uma foto e um beijo na sua face. Beijo de gratidão por tudo que fez por mim na construção dos alicerces dos meus textos como jornalista.

Tadea teve uma dedicação incansável a todos os seus alunos. Não sabe ela, mas aqui confesso: desvendou-me os mistérios do conhecimento. A ela, ofereço uma rosa e esta crônica por continuar a dedicar sua vida ao ensino e ensinar pessoas a viver.

Ainda na corridinha matinal, encontrei-me com meu irmão Marcelo Martins, ao lado da sua Suzana, que não teve a mesma sorte minha de ser aluno de Tadea, mas de outro grande talento, o professor Durval Galdino, um dos mais gabaritados mestres em Matemática. Um ano mais à frente na idade, Marcelo viveu ao meu lado as emoções de dividir a tela do Cine São José, por onde também passei em frente, no percurso.

Éramos tão bagunceiros que o velho Nilton, espécie de arrendatário do cinema, criou a “lista negra” dos jovens que não podiam mais frequentar o cinema, os barrados no baile, com Marcelo, César Henrique, Renato, Dida e eu no topo da lista. Sem alternativas, para não perder os filmes de Tarzan e Mazzaropi, a gente subia no telhado da casa vizinha ao São José e assistia pelos buracos das janelas.

Que tempos belos! Com meu irmão travesso, aprendi desde cedo a dividir espaço, a compartilhar histórias, a brigar e a perdoar. Tivemos a sorte de nascer na mesma família e de ter a companhia um do outro sempre. Ter irmão é ter, para sempre, uma infância lembrada com segurança em outro coração. As nossas brigas da infância fizeram-me ficar treinado para as maiores disputas da vida. 

Ipojuca - App 153

Os R$ 53 bilhões disponíveis no Orçamento de 2024 para as emendas parlamentares é maior que a verba de 32 ministérios, ou 84% do governo. Os valores só ficam atrás dos valores previstos para as maiores pastas: Previdência (R$ 935,2 bi), Assistência Social (R$ 282,5 bi), Saúde (R$ 231,7 bi), Educação (R$ 180,5 bi), Defesa (R$ 126 bilhões) e Trabalho (R$ 111 bi).

O montante também é 35% maior do que o que foi pago em 2023. Até o momento, os parlamentares receberam R$ 39 bilhões em emendas, incluindo restos a pagar de outros anos e que ainda não tinham sido pagos. As informações são do R7.

Desde 2015, o governo é obrigado a pagar as emendas parlamentares aprovadas no Orçamento pelo Congresso. É esse dinheiro que os deputados e senadores enviam para os seus redutos eleitorais, geralmente pagando por obras de infraestrutura.

Ao todo, o Orçamento de 2024 reservou para o Congresso Nacional:

• R$ 19 bilhões: emendas individuais dos deputados;

• R$ 5,6 bi: emendas individuais dos senadores;

• R$ 11,3 bi: emendas de bancada estadual;

• R$ 10,9 bi: emendas de comissões da Câmara;

• R$ 5,6 bi: emendas de comissões do Senado;

• R$ 163,9 mi: emendas de comissões mistas.

Além de turbinarem o valor das emendas parlamentares para o próximo ano, os deputados ainda aprovaram a obrigação de o governo seguir um cronograma de pagamento para as emendas impositivas (individuais e de bancada).

Atualmente, mesmo que tenham pagamento obrigatório, o governo é quem decide o momento que vai pagar as emendas, o que permite algum tipo de negociação durante as votações no Congresso. Isso vai mudar a partir de 2024, quando será obrigatório o empenho dos valores ainda no primeiro semestre do ano.

O governo também perdeu uma vantagem na execução do Orçamento, porque os parlamentares decidiram que, caso falte recurso para as emendas impositivas, o governo deverá retirá-lo de outra área para garantir o pagamento.

O Congresso também conseguiu aumentar o valor do montante destinado ao financiamento de campanhas políticas. O Fundo Eleitoral terá limite de R$ 4,9 bilhões para os recursos a ser alocados durante as campanhas municipais de 2024 — valor 145% maior que o gasto nas eleições municipais de 2020, quando foram utilizados R$ 2 bilhões.

Veja os valores destinados aos ministérios e órgãos públicos em 2024

– Ministérios:

• Previdência: R$ 935,2 bilhões;

• Assistência Social: R$ 282,5 bilhões;

• Saúde: R$ 231,7 bilhões;

• Educação: R$ 180,5 bilhões;

• Defesa: R$ 126 bilhões;

• Trabalho: R$ 111 bilhões;

• Fazenda: R$ 33,5 bilhões;

• Justiça: R$ 22,1 bilhões;

• Cidades: R$ 18,6 bilhões

• Ciência e Tecnologia: R$ 12,8 bilhões;

• Agricultura: R$ 11,2 bilhões;

• Desenvolvimento Regional: R$ 9,3 bilhões;

• Minas e Energia: R$ 9,1 bilhões;

• Gestão: R$ 6,5 bilhões;

• Desenvolvimento Agrário: R$ 5,9 bilhões;

• Portos e Aeroportos: R$ 5,2 bilhões;

• Relações Exteriores: R$ 4,7 bilhões;

• Meio Ambiente: R$ 3,7 bilhões;

• Cultura: R$ 3,5 bilhões;

• Planejamento: R$ 3,3 bilhões;

• Indústria e Comércio: R$ 2,9 bilhões;

• Esporte: R$ 2,5 bilhões;

• Comunicações: R$ 2 bilhões;

• Turismo: R$ 2,3 bilhões;

• Povos Indígenas: R$ 873,5 milhões;

• Direitos Humanos: R$ 523,2 milhões;

• Mulheres: R$ 489,9 milhões;

• Pesca: R$ 373,5 milhões.

Citi Hoteis

*Por Carlos Laerte

Uma santa missa de Envio marcou, nesta sexta-feira (29), a despedida do 4º bispo da Diocese de Juazeiro (BA), Dom Carlos Alberto Breis Pereira, o D. Beto. Depois de um bispado de sete anos e sete meses pontuado pelo trabalho de acolher, abençoar, oferecer e consagrar, este frei franciscano, nascido em São Francisco do Sul (SC), parte agora para uma nova missão como arcebispo coadjutor de Maceió (AL). Escolhido e designado pelo Papa Francisco, a pedido do arcebispo de Maceió, Dom Antônio Muniz Fernandes, o novo coadjutor vai assumir no próximo dia 6 de janeiro, com a expectativa de ampliar ainda mais o trabalho realizado ao som do aboio dos vaqueiros e às margens do Rio São Francisco. 

Sobre a nomeação, a presidência da CNBB Nordeste 2 desejou “um fecundo e ativo pastoreio”, afirmando ser a aquisição um “presente de Deus à Igreja de Maceió”.

Falando da nova missão, o simples, amigo e afável Dom Beto expressou sua alegria respondendo que espera poder ajudar a comunidade de Maceió, desenvolvendo um trabalho de comunhão com visitas pastorais missionárias e atuação determinante junto às paróquias e comunidades pastorais e movimentos sociais. 

Pastor e guia de gestos largos e olhar de avenidas, ele celebrou em agosto de 2019 o Jubileu de Prata de Ordenação Presbiteral. 25 anos de um ministério que começou a partir da ordenação como sacerdote, em agosto de 1994, em Fortaleza-CE. 

Exemplo da humildade que é acolhida para escutar, simplicidade que é partilha e justiça na verdade. Princípios elementares da ordem religiosa que abraçou. Obrigado por tudo, bispo franciscano. Vá com Deus, bom pastor, e sob o manto sagrado de Nossa Senhora das Grotas, seja muito feliz na missão samaritana de renovar e atualizar a consagração ao serviço do Reino na Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo. O caminho, São Francisco de Assis já mostrou. Paz e bem.

*Poeta, jornalista e diretor da Clas Comunicação e Marketing.

Cabo de Santo Agostinho - Refis 2023

A Rússia lançou novos ataques contra a Ucrânia na madrugada deste domingo (31). Esses novos bombardeiros russos ocorrem um dia após o ataque atribuído ao exército ucraniano que, de acordo com o governador local, deixou 24 pessoas mortas, outras 108 feridas no sábado (30), em Belgorod, uma cidade russa localizada a cerca de 80 km ao norte da cidade ucraniana de Kharkiv e a 30 km da fronteira.

O ataque a Belgorod foi contabilizado como o mais mortal contra civis na Rússia desde o início da invasão do território ucraniano, em fevereiro de 2022, e o Ministério da Defesa russo garantiu que ele não ficaria “impune”. Como retaliação, drones de fabricação iraniana atacaram a cidade de Kharkiv, no nordeste da Ucrânia, durante esta noite, de acordo com um porta-voz russo. As informações são do G1.

Entre as vítimas estavam dois adolescentes e um britânico, que era o conselheiro de segurança de uma equipe de jornalistas alemães, de acordo com as autoridades ucranianas.

A Ucrânia, por sua vez, disse no domingo que havia abatido 21 dos 49 drones lançados em seu território durante a noite. O prefeito da cidade de Kharkiv, Igor Terekhov, se pronunciou no Telegram sobre edifícios residenciais e comerciais danificados, mas não mencionou vítimas. “Na véspera do Ano Novo, os russos querem intimidar nossa cidade, mas não temos medo”, acrescentou.

O governador da região ucraniana, Oleg Sinegoubov, disse que os foguetes atingiram um hotel, prédios residenciais, clínicas e hospitais, ferindo 28 pessoas.

Contraofensiva russa

O Ministério da Defesa da Rússia disse neste domingo que havia atingido “centros de tomada de decisão e instalações militares” em Kharkiv, no nordeste da Ucrânia, em retaliação ao ataque sem precedentes à cidade russa de Belgorod no dia anterior.

“Em resposta a esse ato terrorista, as forças armadas russas atingiram centros de tomada de decisão e instalações militares”, disse o ministério no Telegram, enquanto Kiev garantiu que edifícios residenciais, um hotel e cafés foram atingidos. Moscou ainda nega ter como alvo civis na Ucrânia.

A Rússia reconheceu que tinha como alvo um “antigo complexo hoteleiro”, o Palácio de Kharkiv, mas alegou que membros da inteligência militar e das forças armadas ucranianas “envolvidos” no ataque de Belgorod estavam lá, bem como “mercenários estrangeiros”.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas chegou a se reuniu, no sábado (30), às 18h de Brasília, para discutir o ataque em Belgorod e que Moscou atribui à Ucrânia, informou a missão russa na ONU. 

Caruaru - Pré Carnaval

A Prefeitura de Garanhuns dá mais um passo importante rumo à construção do Hospital Municipal. Nesta sexta-feira (29), o prefeito Sivaldo Albino assinou a autorização para publicação do processo licitatório que visa a contratação de uma empresa especializada para construção do equipamento de saúde. Além disso, a Secretaria de Saúde entregou mais cinco ambulâncias, que vão reforçar a frota municipal e a assistência à população do município, em um investimento de mais de 600 mil reais.

O Hospital Municipal de Garanhuns será construído na rua Projetada 10, Massaranduba, S/N, no bairro Novo Heliópolis. A unidade vai atender à necessidade crescente da região por atendimento médico emergencial e de urgência, de baixa e média complexidade, com previsão de atendimento diário de centenas de pacientes. “A construção do hospital é um sonho de muitos garanhuenses e um compromisso da nossa Gestão. Tenho certeza que essa unidade vai ter um papel muito importante e reforçar de forma significativa a saúde de Garanhuns”, destacou o prefeito Sivaldo Albino.

O hospital será construído em uma área de 15.700 metros e terá 100 leitos. Também irá realizar atendimentos em Clínica Médica e Cirurgia, bem como área de internação, sala vermelha e sala amarela. Além de bloco cirúrgico com duas salas e área de recuperação de pacientes, vestiários, área administrativa, área de serviços com cozinha, almoxarifado, farmácia, auditório, laboratório de apoio às atividades da urgência, central de material esterilizado e área para repouso de funcionários. Também contará com uma recepção para urgências e emergências com capacidade na espera para 50 pacientes.

O aviso de licitação foi publicado no Diário Oficial dos Municípios do Estado de Pernambuco e está disponível no site. “Após a finalização dos projetos complementares, podemos agora licitar o tão sonhado Hospital Municipal. A unidade será uma grande referência de atendimentos em nosso município, vamos poder oferecer vários serviços para a população, de uma forma humanizada e de qualidade”, destacou a secretária de Saúde, Catarina Tenório.

Belo Jardim - Novo Centro

Da Confederação Nacional dos Municípios

A Confederação Nacional de Municípios (CNM) critica a decisão do governo federal de revogar a redução da alíquota de contribuição de mais de 5,3 mil entes locais ao Regime Geral de Previdência Social (RGPS), sem apresentar alternativas imediatas aos municípios, como fez em relação aos 17 setores produtivos que também estavam contemplados na Lei 14.784/2023. 

A Medida Provisória (MP) 1.202/2023, assinada pelo presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) retira uma importante conquista, que representaria economia de R$ 11 bilhões ao ano para os orçamentos municipais se valesse de forma integral.

A entidade municipalista estuda medidas para atuação em prol dos entes locais e pressionará o governo federal por respostas. Conforme entendimento da CNM, que carece de maior aprofundamento, o benefício terá vigência de apenas três meses (janeiro a março), uma vez que a MP estipula a revogação a partir de abril. Todos os esforços serão empregados para que a União apresente, de fato, uma solução. Para a CNM, também é questionável a suspensão, no último dia útil do ano, de um tema amplamente debatido e validado pelo Congresso Nacional, surpreendendo negativamente os gestores locais. 

“Nós, como representantes dos municípios, sempre apresentamos os problemas que sobrecarregam as contas públicas municipais, especialmente os municípios do Nordeste, nesta questão previdenciária. A decisão do presidente Lula reforça a crise financeira, que é causada também pelos programas federais que são criados e pelas atribuições que o governo repassa aos municípios. A crise é estrutural. Não é da prefeitura, é do cidadão brasileiro, que sofre com todo desarranjo dos últimos tempos das políticas equivocadas dos governos”, avalia o presidente da CNM, Paulo Ziulkoski.

Vitória Reconstrução da Praça

Trânsito: Recife, a sétima cidade onde mais se conduz pior 

A Gambling.com, líder em serviços de marketing digital para a indústria de jogos online, realizou uma pesquisa para descobrir quais são as cidades onde se dirige pior em todo o Brasil. O estudo consultou mais de 2 mil brasileiros de diferentes estados do país sobre sua opinião sobre quem eles acreditam ser os piores condutores de todo o Brasil. De acordo com os entrevistados, São Paulo, com 24,0%, é a cidade onde se conduz pior, seguida por Manaus e Rio de Janeiro, ambas com 11,2% das preferências. Na quarta posição está Campinas, com 10,5% dos votos. No quinto e sexto lugares, estão empatadas com o mesmo percentual de preferências Maceió e Curitiba (10,1%). Na sétima posição, com 9,3% dos votos, aparece Recife, seguida por Belo Horizonte, com 8,9%. Fecham o top 10 das cidades que conduzem pior, segundo os próprios brasileiros, Fortaleza, com 7,8% dos votos, e Salvador, com 7,0%.

Mais acidentes – A opinião dos próprios brasileiros sobre como seus vizinhos de outras cidades dirigem não tem muita relação com os dados reais da média de acidentes por habitante, de acordo com os dados do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran).

Os fatores que contribuem para a alta taxa de acidentes de trânsito nessas cidades incluem:

⇒ A alta densidade populacional e tráfego

⇒ A falta de infraestrutura viária adequada

⇒ O excesso de velocidade

⇒ A condução sob os efeitos do álcool e das drogas

⇒ O não cumprimento das normas de trânsito

A primeira cidade brasileira na lista é São Paulo, com uma taxa de acidentes de 16,4 por 10.000 habitantes. Lembrando: é o lugar mais populoso do Brasil e da América Latina, com 12 milhões de habitantes. A cidade possui uma alta densidade populacional e tráfego, o que contribui para a elevada taxa de acidentes de trânsito. A segunda na lista é o Rio de Janeiro, com uma taxa de acidentes de 16,2 por 10.000 habitantes. Lembrando: é o segundo lugar mais populoso do Brasil, com 6 milhões de habitantes. A cidade também apresenta alta densidade populacional e tráfego, contribuindo para a elevada taxa de acidentes de trânsito.

Belo Horizonte é a terceira cidade com mais acidentes por habitante (16,1), seguida por Curitiba com 15,9 acidentes por 10.000 habitantes ao ano. Na quinta posição está Fortaleza, com 15,8 acidentes por cada 10.000 residentes. Em seguida, vem Salvador, com 15,7, e Brasília, com 15,6.  Na oitava posição encontra-se Recife, com 15,5 acidentes por 10.000 cidadãos dessa cidade. Porto Alegre, com 15,4, e Manaus, com 15,3, fecham a lista das Top 10 cidades brasileiras com mais acidentes por 10.000 habitantes durante 2022.

Os SUVs mais valorizados de 2023 – A KBB Brasil, maior empresa de precificação de veículos do mundo, fez um levantamento para mostrar quais foram os SUVs que mais valorizaram em 2023. O estudo mostra que o Range Rover SV MHEV 2023 apresentou a maior alta no seu preço médio no decorrer do ano: 8,8%. O utilitário esportivo de luxo, que custava R$ 1.154.847 em janeiro, quando era 0km, em dezembro passou a valer R$ 1.256.604, como seminovo. Curiosamente, o Caoa Chery Tiggo 2, que saiu de linha em 2022, mas seguiu com unidades zero quilômetro no começo de 2023, apresentou valorização de 2,2%. O preço médio do modelo, que em janeiro era R$ 76.705, subiu para R$ 78.444, em dezembro. Na contramão dos SUVs mais valorizados, o Mitsubishi Outlander HPE 2.0 de 7 lugares, ano/modelo 2022, se destacou de maneira negativa com a maior depreciação da categoria. O modelo saiu de linha em 2022, mas chegou a ter unidades 0km sendo vendidas pelo preço médio de R$ 233.325 em janeiro. Em dezembro, o SUV passou a valer R$ 153.416 como seminovo (queda de -34,2%). O Hyundai Tucson GLS 1.6 turbo 2022, por sua vez, custava R$ 200.980 quando 0km e, agora, vale R$ 134.220, ou -33,2%.

As cinco picapes mais econômicas – O Inmetro, conforme mostrou nesta coluna no domingo anterior, divulgou dados de consumo de combustível de vários veículos comercializados em 2023 no Brasil. Agora, mostramos quais foram as cinco picapes anotadas como as mais econômicas do mercado. A líder da lista é, por sinal, a única híbrida: a Ford Maverick, que por ter este tipo de motorização obtém melhor desempenho na cidade do que na estrada. A lista do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular também inclui o Fiat Strada, carro mais vendido do país nos últimos anos. 

Ford Maverick

Versão Híbrida Lariat
Consumo cidade – 15,7 km/l (gasolina)
Consumo estrada – 13,6 km/l (gasolina)

Fiat Strada
Versão Freedom cabine simples
Consumo cidade – 8,9 km/l (etanol)
Consumo estrada – 10,4 km/l (etanol)
Consumo cidade – 12,9 km/l (gasolina)
Consumo estrada – 14,7 km/l (gasolina)

Chevrolet Montana

Versão Turbo

Consumo cidade – 8,3 km/l (etanol)
Consumo estrada – 9,6 km/l (etanol)

Consumo cidade – 12 km/l (gasolina)
Consumo estrada – 13,6 km/l (gasolina)

Volkswagen Saveiro

Versão Trendline SC
Consumo cidade – 8,1 km/l (etanol)
Consumo estrada – 9 km/l (etanol)

Consumo cidade – 11,7 km/l (gasolina)
Consumo estrada – 12,8 km/l (gasolina)

Renault Oroch

Versão Intense

Consumo cidade – 7,4 km/l (etanol)
Consumo estrada – 8,0 km/l (etanol)

Consumo cidade – 11,3 km/l (gasolina)
Consumo estrada – 11,4 km/l (gasolina)

Jaecoo confirma o Omoda 5 – A Omoda Jaecoo confirmou o lançamento do Omoda 5 no mercado brasileiro em 2024. O modelo, que marcará a estreia da empresa no país, terá uma versão topo de linha equipada com motorização 100% elétrica e outras duas versões híbridas-leve. A empresa revelou o design exterior e interior do Omoda 5 proposto para o mercado, tanto da versão elétrica quanto com motorização híbrida-leve. As primeiras unidades importadas fazem parte do plano da Omoda Jaecoo em realizar testes e avaliações com consumidores e parceiros, como concessionários e jornalistas, a fim de assegurar que o produto final terá a aprovação do público local. Por isso, alguns acabamentos e materiais poderão ser adaptados após as clínicas. Após este processo, serão importadas as unidades para homologação, ainda no início de 2024. Diferente de outros mercados, no Brasil, o Omoda 5 será um único produto com diferentes motorizações. A versão topo de linha, 100% elétrica, chega ao mercado brasileiro primeiro. Na sequência, a motorização híbrida-leve será lançada em duas diferentes versões. Além do design futurista, o Omoda 5 oferece alta segurança. Prova disto é a nota máxima de cinco estrelas que o veículo recebeu em testes do Euro Ncap, um dos programas de avaliações de automóveis mais exigentes do mundo.

O esquisito carro elétrico russo – A Rússia, mesmo em guerra com a Ucrânia e abalada financeiramente, também quer entrar no rol de fabricantes de elétricos. E o primeiro modelo que vazou para o mundo é um estranho protótipo, o Amber, desenvolvido por professores e alunos da Escola Politécnica de Moscou. Ninguém explicou, por exemplo, a razão da aparência, o formato da carroceria, os ganchos de reboque etc. O jornal World News Today, em artigo republicado pelo site Inside EVs, diz que ele, apesar de ser construído inteiramente na Rússia, tem vários componentes vindos da China – como baterias e motores elétricos.

Haval H6 brasileiro – O site Motor1 anunciou esta semana algumas mudanças nos planos da Great Wall Motors (GWM) no Brasil. Embora inicialmente focada na produção da picape Poer, o sucesso dos SUVs Haval H6 híbridos levou a GWM a priorizar a produção nacional do Haval H6. Com maquinário em transporte e contratações em andamento, a produção deve começar em maio de 2024. Além disso, há esforços para transformar os H6 híbridos a gasolina em modelos híbridos flex, em parceria com a Bosch.

Alterações na moto? Veja o que dá multa – Em uma abordagem de agentes de trânsito durante uma blitz, motociclistas podem enfrentar multas significativas devido à alterações em suas motos. Com o aumento da fiscalização e as mudanças recorrentes nas regulamentações, esse tema sempre permanece em alta entre os motociclistas. O assessor de assuntos econômicos do Sindipostos-CE, Antônio José Costa, explica as principais implicações dessas modificações e como os motociclistas podem evitar penalidades. Segundo ele, algumas alterações comuns não causam problemas aos motoristas, por estarem dentro dos parâmetros aceitos das normas de trânsito. No entanto, escapes esportivos, modificações no sistema de iluminação e remoção de itens de segurança podem ser ilegais, caso estejam fora das especificações. Tais modificações, apesar de populares entre os entusiastas de motocicletas, infringem normas de trânsito, resultando em multas e até mesmo na apreensão do veículo. Durante a blitz, os agentes de trânsito estão atentos a essas modificações para garantir a segurança viária e o cumprimento das leis. ”Além das penalidades financeiras, as alterações inadequadas ainda podem comprometer a segurança dele e de terceiros”, explica. 

Para evitar surpresas desagradáveis, os motociclistas são aconselhados a verificar regularmente se suas motos estão em conformidade com as regulamentações locais. “Ao realizar qualquer alteração, mesmo que simples, é obrigatório que o motorista solicite uma documentação de autorização do Detran, onde posteriormente é realizada uma vistoria seguida de registro da mudança nos documentos Certificado de Registro de Veículo (CRV) ou Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV)”, destaca o especialista. Em um cenário de intensificação da fiscalização, a conscientização dos motociclistas sobre as implicações legais dessas alterações é crucial. “É preciso pensar duas vezes antes de modificar a moto, pois pode evitar multas e contribuir para a segurança no trânsito”, pontua. 

O que afeta mais o motor: grandes distâncias ou frequentes frenagens? – Fim de ano é época das tradicionais viagens para visitar parentes ou amigos, curtir praias ou montanhas etc. Com isso, as longas distâncias superam o anda-e-para das cidades. Mas, afinal, o que é mais prejudicial para o motor de um carro? Um longo percurso em pleno funcionamento do veículo ou o acelerar-e-frear de um engarrafamento? Segundo Denilson Barbosa, técnico em lubrificantes da YPF Brasil, o modo de condução pode até ajudar na performance de um motor, mas sua durabilidade e condições estão mais atreladas ao calendário de manutenção do veículo. “A utilização do carro em estradas, em teoria, pode sim oferecer condições mais suaves de condução, fazendo com que o carro trabalhe melhor, atingindo uma temperatura ideal de funcionamento. Mas na prática, isso deve sempre estar atrelado à questão de manutenção do veículo, que precisa ser feita de maneira correta e sempre e seguindo o manual do proprietário”, comenta. 

O efeito anda-e-para no motor – O constante ciclo de anda-e-para pode ser uma forma de desgaste para o motor, prejudicando-o principalmente quando forçado a trabalhar em elevadas temperaturas, além de diminuir a eficiência dos combustíveis e causar acúmulos de sujeira em várias partes. Essa consequência pode ser piorada caso não seja utilizado um óleo lubrificante correto e que atenda às especificações descritas no manual do veículo.

“Existem diferenças entre a lubrificação de um veículo conduzido em estrada e outro no trânsito. No anda-e-para, o motor trabalha em constante marcha lenta, o que influencia diretamente no fluxo do óleo, consequentemente em sua lubrificação. Já na estrada, o veículo tende a fluir melhor, potencializando o fluxo de óleo lubrificante e consequentemente sua lubrificação será melhorada. É válido lembrar que a qualidade do óleo lubrificante é fundamental para um bom desempenho do motor, juntamente com as condições de manutenção em dia”, afirma.

O tipo de óleo e sua troca necessária – Os óleos sintéticos tendem a ter intervalos de trocas maiores, devido sua proteção, isso em relação há um óleo mineral por exemplo, todavia, seguir as recomendações dispostas no manual podem potencializar a utilização do veículo. Nesse sentido, a YPF Brasil conta com a linha Elaion Auro, com uma gama de produtos para a lubrificação ideal do motor. O período de troca de óleo está atrelado a quilometragem e ao tempo desde a última troca realizada e não pela forma de condução, no entanto, em condições severas de utilização, compreendendo somente a  utilização em engarrafamentos, por exemplo, pode ser recomendado a troca do lubrificante, diferente de um veículo conduzido em estradas. “Carros que rodam na estrada tendem a ter desgastes menores em algumas peças como freio e embreagens, por exemplo. Já carros que rodam em trânsito ou engarrafamentos tendem a ter, além de desgastes maiores nessas peças, um intervalo de troca de óleo e filtros maiores, devido a utilização em  condições severas de condução”, diz ele.

Renato Ferraz, ex-Correio Braziliense, tem especialidade em jornalismo automobilístico.

O presidente da Frente Parlamentar da Hotelaria na Câmara dos Deputados, Gilson Daniel (Podemos-ES), em declaração ao Diário do Poder, analisou o clima entre os líderes partidários após o anúncio de envio da Medida Provisória que pretende reonerar a folha de pagamentos de 17 setores da economia do Brasil.

“Eu posso falar pelos hotéis porque presido a Frente Parlamentar da Hotelaria. O setor foi um dos mais prejudicados na pandemia, junto ao setor de eventos, e agora com o fim do Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse) imposto como medida pelo ministro da Fazenda, estamos regredindo”, analisou. As informações são do Diário do Poder.

E completou: “O sentimento de toda a Casa legislativa é de que o governo que tem pregado a geração de emprego, agora prejudica diretamente os setores que mais geram emprego no Brasil”.

Segundo Daniel, o Congresso não deve ‘devolver’ a Medida Provisória, mas terá nos primeiros dias de atividade em 2024 esforço concentrado para rejeitar a propositura. “Acredito que o que o Congresso não deve devolver, mas acredito que vamos derrubar essa MP, da mesma forma que nós derrubamos o veto. O prejuízo gerado não tem cabimento”.

O capixaba insistiu no impacto da medida anunciada pelo ministro Fernando Haddad ao setor de Turismo.

“A cada 10 empregos gerados no Brasil, 1 é do turismo. Como um setor dessa importância pode ser prejudicado pelo governo? O sentimento é o mesmo de quando o governo vetou a desoneração da folha. Nós derrubamos o veto e reduzimos o INSS patronal para ajudar os municípios. Agora o governo quer desfazer o que Câmara e Senado já conquistaram”, arrematou.

A prefeita de Tabira, Nicinha Melo, por meio da Secretaria de Obras e Urbanismo, assinou a ordem de serviço para a construção do Estádio Municipal e de uma quadra poliesportiva no Bairro Iraci Pires. O estádio prestará homenagem ao ilustre esportista tabirense Manoel Pereira Primo, o inesquecível “Seu Caneca”, e será um espaço de celebração do esporte e da comunidade. A iniciativa não apenas proporcionará instalações modernas, mas também preservará a memória e legado do querido Seu Caneca.

“Essa iniciativa não apenas fortalece a infraestrutura esportiva, mas também promove a inclusão e o lazer para todas as idades. A construção do Estádio Municipal e da quadra poliesportiva reflete o compromisso da gestão em investir no bem-estar da comunidade, proporcionando espaços que estimulem a prática esportiva e fortaleçam os laços sociais”, pontua a Prefeitura de Tabira.

Dados do agregador Ipespe Analítica apontam o PSD como partido com maior número de pré-candidatos na liderança de pesquisas para as prefeituras das capitais brasileiras. O levantamento coloca a sigla com cinco nomes à frente nos levantamentos monitorados pela ferramenta, seguido por União Brasil, com quatro localidades, e PL, MDB e Republicanos, com três municípios cada.

Além de contar com o maior número de líderes nas pesquisas realizadas ao longo de 2023, agregadas pela ferramenta do Ipespe Analítica, o PSD também apresenta mais capilaridade nesse quesito, ao ter nomes em quatro das cinco regiões do país: duas no Nordeste (Natal e São Luís), uma no Centro-Oeste (Goiânia), uma no Sudeste (Rio de Janeiro) e uma no Sul (Florianópolis). As informações são da CNN.

Com quatro líderes de pesquisas, o União Brasil concentra sua força no Nordeste, região em que tem 3 nomes à frente dos demais pré-candidatos: Salvador, Fortaleza e Teresina. Completa a lista do partido Cuiabá.

Um trio de siglas lidera em três cidades cada: PL, MDB e Republicanos. O partido do ex-presidente Jair Bolsonaro tem na região Norte dois nomes à frente nas pesquisas agregadas, em Belém e Palmas, e o atual prefeito de Maceió, JHC, no Nordeste.

No caso do MDB, os líderes filiados à sigla estão em três regiões diferentes. O partido, que elegeu o maior número de prefeituras em 2020, está à frente em Rio Branco (Norte), Campo Grande (Centro-Oeste) e Porto Alegre (Sul). Já o Republicanos desponta em Belo Horizonte e Vitória, no Sudeste, e Porto Velho, no Norte.

Chama a atenção, como destaca o cientista político Antonio Lavareda, do Ipespe, a ausência tanto de PT, partido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, quanto de PSDB, que em 2020 havia conquistado prefeituras importantes, como São Paulo, e que hoje não tem nenhum nome de destaque nos dados do agregador.

Lavareda aponta que, pelos dados da ferramenta, o favoritismo dos atuais gestores nas capitais segue forte, com possibilidade de reeleição de mais da metade dos prefeitos que podem disputar um novo mandato.

“Se a eleição fosse hoje, a taxa de reeleição de prefeitos de capitais seria de 58%, ou seja, são 19 candidatos à reeleição, incumbentes, dos quais 11 estão liderando as pesquisas”, explica. “Mas é um índice inferior aos 77% registrados nessas capitais em 2020.”

Como funciona o agregador

O agregador de pesquisas desenvolvido pelo Ipespe Analítica é um algoritmo que projeta a intenção de voto para prefeito a partir de levantamentos feitos por diversos institutos. Não é apenas somar os números e obter uma média. A metodologia usa estatística bayesiana e técnicas de aprendizado de máquina (machine learning). Leva em conta, por exemplo, o período em que as entrevistas foram feitas – quanto mais recentes, maior o peso no cálculo –, assim como o histórico dos institutos.

Trata-se de uma fotografia mais precisa do cenário eleitoral, quando comparado às pesquisas de forma individual. Isso porque, como ainda se trata de pré-candidaturas, pode haver diferença na lista de nomes apresentados aos entrevistados. Além disso, o agregador atualiza os dados tão logo seja divulgada uma nova pesquisa e permite a comparação ao longo do tempo na série histórica.

O deputado estadual Gilmar Júnior (PV) tem efetivamente se aproximado do prefeito do Recife, João Campos (PSB), e deve apoiar a sua corrida pela reeleição no próximo ano. Gilmar é mais um dos deputados descontentes com o tratamento  da governadora Raquel Lyra (PSDB) para com os parlamentares, principalmente os da oposição.

Ao contrário do Palácio do Campo das Princesas, onde o “deputado da enfermagem” pouco transitou em 2023, Gilmar tem ido com frequência à sede da Prefeitura do Recife. Da última vez, foi recebido com pompas no período do recesso. Convidado pelo secretário de Política Urbana, Carlos Muniz, Gilmar Júnior participou de encontros políticos com outros secretários, com o deputado federal Pedro Campos e com o prefeito João Campos.

A pauta de Gilmar era cristalina: organizar o piso da enfermagem no município, discutir a ampliação da atenção básica, o empoderamento dos enfermeiros, propor melhorias para o SAMU e solicitar o chamamento de concursados.

Uma fonte, sob sigilo, confirma que a conversa com João Campos foi além e aponta que pode ter sido o início de uma construção política interessante. Inclusive, a partir da confirmação do PV na base de apoio de João para a reeleição, o nome de Gilmar pode ser cotado para ocupar a vaga de vice. Vale lembrar que Gilmar Júnior é um dos campeões de votos orgânicos e lidera uma categoria com mais de 140 mil profissionais de saúde em Pernambuco, um capital político de peso. Essa aproximação, ao apagar das luzes de 2023, pode render frutos para os dois lados. 

A propósito, a foto de Gilmar com João deu o que falar nas redes sociais do deputado e do prefeito. Seria uma visível aceitação a essa possível aliança? Será que há alguma possibilidade de Gilmar ser vice? As cartas estão sendo jogadas.

Apesar de ter colocado seu nome como pré-candidata à prefeita de Arcoverde somente há 15, a ex-prefeita Madalena Britto (PSB) recebeu mais um apoio importante. Depois do vereador João Marcos (MDB), foi a vez da vereadora Luiza Margarida (PSB) declarar apoio a pré-candidatura de Madalena, em encontro postado nas redes sociais das duas políticas. Militantes da área social e da saúde, Luiza e Madalena voltam a caminhar juntas em mais uma disputa eleitoral. É a segunda a deixar o governo Wellington (MDB). 

“É mais uma alegria que tivemos com a chegada de Luiza Margarida ao nosso grupo, como vereadora e pré-candidata, para que possamos juntas, ao lado de João Marcos e tantos outros pré-candidatos, lideranças e amigos, fazermos as mudanças que o povo de Arcoverde quer e precisa. Luiza é um exemplo de política voltada para o cuidado com as pessoas, com o povo de Arcoverde”, afirmou Madalena.

Eleita com 1.278 votos no pleito de 2020, Luiza Margarida está em seu quinto mandato na Casa James Pacheco e tem uma atuação forte voltada para a área de saúde, fazendo a ponte entre os pacientes que precisam de atendimento e as unidades de saúde do estado. Começou na política em 1997, no governo Rosa Barros como chefe de gabinete e elegeu-se vereadora pela primeira vez em 2004. 

“Sempre tive minha vida, como mulher, mãe, avó, política, voltada para cuidar da saúde das pessoas. Deus e o povo de Arcoverde são os meus guias para poder seguir em frente, trabalhando, cuidando de nossa gente. Hoje, estamos tomando um novo destino, seguindo uma nova caminhada, ao lado de quem sabe o que é cuidar das pessoas. Abraço a pré-candidatura à prefeita de minha amiga e amiga do povo, Madalena Britto”, diz Luiza.

Socorristas trabalhavam entre escombros neste sábado (30), em Kiev, onde 16 pessoas morreram em um dos ataques russos mais violentos desde o início da guerra, que deixou ao menos 39 mortos em toda a Ucrânia, segundo o presidente Volodimir Zelensky. Escolas, uma maternidade, galerias comerciais e áreas residenciais foram alguns dos alvos dos bombardeios de sexta-feira, segundo autoridades ucranianas. 

Os ataques provocaram repúdio internacional e novas promessas de apoio militar à Ucrânia, que luta contra as tropas invasoras russas desde fevereiro de 2022. O prefeito de Kiev, Vitali Klitschko, anunciou neste sábado a morte de 16 pessoas até agora na capital. “No total, 159 pessoas ficaram feridas” e “39 morreram até agora”, afirmou Zelensky. “Continuamos trabalhando para eliminar as consequências do ataque russo de ontem”, escreveu o presidente nas redes sociais. O Estado-Maior ucraniano estimou que a Rússia lançou 158 mísseis e drones contra a Ucrânia, dos quais 114 foram destruídos. As informações são da Jovem Pan.

A Rússia reforçou as defesas aéreas ucranianas na maioria das principais cidades, lançando uma onda de drones e mísseis a partir de aviões e de territórios que controla. Yuri Ignat, porta-voz da Força Aérea ucraniana afirmou que foi “o maior ataque com mísseis” com exceção dos ocorridos nos primeiros dias após o início da invasão russa. O Exército ucraniano também lançou ataques contra a Rússia, onde o Ministério da Defesa garantiu que seus sistemas antiaéreos interceptaram 13 mísseis e destruíram 32 drones nas regiões fronteiriças de Briansk e Kursk, e também em Oriol e Moscou.

Neste sábado, o governador da região de Belgorod, Viacheslav Gladkov, informou que “duas crianças” morreram e várias pessoas ficaram feridas após um bombardeio ucraniano na cidade de mesmo nome, a cerca de 30 quilômetros da fronteira ucraniana. As autoridades russas informaram anteriormente que um ataque contra um prédio residencial em Belgorod deixou um morto e quatro feridos. Em Briansk, “uma criança nascida em 2014” também morreu após os bombardeios, indicou o governador Alexandre Bogomaz.

O Exército russo afirmou ter “realizado 50 ataques em grupo e um ataque maciço” contra bases militares na Ucrânia na semana passada e que “todos os alvos foram atingidos”. O subsecretário-geral da ONU, Mohamed Khiari, condenou os “terríveis” bombardeios” como “os mais recentes de uma série de ataques cada vez mais intensos por parte da Federação da Rússia”. 

Ante os contínuos ataques russos, a Ucrânia instou seus aliados ocidentais a prestar “mais apoio e força para deter este terror”, indicou o assessor presidencial Andriy Yermak. O presidente americano, Joe Biden, exigiu na sexta-feira que o Congresso supere as divisões e “atue sem demora” para aprovar o envio de ajuda, depois que Washington anunciou o desembolso do mais recente pacote de ajuda sem sua aprovação. O Reino Unido anunciou que enviará cerca de 200 mísseis antiaéreos à Ucrânia para reforçar sua capacidade de defesa.

Os ataques tiveram como alvo ao menos seis regiões ucranianas, entre elas Kharkiv (nordeste), Lviv (oeste), Dnipro (leste) e Odessa (sul). O Ministério de Saúde informou que uma maternidade  “ficou muito danificada” em Dnipro, mas que os funcionários e os pacientes se refugiaram a tempo. No momento do ataque havia 12 mulheres internadas para partos e quatro recém-nascidos no local, segundo Serguei Lisak, governador da região. 

O governador também reportou seis mortos e 28 feridos em ataques contra um centro comercial, casas particulares e edifícios administrativos. Kharkiv foi alvo de cerca de 20 bombardeios que mataram três pessoas e feriram 11, segundo o governador Oleg Siniegubov. Em Zaporizhzhia (sul), o governador Yuri Malashko reportou sete mortos e 13 feridos, e quatro pessoas morreram na região de Odessa. Em Lviv, uma pessoa morreu e 15 ficaram feridas na sexta-feira, segundo o Ministério do Interior.

Por Diana Rodrigues Lopes

Atesto a grandiosidade do livro “O Estilo Marco Maciel”, merecedor de elogios. Transmite à posteridade o reconhecimento e é uma justa homenagem, que nos leva a  mergulhar na história e na força do personagem do livro, homem que abraçou  Pernambuco e defendeu o Nordeste. Muitas vezes montado a cavalo, misturando-se  aos sertanejos, usando chapéu de couro, sentando à mesa e provando do dicumê e  das coisas corriqueiras do nosso matuto. 

Magno Martins nos brinda com este livro de aparência silenciosa, mas falante e ruidoso, pois  mexe com as nossas emoções, imortalizando os fatos sócio-histórico-político e  econômicos, preservando-os vivos através do “O Estilo Marco Maciel”.

As lembranças vagueiam, e no contexto da velocidade da tecnologia e  resistindo ao desgaste do tempo, Triunfo faz uma releitura e não esquece de  importantes prioridades, ofertadas por Marco Maciel.  

Quando vinha a Triunfo, hospedava-se no Lar Santa Elizabeth e, logo ao chegar,  perguntava dia, horário e local das missas. Assistia ao lado da esposa Ana Maria,  rezava e comungava, o que servia para as bisbilhoteiras cochicharem baixinho: “ele  é o governador, ele reza, comunga, é tão magrinho”. E a notícia se espalhava mais  rápido que o Blog do Magno Martins; o zum zum zum era grande. 

Como hábil político, participava dos eventos de Triunfo e nos comícios, em  cima de um caminhão ou de uma F-4000, descrevia suas propostas, sempre possíveis  de realizar. E ao descer a todos cumprimentava com um “como vai?”. 

A via carroçável, coberta de terra e cascalho provocando frequentes desastres  até com perdas de vidas, desgaste de veículos, poeira, dificuldade de escoar produtos,  enfim, só lamentos. Festivamente, dia 31 de outubro de 1980, Marco Maciel nos  entregou a estrada que, a partir daquela data, assumiu a condição de Rodovia PE-365, ligando Trunfo a Serra Talhada. Ao receber a estrada asfaltada, novinha em  folha, o chefe político da época agradeceu a grande obra entregue e pediu desculpas  por, naquele momento, solicitar água para Triunfo. 

Dr. Marcos calmamente  respondeu: “Meu caro Artur, não precisa pedir desculpas por fazer mais um pedido  para Triunfo, pois o homem que ama sua terra, recebe uma obra que traz benefícios à população e logo pede outra, é sinal de amor e respeito à terra”. Eu não esqueci  essas palavras. 

Paraninfou os Contadores de 1981 do Colégio Diocesano de Triunfo,  pertencente à Diocese de Afogados da Ingazeira que estava prestes a fechar suas  portas pelas dificuldades financeiras, pela perda de bolsas federais e de outras  ajudas. Mas, no dia 19 de janeiro de 1982, na gestão do governador Marco Maciel e do  Secretário de Educação Joel de Holanda, a escola passou para a responsabilidade do  Estado, com a denominação de Escola Monsenhor Luiz Sampaio – Ensino do 1º e 2º  Graus. Momento significativo na história da Educação de Triunfo. 

A água em Triunfo era levada às residências pelos botadores em latas na  cabeça e galões, ou retirada do Poço de Paivinha, que atendia apenas 196 casas no  centro da cidade, através do SANEPE – 1972. Mais uma vez, Marco Maciel, no  coreto da pracinha, abriu uma torneira que jorrou água da Barragem do Brejinho,  isso no dia 3/8/1982. Triunfo agradece a Marco Maciel! 

Rendo também preito de gratidão a Magno Martins, pois a História quando  não é escrita, é extraviada, perdida. E nenhuma homenagem traduz melhor a leitura do passado desse grande  pernambucano, que agora tem seu nome perpetuado através do livro “O Estilo  Marco Maciel”.