Sebrae - Estamos ai

Raquel se submete à pressão de político para mudar empresa de transporte escolar em Surubim

O Governo Raquel Lyra está prestes a fazer uma intervenção na educação em Surubim que pode ter consequências graves e imediatas na qualidade do transporte escolar. Segundo o blog apurou, dirigentes da Atual Flávio Roberto Barbosa de Souza LTDA – ME (Splendour-Tur.), empresa responsável pela condução dos estudantes há muitos anos no município e na região, foi surpreendida por uma convocação na Secretaria estadual de Educação, no Recife.

Na oportunidade, o responsável pelo Transporte Escolar do Estado solicitou aos que participaram do encontro que redigissem e assinassem o distrato do contrato em vigor, com vigência até 24 de fevereiro de 2025. Os donos da Atual não entenderam o motivo abrupto do encerramento do contrato. Ficaram de queixo caído quando tomaram conhecimento de dura realidade.

Segundo um dos sócios da empresa, o encerramento do contrato seria uma decisão política da governadora, para atender a um pedido de um deputado influente na região, com trânsito fácil no Palácio das Princesas. Como a empresa atual não pertence a políticos, assinou o contrato depois de vencer uma licitação, o desapontamento foi maior ainda.

“O que mais nos chocou foi a informação, direta e sem delongas, de que a empresa que vai nos substituir tem ligações diretas com esse parlamentar”, disse o mesmo sócio, em reserva. Segundo ele, o parlamentar, mesmo sabendo que o contrato não poderia ser encerrado, teria coagido os funcionários a resolverem de qualquer jeito, “pois seria do seu interesse beneficiar seu grupo político em Surubim”, disse o mesmo sócio.

Da Agência Brasil

O relator do projeto de lei (PL) 914/24, senador Rodrigo Cunha (Podemos-AL), excluiu do texto a previsão de taxação das compras internacionais de até U$$ 50, segundo informou nesta terça-feira (4). Essa taxação foi incluída, pela Câmara dos Deputados, no projeto que cria o Programa Mobilidade Verde e Inovação (Mover), que promove tecnologias para produção de veículos que emitem menos gases de efeito estufa.

“Nós estamos tratando aqui, no Senado Federal, de um projeto que se chama Mover, que não tem nada a ver com a taxação das blusinhas. [Esse tema] foi inserido, é um corpo estranho, não deve ser analisado neste momento e no nosso relatório não vai constar. E se algum outro senador pensar diferente, ele vai ter que defender e convencer a maioria”, destacou Rodrigo Cunha.

O senador também informou que vai excluir do relatório que chegou da Câmara a previsão de percentuais mínimos de conteúdo local para empresas do setor de petróleo e gás que atuam no Brasil. Isso obrigaria que essas empresas consumissem um mínimo de bens e serviços produzidos dentro do Brasil, estimulando a economia nacional.

Na visão do relator Rodrigo Cunha, a matéria também não tem relação com o Mover. “Conversamos com o ministro de Minas e Energia [Alexandre Silveira], conversamos também com o ministro Geraldo Alckmin. Este é um ponto que atende ao governo, tendo em vista que pode ser tratado de outra maneira e, se for posto da maneira como está, vai também engessar investimentos internacionais”, argumentou.

Entenda a taxação

Pela legislação atual, produtos importados abaixo de US$ 50 (cerca de R$ 255) são isentos de imposto de importação. O relator do projeto na Câmara, deputado Átila Lira (PP-PI), incluiu a taxação de 20% de imposto sobre essas compras internacionais.

Compras dentro desse limite são muito comuns em sites de varejistas estrangeiros, notadamente do Sudeste Asiático, como Shopee, AliExpress e Shein. Os varejistas brasileiros pedem a taxação dessas compras, afirmando que, sem o tributo, a concorrência fica desleal.

De US$ 50 até US$ 3 mil, o projeto que veio da Câmara previa que o imposto de importação seria de 60%, com desconto de US$ 20 do tributo a pagar.

Projeto Mover

A taxação dessas importações foi incluída no projeto de lei do Mover, que prevê incentivos de R$ 19,3 bilhões em cinco anos e redução do Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI) para estimular a fabricação de carros e outros veículos menos poluentes.

Do Estadão

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) André Mendonça assumiu, na segunda-feira (3), uma cadeira efetiva no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Ele era juiz substituto da Corte eleitoral desde abril e assume o posto titular com a saída do ministro do STF Alexandre de Moraes, que também deixou a presidência do colegiado. O TSE é formado por sete juízes: três integrantes do STF, dois membros do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e dois juristas eleitos pelos advogados. Além dos titulares, há um juiz substituto para cada uma das cadeiras. O mandato é de dois anos, prorrogáveis por mais dois.

Assim ficou a composição da Corte máxima da Justiça Eleitoral após as mudanças desta segunda: Cármen Lúcia (STF); Kassio Nunes Marques (STF); André Mendonça (STF); Raul Araújo Filho (STJ); Maria Isabel Diniz Gallotti Rodrigues (STJ); André Ramos Tavares (Juristas); e Floriano Peixoto de Azevedo Marques Neto (Juristas).

A presidência e vice do colegiado são ocupadas somente pelos egressos do Supremo. E, a exemplo do que ocorre no STF, os postos são ocupados de maneira rotativa. Em 2026, ano das próximas eleições gerais, é previsto que Kassio Nunes Marques assuma a presidência do órgão. O vice será Mendonça.

Desta forma, a eleição presidencial de 2026 terá no comando da instância máxima da Justiça Eleitoral os dois ministros do Supremo indicados pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). O ex-chefe do Executivo não participará do próximo pleito por estar inelegível, por decisão do mesmo TSE, até 2030.

Dias de muitas trocas de experiências e debates sobre tecnologia e inovação no setor público, neste início de junho. A Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação do Recife e a Empresa Municipal de Informática (Emprel) estarão com palestras, painéis e estande em três grandes eventos do segmento. As equipes vão desembarcar em São Paulo e João Pessoa, amanhã, para apresentar, até esta sexta-feira (7), as soluções que vêm democratizando o acesso aos serviços públicos na cidade.

“São eventos importantes para apresentarmos o que já foi feito e o que está sendo construído no Recife. Além de compartilharmos nossas experiências desde o desenvolvimento do projeto até a execução, também é um momento de ouvirmos outros gestores para criar soluções na cidade e aprimorar os que já estão rodando. Por isso nos dividimos e vamos prestigiar todos”, afirmou Breno Alencar, diretor de Inovação Aberta e Governança de Dados da Emprel.

Nesta quarta-feira (5), a comitiva recifense desembarca em João Pessoa, para participar do evento Estratégia de Inovação Aberta para Organizações Públicas, promovido pela Escola de Administração Pública (Enap) e Impact Hub Brasil. O evento é uma oportunidade para que projetos públicos do Nordeste brasileiro possam conhecer o processo de lançamento de desafios de inovação aberta, como o EITA! Recife. Através da inovação aberta, é possível adotar práticas e políticas que permitam e incentivam a colaboração entre o setor público, o setor privado e a sociedade civil, resolvendo problemas e promovendo mudanças positivas.

Também em João Pessoa, nos dias 6 e 7, no Centro de Convenções, vai acontecer a segunda edição do NEon, promovido pelo Sebrae, e que promete oferecer uma experiência impulsionadora para empresas e profissionais de todo o Brasil. Já em São Paulo, nesta quinta-feira (5) e sexta-feira (7), no Transamérica Expo Center, a equipe marcará presença no IoT Solutions Congress Brasil, que focará em soluções e inovações no campo da Internet das Coisas (IoT), apresentando uma variedade de temáticas e explorando o potencial de negócios de IoT no contexto brasileiro.

Encontrei, há pouco, casualmente, no restaurante Leite, o ex-ministro Cristovam Buarque, também ex-senador e ex-governador do Distrito Federal. Veio rever parentes, amigos e lançar seu novo livro “Conversa com Edmar Bacha”, no próximo sábado, a partir das 15h, na Academia Pernambucana de Letras. Economista, Bacha foi um dos responsáveis pelo desenvolvimento e pela implementação do Plano Real.

Trata-se de uma entrevista sensacional na qual Bacha rememora os papéis que desempenhou na economia e na educação brasileira, bem como analisa e discute com Buarque temas recentes da economia do País. Ministro da Educação durante o primeiro governo Lula, Cristovam foi criador do programa de transferência de renda Bolsa Escola, depois incorporado a nível federal pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e renomeado como Bolsa Família pelo governo Lula.

“O sentimento que tenho aqui, na minha terra, é da simpatia que recebo com muito carinho dos meus conterrâneos. A retribuição disso é a minha simpatia com a população que vai me prestigiar no Recife. Fico muito feliz de estar aqui, novamente”, disse, em uma rápida conversa com este blogueiro, na qual fiquei muito honrado com a declaração elogiosa sobre a biografia que escrevi sobre Marco Maciel. “Li, gostei muito e a indico como um dos meus livros preferidos”, afirmou.

O interlocutor de Cristovam no livro é Edmar Bacha, economista e principal formulador e implementador do Plano Real durante o governo Itamar Franco (1992-95). Antes de assumir o plano de estabilização monetária, o economista era conhecido como um dos criadores de programas de pós-graduação em Economia no País e presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foi ele quem convidou Cristovam a voltar para o Brasil, depois de nove anos no exterior, para assumir uma cadeira de professor na Universidade de Brasília (UnB).

Na conversa, Cristovam propõe reflexões para relembrar o passado brasileiro desde os anos 1960 e imaginar o que o futuro guarda para a nação. A dupla retoma os rumos da economia brasileira desde a ditadura militar (1964-1985) até os atuais desdobramentos de políticas públicas do governo federal. A obra foi idealizada em setembro de 2022, quando Cristovam convidou Bacha para a realização nos moldes de outras três conversas já publicadas pelas editoras.

O livro vai além do diálogo entre os intelectuais ao permitir espaços ensaísticos de Cristovam. As reflexões sobre temas urgentes do Brasil e do mundo trazem ao leitor impressões sobre educação, combate à pobreza, ecologia, relações internacionais, distribuição de renda, controle fiscal, trabalho, inteligência artificial e tantos outros.

O prefácio é assinado pela jornalista Miriam Leitão, que define a obra como uma “conversa entre duas pessoas inteligentes”. “E se, por acaso, a leitora e o leitor tiverem uma visão diferente da exposta por Bacha e Cristovam, estão também convidados a entrar neste livro e conferir o que eles estão dizendo. O Brasil precisa de muita conversa entre visões distintas, desde que plausíveis. E democráticas”, resume a jornalista.

Da CBN Recife

Morreu, na manhã desta terça-feira (4), o maestro, compositor e regente pernambucano Clóvis Pereira, aos 92 anos. Natural de Caruaru, no Agreste de Pernambuco, o músico faleceu por causas naturais, segundo familiares.

Clóvis foi autor de frevos, caboclinhos e maracatus, além de obras para coro e orquestra. A paixão e o dom pela música foram heranças herdadas do pai, o clarinetista Luiz Gonzaga Pereira dos Santos, da Banda Musical Nova Euterpe.

Buscando se especializar na música, Clóvis estudou piano no Conservatório Pernambucano de Música e complementou a formação musical estudando harmonia, composição e orquestração com o maestro Guerra Peixe na Escola de Belas Artes de Pernambuco.

Clóvis ingressou na Orquestra Sinfônica do Recife e foi professor de Teoria Musical e Harmonia nas Universidades Federais do Rio Grande do Norte e da Paraíba.

Na década de 1970, participou ativamente da criação do Movimento Armorial, tendo sido convidado por Ariano Suassuna a compor as primeiras obras do movimento em Pernambuco.

Em 2000, sob sua regência, a Orquestra Sinfônica do Recife executou seu poema sinfônico Terra Brasilis, composto em homenagem aos 500 anos do descobrimento do Brasil.

Por nota, a Prefeitura do Recife, por meio da Secretaria de Cultura e da Fundação de Cultura Cidade do Recife, lamentou a morte de Clóvis Pereira, “uma das mais importantes presenças no extenso dicionário da genuína música, pernambucana e brasileira, que se fez universal. Músico gabaritado, eternizado como sinônimo de frevo neste mesmo dicionário, Clóvis deixa uma extensa e destacada obra, sempre e para sempre celebrada em todo o mundo. Filho e pai de músicos, Clóvis, que foi homenageado pela Orquestra Sinfônica do Recife, em dois concertos recentes, nos dias 8 e 9 de maio, tendo uma peça sua executada com solo de Clóvis Pereira Filho, violinista e spalla da Orquestra, viveu entre muitos acordes. E seguirá imortal nos mais harmônicos e pernambucanos palcos e sonoridades”.

“A obra que se faz eterna se construiu em uma vida musical, de mergulho profundo em todos os acordes, uma inspiração e uma referência, que merece todas as reverências”, afirmou o secretário de Cultura, Ricardo Mello.

“Clóvis foi um músico completo, com domínio de todos os estilos e linguagens musicais, do popular ao sinfônico, produzindo música para os palcos e para as ruas, para cada recifense, para o mundo todo e para sempre”, acrescentou o presidente da Fundação de Cultura Cidade do Recife, Marcelo Canuto.

O corpo de Clóvis Pereira será velado na manhã desta quarta-feira (5), na Capela do Cemitério de Santo Amaro, onde será enterrado à tarde.

Da Agência Brasil

Contrariando a posição da comunidade científica, avançou na Câmara dos Deputados o projeto de decreto legislativo (PDL 486/2023) que exclui a vacina contra a covid-19 do calendário infantil para crianças de 6 meses a 5 anos de idade. A medida derruba a decisão do Ministério da Saúde (MS) que inclui o imunizante no Plano Nacional de Imunizações (PNI).

A autora do projeto, deputada Julia Zanatta (PL/SC), recorreu à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da decisão do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), que rejeitou o texto.

O recurso foi aprovado por 28 votos – sendo 25 do PL, um do União Brasil, um do Novo e um do PP- contra 14 na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), e agora precisa ser analisado pelo plenário da Casa. Ainda não há data para a votação do recurso.

A deputada Julia Zanatta argumenta que a vacina contra a covid-19 não teria sido suficientemente testada “pelo tempo”, sujeitando os pais e responsáveis “a penalidades diversas, inclusive a perda da guarda dos filhos”. Organizações científicas e o Ministério da Saúde rejeitam o argumento da relatora.

“As vacinas [contra a ] covid-19 estão entre os produtos farmacológicos mais estudados na história recente da humanidade”, rebateu o ministério em nota técnica, lembrando ainda que, somente neste ano, 30 crianças morreram em decorrência da covid.

“As crianças representam atualmente uma proporção relevante de casos, hospitalizações e óbitos decorrentes da covid-19. Apenas em 2024, até 18 de maio, foram registrados 1.150 casos e 30 óbitos por síndrome respiratória aguda grave (SRAG) por covid-19 na faixa etária com menos de 5 anos de idade”, afirma a nota.

A pasta lembrou ainda que a Lei n.º 6.259/1975 determina que cabe ao Ministério da Saúde a definição das vacinas, inclusive as de caráter obrigatório, e que “a inclusão da vacina de covid-19 no calendário foi realizada com base em evidências científicas internacionais, além de dados epidemiológicos de casos e óbitos pela doença no Brasil”.

A decisão de incluir a vacina contra o coronavírus no calendário infantil foi apoiada pelo Câmara de Assessoramento de Imunizações do MS, que reúne as principais organizações científicas do Brasil, como a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), a Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), entre outras.

“A Coalizão Internacional de Autoridades Reguladoras de Medicamentos (ICMRA), que congrega 38 agências reguladoras de medicamentos, incluindo a Anvisa, reitera a segurança das vacinas Covid-19 em crianças, com base em dados de milhões de doses que foram administradas nesta faixa etária e que são consistentes com as conclusões dos ensaios clínicos pediátricos”, completou, em nota, o ministério.

A inclusão da vacina contra a covid-19 no calendário infantil também conta com o apoio da Organização Mundial de Saúde (OMS) e dos conselhos nacionais de Secretários Estaduais e Municipais de Saúde (Conass e Conasems).

Por Portal Folha de Pernambuco

As Polícias Civil e Federal apreenderam 47 kg de maconha e 15 kg de haxixe em uma transportadora no bairro de Prazeres, em Jaboatão dos Guararapes, na Região Metropolitana do Recife. O estabelecimento passou a ser investigado após três homens serem presos, no último sábado (1ª), ao saírem do local com quase 52 kg de haxixe.

De acordo com a Polícia Federal, com o objetivo de identificar a existência de outras remessas de material entorpecente, os agentes do K-9, que o operam com os cães farejadores Falcon, da raça pastor-belga-malinois, e Alaska, da raça pastor alemão, estiveram na transportadora onde os traficantes foram avistados.

Os cães farejadores sinalizaram para três volumes que se encontravam na transportadora e continham 47 kg de maconha e 15 kg de haxixe, totalizando 62 kg de drogas. Contando com a primeira apreensão de quase 52 kg de haxixe, o volume de material entorpecente apreendido sobe para 114 kg.

“Diferentemente da maconha, o haxixe é produzido da resina da planta, apresentando concentrações muito mais elevadas de THC, o que o torna uma substância mais potente”, lembra a PF.

Agora, além dos três homens já presos preventivamente no Cotel por tráfico interestadual de drogas e associação, e da apreensão de quatro aparelhos celulares e dois veículos, as investigações seguem no sentido de identificar outros possíveis integrantes do grupo e desarticular a organização criminosa.

Na última segunda-feira, 3 de junho, o presidente da Assembleia Legislativa de Pernambuco, deputado Álvaro Porto (PSDB), recebeu o título de cidadão do Recife em uma sessão solene realizada na Câmara Municipal. O evento contou com a presença de deputados estaduais, vereadores, representantes de órgãos públicos e líderes políticos tanto da capital quanto do interior, incluindo o prefeito João Campos.

O vereador Victor André Gomes (PV), autor da proposta, destacou o trabalho realizado por Álvaro Porto à frente da presidência da Alepe. Porto obteve destaque nacional e despertou a atenção do Brasil para o Recife. O título de Cidadão do Recife celebra não apenas suas conquistas individuais, mas também o impacto profundo de seu trabalho na vida dos cidadãos da cidade.

Característica do deputado, Porto demonstrou habilidade em unir diferentes vozes em prol do bem comum. Sua liderança promove a harmonia e fortalece a autonomia da Assembleia, estabelecendo um diálogo construtivo. Essas qualidades lhe renderam apoio unânime na Casa.

Natural de Canhotinho, no Agreste Meridional, Porto foi reeleito em 2022 e assumiu a presidência da Assembleia em 2023. Sua relação com o Recife começou na adolescência, quando visitava a cidade para ver os irmãos. Há quase 34 anos, fixou residência na capital, mas também viveu no Agreste durante seu período como prefeito de Canhotinho. Agora, oficialmente cidadão, ele expressa alegria e gratidão por essa honraria.

No próximo sábado, 8 de junho, a Federação PT, PV e PCdoB apresentará à cidade de Petrolina, no sertão pernambucano, a pré-candidatura a prefeito do ex-deputado e ex-prefeito Odacy Amorim (PT). O evento está marcado para as 19h, no Hotel do Grande Rio, localizado no centro da cidade.

Lideranças do time ligado ao ex-presidente Lula em Pernambuco, confirmaram presença no evento. Entre os convidados estão os senadores Humberto Costa e Teresa Leitão (PT), os deputados federais Carlos Veras (PT) e Clodoaldo Magalhães (PV), além da ministra da Ciência, Tecnologia e Inovação, Luciana Santos, que também é a presidenta nacional do PCdoB.

Odacy reafirmou seu compromisso com Petrolina e destaca a força do time liderado pelo presidente Lula para viabilizar uma nova forma de governo na terceira maior cidade do estado. Ele ressalta que o sentimento nas ruas é de mudança, com as pessoas desejando cuidados efetivos e investimentos em toda a cidade. A força política desse projeto envolve o presidente da República, senadores, deputados federais e estaduais, todos comprometidos com o futuro da população. O objetivo é transformar os bairros e a zona rural em áreas de desenvolvimento social e econômico, tornando Petrolina uma cidade próspera e acolhedora.

Direção O Poder

Que a Andelivros é uma ONG de fachada, a serviço de uma teia de empresas que representam editoras e comercializam livros, já ficou demonstrado em nossas matérias anteriores sobre o famigerado evento chamado Clipe – Circuito Literário de Pernambuco. Encerrado ontem em meio a um lamaçal duplo – físico, por causa das chuvas. Moral, por causa das tramoias que esconde.

A teia criminosa

A Andelivros – Associacão Do Nordeste De Distribuidoras e Editoras De Livros, na verdade nem é associação, de verdade. É uma ONG com dono, o que contrária a lei e tem como associadas seis empresas privadas que pertencem ao seu presidente. Chegamos à vetusta figura do Sr. José Alventino Lima Filho, nascido em 1942 mas com impressionante vitalidade empresarial. Além de presidente da Andelivros dirige seis empresas associadas, cujo capital somado alcança impressionantes R$ 4.800.000,00. Alventino está em pleno exercício da presidência da Andelivros (ONG) e de suas associadas (Empresas privadas) Tem como sócios nas empresas familiares e pessoas, digamos, muito próximas. O Poder tem o nome comercial, o nome de fantasia, o endereço e o CNPJ de cada uma delas. Estão à disposição do Governo, da Assembleia Legislativa, do TCE, de entidades representativas de consumidores e professores e de quem mais quiser.

Tudo suspeito

Já demonstramos, ontem, que a Andelivros cobrou do Governo do Estado cerca de R$ 4.200.000,00, para realizar três eventos. Segundo perícia requisitada por O Poder, cada evento não custou mais que R$ 200.000,00. Só aí, um aparente superfaturamento de R$ R$ 3.600.00, a ser devidamente apurado pelo Tribunal de Contas do Estado ou por CPI, na Assembleia Legislativa, se os ilustres deputados quiserem se meter nesse vespeiro.

E os bônus?

Cada professor da rede estadual recebeu um bônus para adquirir livros nas três feiras do Clipe. Apenas ali. Pobres professores. Compraram gato por lebre, quase com certeza. Por quê? Vamos demonstrar.

Livros de descarte

Se você presta atenção em livros, já viu ‘feirinhas’ de livros nos shoppings centers com livros novos a partir de R$ 2,00. Até, no máximo, R$ 15,00 o exemplar. Garimpando, um amante de livros é capaz de encontrar nas bancas desses eventos, livros clássicos ou outros livros de qualidade. É que essas promoções são feitas com livros de descarte das Editoras. Nem sempre livros ruins. Alguns muito bons que saíram de catálogo ou sofreram algum tipo de depreciação nos estoques.

Aí a Andelivros

E seus associados, compram esses estoques ao preço médio de R$ 3,00 reais o exemplar. Promovem as tais feiras ‘caça otários’ onde tais exemplares são vendidos entre R$ 30,00 e R$ 50,00 reais em média. Superfaturamento de 1.000% a 2.000%. Com os bônus, os professores cobram gatos superfaturados como se lebres fossem. E assim…

Fraude geral

Os bandidos fraudam todo mundo. Principalmente os cofres públicos e os professores. O governo investiu perto de R$ 40 milhões nesses bônus. O TCE suspendeu temporariamente o pagamento. Se investigar a fundo, a partir dessa matéria, inclusive, a decisão provavelmente se tornará definitiva.

A esperteza

Às vezes é tão grande que engole o cachorro. Para sermos gentis, é muita inocência envolvida para permitir que tamanha falcatrua aconteça sob bênçãos oficiais.

O Vereador Zeferino Andrade fez uma denúncia através de suas redes sociais, que uma quadra poliesportiva da Escola Estadual Pastor Amaro de Sena, bairro de Caetés II, se encontra “abandonada e em péssimas condições de conservação”, não podendo assim ter condições de uso, nem pelos alunos da escola e nem pela comunidade.

Em vídeo, Zeferino afirma ainda que os refletores que serviriam para a iluminação do lugar, foram recolhidos pela secretaria para concerto e ainda não houve retorno. O vereador detalha no vídeo mais alguns pontos que estão precisando de reparos e reformas. Confira o vídeo:

Ao cantar Cavalo alado, um dos maiores sucessos de Alcymar Monteiro, em duo com o próprio Alcymar, Almir Rouche e o Rei do Forró proporcionaram um dos momentos mais belos e emocionantes da grande festa dos 18 anos do blog, na semana passada, no Mirante do Paço, no
Recife.


O deputado federal Waldemar Oliveira anunciou esse apoio com o objetivo de fortalecer o grupo político liderado por Rolph Casale e Rolph Junior.

Em suas palavras, Waldemar afirmou: “Estamos muito felizes por direcionar o apoio do Avante para o pré-candidato indicado pelo nosso prefeito Rolph, e vamos trabalhar incansavelmente para melhorar ainda mais a vida dos amigos e amigas de Belém de Maria.”

Beto do Sargento, por sua vez, agradeceu ao deputado Waldemar e estendeu seus agradecimentos ao prefeito Rolph Casale, que teve participação direta na formalização dessa aliança.

“Esse é um passo importantíssimo em busca do mandato para consolidar o crescimento e bem-estar do povo de Belém de Maria, Batateira e da zona rural”, ressaltou Beto do Sargento.


Caro Magno,

Diante do exposto de hoje na sua coluna, venho esclarecer que embora Flávio da Pamonha seja filiado ao PSD e pré-candidato a vereador pelo nosso grupo, não houve em nenhum momento incentivo da nossa parte a essa ação de protesto.

Como deputado estadual, com um mandato em que represento o povo de Garanhuns e do Agreste Meridional, a solicitação de construção do Hospital Mestre Dominguinhos, entre outros equipamentos de saúde para a nossa região, faz parte dos meus pedidos à governadora Raquel Lyra, desde a sua pré-campanha.

Mas, essas solicitações e cobranças seguem no âmbito institucional, pois já fui gestor executivo e sei que os trâmites para uma construção assim não são organizados em pouco tempo. É um alto investimento, que exige planejamento.

Nossa região anseia pela construção do Hospital Regional Mestre Dominguinhos, pois a estrutura do Hospital Regional Dom Moura, há tempos não consegue atender a alta demanda. Continuarei cobrando essa construção, que foi um compromisso assumido pela governadora, porém, não concordo com atos que saiam da linha institucional.

Seguirei utilizando as atribuições do meu mandato para me manter firme nas pautas de interesse da nossa população.

Atenciosamente,

Deputado Izaias Régis

O governador da Bahia, Jerônimo Rodrigues (PT), recebeu, ontem, um novo aumento ao seu salário, autorizado pela Assembleia Legislativa do Estado, passando de R$ 32 mil para quase R$ 37 mil. Mas está longe de bater o maior salário entre os governadores do País, o da pernambucana Raquel Lyra (PSDB), que passa de R$ 42 mil, mas que, segundo o blog apurou, já passou dos R$ 45 mil. Mas nem sempre quem ganha mais, faz mais. A tucana, segundo o Atlas Intel, é a governadora mais desaprovada no País.

Seu salário é o maior dentre os 27 chefes de Estado porque optou pela remuneração de procuradora estadual, função da qual está licenciada. A tucana lidera o ranking dos governadores mais bem pagos do País. Como na Bahia, a Assembleia Legislativa de Pernambuco também aprovou o aumento do salário do governador, saindo de R$ 9,6 mil para R$ 22 mil, mas Raquel preferiu continuar recebendo o salário de procuradora, duas vezes mais.

Entre os cinco governadores que percebem os salários mais altos, dois são do Nordeste: Fábio Mitidieri (PSD), de Sergipe, R$ 41.650,92 e Jerônimo Rodrigues (PT), da Bahia, que agora passa a receber R$ 36.894,89 com o aumento aprovado na semana passada pela Assembleia Legislativa da Bahia (Alba).

Confira aqui o ranking dos salários dos governadores do Brasil:

Pernambuco – Raquel Lyra (PSDB) – R$ 42.145,88

Sergipe – Fábio Mitidieri (PSD) – R$ 41.650,92

Acre – Gladson Cameli (PP) – R$ 40.137,69

Minas Gerais – Romeu Zema (Novo) – R$ 39.717,69

Bahia – Jerônimo Rodrigues (PT) – R$ 36.894,89 (com o aumento aprovado na semana passada)

Mato Grosso do Sul – Eduardo Riedel (PSDB) – R$ 35.462,27

Rondônia – Marcos Rocha (União Brasil) – R$ 35.462,22

Rio Grande do Sul – Eduardo Leite (PSDB) – R$ 35.462,22

Pará – Helder Barbalho (MDB) – R$ 35.363,55

São Paulo – Tarcisio de Freitas (Republicanos) – R$ 34.572,89

Roraima – Antonio Denarium (PP) – R$ 34.299,00

Amazonas – Wilson Lima (União Brasil) – R$ 34.070,00

Piauí – Rafael Fonteles (PT) – R$ 33.806,39

Paraná – Ratinho Junior (PSD) – R$ 33.763,00

Maranhão – Carlos Brandão (PSB) – R$ 33.006,39

Amapá – Clecio Luis (Solidariedade) – R$ 33.000,00

Paraíba – João Azevedo (PSB) – R$ 32.434,82

Espírito Santo – Renato Casagrande (PSB) – R$ 30.971,84

Mato Grosso – Mauro Mendes (União Brasil) – R$ 30.862,79

Distrito Federal (Brasília) – Ibaneis Rocha (MDB) – R$ 29.951,94

Alagoas – Paulo Dantas (MDB) – R$ 29.365,63

Goiás – Ronaldo Caiado (União Brasil) – R$ 29.234,38

Tocantins – Wanderlei Barbosa (Republicanos) – R$ 28.070,00

Santa Catarina – Jorginho Mello (PL) – R$ 25.322,25

Rio Grande do Norte – Fátima Bezerra (PT) – R$ 21.914,76

Rio de Janeiro – Claudio Castro (PL) – R$ 21.868,14

Ceará – Elmano de Freitas (PT) – R$ 20.629,55


As primeiras carretas com doações, que estão sendo entregues aos municípios contemplados pela caravana “Unidos pelo Rio Grande”, do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), começaram a chegar nos municípios afetados pelas fortes chuvas que devastaram a maioria das cidades do Rio Grande do Sul.

Dezenas de toneladas de doações, distribuídas em 30 carretas, foram recolhidas em alguns municípios do interior paulista, que fizeram sua parte, doando donativos e mantimentos para os vítimas. Entre as cidades que estão recebendo as doações estão: Alvorada, Campo Bom, Rolante, Cachoeirinha, Canoas, Lajeado, Guaíba, Rio Grande e Santa Maria.

O deputado federal Luciano Zucco (PL), que também está à frente da movimentação “Unidos pelo Rio Grande” disse que “as doações que estão chegando na ponta, que é o povo”. “Estamos entregando para igrejas católicas, evangélicas, entidades e pessoas responsáveis que sabemos que estão beneficiando os mais atingidos. São destinadas a entidades assistenciais que já vê atuando no atendimento dos desabrigados”, disse.

A caravana ainda pretende passar ainda pelos estados do Paraná e de Santa Catarina para buscar a doação de materiais de construção. “Estamos reforçando nosso apoio, pois sabemos que não são dias, meses, mas infelizmente, anos que nosso Estado vai precisar para se reerguer e reconstruir”, conclui.