FMO - Processo Seletivo 2024

Dimas Natanael se filia ao Republicanos para disputar a Prefeitura de Lagoa de Itaenga

Neste domingo (21), o pré-candidato a prefeito de Lagoa de Itaenga, Dimas Natanael, se filiou ao Republicanos. Empresário na região, Dimas disputará sua primeira eleição majoritária e conta com o aval e apoio do presidente licenciado da sigla, o ministro Silvio Costa Filho.

“Dimas chega ao Republicanos para somar e ajudar o partido a continuar crescendo no Estado. É um homem do bem, de grande espírito público e que tem experiência bem sucedida na iniciativa privada, o que lhe credencia para disputar a prefeitura da cidade. Com muito diálogo com todo o seu grupo político na cidade, vamos construir uma candidatura forte que, sem dúvida, vencerá as eleições de outubro. A população de Lagoa quer mudança e Dimas é o nome certo”, disse Silvio Costa Filho.

O pré-candidato também agradeceu ao apoio do ministro e do presidente estadual do Republicanos, Samuel Andrade. “Com muito trabalho, ouvindo a população e todas as lideranças na região, vamos resgatar a esperança do povo de Lagoa e fazer uma linda campanha. Se Deus quiser, vamos vencer e, com apoio do ministro Silvio, trazer desenvolvimento para o município”, declarou.

Da Carta Capital

Ronnie Lessa, o autor dos disparos que mataram Marielle Franco e Anderson Gomes, fez um acordo de delação premiada com a Polícia Federal e trará novos detalhes sobre o assassinato da vereadora do Rio de Janeiro, ocorrido em 2018.

Se homologado pelo Supremo Tribunal Federal, esse será o segundo acordo realizado pela PF na tentativa de solucionar o caso. O primeiro acordo foi firmado com Élcio Queiroz, motorista do carro utilizado para perseguir e executar a vereadora. Segundo fontes ouvidas pelo jornal O Globo, o ex-policial militar já estaria revelando detalhes do crime à PF.

Relembre o caso

Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes foram mortos a tiros na noite de 14 de março de 2018, quando trafegavam pelas ruas do Estácio, no centro do Rio de Janeiro. Um ano após o assassinato, Lessa e Élcio de Queiroz foram presos após PF confirmar que ambos eram executor e motorista no caso.

Na delação premiada firmada por Queiroz, o ex-policial afirmou que Lessa havia dito que a motivação do crime era pessoal e não envolvia dinheiro.

O Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) retoma, na segunda-feira (22), as sessões de julgamento sob expectativa de analisar, já nos próximos dias, as ações que pedem a cassação do hoje senador Sergio Moro (União Brasil), após um parecer do Ministério Público Eleitoral favorável à perda do mandato por abuso de poder econômico, em dezembro. O caso ainda não foi pautado pelo relator, o desembargador Luciano Carrasco Falavinha Souza, que promete fazê-lo em breve, o que gera indefinição sobre qual será a composição do plenário que dará o veredito, diante do calendário de substituições previstas no tribunal.

Os processos contra Moro questionam gastos com sua pré-campanha, período em que o ex-juiz desistiu de concorrer a presidente e optou por disputar o Senado. Com base em notas fiscais enviadas pelo União e por sua antiga legenda, o Podemos, o MPE calculou gasto de R$ 2,03 milhões e considerou que o valor foi excessivo para a disputa ao Senado no Paraná, o que configura, na sua avaliação, abuso de poder econômico. As informações são do O Globo.

A legislação eleitoral não tem uma previsão de limite para pré-campanhas, mas se o gasto for considerado excessivo pela Justiça Eleitoral, pode ser enquadrado como abuso, segundo especialistas. O principal precedente é a cassação da ex-senadora Selma Arruda (MT), em 2019. Na época, a Justiça apontou gasto anterior à campanha equivalente a 72% do arrecadado por sua candidatura.

Segundo a Procuradoria, a soma de investimentos feitos pelo Podemos e União na pré-campanha de Moro representa pouco mais de 45% do limite de gastos para a eleição de senador no estado, em 2022, de R$ 4,4 milhões (o ex-juiz gastou R$ 4,2 milhões no período oficial). O valor também equivale a mais que o dobro da média de gastos dos dez candidatos ao pleito.

“A lisura e a legitimidade do pleito foram inegavelmente comprometidas pelo emprego excessivo de recursos financeiros no período que antecedeu o de campanha eleitoral”, argumentou. Caso seja comprovada a despesa de R$ 2,03 milhões, é como se Moro, mesmo respeitando o teto durante a campanha, tivesse despendido valor superior a R$ 6,2 milhões para se eleger.

Procurado pelo GLOBO, Moro não respondeu. Para evitar sua condenação, o parlamentar tem como principal desafio reduzir o montante de despesas contabilizado como investimento direto para sua participação na eleição. Ao longo do processo, a defesa do senador tem defendido que os valores destinados a serviços advocatícios, assim como outras despesas apontadas pelas partes e pelo MPE, foram prestados a vários pré-candidatos e às legendas. Também aponta que a contratação de advogados, assim como a de serviços de segurança, não trouxeram vantagem competitiva na disputa do Paraná. O senador alega que os gastos eleitorais da sua pré-campanha somaram apenas R$ 144 mil.

De avião a advogados

Especialista em Direito Eleitoral, o advogado Eduardo Damian explica que, de acordo com a legislação, para configurar abuso de poder econômico basta detectar que houve gasto significativo na pré-campanha, sem necessidade de apontar o benefício gerado pelo investimento. Ele destaca que é preciso, no entanto, considerar nessa análise apenas despesas pessoais, sem incluir as compartilhadas ou que não tiveram finalidade eleitoral.

“Não é necessária a demonstração do benefício direto, basta demonstrar gravidade do ato ilícito”, aponta.

Autores das ações contra Moro, PT e PL haviam levantado gastos maiores com a pré-campanha, de R$ 21,6 milhões e R$ 7,6 milhões respectivamente. O Ministério Público entendeu, porém, que parte das despesas listadas também beneficiou outros pré-candidatos do Podemos e União Brasil, ou não teve a relação com a pré-campanha suficientemente comprovada. A Procuradoria apontou ainda que não há indícios de prática de caixa dois e uso indevido dos meios de comunicação, acusações também feitas pelos autores das ações.

As maiores despesas consideradas pelo MPE na conta se referem a viagens do então pré-candidato. A lista inclui, por exemplo, a contratação, pelo diretório paranaense do União Brasil, de uma aeronave da empresa Táxi Aéreo Hércules que teve entre os beneficiados Moro. Ao todo, foram identificados 21 voos, com destinos no Paraná e em São Paulo, que tiveram o senador e sua equipe entre os passageiros, entre julho e agosto de 2022. As viagens totalizaram, segundo os procuradores, R$ 429,7 mil. Já o Podemos desembolsou outros R$ 129,8 mil em passagens aéreas e serviços de hotelaria destinados a Moro e seu primeiro suplente, o advogado Luis Felipe Cunha.

O segundo maior pagamento registrado diz respeito à contratação do escritório de Cunha, seu suplente, pelo diretório nacional do União, entre abril e julho do ano eleitoral. Embora sua equipe não tenha cuidado apenas da pré-campanha de Moro, o MPE calcula que os serviços prestados apenas ao ex-juiz chegam a R$ 333,3 mil. Também se destacam contratos de publicidade digital (R$ 200 mil) e serviços de segurança (R$ 180 mil).

Formação do plenário

A dúvida sobre a composição do plenário que vai julgar a ação, formado por sete magistrados, ocorre porque o mandato do juiz Thiago Paiva dos Santos termina na terça-feira (23). Ele ocupa uma das vagas destinadas à classe dos advogados. Os mandatos dos substitutos José Rodrigo Sade e Roberto Aurichio Junior também terminam no dia 27. Para analisar a cassação de Moro, o tribunal precisa ter quórum máximo.

A escolha do próximo juiz é uma atribuição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Para fazer a indicação, no entanto, ele aguarda a aprovação de uma lista tríplice pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Segundo a Corte eleitoral, não há previsão para essa análise ocorrer. O tribunal só retoma em 1º de fevereiro.

Há ainda outra mudança que pode alterar a lista de juízes do caso. O hoje presidente do TRE paranaense, Wellington Coimbra de Moura, pode não participar do julgamento. Ele deixa o posto no dia 31 de janeiro e será substituído pelo desembargador Sigurd Roberto Bengtsson.

Petrolina - Bora cuidar mais

Política é feita de gestos. Essa máxima foi colocada em prática e pode ser facilmente observada no encontro, na última sexta-feira (19), entre o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), e o pré-candidato do PT à Prefeitura do Jaboatão dos Guararapes, Elias Gomes, durante a primeira agenda em Pernambuco do chefe do Palácio do Planalto em 2024.

Elias e Lula estiveram reunidos em um hotel na Região Metropolitana pouco antes da cerimônia do termo de compromisso da construção da Escola de Sargento das Armas (ESA), em Araçoiaba. Entre os pré-candidatos a prefeito de todo o estado, apenas Elias e João Campos (PSB), que irá disputar a reeleição no Recife, foram recebidos por Lula em um encontro reservado.

Na ocasião, Elias entregou em mãos ao presidente da República uma carta com propostas para o setor da segurança pública e defesa social do país. Entre as sugestões, a criação de uma conferência municipal no setor, a ser realizada por todos as cidades brasileiras, como forma de inserir os governos locais como protagonistas de um plano nacional integrado de segurança pública e paz social.

Ainda durante a reunião, Lula reafirmou o município do Jaboatão dos Guararapes como uma das prioridades da executiva nacional do Partido dos Trabalhadores para 2024. Essa máxima tem sido reforçada desde o ato de filiação de Elias ao PT, em setembro de 2023, quando a presidente da legenda, a deputada federal Gleisi Hoffmann, garantiu o irrestrito apoio da sigla ao ex-prefeito Elias Gomes.

“Se restava alguma dúvida, agora ficou claro que o PT pretende tirar a cidade do Jaboatão das mãos do PL e realinhar o desenvolvimento do município a partir de uma parceria exitosa com o Governo Federal”, observou um membro da alta cúpula do PT após o ato.

Ipojuca - App 153

Antes de o PP entrar no governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT), em setembro de 2023, o presidente nacional da legenda, senador Ciro Nogueira (PI), recebeu um recado de emissários do Palácio do Planalto: Lula queria falar com ele. A intenção era trazer o partido para o governo. Os dois foram aliados no passado, mas um muro foi erguido quando Ciro assumiu a Casa Civil na gestão de Jair Bolsonaro (PL).

Ciro se recusou a falar com Lula. A interlocutores, fez uma brincadeira para dizer não. “Em três minutos de conversa com o Lula, você se apaixona. Ele é irresistível.” Mas não precisou de três minutos. No dia 20 de dezembro, Lula entrou no plenário da Câmara para acompanhar a promulgação da reforma tributária. Em meio ao empurra-empurra, o petista viu o senador no meio da muvuca, parou e o puxou pelo pescoço para um abraço. Os dois sorriram como velhos amigos, surpreendendo aliados ao redor. As informações são do Estadão.

O senador falou que era impossível o PP “fazer o L”, mas o partido entrou no governo. André Fufuca, um fiel escudeiro do dirigente partidário, virou ministro do Esporte, firmando os tentáculos do grupo na gestão petista. Até a sede da legenda no Maranhão, que Fufuca preside, tem a cor vermelha nas peças de divulgação. O partido também emplacou o presidente da Caixa, Carlos Vieira, no cargo.

Toda a situação mostra como o senador migrou do papel de influente chefe da Casa Civil de Jair Bolsonaro, mandando e desmandando do orçamento secreto, para uma oposição a Lula que mantém tentáculos na base aliada.

Com o PP no governo e o presidente da sigla fazendo discurso de opositor, parlamentares do partido estão livres para negociar com o governo conforme o ritmo das negociações. Falar que não é base automática faz parte do jogo. Pois, dessa forma, podem pedir cargos e verbas sempre que Lula quiser aprovar algo e se afastar para não colarem sua imagem no governo. É uma posição confortável para a legenda, reinventando o papel do Centrão, que sempre foi governista em gestões anteriores.

O ex-ministro de Bolsonaro continua dando cartas em Brasília. Ele tem o comando do PP, que tem a presidência da Câmara e a liderança da minoria no Senado. O senador é um dos líderes que articula a sucessão das duas casas legislativas, no próximo ano. Além disso, passou a ter forte influência no governo de São Paulo, maior colégio eleitoral do País, compondo a cúpula de articulação política da gestão Tarcísio Freitas (Republicanos). Equilibrando-se nesses campos, Ciro tem sido chamado nos bastidores de “presidente administrativo” do País.

O parlamentar deu o apoio e o voto para aprovação da reforma tributária no Senado. Da mesma forma, não fez oposição às indicações de Flávio Dino para o Supremo Tribunal Federal (STF) e de Paulo Gonet para a Procuradoria-Geral da República, apesar de não ter revelado seu voto. Elaborou ainda uma cartilha de projetos que o partido vai apoiar. Quando vai ao Twitter ou a uma entrevista, a regra é falar mal do “governo do PT”, e menos de “Lula” diretamente. “O Lula gosta de mim, não é uma coisa política, e eu confio nele. Uma pessoa para não gostar do Lula é difícil. Ele é cativante, mas não posso trair o presidente Bolsonaro”, afirmou Ciro Nogueira ao Estadão.

O abraço em Lula provocou preocupação em Ciro Nogueira. Ele chegou a agradecer a interlocutores por nenhuma imagem do momento ter sido divulgada – até agora. O parlamentar é constantemente levado a renovar sua aliança com Bolsonaro. No dia seguinte ao abraço, falou à Coluna do Estadão, justificou que foi um gesto entre “duas pessoas civilizadas” e negou a possibilidade de se aproximar do petista. “Chance zero”, afirmou. No mesmo dia, disparou em grupos de mensagem e nas redes mais um episódio do “Cirocast”, sua série de vídeos com falas contra a gestão petista.

Já no dia 4 de janeiro, o parlamentar publicou um vídeo nas redes sociais jurando fidelidade eterna ao ex-presidente Bolsonaro, até seus “últimos dias na política”. “Minha relação com o Bolsonaro é como se fosse um casamento. Casamento você diverge, você discorda, mas nunca vai acontecer o divórcio”, afirmou.

Na avaliação de Ciro, o presidente Lula “graças a Deus” comete o mesmo erro de Bolsonaro ao falar com seu próprio público. A exceção foi o discurso do petista no Natal, bem escrito e formulado, na opinião do senador. Não faltam elogios para o governo: a escolha por Ricardo Lewandowski para o Ministério da Justiça e Segurança Pública e as “boas intenções” do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, na condução da política econômica. Mas também sobram críticas: frustração do eleitor que esperava picanha e cerveja no primeiro ano de governo, falta de grandes obras começadas e entregues e o descaso com a segurança pública.

Com a eleição para o comando do Congresso no radar, Ciro trabalha ao lado do atual presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), para fazer o sucessor na Casa. Até então, o escolhido é Elmar Nascimento (União-BA). O deputado baiano, no entanto, tem fortes atritos com o PT e encontra dificuldades para receber o apoio do governo na disputa. Hoje, é tratado como um candidato com validade, que aumentará o preço para ceder apoio a outro deputado na disputa.

O plano “B” de Lira – e do próprio Ciro – para o comando da Câmara passou a ser o deputado Marcos Pereira (SP), presidente nacional do Republicanos e atual vice-presidente da Casa. Para consolidar a articulação, o PP de Ciro deve oficializar uma federação com o Republicanos, o que também abriria caminho para alianças nas eleições municipais e nas próximas eleições presidenciais. O bloco pode atrair também o União Brasil, formando uma “super federação”. Aí entra a candidatura do senador Davi Alcolumbre (União-AP) a presidente Senado, apoiado por Ciro, completando o acordo das três legendas.

No último dia 8 de janeiro, os líderes desses três partidos se ausentaram do ato convocado por Lula para marcar um ano dos ataques golpistas aos Três Poderes. Foi um forte recado para o petista, sinalizando que as articulações políticas em Brasília serão encabeçadas pelo grupo, sem adesão automática aos planos do Palácio do Planalto.

Ciro Nogueira quer ser vice de Tarcísio em 2026

Torcedor do São Paulo Futebol Clube, o território paulista também passou a fazer parte da cartilha de influência política de Ciro Nogueira – e com prioridade. Ele montou uma espécie de gabinete virtual no Palácio dos Bandeirantes, com acesso livre ao governador Tarcísio de Freitas (Republicanos). A última cartada foi filiar o secretário da Casa Civil do Estado, Arthur Lima, no PP.

Sob influência de Ciro, Lima passou a dividir o poder de negociar emendas e cargos com o secretário de Governo da gestão paulista, Gilberto Kassab, presidente do PSD. Os dois disputam a filiação de prefeitos órfãos do PSDB em São Paulo e, por enquanto, Kassab saiu na frente, com 329 prefeituras. A meta de Ciro é chegar a 80 prefeitos filiados nas eleições de outubro no Estado – desde 2020, o número subiu de 28 para 46.

Outro sonho de Ciro é filiar o governador no PP. O senador passou a defender a candidatura de Tarcísio à Presidência em 2026, diante da decisão que deixou Bolsonaro inelegível. O parlamentar fala até em ser candidato a vice na chapa. Ele disse ao Estadão que esse é o seu objetivo, mas pondera: “sou péssimo em prever meu futuro”. Ter um vice nordestino é uma estratégia vista como positiva para diminuir a distância com o PT na região. A ideia, no entanto, esbarra em Tarcísio, que vê vantagem em tentar a reeleição ao governo do Estado.

A dúvida volta a ser quem será o candidato da oposição à Presidência em 2026, com Bolsonaro inelegível. Ciro Nogueira sabe que não há vácuo na política e colocou a senadora Tereza Cristina (PP-MS) para presidir um instituto do partido em São Paulo. Tereza terá a função de articular estudos, propostas políticas e “passar o chapéu” entre empresários para arrecadar fundos para a entidade. E também virou pré-candidata a presidente da República, uma carta a mais na manga da oposição.

Mas, antes de tudo isso, o parlamentar precisa organizar o próprio futuro político no Piauí, seu reduto eleitoral. O mandato como senador acaba em 2027. Os outros dois senadores do Estado, Marcelo Castro (MDB) e Wellington Dias, este último licenciado para ser ministro do governo, estão com Lula. O governador Rafael Fonteles (PT) é uma das promessas da nova geração petista e também faz parte da base de apoio do presidente. Ciro esteve junto com todos eles no passado, no mesmo grupo político, mas agora está isolado, fazendo uma política própria com prefeitos. Sem o apoio de Lula, fica mais difícil ser eleito no Piauí. Mas nada que uma conversa de três minutos não resolva.

Citi Hoteis

O vereador Marcos Mariano lançou a sua pré-candidatura a prefeito de São Joaquim do Monte, Agreste de Pernambuco, neste sábado (20). A caminhada começa com o apoio do ex-prefeito Zé Birro e de dois grandes partidos: PSB e Republicanos. Atualmente no PSDB, o pré-candidato vai disputar as eleições em uma legenda de oposição à atual gestão municipal, buscando romper um ciclo que já dura 12 anos.

Cabo de Santo Agostinho - Refis 2023

Por Mateus Cavalcanti*

Um café da manhã repleto de histórias da grandiosa Fábrica Peixe e muito conteúdo de pesquisa histórica na nossa Pesqueira. A Pousada Arawi, que significa “Serrinha” na linguagem Xukuru, é uma pousada ecológica que guarda um espaço aconchegante com direito a trilhas e locais de meditação.

Uma observação importante é que no seu espaço contém um “Centro Judaizante”, com achados de Mezuzá, que é um fragmento da Torá, e de uma Mekvé, que era utilizada em ritual de purificação no judaísmo.

Esse centro histórico é inclusive cadastrado pelo IPHAN. Saulo, pense em um lugar incrível, obrigado pelo convite!

*Vereador de Pesqueira

Caruaru - Geracao de emprego

Sem reajuste proposto para 2024, servidores do Executivo federal seguem pressionando o governo por uma mudança de posição. Além de paralisações já iniciadas por algumas categorias, greves — incluindo um movimento grevista geral — estão no radar. A insatisfação também envolve a entrega de cargos de chefia e coordenação e até mesmo um pedido de revisão do Concurso Nacional Unificado (CNU).

Greves já acontecem em carreiras como agentes de órgãos ambientais, funcionários do Banco Central (BC), auditores-fiscais da Receita Federal e agentes de fiscalização sanitária. As universidades também avaliam um movimento grevista no primeiro semestre letivo de 2024. As informações são do Metrópoles.

No caso dos servidores de órgãos ambientais, o Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI) agendou para o dia 1º de fevereiro reunião da mesa de negociação com a categoria.

“Não há nenhum aceno, até agora, sobre qual vai ser a proposta que o governo vai apresentar em relação às reivindicações”, disse Cleberson Zavaski, presidente da Associação Nacional dos Servidores de Carreira de Especialista em Meio Ambiente (Ascema Nacional). Na centralidade da discussão, está a reestruturação da carreira, a fim de conter a evasão. Segundo a Ascema, mais de 600 servidores pediram demissão nos últimos anos por falta de atratividade da carreira.

Já na última sexta-feira (19), os coordenadores de Aprendizagem do Ministério do Trabalho e Emprego de 23 estados entregaram cargos de chefia e coordenação.

Caso não haja devolutivas por parte do governo aos pleitos dos auditores-fiscais do Trabalho, o movimento de entrega de cargos tende a evoluir para um paralisação completa das atividades, comprometendo as fiscalizações em curso. As coordenações são responsáveis por articular toda a política pública de qualificação profissional e atenção aos grupos prioritários no Brasil.

No caso dos auditores-fiscais da Receita, em greve desde novembro, há a promessa de uma paralisação em portos e aeroportos de São Paulo e da Bahia na próxima semana. Os fiscais anunciaram que não realizarão o desembaraço de cargas entre os dias 22 e 26 de janeiro, no Aeroporto de Viracopos, no Porto de Santos, na Alfândega de Salvador (a partir do dia 23) e no Aeroporto de Guarulhos. Durante o período, haverá nos locais somente as liberações de cargas perecíveis, vivas, perigosas, medicamentos e alimentos.

“Toda greve, infelizmente, produz externalidades negativas e procuramos reduzi-las priorizando os serviços essenciais. Produtos perecíveis, medicamentos e alimentos não serão prejudicados. Por outro lado, é importante lembrarmos que há uma lei pendente de implementação há sete anos, e os auditores-fiscais não poderiam continuar esperando sua aplicação indefinidamente”, afirmou Isac Falcão, presidente do Sindicato dos Auditores-Fiscais da Receita Federal (Sindifisco Nacional).

Houve insatisfação dos servidores com a proposta oficial, que chegaram a classificá-la de “etarista”, visto que aposentados e pensionistas não recebem auxílio-alimentação nem auxílio-creche.

Em resposta, no dia 10 de janeiro, o Fórum Nacional das Carreiras Típicas de Estado (Fonacate) enviou ofício ao Ministério da Gestão propondo a recomposição salarial em três parcelas (a primeira a ser paga já neste ano): a primeira de 9%, a segunda de 7,5% e a terceira também de 7,5%, a serem implementadas, respectivamente, nos meses de maio de 2024, 2025 e 2026.

Segundo apurado pela reportagem, ainda não houve resposta do governo à contraproposta. As reivindicações dos servidores são analisadas em reuniões periódicas da Mesa Nacional de Negociação Permanente, retomada no ano passado. O governo ainda não definiu a data de realização da primeira reunião da Mesa deste ano, mas a expectativa é que ela ocorra apenas após o feriado do Carnaval, isto é, na segunda quinzena de fevereiro.

“2024 se inicia com o maior dos desafios para servidores públicos. Um embate direto com o governo para que alcancemos a recomposição inflacionária pela qual lutamos há tanto tempo. A proposta do governo até o momento não demonstra respeito a todas as perdas já tão sentidas, além de não oferecer nenhuma parcela neste ano”, disse Ivana Vilela, presidente do Sindicato Nacional dos Servidores do Ministério das Relações Exteriores (Sinditamaraty) e representante na Mesa de Negociação da Nova Central Sindical dos Trabalhadores.

Belo Jardim - Patrulha noturna

Da ASSERPE

A ASSERPE (Associação das Empresas de Rádio e Televisão de Pernambuco) lamenta as declarações do presidente da Associação Pernambucana de Futebol (FPF),  Evandro Carvalho,  que em artigo ao “O Poder” trata como “histórica” a decisão de vetar a atividade de repórteres das emissoras de rádio, do legítimo acesso ao estádio para transmissão de jogos de futebol. 

A construção da história e tradição do futebol pernambucano deve muito ao papel das emissoras ao longo dos mais de cem anos,  levando à população em todas as regiões as informações desse esporte. É essa construção que, por exemplo, evita a inserção midiática e influência de outros centros,  ajudando o torcedor a se identificar com suas camisas em solo pernambucano.

Além disso, busca dar voz à uma arbitrariedade, cuja decisão já foi derrubada no Paraná, de cobrar das emissoras de rádio pela transmissão de jogos. Cabe lembrar que a Lei Geral do Esporte fixou que apenas a difusão de imagens captadas em eventos esportivos é passível de exploração comercial pelos clubes, definindo os parâmetros desse trecho da Lei Pelé.

A fala assinada transparece na verdade uma dificuldade em lidar com questionamentos dos veículos à entidade, sempre com o amplo direito ao contraditório.  É sabido que recentes decisões da FPF foram questionadas por profissionais de veículos, gerando a decisão de proibir repórteres. Prova disso é que a vedação pegou a todos de surpresa em meio à terceira rodada.

A ASSERPE informa já estar em alerta com a ABERT para combater juridicamente a ameaça explícita à atividade dos veículos, dando à entidade o status de primeira no país a tentar vedar a atividade das emissoras. Também conclama os clubes pernambucanos a não apoiarem qualquer arbitrariedade contra a presença das emissoras na cobertura da competição. 

Essa posição também tem o apoio de entidades como a Associação dos Cronistas Desportivos do Estado (ACDP).

Ao contrário do que busca destacar o presidente, com sua decisão o futebol pernambucano não avança com isso. Ao contrário, retrocede. 

Vitória Reconstrução da Praça

Por José Nivaldo Júnior*

Os principais  blogs de Pernambuco noticiaram uma bomba desde a madrugada deste domingo: Antônio Campos manifestou apoio incondicional à reeleição do sobrinho, João Campos, no Recife. Um gesto expressivo que pode ser o começo do fim de uma desavença sem maior fundamento. 

Políticas mal conduzidas por alguns então integrantes da cúpula do PSB, movidas por interesses menores, afastaram Antônio Campos da legenda do seu irmão, o ex-governador Eduardo Campos. A ação direta de espoletas políticos e mais  gestores das fartas finanças eleitorais do partido, puxaram o tapete de Antônio na eleição de Olinda, em 2016. A grana solta do PSB nos bastidores garantiu a vitória do “Professor Lupércio”, uma invenção que se provou desastrosa para a cidade. No seu estilo guerreiro, Antônio Campos reagiu e atirou. As relações políticas e familiares foram reduzidas à temperatura do gelo.

Na verdade, Tonca, como Antônio Campos é tratado pelos mais próximos, nunca ficou confortável com a briga. Admirador leal e maior defensor do nome, da memória e do legado do irmão, sempre cultivou a esperança de recompor, se não os laços políticos, pelo menos as relações familiares. Agora, a oportunidade chegou. Campos é novamente pré-candidato em Olinda, João concorre à reeleição no Recife. O apoio incondicional revela muita coisa. Ainda mais quando se revela que o gesto foi precedido de iniciativas de embaixadores da paz, bem recebidas pelos dois lados. Ou seja, houve sinal verde mútuo para prosseguir. Antônio tomou a iniciativa pública. 

Tem mais explicações 

O PL seria, em tese, um potencial aliado de Antônio. Esta semana, manifestou apoio à pré-candidata Izabel Urquiza. A governadora Raquel Lyra, por sua vez, mantém boas relações pessoais com Antônio, mas até agora não fez qualquer aceno político. Carregar o ônus de defender Raquel sem contrapartida de um apoio efetivo não parece ser algo muito inteligente. Somando tudo, a reconciliação familiar e política com o sobrinho, desejo acalentado há tempos, foi o caminho que prevaleceu. 

A nota

Feita a análise dos bastidores para não deixar qualquer dúvida, vamos à nota emitida por Antônio Campos e já divulgada: “se votasse no Recife, meu domicílio é Olinda, votaria em João Campos pelo seu trabalho na Prefeitura. Tem mudado Recife. Meu gesto também é uma homenagem a Eduardo Campos, seu pai e meu irmão, um grande líder, que sempre esteve junto e foi um grande amigo meu e um grande político. 

Esse gesto meu é um reconhecimento, sem esperar reciprocidades. Da minha parte ele ( João Campos) tem um gesto amigo”, sintetiza Antônio Campos.

Repercussão 

Como diriam os personagens  Conselheiro Acácio, de Eça de Queirós, e Almirante, de José Nivaldo Junior, que só falavam o óbvio, as consequências virão depois.

*Jornal O Poder

Da Folha de S. Paulo

A volta de Marta Suplicy ao PT foi, como todas as movimentações políticas da ex-prefeita nos últimos anos, uma decisão tomada em conjunto com seu marido e principal conselheiro político, o empresário Márcio Toledo (posicionado no canto direito da foto acima, ao lado de Marta).

Articulador da ex-prefeita, Toledo estava com ela e o presidente Lula (PT) na foto do encontro em que Marta disse sim ao convite para retornar à sigla e ser vice de Guilherme Boulos (PSOL) na corrida à prefeitura. Ele também a acompanhou na reunião para a demissão dela do cargo de secretária de Relações Internacionais da gestão Ricardo Nunes (MDB), principal rival de Boulos na eleição.

Toledo, 63, e Marta, 78, começaram a namorar em 2009 e se casaram em 2013. Ex-presidente do Jockey Club de São Paulo e desde a juventude ligado à política, o empresário logo se tornou a figura que, nos bastidores, ajuda a tornar realidade as aspirações da esposa.

Relatos colhidos pela Folha com aliados, adversários e pessoas do entorno, a maioria falando sob a condição de anonimato, descrevem Toledo como um negociador habilidoso, cordial e sagaz. A impressão geral é a de que os rumos da ex-prefeita são fruto de decisões compartilhadas entre os dois — mas que a palavra final é dela. Procurados, eles não deram entrevistas.

“Qualquer especulação sobre tutela ou dependência é fruto do machismo estrutural que envergonha a nossa sociedade”, diz o advogado petista Marco Aurélio de Carvalho, amigo íntimo do casal. Marta já considerou a possibilidade de ser vice do advogado numa campanha à prefeitura.

“Ela é uma figura forte, com liderança, luz própria e legado. É natural que confie no marido, alguém com uma visão sofisticada e que vive a política tanto quanto ela”, segue o coordenador do grupo Prerrogativas.

Toledo fez a ponte entre Marta e interlocutores em todas as campanhas desde 2010, num papel de operador político, arrecadador de recursos e consultor em questões de estratégia e comunicação.

Desta vez, participou de todas as etapas da reviravolta que levou à saída de Marta da prefeitura para retornar ao PT — superando mágoas de parte a parte, como a causada pelo voto da então senadora pelo MDB no impeachment de Dilma Rousseff (PT).

Toledo estava presente, por exemplo, em conversas da ex-prefeita com o deputado federal Rui Falcão (PT-SP), incumbido por Lula de acertar a volta dela ao partido para uma dobradinha com Boulos, ideia antecipada pela Folha em novembro. No último dia 13, Marta e o marido receberam Falcão e Boulos com as respectivas esposas para um almoço no apartamento deles, nos Jardins, região nobre da capital.

Toledo é considerado um anfitrião invejável, do tipo que serve boa comida e bebida. Ele promove encontros para discussões informais, em casa e no escritório, com políticos de diferentes campos. A formação da chapa Lula-Geraldo Alckmin e o apoio de Simone Tebet (MDB) ao petista passaram por sua sala de jantar.

Sempre circunscrito ao campo da centro-esquerda, construiu como marcas o ecumenismo e a defesa de frentes amplas, seguindo uma linha pragmática sob o argumento de preservação da democracia.

A discrição e o jeito polido podem às vezes dar lugar a um estilo mais duro, segundo um amigo que elogia o tom incisivo do empresário para defender suas posições. Interferências de Toledo em campanhas de Marta já provocaram rusgas com partidos, como noticiou a Folha em 2010 e em 2016.

Uma ex-dirigente partidária que negociou com o casal na época da eleição de 2020 diz que os dois se complementam, cabendo ao marido abrir conversas, esperar respostas e guiar a parte prática.

Naquele pleito, a ex-prefeita flertou com uma candidatura à prefeitura e entrou no Solidariedade. Na reta final, se desfiliou e decidiu apoiar Bruno Covas (PSDB), que venceu Boulos e levou Marta para o governo.

Uma cena daquela campanha ilustra o que amigos veem como carinho e companheirismo de Toledo em relação a ela. Em meio à pandemia de Covid, na espécie de papamóvel construído para a ex-prefeita percorrer a cidade, ela acenava animada em pé —e o marido ia sentado ao lado.

Principal dirigente do Solidariedade, o deputado federal Paulinho da Força (SP), diz que se distanciou de Marta e Toledo após a saída dela da sigla. “Eles fizeram um acordo, nas costas do partido, com o Bruno Covas. Na verdade, nos traíram ali”, afirma à reportagem.

“Eu não quero mais ter nenhuma relação nem com ele nem com a Marta”, continua. “Essa passagem da Marta pelo Solidariedade foi muito ruim para nós, é um episódio que é bom esquecer.”

O rompimento com Nunes também foi traumático, como atesta o aborrecimento do prefeito pelo fato de Marta ter negociado com o PT enquanto ainda tinha cargo na prefeitura. Nas palavras de um agente político próximo do empresário, a articulação da vez não teve a marca Márcio Toledo —teria faltado a elegância e a transparência adotadas em outros momentos.

Uma crítica de Toledo a Boulos na campanha de 2020, chamando-o de “picareta”, passou a ser relembrada. Num grupo de WhatsApp, o empresário insinuou que o psolista fingiu ter Covid para faltar a um debate em que seria “trucidado e desmascarado”.

Filho de um prefeito de Indaiatuba (SP) cassado pela ditadura militar, Toledo deve sua formação política à militância no Partido Comunista Brasileiro (PCB), o Partidão, à atuação na UNE (União Nacional dos Estudantes) e na juventude do MDB. Ele se desfiliou do partido somente em 2018, acompanhando Marta.

Formado em direito pela PUC e jornalismo pela USP, o empresário não priorizou a busca de cargos eletivos ou públicos, mas chegou a ser pré-candidato a prefeito pelo MDB em 2008 e cotado para vice em 2012.

A dedicação maior é à atividade empresarial —sua holding atua no ramo de telecomunicações e investe, entre outros setores, em energias renováveis.

Fontes ouvidas pela reportagem dizem que é uma ilação e má-fé supor que decisões políticas de Toledo tenham ligação com interesses econômicos, mas reconhecem que, como articulador ou empresário, ele mantém um círculo variado de interlocutores e trânsito privilegiado, o que qualquer homem de negócios almeja.

No fim de 2023, Toledo fundou a Associação Brasileira de Armazenamento de Energia (Armazene) e reuniu em um jantar o ex-governador João Doria (ex-PSDB), a pré-candidata Tabata Amaral (PSB), o ex-ministro Moreira Franco (MDB) e o deputado federal Arnaldo Jardim (Cidadania-SP), que preside o conselho consultivo da entidade.

O site da Armazene registra que Toledo e outros diretores viajaram a Brasília para um seminário do setor e foram recebidos em 27 de novembro no Palácio do Planalto pelo ministro petista Alexandre Padilha (Secretaria de Relações Institucionais). A agenda dele não registra esse encontro, e a pasta não comentou o assunto.

A Folha apurou que Toledo também esteve com Marco Aurélio Ribeiro, conhecido como Marcola, chefe de gabinete de Lula —fato que, ao ser descoberto por Nunes, fez o prefeito perceber que a costura de Marta com o presidente estava perto de ser concluída.

Por Eliane Cantanhêde – para o Estadão

O presidente Lula, que gosta de brincar com fogo, já queimou a largada em 2024 ao trazer de volta às manchetes a refinaria Abreu e Lima, que carrega dois fantasmas e uma advertência: o maior escândalo de corrupção da história, as ligações perigosas de Lula e do PT no contexto externo e o risco de andar na contramão, quando o mundo todo e o Brasil em particular caminham em direção à energia verde. Energia verde com refinaria?

Não satisfeito, Lula sobrepôs um erro ao outro: a aposta na Abreu e Lima e a implicância com os EUA. Segundo ele, seus governos fizeram tudo certinho e a Lava Jato foi culpa da “mancomunação” do Departamento de Justiça americano com “juízes e procuradores”, porque os EUA nunca aceitaram que o Brasil tivesse uma Petrobras. Delírio? Autoengano? Ou me engana que eu gosto?

A Abreu e Lima entrou para a história como símbolo da Lava Jato e de falta de planejamento, apostas equivocadas, desperdício de dinheiro público e corrupção. Já começou errada. Lula interveio no plano de investimento da Petrobras, e assim surgiu o projeto, em 2005, com previsão de US$ 2,5 bilhões. Dez anos depois, quando a obra foi abandonada pela metade, os custos atingiam US$ 20 bilhões.

A Abreu e Lima, idealizada em parceria com a PDVSA venezuelana, também traz de volta as imagens e “mancomunações” de Lula com Hugo Chávez, mentor intelectual e primeiro executor do desmanche da Venezuela rumo a uma ditadura. Depois de receber Nicolás Maduro com honras e salamaleques em 2023, Lula puxa o fantasma de Chávez para a cena logo no comecinho de 2024.

E o anúncio de que a Petrobras vai injetar R$ 8 bilhões na conclusão da obra veio exatamente quando Marina Silva, do Meio Ambiente, se esgoelava em Davos para convencer o mundo de que o Brasil, anfitrião da COP-30, em 2025, lidera a transição da energia fóssil para a energia verde. Investir em refinaria de diesel enquanto, no mundo todo, caminhões e ônibus movidos a combustão estão num caminho sem volta?

A Petrobras, epicentro da Lava Jato, embolou seus dirigentes com empreiteiras, partidos aliados ao PT e Planalto, mas a corrupção é só uma parte, e a menor, da sua tragédia naqueles tempos. Os maiores prejuízos foram com a má gestão e a ingerência política – e populista – nos preços dos combustíveis. Pagar mais caro e vender mais barato não dá certo.

Em seu primeiro giro interno de 2024, Lula acertou com gestos, programas e reaproximação das Forças Armadas, que estão em fase de, digamos, saneamento. Mas o que fica pairando são os fantasmas da Abreu e Lima, os elogios à China e os ataques aos EUA. O que o Brasil e o próprio Lula ganham com isso?

A deputada federal e pré-candidata à Prefeitura de São Paulo Tabata Amaral (PSB-SP) disse que teve uma “conversa muito inspiradora” com a também deputada Luiza Erundina (Psol-SP), que concorreu como vice de Guilherme Boulos (Psol-SP) nas eleições para a capital paulista em 2020.

“É sempre uma alegria aprender com mulheres tão experientes”, disse Tabata em seu perfil no X (ex-Twitter) na quinta-feira (18). A congressista afirmou que a ex-prefeita de São Paulo “tem uma trajetória muito bonita na vida pública”. Segundo Tabata, elas conversaram sobre a “luta por uma educação de qualidade”, além do “trabalho pelos direitos das mulheres”. As informações são do Poder360.

Erundina também assinou o livro “Um Governo de Esquerda para Todos”, de Paul Singer, que conta as suas experiências na Prefeitura de São Paulo. Em 1988, ela foi a 1ª mulher a assumir o cargo na capital paulista. Ficou no cargo de 1989 a 1993.

Morreu, no sábado (20), o fundador do Movimento Pró-Criança, Sebastião de Araújo Barreto Campello. O empreendedor social tinha 94 anos e sofreu um infarto agudo do miocárdio, no final da tarde, durante internação no Real Hospital Português, no Recife.

Sebastião Barreto Campello iniciou há três décadas o Movimento Pró-Criança, entidade sem fins lucrativos que promove direitos e oportunidades para crianças em situação de vulnerabilidade na Região Metropolitana do Recife. As informações são da Folha de Pernambuco.

“Ele dedicou  sua vida às causas sociais, deixando um impacto significativo. Seu legado perdurará nas vidas transformadas por sua incansável dedicação”, lamentou o Pró-Criança, por meio de nota oficial.

O velório do corpo de Sebastião Barreto Campello começou às 8h deste domingo (21), no Cemitério de Santo Amaro, na área central do Recife. O enterro, marcado para 12h, será no mesmo local. 

Por Fredson Brito*

Resgatar a esperança do povo de São José do Egito é o maior desafio que temos diante de nós. A esperança em tudo o que é possível ser feito para conquistarmos novos investimentos, atrairmos empresas, animarmos e fortalecermos o comércio, darmos força aos serviços, à agricultura familiar e à agroindústria, qualificarmos os jovens e os adultos, tudo isso para gerar emprego e renda. Precisamos recuperar a nossa capacidade de sonhar grande, de ir à luta, de enfrentar as dificuldades e construir oportunidades para as pessoas. Portanto, meu caro Cláudio Soares, não foi o apito do prefeito que se perdeu pelo caminho, como você disse em seu artigo. (clique aqui e confira)

O que está em jogo na nossa amada São José não é um projeto de poder ou o rumo de um grupo político. O essencial é o futuro das pessoas da nossa terra, é um projeto de cidade, de uma cidade que pode muito mais do que tem sido feito nesses anos todos sob o comando do mesmo grupo político. O que está em jogo não é a família do prefeito. São as famílias de quem trabalha e produz para fazer de São José do Egito a força econômica que todos nós sabemos que ela pode ter.

O que importa de verdade é garantir uma formação e uma qualificação profissional aos jovens. É permitir que os filhos da população possam estudar em escolas de qualidade, em escolas que não sejam apenas prédios. É garantir atendimento de saúde humanizado, com medicamentos, com insumos básicos e sem tantas filas, garantir cirurgias e TFD em veículos adequados. É reduzir a carga de impostos para que o comércio cresça, é apoiar as 66 associações de produtores rurais, estimular os esportes, atrair indústria e tornar realidade um grande sonho que tenho que é transformar nossa cidade em um poderoso pólo de pequenas, médias e grandes produtoras de confecções. Ao mesmo tempo, garantir segurança alimentar às famílias que têm fome e moradias dignas a quem vive em condições precárias.

São José do Egito pode e merece ter uma administração eficiente, baseada em um modelo de gestão com objetivos e metas claras, com monitoramento e empenho para conquistar resultados. Uma gestão que assuma uma atitude técnica, focada em construir as oportunidades, porque estas não caem do céu. Tem que ir à Brasília, ir ao Recife, percorrer o Brasil, lutar por financiamentos e investimentos nacionais e no exterior. Chegou a hora de deixar de lado a política com “p” minúsculo e as disputas de poder pelo poder. São José espera mais.

*Empresário e pré-candidato a prefeito

O ex-ministro do Turismo e Cultura do Governo Bolsonaro, pré-candidato a prefeito do Recife, Gilson Machado, comentou a passagem de Lula por Pernambuco e destacou que o ex-presidente Jair Bolsonaro já havia colocado a duplicação da refinaria no plano estratégico da Petrobras, e anunciado que a Escola de Sargentos seria em Pernambuco. 

Segundo Gilson, Lula anunciou medidas já  programadas e provocou o presidente petista: “o que todos esperam é que essa duplicação da obra da refinaria também não se transforme em novos escândalos de corrupção, como no passado recente“.

Gilson ainda registrou que é estarrecedor ver o prefeito do Recife disputando a atenção de Lula com a governadora Raquel Lyra, e lembrou: “para esse povo, política pode tudo mesmo. Há pouco tempo, na última eleição para prefeito, o jovem não poupou críticas ao PT no campo da honestidade, assim como seu partido votou fechado pela cassação de Dilma. Hoje, parece estar tudo bem e acordado. O partido dele, o PSB e dos seus vassalos, segundo o Ministério Público, investigações da PF e a justiça, está longe de possuir o monopólio da honestidade“, disse.

O ex-ministro aponta que o povo do Recife vai conhecer a cidade que João Campos esconde “com alto índice de violência, trânsito caótico, moradores de rua e uma periferia esquecida. Não à toa que o chamam ‘O Príncipe’, título do livro de Maquiavel”.

E complementa: “será uma eleição esclarecedora, pois vamos mostrar a verdade. João Campos é filho de Eduardo, mas politicamente é cria de Lula e da esquerda pernambucana e brasileira. É um jovem velho – cara de novo, mas com as velhas práticas do PSB de sempre”, finalizou Gilson Machado.

A presença do prefeito de Petrolina, Simão Durando (o segundo da direita para a esquerda na foto acima) – que está filiado ao União Brasil – ontem, no almoço com o prefeito do Recife, João Campos (PSB), na casa de praia do ex-senador Fernando Bezerra Coelho, em Porto de Galinhas, teve uma só motivação: a sua possível desfiliação do UB.

É que ele não tem segurança – nem tampouco os Coelho – de que o União Brasil fique no campo da esquerda. Há suspeitas de que o partido apoie no Recife o candidato da governadora Raquel Lyra, em razão da relação próxima dela com o partido via o deputado federal Mendonça Filho.

Diante desse terreno movediço, Simão Durando, que é candidato à reeleição em Petrolina, teria duas opções partidárias: o PSB, de João Campos, que já ofereceu a janela, ou o Republicanos, do ministro de Portos e Aeroportos, Silvio Costa Filho, que também foi chamado para o encontro de ontem.