FMO - Processo Seletivo 2024

Cid Gomes se filia ao PSB e sela rompimento com o irmão Ciro

Um dos principais líderes políticos do Ceará, o senador Cid Gomes se filou ao PSB neste domingo (4) em um ato político em Fortaleza. O movimento sela o rompimento do senador com o seu irmão, o ex-ministro e ex-governador Ciro Gomes, que permanece no PDT.

Cid mostrou força política na mudança partidária e chega ao partido levando 40 prefeitos (35 deles do PDT) e a secretária-executiva do Ministério da Educação, a ex-governadora Izolda Cela. Dentre os novos prefeitos do PSB no Ceará está Ivo Gomes, irmão de Cid e Ciro, que comanda a Prefeitura de Sobral, berço político da família. As informações são da Folha de S. Paulo.

Deputados estaduais e federais também devem acompanhar Cid na migração para o PSB, mas ela depende do aval da Justiça Eleitoral. Caso contrário, a mudança deve acontecer apenas na janela partidária de 2026.

Neste domingo, Cid subiu ao palco de mãos dadas e erguidas com o ministro Camilo Santana (Educação), que governou o Ceará entre 2015 e 2022. Depois, ao iniciar seu discurso, chamou Camilo de irmão: “Eu queria evitar expressão familiar, mas eu vou dizer: meu caro irmão Camilo Santana”, afirmou Cid, ao cumprimentar o ministro.

“Quando eu procurei Camilo para ser o governador, não era para ser capacho meu. […] Eu procurei para ele ser um governador de estado melhor do que eu. E digo sem problema de vaidade: Camilo é hoje a maior liderança de estado do Ceará e eu me orgulho disso.”

A única referência a Ciro Gomes foi feita em meio a uma piada. Cid falou que foi o maior governador que o Ceará já teve e citou a sua altura de 1,84 m. Ao citar os antecessores mais recentes, afirmou que Ciro “foi um grande governador”. Cid Gomes governou o Ceará entre 2007 e 2014. Já o seu irmão Ciro Gomes governou o estado entre 1991 e 1994.

O ato também teve participação do vice-presidente Geraldo Alckmin, do ministro Márcio França (Empreendedorismo), do governador do Maranhão, Carlos Brandão, e de líderes políticos do PSB. No Ceará, o partido socialista é liderado pelo ex-deputado Eudoro Santana, pai do ministro da Educação Camilo Santana (PT).

A filiação de Cid Gomes mantém o seu grupo político como aliado do governador Elmano de Freitas (PT), revertendo o rompimento que aconteceu nas eleições de 2022. Na época, PT e PDT desfizeram uma aliança política de 16 anos por divergências na escolha do candidato a governador.

O PDT concorreu naquela eleição com Roberto Cláudio, ex-prefeito de Fortaleza, que foi indicado candidato após derrotar na disputa interna a então governadora Izolda Cela, nome preferido de Cid e de Camilo Santana.

A divergência fez com que os irmãos Ciro e Cid Gomes rompessem relações e racharam o PDT no Ceará, reduto eleitoral da família, em uma briga marcada por acusações de traições e arbitrariedades. Ciro Gomes, que defende a independência do PDT em relação ao governo petista no estado, acusa o irmão de tê-lo abandonado na eleição presidencial de 2022 e atuado em prol do presidente Lula (PT).

Do outro lado, Cid se afastou da disputa estadual e presidencial, abdicando da coordenação da campanha do irmão, posto que ocupou em outras vezes que Ciro disputou a Presidência.

Essa será a primeira vez que Cid e Ciro vão militar em partidos diferentes desde a filiação de ambos ao MDB em 1983. Desde então, os irmãos passaram por PSDB, PPS, PSB, Pros e PDT.

A migração de Cid também esvazia o PDT no Ceará, estado em que o partido tem maior força política. Cid tem ao seu lado a maioria dos prefeitos eleitos pelo PDT no estado, além do apoio de 13 dos 16 deputados estaduais e todos os deputados federais, com exceção do presidente nacional em exercício do PDT, André Figueiredo.

Ciro, por sua vez, perdeu parte de seu capital político na eleição passada. Ele se afastou dos aliados e foi escondido da campanha de Roberto Cláudio ao governo do estado. Em 2022, teve o seu pior resultado eleitoral no estado, conquistando apenas 6,8% dos votos. Em 2018, quando também concorreu ao Planalto, foi o candidato mais votado no Ceará, com 40,95%.

O PDT tem como prioridade neste ano a reeleição do prefeito Sarto Nogueira, aliado de Ciro que deve enfrentar um cenário conturbado na tentativa de um novo mandato.

A tendência é que o PSB de Cid caminhe com o candidato do PT que ainda vai ser definido. A deputada federal Luizianne Lins e o deputado estadual Evandro Leitão, que recentemente trocou o PDT pelo PT, são favoritos à indicação.

No campo da direita, devem disputar a prefeitura o ex-deputado Capitão Wagner (União Brasil), segundo colocado nas duas últimas eleições municipais em Fortaleza, e o deputado federal André Fernandes (PL).

A mudança de partido de Cid Gomes também deve dificultar as tratativas de PDT e PSB para formarem uma federação partidária nas eleições de 2026. Parceiros nas eleições de 2020, os dois partidos firmaram alianças em 45 cidades com mais de 100 mil habitantes, incluindo dobradinhas em ao menos oito capitais. Contudo, se afastaram em 2022, após o PSB decidir apoiar a candidatura de Lula (PT) à Presidência.

Com redução em suas bancadas na Câmara dos Deputados, as duas legendas voltaram a se aproximar e a discutir as bases para uma possível federação. Na prática, contudo, as siglas têm se afastado.

Além do distanciamento no Ceará, os dois partidos também se afastaram em Pernambuco. O prefeito de Recife, João Campos (PSB), vai concorrer a um novo mandato em outubro, mas são pequenas as chances de manutenção na chapa da vice-prefeita Isabella de Roldão (PDT).

Quanto ao futuro de Ciro, a ideia do PDT é que ele continue no partido e atue para recuperar as perdas causadas pela briga com o irmão. Uma opção seria sua candidatura a deputado federal na eleição de 2026 para fortalecer a bancada pedetista na Câmara.

Na tarde deste domingo (4), no distrito de Chã do Junco, no município de Vertentes, foi oficializada a filiação do empresário Renan Lima ao Cidadania. Ele integra o grupo político Nação Vermelha, liderado pelo prefeito Romero Leal.

Renan, que é o novo líder político de Chã do Junco, declarou durante sua filiação que irá apoiar o pré-candidato Israel Ferreira, indicado para continuar a gestão iniciada por Romero Leal em Vertentes. O empresário também declarou apoio à pré-candidatura de Romerinho, filho de Romero Leal, na disputa pela Prefeitura de Toritama.

Jaboatão dos Guararapes - Dengue 2024

Com os vetos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ao Orçamento de 2024, ministérios comandados por nomes ligados ao Centrão tiveram corte de R$ 5 bilhões em emendas de comissão. O valor representa 89,2% dos R$ 5,6 bilhões em emendas vetados por Lula na última semana.

A ação desagradou parlamentares, que já falam em derrubada do veto durante sessão do Congresso Nacional. Entre os grupos insatisfeitos, está o Centrão, que tem 11 ministérios comandados por nomes filiados a partidos como MDB, PP, Republicanos, PSD e União Brasil. As informações são do Metrópoles.

O Ministério das Cidades lidera a lista das pastas do Centrão que sofreram cortes: o órgão comandado por Jader Filho (MDB) sofreu veto de R$ 1.783 bilhão destinado a emendas. Em seguida, aparece o Ministério de Integração e Desenvolvimento Regional, que teve R$ 1.718 bilhão em emendas cortadas. A pasta é chefiada por Waldez Góes (União Brasil).

Em terceiro lugar no ranking das pastas lideradas pelo Centrão, o Ministério do Turismo, de Celso Sabino (União), teve corte de R$ 950 milhões em emendas. Em seguida, está o Ministério do Esporte, com R$ 509 milhões em emendas vetados. O órgão é comandado por André Fufuca (PP).

O que são emendas de comissão?

Esse tipo de emenda é custeado pelo governo federal. São verbas destinadas a comissões permanentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. Os parlamentares desses colegiados podem indicar a alocação dos recursos para estados, municípios e instituições, e as verbas devem ser destinadas a ações voltadas para a temática de cada comissão.

No texto do Orçamento, o governo detalha quais ministérios terão verbas dedicadas à alocação dessas emendas. Apesar de não terem pagamento impositivo, ou seja, obrigatório, essas emendas são ferramentas importantes para os parlamentares, especialmente durante anos eleitorais. A alocação de recursos para bases eleitorais é vista como prioritária, já que muitos serão candidatos.

Negociações

Aprovado no Congresso em dezembro de 2023, sob relatoria do deputado Luiz Carlos Motta (PL-SP), o Orçamento previa a destinação de R$ 16,6 bilhões dos cofres públicos para emendas de comissão.

Após a publicação dos vetos de Lula, o líder do governo no Congresso Nacional, Randolfe Rodrigues (sem partido-AP), afirmou que o corte se deu pela “queda da inflação”. “Esse veto foi, unicamente, em decorrência de uma circunstância, que tanto governo quanto Congresso têm de celebrar: a queda da inflação”, destacou o parlamentar.

A justificativa, no entanto, não agradou os congressistas. Nos bastidores, a expectativa é de que o veto seja derrubado e, também, de que o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), entre em campo para articular o diálogo entre os líderes partidários e o governo federal. O governo, no entanto, tenta negociar com os parlamentares.

O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, defendeu o veto do presidente Lula à Lei Orçamentária Anual (LOA) na última segunda-feira (29), depois de uma reunião com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad.

“Os R$ 5 bilhões do Orçamento precisava tirar de algum lugar. O veto vem poupar áreas importantes e, agora, vamos discutir com ministros, líderes”, afirmou Padilha a jornalistas depois do encontro. O ministro também falou ser necessário ir “analisando a execução e reorganizando o orçamento” ao longo do ano, junto à ministra do Planejamento e Orçamento, Simone Tebet.

Tebet admitiu que o governo poderá rever o veto às emendas depois do Carnaval. Segundo a ministra, não é possível afirmar se a reposição, acordada com parlamentares, ocorrerá de fato. “Só após o Carnaval eu acredito que vamos ter uma sinalização do que nós estamos falando em estimativa de receita para o ano de 2024”, disse no fim da semana passada.

Petrolina - Bora cuidar mais

O Ministério das Comunicações negou o pedido do Partido dos Trabalhadores (PT) para concessão pública de rádio e TV aberta. A negativa, assinada por Antônio Malva Neto, diretor do Departamento de Radiodifusão Pública, Comunitária e Estatal, foi publicada no Diário da União (DOU) no último dia 26. No pedido, apresentado em junho do ano passado, o PT argumentava que um canal de comunicação próprio possibilitaria o cumprimento de um dever constitucional, legal e estatutário, oportunizando uma participação política para além do simples ato de adotar. Contudo, o Ministério das Comunicações diz que o Partido dos Trabalhadores não se encaixa em nenhuma das três modalidades de concessão: comercial, educativa ou comunitária.

A pasta cita limitações tanto para TVs e rádio comerciais ou o não enquadramento de uma TV com fins políticos nas duas últimas alternativas. O diretor do Departamento de Inovação, Regulamentação e Fiscalização do ministério, Tawfic Awwad, afirmou que “não há partidos políticos detentores de outorgas de rádio e TV, o que dá ao presente requerimento contornos singulares”. As informações são da Jovem Pan.

No documento, também se fala que para uma outorga comercial, será necessária uma licitação, contudo, destaca que não há, no âmbito do Departamento de Radiodifusão Privada, qualquer processo licitatório com prazo para habilitação aberto, o que faz com que seja impossível o deferimento do pedido”. Em relação à parte educativa, a nota diz que partidos não estão entre os que podem realizar radiodifusão educativa. Explicando o caso da comunitária, explicam que só se encaixa nesta modalidade fundações e associações comunitárias, sem fins lucrativos.

Em nota, o Ministério das Comunicações informou que indeferiu o pedido, pois a legislação brasileira não permite que partidos políticos possuam concessão pública de canais de televisão e rádio. “O parecer 459/2023 da Consultoria Jurídica (Conjur) – órgão técnico vinculado à Advocacia-Geral da União (AGU) – atesta que as siglas não estão entre as pessoas jurídicas de Direito público e privado que estão autorizadas a prestar serviços de radiodifusão privada. O Ministério esclarece ainda que não houve nenhum tipo de pressão política e que a decisão foi estritamente técnica, com base nos critérios da legislação vigente”.

Ipojuca - App 153

Na manhã deste domingo (4), a delegacia de São Bento do Una foi consumida pelo fogo. O incêndio causou danos à estrutura do prédio e destruiu diversos veículos que estavam estacionadas na área externa. Ao saber do fato, a deputada estadual Débora Almeida (PSDB) solicitou que o Governo de Pernambuco tome as devidas providências, através da Secretaria de Defesa Social de Pernambuco (SDS-PE), para apurar de modo urgente as causas do sinistro.

Ainda não se sabe o que motivou a tragédia, mas segundo informações de moradores, o prédio apresentava muito desgaste e já havia sido pedido em diversas ocasiões ao governo – que antecedeu a gestão Raquel Lyra -, uma ampla reforma no local, demanda que nunca foi atendida.

Citi Hoteis

A abertura do ano legislativo está marcada para esta segunda-feira (5), às 15 horas, em sessão solene do Congresso Nacional. Na ocasião, ocorrerá a leitura de mensagem a ser enviada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva com os temas e projetos considerados prioritários pelo governo para este ano.

A mensagem do Executivo deverá ser entregue pelo ministro-chefe da Casa Civil, Rui Costa, e ser lida em Plenário pelo 1º secretário da Mesa do Congresso, deputado Luciano Bivar (União-PE).

Etapas da solenidade

Antes da cerimônia, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, e o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, chegam ao Congresso e se posicionam ao lado dos mastros de bandeira que ficam do lado externo do Palácio do Congresso. O Hino Nacional será executado, e a bateria caiena fará a salva de 21 tiros de canhão. Depois, Rodrigo Pacheco passará a tropa em revista.

Em seguida, Lira e Pacheco sobem a rampa do Congresso e são recebidos pelos secretários-gerais da Mesa e pelos diretores-gerais das duas Casas. Eles seguem em direção ao Salão Negro, onde deverão estar representantes do Poder Executivo, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, e as lideranças partidárias que vão recepcioná-los.

Todos seguem em direção ao Plenário da Câmara, onde será realizada a sessão de abertura do ano legislativo. Depois de declarar inaugurada a sessão legislativa, Rodrigo Pacheco anunciará a leitura da mensagem enviada pelo presidente da República.

Embora não haja previsão regimental, o Poder Judiciário também costuma encaminhar uma mensagem na abertura dos trabalhos legislativos. Ao final, o presidente da Câmara faz seu discurso. O presidente do Senado então também faz uso da palavra e encerra a sessão.

Cabo de Santo Agostinho - Refis 2023

Do Estadão

De volta à cena política, o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu quer participar de campanhas municipais estratégicas para o PT e acha que o partido precisa “repensar o seu papel” para enfrentar a “força da direita”. O movimento para reabilitar Dirceu tem o aval do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mas provoca apreensão em algumas alas do PT.

Nos últimos dias, o ex-ministro fez várias articulações nos bastidores. Almoçou com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e conversou com os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG). Dirceu está preocupado com os embates entre o Congresso e o Palácio do Planalto e com o crescimento da oposição. Em entrevistas, anunciou que vai trabalhar para que o PT fique “pelo menos 12 anos no governo”.

O rol dos interlocutores políticos de Dirceu também inclui o ex-presidente José Sarney e o senador Renan Calheiros (AL), ambos do MDB. Estão na lista, ainda, o presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, Davi Alcolumbre (União Brasil-AP), o governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD), e o ex-chanceler Aloysio Nunes (PSDB).

Desde que foi condenado e preso três vezes, no rastro dos processos do mensalão e do petrolão, Dirceu está inelegível. No mês passado, porém, a defesa do ex-ministro, comandada pelo advogado Roberto Podval, entrou com uma petição no Supremo Tribunal Federal (STF) para anular todas as suas condenações na Lava Jato. O caso está com o ministro Gilmar Mendes.

A defesa pede que o magistrado estenda para Dirceu os efeitos da decisão que beneficiou Lula, após virem à tona, na Operação Spoofing, mensagens comprometedoras entre procuradores, como o então chefe da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol, e o juiz Sérgio Moro, hoje senador pelo União Brasil. Ex-ministro da Justiça sob Jair Bolsonaro, Moro enfrenta ação para cassar o seu mandato e, se a Justiça Eleitoral julgar que ele praticou abuso do poder econômico, pode ficar inelegível.

Diante dessa reviravolta e do desgaste da Lava Jato, Dirceu está confiante numa vitória jurídica que o livre de todos os processos. Se o STF acatar os argumentos de seus advogados, o ex-poderoso chefe da Casa Civil estará apto a disputar as eleições de 2026. Uma de suas ideias é retornar à Câmara, de onde foi defenestrado em 2005, acusado de ser o mentor do mensalão.

“Sou um entusiasta da volta do ‘Zé’ Dirceu”, admitiu o deputado estadual Emídio de Souza (PT-SP), pré-candidato à Prefeitura de Osasco. “Se ele decidir voltar ao Congresso, dará uma contribuição enorme ao projeto político do País”, emendou o parlamentar, que já está organizando um debate para Dirceu em Osasco.

Ex-ministro vai participar da campanha em SP

Ao Estadão, o ex-ministro disse que pretende ajudar o governo e o PT, mas na retaguarda. “Neste ano, participarei da campanha como cidadão e militante nas cidades que o diretório regional definir como prioritárias”, afirmou.

Na prática, porém, Dirceu tem auxiliado na montagem de alianças. O ex-presidente do PT foi um dos que conversaram com Marta Suplicy antes de ela aceitar o convite de Lula para retornar ao partido e ser vice da chapa de Guilherme Boulos (PSOL) na disputa pela Prefeitura de São Paulo.

Dirceu avalia que ganhar São Paulo é fundamental para a luta contra o fortalecimento do Centrão e do bolsonarismo. Nas eleições municipais de 2020, o PT foi um fiasco nas urnas: em todo o Estado, o partido conquistou apenas quatro prefeituras. Além disso, não venceu em nenhuma capital do País.

No ato de filiação de Marta, na sexta-feira (2), Lula cobrou a cúpula petista pelos resultados daquele ano. “Por que um partido que teve 20% de preferência eleitoral teve (somente) 5% de voto na legenda para vereador? Alguma coisa está muito errada”, criticou.

O ex-ministro concorda e começou a liderar o coro dos que pedem mudanças no PT. Ele ainda prega um segundo mandato para Lula, mas, questionado sobre os seus próprios planos, desconversa.

“Decisão sobre meu futuro político só no segundo semestre de 2025, após consulta à direção do PT e ao Lula, e dependendo da situação política e da conjuntura”, assegurou Dirceu ao Estadão. “Não necessariamente serei candidato.” O deputado federal Zeca Dirceu (PT-PR), filho dele, concordou. “A família já está bem representada na Câmara”, resumiu Zeca, abrindo um sorriso.

O apoio do ex-titular da Casa Civil à política econômica de Haddad, após resolução do PT assinalar que “o Brasil precisa se libertar do austericídio fiscal”, escancarou o confronto entre ele e a presidente do partido, Gleisi Hoffmann.

Sem citar o nome de Gleisi, mas não deixando dúvidas sobre quem falava, Dirceu declarou que o papel do PT era sustentar o governo. “No caso do Haddad, é quase uma covardia nós não darmos apoio total a ele para aprovar todas as medidas que ele queria”, alfinetou Dirceu em um podcast do PT baiano.

Quando era chefe da Casa Civil, no entanto, ele teve vários embates com o então ministro da Fazenda, Antônio Palocci, e lutava contra o “conservadorismo” da política econômica.

A estratégia de Dirceu provoca desconforto em aliados de Gleisi, que o veem como um político que quer mostrar mais influência do que tem. A portas fechadas, alegam que o ex-ministro põe o PT em saia-justa, como às vésperas do primeiro turno da eleição de 2018, quando, em entrevista ao El País, ele proferiu a seguinte frase: “É uma questão de tempo para a gente tomar o poder”. À época, Haddad era candidato ao Planalto e teve de contornar a situação. Mesmo assim, ninguém quer confrontar Dirceu em público.

Lula, Haddad, Gleisi e Dirceu integram a corrente Construindo um Novo Brasil (CNB), majoritária no PT. Há, porém, muitas divisões internas e Gleisi também enfrenta reparos dentro do partido. “A palavra do Zé Dirceu é importante para apoiar a política econômica do Haddad”, avaliou Aloysio Nunes, que hoje preside a São Paulo Negócios, agência de promoção de investimentos vinculada à Prefeitura. “Ele tem autoridade para isso.”

No diagnóstico de Dirceu, “a direita está ganhando a disputa política” e, portanto, o PT precisa reagir. “As mudanças no mundo e no Brasil exigem que façamos frente à força da direita. Depois de anos de repressão política e jurídica, é necessário o PT repensar o seu papel”, argumentou ele, ao destacar a importância da próxima disputa para a presidência do partido, em 2025.

Se Moro for cassado, haverá nova eleição no Paraná para a cadeira ocupada pelo ex-juiz da Lava Jato no Senado. Hoje deputada, Gleisi quer concorrer. Zeca Dirceu, o filho do ex-ministro, também está de olho na vaga.

A quem pergunta se fala frequentemente com Lula, Dirceu responde, enigmático: “O presidente sabe o que eu penso e eu sei o que ele pensa.” Mas o que isso quer dizer? “Quando ele quer me procurar, sabe onde eu estou”. E conclui: “Eu saí do governo, mas o governo não sai de mim”.

Caruaru - Geracao de emprego

Da Carta Capital

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) confirmou, em entrevista à Revista Oeste, a indicação do ex-coronel da Rota, como vice-prefeito na chapa de Ricardo Nunes (MDB) para disputar a Prefeitura de São Paulo, nas eleições de outubro.

O nome sugerido por Bolsonaro é Ricardo de Mello Araújo, coronel aposentado da Polícia Militar, que advoga por posicionamentos familiares aos do ex-presidente. ”Escolhi o coronel Mello Araújo, que fez um excelente trabalho à frente da Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo) no meu governo’’, disse o ex-presidente.

A indicação de Bolsonaro ainda passará pelo crivo do candidato Ricardo Nunes, mas segundo o presidente do PL, Valdemar Costa Neto, o nome ”foi muito bem aceito” por Nunes. A indicação do ex-coronel da Rota é simbólica para reforçar o comprometimento da chapa com a segurança pública, principal pauta eleitoral na disputa pela Prefeitura paulista.

Em publicações pelas redes sociais, o militar já se manifestou em apoio ao impeachment de ministros do Supremo Tribunal Federal, questionou a confiabilidade das urnas eletrônicas e se mostrou contra a obrigatoriedade da vacina contra a Covid-19, assim como criticou a política sanitária do isolamento social durante a pandemia.

Mello Araújo também já defendeu abordagens diferentes da Rota em bairros ricos e na periferia e posicionou a favor da extinção da Ouvidoria da polícia, órgão responsável por receber e analisar as denúncias recebidas contra policiais por má conduta.

Ainda na entrevista, o ex-presidente afirmou que o escolhido por ele para disputar a Prefeitura seria o bolsonarista Ricardo Salles (PL), no entanto, sua candidatura se tornou inviável politicamente.”Minha preferência sempre foi o Ricardo Salles, não nego, gosto muito dele e tenho amizade”, confessou.

O ex-capitão também apontou que Salles poderá concorrer em outra oportunidade. ”O Salles é jovem ainda, extremamente inteligente, tem o pavio curto e acredito que, em um próximo momento, a prefeitura possa ir para ele.”

Belo Jardim - Patrulha noturna

Da Agência Brasil

A ministra da Saúde, Nísia Trindade, disse ontem que o governo estuda ampliar a oferta de vacinas contra a dengue no país. A informação foi repassada durante a abertura do Centro de Operações de Emergências (COE) contra a dengue, em Brasília. Segundo a ministra, foram realizadas reuniões com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e o Instituto Butantã para tratar do tema. “Todo o nosso esforço será para ampliar essa oferta [de vacinas]”, disse a ministra.

O Brasil é o primeiro país do mundo a oferecer o imunizante no sistema de saúde pública. A primeira remessa com cerca de 757 mil doses chegou ao Brasil em 20 de janeiro. O lote faz parte de um total de 1,32 milhão de doses fornecidas pela farmacêutica responsável pela Qdenga. Outra remessa, com mais de 568 mil doses, está com entrega prevista para este mês. A previsão é que o país receba 5,2 milhões de doses este ano. Inicialmente, a vacina será aplicada na população de regiões endêmicas, em 521 municípios. Para 2025, a pasta já contratou outras 9 milhões de doses.

Mesmo com a ampliação, a ministra destacou que a oferta do imunizante não trará impactos imediatos para o combate à doença. “Elas [as vacinas] significam muito, até porque adquirimos vacinas para 2024 e 2025 e todo o nosso esforço será para ampliar essa oferta, mas não vai ter um impacto nesse intervalo inicial de poucos meses”, apontou.

Centro de emergência

O Ministério da Saúde informou que o COE vai ampliar o monitoramento da situação da dengue no país, para orientar ações voltadas à vigilância epidemiológica, laboratorial, assistencial e de controle de vetores. A estrutura, em coordenação com estados e municípios, vai realizar coleta e análise de dados, produção de relatórios e divulgação de informações por meio de boletins e informes epidemiológicos.

Dados do painel de atualização de casos de arboviroses da pasta mostram que, de janeiro até agora, o Brasil registrou 243.721 casos prováveis de dengue. A doença já causou pelo menos 29 mortes confirmadas, outras 170 estão em investigação

Epidemia local

Durante a cerimônia, Nísia frisou que a situação da dengue é mais preocupante neste momento em alguns municípios do Acre, no Distrito Federal, em Minas Gerais, no Rio de Janeiro e também no Paraná. “Agora, temos concentração nas regiões Sudeste, Centro-Oeste e Sul, mas isso não caracteriza um quadro de emergência nacional, quadro de epidemia nacional, mas de epidemia a nível local”, afirmou.

O período de chuvas e as altas temperaturas no Brasil são o ambiente propício para o aumento de arboviroses, como a dengue. 

Prevenção

O Ministério da Saúde reforça que a principal medida é a eliminação dos criadouros do mosquito. E destaca a importância de a população receber os agentes de combate a endemias e agentes comunitários de saúde, que vão ajudar a encontrar e eliminar possíveis criadouros.

“Os sintomas de dengue, chikungunya ou zika são semelhantes. Eles incluem febre de início abrupto acompanhada de dor de cabeça, dores no corpo e articulações, prostração, fraqueza, dor atrás dos olhos, erupção e coceira na pele, manchas vermelhas pelo corpo, além de náuseas, vômitos e dores abdominais”, explica. 

A orientação é procurar o serviço de saúde mais próximo de casa assim que surgirem os primeiros sintomas.

Vitória Reconstrução da Praça

Com a expectativa de um clima conflagrado na volta do Congresso nesta segunda-feira (5), o governo armou uma estratégia para tentar driblar a insatisfação do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), com o ministro Alexandre Padilha (Relações Institucionais). O plano é buscar relação mais direta com os líderes partidários, intensificando a participação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na articulação e de integrantes da Esplanada que se mantiveram mais distantes de negociações no ano passado, como Rui Costa (Casa Civil) e Simone Tebet (Planejamento).

Na avaliação de um assessor do Planalto, a volta do Legislativo já costuma ser tensa porque a máquina de liberação de recursos, em geral, está parada. A situação, agora, seria pior em função do desgaste entre Lira e Padilha, que não se falam em razão da insatisfação do parlamentar com as regras de liberação de recursos da Saúde. Além desta crise, há outros fatores contribuindo para a tensão no regresso, como os vetos a emendas de comissão no Orçamento, que irritou o Congresso; a MP da reoneração da folha, que trata de um tema já decidido pelo Legislativo; e as operações da Polícia Federal que miram deputados da oposição, inflamando os ânimos. As informações são do O GLOBO.

Governistas dizem haver disposição de conversar sobre os temas e tratar também da sucessão das presidências da Câmara e do Senado, no início do ano que vem. “O governo está disposto a negociar a desoneração e os vetos ao Orçamento. Sobre a sucessão da Câmara, a bancada vai falar com todos os candidatos e discutir uma estratégia”, afirmou o deputado Carlos Zarattini (PT-SP), um dos vice-líderes do Planalto.

Integrante da oposição e líder da bancada ruralista, o deputado Pedro Lupion (PP-PR) disse que o governo precisa organizar as negociações para mitigar os obstáculos. “A articulação está muito solta, e o Congresso não vai aceitar ações como o veto ao projeto dos Pesticidas (agrotóxicos)”.

Com esse cenário, Lula dá sinais de uma postura mais ativa e deve se reunir com Lira nesta semana. Na Casa vizinha, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), foi chamado para acompanhar a caravana do petista em Minas Gerais.

Outro eixo da estratégia é a presença de outros ministros nas conversas com o Congresso. Rui Costa foi escalado para dialogar com Lira, com quem já se reuniu na quarta-feira para tratar de Orçamento. Tebet também se envolveu nesta discussão, cujo principal nó é o veto a R$ 5,6 bilhões em emendas de comissão.

A ministra tem tentado costurar um acordo para manter ao menos parte do corte. O valor ainda está em análise, mas a ideia é que, a partir desse montante, líderes do Congresso decidam entre eles as destinações que serão mantidas. A trava teve como principal alvo indicações feitas por dois colegiados comandados pelo MDB (Desenvolvimento Regional e Turismo do Senado; e Desenvolvimento Urbano da Câmara), o que irritou parlamentares da sigla, aliada do Planalto. Os recursos seriam destinados para obras e compra de máquinas.

Debate na Tributária

Publicamente, líderes do governo minimizam a tensão e afirmam que não há necessidade de mudar estratégia, porque, apesar de dificuldade, todos os projetos prioritários foram aprovados em 2023, como a primeira fase da Tributária e arcabouço fiscal. “Não vamos mudar a linha, se ela deu certo. A estratégia é dialogar muito com o presidente da Câmara e com os líderes”, disse o líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE).

Além da negociação dos vetos, o governo quer aprovar no primeiro semestre a segunda etapa da Reforma Tributária, que vai alterar a forma de cobrança de impostos sobre renda e patrimônio.

O Executivo vai propor o fim da isenção de tributação no pagamento de lucros e dividendos, como prometido na campanha, e mudanças nas regras do imposto de renda. São previstos também pelo menos três projetos que vão detalhar como funcionarão as novas cobranças e determinar a alíquota do IVA, que incidirá sobre o consumo.

O advogado Tiago Pavinatto, ex-apresentador da Jovem Pan News, e a família do comerciante Cleriston Pereira da Cunha, réu pelos ataques golpistas de 8 de janeiro que morreu no Complexo Penitenciário da Papuda (DF) no ano passado, ingressaram com uma ação criminal no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o ministro Alexandre de Moraes.

A viúva e as duas filhas de Cleriston afirmam que o magistrado teria cometido crimes de maus-tratos, abuso de autoridade, tortura qualificada e majorada, além de prevaricação. Somadas, as penas vão de dez até 31 anos de prisão. As informações são da Folha de S. Paulo.

Elas pedem ainda que Moraes seja afastado de suas funções no STF e pague uma indenização por danos morais. A peça, endereçada ao presidente da corte, Luís Roberto Barroso, é assinada por Pavinatto.

Cleriston tinha 46 anos quando morreu, em novembro de 2023, após sofrer um mal súbito na Papuda. Ele estava preso preventivamente depois de ser detido em flagrante dentro do Senado no dia 8 de janeiro e recebia atendimento médico. Um pedido da PGR (Procuradoria-Geral da República) de liberdade provisória estava com a análise pendente pelo ministro Alexandre de Moraes.

Na ação, o advogado da família diz que a morte do comerciante “ocorreu em prisão preventiva manifestamente ilegal e sob a inteira responsabilidade” do magistrado.

“Cleriston morreu torturado, porque o ministro Alexandre de Moraes, abusando do seu poder, assumiu, independentemente de ter querido esse resultado morte, o risco dessa morte indigna. Cleriston, provavelmente, ainda estaria vivo e ao lado da sua esposa e das suas duas filhas se gozasse do privilégio de um juiz justo, imparcial, empático e conhecedor do direito”, afirma a acusação.

A ação argumenta que Moraes submeteu o comerciante a sofrimento físico e mental e afirma que Cleriston “sequer conseguia caminhar para os banhos de sol” na prisão.

“A contumaz omissão do Ministro Alexandre de Moraes, portanto, faz com que ele ultrapasse o desvalor impresso pelo legislador no crime de maus-tratos: se a simples exposição a perigo a vida ou a saúde da vítima perfazem o crime de maus-tratos, a insistência nesse sentido somente se explica pelo propósito cruel de causar e perpetuar o padecimento físico, moral e psicológico da vítima, aqui demonstrados de maneira inequívoca”, diz ainda.

O caso envolvendo a morte do comerciante provocou uma série de críticas de políticos aliados ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), e Moraes, posteriormente, concedeu a liberdade provisória a outros acusados.

Os crimes imputados aos réus envolvidos no ataque de 8 de janeiro envolvem associação criminosa armada, golpe de estado, abolição violenta do Estado democrático de Direito, dano qualificado contra o patrimônio da União e deterioração do patrimônio tombado.

Os ataques às sedes dos três Poderes mobilizaram cerca de 4.000 golpistas. Mais de 2.000 pessoas foram presas em flagrante. Calcula-se um prejuízo de mais de R$ 20 milhões. Investigações da Polícia Federal concluíram que as manifestações tinham caráter golpista, com pedidos de intervenção militar.

Com uma programação que valorizou o protagonismo das mulheres, o Baile Municipal do Recife 2024 lotou o Classic Hall na noite deste sábado (3). Os ingressos se esgotaram antes mesmo do início da festa e o prefeito João Campos acompanhou tudo, certificando-se do sucesso do Baile já tão tradicional da cidade.

“É uma alegria realizar mais um Baile Municipal do Recife, uma tradição de 58 edições. Neste ano, temos o ineditismo de fazer o baile protagonizado por atrações femininas, trazendo a nossa cultura, o nosso frevo e o que há de melhor na nossa tradição. Na próxima semana, a gente começa o Carnaval oficialmente na quinta-feira, mas o Baile já marca o início da festa”, comentou João Campos.

Celebrando as tradições pernambucanas, grandes artistas da cena local e nacional, como Iza, Elba Ramalho, Vanessa da Mata, Michele Melo, Lia de Itamaracá, Gerlane Lops e Nena Queiroga, subiram ao palco do Baile Municipal embaladas pelos acordes da Orquestra Popular do Recife, Orquestra Popular da Bomba do Hemetério e Spok Frevo Orquestra.

Desde 2013, o Baile Municipal conjuga a folia carnavalesca com a solidariedade e beneficia entidades sociais com reconhecidos trabalhos de prestação de assistência social em prol da comunidade. Mais de 50 instituições já foram beneficiadas com mais de R$ 4,5 milhões arrecadados pela festa ao longo dos últimos anos. Em sua 58ª edição, o Baile Municipal do Recife vai destinar sua renda para seis entidades da cidade. Serão elas: a Articulação e Movimento Para Travestis e Transexuais (Amotrans); o Grupo de Assistência Social, Esporte, Cultura e Lazer – Mulheres Em Ação, o Grupo Espírita Esperança Sempre Viva, o Clube Carnavalesco Mixto Seu Malaquias, o Maracatu Nação Estrela Brilhante do Recife e a Apae Fitcamp Sports.

Da Agência Brasil

Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que o Brasil tem mais estabelecimentos religiosos que unidades de saúde e escolares juntas. Segundo detalhamento do Censo 2022, divulgado nesta sexta-feira (3), do total de endereços, 579,8 mil são relativos a finalidades religiosas, independente de qual seja a crença. Isso inclui igrejas, sinagogas, templos, centro espíritas e terreiros, por exemplo.

Os estabelecimentos de ensino somam 264,4 mil localizações, enquanto os de saúde totalizam 247,5 mil endereços. O levantamento considera a utilização final do imóvel, e não a administração do estabelecimento. Por exemplo, uma escola católica conta como uma unidade de educação, e não como localização religiosa. O mesmo vale para um hospital mantido por Santa Casa, que é contabilizado como endereço com atividade de saúde.

A localização exata desses pontos e o tipo de utilização foram capturados por meio de georreferenciamento durante visitas dos recenseadores nos 5.568 municípios brasileiros nos 26 estados e no Distrito Federal. Foi a primeira vez em que o instituto identificou a localização precisa e o tipo de finalidade de todos os endereços do país.

Finalidades

Dos 111,1 milhões de pontos mapeados, 90,6 milhões são domicílios particulares, prédios residenciais e casas, por exemplo. Isso representa 81,5% do total. A segunda utilidade mais comum são as chamadas outras finalidades, que representam 10,5% do universo pesquisado. São 11,7 milhões de endereços que funcionam como lojas, bancos, prédios públicos, shoppings, entre outros.

Os recenseadores identificaram 4,1 milhões de estabelecimentos relacionados a atividades agropecuárias e 3,5 milhões de edificações em construção ou reforma. Em 2022, o Brasil tinha 104,5 mil domicílios coletivos, como asilos, pensões e penitenciárias.

Os dados estão disponibilizados à sociedade em mapas interativos no site do IBGE, por meio da Plataforma Geográfica Interativa e do Panorama.  

Utilidade

O IBGE explica que os dados em grau máximo de detalhamento são fontes de informações, entre outros fins, para elaboração de políticas públicas e pesquisas acadêmicas. Por exemplo, é possível saber com precisão onde estão localizadas unidades de saúde de uma determinada localidade e quantas pessoas vivem no raio de influência desses estabelecimentos.

“É preciso saber onde a população está concentrada, como ela está distribuída e qual a utilização que é destinada a cada uma das edificações construídas no país”, afirma o instituto

Convidado pelo prefeito Gilvandro Estrela (UB), fui ontem à Belo Jardim, com minha Nayla Valença, prestigiar o Baile Municipal. Não conhecia e saí de lá encantado com o sucesso da festa, sua organização e, principalmente, a alegria contagiante do seu povo. 

Encontrei por lá o deputado federal Mendonça Filho (UB), majoritário no município, com sua Taciana. Também dona Fana, mãe do parlamentar, e Andréa Mendonça, irmã de Mendonça. Entre os políticos, o prefeito de Sanharó, César Freitas (PCdoB). O prefeito-anfitrião, ao lado da primeira-dama Márcia Feitosa, recebeu a todos com a sua alegria contagiante.

O baile foi animado por quatro bandas, entre elas Patusco e Fulô de Mandacaru, do meu amigo Armandinho do Acordeon, que roubou a cena com um show espetacular. Além de excelente músico e cantor, Armandinho tem uma presença forte no palco, interação fantástica com o público, que se divertiu até o dia amanhecer.

Fantasiada de Daenerys Targaryen,  personagem emblemática da famosa série Game of Thrones, a vice-presidente nacional do Partido Solidariedade, Marília Arraes, chamou a atenção no Baile Municipal do Recife, não só pela beleza estética do seu traje como também pela curiosidade dos foliões.

Entre os elogios, muitos consideraram que a fantasia de Marília também traduziu um recado claro para os desavisados, como a própria biografia da personagem da trama cinematográfica indica.

Na série, Daenerys representa algumas características complexas na sua jornada entre o exílio forçado e a retomada do poder em Westeros (que na ficção, é o Estado dominado por uma família nobre): inteligente, forte, implacável, ambiciosa e determinada.

A série ficou famosa por seus momentos chocantes, surpreendentes e Daenerys lidera um exército de conquistas e de libertação de escravos. Na trama, ela enfrenta diversos desafios, incluindo conflitos familiares e políticos, traições e ameaças, o que a leva a tomar decisões difíceis e imprevisíveis.

Questionada pela reportagem se a fantasia escolhida refletia algum motivo, além do espírito carnavalesco, Marília foi enigmática também na resposta: “Digamos que eu tenho essa personalidade da Daenerys, de que ninguém faz uma pessoa livre se ajoelhar”.

Sua moto se desvalorizou no ano passado? Confira

A certificação Selo Maior Valor de Revenda do segmento duas rodas, que chega à 8ª e é realizada pela Agência Autoinforme e a Textofinal de Comunicação, foi concedida ao scooter Honda PCX – que teve a menor depreciação em 2023, de apenas 3,1%. O scooter é oferecido nas versões Sport ABS, DLX ABS e usa motor 150cc de 13,2 cc de potência. Com ele, chega aos 110 km/h e faz 30 km com um litro de gasolina. O estudo é subdividido em 18 categorias e avaliou a elaboração dos preços de 121 modelos, levando em conta o do 0 km e o de um ano depois de uso. A Shineray XY 50 venceu na categoria 50cc, com índice de depreciação de 10,8%. Entre as demais vencedoras estão a Triumph Tiger 900 (Big Trail até 900 cc, com menos 7%), BMW R1250 (Big Trail acima de 900 cc, menos 8,5%), Triumph Speed Twin 900 cc (Clássicas, menos 4,5%), Triumph Trident (Crossover, menos 5,1%) e Royal Enfield Meteor 350 cc (Custom até 800 cc, menos 6,5%). 

A Harley-Davidson Fat Boy foi a primeira na categoria Custom acima de 800 cc, com depreciação de 4,6%, enquanto a Shineray SE2 2300W vendeu no quesito Elétricas, com menos 12,6%. Na sequência vieram a  Honda BIZ 110/125 (Motoneta, menor 4,3%), Honda CB 650R (Naked até 800 cc, com menos 4,7%), Kawasaki Z1000 (Naked acima de 800 cc – 5,9%). Avaliação constatou ainda as variações da Honda Forza 350 (Scooter acima 200 cc, com menos 5,2%), Honda CBR 650 R (Sport até 800 cc, menos 6,4%), Honda CBR 1000 RR-R Fireblade SP (Sport acima de 800 cc, menos 6,8%), Honda CG 160 (Street, menos  6,9%), Harley-Davidson Ultra Limited (Touring, menos 4,1%) e Honda NXR 160 Bros (Trail, menos 5,6%).

Primeira moto aquática elétrica do mundo – A Ventura Marine está anunciando um lançamento inédito no Brasil: a primeira moto aquática 100% elétrica do mundo. A empresa firmou um acordo de distribuição exclusiva com a canadense Taiga Motors Corporation, líder mundial na fabricação de veículos elétricos off-road que prevê que a Ventura seja representante oficial da Taiga em quatro países: Brasil, Argentina, Chile e Paraguai. A primeira ação efetiva do contrato é revolucionária e atende pelo sugestivo nome de Orca Performance, uma moto aquática totalmente impulsionada por eletricidade. A Orca Performance oferece até 120 kW de potência de pico e 170Nm de torque, o que equivale à força máxima de modelos a combustão de 230hp. Essa receita resulta em uma velocidade máxima de 100 km/h, além de arrancadas vigorosas que são favorecidas pelo torque máximo já disponível a partir do momento em que a moto é ligada. Utilizando sistemas de carregamento automotivo padrão, a Orca Performance pode ser facilmente carregada com o conector AC móvel incluso em qualquer tomada, com sistema de carregamento Tipo 2, em 3h30. Outra opção para o cliente é adquirir o carregador rápido em corrente DC para 80% de carga em menos de 40 minutos.

F-150 Switchgear : elétrica e off-road – A Ford apresentou nos Estados Unidos a F-150 Lightning Switchgear, nova superpicape elétrica off-road baseada na Lightning, picape elétrica mais vendida da América do Norte. Ela se junta a outros modelos elétricos de demonstração da Ford, como a SuperVan 4.0 e 4.2, o Mustang Mach-E 1400, o Cobra Jet 1400 e a F-100 Eluminator. Desenvolvida em parceria com o campeão de drift Vaughn Gittin Jr. e sua preparadora RTR Vehicles, é capaz de enfrentar as condições extremas das competições off-road e servir como um “banco de testes” para futuros modelos. Na verdade, a Ford criou duas versões da F-150 Lightning Switchgear: uma para estrada e outra fora de estrada. A configuração off-road traz enormes pneus Nitto Ridge Grappler de 37 polegadas e estepes extras na caçamba, além de pára-choques e protetores de aço. O seu visual é marcado por elementos em compósito de carbono nos para-lamas dianteiros e para-choques e pela pintura em homenagem à Ford Performance. No seu desenvolvimento, a Ford concentrou-se principalmente  no chassi e suspensão, com curso ampliado e amortecedores Fox de três polegadas de diâmetro. A suspensão dianteira é independente, com braço duplo, e a traseira independente multilink com amortecedores helicoidais, barra estabilizadora e braços de controle personalizados. A bitola dianteira e traseira é de 80 polegadas, bem maior que a da F-150 Lightning normal, para a estabilidade off-road. Os para-choques também são exclusivos para aumentar os ângulos de ataque e saída.

Detalhes do Jeep Wagoneer elétrico – A marca norte-americana pertencente à Stellantis acaba de compartilhar detalhes do seu primeiro SUV global totalmente elétrico. O novo Jeep Wagoneer S, modelo global que tem seu lançamento previsto no mercado norte-americano no segundo semestre de 2024, apresenta – segundo o fabricante – números de desempenho impressionantes e um interior focado na tecnologia e luxo. Os materiais e recursos focados no design incluem um centro de controle do condutor personalizado com um botão Selec-Terrain exclusivo da marca Jeep e iluminação ambiente dinâmica e com cor selecionável. O Jeep Wagoneer S também contará com um teto solar panorâmico e, expandindo a colaboração exclusiva da marca Jeep com a McIntosh, oferecerá um sistema de áudio premium exclusivo no segmento, com 19 alto-falantes.

600e, a novidade da Fiat – O mais recente modelo elétrico da Fiat, o 600e, foi eleito “La Novitá 2024” (a novidade do ano) pela Quattroruote, uma das principais revistas italianas do setor automotivo. O Fiat 600e é o automóvel preferido dos leitores da publicação, que votaram online no site da revista e escolheram entre 20 candidatos selecionados pela equipe editorial a partir dos mais interessantes lançamentos apresentados em 2023. O prêmio constitui um importante reconhecimento na Itália, país de origem da Fiat, que foi um dos primeiros mercados a lançar o irmão maior do 500e. É também um sinal de que os leitores especializados da Quattroruote apoiam o regresso da marca ao segmento B com o seu icônico estilo italiano. O SUV 600e compartilha plataforma com o Jeep Avenger e com o Peugeot e-2008 e tem 4,17 m de comprimento, sendo 8cm maior que o Fiat Pulse.

VW investe R$ 9 bi – A Volkswagen está mais do que dobrando o valor de seus investimentos para R$ 16 bilhões na América Latina. Ao atual aporte de investimentos de R$ 7 bilhões na América Latina, de 2022 a 2026, somam-se agora mais R$ 9 bilhões, de 2026 a 2028. Com isso, a Volkswagen se torna a montadora com o maior investimento no Brasil no período pós-pandemia. A Volkswagen do Brasil lançará 16 novos veículos até 2028, incluindo modelos híbridos, 100% elétricos e flex. No primeiro momento, o novo aporte contempla o desenvolvimento e a produção de projetos inovadores e com foco em descarbonização para as 4 fábricas da Volkswagen do Brasil: são 4 novos veículos, sendo uma pick-up, um novo motor mais eficiente para veículos híbridos e uma nova plataforma tecnológica, flexível e sustentável.

Como começou o mercado em 2024 – A Fiat garantiu a liderança do mercado nacional no começo deste ano: foram 30.849 unidades emplacadas (8.521 a mais que a segunda colocada) e 20,2% de market share. Em relação ao mesmo mês no ano anterior, a marca cresceu 7,9% em volume de emplacamentos (2.267 unidades). Outra que também fez bonito é a Strada, que garantiu o título de veículo mais vendido do Brasil com 8.022 unidades comercializadas e 68,8% do segmento de picapes pequenas. A marca também emplacou três modelos entre os dez mais vendidos do país. Além da Strada no topo do ranking, o Argo ficou na sexta posição com 4.696 unidades vendidas e o Mobi,na décima colocação com 3.719 emplacamentos. Vale dizer que o Mobi teve 53,6% do segmento de hatches compactos. 

Foto de tragédias nos rótulos de bebidas – A Federação Nacional de Associações de Detran (Fenasdetran) quer que o poder público ponha fotos de tragédias do trânsito nos rótulos de bebidas alcoólicas, exatamente como faz com as fotos dos males à saúde causados pelo cigarro. A instituição acredita que essa campanha é um meio a mais de explorar o fato de que o  álcool não combina com direção de automóvel. Já há, por sinal, um Projeto de Lei na Câmara dos Deputados, no qual se obriga os fabricantes de bebidas alcoólicas a incluir nos rótulos a advertência “Se beber, não dirija”. O autor é o deputado Márcio Marinho (Republicanos-BA).

Cinco dicas para comprar carro pela internet – Começar o ano com um veículo novo na garagem é o sonho de muita gente. Em um momento como esse, a praticidade do ambiente on-line atrai o consumidor que deseja evitar bater perna e prefere comprar – ou, pelo menos, adiantar grande parte do processo – sem sair de casa. Basta acessar o site, conferir os detalhes do automóvel e avaliar as formas de pagamento. No entanto, a facilidade esconde alguns perigos, já que 71% dos brasileiros já foram vítimas de pelo menos um golpe on-line, conforme revelado por um estudo da Nord Security. Mais do que nunca, é essencial saber como se proteger de golpes ao comprar itens de valor na internet para evitar fraudes, perda de dinheiro e transformar sonhos em pesadelos. A adesão às plataformas digitais não é apenas um diferencial competitivo, mas uma necessidade. Diante do aumento de 34% no interesse por comprar carros pela internet, as concessionárias enfrentam o desafio de inovar, garantindo ao mesmo tempo segurança na experiência do consumidor. O número faz parte de uma pesquisa da Dealersites, uma startup que lidera a digitalização do mercado automotivo no país, e compara o período de janeiro a outubro de 2023 com os mesmos meses de 2022. Confira a seguir os cinco principais pontos, segundo especialistas, que precisam ser considerados antes de adquirir seu próximo carro na web.

1 – Procure por sites oficiais – Para evitar dores de cabeça, é fundamental escolher uma empresa com boa reputação e ótimas recomendações. Além disso, é importante acessar o site oficial da concessionária para conferir a procedência. “Escolher sites reconhecidos, verificar a reputação dos vendedores por meio de plataformas como Reclame Aqui e estar atento ao endereço eletrônico são práticas essenciais para evitar golpes”, explica o head comercial da Dealersites, Marcos Pavesi. Ao comprar de pessoas físicas, a atenção precisa ser ainda mais redobrada, escolhendo locais públicos para encontros e realizando uma pesquisa minuciosa sobre o anunciante para assegurar uma transação segura. Plataformas dedicadas à compra de carros, como OLX e iCarros, simplificam a pesquisa por veículos novos e usados, oferecendo a conveniência de explorar anúncios de vendedores particulares e concessionárias. Já a Webmotors vai além, permitindo financiamento e compra direta on-line, com a opção de entrega domiciliar via Car Delivery. 

2 – Tenha atenção ao preço – Na busca por um carro novo, o preço muitas vezes é o fator inicial de atração para os compradores. Contudo, ofertas excessivamente baixas, como um Renault Kwid 2021 por R$ 20 mil, podem indicar golpes ou condições duvidosas do veículo. Assim, é crucial desconfiar de preços muito abaixo do padrão, especialmente ao adquirir um seminovo. Golpistas podem pressionar por pagamentos adiantados, alegando garantia na compra. No entanto,  a orientação é evitar qualquer pagamento antes da verificação presencial do veículo, avaliação cuidadosa e formalização do contrato. A desconfiança em relação a valores substancialmente abaixo da Tabela Fipe torna-se uma estratégia vital para prevenir fraudes antes de constatar potenciais problemas na origem e conservação do automóvel.

3 – Histórico do veículo – Antes de finalizar a compra, é essencial examinar o histórico do veículo para evitar surpresas futuras, identificando possíveis problemas como acidentes passados ou participação em leilões. Essa análise é crucial para garantir que o carro não seja roubado ou esteja envolvido em questões ilegais. Diante da possibilidade de identidades falsas on-line, uma conversa prévia com o vendedor é fundamental. “Realizar chamadas em vídeo com o vendedor não só ajuda a confirmar sua autenticidade, como também permite visualizar o veículo antes do encontro presencial, proporcionando uma camada adicional de segurança durante o processo de compra”, pontua Pavesi.     

4 – Agende um test-drive – Uma dica crucial para evitar golpes ao comprar um seminovo on-line, seja com pessoa física ou em concessionária, é solicitar uma vistoria cautelar do veículo ou um laudo de procedência ao vendedor. Essa inspeção é vital para garantir informações precisas sobre a estrutura do carro, revisar todos os documentos e verificar o histórico do veículo. Caso haja irregularidades na documentação, é provável que sejam reveladas durante esse processo. Ao se deparar com um carro de interesse, é recomendável agendar uma visita para avaliação pessoal, incluindo um test-drive e esclarecimento de dúvidas com o vendedor. A presença de um mecânico de confiança durante essa visita pode proporcionar uma análise mais detalhada.

5 – Atenção aos detalhes – Ao avaliar anúncios de carros, é extremamente importante examinar minuciosamente a veracidade das informações. A quilometragem do veículo, por exemplo, deve ser cuidadosamente analisada em relação ao estado geral, incluindo estofados e pneus. Em casos de modelos mais antigos com quilometragem surpreendentemente baixa, é aconselhável exigir o laudo cautelar do Detran para verificar a autenticidade do hodômetro. “Adicionalmente, é importante estar alerta para golpes envolvendo falsas vendas de consórcio, quando golpistas oferecem cartas de crédito contempladas a preços abaixo do mercado”, conclui o head comercial da Dealersites.

Renato Ferraz, ex-Correio Braziliense, tem especialidade em jornalismo automobilístico.

São Lourenço da Mata comemora mais uma conquista: saiu mais uma nota do último quadrimestre na atenção básica e o município continua como o melhor entre as cidades de 100 mil habitantes em Pernambuco e a terceira no Brasil.

Vinícius Labanca assumiu a prefeitura da cidade em 2021 com o município registrando nota 2,0 e posição de número 183 no estado. Agora o gestor conseguiu elevar esse índice para 9.81 e está na 32ª posição no ranking estadual geral.

Para o prefeito do município, o que impressiona é que em comparação com o orçamento de outras cidades acima de 100 mil habitantes, o município se destaca. “Temos um time comprometido e dedicado em entregar um serviço na saúde de qualidade. Nós temos condições de melhorar ainda mais e vamos conseguir. Fui eleito para trazer o desenvolvimento para nossa cidade, mas principalmente para oferecer serviços básicos de qualidade. Feliz em estar cumprindo tudo que prometi e planejar ainda mais melhorias em nossos serviços”, destacou.

Em três anos de gestão, Labanca reestruturou o Petronila Campos, hospital e maternidade de São Lourenço da Mata, entregou um laboratório que funciona 24h e já realizou mais de 400 mil exames. Reformou todos os postos de saúde da cidade e mandou construir nos bairros onde não havia o serviço.