Sebrae - Estamos ai

Chico Buarque participa de protesto em Paris com bandeira do MST

Completando 80 anos na próxima quarta-feira (19), Chico Buarque participou em Paris de um protesto contra o avanço da extrema-direita na França. A manifestação reuniu dezenas de milhares de pessoas neste sábado (15), em meio à crise política e uma inesperada antecipação das eleições legislativas.

Chico Buarque estava acompanhado do jogador Raí, que registrou o momento em suas redes sociais. Os dois apareceram segurando uma bandeira do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). “Viva a frente popular, contra os fascistas”, postou Raí, destacando a participação de mulheres feministas na marcha. As informações são do O GLOBO.

Raí jogou no Paris Saint-Germain de 1993 a 1998 e é considerado um dos maiores jogadores da história do clube. Chico Buarque emplacou vários sucessos na França, como a canção “Esta moça está diferente”, e tem residência em Paris.

A manifestação foi organizada por sindicatos e partidos de esquerda em diferentes cidades na França, como forma de protestar à possibilidade do partido Reunião Nacional (RN), da ultradireitista Marine Le Pen, vencer as eleições legislativas e emplacarem um primeiro-ministro em um próximo governo. O partido venceu com folga as eleições europeias no país e levou o atual presidente, o centrista Emmanuel Macron, a antecipar as eleições legislativas em uma manobra considerada arriscada pelos especialistas.

O controle do PDT em Araripina, maior colégio eleitoral do Sertão do Araripe, virou um imbróglio. Líder em todas as pesquisas, o vice-prefeito Evilásio Mateus, filiado ao partido depois de orientações do prefeito Raimundo Pimentel, ficou sem apoio do gestor e agora luta por uma candidatura em faixa própria. 

Os maiores defensores da sua candidatura são o ex-prefeito e ex-deputado Emanuel Bringel, que conseguiu colocar o filho Bringel Filho como presidente da comissão provisória do PDT no município. O acordo foi com o presidente estadual da legenda, Wolney Queiroz, defensor da candidatura de Evilásio.

Mas o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, até ontem não havia homologado a nova comissão provisória com Bringel Filho sob o seu comando. O que corre nos bastidores é que a governadora Raquel Lyra, a pedido do prefeito, fez a cabeça de Lupi para manter a atual comissão provisória, submissa a Pimentel. 

Tudo depende agora do prestígio de Wolney com Lupi.

Em virtude das chuvas constantes registradas nos últimos dias, oito rios superaram a cota de segurança, provocando inundações em Pernambuco. A atualização mais recente foi feita neste domingo (16) pela Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac), que emitiu um novo aviso hidrológico.

Desta vez, o alerta de inundação foi para o Rio Capibaribe-Mirim, em Caricé, no município de Itambé, na Zona da Mata Norte. Segundo a Apac, houve impacto nas cidades de Itambé e Goiana, na mesma região. No balanço da noite de sábado (15), a Apac apontou inundação em sete rios. As informações são do Diario de Pernambuco.

São eles: 

  • Rio Ipojuca, em Ipojuca (Grande Recife)
  • Rio Sirinhaém, em Barra de Guabiraba (Mata Sul)
  • Rio Jacuípe, em Alagoas, mas com impacto em Água Preta, na Mata Sul, e monitorado pela Apac
  • Rio  Siriji,  em Vicência, na Mata Norte
  • Rio Sirinhaém, em Joaquim Nabuco, na Mata Sul
  • Rio Amaraji, em Ribeirão, na Mata Sul
  • Rio Pirangi, em São Benedito do Sul, na Mata Sul 

No sábado, também foi feito um alerta para o risco de inundação do Rio Tracunhaém, que pode prejudicar moradores de três cidades:

  • Goiana
  • Itaquitinga
  • Nazaré da Mata 

Balanço

Conforme a Defesa Civil de Pernambuco, houve deslizamento de barreiras em Joaquim Nabuco, Olinda, Rio Formoso e São Lourenço da Mata, todas sem vítimas. Os alagamentos atingiram Jaboatão dos Guararapes, Recife e São José da Coroa Grande. 

A Defesa Civil de Pernambuco informou, no sábado (15), que havia 87 desalojados e 24 desabrigados no Estado.

Governadora

Pelas redes sociais, a governadora Raquel Lyra (PSDB) informou que a equipe estava acompanhando os impactos das chuvas que estão atingindo o Grande Recife e as regiões do Agreste e das Zonas da Mata Norte e Sul. “A Apac, Defesa Civil e  bombeiros estão de prontidão, monitorando as chuvas intensas e fazendo resgates em algumas áreas alagadas na RMR”, disse.

Chuvas

Para este domingo, a previsão do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) é de tempo nublado, com chuvas isoladas. No Recife, as precipitações das últimas 24 horas representaram 40% do esperado para junho. A prefeitura disponibilizou abrigos para quem precisar. O telefone para contato é  0800 081 3400 

Veja onde mais choveu em 24 horas

  • Recife: 112,31 mm  (Alto Mandu)
  • Goiana: 80,76 mm  (Ponta de Pedra – APAC)
  • Tamandaré: 71,07 mm  (PSF – APAC)
  • Barreiros: 70,15 mm  (Hospital Municipal)
  • Ipojuca: 69,72 mm  (Núcleo Maranhão – APAC)
  • Escada: 66,69 mm  (ETA Compesa)
  • Olinda: 65,94 mm  (Águas Compridas) 

O telefone da Defesa Civil estadual é 199. Bombeiros: 193. 

Telefones da Defesa Civil nas cidades

  • Recife 0800.081.3400
  • Abreu e Lima: (81) 99933.6380
  • Araçoiaba: (81) 3543.8983
  • Cabo de Santo Agostinho: 0800.281.8531
  • Camaragibe: (81) 2129.9564, (81) 99945.3015 e 153
  • Igarassu: (81) 99460-9073
  • Itamaracá: (81) 3181-2490 e 199
  • Ipojuca: (81) 99231.8607 (telefone e WhatsApp)
  • Itapissuma: (81) 98844-5216
  • Jaboatão dos Guararapes: (81) 3461.3443 e (81) 99195.6655
  • Moreno: (81) 98299.0974 e (81) 98128.2018
  • Olinda: (81) 99266.5307 e 0800.081.0060
  • Paulista: 153
  • São Lourenço da Mata: (81) 98338.5407

Petrolina é a primeira cidade do estado a receber a caravana itinerante da Comissão Estratégica do Tribunal de Justiça de Pernambuco. Liderada pelo presidente do TJPE, desembargador Ricardo Paes Barreto, a comitiva visitou, na manhã desta sexta-feira (14), a Unidade Regional do Sertão do São Francisco da Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco (URSF/FIEPE).

Recebida pelo diretor adjunto da Unidade Regional do Sistema FIEPE, Huberto Costa, a caravana conheceu a experiência e as capacitações do SENAI, FIEPE, SESI e IEL. Depois de ouvir os representantes de cada entidade, o presidente do TJPE, elogiou a estrutura, destacando a formação profissional, consultorias, serviços de saúde e educação básica que são oferecidos para os industriários, familiares e comunidade regional.

“O Sistema FIEPE tem um papel preponderante no desenvolvimento de Petrolina e de todo o Vale do São Francisco. Nossa caravana veio colher as práticas exitosas realizadas por estas quatro instituições, que são exemplos de formação profissional, seleção de estagiários e na defesa dos interesses do setor produtivo, com ênfase para a indústria”, ressaltou.

Participaram ainda da visita integrantes da Comissão Estratégica do TJPE: o desembargador Paulo Augusto de Freitas (presidente do órgão), o desembargador Erik Simões (também coordenador-geral do Núcleo de Conciliação) e a juíza Brenda Paes Barreto. Fizeram parte do comitê de recepção o gestor do Sesi Petrolina, Cássio Saturnino; a coordenadora da Unidade Regional do Sertão do São Francisco da FIEPE, Fabiana Ribeiro; a gestora Escolar do SENAI Petrolina, Carol Campos, e a coordenadora do Instituto SENAI de Tecnologia (IST), Ana Barroso.

A interiorização dos eletrificados

As vendas de veículos leves eletrificados em maio, segundo estudo da Associação Brasileira do Veículo Elétrico, mostra que há um processo de interiorização da eletromobilidade no Brasil. Nos cinco primeiros meses de 2024, os municípios do interior, excluindo as 27 capitais, foram responsáveis por quase a metade (46%) dos emplacamentos de eletrificados de todas as tecnologias no período. Em números, isso significa 29.697 eletrificados emplacados fora das capitais – do total de 64.908 no acumulado nacional do ano. Detalhe significativo: os elétricos BEV e PHEV com recarga externa emplacados no interior representaram 68% (20.250) do total de eletrificados vendidos nessas cidades (29.697), de janeiro a maio. Os 32% restantes das vendas no interior no período (9.497) foram híbridos convencionais (HEV+HEV FLEX+MHEV). Destes, os híbridos flex movidos a etanol representam 44% (4.141), os híbridos a gasolina/diesel 31% (2.936) e os micro híbridos MHEV 25% (2.370).Essas proporções são aproximadamente as mesmas registradas nas capitais (e dentro da média nacional) dos últimos meses: 68% das vendas de eletrificados são veículos plug-in e 32% são não plug-in (HEV, HEV flex e micro híbridos MHEV).

Em outras palavras: o comprador do interior demonstra a mesma preferência do comprador das capitais pelos modelos tecnologicamente mais avançados (BEV e PHEV).“Esses números são muito importantes”, comemorou o presidente da ABVE, Ricardo Bastos. “Eles indicam que a eletromobilidade é um fenômeno que se dissemina de modo uniforme em diferentes regiões do país. Já não estamos mais falando de uma tendência concentrada em algumas poucas capitais do Sudeste”, acrescentou. “No final do ano passado, vimos que a eletromobilidade se expandia para o Nordeste e Centro-Oeste. Agora, ela se espalha pelas cidades do interior”.

Desempenho em maio – Só no mês passado, o mercado brasileiro emplacou 13.612 veículos leves eletrificados (de todas as tecnologias) e chegou a 64.908 nos cinco primeiros meses do ano. A liderança no mês continua com os veículos plug-in (com recarga externa), com 66,5% de participação nas vendas do segmento, puxada principalmente pelos BEV 100% elétricos. O resultado de eletrificados em maio representa um crescimento expressivo de 111,5% sobre maio de 2023 (6.435), embora com queda de 10,5% sobre abril (15.206). Já no acumulado de janeiro a maio, o total indica um aumento de 149% sobre o mesmo período em 2023 (26.014).Se a comparação for sobre os cinco primeiros meses de 2022 (16.354), o aumento é de 297%.

Crescimento sustentável – A participação de mercado (market share) dos eletrificados sobre o total das vendas domésticas de veículos leves (de todos os tipos de combustível) tem se mantido constante, em torno de 7% a 8%, desde o início do ano.Um detalhe importante é a participação dos veículos plug-in (BEV e PHEV) de janeiro a maio, que também se mantém constante, num alto patamar em torno de 5% do total das vendas. Essa participação tem crescido de modo sustentável. Em maio de 2023, por exemplo, o market share dos eletrificados era 3,9%, praticamente metade da atual – já o estoque total de eletrificados em circulação no país desde o início da série histórica da ABVE (2012 a maio/24) chegou em maio 285.339 veículos, ou 0,67% de participação sobre o total geral de veículos leves emplacados no mesmo período. Mantida a tendência de crescimento dos últimos meses, isso significa que esse mercado atingirá a marca simbólica de 300 mil veículos em circulação na virada do segundo semestre. A ABVE mantém sua avaliação de que as vendas de eletrificados em 2024 fecharão o ano com mais de 150 mil emplacamentos, ou cerca de 60% do total de 2023 (93.927).

Tecnologias – Em maio, as vendas dos veículos elétricos plug-in (BEV +PHEV) foram de 9.057 unidades, o que representa 66,5% do total de eletrificados vendidos no mês (13.612).Os BEV 100% elétricos foram responsáveis por 5.175 emplacamentos no mês (38% do total de eletrificados). Estes veículos estão ganhando o mercado nacional, colocando o Brasil na mesma rota tecnológica de países europeus e asiáticos. O contraste é flagrante em relação ao ano passado. Em maio de 2023, o mercado brasileiro havia emplacado apenas 615 veículos 100% elétricos, com participação entre os eletrificados inferior a 10%. Doze meses depois, o crescimento dos BEV foi de 742%. Já os veículos híbridos plug-in (PHEV) alcançaram 28,5% de participação sobre os eletrificados em maio, com 3.882 unidades. Desde março de 2023, os PHEV estão ganhando mercado. Sobre maio de 2023, o crescimento desse segmento foi de 60%.

Os híbridos não plug-in (HEV+HEV FLEX+MHEV) ficaram em maio com 33,5% do total de eletrificados, com 4.555 veículos. Os híbridos HEV a gasolina/diesel totalizam em maio 1.360 emplacamentos, ou 10% dos eletrificados. Sobre maio de 2023 (482), o crescimento de 182% foi expressivo. Já os híbridos flex (HEV) representaram 15,1% do total de eletrificados, com 2.052 veículos em maio. Sobre maio de 2023 (1.746), houve um leve crescimento de 17,5%. Por fim, o mercado em maio emplacou 1.143 micros híbridos (MHEV), ou 8,4% sobre o total de eletrificados. Sobre maio de 2023, há uma leve retração de 2%.

Modelos e montadoras – A BYD e a GWM seguem na liderança do mercado de leves eletrificados no país. Em maio, a BYD foi responsável por 38,6% dos emplacamentos (5.254), enquanto a GWM ficou com 14,5% (1.972). De janeiro a maio, só essas duas montadoras apresentaram ao mercado 18 modelos, sendo 16 deles elétricos plug-in.

No acumulado dos cinco primeiros meses de 2024, as cinco montadoras que mais emplacaram eletrificados, foram:

1º – BYD – 27.238

2º – GWM – 9.988

3º – Toyota – 8.897

4º – CAOA Chery – 4.103

5º – Volvo – 2.970


Os cinco modelos mais emplacados entre janeiro e maio foram:

1º – Song Plus GS DM / BYD (PHEV) – 8.127

2º – Dolphin Mini GS EV / BYD (BEV) – 7.741

3º – Dolphin GS 180 EV / BYD (BEV) – 6.295

4º – Corolla Cross XRX Hybrid /(HEV flex) – 5.218

5º – Haval H6 / GWM (HEV) – 2.916

Motivações para um carro elétrico – Qual a razão para que os carros elétricos mudem o comportamento do consumidor brasileiro? O forte apelo ecológico e sustentável? O fato é que eles estão ganhando cada vez mais espaço nas cidades brasileiras. Pontos de recarga podem ser encontrados nos mais variados locais e novos empreendimentos imobiliários já os disponibilizam como diferencial para os seus proprietários. Os interessados se sentem também atraídos pela possibilidade de não terem mais certos custos de manutenção, como as trocas de óleo regulares e os gastos com combustíveis. Porém, os consumidores ainda possuem dúvidas sobre as vantagens de trocar os modelos a combustão pelos carros elétricos. “Existe uma grande expectativa sobre o carro elétrico ser o resolvedor de diversos problemas e no Brasil não é diferente”, afirma Roberto James, mestre em psicologia e especialista em comportamento do consumidor.  

Baseado nessas percepções e buscando responder o porquê de as pessoas quererem ter um carro elétrico, Roberto James pesquisou 203 consumidores de vários estados do Brasil, com idades entre 18 e 65 anos.  Os resultados foram surpreendentes: mais de 70% dos entrevistados querem ou desejam um carro elétrico. “Um dado relevante é que não houve diferença significativa em relação à renda dos entrevistados”, relata o especialista. Sobre as motivações para a aquisição de um carro elétrico, 30% responderam que era pelo fato de esse tipo de veículo não poluir.  Já as opções “Eletricidade ser mais barata do que gasolina”, “Não preciso mais ir ao posto de combustível” e “Vou poder abastecer de casa”, juntas, somaram o percentual de 42%, o que demonstra uma expectativa de economia muito grande na relação de troca do carro a combustão pelo elétrico.

Quando questionados sobre o quanto estariam dispostos a pagar a mais por um carro elétrico, mais de 30% responderam que não querem pagar nem um real a mais e mais de 50% aceitariam pagar até 20% a mais, por se tratar de uma economia ambiental. Como conclusão dos seus estudos, James aponta que o consumidor quer economizar e, se isso puder ser feito de forma mais segura e mais limpa, ambientalmente falando, ele está disposto a investir. “Enquanto houver reservas de petróleo suficientes para demanda de combustíveis, os veículos a combustão terão seu mercado. Aquele que facilitar a jornada do consumidor terá grandes chances de conquistar o mercado”, ressalta ele. 

Novo Haval H6 PHEV19 custa R$ 239 mil – E por falar em GWM, a marca no Brasil acaba de lançar o híbrido plug-in Haval H6 PHEV19, já como modelo 2025, com preço promocional de R$ 229 mil – válido até o dia 20 de junho e para apenas um lote inicial de 1.019 unidades (depois, já no dia seguinte, pula para R$ 239 mil. Uma das mais interessantes novidades do novo Haval PHEV19 é o sistema V2L (Vehicle to Load), que permite o fornecimento de energia do carro para um aparelho elétrico externo. Para o sistema funcionar, é necessário um cabo especial que conta com três tomadas do padrão brasileiro de 3 pinos em uma das extremidades. Ao plugar a outra extremidade no bocal de recarga do carro, esse cabo fornece energia para até três equipamentos 220V simultâneos, com limitação de corrente máxima de 13 A e potência máxima combinada de até 3.300 W. Nesta condição de potência máxima de uso, a bateria fornece energia por até 5 horas sem consumir uma gota de combustível. Esse cabo será oferecido como acessório homologado nas concessionárias GWM até o início de agosto, ainda sem preço oficial definido. Com o novo recurso V2L, o Haval H6 PHEV19 pode fornecer energia mesmo quando a bateria do sistema híbrido estiver descarregada, já que o motor a combustão do Haval H6 pode ser acionado para se transformar em um gerador para recarregar tanto a bateria do próprio veículo quanto fornecer energia para qualquer equipamento elétrico de 220V. 

O GWM Haval H6 PHEV19 possui uma autonomia 74 quilômetros segundo o Inmetro. Equipado com tração dianteira e uma bateria de 19 kWh, o SUV conta com uma potência e torque combinados de 326 cv e 53 kgfm, respectivamente. Com isso, acelera de 0 a 100 km/h em apenas 7,6 segundos, destacando-se pelo equilíbrio entre eficiência energética e desempenho. Como de praxe na marca, o processo de compra e vendas será pela internet, diretamente pela montadora, via Mercado Livre. O Haval H6 PHEV19 fica posicionado entre o H6 HEV2 e o H6 PHEV34. É, quando comparado com seus concorrentes diretos, o único híbrido que oferece a opção de recarga rápida. Quando conectado a um carregador DC (corrente direta), o SUV da GWM suporta até 33 kW de potência, permitindo recarregar sua bateria de 19 kWh de 30% a 80% em apenas 28 minutos.

Chama a atenção o quesito segurança: ele tem, por exemplo, condução semiautônoma nível 2+ – o mais avançado disponível no seu segmento –, piloto automático adaptativo com Stop & Go, frenagem automática de emergência (inclusive para pedestres, bicicletas e motos), frenagem automática de tráfego cruzado traseiro, monitoramento de pontos cegos, centralização de permanência de faixa, alerta de perigo de abertura de portas e reconhecimento de placas de trânsito. Também vem com Auto Reverse Assistance e Parking Assist para vagas paralelas e em 45° e 90° (com controle automático de direção, freio e acelerador) com câmera 360°. Entre os itens de tecnologia e conforto, ele traz update de software pela nuvem, controle remoto do veículo pelo celular, central multimídia de 12,3 polegadas com Android Auto e Apple CarPlay sem fio, comandos por voz em português, teto solar panorâmico elétrico, ar-condicionado de duas zonas, bancos dianteiros elétricos com ventilação, seis airbags e porta-malas com abertura elétrica por sensor de presença.

Fiat Panda – A Fiat acaba de revelar, na Europa, as primeiras imagens do Grande Panda, primeiro modelo de uma nova família de veículos derivada da plataforma multienergia Smat Car, ou STLA Small. Ele será lançado primeiramente no Velho Continente, Oriente Médio e África com versões elétrica e híbrida. Ele tem 4 metros de comprimento e capacidade para 5 pessoas, com linhas que remetem ao Panda original, apresentado nos anos 80 e que se tornou um clássico da marca para as cidades europeias. Com o Grande Panda, a Fiat inicia agora a sua transição para plataformas globais comuns que cobrem todas as regiões do mundo.

Venda de motos e segurança no trânsito – O Brasil enfrenta uma revolução sobre duas rodas: as vendas de motocicletas atingiram um marco histórico, impulsionadas pela busca por mobilidade e oportunidades de trabalho. No entanto, este crescimento vem acompanhado de um sombrio aumento nos acidentes e fatalidades nas estradas. Segundo a Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas (Abraciclo), o país testemunhou um grande salto na produção, com 1,57 milhão de unidades fabricadas no último ano, alimentando uma frota de 27 milhões de motocicletas circulando pelas ruas do país. Além disso, uma análise dos dados divulgados pelo Infosiga revela uma tendência preocupante: somente no estado de São Paulo, entre os primeiros meses de 2022 e 2023, houve um aumento de aproximadamente 5,64% nas fatalidades de motociclistas, saltando de 461 para 487 acidentes fatais no período. Esse aumento se intensificou ainda mais no comparativo do primeiro trimestre de 2023 e 2024, com um crescimento significativo de 17,45%. Por isso, Alper Seguros alerta para a urgência da segurança nas estradas. “Com o surto de motocicletas, o risco de acidentes é cada vez maior. A contratação de um seguro é vital para proteger os motociclistas e suas famílias em caso de tragédias”, ressalta Antônio Azevedo, vice-presidente de Auto, Frota e Consórcio da Alper Seguros.

Em média, a frequência de sinistros de motos no Brasil é mais significativa que a de automóveis, o que faz com que muitas seguradoras limitem a aceitação do seguro. “Muitas delas optam por garantir cobertura apenas para motocicletas de alta cilindrada, cujo perfil de segurado prevalece entre pessoas de classe média, acima de 40 anos. No entanto, há prevalência de circulação de motocicletas de baixa cilindrada, que são predominantemente conduzidas por trabalhadores dos mais variados tipos de entrega”, esclarece Azevedo. Com o surgimento de aplicativos e o aumento na demanda por serviços de entrega rápida, o contingente de entregadores sobre motocicletas tem aumentado consideravelmente. Esses profissionais enfrentam condições desafiadoras nas ruas, muitas vezes lidando com prazos apertados e tráfego intenso. Dessa forma, o aumento de entregadores nas ruas impacta diretamente os números de fatalidades no trânsito, uma vez que esses trabalhadores estão mais expostos a riscos de acidentes. 

Consórcio: 3 dicas para adiantar a contemplação – O mercado de consórcios no Brasil tem crescido, destacando-se como uma alternativa atraente para a aquisição de bens e serviços. Segundo dados da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (ABAC), o setor registrou um aumento de 12,5% no número de participantes ativos em 2023, atingindo a marca de 8,5 milhões de consorciados. Esse crescimento reflete a busca dos consumidores por modalidades de compra planejada, sem juros e com condições mais flexíveis. E, claro, quando alguém entra em um consórcio tem a esperança de logo ser contemplado. Mas, para quem não quer depender apenas da sorte, o diretor da Âncora Consórcios, Márcio Massani, separou algumas dicas para dar aquele empurrãozinho para adiantar a contemplação.

1 – Faça um bom planejamento financeiro: tenha controle dos seus gastos e se organize para economizar. Assim, é possível juntar um valor e disponibilizá-lo para lance.

2 – Conheça as modalidades de lances disponíveis no grupo: oferecer lances é uma maneira de acelerar a contemplação. Para isso, é necessário analisar o histórico e a porcentagem de lances vencedores no grupo participante. 

3 – Mantenha suas parcelas em dia: para participar das assembleias, é essencial que as parcelas estejam em dia. Além disso, algumas administradoras oferecem uma modalidade de lance chamada “lance fidelidade”, em que apenas os consorciados que pagaram suas parcelas até o vencimento poderão ofertar lances.

 “Uma dica extra, e a mais importante, é: a escolha de uma boa administradora é imprescindível para apoiar todo o processo com confiança e segurança”, completa Massani. Para saber se a empresa é credenciada, o ideal é acessar o site abac.org.br e clicar na aba associados e parceiros. Além disso, olhar a reputação da empresa no Reclame Aqui é super válido.  

Renato Ferraz, ex-Correio Braziliense, tem especialidade em jornalismo automobilístico

Na manhã deste sábado (15), o presidente do Solidariedade, Eurípedes Júnior, se entregou à Polícia Federal depois de três dias foragido. Ele foi acompanhado pelos advogados à Superintendência da corporação em Brasília. O político foi alvo de uma operação da PF na última quarta-feira (12), mas não foi encontrado na ocasião.

Dos sete mandados de prisão preventiva expedidos, apenas o de Eurípedes — que também foi dirigente do PROS (Partido Republicano da Ordem Social) , sigla que se fundiu ao Solidariedade em 2023 — não foi cumprido no dia da operação. As informações são do portal R7

Em nota divulgada neste sábado, a defesa de Eurípedes explicou que, antes de se apresentar à PF, ele se licenciou do exercício das suas funções de dirigente partidário. “Os advogados que integram a sua defesa afirmam que o Sr. Eurípedes Gomes de Macedo Júnior demonstrará perante a Justiça não só a inconsistência dos motivos que levaram à sua prisão preventiva, mas também a sua total inocência diante dos fatos que estão sendo investigados no inquérito policial”, alegou a defesa.

Após Eurípedes se apresentar à Polícia Federal, o Solidariedade emitiu um comunicado sobre o afastamento dele da presidência da legenda, que será ocupada a partir de agora pelo deputado federal Paulinho da Força (SP).

“Essa solicitação é compatível com o estatuto partidário. Dessa maneira, a secretaria geral do Solidariedade tomará todas as providências necessárias e cabíveis para o seu imediato atendimento, tendo em vista a regular continuidade do exercício da direção partidária”, afirmou a direção nacional do partido.

Além disso, o Solidariedade destacou que “os fatos que estão sob investigação são anteriores à incorporação do PROS pelo Solidariedade — que aconteceu em 2023 —, razão pela qual o partido desconhece quaisquer informações a respeito, além daquelas que estão sendo amplamente divulgadas pela imprensa”.

Operação da Polícia Federal

Eurípedes foi o principal alvo da operação da PF desta semana. Os outros alvos foram dirigentes, ex-dirigentes e candidatos que concorreram a cargos pelo PROS nas eleições de 2018, antes de a sigla ser incorporada ao Solidariedade. A PF investiga, entre outras possíveis irregularidades, o uso de candidaturas laranja para receber dinheiro do fundo eleitoral.

Além de candidaturas laranja, os investigadores ressaltam que encontraram indícios de superfaturamento de serviços de consultoria jurídica e desvio de recursos partidários destinados à FOS (Fundação de Ordem Social), a fundação do partido.

As investigações começaram em 2018, e segundo fontes na Polícia Federal, do início da apuração até 2023, a suspeita é de que tenham sido desviados R$ 36 milhões. Eurípedes teria comprado um helicóptero avaliado em R$ 2,4 milhões para uso pessoal com dinheiro do fundo.

“Os envolvidos estão sendo investigados pelos crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro, furto qualificado, apropriação indébita, falsidade ideológica eleitoral e apropriação de recursos destinados ao financiamento eleitoral”, disse a PF.

Júnior é indicado como líder de uma organização criminosa, da qual também participariam: a própria esposa, Ariele Macedo; as duas filhas, Jheniffer e Giovanna de Macedo; o primo, Alessandro Sousa, ao lado da esposa, Cíntia Lourenço; o irmão Fabrício Gomes; a cunhada, Kelle Dutra.

Enquanto Ariele e Giovanna Macedo são citadas como laranjas do esquema, a outra filha de Eurípedes Júnior, Jheniffer Macedo, participaria do grupo central da organização criminosa. Segundo o relatório da PF, os alvos agiam em várias frentes, desviando recursos destinados à manutenção da legenda pelo Fundo Partidário e à promoção de candidaturas pelo Fundo Eleitoral.

Para a lavagem do dinheiro, há indícios de uso de empresas e fundações, além da contratação de serviços de advogados. Compra e venda de imóveis também estão entre as transações utilizadas como evidência de crime pela polícia. Viagens da família ao exterior, como à cidade de Miami (EUA), também levantaram suspeitas.

Por conta das fortes chuvas, o nível do rio Sirinhaém subiu. Um vídeo que circula nas redes sociais mostra uma rua do município de Barra de Guabiraba completamente alagada e, por conta disso, alguns moradores estão tirando os seus móveis e eletrodomésticos das residências para não perder por conta da água. 

Confira o vídeo abaixo

A Agência Pernambucana de Águas e Climas (Apac) informou que o rio Pirangi, em São Benedito do Sul, atingiu a cota de inundação. Com isso, os municípios de São Benedito do Sul, Jaqueira e Maraial já estão sendo afetados pelo extravasamento do rio.

A APAC atualizou ainda que o rio Capibaribe Mirim, em Timbaúba, atingiu a cota de alerta e o município deve ficar em atenção por conta da possibilidade de inundação.

A governadora Raquel Lyra informou por meio de suas redes sociais que está acompanhando os impactos das chuvas que estão atingindo o Grande Recife e as regiões do Agreste e das Zonas da Mata Norte e Sul. “A APAC, a Defesa Civil de Pernambuco e o Corpo de Bombeiros estão de prontidão”, afirmou.

O Banco do Nordeste (BNB) apresentou a empresários nacionais e estrangeiros as linhas de crédito disponíveis para estimular a instalação de novos negócios no Nordeste. O encontro com o setor produtivo foi realizado nesta quinta-feira (13), na capital paulista, durante o Invest Alagoas. O presidente do BNB, Paulo Câmara, destacou que o estado vem aumentando suas operações de crédito nos últimos e estabelecido um ambiente atrativo economicamente. Em 2023, foram contratados R$ 3,7 bilhões e nos quatro primeiros meses deste ano, os financiamentos já superam R$ 1,4 bilhão, em Alagoas. ​​ ‍ 

O executivo afirmou que o Banco está com recursos disponíveis para todos os setores produtivos e destacou algumas áreas que mais impactam na economia local com apoio do BNB. “Nós temos linhas atrativas com as menores taxas de juros do mercado, em virtude do nosso Fundo Constitucional, o FNE. Para a indústria, agricultura, obras em parceria com o governo, como saneamento básico, para energias renováveis e o turismo. Queremos fazer a diferença na região Nordeste e no estado de Alagoas temos algumas de nossas operações mais importantes”, afirmou Paulo Câmara.

O evento Invest Alagoas foi realizado pelo governo do estado e contou com a participação de cerca de 150 investidores. O ministro dos Transportes, Renan Filho, e o governador de Alagoas, Paulo Dantas, reforçaram a importância do crédito na atração de negócios. “Nós temos benefícios fiscais arrojados, a gente coloca o empresário dentro de um carro para ele escolher a área em que ele quer investir e o BNB tem acreditado no estado de Alagoas enxergando grandes oportunidades”, afirma Paulo Dantas. Segundo ele, o resultado tem sido a instalação de novas empresas e o aumento na arrecadação de impostos. “Até o mês de maio, a média de crescimento de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), estava em torno de 30%”, cita ​​ ‍ 

Crédito em AL

O superintendente do BNB em Alagoas, Sidinei Reis, detalhou as atividades que têm buscado crédito para novos investimentos em 2024. Segundo ele, houve contratação em todos os portes de clientes, dos microempreendedores até os grandes empreendimentos. Pelo programa de microcrédito orientado, Crediamigo, as contratações entre janeiro e maio foram de R$ 175,8 milhões. Já para a agricultura familiar, R$ 191 milhões. Os projetos de infraestrutura contrataram R$ 600 milhões.

Em razão das fortes chuvas e o nível da água do Canal do Fragoso no início deste sábado, a Prefeitura de Olinda informou que o serviço de manutenção do pavimento da Ponte que corta a Avenida Fagundes Varela, no bairro de Jardim Atlântico, precisou ser adiado. O trabalho que iniciaria às 8h da manhã de hoje, foi reprogramado para a manhã da próxima segunda-feira (17).

Durante o serviço, que deve durar aproximadamente cinco dias, a circulação de veículos local e de acesso aos bairros circunvizinhos estarão bloqueados. Agentes de trânsito estarão presentes para auxiliar e monitorar o tráfego. A obra é de responsabilidade da Companhia Estadual de Habitação (CEHAB). A empresa contratada está avaliando a condição do dano no pavimento para reduzir o tempo de obra e os transtornos à população.

A decoração das ruas e o som da sanfona anunciam que o maior e melhor arraial do Brasil já começou. O evento iniciou nesta sexta-feira (14) e, de acordo com o prefeito Simão Durando, ficará marcado na história de Petrolina. Celebrado como o melhor do país, o evento trouxe novidades em 2024 e deve atrair milhares de visitantes para experimentar a rica cultura nordestina. 

Com o tema “Viva a nossa arte”, o evento ganhou uma noite a mais no Pátio Ana das Carrancas. O prefeito Simão ainda inaugurou este ano uma ampla decoração junina em avenidas e pontos turísticos petrolinenses que criam um ambiente propício para animação até a chegada do espaço de festejos. O Pátio de eventos Ana das Carrancas ganhou roda gigante, uma vila cenográfica com a igreja catedral, estação ferroviária e outros elementos históricos do município. No palco, uma ornamentação que valoriza a cultura da região, com peças que fazem referência ao artesanato e outras expressões artísticas do Vale do São Francisco.

Serão 50 atrações de peso nacional e regional nas 10 noites de Petrolina. Na abertura, espaço lotado para os shows de Henrique e Juliano, Pedro Libe, Léo Santana, Avine Vinny e Tarcisio do Acordeon, simbolizando uma mistura de ritmos que levou petrolinenses e turistas de todas idades e gostos. 

Na noite inaugural, o prefeito Simão Durando levou convidados do mundo político, como o prefeito do Recife, João Campos, deputados estaduais, entre outras lideranças do Estado. O gestor petrolinense destacou a grandiosidade do evento, que neste ano foi ampliado e tem o maior esquema de segurança já montado na história. Simão avalia que, por conta da grade com dezenas de artistas nacionais, e a estrutura de grandes festivais internacionais, o São João de Petrolina 2024 marcará época.

“Foi tudo feito com muito planejamento. Atendemos todos os pedidos da população, colocamos decoração nas ruas, criamos um polo alternativo na praça da Sementeira e aumentamos a infraestrutura e segurança. Este evento é um ciclo onde a música, dança, arte e culinária se unem para criar memórias inesquecíveis. Esse é o ponto alto de um período que traz dezenas de eventos dos mais diversos. Pensamos em todos os detalhes para entregar aos petrolinenses e turistas a grandiosidade que eles merecem. Por tudo isso, tenho convicção de afirmar que esse será o maior São João da história de Petrolina”, cravou o prefeito.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, não está enfraquecido, apesar da devolução pelo Congresso de parte da Medida Provisória que criava restrições para o uso de créditos do PIS e do Cofins e da resistência de vários setores aos seus esforços de manter a disciplina fiscal do governo.

“O Haddad, ele jamais ficará enfraquecido enquanto eu for presidente da República. Porque ele é o meu ministro da Fazenda, escolhido por mim e mantido por mim”, disse o presidente numa entrevista na região de Puglia, no sul da Itália. As informações são da CNN.

Lula, que foi à Europa para participar de conversas após a cúpula do G7, respondia a uma pergunta da CNN sobre a percepção de que o ministro da Fazenda estava ficando isolado na briga por manter a meta de déficit fiscal zero e sobre a possibilidade de o governo fazer cortes em suas despesas para atingir esse objetivo.

O presidente afirmou que “tudo aquilo que a gente (o governo) detectar que é gasto desnecessário, você não tem que fazer”, garantiu.

Apresentada na semana passada pelo Ministério da Fazenda, a Medida Provisória do PIS/Cofins visa compensar a desoneração da folha de pagamento de 17 setores da economia e de municípios.

A medida provisória propõe que créditos tributários e de contribuição da seguridade social sejam utilizados para tanto, reduzindo seu uso, por parte de setores econômicos, para pagamentos que não o do PIS e do Cofins.

A medida provocou reações de setores econômicos, que acusaram o governo de falta de diálogo, despreocupação com redução de despesas e aumento da insegurança jurídica.

A devolução de parte da MP pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, foi considerada uma derrota de Haddad na sua busca pela estabilidade fiscal. 

O ministro Flávio Dino, do STF (Supremo Tribunal Federal), mandou a Procuradoria-Geral da República se manifestar sobre o indiciamento da Polícia Federal do ministro das Comunicações, Juscelino Filho, por ao menos seis crimes devido à suspeita de desvio de recursos públicos destinados a obras de pavimentação. Entre os crimes apontados pela corporação, estão os de falsidade ideológica, corrupção passiva e integrar organização criminosa. Em nota enviada à imprensa, o ministro nega irregularidades e diz que “minha inocência será comprovada ao final desse processo, e espero que o amplo direito de defesa e a presunção de inocência sejam respeitados”.

O envio é praxe e a PGR vai analisar se precisa haver mais investigações, se o caso pode ser arquivado ou se o processo está com provas suficientes para oferecer uma denúncia. As informações são do R7.

Juscelino se manifestou sobre o indiciamento por meio de uma nota, na qual afirma que “a investigação, que deveria ser um instrumento para descobrir a verdade, parece ter se desviado de seu propósito original”. Segundo ele, o inquérito “concentrou-se em criar uma narrativa de culpabilidade perante a opinião pública, com vazamentos seletivos, sem considerar os fatos objetivos”.

Ele destaca que “o indiciamento é uma ação política e previsível, que parte de uma apuração que distorceu premissas, ignorou fatos e sequer ouviu a defesa sobre o escopo do inquérito”.

“É importante deixar claro que não há nada, absolutamente nada, que envolve minha atuação no Ministério das Comunicações, pautada sempre pela transparência, pela ética e defesa do interesse público”, ressalta Juscelino.

Na nota, Juscelino diz que, durante o depoimento sobre o caso, “o delegado responsável não fez questionamentos relevantes sobre o objeto da investigação”. “Além disso, o encerrou abruptamente após apenas 15 minutos, sem dar espaço para esclarecimentos ou aprofundamento”, garante.

De acordo com ele, “isso suscita dúvidas sobre sua isenção, repetindo um modo operante que já vimos na Operação Lava Jato e que causou danos irreparáveis a pessoas inocentes”.

O ministro finaliza a nota dizendo que “indiciamento não implica em culpa” e que “a Justiça é a única instância competente para julgar”. “Confio plenamente na imparcialidade do Poder Judiciário. Minha inocência será comprovada ao final desse processo, e espero que o amplo direito de defesa e a presunção de inocência sejam respeitados.”

Operação em 2023

A Polícia Federal identificou os crimes ao apurar o desvio de verbas federais destinadas a obras da Codevasf (Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba). Juscelino Filho teria atuado para favorecer empreiteira ligada a políticos e apontada como integrante de um cartel com envolvimento em desvios de recursos.

Em setembro do ano passado, a corporação deflagrou uma operação para desarticular organização criminosa estruturada para promover fraudes licitatórias, desvio de recursos públicos e lavagem de dinheiro envolvendo os recursos da companhia.

Na ocasião, agentes da PF cumpriram 12 mandados de busca e apreensão, expedidos pelo STF (Supremo Tribunal Federal), nas cidades maranhenses de São Luís, Vitorino Freire e Bacabal.

Também foram cumpridas medidas cautelares diversas da prisão, tais como afastamento da função pública, suspensão de licitações e vedação da celebração de contratos com órgãos públicos, bem como ordens de indisponibilidade de bens.

Além disso, o ministro do STF Luís Roberto Barroso chegou a determinar o bloqueio de R$ 835 mil de Juscelino Filho. À época, Barroso não autorizou uma busca pessoal requerida pela Polícia Federal porque faltavam indícios mais concretos da atuação direta do ministro das Comunicações no esquema de desvio de recursos

Leitores deste blog que tentavam seguir de Bezerros até Riacho das Almas pela BR-232, informaram, há pouco, que não conseguiram chegar ao seu destino por conta do engarrafamento causado pela comitiva da governadora Raquel Lyra, que cumpre agenda no município de Bezerros, incluindo festejos juninos em Serra Negra.

“Pararam tudo pra ela subir. Tive que ir por Caruaru e o pessoal de Recife e Gravatá voltando porque está tudo trancado”, disse uma leitora. Com isso, a governadora impede o ir e vir dos cidadãos”, protestou.

A Defesa Civil do Jaboatão dos Guararapes atualizou, no final da manhã deste sábado (15), os números das ocorrências registradas nas últimas 24h no município. Foram 79 ocorrências, sendo a maior parte referentes a colocação de lonas (42). Houve dez deslizamentos, todos sem vítimas. O monitoramento da situação está sendo acompanhado em tempo real, na Sala Integrada de Monitoramento da Defesa Civil.

Na comunidade Brasil Novo (Sapolândia), com a subida das águas, 30 pessoas desalojadas (16 adultos e 14 crianças) foram retiradas de suas casas pelo Corpo de Bombeiros, com apoio da Defesa Civil, e transportadas pela Prefeitura do Jaboatão ao abrigo localizado em Cajueiro Seco. No local, as pessoas receberão todo o suporte necessário durante o período em que estiverem sob os cuidados da Secretaria de Assistência Social. O prefeito Mano Medeiros acompanha a operação pessoalmente, junto com a primeira-dama, Andrea Medeiros.

Segundo a Defesa Civil, o volume acumulado de chuvas chegou a 146,2 milímetros. As equipes permanecem em prontidão, com equipamentos, barcos e veículos de apoio, podendo fazer o deslocamento rápido para qualquer ponto da cidade. Equipes da Secretaria de Infraestrutura também estão nas ruas trabalhando para que entulhos arrastados pelas águas não bloqueiem seu escoamento.

Em caso de necessidade, moradores podem acionar a Defesa Civil do Jaboatão dos Guararapes pelo telefone 0800 281 2099 ou pelo Whatzapp (81) 99185.6655.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou neste sábado (15) que considera uma “insanidade” punir uma mulher estuprada que comete aborto com uma pena maior do que a do estuprador.

O presidente deu a declaração ao ser questionado sobre sua posição a respeito do projeto em análise na Câmara dos Deputados que estabelece a aplicação de pena de homicídio simples nos casos de aborto em fetos com mais de 22 semanas. As informações são do g1.

“Eu sou contra o aborto. Entretando, como o aborto é a realidade, a gente precisa tratar o aborto como questão de saúde pública. Eu acho que é insanidade alguém querer punir uma mulher numa pena maior do que o criminoso que fez o estupro. É no mínimo uma insanidade isso”, disse Lula.

Lula concedeu entrevista à imprensa após encerrar os compromissos na Itália, onde participou da reunião do G7, grupo que reúne nações democráticas mais ricas do mundo: Estados Unidos (EUA), Canadá, Reino Unido, França, Alemanha, Itália e Japão. O presidente também esteve na conferência da Organização Internacional do Trabalho (OIT), realizada na Suíça.

Foi a primeira manifestação do presidente a respeito do mérito do projeto. Nesta semana, os deputados aprovaram um regime de urgência para o projeto, o que coloca a proposta diretamente na pauta do plenário da Câmara sem análise pelas comissões, acelerando a tramitação.

Caso a lei seja aprovada, o aborto seria equiparado ao homicídio simples, do artigo 121 do Código Penal. A pena, nesse caso, varia entre 6 e 20 anos de prisão. No caso do estupro, citado no artigo 213 do Código Penal, a pena mínima é de 6 anos quando a vítima é adulta, mas pode chegar a 10 anos.

Para virar lei, o texto ainda precisa ser aprovado pelos deputados e, também, pelo Senado; e, posteriormente, sancionado pela Presidência da República. Rodrigo Pacheco (PSD-MG) já disse que, se o tema chegar ao Senado, não será tratado com pressa.

Lula declarou que, por estar na Europa, não acompanhou os debates no Congresso, mas que pretende receber mais informações sobre o tema. O presidente defendeu a legislação atual, que assegura à vítima de estupro o direito de interromper a gravidez. O aborto é crime no Brasil, mas há situações em que a prática é permitida.

“Tenho certeza de que o que tem na lei já garante que a gente aja de forma civilizada para tratar com rigor o estuprador e para tratar com respeito a vítima. É isso que precisa ser feito”, afirmou Lula.

Do g1

Após a Justiça proibir o governo de Pernambuco de retirar o muro que dificulta o acesso à praia no Pontal de Maracaípe, no Litoral Sul do estado, a Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH) notificou, pela segunda vez, o proprietário do terreno sobre o cancelamento da autorização para manter a estrutura.

A notificação foi entregue na sexta-feira (14) por três servidores do órgão ambiental ao advogado e empresário João Fragoso, em seu escritório, no bairro do Rosarinho, na Zona Norte do Recife.

O documento, assinado pelos cinco diretores da CPRH, notifica extrajudicialmente o proprietário, listando como justificativas argumentos contidos no relatório do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), divulgado na audiência pública da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), realizada em 23 de maio, e detalhado pelo g1.

Na “decisão de diretoria plena”, a CPRH cita “questões de fato, técnicas e jurídicas apontadas no relatório de vistoria do Ibama”, incluindo trechos do relatório do órgão ambiental federal:

  • “Inexiste erosão costeira que justifique a construção e permanência do muro de contenção instalado no pontal de Maracaípe”;
  • O muro está em área em que não é possível construir por questão de segurança (non aedificandi), “impedindo desova de tartarugas e causando poluição ambiental”;
  • E “impedindo o livre acesso à praia e agravando o risco de intensificação de processos erosivos em áreas adjacentes”.

A decisão encaminhada ao advogado João Fragoso refere-se à autorização para a manutenção do muro e permanência da construção, que vale até setembro deste ano.

No mesmo documento, a CPRH reconhece que, apesar da nova determinação para retirar a barreira, a autorização anterior é válida até que haja uma decisão judicial sobre o assunto, ou até que acabe o prazo da licença ambiental.

Após receber a segunda notificação da CPRH, o empresário questionou a iniciativa do órgão ambiental e disse que vai aguardar a decisão da justiça sobre o caso.

“A Justiça cancelou o cancelamento. Eu pedi para fazer o muro de contenção, a CPRH autorizou, eu paguei as taxas todinhas, a CPRH determinou como ia ser feito. Gastei quase R$ 1 milhão e agora diz que tem que derrubar? Não é assim não”, afirmou João Fragoso, que justifica a necessidade da construção com um estudo da agência ambiental, publicado em 1998, sobre a região de Maracaípe.

O empresário diz que utilizou estudos da CPRH para mostrar o assoreamento da foz do Rio Maracaípe e que cumpriu todas as exigências da agência, incluindo todos os monitoramentos exigidos que, segundo ele, custaram R$ 40 mil, cada.

“Fiz três relatórios de monitoramento detalhados sobre a situação da área do Pontal de Maracaípe desde que o muro de contenção foi instalado. O muro de contenção tem 250 metros, como foi exigido pela CPRH. O resto do terreno tem um cercamento com coqueiros e eu tive autorização da Justiça para realizar esse cercamento, que tem em toda a praia de Maracaípe”, afirmou Fragoso.

Agência exigiu uso de sacos

Em entrevista concedida ao g1, em seu escritório na Zona Norte do Recife, também na tarde de sexta (14), o proprietário do terreno no Pontal de Maracaípe, João Fragoso, apresentou os documentos de autorização da Agência Ambiental de Pernambuco (CPRH) para a construção do muro.

No documento que autorizou a implementação do muro de troncos, de 15 de julho de 2022, a CPRH atestou que o projeto “enquadra-se na atividade ‘.8.1 (F) Muro de Contenção, da Lei Estadual nº 14.249/2010 e suas alterações”.

“O objetivo é a implantação de obra de contenção marítima no Pontal da Praia de Maracaípe, especificamente de fronte a propriedade do Sr. João Vita Fragoso de Medeiros, com execução de muros sem a utilização de pedras ou alvenaria, os únicos materiais autorizados são troncos de coqueiro e sacos de ráfia com areia, numa extensão total de 250 metros lineares ou menor, visto que o mesmo só poderá ser realizado até o limite da área que visualmente está sob efeito da erosão”, diz o texto da autorização.

Confira

Em outro ponto do documento de autorização, em que trata das exigências, o órgão ambiental fala explicitamente sobre:

  • “Executar a obra utilizando apenas troncos de coqueiro, e sacos de ráfia preenchidos com areia, não sendo permitida a alteração ou expansão sem autorização prévia da CPRH”;
  • “Apresentar monitoramento trimestral do balanço sedimentar (positivo e/ou negativo) do local das intervenções, durante os 12 primeiros meses após a conclusão da obra, confrontando com a situação original e contendo levantamento topográfico com seu respectivo relatório”;
  • “Qualquer poluição causada pela intervenção, como por exemplo resquícios de sacos de areia na praia, devem ser imediatamente sanados pelo requerente”;
  • “Manter a área sinalizada durante toda a execução da obra, a fim de evitar acidentes”, entre outras exigências, como localização de banheiros químicos durante a instalação do muro, proibição de intervenções na faixa de areia e fixação da autorização ambiental em local visível.

Já na autorização para a manutenção da construção, emitida em 29 de setembro de 2023 e válida até 28 de setembro de 2024, além de permitir o trabalho, a CPRH descreve os materiais que devem ser utilizados:

  • “Executar a manutenção do muro de contenção utilizando apenas troncos de coqueiro, sacos de ráfia preenchidos com areia e malha de bidim, não sendo permitida a alteração ou expansão sem prévia anuência da CPRH”;
  • “Caso necessário o uso de materiais provenientes de jazidas minerais, como descrito no projeto e memorial descritivo, faz-se necessária a prévia autorização da CPRH, bem como a comprovação da empresa de origem do material utilizado”;

Da mesma forma que na autorização para a construção, o documento que autoriza a manutenção aborda a proibição de ocupar a praia, a obrigação de sinalização, a exibição da licença e a apresentação de monitoramento trimestral sobre a situação do Pontal de Maracaípe.

Muro e questão ambiental

  • O muro de troncos de coqueiro foi construído em maio de 2023, com autorização da CPRH, sob argumento de que ele conteria o avanço do mar;
  • Na época, barraqueiros e comerciantes que trabalham na orla criticaram a barreira, dizendo que ela dificultava o acesso das pessoas à praia;
  • Em maio de 2023, um incêndio atingiu barracas na praia, e os comerciantes cobraram uma investigação, por acreditarem que as chamas tiveram origem criminosa;
  • Em maio de 2024, após uma audiência pública, a CPRH voltou atrás na autorização e determinou que os proprietários derrubassem o muro;
  • No dia 6 de junho, a juíza Nahiane Ramalho de Mattos, do Tribunal de Justiça de Pernambuco, proibiu a demolição, afirmando que a CPRH não deixou claro como os donos do terreno haviam descumprido a autorização;
  • Depois disso, o g1 mostrou que um relatório do Ibama apontava que o muro estava provocando erosão e que tinha mais que o dobro do tamanho autorizado pela agência estadual de meio ambiente;
  • O advogado, empresário e agropecuarista João Fragoso, dono do terreno, disse à TV Globo que construiu o muro para assegurar que a área da propriedade não fosse reduzida e para “preservar o meio ambiente”, já que o local acumulava lixo.

O que disse a CPRH

O g1 questionou a Agência Ambiental de Pernambuco (CPRH) sobre os detalhes para a aprovação da construção do muro de contenção com troncos de coqueiro no Pontal de Maracaípe e também se o muro foi aprovado a partir de laudo feito pelo proprietário do terreno.

A CPRH respondeu apenas que recebeu a citação da ação de proibição para derrubar o muro no dia 3 de junho, com a decisão liminar que determina que “se abstenha de realizar qualquer ato tendente à retirada do muro de contenção de coqueiros, bem como do cercamento da propriedade”, e que juntamente com a Procuradoria Geral do Estado (PGE-PE) “está adotando as providências necessárias à contestação da ação proposta pelo empreendedor/proprietário” e mediação do recurso.