FMO - Processo Seletivo 2024

Proprietário quer de volta área onde funciona Faculdade Vale do Pajeú

Por Cláudio Soares*

Cleonildo Lopes da Silva, vulgo ‘Painha’, e a esposa, Alyne Kacia Brito de Araújo Lopes, representantes da Faculdade Vale do Pajeú, viraram réus em processo na esfera civil, em São José do Egito.

O proprietário da área onde está construída a unidade de ensino, José Salviano de Sousa Melo, busca a retomada de sua propriedade devido à falta de pagamento, e iniciou um processo judicial contra os devedores, tornando-os réus na ação por danos morais e materiais.

Presume-se que Cleonildo utilizou a escritura pública do imóvel, mesmo sem o pagamento ao antigo proprietário, para obter empréstimos em bancos ou cooperativas de crédito, isso geralmente ocorre com a garantia do próprio imóvel. O proprietário do imóvel, mesmo que seja diferente do mutuário, precisa estar ciente dessas transações, pois vai impactar na sua propriedade.

Diante da inadimplência imobiliária por parte do comprador, o credor pode buscar medidas legais para recuperar o valor emprestado, inclusive buscando a execução da garantia, que, neste caso, seria o imóvel. Difícil é achar o dinheiro. O proprietário original foi notificado sobre essas ações.

Quando a propriedade for efetivamente restituída ao proprietário de origem devido à inadimplência, o funcionamento da faculdade que está ocupando o espaço pode ser afetado. O proprietário José Salviano tem interesse em continuar com a faculdade ou interessa somente suas terras de volta? E o Banco do Nordeste e a Cooperativa de Crédito vão fazer o que? Óbvio que vão querer seu dinheiro emprestado em seus cofres.

O rapaz da faculdade responsável pela instituição não deve somente aos bancos e José Salviano.

CHEQUE SEM FUNDO

O empresário Cleonildo Lopes da Silva, vulgo Painha, utiliza cheques da esposa que são devolvidos por insuficiência de saldo, sem fundo desde o ano de 2021. Os valores são diversos, entre 150 mil e 126 mil reais. Essa prática é crime e vai resultar em problemas na justiça.

Os cheques em nome de sua esposa, Alyne Karcia Brito de Araújo, foram preenchidos manualmente por ele e foram devolvidos por insuficiência de saldo. O preenchimento e uso de cheques sem saldo vai ter implicações legais na esfera criminal.

Vale registrar que a caligrafia no extenso e numérico no cheque é do esposo (Painha) e a assinatura no verso dos cheques é dele. O cheque foi devolvido por insuficiência de saldo. Os cheques a princípio eram em nome da Faculdade Vale do Pajeú de sua propriedade que ele trocou pelo cheque da sua esposa, no mínimo de má-fé.

As medidas apropriadas para resolver qualquer problema decorrente dessa troca de cheques e o não pagamento foram acionadas junto à delegacia de polícia e, consequentemente, vai chegar ao poder judiciário e ministério público.

As práticas criminosas desse indivíduo são instrumentos de várias ações na justiça, pois não existem somente dois cheques. Existem vários com outros credores. Mais de 25 pessoas passam por essa mesma situação. Ele não tem limite para praticar mentiras, estelionato e calote em muita gente. Em São José do Egito ele se esconde de seus credores. Falam até que está foragido escondendo-se da justiça.

Enquanto isso, vive a ostentar uma vida de rico. Mora em apartamento na cobertura em frente à praia de Boa Viagem, em Recife. Mansão em condomínio fechado, em Gravatá, escritório de luxo na torre Rio Mar e bancando farras para autoridades que, provavelmente, não sabem de seus crimes.

Clique aqui e confira cópias dos referidos cheques já no protesto em cartório. E o número do processo movido por José Salviano referente suas terras. Neste, o valor do prejuízo passa de um milhão e seiscentos mil reais.

*Jornalista

**Os artigos publicados nesta seção não refletem necessariamente a opinião do Blog.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) aproveitou o clima de confraternização do fim de ano e também marcou um evento do governo com o Supremo Tribunal Federal.

O jantar deve acontecer na próxima terça-feira (19), na casa do presidente do STF, ministro Luis Roberto Barroso. Todos os ministros da Corte foram convidados. E há muitos sinais e gestos nesse convite.

O primeiro é o simbolismo da união entre os poderes após o episódio em que o líder do governo, senador Jaques Wagner (PT-BA), ajudou a aprovar a proposta que limita decisões individuais de ministros do Supremo.

Abriu-se ali uma crise, agora já contornada com as indicações e aprovações de Paulo Gonet para a Procuradoria-Geral da República e Flávio Dino para o Supremo. O jantar deve sedimentar a relação pacificada, já que as duas indicações foram “patrocinadas” por ministros do STF.

Jaboatão dos Guararapes - Dengue 2024

Por Magno Martins – exclusivo para a Folha de Pernambuco

De nada adiantou o Governo adoçar a boca do Centrão com a liberação de R$ 10 bilhões em emendas parlamentares. No primeiro teste de fidelidade, ontem, o Governo levou a pior em duas votações. Na primeira, no veto ao projeto sobre o marco temporal, a derrubada foi liderada e articulada pela bancada do agronegócio, contrária a ampliação de demarcações de terras indígenas no País.

Na Câmara, o veto foi derrubado por 321 votos a 137 e uma abstenção. No Senado, foi rejeitado por 53 votos a 19. Para a derrubada de um veto, são necessários votos de 257 deputados e 41 senadores. Na segunda, o Congresso derrubou por 60 votos a 13 no Senado e 378 votos a 78 na Câmara dos Deputados o veto do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à desoneração da folha de pagamento.

Com a medida, o benefício para 17 setores da economia, que deixaria de valer em 31 de dezembro, foi prorrogado até 2027. O impacto aos cofres públicos será de ao menos R$ 18,4 bilhões em 2024. O governo Lula falhou em negociar uma proposta alternativa proposta pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT). O chefe da área econômica demorou para articular sobre o tema e não conseguiu chegar a um acordo com a classe empresarial.

Na maior derrota do governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e do ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), o Congresso derrubou 9 vetos presidenciais na mesma sessão de ontem. Haverá limitação para o Planalto em 2024 fazer investimentos. As votações foram por ampla margem de votos contrários à administração lulista.

No caso da desoneração da folha de pagamentos para empresas de 17 setores da economia e para prefeituras de cidades com até 142 mil habitantes, o placar no Senado foi de 60 votos contra o Planalto e só 13 a favor. Na Câmara, foram 378 votos contrários e apenas 78 a favor. A derrubada da oposição de Lula a esse instrumento produzirá uma despesa extra de R$ 18,4 bilhões. Isso é mais da metade do que os R$ 35 bilhões estimados pelo governo em receitas extras com a MP 1.185 (a que acaba com subvenção a empresas para pagar menos impostos).

Na quarta-feira passada, o pagamento de emendas parlamentares atingiu um novo ápice nesta semana. De acordo com o sistema Siga Brasil, o governo Lula desembolsou nos dias 11 e 12 de dezembro um recorde histórico para apenas 48 horas de R$ 9,9 bilhões em emendas ao Orçamento propostas por deputados e senadores.

Com isso, o governo chega a R$ 39 bilhões pagos em emendas no ano de 2023. O valor inclui restos a pagar de emendas que haviam sido apresentadas por congressistas em mandatos anteriores.

Petrolina - Bora cuidar mais

E agora, quem vai indenizar Paulo Magnus?

É atribuída ao grande líder pacifista americano Martin Luther King, Prêmio Nobel da Paz, a declaração de que a injustiça num lugar qualquer é uma ameaça à justiça em todo o lugar. Já Rui Barbosa disse que a justiça que comete injustiça não é justiça, é uma justiça cega, porque fecha os olhos para um dos lados.

Isso me veio à luz da reflexão, ontem, ao saber que o empresário gaúcho, mas já com sotaque pernambucano Paulo Magnus, diretor-presidente da MV, uma megaempresa multinacional brasileira, premiada no mundo inteiro em projetos de transformação digital da saúde, foi inocentado por um crime que nunca cometeu.

Magnus caiu injustamente nas garras da Polícia Federal em Pernambuco, em setembro de 2020, chegou a ser preso por dez dias, teve seus bens e recursos penhorados, em razão de uma ação de investigação deflagrada pelo Ministério Público Federal e a Polícia Federal que nunca teve uma só prova ou indício de seu envolvimento em supostos crimes na gestão de hospitais de campanha da Prefeitura do Recife.

Em junho deste ano, o juiz federal titular da 13ª Vara Federal, César Arthur Cavalcanti de Carvalho, rejeitou a denúncia, sob o fundamento de que inexistia prova de cometimento de qualquer dos delitos apontados pela acusação, mas o MPF recorreu da decisão ao TRF5.

O recurso foi levado a julgamento na última terça-feira, perante a 7ª Turma do TRF5, tendo sido relatado pelo desembargador federal Paulo Cordeiro. O advogado Luiz Guerra, do Urbano Vitalino Advogados, na defesa de Paulo Magnus, sustentou oralmente pela manutenção da rejeição. No desfecho, o Tribunal negou provimento ao recurso, mantendo a rejeição da denúncia, confirmando a decisão de primeiro grau. “A decisão do TRF ratifica a exigência de justa causa para o manejo da ação penal. O processo penal deixa profundas chagas na vida do acusado. Por isso, é necessário zelo na acusação”, afirmou o advogado Luiz Guerra.

É incrível que, sem uma prova sequer, o MP acuse alguém pelos crimes de falsidade ideológica, uso de documentos falsos, fraudes em licitações e peculato. Mesmo declarando-se inocente, Paulo Magnus passou por um grande vexame e humilhação. Sua empresa, líder no segmento no Brasil e até no exterior, ficou com a imagem manchada.

E agora, Ministério Público Federal, quem vai pagar esse enorme prejuízo do empresário, limpo, honrado e extremamente conceituado, que opera no País um trabalho de filantropia por excelência? Paulo Magnus dedica parte importante do tempo no seu trabalho a entidades filantrópicas na área de saúde como uma retribuição a tudo que conquistou, consequência dos ensinamentos do seu pai.

Em Pernambuco, desenvolve várias ações filantrópicas, com destaque para a cessão do prédio do Hospital Guararapes, de sua propriedade, cedido gratuitamente para uma Instituição filantrópica (IAAL) atender pacientes do SUS. Sua empresa, a MV, ainda fornece os sistemas gratuitamente, para este hospital e o Memorial Jaboatão. Na verdade, isso lhe poderia render R$ 400 mil ao mês, R$ 5 milhões por ano ou 100 milhões em 20 anos.

Quem faz isto, nos deixa a certeza de que jamais poderia cometer crimes nem desviar um só naco de recursos públicos.

O desabafo – Diante de tudo isso, Paulo Magnus é, hoje, um homem profundamente inconformado com tudo que aconteceu. “Enfrentei tamanha agressão com muita resiliência e fazendo o que sempre fiz. Lideramos a tecnologia em saúde de toda a América Latina, mantemos em Pernambuco mais de 50% de nossos dois mil funcionários, antes da aquisição da Maida, que gerou mais 900 empregos. Em Pernambuco, apesar de faturarmos apenas 5% das nossas receitas, mantemos 50% dos servidores da empresa. Escolhi Pernambuco para viver e empreender, abdicando do Sul e de São Paulo, onde temos mais de 50% de nossas receitas. Eu e a MV já recebemos mais de uma centena de prêmios como melhor prontuário da América Latina, melhor empresa e como mais influente empresário, como recebi na última terça-feira em São Paulo”, desabafou.

Estilo truculento – Apesar do saber jurídico por excelência, o ministro Flávio Dino foi aprovado para o Supremo Tribunal Federal com o não de 31 senadores. O que se diz em Brasília é que a baixa votação se deu pela chatice, arrogância e petulância. Mais do que isso, por ter um estilo truculento, inadequado para a função mais nobre de juiz da suprema corte da justiça brasileira.

Derrota vergonhosa – Apesar de ter adoçado a boca do Centrão com a liberação de R$ 10 bilhões em emendas parlamentares, o Governo sofreu, ontem, nova derrota no Congresso. Deputados e senadores rejeitaram o veto do presidente Lula (PT) ao projeto sobre o marco temporal. A derrubada foi liderada e articulada pela bancada do agronegócio, contrária a ampliação de demarcações de terras indígenas no País. Na Câmara, o veto foi derrubado por 321 votos a 137 e uma abstenção. No Senado, foi rejeitado por 53 votos a 19. Para a derrubada de um veto, são necessários votos de 257 deputados e 41 senadores.

Bola cantada – O governo já havia precificado a derrubada. O líder do Governo no Congresso, Randolfe Rodrigues (sem partido-AP), afirmou que o Executivo estava “consciente” de que havia maioria pela rejeição. A tese do chamado marco temporal, defendida por proprietários de terras, estabelece que os indígenas somente teriam direito às terras que estavam em sua posse em 5 de outubro de 1988, data da promulgação da Constituição Federal, ou que estavam em disputa judicial nesta época.

CURTAS

LADEIRA ABAIXO – O Congresso derrubou, ontem, por 60 votos a 13 no Senado e 378 votos a 78 na Câmara dos Deputados o veto do presidente Lula (PT) à desoneração da folha de pagamento. Com a medida, o benefício para 17 setores da economia, que deixaria de valer em 31 de dezembro, foi prorrogado até 2027. O impacto aos cofres públicos será de ao menos R$ 18,4 bilhões em 2024.

FALHA NA ARTICULAÇÃO – No veto da desoneração, o governo Lula falhou em negociar uma proposta alternativa feita pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT). O chefe da área econômica demorou para articular sobre o tema e não conseguiu chegar a um acordo com o setor empresarial.

Perguntar não ofende: Até quando o Centrão vai se manter infiel ao Governo, mesmo com tamanha montanha de dinheiro liberado em emendas?

Ipojuca - App 153

O deputado estadual Jarbas Filho (MDB) celebrou o anúncio da governadora Raquel Lyra (PSDB), que no próximo sábado estará em Bonito, assinando a ordem de serviço da PE-109, trecho que liga o município à São Joaquim do Monte. O pedido de requalificação da rodovia foi uma das primeiras indicações do parlamentar ao Governo do Estado, feita em 14 de fevereiro.

A PE-109 recebe o nome de Massilon Pessoa Cavalcanti e é de extrema importância para o escoamento da produção agrícola da região, que também tem grande circulação turística, além da mobilidade do tráfego local.

“Na nossa indicação, feita em fevereiro à governadora Raquel Lyra, solicitei a realização de serviços como recomposição da base, restauração do asfalto, recuperação do sistema de drenagem e das sinalizações horizontal e vertical. Estou muito feliz em ter esse pedido feito por nosso mandato atendido pelo Governo do Estado. Bonito ganhará muito”, afirmou Jarbas.

Citi Hoteis

O Tribunal Regional Federal (TRF) da 5° região retomou, ontem, o julgamento do pedido de reintegração de posse sob a Aldeia Caípe, na Serra do Ororubá, terra indigena Xukuru localizada no município de Pesqueira. Após um novo pedido de recurso da parte que está requerendo o direito a terra, porém do contrário ao pedido, o placar de votação dos desembargadores presentes foi favorecido ao Povo Xukuru, que sai vitorioso de uma batalha que vinha sendo travada há 30 anos.

Caípe tem uma área de 300 hectares que está dentro do coração do território já demarcado, homologado e registrado como bem da União de usufruto exclusivo do povo Xukuru desde 2001. O pedido de reintegração de posse da aldeia Caípe já era uma das mais antigas ações judiciais a tentar anular a homologação de um território indígena com base na tese do marco temporal. A área é cultivada e tem uma representação histórica fundamental para os moradores.

Entre pedidos de vistas dos desembargadores e mobilizações pacíficas dos movimentos indígenas, sociais e de direitos humanos diante da repercussão do caso, o resultado é a favor da vida, existência e luta de todos os povos indígenas do Brasil.

Cabo de Santo Agostinho - Refis 2023

Pré-candidato do PT à Prefeitura do Jaboatão dos Guararapes, Elias Gomes esteve reunido, na tarde de hoje, com o presidente municipal do Solidariedade, Maurício Bezerra. Em pauta, a união de forças e lideranças políticas do campo progressista-democrático na cidade com foco na construção de uma ampla frente partidária para as eleições de 2024.

Elias foi convocado pelo presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), para disputar o Executivo Municipal, e formar uma aliança em contraponto à atual gestão, com foco na elaboração de um projeto de reconstrução da cidade. Para tal, disse Elias, a presença do Solidariedade no grupo “vai ser muito importante na viabilização de uma robusta base político-eleitoral”.

“Tivemos uma conversa bastante proveitosa com o presidente do partido no Jaboatão, Maurício Bezerra, que desde o primeiro momento entendeu a necessidade de unirmos esforços em prol da reconstrução da cidade e em benefício do povo”, ressaltou Elias.

Caruaru - Geracao de emprego

No último mês de maio, o deputado estadual Izaías Régis solicitou ao Governo do Estado, por meio da Secretaria de Saúde, a implantação de leitos de UTI Pediátrica em Garanhuns. O parlamentar informou hoje, através das suas redes sociais, que segue acompanhando essa demanda para que possa ser concretizada e mudar a atual realidade da urgência pediátrica no município do Agreste e região.

Belo Jardim - Patrulha noturna

O presidente da Assembleia Legislativa de Pernambuco, deputado Álvaro Porto, comemorou, hoje, o anúncio da assinatura, pelo Governo do Estado, da Ordem de Serviço da reconstrução da PE-109, ligando Bonito ao Trevo de Formigueiro, passando pelo Distrito de Alto Bonito. A assinatura está agendada para acontecer neste sábado.

No final de abril deste ano, Porto solicitou audiência à governadora Raquel Lyra, para apresentar o pedido de recuperação da rodovia. No encontro, o deputado esteve acompanhado de Lázaro Figueiredo, presidente da Yazaki Mercosul, multinacional japonesa que tem unidade de componentes automotivos instalada na PE-109, em Bonito.

Na época, a governadora se comprometeu a agilizar melhorias na rodovia. A Yazaki de Bonito produz chicotes elétricos para fábrica da Jeep e Fiat, em Goiana (Mata Norte).

Participou também da audiência, ocorrida no Palácio do Campo das Princesas, o vereador de Bonito Walter Maroja. A reunião aconteceu logo em seguida à visita institucional que o presidente da Yazaki Mercosul fez a Álvaro Porto, na presidência da Alepe.

“Esta recuperação da PE-109 é solicitação antiga da população e das lideranças políticas de Bonito. Trabalhamos em favor do restauro desta rodovia que corta o perímetro urbano da cidade e é também endereço de escola técnica estadual e de estabelecimentos industriais e comerciais. Ou seja, é via importante para o trânsito, para o acesso a cidades vizinhas e também para o escoamento de produtos industriais”, disse Porto.

Vitória Reconstrução da Praça

A bancada do PSB na Câmara solicitou formalmente ao presidente Lula que Ricardo Capelli seja efetivado como ministro. A informação foi dada pelo líder do partido na Câmara, deputado Felipe Carreras (PSB-PE), em café com jornalistas hoje.

Carreras afirmou que o pedido foi feito por meio da Secretaria de Relações Institucionais. A bancada defende que o atual secretário-executivo do Ministério da Justiça seja efetivado no cargo. A princípio, a resposta ao pedido teria sido de que: “a definição será do presidente Lula”.

A avaliação do PSB é de que o partido já perdeu espaço na acomodação do Centrão na Esplanada dos Ministérios. Na ocasião, o partido perdeu o Ministério de Portos e Aeroportos – entregue ao Republicanos. O então ministro Marcio França ganhou uma nova pasta – a do Empreendedorismo – mas ela foi desmembrada do Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio, que já era do partido.

No pedido endereçado a Lula, os deputados afirmaram que a competência de Capelli já foi testada, quando assumiu interinamente a Secretaria de Segurança do Distrito Federal – quando ocorreu uma intervenção federal após os atos do dia 8 de janeiro – e o Gabinete de Segurança Institucional – após a demissão do general Gonçalves Dias.

Os parlamentares aceitam até mesmo o desmembramento do ministério em duas pastas: a da Justiça e da Segurança Pública. Desde que Capelli ocupe uma delas. Hoje, em visita ao Supremo Tribunal Federal, o ministro Flavio Dino negou que haja debate dentro do governo para dividir as pastas.

A Câmara Federal decidiu, hoje, manter um dos vetos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao texto do arcabouço fiscal. Esse é o veto ao dispositivo que limitava o contingenciamento de investimentos do governo.

Um outro veto de Lula ao arcabouço, no entanto, foi derrubado pelo Congresso. É o dispositivo que impede o governo de retirar despesas do cálculo para atingir a meta fiscal. Há um acordo entre os deputados que pode derrubar esse veto.

O Congresso analisa nesta quinta uma série de vetos do presidente Lula a trechos de projetos aprovados por deputados e senadores. Para um veto ser derrubado, é preciso o aval da Câmara e do Senado, que votam em separado. Se uma das casas mantiver o veto, ele não poderá ser derrubado, mesmo se a outra casa legislativa não concordar.

O ministro da Justiça, Flávio Dino, aprovado para ocupar uma vaga de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), disse, hoje, que deve tomar posse em 22 de fevereiro. A previsão foi após reunião com o presidente da Corte, ministro Luís Roberto Barroso.

Segundo Dino, o encontro foi a convite de Barroso, para “agradecer a acolhida fraterna” dos integrantes do Supremo. “Ao mesmo tempo, começamos a tratar dos detalhes práticos destinados à posse que ocorrerá após, na segunda quinzena de fevereiro, provavelmente no dia 22 de fevereiro”, disse.

O ministro afirmou que pretende permanecer à frente do Ministério da Justiça para fazer uma transição. No entanto, tem um encontro com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nesta tarde para saber como ele “está vendo esses prazos”.

“Haverá o recesso no Judiciário e eu tenho que fazer um processo de transição relativo ao Ministério da Justiça, que depende evidentemente das orientações e determinações do presidente da República. Eu estou indo lá, exatamente agora, ao Palácio do Planalto, para também me informar com o presidente sobre como ele está vendo esses prazos”, disse.

“Mas o certo é que é necessário um período, pela delicadeza do trabalho do Ministério da Justiça, que haja um momento em que uma nova equipe possa ali se instalar e dar continuidade aos temas que ali são conduzidos”, continuou. Dino disse que deve permanecer no ministério por mais duas ou três semanas. E como é senador, pretende permanecer na Casa até a posse no Supremo.

Por Juliana Albuquerque – repórter do Blog

Embora o Tribunal de Contas do Estado tenha anunciado, em março deste ano, que conseguiu cumprir a meta estabelecida pelo órgão fiscalizador pelos últimos dez anos, de zerar o número de lixões a céu aberto nos 184 municípios pernambucanos, uma cidade ainda se encontra com um lixão em pleno funcionamento.

Em Trindade, apesar da resolução do TCE, que dispõe sobre os procedimentos de contratação e controle da prestação dos serviços públicos de limpeza pública urbana e manejo de resíduos sólidos urbanos, instituídos a partir da Política Nacional de Saneamento Básico e da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), o lixão a céu aberto continua em plena operação.

O descumprimento da PNRS pode acarretar em penalidades para a gestão do município, já que, além de crime ambiental, a cidade recebe o ICMS Socioambiental pelo descarte de lixo em local regular, o que pelas imagens, não acontece em Trindade.

Hoje, durante a solenidade de abertura da loja Assaí Atacadista Benfica, no bairro da Madalena, a governadora de Pernambuco, Raquel Lyra, esteve presente ao evento e foi recebida pela diretoria da rede atacadista, comandada pelo presidente da empresa, Belmiro Gomes.

Além da abertura da unidade da Madalena, amanhã (15) a rede inaugura a primeira loja em Olinda, na região metropolitana da capital. Assim, pelo quinto ano consecutivo, o Assaí Atacadista abre novas unidades no Estado de Pernambuco. Com essas duas lojas, a Companhia chega a 14 unidades no estado, nas cidades de Recife, Cabo de Santo Agostinho, Camaragibe, Caruaru, Garanhuns, Jaboatão dos Guararapes, Paulista, Petrolina, Serra Talhada e Olinda. Além de ser a sede do escritório regional do Assaí no Nordeste, responsável pela operação de 81 unidades da rede.

O deputado estadual Mario Ricardo (Republicanos) oficializou, hoje, o seu rompimento com a atual prefeita de Igarassu, Professora Elcione, que ele apoiou em 2020 para o comando da cidade.

Dentre os motivos apresentados pelo parlamentar, que também informou estar indo para oposição no município, estão a falta de lealdade e compromisso da atual gestão para com os aliados e, principalmente, a população de Igarassu. Clique aqui e confira o pronunciamento na íntegra!

No tradicional café da manhã de final de ano com os trabalhadores da limpeza urbana, o prefeito de Araripina, Raimundo Pimentel, anunciou uma série de benefícios para os servidores da categoria. Durante o evento, que contou com a presença do vice-prefeito Evilásio Mateus, do secretário de Obras e Infraestrutura, Lucas Amorim, do vereador Evandro Delmondes, entre outros secretários e servidores, o prefeito destacou a importância do trabalho dos profissionais de limpeza urbana para a cidade.

Em sua fala, o prefeito Pimentel expressou seu reconhecimento: “Nossa cidade deve muito aos trabalhadores da limpeza urbana, que mantêm nossas ruas limpas e organizadas. É essencial que reconheçamos seu esforço e dedicação. Por isso, temos o prazer de anunciar não apenas o pagamento antecipado dos salários antes do Natal, mas também a implementação do bônus de produtividade que pagamos todos os anos a essa categoria. Esse bônus, equivalente a um salário-mínimo, é um pequeno gesto de nossa gratidão pelo trabalho incansável que vocês realizam”.

Além dos anúncios financeiros, o evento incluiu sorteios e outras atividades festivas. A medida de Pimentel, garantindo em mais um ano o bônus equivalente a um salário-mínimo para os servidores da limpeza urbana, foi recebida com grande felicidade pelos presentes, mostrando assim um grande gesto de valorização da categoria.

O superintendente da Sudene, Danilo Cabral, fez uma visita institucional à governadora Raquel Lyra, hoje, no Palácio do Campo das Princesas. Ele estava acompanhando pelos diretores Heitor Freire (Gestão de Fundos e Incentivos Fiscais), Álvaro Ribeiro (Planejamento) e José Lindoso (Administração). Durante a reunião, trataram sobre a atração de investimentos para Pernambuco.

“Essa visita consolida uma relação de natureza institucional entre a Sudene e o Governo do estado. A Sudene tem uma grande participação nos principais empreendimentos implantados em Pernambuco, como o aeroporto dos Guararapes, empresas instaladas em Suape, m saneamento, na transição energética, através dos fundos regionais e dos incentivos fiscais, e nós precisamos dialogar para atrair ainda mais investimentos, gerando emprego, renda e oportunidades no estado”, afirmou Danilo Cabral.

Em Pernambuco, a Sudene viabilizou R$ 4,6 bilhões investimentos neste ano a partir dos incentivos fiscais, dobrando o valor registrado no ano passado. Para 2024, pelo Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE) serão aplicados R$ 4,6 bilhões. De acordo com o superintendente, a visita também foi para compartilhar com a governadora os projetos que são considerados estratégicos para o estado.  Ele citou como exemplo a Transnordestina, como a principal obra estruturadora da região.  “Tratamos também sobre o semiárido, investimentos para o turismo, o polo de confecção. Vamos criar um grupo de trabalho para fortalecer o diálogo técnico entre os dois entes”, disse Danilo Cabral.

A nova gestão da Sudene, desde que assumiu, tem buscado se aproximar dos governadores da região. A primeira agenda institucional de Danilo Cabral foi com o governador da Paraíba, João Azevedo, presidente do Consórcio Nordeste. “O diálogo federativo do governo federal com o Nordeste estava prejudicado na gestão anterior e, agora, avançamos muito na recuperação do papel da Sudene para o desenvolvimento regional”, comentou Danilo Cabral.

A Reforma Tributária, em especial a questão dos incentivos par o setor automotivo, também foi assunto durante o encontro. O texto está em tramitação no Congresso Nacional e pode ser analisado nestes dias. O objetivo é promulgá-lo antes do recesso parlamentar.

A ideia inicial da Reforma era renovar os benefícios fiscais do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), que a princípio valeriam até 2025 somente, para até 2032 nas Regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste para a produção de veículos elétricos e híbridos, o que prejudicaria diretamente o polo automotivo de Pernambuco.

O senador Eduardo Braga, o relator da proposta, ampliou o benefício aos carros a combustão também – mais especificamente os movidos a etanol e os flex, que rodam com álcool e gasolina. “Quem é de Pernambuco e da Paraíba sabe a importância da instalação da Jeep Stellantis para o Nordeste. Existe uma disputa grande do Sul/Sudeste para inviabilizar a manutenção do polo aqui. E nós, todos os estados da Região, estamos unidos para a preservação desses investimentos no estado”, disse Danilo Cabral.