FMO - Processo Seletivo 2024

Filho de Gisa Simões, Danilo se lança candidato a prefeito e cria novo fato político em Afogados da Ingazeira 

Filho do casal Orisvaldo e Gisa Simões, de saudosa memória ex-prefeitos de Afogados da Ingazeira, o bancário Danilo Simões, ainda sem filiação partidária, se transferiu do Recife para sua terra natal com a cabeça no legado político dos pais. Em entrevista gravada, há pouco, para o programa Frente a Frente, ancorado por este blogueiro, Danilo confirmou que será candidato a prefeito de Afogados da Ingazeira. 

E deu até estocadas de leve no prefeito Sandrinho Palmeira (PSB), candidato à reeleição. O Frente a Frente vai ao ar às 18 horas pela Rede Nordeste de Rádio, formada por mais de 40 emissoras em Pernambuco, Paraíba, Alagoas e Bahia, tendo como cabeça de rede a 102,1 FM, no Recife. Se você deseja ouvir pela internet, clique no link em destaque acima ou baixe o aplicativo da Rede Nordeste na play store.

O Plano Plurianual (PPA) é uma lei que define as prioridades das ações que o Governo Federal planeja adotar nos próximos quatro anos para promover o desenvolvimento econômico e social do Brasil. Nesse contexto, o deputado federal pelo PP da Bahia João Leão propôs e teve aprovadas três emendas que fazem parte dessa lei. Elas priorizam a realização de obras de grande impacto, com um custo estimado inicial de R$ 2,5 bilhões, com o objetivo de impulsionar a economia da Bahia e aprimorar a qualidade de vida dos baianos.

As emendas incluídas no PPA criaram três áreas específicas no orçamento, possibilitando assim o direcionamento de recursos públicos para intervenções estratégicas na Bahia, como a construção da ponte Salvador-Itaparica, a duplicação da estrada que liga a ilha de Itaparica ao município de Nazaré (incluindo a ponte do Funil) e a duplicação do trecho rodoviário entre os municípios de Nazaré, Santo Antônio de Jesus e Castro Alves até o entroncamento da BR-242/116, serão 120 KM de duplicações. Essas obras integram um novo sistema viário que conectará de forma mais eficaz a capital baiana ao sul e oeste do estado, reduzindo distâncias e criando oportunidades de desenvolvimento econômico e social na Bahia.

Além disso, João Leão também propôs emendas que foram aprovadas e incluídas na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Por meio da LDO, são estabelecidas as diretrizes para o planejamento da Lei Orçamentária Anual (LOA) e definidas as prioridades e metas para o ano de 2024.

As emendas incluídas na LDO priorizam, para o orçamento federal de 2024, além das intervenções viárias em Salvador e nas regiões sul e oeste da Bahia, ações específicas para a criação dos Batalhões Hidroviários. Esses batalhões, serão grupamentos do Exército Brasileiro, que terão a responsabilidade de realizar atividades para estruturar, manter e preservar os rios navegáveis do país, inspirados no modelo bem-sucedido adotado pelo governo dos Estados Unidos. Inicialmente, essas ações terão foco no trecho do Rio São Francisco na Bahia.

“O objetivo deste projeto é levar todo este trabalho de Bom Jesus da Lapa até Pirapora, Minas Gerais. Transformando o Rio São Francisco em um dos melhores eixos navegáveis do mundo. Vamos disputar com o Rio Amarelo na China e o Rio Mississipi, nos Estados Unidos. É a Bahia e o Brasil caminhando para frente”, enfatizou Leão.

João Leão alocou ainda aproximadamente R$ 40 milhões, por meio de emendas orçamentárias de sua autoria, em benefício de dezenas de municípios baianos na LOA de 2024. Estes recursos serão direcionados principalmente para áreas como saúde, educação, infraestrutura produtiva, segurança pública e assistência social, visando aprimorar os serviços de saúde, investir em educação técnica, melhorar a infraestrutura para escoamento da produção, modernizar equipamentos de segurança e ampliar o acesso aos serviços de defensoria pública.

Antes de partir para um período de férias, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) chamou, na manhã de hoje, alguns de seus auxiliares mais próximos ao Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência da República, para, segundo apurou o Metrópoles, avaliar algumas medidas prioritárias para o ano de 2024 e alguns projetos que serão sancionados ainda em 2023. As informações são do Portal Metrópoles.

Às 9h, o petista recebeu o ministro Alexandre Padilha, das Relações Institucionais, a secretária-executiva da Casa Civil, Miriam Belchior, o secretário especial para Assuntos Jurídicos da Casa Civil, Wellington César Lima, o secretário especial de Análise Governamental (SAG) da Casa Civil, Bruno Moretti, e o chefe do Gabinete-Adjunto de Gestão Interna (GAGI) do Gabinete Pessoal do Presidente da República, Valdomiro Luis de Sousa.

Lula iniciou o período de recesso de fim de ano nesta terça, acompanhado da primeira-dama Rosângela da Silva, a Janja. O casal viajou para a Restinga da Marambaia, no Rio de Janeiro, onde vai passar o Réveillon. Lula ficará recluso na ilha localizada no litoral fluminense, onde a Marinha tem uma base naval. A expectativa é que o petista retorne ao trabalho em Brasília em 3 de janeiro. Durante o período, ele pediu que os ministros não tirem férias.

Mas há exceções. Por meio de despachos, Lula autorizou as férias, até a primeira semana janeiro, dos ministros Esther Dweck, da Gestão e Inovação em Serviços Pública, Flávio Dino, da Justiça e da Segurança Pública; e André de Paula, da Pesca e da Agricultura.

Também em despacho, Lula autorizou o afastamento do ministro do Empreendedorismo, da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, Márcio França, entre os dias 27 de dezembro a 8 de janeiro, para tratar de assuntos pessoais.

Petrolina - Bora cuidar mais

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), figura central do 8 de janeiro por ter sido alvo da medida mais gravosa – o afastamento temporário determinado na intervenção federal – não irá ao evento que vai celebrar a democracia e tentar virar a página dos atos golpistas. Na data, ele estará de férias em Miami, nos Estados Unidos, segundo a assessoria. Ibaneis vai viajar de 28 de dezembro a 15 de janeiro.

O governador está no centro da história que os golpistas tentaram escrever e não conseguiram. A cúpula da Polícia Militar do DF, subordinada ao governo sob comando de Ibaneis, foi presa por omissão e até ajuda a golpistas. As informações são do blog da Camila Bomfim.

Ipojuca - App 153

Por Juliana Albuquerque – repórter do Blog

Entre os assuntos que serão discutidos, na próxima quarta-feira (28), durante a última mesa de negociação do Governo do Estado com os servidores estaduais, que não tiveram um centavo de reajuste salarial neste ano, o Sindicato dos Profissionais em Educação (Sintepe) vai pressionar a Secretaria de Administração sobre o Fundef.

Como já noticiado, o último lote de pagamento referente à segunda parcela dos precatórios, que deveria ter sido pago na última sexta-feira (22), segue sem ser realizado até o momento. Diante disso, além de trazer esse tema para mesa de negociação, exigindo do Executivo Estadual uma data fixa para o pagamento do atrasado, o Sintepe vai cobrar do Governo a divulgação de uma data fixa do pagamento da terceira parcela, no próximo ano.

Em entrevista ao Blog, a presidente do Sintepe, Ivete Caetano, afirma que o Governo tem divulgado sucessivas datas e descumprido o que ele mesmo anuncia, o que é avaliado por ela como desorganização e descaso com os servidores da educação.

“O pagamento do precatório do Fundef é uma conquista de nossa luta, que chegou ao STF. O governo de Raquel Lyra só precisaria manter o cronograma de pagamentos daqueles que têm vínculo e dos que não têm vínculo e resolver as pendências dos herdeiros. É um absurdo que o Governo divulgue diversas datas para resolução dos problemas e na sequência não cumpra com o que diz. O Sintepe tem cobrado todos os dias e vamos cobrar mais uma vez nesta reunião que teremos com a SAD”, disse Ivete.

A dirigente Sindical também informou que manteve conversas com a Secretaria de Educação e recebeu uma nova informação de que o pagamento poderia ser hoje, mas estava dependendo “do sistema” funcionar.

Citi Hoteis

Revista Nordeste

No primeiro ano de seu mandato, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) efetuou trocas pontuais e ajustes em ministérios. Agora, ele se prepara para uma reforma ministerial mais abrangente no início de 2024. Este movimento surge como uma estratégia para o segundo ano de mandato, que coincide com as eleições municipais, um período que tende a reconfigurar o cenário político.

Durante o primeiro ano, Lula focou em avaliar o desempenho de cada ministro, prometendo substituir aqueles que não atendessem às expectativas. Em uma reunião recente, realizada no último dia 20, todos os 38 ministros apresentaram um balanço de 2023 e delinearam suas metas para 2024. Lula fez apenas uma troca de ministro nos primeiros seis meses, substituindo o chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) em maio. Outras mudanças ocorreram ao longo do ano, incluindo substituições no Ministério do Turismo e outras pastas.

Cabo de Santo Agostinho - Refis 2023

Por Juliana Albuquerque – repórter do Blog

Os médicos credenciados ao plano de saúde dos servidores da Prefeitura do Recife, o Saúde Recife, suspendem, a partir de hoje, a realização de exames eletivos prestados nas redes credenciadas. A decisão foi aprovada em Assembleia Geral, realizada na última terça, pela Comissão Estadual de Honorários Médicos de Pernambuco (CEHM/PE) do Sindicato dos Médicos de Pernambuco (Simepe).

Não há previsão de até quando os profissionais vão manter a paralisação, mas, ao que tudo indica, só devem retomar o atendimento após o pagamento dos valores em atraso há 12 meses, assim como quando o valor dos honorários, sem reajuste há mais dez anos, for efetivado.

Em nota, o Simepe afirma que “seguirá firme na cobrança e na luta para que os honorários médicos desses profissionais sejam regularizados”. Procurada, a Prefeitura do Recife, até a publicação deste material, não respondeu ao questionamento enviado pelo Blog. O espaço segue aberto.

Caruaru - Geracao de emprego

A Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco (FIEPE), por meio da sua Unidade Regional do Sertão do Araripe, finaliza o ano de 2023 com diversas ações realizadas pelo seu Conselho Empresarial, na defesa de temas a favor da indústria e que contribuem para o desenvolvimento regional.

Ao longo deste ano, foram realizadas dez reuniões do Conselho Empresarial, quando foram pautados temas como as atualizações das leis ambientais, a viabilidade e os impactos econômicos e ambientais do uso do Gás Natural Liquefeito (GNL) nas indústrias, especialmente do polo gesseiro; e debatidos assuntos sobre a carga tributária e seus efeitos no consumo, bem como ocorreu a participação e o apoio à 8ª Exposição e Feira Internacional das Indústrias de Gesso (ExpoGesso), entre outros.

Em evento de encerramento das atividades do ano, realizado em Araripina, no último dia 12, presidente da FIEPE, Ricardo Essinger, destacou a importância do Sistema FIEPE para a indústria. “O Sistema FIEPE é indispensável para o desenvolvimento das indústrias e estamos aqui para comemorar os resultados deste ano e projetar o ano de 2024 ainda melhor e com muitas conquistas”, afirmou.

O diretor administrativo da FIEPE, Bruno Veloso, destacou o alcance das metas e dos objetivos de todas as casas que compõem o Sistema FIEPE e celebrou o trabalho coletivo em prol das indústrias.

Belo Jardim - Patrulha noturna

Por Juliana Albuquerque – repórter do Blog

Quem esperou o último lote de pagamento da segunda parcela do precatório do Fundef, cujo cronograma divulgado pelo Governo do Estado datava para a última sexta-feira (22), quebrou a cara. E o pior: nenhum atendente sabe informar o que ocorreu. No e-mail criado para repassar as devidas informações, ninguém responde as mensagens enviadas. 

Em agosto, a Secretaria de Educação e Esportes informou que o pagamento da parcela, que corresponde a 30% do precatório do Fundo, seria dividido em seis lotes. O primeiro, começou a ser pago em 25 de agosto. Na época, assim como ocorre neste último, vários beneficiários não receberam. 

A situação é pior para herdeiros, que mesmo com os devidos alvarás, encontram dificuldades para receber o valor que têm direito. Há casos, inclusive, que quando há mais de um herdeiro do mesmo beneficiário, apenas uma parte recebe, deixando de fora o pagamento dos demais. 

No ano passado, quando teve início o pagamento do precatório do Fundef, destinado a uma dívida que a União tem com o Estado e beneficia os profissionais do magistério da educação básica (estatutários, temporários e celetistas) que atuaram na Rede Estadual de Ensino entre 1997 e 2006, o pagamento da primeira parcela ocorreu sem intercorrência. 

Com a mudança de Governo, no início do ano, mesmo com o cadastro de todos os beneficiários devidamente organizado, o Governo Raquel Lyra tem feito da vida dos que têm direito aos recursos um verdadeiro pesadelo com os constantes atrasos nos repasses. 

É que mesmo com a documentação correta, sempre alegam inconsistências como motivo para o pagamento não ocorrer. Não explicam, porém, quais são essas inconsistências e muito menos conseguem precisar quando pagará, mesmo diante da divulgação de um cronograma com os lotes de pagamento. 

Vale lembrar que desde junho o valor referente a segunda parcela do Fundef está na conta do Governo do Estado, portanto, salvo pela incompetência da gestão estadual, nada justificativa as arbitrariedades que têm ocorrido com esse repasse.

Vitória Reconstrução da Praça

Dedico este artigo ao meu colega o maxi poeta Fernando Pessoa, por ter dito que todas as cartas de amor enviadas às nossas musas pela Internet são ridículas, não seriam cartas de amor se não fossem ridículas 

Por José Adalbertovsky Ribeiro*

MONTANHAS DA JAQUEIRA – Todas as crônicas de Natal e Ano Novo são piegas, não seriam crônicas de Natal e Ano Novo se não fossem piegas, assim falou o poeta Fernando Pessoa aos seus discípulos. Aliás, se não falou poderia ter falado, pois ele já disse que todos os torpedos apaixonados enviados às enamoradas via WhatsApp, Facebook e Instagram são ridículos, não seriam torpedos de amor se não fossem ridículos.

O poeta era um fingidor, fingia tão completamente que fingia acreditar deveras na frase gloriosa dos antigos navegadores de que “navegar é preciso, viver não é preciso”. E tudo valia a pena, porque a alma dele não era pequena. A alma do poeta era do tamanho do mar, pois desde a era das navegações “ensinam essas Quinas que o mar com fim será grego ou romano, e o mar sem fim é português”.

O Natal e o Réveillon estão sendo revogados este ano na Faixa de Gaza, nas penitenciárias da Papuda e da Colmeia, na Palestina, na Cracolândia, na Ucrânia, nas fronteiras da Venezuela, na Guiana Essequibo, nas bocas de fumo do Complexo do Alemão, nas prisões da Nicarágua, no Cotel, na Ilha presídio de Cuba, nas filas de benefícios do INSS, na cidade submersa de Maceió, no Mar Vermelho.

O poeta conclama em linha reta: “Ó príncipes, meus irmãos!” “Toda gente que eu conheço e que fala comigo/ nunca teve um ato ridículo, nunca sofreu enxovalho/ nunca foi senão príncipe – todos eles príncipes – na vida”.

Os príncipes decretam e revogam os Natais e Réveillons. São os príncipes dos palácios, das catedrais do poder e dos Diários Oficiais. Eles ditam as leis e os silêncios. E a gente da plebe ignara obedecemos às ordens de Vossas Mercês.

Se eu fosse um cronista piegas escreveria uma mensagem ridícula tipo assim “Natal, o velhote gorducho Noel ho-ho-ho … lero-lero”. Tô fora!

Minha mensagem é o poema “Sêmen celeste”, do poeta e filósofo romano Tito Lucrécio (99.aC – 55.aC):

“Nascemos todos do sêmen celeste; temos todos o mesmo pai/ de quem a terra/ a mãe que nos alimenta/ recebe límpidas gotas de chuva/ e produz o luminoso trigo/ e as árvores viçosas/ e a raça humana/ e as estirpes das feras/ oferecendo os alimentos com os quais todos nutrem os corpos/ para levar uma vida doce/ e gerar a prole”.

PLANETA PALAVRA – Este é o título do meu quarto livro. Edição primorosa da Companhia Editora de Pernambuco – CEPE, deverá ser impresso até o próximo mês. Reúne crônicas da época da Anistia/Diretas, crônicas atuais, quase poesias e digressões talvez filosóficas. Este foi um livro emprenhado com amor e carinho, paixão e compaixão e tesão.

*Periodista, escritor e quase poeta    

Por Maurício Rands*

​Steven Levitsky e Daniel Ziblatt, professores de Harvard, acabam de lançar “Tyrany of the Minority”. O sucesso do “How Democracies Die” animou-os a continuar a reflexão sobre os perigos que ainda rondam a democracia americana. Eles criticam a crença ingênua de que a Constituição americana de 1787 seria perfeita e inerentemente democrática. Lembram que seu texto foi produto de compromissos políticos necessários para que alguns estados, sobretudo os do sul escravocrata, não se retirassem.

Como foram exemplos a cláusula que manteve a escravidão, inscrita como cláusula irrevogável que só foi superada em 1865 pela 13ª Emenda, e a representação desproporcional no Congresso em relação à população dos estados. Ou institutos como a votação indireta para a presidência (via colégio eleitoral) e o senado (que só foi eliminada pela Emenda 17). Ou a vitaliciedade dos membros da Suprema Corte. Ou o sistema do voto distrital.

Os autores analisam as razões pelas quais a Constituição americana tem favorecido a hegemonia da minoria. A começar pela rigidez de reforma, só permitida pelo voto de 2/3 de cada uma das casas do congresso e de 3/4 dos parlamentos dos estados. Mas também por questões econômicas, sociais e políticas que não permitiram a efetiva participação da maioria nas decisões do país. A trajetória do Partido Democrático é exemplo. O partido foi por muito tempo o bastião dos brancos supremacistas que se opunham à extensão de direitos aos afrodescendentes.

​O livro traz uma boa análise sobre as raízes do deficit democrático dos EUA. Que passam por ressentimentos dos que foram deixados de fora dos benefícios da globalização e dos que não se adaptaram à ascensão de imigrantes, mulheres, negros e gays em sua luta por igualdade e legitimação da diversidade. Fenômenos que não ocorrem apenas nos EUA. Mas, nos EUA, os autores identificam duas especificidades. A primeira, o nível de autoritarismo. Enquanto a extrema direita europeia tem se mantido nos limites das regras do jogo democrático, essa não tem sido a prática da direita americana que capturou o Partido Republicano.

Eles mostram como os dirigentes do partido, inclusive o RNC, sua executiva nacional, jamais fizeram a crítica à tentativa de golpe de 6 de janeiro de 2021, cujo inspirador e articulador queria que o colégio eleitoral o declarasse reeleito a partir da substituição das listas dos delegados eleitos pelos estados por listas falsas de algumas delegações. Uma segunda diferença para as democracias europeias é apontada por Levitsky e Ziblatt. Enquanto os partidos de extrema direita europeia têm permanecido na oposição ou no máximo em coalisões, nos EUA os extremistas tomaram controle do governo nacional e assaltaram as instituições.

​A análise deles vai além. Para eles, muitas das causas do deficit democrático americano residem na própria venerada Constituição. Com rigor analítico, eles realçam como suas instituições acabam por permitir que minorias partidárias restrinjam os direitos da maioria e até governem mesmo sendo minorias. O sempre presente risco da tirania da maioria tem sido evitado pelo constitucionalismo democrático e suas cláusulas (pétreas ou superconstitucionais) que defendem direitos fundamentais contra o ataque de minorias conjunturais. E pela atuação contramajoritária que se reconhece às cortes constitucionais. Mas, nos EUA, hoje o problema é o oposto: quem tem governado é a minoria.

Muitos presidentes republicanos perderam no voto popular, mas foram empossados por causa das distorções do colégio eleitoral. Em outros casos, os candidatos votados pela maioria assumem o poder, mas são impedidos de governar. Por causa de instrumentos como o “filibuster” (o bloqueio indefinido das votações no Senado), ou o “gerrymandering” (recorte direcionado da área geográfica dos distritos feitos por legislativos estaduais), ou as regras eleitorais que dificultam os votos dos negros, imigrantes e pobres.

​Depois de ligar essas falhas da democracia americana à própria Constituição, os autores relembram que alguns de seus avanços foram reformas do texto constitucional feitas a partir de intensa mobilização social. Foi assim no chamado período da Reconstrução que se seguiu à Guerra da Secessão, quando os negros conquistaram alguns direitos, ou nos anos 1920, quando as mulheres conquistaram o direito de voto com a Emenda 19, ou no “New Deal” de Roosevelt, ou no movimento pelos direitos civis dos anos 1960.

Em sua conclusão normativa, Levitsky e Ziblatt indicam reformas, inclusive constitucionais, a serem precedidas de movimentos sociais e de mobilização da opinião pública. Chegam a apontar 15 medidas concretas que, embora complexas, eliminariam a tirania das minorias e fariam da americana uma democracia digna dos sonhos dos “founding fathers”. Um democracia multirracial e inclusiva. Basta lembrar que Jefferson e Washington foram explícitos ao esperar que a Constituição sempre fosse atualizada.

*Advogado formado pela FDR da UFPE, PhD pela Universidade Oxford

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva entra em recesso, hoje, e só deve retornar no ano que vem, em 3 de janeiro. O anúncio foi feito durante a abertura da reunião ministerial no último dia 20 de dezembro. O resto da reunião seguiu de maneira fechada.

O portal G1 apurou que o presidente deve passar o recesso na base naval de Restinga da Marambaia acompanhado da família e da primeira-dama, Janja. Durante a última reunião ministerial de 2023, que aconteceu no Palácio do Planalto, Lula elogiou a articulação do governo.

“A gente vai continuar no ano de 2024 com esse mesmo jeito de governar: conversando com todo mundo, perde alguma coisa, ganha outra coisa, mas estabelecer como regra extraordinária a capacidade de conversação, a capacidade do diálogo”, disse.

O diálogo com os partidos e foco nas negociações no Congresso Nacional são apostas do presidente para 2024

“Pobre do governante que acha que pode trocar a mesa de diálogo por uma metralhadora, por um fuzil ou por um canhão. Quando se chega a essa tomada de posição, aí a ignorância venceu a inteligência”, acrescentou.

Com exceção do ministro Carlos Lupi, da Previdência, todos os ministros participaram da reunião de balanço do primeiro ano do governo Lula 3. Também estavam presentes líderes do governo, o assessor especial Celso Amorim e presidentes de bancos públicos, da Petrobras e dos Correios. Lupi foi representado pelo secretário-executivo, Wolney Queiroz.

Folha de São Paulo

O primeiro ano de mandato da governadora de Pernambuco, Raquel Lyra (PSDB), foi marcado por desgaste com deputados estaduais e por acenos ao presidente Lula (PT), mesmo sendo de um partido historicamente adversário ao dele.

Logo no início da gestão, Raquel Lyra desagradou uma parte da Assembleia Legislativa ao montar um secretariado predominantemente com indicações técnicas. Os deputados esperavam fazer indicações no primeiro escalão do governo de Raquel, que se elegeu contando com apenas três deputados do PSDB.

A movimentação não aconteceu, e ela viu seu colega de partido, Álvaro Porto, ser candidato único à presidência da Assembleia com aval inclusive do PSB, partido que foi para a oposição após 16 anos no poder no estado.

A preferência de Raquel Lyra era por uma candidatura do PP, que possui oito deputados e faz parte da base do governo. Mas, como viu Álvaro Porto fortalecido, a governadora optou por não intervir na disputa e evitar eventuais represálias.

Isso não foi suficiente para evitar animosidades entre o Executivo e o Legislativo. Neste ano, Raquel Lyra sofreu derrota também na votação de vetos ao projeto de Orçamento de 2024. Outros projetos de interesse do Executivo tiveram aprovação na Casa, mas com alterações.

Os deputados se queixam da ausência de diálogo nas propostas e do envio de projetos às pressas, segundo eles, pelo Executivo, com pouco tempo para apreciação. Além disso, falam em demora na liberação de emendas parlamentares e recursos voltados para as bases eleitorais, sobretudo no interior.

O governo estadual atribui as dificuldades ao presidente da Assembleia. Para o entorno da governadora, Álvaro Porto pode tentar assumir o poder, já que é o segundo na linha sucessória, ao desgastar a governadora e sua vice, Priscila Krause (Cidadania). Já a maioria da Assembleia defende Álvaro, que endossa a tese da independência do Legislativo.

Raquel Lyra também foi derrotada indiretamente na disputa por duas vagas abertas no Tribunal de Contas do Estado. As indicações cabiam formalmente ao Legislativo, mas o Executivo reclama porque historicamente tinha ingerência nas indicações, o que dessa vez não aconteceu.

Em uma das vagas, o presidente da Assembleia emplacou o sobrinho Eduardo Porto para substituir o próprio pai, Carlos Porto. Já na outra cadeira, o deputado estadual Rodrigo Novaes (PSB) foi escolhido, mesmo filiado a um partido de oposição, após acordo firmado antes da eleição para a presidência da Casa.

A Assembleia ainda antecipou a eleição da Mesa Diretora para o biênio 2025/26 e emparedou a governadora, que agora terá Álvaro Porto na chefia do Legislativo estadual durante seus quatro anos de governo. Reeleito, o tucano temia anteriormente que Raquel Lyra lançasse um outro candidato em 2025 e usasse a máquina estadual para angariar apoio.

No campo político-partidário, Raquel Lyra deixou a presidência do PSDB estadual e indicou o empresário Fred Loyo, um dos financiadores da sua campanha de 2022, para sucedê-la, em outra ação que desagradou Álvaro Porto, que tinha interesse em assumir a função.

Aliados acreditam que a governadora poderá deixar o partido e migrar para uma legenda próxima ao presidente Lula. Entre os partidos cotados estão PSD e MDB. Os dois partidos são aliados de Raquel no plano estadual.

A aproximação de Raquel com Lula gera insatisfações em parte do PL, que segue na base aliada da governadora. Segundo relatos nos bastidores, entre os irritados com a tucana estão o ex-ministro do Turismo Gilson Machado, pré-candidato bolsonarista a prefeito do Recife em 2024, e o deputado estadual Alberto Feitosa.

Nas eleições municipais, Raquel Lyra deve apoiar o secretário de Turismo de Pernambuco, Daniel Coelho (Cidadania), na disputa no Recife contra o atual prefeito João Campos (PSB), que tentará a reeleição.

O governo estadual vê João Campos como favorito, mas quer desgastá-lo. O principal objetivo é levar a eleição para o segundo turno e impedir que João Campos ganhe na etapa inicial. A leitura do entorno de Raquel é que, mesmo se for reeleito, ir ao segundo turno já será um revés para o PSB.

Além de Daniel Coelho, Raquel Lyra não descarta apoiar outro candidato no Recife. Um nome afinado com a governadora é o deputado federal Túlio Gadêlha (Rede), mas o entrave está na federação partidária PSOL/Rede, já que o PSOL —opositor de Raquel— lançou a pré-candidatura da deputada estadual Dani Portela.

Mas Raquel não pretende se engajar nas disputas nos municípios.

O próximo ano é tido como crucial para a governadora. Em 2023, o governo avalia que houve arrumação da casa. No próximo ano, a governadora quer imprimir marcas e superar crises que têm desgastado a gestão, como na saúde e na segurança pública.

Para reagir a críticas, Raquel Lyra anunciou, em outubro, uma reforma no Hospital da Restauração, a maior emergência do estado, com valor de referência máximo para contratação de R$ 23,4 milhões.

Na segurança pública, o governo lançou um plano estadual com dois meses de atraso, com meta de redução de 30% das mortes violentas até 2026. Entre janeiro e outubro de 2023, o estado teve 2.994 mortes violentas, com aumento de 5,4% em relação ao mesmo período do ano anterior.

No primeiro ano de governo, o primeiro escalão de Raquel Lyra teve sete trocas de secretários, incluindo na Segurança. A maioria deles pediu para sair e reclamou de falta de autonomia para exercer as funções.

De mal a pior 

A governadora Raquel Lyra (PSDB) tem andado pelo Interior igual a notícia ruim: todo mundo sabe das suas idas e vindas. Só não sabe dos resultados. A ideia é passar que seu governo, fechando o primeiro ano, é operoso, presente em todos os quadrantes do  Estado. 

O que não é verdade, diga-se de passagem. A tucana, como tenho comentado neste espaço, governa pelas redes sociais. O Estado on-line dela é uma ficção. Nunca vi tanta mentira! Em Afogados da Ingazeira, minha terra natal, entregou títulos de terra, após 365 dias de gestão! Que resultado magnífico, hein?

Encheu a boca para dizer que entregou um tomógrafo ao hospital regional. Mentira! O aparelho, no valor de R$ 1,5 milhão, foi comprado pela OS que administra a unidade hospitalar desde o Governo Paulo Câmara. Em Sertânia, inaugurou um pequeno trecho de estrada, iniciado e quase concluído pelo Governo Paulo Câmara. 

Só por aí, dá para inferir que a mudança de Governo em Pernambuco é balela . De obras verdadeiras, de interesse coletivo, nada. Raquel faz um governo medíocre, sem obras estruturadoras, sem realizações de qualquer natureza. 

Mas estufa o peito e diz que está mudando Pernambuco. Só se for para pior, porque os avanços na educação recuaram, a saúde, que prometeu priorizar, agoniza. Eu ando o Estado inteiro e não encontro nenhum segmento social satisfeito.

Consulte os médicos, os professores, profissionais liberais de qualquer área. Consulte também o mundo jurídico e empresarial. Não conheço uma única voz que saia em sua defesa.

Lula também vai mal – Segundo as últimas três pesquisas de avaliação de gestão, o Governo Lula vai muito mal. Só tem 47% de aprovação, a soma dos índices de ótimo e bom. Quem foi Lula, hein? Em seus dois governos anteriores, o menor percentual de aprovação girou em torno de 70%, o mínimo. Bom governo é resultado da soma de economia em alta com projetos sociais atendendo a maioria da população carente. 

Nordeste salvação – Grudando os olhos nas pesquisas, 70% dos 47% de aprovação do Governo Lula estão localizados no Nordeste, graças ao programa Bolsa Família. Nas demais regiões, especialmente no Sul e Sudeste, Lula capenga. Não consegue chegar aos 20% de ótimo e bom. É por isso que Lula tem feito um discurso de uma nota só, para agradar o Nordeste. 

Agenda nordestina – Nas primeiras semanas de 2024, o presidente Lula pretende visitar vários Estados nordestinos. Suas maiores rejeições na região estão concentradas em Sergipe e Rio Grande do Norte, Estados ainda não visitados por ele. Sergipe, aliás, foi o Estado que o petista teve a menor votação entre todos os Estados. 

Aceno para Zeca – Na passagem por Arcoverde, na semana passada, a governadora tomou café da manhã na casa do ex-prefeito Zeca Cavalcanti, hoje filiado ao Podemos e pré-candidato a prefeito. De lá, depois de fazer juras de amor e lealdade nas eleições do próximo ano, foi abraçar o prefeito Wellington Maciel (MDB), que desponta com uma impressionante rejeição da ordem de 62%. 

O candidato – Em Sertânia, as oposições ao candidato do prefeito Ângelo Ferreira (PSB) devem se unir em torno do vice-prefeito Toinho do Sindicato, que rompeu recentemente com o prefeito. Deve contar com o apoio da empresária Polliana Abreu, principal aliada da governadora Raquel Lyra no município. Só não será candidato se Polliana mudar de opinião e sair candidata. 

CURTAS

MAL ENTRE OS CATÓLICOS – Ao final do primeiro ano do terceiro mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), 32% dos eleitores católicos afirmam que a administração petista é “pior” que a do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). O percentual oscilou 4 pontos percentuais para cima desde janeiro, na margem de erro deste estrato na pesquisa (3,6 p.p.). Os dados são da pesquisa PoderData. 

TRIUNFO – Retomo a rotina de lançamentos da biografia de Marco Maciel amanhã, por Triunfo. Será às 19 horas na Câmara de Vereadores, com apoio do prefeito Luciano Bomfim e do presidente da Casa, Anselmo Martins, ambos do Avante. 

Perguntar não ofende: Inaugurando obras do PSB, Raquel decola?

O Natal bate à porta. A partir deste momento, este blog só volta a ser atualizado à meia-noite de terça-feira, 26.  No lugar das notícias, deixo este texto para reflexão. O Natal nos lembra que a bondade e a compaixão são valores universais. Seu grande e verdadeiro sentido está em fazer o bem sem esperar nada em troca. Jesus é a razão para a temporada. Seu amor, o maior presente, o caminho para vida eterna.

É natural e comum celebrarmos a promessa de um novo começo e a chance de sermos melhores. Faz parte da vida, é próprio da humanidade. Mas a magia do Natal reside, sobretudo, na alegria de dar e não apenas receber, celebrar laços que nos unem. O verdadeiro significado do Natal é encontrarmos o divino dentro de nós e nos outros. A fé e a esperança são os pilares do espírito natalino.

Espero que os leitores deste blog possam enxergar o que está tão claro durante todos os dias do ano, mas que, por tantas vezes, andamos de cabeça baixa e não conseguimos ver. Viva esse clima diferente, que aquece, que conforta. Perceba que o sentido do Natal não está no dar presentes, mas na esperança de que, presenteando alguém, sejamos capazes de fazer alguém mais feliz.

Talvez seja esse o verdadeiro sentido do Natal: tornar-nos sensíveis o suficiente para encontrar na alegria dos outros a nossa própria alegria. A alegria de viver. Charles Chaplin pregou que a vida é maravilhosa quando não se tem medo dela. O grande poeta Fernando Pessoa disse que tudo vale a pena quando a alma não é pequena.

Como ele, às vezes ouço passar o vento. E só de ouvir o vento passar, confesso que vale a pena ter nascido. Apesar da guerra, das más notícias, não sou capaz de matar em mim a simples alegria de viver. Acredite: a alegria evita mil males e prolonga a vida.

Sigmund Freud, o pai da psicanálise, nos ensinou que somos feitos de carne, mas temos de viver como se fôssemos de ferro. Se possível, com poesia, porque toda a poesia – e a canção é uma poesia ajudada – reflete o que a alma não tem. Por isso, a canção dos povos tristes é alegre e a canção dos povos alegres é triste.

Feliz quem não exige da vida mais do que ela espontaneamente lhe dá, guiando-se pelo instinto dos gatos, que buscam o sol quando há sol, como poetizou também Fernando Pessoa. É bom viver, porque viver é começar sempre, a cada instante. Viva pelo prazer!

Nada envelhece tão bem quanto a felicidade! E encontre um grande amor. Minha Nayla Valença, vinda como eu das terras do sol nascente, da Asa Branca e do cantar do Sabiá, é felicidade pura como o reflexo do sol na água.

Um homem pode ser feliz com qualquer mulher, desde que a ame profundamente e até enquanto durar o amor, como recitou Vinicius de Moraes, o poetinha dos mares e das noites cariocas.

Leia, por fim, Mahatma Gandhi, o pai da pátria indiana pela não violência: “A felicidade não está em viver, mas em saber viver. Não vive mais o que mais vive, mas o que melhor vive”.

Feliz Natal e até terça-feira!

O presidente Lula (PT) defenderá a virada de página do ódio e intolerância pelos brasileiros em seu pronunciamento de Natal, que irá ao ar neste domingo (24), véspera da data. O tom do discurso destoa de declarações dadas pelo petista em eventos, que apontam em sentido contrário.

A ideia da fala é passar uma mensagem de união e de otimismo, com balanço da retomada de políticas públicas e a expectativa de melhora na economia em 2024. As informações são da Folha de S. Paulo.

O pronunciamento em cadeia de rádio e TV está previsto para durar ao menos cinco minutos, sendo o mais longo entre os dois anteriores que fez no primeiro ano de seu terceiro mandato. Segundo relatos, Lula gravou três versões de vídeos.

Aliados do presidente lembram que o lema de seu primeiro ano é o da reconstrução e o da união. A véspera do Natal será o ensejo para que o presidente defenda a superação de desavenças políticas dentro das famílias brasileiras.

Lula já vinha pedindo em muitas falas que as famílias deixassem de lado as brigas ideológicas e voltassem a se unir, em particular nas festas de fim de ano.

Essa postura, no entanto, contrasta com outros discursos, no qual mantém ataques ao seu antecessor, Jair Bolsonaro (PL), e seus apoiadores, e assim segue estimulando a polarização política.

A uma plateia de candidatos do partido, no último dia 17, Lula disse: “Não pode aceitar provocação nem ficar com medo. Quando o cachorro late para a gente, a gente não baixa a cabeça, a gente late para ele também”.

Dois dias antes, em inauguração de um contorno rodoviário na BR-101 em Serra (ES), o petista elevou o tom dos ataques e chamou o ex-presidente de “facínora” e “aquela coisa”, além de acusar o adversário político de “usar a fé dos evangélicos”. Lula também já chamou Bolsonaro de “gente ruim” por liderar um governo que “gostava de brigar”.

Na linha de buscar a união, a Secom (Secretaria de Comunicação) lançou campanha neste fim de ano com slogan de “somos um só povo, um só país”, que será reproduzido na mensagem natalina do petista. Dentre os vídeos, há menção à retomada do programa Farmácia Popular, por exemplo, e à reconciliação de um pai e filha, de opiniões diferentes, com a entrada da jovem na universidade.

O chefe do Executivo também deve mencionar os ataques de 8 de janeiro para reforçar que a democracia saiu vitoriosa neste ano, após o atentado às instituições. O governo prepara um grande evento no Senado, com presidentes dos três Poderes e autoridades para marcar o aniversário do evento em Brasília.

Lula também deve seguir a tradição dos pronunciamentos de fim de ano para realizar um balanço das ações. Focará a retomada e novo impulso dado aos programas sociais, como o Bolsa Família e o Minha Casa Minha Vida.

O mandatário repetiu algumas vezes nos últimos dias que o governo já obteve avanços no primeiro ano do terceiro mandato, mas que os resultados principais das “sementes que foram plantadas” ainda não surgiram, indicando um otimismo com o futuro. Esse tom será retomado em seu pronunciamento.

Ainda em relação ao otimismo, Lula vai mencionar as perspectivas para o Brasil em relação à transição energética e a questão ecológica. O governo petista vem alardeando que o país tem a possibilidade de se tornar uma referência nessas questões, uma Arábia Saudita da energia verde.

A primeira-dama Rosângela da Silva, a Janja, não participará do pronunciamento. Nos anos de 2020 e 2021, Bolsonaro inovou ao incluir fala de Michelle Bolsonaro, como maneira de diminuir a sua rejeição. Pesquisas mostravam que a então primeira-dama era bem avaliada pelo público.

Os dois outros momentos em que Lula falou em cadeia de rádio e TV em 2023 foram às vésperas do Dia do Trabalho, 1º de maio, e também antes das festividades do Dia da Independência.

O pronunciamento na proximidade do 7 de Setembro já havia sido marcado pelo pedido de união e superação do ódio. “Amanhã não será um dia nem de ódio, nem de medo, e sim de união. O dia de lembrarmos que o Brasil é um só. Que sonhamos os mesmos sonhos”, afirmou o presidente na ocasião.

Naquele momento, no entanto, não houve uma menção direta aos eventos de 8 de janeiro. Isso porque avançavam as investigações contra militares, e o governo almejava reconstruir uma boa relação com as Forças Armadas.

Neste domingo (24), após a morte do médico e ex-secretário de Pernambuco, Antônio Figueira, o PSB lançou nota lamentando pela partida deste que foi considerado uma das lideranças mais influentes do Estado.

Confira a nota na íntegra

O Partido Socialista Brasileiro (PSB) em Pernambuco manifesta profundo pesar pelo falecimento de Antônio Carlos Figueira, ocorrido neste sábado (23). O médico e professor, que tinha 63 anos, construiu um legado transformador em sua área de atuação, notabilizando-se como defensor da medicina em sua dimensão social e de uma formação humanística dos profissionais do setor.

Antônio Figueira presidiu o Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (Imip) em um período de forte expansão das atividades da instituição. Desde 2021, dirigia a Faculdade Pernambucana de Saúde (FPS), da qual foi um dos idealizadores.

Sua marca como hábil gestor e articulador também se fez presente no setor público. Figueira foi assessor especial de Miguel Arraes na década de 1980. Já entre 1996 e 1998, no terceiro mandato do então governador, foi secretário adjunto de Saúde.

Em 2011, na segunda gestão do governador Eduardo Campos, voltou a contribuir com o Governo do Estado, permanecendo no comando da Secretaria de Saúde até 2014. Já no Governo Paulo Câmara, foi secretário da Casa Civil (2015-2017) e chefe da Assessoria Especial do Governador (2017-2020). Nesse período, também foi membro do Diretório Estadual do PSB.

A partida precoce de um homem com tantos serviços prestados à sociedade nos enche de tristeza, mas também da convicção de que tudo o que ele construiu continuará fazendo a diferença na vida dos profissionais que ele ajudou a formar e do povo que ele ajudou a servir. Nossos votos são para que os corações dos familiares e amigos sejam confortados neste momento de despedida.

Sileno Guedes

Presidente do PSB de Pernambuco