Jaboatão - Espaço vida marinha

Efeito Musk: deputado Coronel Meira prepara “superpedido” de Informação ao governo Lula

Após a discussão acerca da liberdade de expressão, iniciada por um simples questionamento de Elon Musk, proprietário da plataforma X (antigo Twitter), e a reação das instituições brasileiras, o deputado federal Coronel Meira (PL-PE) quer saber a amplitude dos serviços prestados pela Starlink no Brasil. 

Starlink é o projeto da empresa americana SpaceX, que também pertence a Elon Musk, e  mantém uma plataforma de satélites que viabilizam a internet em vários estados com áreas de difícil acesso, como  Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins.

Canais vinculados ao governo, como Brasil 247 e Diário do Centro do Mundo, publicaram que “o ministro da Secretaria de Comunicação da Presidência, Paulo Pimenta, anunciou na última segunda-feira (8), que o governo brasileiro está considerando a revisão dos contratos estabelecidos com a empresa de internet via satélite Starlink”.

“Ainda que o governo tenha desmentido na imprensa a ameaça de interrupção dos serviços, é importante calcular qual o custo da eventual ausência de equilíbrio dos gestores do país. Causa preocupação a possível reação desproporcional da institucionalidade brasileira ante a um simples questionamento, acerca da existência de censura no Brasil”, diz o Coronel Meira.  

No documento, Meira questiona ao Ministério da Agricultura e Pecuária se existe, por parte da pasta, algum estudo ou cadastro de produtores rurais que dependem de internet via satélite, uma vez que em matérias publicadas na imprensa a informação é de que 50% do agro brasileiro utiliza a tecnologia da Starlink.

Questiona ainda se atualmente a tecnologia da Starlink é utilizada pelo Comando Militar da Amazônia, que envolve a 12ª Região Militar que possui hospitais, batalhões, companhias, centros de comando, pelotões, entre outros, e se a Aeronáutica e a Marinha também fazem uso da tecnologia. 

O Requerimento ainda pede informações sobre o Ministério da Educação. Quer saber se o MEC registra o número de escolas em toda a Amazônia Legal que utilizam a internet via satélite da empresa de Elon Musk. No Ministério dos Povos Indígenas, quantas comunidades receberam antenas da Starlink e dependem da tecnologia, quer saber ainda se a Secretaria de Saúde Indígena também utiliza a plataforma. 

Considerando que 90% das cidades da Amazônia Legal possuem antenas da Starlink, o deputado também pediu informações ao Ministério do Empreendedorismo, da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte. Coronel Meira quer saber se o Ministério possui cadastro de comércios que dependem de serviços de pagamentos por cartão de crédito, PIX, serviços de logística e comércio eletrônico, que fazem uso da tecnologia Starlink.

Paulista - Boa praça

Cerca de 1.500 jovens participaram da votação para eleger representantes da sociedade civil e de instituições para atuarem no Conselho Municipal de Políticas Públicas de Juventude do Recife (CMPPJ/Recife), no biênio 2024-2026. O processo eleitoral ocorreu ontem, através do aplicativo e site do Conecta Recife, e foi organizado pela Prefeitura do Recife, por meio da Secretaria Executiva de Juventude (Sejuv). Os jovens sem acesso à internet puderam contar com oito pontos de votação presencial nas Regiões Político-Administrativa (RPAs). 

O CMPPJ-Recife possui 25 assentos, sendo 8 compostos por representantes do governo municipal, 1 do legislativo municipal, 10 de organizações e movimentos sociais e 6 representantes jovens das Regiões Político Administrativas (RPAs).

O Conselho foi criado em 2009, como demanda da 1ª Conferência Municipal de Juventude, com o intuito de fortalecer a autonomia, organização e participação social da juventude, bem como formular e propor políticas afirmativas de promoção e garantia dos direitos da juventude, assim como as diretrizes da ação governamental (lei nº 17.561/2009).

Confira a lista dos eleitos:

RPA 1 

Titular: Marcos Kleyton Antunes Bezerra

Suplente: Adriano Lins Santana

RPA 2 

Titular: Flávia Gabriela Cardoso Costa

Suplente: Fabrício Alexsandro Santos Da Silva

RPA 3

Titular: Samuel Da Silva Tenorio

Suplente: Arthur Figueiroa Escobar Teixeira De Oliveira

RPA 4

Titular: Hivson Iago Martins Silva Xavier

Suplente: Emanuel George Bezerra Da Silva

RPA 5

Titular: Allana Tamires Canuto Gomes

Suplente: Fábio Matheus Virginio Da Silva

RPA 6

Titular: Marcio Wamberto De Souza Castro

Suplente: Wilber Mateus Da Silva

Petrolina - Viva a nossa arte

O ex-ministro do Turismo e pré-candidato a prefeito do Recife, Gilson Machado, participou neste domingo (21) da manifestação pela democracia promovida pelo ex-presidente Jair Bolsonaro. 

Gilson foi escolhido para ser a voz dos políticos nordestinos no palanque. Gilson Machado empolgou toda a multidão com sua sanfona e executou duas músicas compostas em homenagem ao povo brasileiro e ao ex-presidente Bolsonaro.

Num primeiro momento, Gilson Neto exaltou a direita como “o lado certo” da liberdade, independência e fraternidade. Em outro momento, Gilson enalteceu a esperança e o Brasil como “causa maior”.

A manifestação, convocada por Bolsonaro, foi o segundo ato em 2024 organizado pelo ex-presidente e seus apoiadores, tendo como principal objetivo reforçar o apoio a Bolsonaro e a liberdade de expressão em todo o País.

Ipojuca - Minha rua top

Tramita na 1ª Vara Cível da Comarca de Gravatá processo de ressarcimento de danos materiais de imóvel cumulado com indenização por danos morais movido pela proprietária de um imóvel na Cohab 2 contra a primeira-dama do município, Viviane Facundes da Silva, que hoje exerce o cargo de Secretária Municipal de Obras e Serviços Públicos. A professora Lucia Amorim, fiadora da primeira-dama, também é ré no caso.

O blog teve acesso exclusivo a cópia do processo, que é público, e obteve maiores informações sobre o teor da ação judicial.

O imóvel foi alugado em março de 2021, três meses após a posse do prefeito Joselito Gomes (Avante). No fim de março de 2023, o prefeito e sua família deixaram o imóvel sem cumprir clausulas do contrato, especificamente no que diz respeito a manutenção e conservação da residência. Foram constatados danos materiais na estrutura, elétrica e hidráulica da casa, como também na área de lazer, onde o dano foi maior.

Após avaliações feitas por profissionais da área, foi constatado que o dano no imóvel perfaz a soma de R$ 49.565,00. As advogadas da proprietária alegam, no processo judicial, que houve negligência e deterioração do imóvel por parte da primeira-dama. À título de danos morais, as advogadas também pedem o valor de R$ 20.000,00, resultando a ação o valor total de quase R$ 70.000,00.

A resposta da primeira-dama

Em resposta ao blog, a primeira-dama afirma que deixou o imóvel do jeito que encontrou e que a proprietária está criando um fato político. Viviane disse que, desde quando alugou o imóvel, sempre que aparecia algum problema na casa para resolver, ligava para a proprietária para resolver tudo o que tinha que ser resolvido. No entanto, ela destaca que as coisas mudaram em 2023, quando a proprietária ofereceu a casa para vender e a primeira-dama não quis.

“Ela ligou para mim, perguntando se eu tinha interesse, porque se eu não quisesse a casa, ela iria colocar a placa de vende-se. Eu disse para ela ficar à vontade porque eu não tinha interesse em comprar a casa e nem tinha dinheiro”, disse.

A partir daí, segundo Viviane, a proprietária começou a afirmar que ela estava “desqualificando o imóvel”. A primeira-dama fez questão de deixar claro que a proprietária sempre teve acesso ao imóvel, mesmo a casa estando alugada. “Ela surtou quando eu disse que não iria ficar mais na casa e começou a me ameaçar”, reforçou.

Como prova, Viviane nos encaminhou vários vídeos mostrando como deixou a residência antes de sair. “Eu arrumei a casa inteira, inclusive, a pessoa que pintou a casa é indicação dela, porque ele era o jardineiro e o piscineiro de lá. Ele fazia tudo lá. Eu não deixei nada quebrado. Entreguei a casa pronta para outra morar. Não sou irresponsável e entreguei tudo direitinho”.

Confira o compilado abaixo

Segura de sua inocência, a primeira-dama garantiu ao blog que irá acionar a proprietária do seu antigo imóvel na Justiça.

“Ela está criando fato político, vem a oposição querendo me desqualificar porque eu venho fazendo um trabalho que eu tenho reconhecimento da população e isso incomoda. Estão querendo criar um fato, então amanhã, o meu advogado vai entrar na Justiça para processá-la por calúnia porque ela está criando coisas que eu não devo

Ipojuca - Minha rua top

Morreu na manhã deste domingo (21), em uma unidade hospitalar do Recife, o empresário de Santa Cruz do Capibaribe, Edmilson de Moraes, mais conhecido como Milsinho das Tintas Quimilson. 

O empresário era irmão da ex-vereadora de Santa Cruz, Zilda Moraes. Edmilson tinha uma loja de tintas no município. Ele deixa cinco filhos, uma companheira, irmãos e amigos. 

Segundo o blog da Polo, o corpo de Milsinho será velado na residência da família, localizada no bairro Centro, em Santa Cruz do Capibaribe.

Serra Talhada - Saúde

O Museu do Estado de Pernambuco sediará o curso “Introdução à História da Arte: estilos do século XIX e a repercussão em Pernambuco”, que acontecerá entre 22 de maio e 5 de junho. Ministrado pelo professor Carlos Alberto Barreto Campelo, os participantes terão a oportunidade de explorar de forma abrangente os diversos aspectos da arte dessa época, incluindo pintura, escultura e arquitetura, assim como sua interseção com outras formas de expressão artística, como música e literatura.  

Os encontros teóricos acontecerão no auditório do MEPE, das 14h às 17h, e as aulas práticas em locais históricos do Recife do século XIX.  As inscrições são gratuitas e podem ser feitas a partir do link localizado na bio do perfil do museu @museudoestadope  

Vitória Reconstrução da Praça

Quando o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) subiu ao trio elétrico em Copacabana neste domingo (21), vários de seus apoiadores já tinham discursado para os que acompanhavam o ato na capital do Rio de Janeiro, como Nikolas Ferreira e Silas Malafaia. Entre as pautas escolhidas por ele, chamaram atenção as duras críticas à regulamentação das redes sociais, com direito e exaltação ao bilionário Elon Musk como “mito da liberdade”.

Durante o discurso, Bolsonaro destacou a importância da liberdade de expressão e usou sua trajetória política como exemplo do que considera ideal. Em cima do trio, ele mostrou um celular e disse: “Com liberdade de expressão, um telefone desse e um filho ao meu lado como marqueteiro, nós chegamos à presidência da República”. As informações são do site Terra.

Ainda segundo o ex-presidente, a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva em 2022 foi possível a partir do cerceamento da liberdade de expressão. “Sem isso [o celular], com censura, com discriminação, eles fizeram voltar à cena do crime o maior ladrão da história do Brasil”, citando Lula sem nomeá-lo.

Bolsonaro diz que o ‘sistema não gostou’ de sua gestão e ‘passou a trabalhar contra liberdade de expressão’:

Com um tom mais duro, Bolsonaro ainda apontou o atual presidente do Brasil como “amante de ditaduras” e citou o atual conflito envolvendo o Irã. “Elegeram o cara amante de ditaduras, amante do falecido Fidel Castro. Venera o ditador Nicolás Maduro, e está, agora, ao lado do Irã no conflito do outro lado do mundo. Também estiveram ao lado do Hamas. Isso que temos aí é democracia?”, questionou.

Bolsonaro criticou TSE por torná-lo inelegível: ‘Me reuni com embaixadores, não com traficantes’.

No mesmo discurso, Bolsonaro exaltou o bilionário Elon Musk, que vem travando uma disputa com o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal. Depois do deputado Gustavo Gayer (PL-GO) discursar em inglês para que o dono do X ‘escutasse’, o ex-presidente da República o chamou de mito da liberdade.

“Quando estive com Elon Musk em 2022, começaram a me chamar de mito e eu falei: ‘não, aqui sim temos um mito da liberdade: Elon Musk'”, disse.

A ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro (PL) fez um apelo pelo voto nas eleições municipais do Rio de Janeiro e disse que os cariocas precisam “de uma política nova”, de “gente de bem”. O pronunciamento aconteceu durante o ato em favor do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) neste domingo (21), em Copacabana.

“É ano decisivo para o Rio de Janeiro, que vocês possam escolher bem os seus candidatos. Porque nós precisamos de uma política nova. Precisamos de gente de bem, que não vai aprisionar o seu povo”, disse Michelle. As informações são do site Terra.

“Precisamos de gente que tenha projeto de prosperidade para o Rio de Janeiro e não projeto de poder”, afirmou a ex-primeira-dama. “O Rio pertence ao senhor Jesus.”

Michelle optou por um discurso menos inflamado, na comparação com o tom que usou no ato de fevereiro na Avenida Paulista. “Sei que eu falei demais em São Paulo, pastor Silas”, admitiu Michelle.

Na Paulista, ela reclamou de “ataques e injustiças” sofridos por ela e sua família e afirmou que “fomos negligentes ao não misturar religião e política porque “o mal tomou o espaço”.

Michelle também fez críticas ao feminismo. “Mulheres sábias edificam uma nação. E essa mensagem que queremos passar para vocês. Mulheres femininas, mulher fazendo uma política feminina e não feminista”, afirmou.

Na manifestação em Copacabana neste domingo (21), o pastor Silas Malafaia, um dos organizadores do ato em apoio ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), adotou uma retórica agressiva contra autoridades da República, referindo-se ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes como um “ditador com modus operandi” e descrevendo o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD), como “frouxo, covarde e omisso”.

Durante seu pronunciamento, Malafaia afirmou que os demais ministros do Supremo não estão alinhados com as decisões de Moraes e instou os líderes das Forças Armadas a renunciarem aos seus postos até que uma investigação sobre o STF seja conduzida pelo Senado. No entanto, apesar das declarações do religioso, as decisões de Moraes tendem a ser confirmadas pelo plenário da Suprema Corte. As informações são do Estadão.

“Há dois anos, chamo Alexandre de Moraes de ditador da toga. Alexandre de Moraes, quem te colocou como censor da democracia? Quem é você para definir o que um brasileiro pode falar? Todo ditador tem um modus operandi: prende alguns para colocar medo em outros, para que ninguém o confronte”, afirmou Malafaia, acrescentando que o ministro do STF instituiu o “crime de opinião” no País e censurou parlamentares bolsonaristas.

Antes do ato em Copacabana, Malafaia já havia avisado que seu alvo principal seria Moraes. “Meu negócio não é STF, meu negócio é Alexandre de Moraes”, disse ao Estadão. “Vamos mostrar através de fatos o que está acontecendo nesse País.”

Durante o seu discurso no ato pró-Bolsonaro, em Copacabana, na manhã deste domingo (21), o deputado federal Nikolas Ferreira (PL-MG) disse que o Brasil precisa de “mais testosterona” e negou a necessidade de mais projetos de lei e emendas. Num discurso de pouco mais de cinco minutos, Nikolas fez ataques ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva e elogiou o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e o pastor Silas Malafaia.

“Este País não precisa de mais projetos de lei, este País não precisa mais de emenda. Este País precisa de homens com testosterona. É isso que esse País precisa. E eu tenho certeza que é o que esses dois homens (Bolsonaro e Silas) representam”, disse durante o ato. As informações são do Estadão.

Nikolas debochou da baixa presença de petistas em atos pró-Lula, em comparação aos últimos atos. “Hoje o mundo está vendo quem é o verdadeiro líder do nosso País, Jair Messias Bolsonaro. É a primeira vez que temos um presidente da República que não consegue colocar o povo nas suas ruas”, afirmou.

Assim como seu colega deputado Gustavo Gayer (PL-GO), Nikolas agradeceu e pediu aplausos do público ao empresário sul-africano Elon Musk.

O empresário dono da rede social X (ex-Twitter) lançou uma campanha de ataques ao Supremo Tribunal Federal (STF) e ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que motivou apoiadores de Bolsonaro às vésperas da manifestação.

“Aqui eu quero deixar um agradecimento a um homem estrangeiro, Elon Musk, por que ele está fazendo. Porque eu sei que isso aqui vai rodar o mundo e peço uma salva de palmas pela luta pela liberdade no nosso País”, disse.

Nikolas finalizou o discurso com uma mensagem de esperança para o público. “O presente pode ser deles, mas o futuro será nosso”, disse.

Em entrevista ao programa Mesa Redonda, da Rádio Cultura do Nordeste, o atual prefeito de Caruaru e pré-candidato à reeleição, Rodrigo Pinheiro (PSDB), falou sobre a conversa que teve com o também pré-candidato Tonynho Rodrigues (MDB). Pinheiro afirmou que o filho do ex-prefeito Tony Gel queria a vaga de vice na sua chapa e, por isso, não houve acordo. 

A conversa entre eles foi realizada atendendo a um pedido da governadora Raquel Lyra (PSDB). O prefeito também afirmou que foi ofertada ao emedebista uma chapa proporcional competitiva e estrutura futura, o que não foi aceito por Tonynho.

Ainda em relação ao processo para escolha do vice, Rodrigo destacou que Raquel Lyra (PSDB) o deixou livre para escolher com quem deseja formar a chapa. “A própria Raquel foi a primeira a tornar público que eu, Rodrigo, como pré-candidato, estaria livre para escolher o vice que eu quisesse.”, disse o prefeito. 

Enquanto explicava seus critérios para a decisão do vice, Rodrigo também afirmou que o nome já está definido e será uma mulher. Ele ainda não anulou a possibilidade de uma “chapa puro sangue”, composta 100% por políticos do PSDB. “ Não vem dando certo, né? É o que indicam as pesquisas. Toda a aprovação de Raquel, a continuidade e a projeção que a gente tem de investimentos programados por parte do município e também por parte do Governo do Estado. Tudo indica que vamos manter.”, pontuou.

Confira o trecho da entrevista onde o prefeito fala sobre o pedido de Tonynho

O pastor Silas Malafaia, um dos organizadores da manifestação convocada por Jair Bolsonaro, neste domingo (21), disse que seu foco no ato é o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal.

“Meu negócio não é o STF, meu negócio é Alexandre de Moraes. Vamos mostrar através de fatos o que está acontecendo nesse país”, afirmou Malafaia ao Estadão antes de ato em Copacabana, no Rio de Janeiro.

Malafaia tem dito que não teme ser preso por determinação de Moraes e que até preparou vídeos para soltar nas redes, caso ocorra essa decisão.

Aliado de Bolsonaro, o pastor também participou do ato anterior, realizado em 25 de março na Avenida Paulista, em São Paulo. Na ocasião, ele criticou as decisões do STF e em especial do ministro Alexandre de Moraes. 

“Se o pessoal acha que eu fui veemente na minha fala no dia 25 de março, na Paulista, eu vou fazer uma comparação. A minha fala no dia 25 de março foi água com açúcar em relação ao que eu vou falar no dia 21 de abril”, afirmou na quinta-feira.

Nem as fortes chuvas que castigaram a Região Metropolitana do Recife, ontem, atrapalharam o ato de lançamento da pré-candidatura de Paulo Alves a prefeito de Ipojuca. Realizado no loteamento Antônio Dourado Neto, o evento contou com a presença dos pré-candidatos à Câmara Municipal, de diversas lideranças políticas da região e de pessoas vindas de todas as partes do município.

Vice-líder do governo Lula, o deputado federal Waldemar Oliveira destacou a sua disposição de trabalhar em parceria com Paulo Alves: “O nosso mandato está de portas abertas para receber as demandas de Ipojuca. Vamos trazer emendas e ações que de fato melhorem a qualidade de vida desse povo guerreiro”. Emocionado, Paulo Alves falou dos seus planos, a partir de 2025: “Apesar de ter a terceira maior arrecadação do estado, Ipojuca segue o caminho do retrocesso. A nossa cidade precisa recuperar a sua grandeza. Será preciso muito trabalho para reconstruir e transformar”, pontua.

Investigados no inquérito que apura tentativa de golpe de Estado arquitetada durante o governo de Jair Bolsonaro, o general Walter Braga Netto e o presidente do PL, Valdemar Costa Neto, subiram no carro de som da manifestação antes do início oficial do ato, marcado para às 10h.

Ambos estão proibidos pelo Supremo Tribunal Federal (STF) de manter contato com o ex-presidente. O primeiro a falar foi do general da reserva Walter Braga Netto, candidato a vice-presidente na chapa derrotada em 2022. “Agradeço a vocês o carinho com o presidente Bolsonaro e comigo. Continuamos na luta pelo Brasil. Muito obrigada a todos vocês. Tenho que sair”, disse, por volta das 9h. As informações são da Veja.

Minutos depois, Valdemar Costa Neto apresentou diversos políticos do PL presentes na manifestação. O partido do deputado mira as eleições municipais do Rio, um dos berços do bolsonarismo, para se fortalecer.

Por volta das 10h15, subiram no trio elétrico, junto com o ex-presidente, a ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro, o governador do Rio, Cláudio Castro (PL), o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) e os deputados federais Nikolas Ferreira (PL-MG) e Eduardo Bolsonaro (PL-SP), além do pastor Silas Malafaia, um dos organizadores do ato.

Por Hugo Marques*

Desde que seus índices de popularidade começaram a despencar, Lula alterou a agenda, passou a viajar pelo país, anunciou programas de forte apelo popular e convocou um publicitário para cuidar de sua imagem. São muitas as causas que influenciam a desaprovação do presidente — a inação em determinadas áreas, a falta de coesão e a percepção de que o governo é desorganizado e permeado por muitos conflitos políticos. 

Há um ingrediente em particular que, se não tem ajudado a ampliar a impopularidade, tem contribuído muito para dificultar o trabalho dos marqueteiros oficiais: as patacoadas da deputada Gleisi Hoffmann, presidente do PT. Por mais que o Palácio do Planalto tente deixar claro que o governo é uma coisa e o partido é outra, os dois acabam se misturando. Muitas iniciativas partidárias são interpretadas como posições do governo, o que tem provocado confusão, minado os esforços de Lula para tentar se aproximar de determinados setores da sociedade e potencializado estigmas.

Na semana passada, por exemplo, Gleisi estava na China, liderando uma comitiva de 28 petistas. A deputada elogiou a “democracia” do país. Disse, até mesmo, que o modelo deveria ser replicado em outros lugares: “O que eu vejo aqui, inclusive na organização do partido e da sociedade, é uma democracia e uma participação dos estratos mais baixos da sociedade aos mais altos no desenvolvimento do país. Quisera tivéssemos isso nos países em que o capitalismo é o coordenador da economia”. 

A China é governada pelo Partido Comunista há setenta anos, a liberdade de expressão é restrita e fazer oposição ao regime é crime. “Muitas vezes os países adotam sistemas que podem parecer ruins aos olhos de outros para se defender, para poder cuidar de seu povo, já que não encontram solidariedade”, justificou. Elogiar a ditadura chinesa não chega a ser uma novidade para quem já reverenciou as “democracias” da Venezuela e de Cuba, mas é um prato cheio para alimentar teorias conspiratórias do outro lado do espectro político. E, evidentemente, foi o que aconteceu.

Indiferente ao mal-estar que provoca, a deputada costumeiramente usa suas redes sociais e o site do partido como escudos para proteger aliados e como armas para atacar adversários. Um dos alvos prediletos é o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. “Campos Neto tem fundo exclusivo que é afetado por decisões do banco como a definição dos juros. Presidente do BC que usa essas aplicações, burla IR e ganha com a alta do dólar e da Selic, não pode decidir a política de juros do Brasil”, já escreveu Gleisi. 

A petista também acusou a Transparência Internacional, uma entidade reconhecida em todo o mundo por ações de combate à corrupção, de tentar desviar dinheiro recuperado pela Operação Lava-Jato. “As investigações sérias revelaram que a TI foi não apenas cúmplice de Sergio Moro e Dallagnol na perseguição a Lula e ao PT: seus dirigentes tornaram-se sócios nas tentativas da dupla de se apropriar de recursos públicos ilegalmente, o que foi felizmente barrado pelo STF”, escreveu. São imputações graves.

Quando os ataques são dirigidos a alvos comuns do partido e do governo, os danos são considerados “aceitáveis”. O problema é quando não há essa sintonia. Na campanha eleitoral, Lula liderou uma frente ampla de partidos que se propunha a pacificar o país. O comportamento beligerante e certas opiniões da deputada destoam completamente desse objetivo. Ao mesmo tempo que elogia ditaduras, Gleisi dispara contra o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e contra o presidente da Câmara, Arthur Lira. 

No instante em que o governo tentava melhorar as relações com o agronegócio, ela publica rasgados elogios ao MST. A Justiça, ao que parece, também só é democrática e merece elogios quando recai sobre os adversários. Recentemente, o Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal condenou um aliado do PT à inelegibilidade. “Sabemos o risco que a perseguição política gera para a própria democracia”, escreveu ela sobre a decisão.

Em fevereiro, Jair Bolsonaro promoveu um ato de apoio a ele mesmo em São Paulo, que reuniu dezenas de milhares de pessoas. Foi uma bem-sucedida demonstração de força política. Para se contrapor ao ex-presidente, Gleisi, sem o aval do governo, convocou uma manifestação de apoio a Lula algumas semanas depois. Aconteceu o que o Planalto mais temia: o ato foi um fracasso. “A visão da Gleisi é estreita em relação a alianças, às relações políticas. Eu já disse isso para o Lula e para ela”, conta o deputado Washington Quaquá, vice-presidente do PT. O incômodo com as postagens chegou ao ponto de alguns dirigentes do partido discutirem a possibilidade de antecipar as eleições da legenda, marcadas para março de 2025. A ideia, no entanto, não avançou e tem chance zero de avançar. O motivo? Nos bastidores, sabe-se que muito do que Gleisi escreve ou fala reflete o que o próprio Lula pensa e não pode dizer. Ela apenas empresta a voz — daí a confusão.

*Jornalista da Veja

Por Evandro Éboli*

Ao completar 64 anos neste domingo, Brasília sedia o esforço de se garantir a ordem democrática no país. Se em 1964 a capital federal foi palco de um golpe militar que apeou um presidente eleito pelo voto popular, a cidade erguida por Juscelino Kubitschek chega à data de aniversário comprometida em afastar quaisquer riscos de nova ruptura institucional. Isso porque, ao contrário do que se poderia pensar, as forças desestabilizadoras de tudo que Brasília representa ainda se fazem presentes.

Os sinais do 8 de janeiro de 2023 seguem na Esplanada dos Ministérios, tomada naquele dia por vândalos bolsonaristas que destruíram as sedes dos Três Poderes, espalharam faixas pregando a intervenção militar e que tentaram, na prática, instaurar um golpe no país. A principal via da capital, passados 15 meses daquela invasão bárbara, virou permanente razão de preocupação e dificilmente voltará a ser o mesmo espaço de manifestações. As restrições estão impostas, a circulação limitada e os acessos à praça e aos prédios vigiados de perto.

Os ataques ao Supremo Tribunal Federal (STF), ao Palácio do Planalto e ao Congresso Nacional mudaram não só os paradigmas e os protocolos de segurança, como revelaram ao país que há hoje uma massa de brasileiros disposta a lançar mão de recursos violentos para se manifestar politicamente, alimentada pela extrema direita. Mais do que isso — como revelam inquéritos em curso no Supremo Tribunal Federal —, os ímpetos golpistas guardam uma suspeita de proximidade com o governo de Jair Bolsonaro.

Basta lembrar a famigerada reunião de 5 de julho de 2022, quando o chefe do Poder Executivo inflamava seus ministros para atacar publicamente o sistema eleitoral. Muita coisa mudou depois do 8 de janeiro, a começar pela reação dos Poderes constituídos. Golpistas foram presos e respondem a processo. Os prédios e as obras de arte destruídos foram restaurados. Memoriais e solenidades em lembrança à data, para que nunca mais aconteça, foram programados. A associação ao golpe de 1964 foi estabelecida e o ministro da Defesa, José Múcio, e os três comandantes militares falam do tema sem meias-palavras.

“Esse 8 de Janeiro foi um divisor de água. Você não teve uma declaração de nenhum general e de nenhum militar com relação ao 8 de janeiro. Se nós debitamos o golpe de 1964 às Forças Armadas, nós creditamos não ter havido um golpe em 2022 às Forças Armadas. Nós podemos ter tido jogadores indisciplinados num time disciplinado. Os jogadores indisciplinados foram detectados agora. Nós queremos que eles sejam punidos, porque nós não queremos ficar com a pecha da suspeição”, disse Múcio, em audiência pública na quarta-feira, no Congresso.

Escolhido pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva como interventor na Secretaria de Segurança Pública, no 8 de janeiro, o então secretário executivo do Ministério da Justiça, Ricardo Cappelli, adotou medidas duras para conter a crise anunciada. Uma delas foi trocar o comando da Polícia Militar — até hoje, oficiais de alta patente da corporação seguem presos. Ao Correio, Cappelli diz estar convicto de não haver chance de um episódio como aquele voltar a se repetir. “A lição que fica do dia 8 de janeiro é que é preciso ter autoridade, ter comando. O que faltou foi isso, o que não houve naquele dia.

O então secretário de Segurança Pública, Anderson Torres, escolhido pelo governador, estava nos Estados Unidos, num dia como aquele”, disse Cappelli. A defesa de Torres, que teve à época sua prisão preventiva decretada, negou envolvimento e afirmou lamentar “profundamente que fossem levantadas hipóteses absurdas de qualquer conivência minha com as barbáries que assistimos”, disse o ex-secretário à CPMI do Congresso.

Atualmente à frente da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), Cappelli considera impossível um retrocesso daquela magnitude em Brasília. “Não há hipótese do que aconteceu se repetir. Jamais vai ocorrer aquilo de novo porque ficou claro que as instituições deixaram um limite claro do que é manifestação democrática, própria da democracia e sempre muito bem-vinda, do que é depredação, vandalismo e tentativa de golpe. Ou seja, não há hipótese daquilo se repetir”, reafirmou.

Profissional que confrontou diretamente os invasores do 8/1, o policial legislativo Adilson Ferreira Paz coordenou a resistência à invasão da Câmara. Seus relatos impressionam. Conta que enfrentou um grupo de profissionais que sabiam exatamente o que estavam fazendo e preparados para aquela extensa destruição. No seu entendimento, o saldo desse levante golpista foi uma mudança na rotina profissional.

Ficou patente a necessidade de as forças de segurança melhorarem a comunicação e investirem no serviço de inteligência, a fim de detectar e impedir atos que provoquem distúrbios como o que ocorreu. “Sempre após qualquer evento crítico como esse, as instituições tendem a crescer. E não foi diferente conosco aqui do Depol (Departamento de Polícia Legislativa). A gente cresceu muito como instituição. Hoje, há uma comunicação mais efetiva com outras polícias, casos da Câmara, Senado e Polícia Militar. Isso para que não aconteçam mais eventos tão críticos como o 8 de janeiro”, afirmou Adilson Paz ao Correio.

Celebração no Senado

O Senado realiza amanhã, às 10h, sessão especial destinada a celebrar o 64º aniversário de Brasília, por iniciativa da senadora Leila Barros (PDT-DF) e do senador Izalci Lucas (PL-DF). No requerimento para a realização da sessão, Leila Barros destaca que Brasília, passados 64 anos de sua criação, é hoje uma das maiores metrópoles do país e Patrimônio da Humanidade. Izalci, por sua vez, destaca que a capital do Brasil foi o primeiro núcleo urbano construído no século XX a ser incluído na lista de bens de valor universal, recebendo o título de Patrimônio Cultural da Humanidade, em 1987, da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

*Jornalista do Correio Braziliense

Por Ricardo Andrade*

O prefeito Yves Ribeiro é um gestor inimigo do patrimônio histórico cultural de Paulista. Nesta quarta-feira (17), teve início a demolição do Teatro Paulo Freire e está previsto a demolição do Colégio Dantas Barreto (a primeira escola do município), e de parte do Colégio Firmino da Veiga. O Teatro e o Colégio Dantas Barreto estão protegidos pela lei dos Imóveis Especiais de Preservação (IEP). Mas não adianta, essa gestão nunca ligou para isso, nem para preservação alguma do que resta do patrimônio. 

A ideia é a construção de um Complexo Multicultural, uma obra “mirabolante”, anunciada algumas vezes, e que nunca foi iniciada. Anos atrás, em sua segunda gestão em Paulista, o gestor “iluminado” queria levar um empreendimento comercial para o Jardim do Coronel, patrimônio tombado pelo Conselho Estadual de Preservação.

Ano passado, a antiga Junta de Alistamento Militar e a antiga Biblioteca Municipal foram derrubadas em pleno domingo. Esperamos que o Ministério Público responda a solicitação do Instituto Histórico, Geográfico, Arqueológico e Antropológico do Paulista (IHGAAP), na defesa de nossa memória, identidade e pertencimento, embargando qualquer demolição indevida e pela realização de uma Audiência Pública, de forma urgente.

*Presidente do Instituto Histórico, Geográfico, Arqueológico e Antropológico do Paulista (IHGAAP).