Jaboatão - Espaço vida marinha

Paulista abandona seu passado e sua memória

Por Ricardo Andrade*

O prefeito Yves Ribeiro é um gestor inimigo do patrimônio histórico cultural de Paulista. Nesta quarta-feira (17), teve início a demolição do Teatro Paulo Freire e está previsto a demolição do Colégio Dantas Barreto (a primeira escola do município), e de parte do Colégio Firmino da Veiga. O Teatro e o Colégio Dantas Barreto estão protegidos pela lei dos Imóveis Especiais de Preservação (IEP). Mas não adianta, essa gestão nunca ligou para isso, nem para preservação alguma do que resta do patrimônio. 

A ideia é a construção de um Complexo Multicultural, uma obra “mirabolante”, anunciada algumas vezes, e que nunca foi iniciada. Anos atrás, em sua segunda gestão em Paulista, o gestor “iluminado” queria levar um empreendimento comercial para o Jardim do Coronel, patrimônio tombado pelo Conselho Estadual de Preservação.

Ano passado, a antiga Junta de Alistamento Militar e a antiga Biblioteca Municipal foram derrubadas em pleno domingo. Esperamos que o Ministério Público responda a solicitação do Instituto Histórico, Geográfico, Arqueológico e Antropológico do Paulista (IHGAAP), na defesa de nossa memória, identidade e pertencimento, embargando qualquer demolição indevida e pela realização de uma Audiência Pública, de forma urgente.

*Presidente do Instituto Histórico, Geográfico, Arqueológico e Antropológico do Paulista (IHGAAP).

Paulista - Boa praça

Do Estadão

Com o avanço das investigações da Polícia Federal (PF) sobre uma tentativa de golpe de Estado, o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) convocou nova manifestação para este domingo (21), na Praia de Copacabana, no Rio. Como na edição anterior, em São Paulo, o evento busca reunir milhares de apoiadores para uma demonstração de apoio popular ao ex-mandatário, que é suspeito de envolvimento na trama golpista que culminou nos ataques de 8 de Janeiro.

O ato na Avenida Paulista, em fevereiro, foi marcado por um pedido de anistia de Bolsonaro para os presos do 8 de Janeiro e pela grande presença de bandeiras de Israel após o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) comparar as ações militares israelenses ao Holocausto. Desta vez, a manifestação é impulsionada pela campanha disseminada pelo bilionário Elon Musk contra o Supremo Tribunal Federal (STF), o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e o ministro Alexandre de Moraes.

O pastor Silas Malafaia, que participa da organização do ato, não esconde que o movimento deste domingo pretende capitalizar a discussão criada por Musk, que acusa Moraes de promover censura nas redes sociais. Em 2022, o bilionário comprou o Twitter (agora X) por US$ 44 bilhões. De lá para cá, a plataforma não só mudou de nome, como também alterou os seus termos de uso, dificultando o trabalho da Justiça brasileira.

Para Musk e aliados de Bolsonaro, as decisões de Moraes no âmbito do inquérito das milícias digitais têm atropelado os princípios do devido processo legal, restringindo a liberdade de expressão por meio da remoção de perfis em redes sociais. Para especialista ouvido pelo Estadão, o ministro do Supremo atravessou o limite em nome da democracia e por achar que as redes são risco.

“(Vamos repercutir) o que o Elon Musk denunciou e que, com todo o respeito, já venho fazendo faz dois anos, inclusive chamando o (ministro) Alexandre de Moraes de ‘ditador da toga’”, afirmou Malafaia, neste sábado (20), sobre os discursos do ato. Ele acrescentou que a minuta do golpe, documento encontrado pela PF que, em resumo, previa uma intervenção no Poder Judiciário para impedir a posse do presidente Lula, também será tema do evento.

Investigações policiais apontam que Bolsonaro não apenas tinha conhecimento da minuta, como também teria dado sugestões para a redação final do decreto de teor golpista. A estratégia dos bolsonaristas é dizer que a minuta golpista trata-se da “maior fake news da história do Brasil”. “Nós vamos destroçar essa conversa fiada”, disse o pastor sobre os apontamentos da polícia.

No ato de fevereiro, Bolsonaro buscou minimizar a existência do documento. “Golpe é tanque na rua, é arma, é conspiração. Nada disso foi feito no Brasil. Por que continuam me acusando de golpe? Porque tem uma minuta de decreto de estado de defesa. Golpe usando a Constituição? Deixo claro que estado de sítio começa com presidente convocando conselho da República. Isso foi feito? Não”, disse.

A manifestação bolsonarista deste domingo está prevista para começar às 10 horas. Ao todo, é esperada a presença de 60 parlamentares e pelo menos três governadores, incluindo o chefe do Executivo paulista, Tarcísio de Freitas (Republicanos). A previsão é a de que no máximo dez pessoas discursem, contando com Jair e Michelle Bolsonaro, Malafaia e os congressistas Magno Malta, Nikolas Ferreira e Gustavo Gayer.

A ex-primeira-dama Michelle, que em São Paulo falou ao público por 15 minutos, deve repetir o discurso e o tom religioso das declarações, ao lado do marido. Em um vídeo publicado na última sexta-feira (12) em seu perfil no Instagram, Michelle convidou para o ato no Rio dizendo que eles vão “mostrar para o mundo” que estão “posicionados em Deus”.

Petrolina - Viva a nossa arte

No clima dos preparativos para a festa dos 18 anos do blog. Na próxima terça-feira, o start da contagem regressiva: estarão faltando exatamente 30 dias. Tudo está sendo organizado para um momento especial, algo que ficará marcado como um dos maiores eventos institucionais do ano na área da comunicação. 

Para alegrar o ambiente, a grande atração será a Super Oara, do meu amigo Beto, hoje comandada pelo seu filho Elaque, artista de mão cheia. No palco, subirão muitos artistas de renome para dar uma canjinha e homenagear o blog, entre eles Alcymar Monteiro, o rei do forró autêntico.

Para trazer frevo, nosso ritmo mais efervescente, dois astros: André Rio e Almir Rouche. Também irão soltar a voz Josildo Sá, Irah Caldeira, João Lacerda, Daniel Bueno, Novinho da Paraíba, Cristina Amaral, Fabiana, a Pimentinha do Nordeste, e Walquiria Mendes.

O festão terá como cenário o Mirante do Paço, no Paço Alfândega, no Recife Antigo, um dos mais concorridos espaços de eventos do Estado, com uma vista privilegiada. 

Será uma festa de adesão. Compartilhe esse momento de grande alegria e emoção! As informações estão no card que ilustra a postagem.

Ipojuca - Minha rua top

Do O GLOBO

A baixa popularidade atual no governo de Luiz Inácio Lula da Silva é puxada, principalmente, pelas áreas da segurança pública e da saúde, que têm avaliação ruim ou péssima para 42% de entrevistados pela nova pesquisa Ipec, além da inflação e o combate ao desemprego. Os dados mostram que, dentre oito áreas da gestão petista, apenas a educação obteve mais avaliações positivas do que negativas.

Os novos resultados aferidos pelo Ipec se somam a uma maré ruim para o governo Lula em termos de aprovação popular. A pesquisa de março feita pelo instituto que sucedeu o Ibope mostrou que, pela primeira vez desde a posse do petista, a parcela dos brasileiros que aprovam a atual gestão (33%) equivale estatisticamente à dos que o reprovam (32%).

A segurança pública sofreu uma crise de imagem decorrente da fuga de dois presos (só recapturados após 51 dias) da Penitenciária Federal de Mossoró. A avaliação de 42% entre ruim ou péssima se repete para a atuação do governo na saúde, área comandada pela ministra Nísia Trindade — que enfrenta uma epidemia de dengue e é hoje o principal alvo do Centrão na Esplanada.

O melhor resultado foi a educação, que tem resultados considerados “bons” ou “ótimos” por 38% da população, contra 31% que os avaliam como “ruins” ou “péssimos”. São 28% os que classificam os esforços do Executivo federal nesse aspecto como “regulares”.

A área comandada pelo ministro Camilo Santana tem a seu favor o programa Pé-de-Meia, que dá incentivo financeiro a alunos matriculados no ensino médio e já se posta como uma das principais marcas do terceiro mandato de Lula na Presidência. O programa beneficia a população de baixa renda, justamente o grupo que melhor avalia a gestão da educação: entre quem vive com até um salário mínimo por mês, 50% aprovam os rumos do país na área, enquanto 25% reprovam.

Já a abordagem do governo frente ao aumento dos preços é “ruim” ou “péssima” para 46% dos entrevistados, o dobro do percentual dos que a consideram “boa” ou “ótima” (23%). Outros 28% disseram avaliar o desempenho do Executivo federal como “regular”.

Inflação é vilão n° 1

A despeito de a inflação oficial acumulada nos últimos 12 meses (de 3,93% até março) estar abaixo do teto da meta, a percepção de que serviços e produtos estão mais caros permeia todos os estratos da população. Dentre os mais ricos, que ganham acima de cinco salários mínimos por mês, 59% acham que o governo vai mal no controle da inflação. A taxa é menor entre os mais pobres (37%), mas mesmo nesse grupo a insatisfação também supera o percentual dos que veem um “bom” ou “ótimo” desempenho do governo.

Márcia Cavallari, CEO do Ipec, avalia que mesmo que os indicadores expressem que há melhora em relação ao fim do governo anterior de Jair Bolsonaro, os resultados até aqui não foram suficientes para atender às expectativas criadas nas eleições.

Visando interromper a série de quedas na popularidade, o presidente realizou no mês passado sua primeira reunião ministerial no ano para cobrar mais entregas e uma melhora na comunicação do governo. O Planalto lançou este mês uma campanha publicitária com o slogan “É bom pra todo mundo”, conforme havia antecipado o colunista Lauro Jardim. As peças dessa ofensiva de marketing furaram a fila da campanha com o mote “Fé no Brasil”, que estava sendo engendrada com foco no público evangélico.

“Comunicar não é a solução. A população tem que sentir no bolso que a situação está melhor. E, para mudar essa percepção, o efeito tem que ser longo e duradouro. Não é imediato”, avalia Cavallari.

O otimismo dos brasileiros em relação à economia do país, mostra o Ipec, já foi maior. Hoje, 40% das pessoas acham que a situação econômica estará melhor daqui a seis meses, enquanto 31% são pessimistas quanto a isso. Quando o mesmo questionamento foi feito em setembro do ano passado, 51% diziam acreditar na melhora, contra 27% que projetavam piora.

“As expectativas em relação à situação econômica do país são positivas, mas bem menores do que já foram. É necessário que essa expectativa se consolide para que possa haver uma reversão da tendência observada até aqui. A população precisa de resultados concretos perceptíveis no seu dia a dia”, diz a CEO do Ipec.

Os preços dos alimentos são, ao lado das contas de consumo, os que mais assustam a população. Para 79% dos entrevistados, o custo da comida aumentou nos últimos meses, enquanto 76% dizem que o valor da fatura da água, da luz ou do gás subiu. Também há percepção majoritária de que houve alta nos preços de combustíveis e aluguéis recentemente.

Essa percepção negativa em relação à trajetória dos preços surte efeitos práticos na hora de fazer a economia girar. Segundo o Ipec, 89% dos brasileiros dizem que agora pesquisam mais os preços antes de fazer compras, e 61% afirmam que adiaram planos mais caros nos últimos meses. Dois terços (69%) também declaram ter trocado produtos que costumavam comprar por outros mais baratos.

Eleitor “nem-nem” é crítico

A pesquisa mostra que a maioria dos eleitores que declaram ter votado nulo ou em branco no segundo turno da última eleição presidencial considera que a situação econômica do país está igual ou pior que há seis meses.

Nesse grupo, 41% avaliam que a economia andou de lado nos últimos seis meses, enquanto 37% acham que houve piora. Considerando a margem de erro, os dois grupos são estatisticamente equivalentes. Outros 19% acreditam que a economia melhorou no período.

Já lulistas e bolsonaristas divergem também nesse ponto. Para 66% dos que apoiaram Bolsonaro, a economia está pior, e 9% apontam melhora. Entre lulistas, as taxas praticamente se invertem: 10% admitem deterioração do quadro econômico, enquanto 60% dizem que a economia está melhor.

O Ipec entrevistou 2.000 eleitores de 129 municípios entre 4 e 8 de abril. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou menos, para um nível de confiança de 95%.

Ipojuca - Minha rua top

Se as eleições fossem hoje em Araripina, a capital do Araripe, a 682 km do Recife, o vice-prefeito Evilásio Mateus (UB) seria eleito facilmente. Segundo pesquisa do Instituto Opinião, com exclusividade para este blog, ele teria 48,8% dos votos. Em segundo lugar, mas bem distante, aparece a deputada Roberta Arraes (PP), com 17,8%. Tião do Gesso (Patriota) viria em seguida, com 13,3%. Edson de Maru, chefe de gabinete do prefeito Raimundo Pimentel, também filiado ao União Brasil e incluído no levantamento, foi citado por apenas 0,8% dos entrevistados.

Brancos e nulos somam 5,8% e indecisos chegam a 13,5%. Na espontânea, modelo pelo qual o entrevistado é forçado a lembrar o nome do seu candidato preferido sem o auxílio do disco contendo todos os nomes, Evilásio também lidera com 12,8%, Roberta Arraes tem apenas 1,5% e Tião do Gesso aparece com 1%. Neste modelo, brancos e nulos somam 3% e indecisos sobem para 66,6%.

No quesito rejeição, quem lidera é a deputada Roberta Arraes. Entre os entrevistados, 18% disseram que não votariam nela de jeito nenhum. Em seguida, aparece Edson de Maru, com 15,3%, Tião do Gesso dá a sequência, com 14,8% dos eleitores que não votariam nele de jeito nenhum. Já Evilásio é rejeitado por apenas 3,8%. Entre os entrevistados, 2,5% disseram que rejeitam todos e 45,6% afirmaram que não rejeitam nenhum.

O Instituto Opinião testou também o poder de influência do prefeito Raimundo Pimentel (UB), que ainda não definiu o seu candidato. Para 26,5% dos entrevistados, o apoio do prefeito influencia muito o voto, 16,5% disseram que aumentaria pouco a sua influência, 9% disseram que diminuiria e 40% disseram que não seriam influenciados.

GESTÃO

O Opinião também aferiu o grau de satisfação da população de Araripina com os três níveis de governo: federal, estadual e municipal. O Governo Lula é aprovado por 65,3% e desaprovado por 22,3%. Já o Governo Raquel tem apenas 42% de aprovação e 36,8% de desaprovação, enquanto a gestão do prefeito Raimundo Pimentel é aprovada 73,8% e desaprovada por apenas 18,8%.

O levantamento foi a campo entre os dias 15 e 16 de abril, sendo aplicados 400 questionários. O intervalo de confiança estimado é de 95,0% e a margem de erro máxima estimada é de 4,9 pontos percentuais para mais ou para menos sobre os resultados encontrados no total da amostra.

A modalidade de pesquisa adotada envolveu a técnica de Survey, que consiste na aplicação de questionários estruturados e padronizados a uma amostra representativa do universo de investigação. A pesquisa está registrada sob o protocolo PE-03804/2024.

Serra Talhada - Saúde

Picape Strada Ultra 1.0 turbo de 130cv: como anda o ‘foguetinho’? 

A picapinha Fiat Strada chegou ao mercado brasileiro em 1998. Desde então, só dá alegrias aos gestores e acionistas da Fiat, liderando de forma consistente as vendas e sendo campeã de todas as categorias (fechou 2023 com mais de 120 mil unidades). Pois bem: e como anda a versão com motor 1.0 turbo? De antemão, pode-se garantir: muito bem. Por isso, entenda melhor. O motor, que garante um bom conjunto de potência e torque, é um turbo 200 flex – que a deixou com a primazia de ser a primeira picape compacta turbo flex no mundo. São até 130cv e torque de 20,4 kgfm, garantindo que o modelo vá de 0 a 100km/h em apenas 9,5 segundos, sendo o mais rápido entre os concorrentes. 

Ele tem de três cilindros, que estreou no Pulse, foi para o Fastback, e se ajusta rapidamente às  demandas do motorista de forma bem ativa mesmo. E a versão ainda vem também com o chamativo botão vermelho Sport no volante. Com ele acionado, a picape fica ainda esperta – principalmente em vias planas. Não à toa, ganhou o apelido de ‘foguetinho’ nas redes sociais. Afinal, vale relembrar: esse propulsor é bem melhor que o 1.3 Firefly, o aspirado usado na versão Endurance, por exemplo: são 23 cv e 6,7 kgfm a mais de oferta de potência e torque. Essa motorização é combinada com o câmbio automático CVT com opção de 7 marchas e mais outros dois modos de condução (automático e manual).

E o consumo? – Mesmo no modo ‘normal’, o conjunto de motorização age bem logo em baixas rotações, algo bem interessante para o dia no trânsito. Nos poucos momentos em que foi testada na estrada, deu para perceber sua esperteza nas retomadas e ultrapassagens – principalmente no modo esportivo, com giros mais altos e, claro, mais barulho. Como a Ultra pesa 1.251kg, a relação peso-potência é de excelentes 9,62 kg/cv. O consumo é padrão para o segmento: segundo o Inmetro, de 12,1 km/l na cidade e 13,2 km/l na estrada com gasolina. Com etanol, são 12,1 km/l e 8,3 km/l, respectivamente.

Vida a bordo – A versão Ultra, já existente na linha Toro e a novidade da família Strada, tem cara mais esportiva e, como topo da linha, é confortável, ideal para o dia a dia urbano. Os bancos, principalmente os dianteiros, se ajustam bem ao corpo – e ainda são bonitos, com o nome da versão escrito/bordado em vermelho. O banco do motorista só tem regulagem em altura, mas traz um apoio central dobrável para o cotovelo. Na fila traseira, espaço confortável para duas pessoas; um terceiro de 1,70m sofrerá com as pernas e a cabeça, por exemplo. Mas ele terá, felizmente, um conector USB exclusivo para o banco traseiro.

O volante segue uma tendência inteligente: é multifuncional, com acesso via dedos a itens como controle do som, reduzindo a displicência do motorista e aumentando a segurança. A base é achatada, bem mais bonita. Aliás, no modelo é possível se ajustar a altura do volante, não a profundidade – o que é ruim. Em compensação, a direção é elétrica, leve e de fácil manuseio. A soma da câmera de ré com os alertas sonoros de proximidade facilita a vida – eis a expressão novamente – urbana diária. 

A tela do sistema multimídia Uconnect é de 7 polegadas, passando a impressão (ou a certeza, para quem gosta de carros) de ser muito antiga e acanhada. Mas há ‘recompensas’: o espelhamento para Android Auto e Apple CarPlay é sem fio e o carregamento do smartphone pode ser por indução. Já o quadro de instrumentos é analógico, com um conta-giros pequeno.  Como ‘carro urbano’, espaço que a Strada certamente já conquistou, tem vários porta-objetos disponíveis para celular, garrafinhas de águas e outros possíveis. Externamente, destaque para a arrojada grade com friso vermelho, o que traz ainda mais diferenciação ao visual do modelo.

E o preço? – A versão Ultra está no configurador do site da Fiat por R$ 136.990. Para cores metálicas, como cinza Silverstone ou prata Bari, o consumidor deve acrescentar R$ 2.290, subindo o valor final, enfim, R$ 139.280

Segurança – A Fiat Ultra é equipada com recursos de segurança importantes, como controle eletrônico de estabilidade, que corrige automaticamente as saídas dianteiras e traseiras, e o sistema Hill Holder, que mantém o freio acionado automaticamente por aproximadamente dois segundos ao arrancar em ladeiras e em ré em manobras. Ainda há o controle eletrônico do eixo de tração em situações leves de off-road, freando a roda que tiver menos tração e proporcionando maior aderência e desempenho em terrenos desafiadores. Falta, porém, recursos de condução semi autônoma, como alerta de colisão e de saídas de faixas – até pelo preço final da versão. 

Carga – Mesmo sendo ‘quase’ um carro urbano, a Strada Ultra tem boa capacidade de carga: oferece 650kg e 844 litros, com capacidade de reboque de 400 kg.

Mopar – A picape pode ser incrementada com vários acessórios Mopar, principalmente para dar mais versatilidade e funcionalidade à caçamba, como a Fiat Box, o extensor com três funções (rampa, extensor e organizador) e o organizador.

Compass fica mais potente e mais barato – O SUV médio Compass, da Jeep, acaba de ganhar boas novidades. Nas versões topo de linha, a Overland e a Blackhawk, ele adota o conhecido motor de 272 cv da Ram Rampage. O modelo também ganhou mais equipamentos de segurança de série e, em alguns casos, ficou até mais barato que o anterior. Desta forma, ficaram assim os preços sugeridos: Sport 1.3T flex (R$ 179.990), Longitude 1.3 flex (R$ 196.990), Série S 1.3T flex (R$ 236.990), Limited 1.3T flex (R$ 216.990), Limited 2.0 turbodiesel 4×4 (R$ 249.990), Overland 2.0 turbo a gasolina 4×4 (R$ 266.990) e Black Hawk 2.0 turbo a gasolina 4×4 (R$ 279.990). O tempo de garantia do Compass também mudou e agora é 5 anos no total. 

O motor Hurricane-4 2.0 turbo a gasolina, a principal novidade da linha 2025, entrega 272cv e 40,8kgfm de torque. Ele possui bloco e cabeçote de alumínio, injeção direta de combustível e duplo comando variável de válvulas. Consegue acelerar de 0km/h a 100 km/h em 6,3 segundos, com velocidade máxima declarada de 228 km/h. O Inmetro avaliou o consumo e registra 8,3 km/l em vias urbanas e 11 km/l na estrada. As versões mais simples do Compass continuam com o 1.3 turbo flex T270 (até 185 cv e 27,5 kgfm, com câmbio manual de seis marchas) e o 2.0 turbodiesel (170 cv e 35,7 kgfm). Todas as versões 4×4 têm seletor de modos de condução, como lama, areia etc. 

O pacote de itens de série melhorou. Agora, todas as versões, à exceção da Sport (de entrada), têm sistema de som Beats, painel de instrumentos com tela de 10,25″ e multimídia com tela de 10,1″ – e espelhamento sem fio. 

Em relação à segurança, mais ganho para o consumidor: desde a versão Longitude 1.3 flex o SUV passa a ser equipado sempre com assistentes de condução de nível 2, com assistente de centralização de faixa, controle de cruzeiro adaptativo com função Stop&Go, farol alto automático, detector de fadiga do motorista, aviso de mudança de faixa, aviso de colisão frontal, frenagem autônoma de emergência e até reconhecimento de placas de trânsito. E mais: felizmente, o pacote é opcional na versão de entrada Sport.

Garantia maior para os Jeep – E a Stellantis resolveu mudar algumas estratégias de pós-venda dos modelos Jeep no Brasil. E não só para o SUV Compass, como marcado acima, sobre garantia de fábrica. A partir de agora, toda a linha nacional – incluindo o Renegade e o Commander – terá garantia de 5 anos. A cobertura anterior era de apenas 3 anos (ou somente 1 ano no caso do Renegade na versão básica). A nova cobertura vale para todos os exemplares 0km ano-modelo 2025 do Compass e do Commander (recém-lançados em nova gama), além de unidades a partir de 2024 do Renegade. “Só uma marca que confia no seu produto é capaz de oferecer um benefício como esse”, comentou Hugo Domingues, vice-presidente da Jeep para a América do Sul.

Novo Chevrolet Trailblazer – A General Motors aproveitou o fim do Big Brother para mostrar o novo Chevrolet Trailblazer High Country 2025, que ainda está em fase de pré-lançamento. O modelo foi dado ao Davi, vencedor desta edição, e vem para concorrer com o Toyota SW4. Ele tem poucas mudanças, mantendo o estilo da picape S10, com faróis em LEDs, detalhes cromados e uma grade bastante destacada. O motor é 2.8 turbodiesel de 207 cv e 52 kgfm de torque. O câmbio automático, assim como na S10, é novo: um 8 marchas, com tração 4×4 e reduzida. 

Atualização do GWM Haval – E começa a chegar às concessionárias o GWM Haval H6, linha 2025, com apenas mudanças no nome das versões e modificações no gerenciamento do sistema híbrido. Mas, e isso é bem importante, a atualização será aplicada também para as unidades já vendidas, de forma online. Confira os preços: HEV2, R$ 214 mil; PHEV34, R$ 279 mil; GT, R$ 319 mil 

G63 por R$ 2.247.900 – Topas? A Mercedes-Benz acaba de anunciar o lançamento do Mercedes-AMG G63 numa edição limitada chamada Grand Edition de apenas 1.000 unidades em todo o mundo. Ela conta com diversos elementos visuais exclusivos e teve reservados somente 16 exemplares para o Brasil, ao custo unitário de R$ 2.247.900. Todos já foram pré-vendidos, mas se você insistir a marca pode dar um jeito, quem sabe?, de trazer um. 

Fotos da CNH – O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) decidiu alterar as normas em vigor que vedam o uso de itens de vestuário religiosos ou que cobrem a cabeça de pessoas em tratamento de saúde em fotos usadas para emissão ou renovação da Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Com a mudança, fica mantida a restrição ao uso de óculos, bonés, chapéus e outros adereços que cubram parte do rosto ou da cabeça, exceto em casos de itens de vestuário relacionados à crença ou religião, como véus e hábitos religiosos, e àqueles ligados à queda de cabelo do condutor, em decorrência de patologias ou tratamento médico. No entanto, só será permitido o uso de tais itens se mantiverem a face, a testa e o queixo perfeitamente visíveis. A mudança passa a ser aceita em todo o território nacional.

O vai-e-volta da placa Mercosul – E o projeto de lei (PL) que restabelece a informação sobre o município e o estado de registro nas placas dos veículos foi aprovado essa semana pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado. Com a adoção do modelo de placa veicular do Mercosul, obrigatório em todo o país desde 2020, a informação sobre estado e município deixou de ser colocada. Mas, agora, por iniciativa do senador Esperidião Amin (PP-SC), o projeto altera o Código de Trânsito Brasileiro para prever que as placas veiculares voltem a informar o município e o estado nos quais o veículo está registrado. Segundo Esperidião Amin, a apresentação do projeto foi motivada pelo fato de essas informações facilitarem o trabalho de fiscalização das autoridades policiais e de trânsito. O senador observou que a matéria, por reforçar a segurança, recebeu apoio do governo federal. 

Ônibus escolar – E o programa Caminho da Escola, do governo federal, é o que mais movimenta o segmento de ônibus no país. A Iveco Bus, por exemplo, acaba de ter aprovadas mais de 1,3 mil compras pelo programa do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Por estado, são 200 para a Bahia, 220 para o Mato Grosso e 355 para Pernambuco.

Manutenção preventiva de automóvel: 5 dicas essenciais (parte I)

Esse processo, popularmente conhecido como revisão periódica, serve para fazer um check up de todos os componentes do veículo e, assim, permitir que o funcionamento ‘normal’ do automóvel seja conservado. Dessa forma, aumenta-se a vida útil do carro. Se ela já é considerada essencial para os donos de veículos, é ainda mais importante em relação à frota de uma empresa. Isso porque ela é capaz de reduzir custos, aumentar a produtividade e, ainda, oferece outros benefícios para o negócio. No entanto, muitos gestores ainda têm dúvidas sobre quais itens devem ser analisados durante esse tipo de manutenção, assim como os próprios condutores. Por esse motivo, os especialistas da LeasePlan | ALD Automotive, líder global em mobilidade sustentável que oferece serviços de locação, terceirização e gerenciamento de frotas, separaram para este blog cinco dicas essenciais (na próxima semana traremos mais cinco). 

Mas, por que ela é importante? – Como a manutenção preventiva ajuda a evitar problemas mecânicos, ela é essencial para evitar gastos com reparos e, ainda, contribui para a segurança dos condutores. Para uma empresa que tem uma frota de veículos, ela é ainda mais importante, pois oferece benefícios ligados aos custos, produtividade e segurança. As principais vantagens são: 

  • diminuição do risco de acidentes e multas por irregularidades;
  • elevação da vida útil dos veículos;
  • redução do número de reparos caros e do tempo de inatividade dos carros, que gera prejuízo para a empresa e prejudica o fluxo de trabalho;
  • aumento da produtividade;
  • eliminação de imprevistos na gestão de frotas, visto que os veículos tendem a funcionar mais adequadamente.

Enfim: quando se dá a devida atenção à manutenção preventiva da rota, é possível ter uma gestão muito mais eficaz, além de reduzir custos operacionais.

Quais itens devem ser analisados? – Antes, vale lembrar: não há prazo fixo, pois depende principalmente do modelo do veículo ou da quilometragem rodada. Então, o ideal é acompanhar o manual dos fabricantes e, assim, planejar a manutenção dentro do que é recomendado pela montadora. As primeiras revisões costumam ser mais simples e exigir menos componentes a serem verificados. Com o passar do tempo e da rodagem dos veículos, esses itens são ampliados.

Confira o checklist a seguir para saber quais são os itens mais comuns:

1. Alinhamento da direção – Significa ajustar o ângulo das rodas para deixá-las alinhadas com o volante. Desse modo, quando o volante estiver na posição neutra, todas as rodas estão na mesma linha e, assim, seguirão precisamente o comando do motorista. Como o desalinhamento ocorre de forma lenta e gradual, é normal que os condutores possam não perceber o problema. Por esse motivo, é essencial que esse item seja analisado na revisão.

Sintomas apresentados:

  • desvio de direção, desvio de direção em frenagens (volante puxando);
  • desgaste precoce dos pneus;
  • direção curta.

Como evitar:

  • evitar pistas com irregularidades;
  • evitar encostar o pneu no meio fio (guia);
  • evitar passar por buracos em alta velocidade.

2. Balanceamento e geometria

Enquanto o alinhamento corrige o ângulo das rodas, o balanceamento garante que elas não oscilem nem trepidem durante o movimento do carro. Por sua vez, a geometria ajusta o ângulo que as rodas formam com o solo para que o veículo consiga trafegar em linha reta e obedeça aos comandos do condutor.

Sintomas apresentados:

  • trepidação das rodas;
  • vibração no volante;
  • desgaste precoce dos pneus

Como evitar:

  • calibre os pneus regularmente (a cada uma semana);
  • faça o rodízio de pneus;
  • evite arrancadas e freadas bruscas

3. TWI dos pneus

Os sulcos dos pneus são os responsáveis pela aderência ao solo. Dessa forma, são essenciais para a segurança do veículo. Para isso, eles devem estar com a profundidade adequada. Quando estão abaixo do ideal, é o que chamamos de “pneu careca”.

Para conferir a profundidade desses sulcos, o profissional irá analisar o TWI (Tread Wear Indication), que é uma marca presente na banda de rodagem de todos os pneus.

Sintomas apresentados:

  • marca do TWI rente a área de atrito do pneu;
  • derrapagens involuntárias em frenagens ou ao arrancar com o veículo;
  • aquaplanagem.

Como evitar:

  • manter os pneus sempre calibrados;
  • alinhamento e balanceamento sempre em dia;
  • evitar freadas ou arrancadas bruscas.

4. Bateria

Ao revisar a bateria, será analisada a presença de resíduos de oxidação nos polos, que é um tipo de sujeira formada pela reação química entre o metal da bateria, ácido e o oxigênio do ar.

Sintomas apresentados:

  • dificuldade na partida (motor fraco);
  • luzes do painel fracas ai virar a chave;
  • oxidação da bateria (zinabre nos conectores).

Como evitar:

  • não usar o rádio com motor desligado;
  • desligar todos os equipamentos elétricos antes de dar a partida no carro;
  • não instalar acessórios eletrônicos que o veículo não tem capacidade.

5. Sistema elétrico

Além da iluminação do carro (faróis, painel e lanternas), também é preciso analisar o alternador, luzes das setas, as travas elétricas, sistema de alarme e som do veículo.

Sintomas apresentados:

  • Luzes queimando com frequência;
  • Bateria descarregando sem motivo aparente;
  • Luzes piscando descontroladamente (seta).

Como evitar:

  • Não instale lâmpadas que não são originais do veículo;
  • Não instale acessórios eletrônicos que não homologados pelo fabricante;
  • Evite partidas constantes e longas.

Renato Ferraz, ex-Correio Braziliense, tem especialidade em jornalismo automobilístico

Vitória Reconstrução da Praça

Logo mais, exatamente à meia-noite, este blog traz a primeira pesquisa de intenção de voto para prefeito de Araripina, a capital do Araripe, a 622 km do Recife. Um bom motivo para a população da terra do gesso dormir um pouco mais tarde neste sabadão.

A presidente do PL Mulher, a ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro (PL), disse nesta sábado (20) que a atual primeira-dama, Janja da Silva, é uma “articuladora de compras de móveis sem licitação”, em referência às trocas de acusações entre as duas sobre um suposto desaparecimento da decoração do Palácio da Alvorada.

“Não adianta [a Janja] apenas chegar e ficar articulando, sendo articuladora de viagens, articulando compras de móveis sem licitação, inventando, mentindo, para poder usar o dinheiro do contribuinte sem responsabilidade”, afirmou Michelle em evento do PL Mulher em São Luís, no Maranhão. As informações são do Poder360.

Durante a transição de governos, em 2023, Janja convidou a TV Globo para mostrar os defeitos encontrados nos móveis da residência oficial da Presidência da República. Na época, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse que o antecessor, Jair Bolsonaro (PL), havia levado parte dos itens do local para a própria casa dele.

Em março deste ano, no entanto, a Secom (Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República) informou que os móveis foram encontrados em “diversas dependências diferentes” da Presidência, incluindo o próprio Alvorada.

Depois da divulgação, Michelle disse, em comunicado, que as acusações de Lula e Janja serviram como “cortina de fumaça” para que a atual primeira-dama pudesse comprar novos móveis sem licitação.

A presidente do PL voltou ao assunto durante discurso no Maranhão e disse que as acusações de furto dos petistas “assassinaram sua reputação” ao longo de 2023.

“Por 1 ano, assassinaram nossa reputação, falando que tínhamos levado os móveis. Pura mentira. Eu sempre falei onde os móveis estavam. Eu sempre falei: ‘estão no depósito de número 5’, dava até o número do depósito. […] Para de brincadeira. É achar que o povo é besta”, declarou.

Da CNN

A Argentina continua sendo o principal parceiro comercial do Brasil na América do Sul. Mas, desde que Javier Milei assumiu a presidência do país vizinho, em dezembro do ano passado, o diálogo político acabou prejudicado.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) mantinha uma rotina de agendas e conversas com Alberto Fernández, antecessor de Milei. Com o atual presidente, nunca houve sequer uma conversa.

O Brasil, então, resolveu eleger a Colômbia como principal interlocutor no Hemisfério Sul. De acordo com fontes ouvidas pela CNN, existem alguns motivos para isso.

Em primeiro lugar, está o alinhamento pessoal e ideológico de Lula com Gustavo Petro. Ele é o primeiro presidente progressista eleito da Colômbia na história recente. Nesta semana, Lula viajou para o país pela segunda vez em menos de um ano e meio de mandato.

Os dois presidentes estão alinhados em diversos posicionamentos em relação a situação de vários países vizinhos, como a Venezuela.

Petro e Lula têm adotado a mesma linha: dialogar tanto com Nicolás Maduro quanto com a oposição para que a disputa represente o início de uma retomada da normalidade política por lá.

E tem mais. Brasil e Colômbia possuem 1.660 quilômetros de fronteira. Os dois países contam com importante cobertura da Floresta Amazônica. Neste aspecto, além de ações coordenadas sobre a segurança, com estratégias conjuntas contra o crime organizado, há preocupações econômicas com a região.

Juntos, os dois fortalecem o apelo mundo afora pelo financiamento internacional para a preservação das reservas florestais.

O município de Petrolina, no Sertão de Pernambuco, recebe os melhores jogadores de Beach Tennis do mundo. O segundo Open Internacional, que segue até o próximo domingo, abriu – na última segunda-feira (15) -, a programação com a disputa do BT 50, que oferece US$ 4 mil (R$ 21 mil) em premiação, além de 50 pontos no ranking mundial.

O jogador Petros, que tem passagens por equipes como São Paulo e Corinthians, que hoje atua no futebol árabe, é um dos organizadores da competição e dono da arena onde os jogos serão realizados. Segundo ele, mais de 1.300 atletas amadores e profissionais vão passar pelas quadras. As informações são do Globo Esporte.

Na quarta-feira foram realizadas as disputas pelo BT 400, principal categoria do evento, que tem premiação de US$ 35 mil (R$ 175 mil) e distribui  470 pontos no ranking mundial. 

O torneio encerra neste domingo (21), com a disputa do BT 10, que vale 10 pontos no ranking mundial. Somadas as três categorias, serão distribuídos 530 pontos no ranking mundial aos atletas profissionais.

Para a disputa do evento em Petrolina, foram construídas sete novas quadras na Arena, uma área de cerca de 13 mil metros quadrados. A expectativa da organização é que 30 mil pessoas visitem as disputas durante os sete dias de jogos.

Por conta das chuvas que caem no Recife, o prefeito João Campos afirmou que está monitorando, diretamente do Centro de Operações do Recife (COP), a situação da capital pernambucana. 

“Em apenas seis horas, registramos mais de 40 milímetros de chuva, exigindo uma mobilização rápida e eficiente da nossa equipe. A Defesa Civil está atenta, com reforço no plantão e 24 ocorrências sendo acompanhadas, todas sem gravidade”, destacou João.

“Estamos atentos aos pontos de alagamento e prontos para agir com soluções imediatas. A cidade está em estágio de atenção e temos abrigos disponíveis para quem precisar. Fique atento às atualizações da @prefeiturarecife e da @defesacivilrecife [no Instagram] para agir com cautela. A segurança de todos é nossa prioridade”, pontuou o prefeito.

Caro Magno,

Muito injusta a colocação do advogado Henrique Rosa, postada em seu blog, em referência ao Colégio Nossa Senhora Auxiliadora no episódio da morte de Beatriz, em Petrolina. Na verdade, ocorria uma festa no Colégio, da qual participavam as famílias.

Beatriz não se encontrava sob cuidados do Colégio. Estava na companhia dos próprios pais, aos quais cabia o seu cuidado, em primeirissimo lugar!

Augusto Coelho

A Câmara dos Estados Unidos aprovou neste sábado (20) um pacote legislativo de US$ 95 bilhões em ajuda econômica para Ucrânia, Israel e Taiwan. O pacote agora segue para o Senado, onde a aprovação deve ocorrer nos próximos dias. O presidente Joe Biden prometeu assiná-lo imediatamente.

A parcela da Ucrânia é um pacote de ajuda de US$ 61 bilhões. Com a aprovação, alguns legisladores aplaudiram, erguendo bandeiras azuis e amarelas do país. Um pacote de US$ 26 bilhões para Israel e para fornecer ajuda humanitária aos cidadãos de Gaza também foi aprovado. O projeto de lei de ajuda a Taiwan prevê US$ 8,1 bilhões em ajuda ao país. As informações são do Estadão.

O pacote ainda inclui um projeto de lei de segurança nacional com uma disposição que força a venda da popular plataforma TikTok, que também foi rapidamente aprovado.

Do lado de fora do prédio da Câmara, manifestantes demonstravam apoios difusos sobre os temas votados: havia protestos contra a ajuda a Israel, pedidos de ajuda pela Ucrânia e defesa do funcionamento do TikTok.

A aprovação do “pacotão” representa uma guinada na capacidade de ação do Congresso dos Estados Unidos, alimentada especialmente por políticos republicanos. Antes deste sábado, os projetos sofreram meses de impasses, mas só receberam sinal verde após mudança de posicionamento do partido de oposição.

A aprovação na Câmara retira o maior obstáculo ao pedido de financiamento de Biden, feito pela primeira vez em outubro, quando os suprimentos militares da Ucrânia começaram a escassear. A Câmara controlada pelo Partido Republicano, cética em relação ao apoio dos EUA à Ucrânia, lutou durante meses sobre o que fazer. Os opositores à aprovação argumentavam que os EUA deveriam concentrar-se na frente interna, abordando a segurança das fronteiras internas e o crescente peso da dívida do país.

Os aliados dos Estados Unidos, porém, praticamente imploravam aos legisladores que aprovassem a ajuda.

O presidente ucraniano Volodmir Zelenski, que há meses pressionava por mais ajuda americana na guerra, afirmou neste no sábado que a aprovação “salvará milhares e milhares de vidas” e, em mensagem nas redes sociais, expressou a sua “gratidão” pela votação, acrescentando que espera que o Senado, por sua vez, aprove o texto.

O Ministro de Relações Exteriores israelense, Israel Katz, também comentou a aprovação do pacote. “A votação do pacote de ajuda a Israel com apoio bipartidário esmagador demonstra os fortes laços e parceria estratégica entre Israel e os Estados Unidos, e envia uma mensagem forte aos nossos inimigos”, escreveu no X (antigo Twitter). Ele acrescentou que espera ”que seja aprovado em breve no Senado com forte apoio bipartidário”.

O chefe da Otan, Jens Stoltenberg, também comentou em uma mensagem publicada nas redes sociais. “Celebro que a Câmara de Representantes aprovou um novo e importante pacote de ajuda para a Ucrânia. A Ucrânia utiliza as armas proporcionadas pelos aliados da Otan para destruir as capacidades de combate russas. Isso nos deixa todos mais seguros, na Europa e na América do Norte”, declarou.

O ex-ministro do Turismo, Gilson Machado, já está no Rio de Janeiro para participar do ato bolsonarista que será realizado amanhã, a partir das 10h, em Copacabana. Enquanto não chega o momento da manifestação, o ex-ministro, que também é sanfoneiro, tem animado nos bastidores tocando para os seus colegas.

Confira

Danilo Cabral

Por Betânia Santana*

Praticar à exaustão a capacidade de diálogo para construir a unidade no campo político. A proposta é do superintendente da Sudene, Danilo Cabral, como estratégia para preservar a democracia e para consolidar a relação entre o PSB e o PT, na reeleição do Recife.

Rememora que no pleito de 2022 as ações do ex-presidente Jair Bolsonaro evidenciaram o risco de liberdades cerceadas. Hoje, mesmo após o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ter voltado ao poder, constata que o Brasil ainda é um país dividido.

“O movimento após a eleição do presidente Lula nos deixa em situação de alerta e vigilantes com o que pode acontecer. E temos um Congresso Nacional que reflete essa divisão da sociedade”, atesta o ex-deputado federal por três mandatos.

“É preocupante ver novamente uma tensão na relação entre os Poderes. Precisamos restabelecer a harmonia”, defendeu, em entrevista à Rádio Folha FM 96,7.  

Quando se refere a campo político, o superintendente envolve todos os nomes dispostos a consolidar a democracia, “um cristal que nunca deve ser quebrado”. Nesse processo, enfatiza o papel das eleições municipais. “Eleição de governador e presidente é uma eleição de dois turnos. O primeiro vai ser jogado agora”.

Enxerga PT e PSB, onde está há quase 30 anos, como condutores da unidade, em meio às discussões para vice do prefeito João Campos (PSB) no Recife.

“Não tenho dúvidas de que a gente vai chegar a um entendimento. O importante é que os dois partidos se sintam contemplados com a solução, com o vice sendo do PT ou não sendo, que o PT tenha protagonismo. É preciso ser bom para os dois”, enfatiza. E reforça que nessa decisão o ator importante é o presidente Lula.

*Colunista da Folha de Pernambuco

O líder do governo na Câmara dos Deputados, José Guimarães (PT-CE), afirmou na tarde de sexta-feira (19) que o ministro-chefe da Secretaria de Relações Institucionais Alexandre Padilha está disposto a conversar com o presidente da Câmara Arthur Lira (PP-AL) quando ele quiser. Segundo Guimarães, não há “crise” no governo sobre a relação entre os dois.

“Padilha está disposto a conversar com o presidente Lira na hora que ele se dispuser. Não tem crise sobre isso”, declarou o deputado, que disse que há sintonia na relação do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) com o Congresso, mas que falta um “consertinho”. As informações são do Poder360.

O líder do governo na Câmara disse achar que Lula deveria conversar com Lira sobre os atritos recentes. De acordo com ele, o petista “vai resolver”.

Guimarães conversou com jornalistas na saída da reunião com Lula, ministros de Estado e líderes do governo do Congresso. O encontro foi convocado pelo chefe do Executivo no Palácio do Planalto.

Segundo o deputado, o desgaste do Executivo com o Legislativo não foi discutido na reunião. Guimarães afirmou que o intuito do encontro foi uma “ressocialização das informações” sobre pautas prioritárias do governo que estão tramitando no Congresso.

Eis a lista de autoridades que compareceram à reunião:

Jaques Wagner (PT-BA), líder do governo no Senado;

José Guimarães (PT-CE), líder do governo na Câmara;

Randolfe Rodrigues (sem partido-AP), líder do governo no Congresso Nacional;

Alexandre Padilha, ministro das Relações Institucionais;

Paulo Pimenta, ministro da Secretaria de Comunicação Social; e

Rui Costa, ministro da Casa Civil.

Lira x Governo

Na última semana, o presidente da Câmara, Arthur Lira, fez duras críticas a Alexandre Padilha, responsável por chefiar a Secretaria de Relações Institucionais. Lira afirmou que o ministro era “incompetente” e responsável por plantar “notícias falsas” sobre o Congresso.

Depois dos ataques do deputado a Padilha, Lula disse que manteria o ministro no cargo “só de teimosia”.

O clima piorou ainda mais quando o governo demitiu na terça-feira (16) o superintendente regional do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) em Alagoas, Wilson César de Lira Santos. Ele é primo do presidente da Câmara dos Deputados.

Na quarta-feira (17), Lula não gostou do que foi considerado pelo Planalto um “recado” de Lira ao pautar um requerimento de urgência para um projeto para derrubar um decreto presidencial sobre a igualdade de salário entre homens e mulheres, segundo apurou o Poder360.

Após o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) postar um vídeo em suas redes sociais vestido com a camisa do Santa Cruz e convidando os seus seguidores para a manifestação bolsonarista que será realizada neste domingo (21), o senador Humberto Costa (PT) retrucou. 

“O santinha nunca foi tão desonrado. Não merecia ser usado por essa série lixo”, escreveu o petista em sua conta no Instagram.