FMO - Processo Seletivo 2024

Assessoria de Sandro Arandas afirma que ex-prefeito de Ibirajuba não está inelegível

Em nota enviada ao blog, a assessoria de Sandro Arandas, ex-prefeito de Ibirajuba que teve as contas rejeitadas pelo Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco, afirmou que o mesmo não está inelegível. 

“Nos processos referentes às contas de 2016 e 2017 do ex-prefeito Arandas, não houve imputação de débito, nem mesmo aplicação de multa. É importante ressaltar que, de acordo com a recente Lei Complementar Nº 184/2021, que inseriu o 4º-A ao artigo 1º da Lei Complementar nº 64/1990, a inelegibilidade prevista na Lei da Ficha Limpa não se aplica quando não há imputação de devolução aos cofres públicos”, informa a assessoria.

“Dessa forma, esclarecemos que, com base na legislação vigente, o ex-prefeito Sandro Arandas não se encontra inelegível em decorrência da rejeição das contas de 2016 e 2017”, complementa.

Jaboatão dos Guararapes - Carvanval 2024

O partido Novo classificou como “inaceitáveis” as buscas realizadas pela Polícia Federal em endereços ligados ao deputado federal Carlos Jordy (PL-RJ). Em nota divulgada nas redes sociais, a legenda defendeu na sexta-feira (19), a instalação de uma CPI contra o suposto abuso de autoridade do Supremo Tribunal Federal e do Tribunal Superior Eleitoral.

“A decisão de Moraes, recheada de verbetes e frases de efeito, não oferece nenhuma prova ou indícios robustos para essa alegação grave”, diz a nota do Novo. As informações são do O Antagonista.

“É inaceitável que um deputado tenha seu gabinete revirado a mando de um ministro do STF sem que haja um bom fundamento jurídico para isso. As investigações da Polícia Federal devem acontecer, mas não a invasão do Poder Legislativo por outro.”

Líderes de oposição ao governo Lula no Senado criticaram a operação que mirou Carlos Jordy e defenderam a suspeição do ministro Alexandre de Moraes na condução dos casos correlatos aos atos de 8 de janeiro de 2023.

Segundo os parlamentares, a nomeação de Moraes para a relatoria dos processos “desviou-se do procedimento padrão de livre distribuição, denotando um vício de origem em sua designação”.

Para o Novo, a instalação da CPI do Abuso de Autoridade do STF e do TSE “é o primeiro passo para restabelecer o equilíbrio entre os Poderes na democracia brasileira”.

“A sociedade não ficará calada diante da politização e dos excessos do Supremo Tribunal Federal. Resta, agora, que o presidente da Câmara instale a CPI no início dos trabalhos legislativos”, diz a legenda.

Operação Lesa Pátria

O deputado federal Carlos Jordy (PL-RJ) foi um dos alvos da 24ª fase da Operação Lesa Pátria, deflagrada na quinta-feira (18) pela Polícia Federal.

A ação visa identificar pessoas que planejaram, financiaram e incitaram atos ocorridos entre outubro de 2022 e o início de 2023, no interior do estado do Rio de Janeiro.

Jordy está sendo investigado porque manteve contato com algumas pessoas que planejaram os atos de 8 de janeiro de 2023. A PF identificou mensagens escritas pelo parlamentar a algumas das pessoas que já cumprem pena por participar da invasão às sedes dos três Poderes, em Brasília.

Jaboatão dos Guararapes - Dengue 2024

O governo Lula avalia a possibilidade de usar um decreto de Jair Bolsonaro que autorizou a renegociação de multas aplicadas pela Controladoria-Geral da União (CGU) em acordos de leniência celebrados entre o poder público e empresas brasileiras. Assinado em junho de 2022, o decreto de Bolsonaro abriu uma brecha para as empreiteiras punidas pela Lava Jato. 

Esse acordo permitiu à BRF, gigante das carnes, aliviar o pagamento de multas relacionadas a esquemas de corrupção investigados em operações da Polícia Federal. As informações são do O Antagonista.

O acordo da BRF foi fechado em dezembro de 2022 e não está relacionado à Operação Lava Jato. Desde então, outras empresas começaram a solicitar a possibilidade de usar um “prejuízo fiscal” para compensar o que devem ao governo federal. Ou seja, querem usar um crédito tributário que possuem para quitar as multas.

Os acordos feitos pela Lava Jato incluem o pagamento parcelado ao longo de anos. Seis empreiteiras envolvidas em esquema de corrupção investigados na Lava Jato ainda estão em processo de pagamento das multas.

Odebrecht – R$ 2,7 bilhões em 22 parcelas; OAS – R$ 1,9 bilhão em 27 parcelas; Andrade Gutierrez – R$ 1,4 bilhão em 16 parcelas; Camargo Corrêa – R$ 1,3 bilhão em 24 parcelas; UTC – R$ 574 milhões em 22 parcelas; Engevix – R$ 516 milhões em 28 parcelas.

A revisão das condições dos acordos de leniência firmados por empreiteiras envolvidas em esquema de corrupção desvendados pela Lava Jato é um tema tratado com prioridade no governo de Lula. 

A possibilidade de renegociar as dívidas com as empreiteiras é apenas mais uma medida em favor do revisionismo da Lava Jato, que tem provocado uma série de anulação de sentenças e invalidação de delações premiadas.

Petrolina - Bora cuidar mais

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Cármen Lúcia será a relatora da ação direta de inconstitucionalidade (ADI), que foi protocolada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), contra a decisão do Ministério da Fazenda de conceder isenção do imposto federal de importação para compras online de até US$ 50 para pessoas físicas, por meio do programa Remessa Conforme. 

Na ação, protocolada na noite de quarta-feira (17), as entidades alegam que a iniciativa do Ministério da Fazenda provoca distorção no mercado e cria uma concorrência desleal, e pedem a declaração de inconstitucionalidade das normas que criaram o programa. As informações são da Itatiaia.

Segundo dados da CNI, no período entre 2013 e 2022, as importações de até US$ 50 saltaram de US$800 milhões para US$13,1 bilhões, o equivalente a R$67,8 bilhões, montante que representou 4,4% do total de bens importados em 2022. “Essa isenção fiscal para bens de até US$ 50, no ambiente comercial e com habitualidade, provoca distorção no mercado e cria uma concorrência desleal. Além disso, desprotege o mercado interno, que tem uma proteção constitucional”, declarou o diretor Jurídico da CNI, Cassio Borges.

A CNI divulgou um levantamento, feito a partir de dados da Receita Federal e do Banco Central, que mostra que a isenção do imposto de importação até US$ 50 provocou, em 2022, a redução do Produto Interno Bruto (PIB) em 0,7%, perda de 466 mil empresas, além da baixa de R$ 6,4 bilhões em arrecadação de tributos.

Na ação, a CNI e a CNC alegam que a medida do governo federal apresenta vício de constitucionalidade, por entender que “a desoneração tributária das importações de bens de pequeno valor em remessas postais internacionais não possui equivalência para as transações inteiramente nacionais”. As entidades afirmam que a medida do governo configura violações aos princípios da isonomia, da livre concorrência, do mercado interno como patrimônio nacional e do desenvolvimento nacional.

Ipojuca - App 153

Da Agência Brasil

O estado de São Paulo registrou mais três mortes em decorrência das fortes chuvas que atingiram a região nas últimas 24 horas. Segundo a Defesa Civil, o acumulado de chuvas chegou a 150 milímetros em algumas áreas e causou desmoronamentos e alagamentos em ao menos seis municípios.  

Na madrugada deste sábado (20), em Sorocaba (SP), uma chuva de forte intensidade com rajadas de vento causou a morte de uma pessoa. De acordo com a Defesa Civil, um veículo com dois ocupantes foi arrastado pela força das águas e apenas um deles conseguiu sair e permaneceu sobre o carro. O outro ocupante acabou ficando preso no interior do veículo. O Corpo de Bombeiros chegou a resgatar a vítima, mas ela não resistiu.

O Hospital Grupo de Pesquisa e Assistência ao Câncer Infantil (GPACI), de Sorocaba, teve parte do piso do térreo alagada. Pacientes que estavam ali tiveram que ser remanejados para os andares superiores do hospital. Na cidade, houve ainda registro da queda de um muro do Hospital Evangélico.

Mulheres

Na cidade de Limeira (SP), duas mulheres foram arrastadas pela enxurrada na tarde desta sexta-feira (19). Elas ficaram presas sob um veículo, foram resgatadas, mas não sobreviveram.

Houve, ainda, alagamentos nos municípios de Lins, Getulina, Joanópolis e Votorantim. A Defesa Civil mantém o alerta de fortes chuvas que devem continuar a atingir todo o território paulista até domingo (21), com maior possibilidade de grandes volumes acumulados nas regiões da Baixada Santista, Litoral Norte, Vale do Paraíba e Grande São Paulo.

Na Baixada Santista, a chuva acumulada nos três dias pode chegar a 200 milímetros (mm). No Litoral Norte e Vale do Paraíba, os registros devem ser de até 180 mm. Na Grande São Paulo e na região de Campinas, a previsão é de até 150 mm.

Riscos

A Defesa Civil orienta que, durante tempestades, é importante evitar áreas arborizadas devido ao risco de quedas de árvores. Caso haja queda de raios, devem ser procurados abrigos em edificações. Nas áreas alagadas com enxurradas, uma lâmina de água com 15 centímetros (cm) de profundidade pode arrastar pessoas e, a partir de 30 cm, é capaz de levar um automóvel.

Em locais atingidos por fortes rajadas de vento, as pessoas devem procurar um abrigo seguro, evitando árvores ou coberturas metálicas frágeis; elas devem ficar longe de janelas, vidros e objetos perfurantes, cabos elétricos, torres de transmissão, outdoors, andaimes e outras estruturas frágeis.

Moradores de áreas de encosta precisam observar sinais de movimentação do solo. Antes de grandes deslizamentos, devem ficar atentos a rachaduras nas paredes, portas e janelas emperradas, postes e árvores inclinados e água lamacenta escorrendo pelo morro. Diante de qualquer um desses sinais, o local deve ser abandonado imediatamente.

Citi Hoteis

O ex-prefeito Sandro Rogério Martins de Arandas, que liderou Ibirajuba, no Agreste de Pernambuco, teve seu nome destacado em uma seleção especial de ex-prefeitos cujas contas foram rejeitadas pelo Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco, enquadrando-os na lei da ficha limpa.

Por conta da rejeição de suas contas de 2016 e 2017, Arandas ficará inelegível pelos próximos oito anos. Em 2021, a Câmara Municipal de Vereadores de Ibirajuba votou pela rejeição dessas contas.

Cabo de Santo Agostinho - Refis 2023

Com o objetivo de buscar parcerias que possam atrair novos investimentos para Paulista, o secretário de Desenvolvimento Econômico, Agropecuária e Pesca do município, Raimundo Lopes, e a secretária de Planejamento e Gestão, Terezinha Mousinho, estiveram nesta sexta-feira (19), no Consulado da República Argentina, no Recife, para uma reunião com a cônsul Julieta Guerra. Na ocasião, os secretários fizeram uma apresentação do município, sua economia e suas potencialidades.

Do encontro surgiu convite para uma visita a Paulista, prontamente aceito pela diplomata. Ela, por sua vez, formulou convite para que integrantes da gestão municipal, bem como empresários possam visitar a Argentina. “A Argentina tem uma relação mais estreita com o Sul e Sudeste do Brasil. Nossa missão, como representante diplomática, não só de Pernambuco, mas de outros estados do Nordeste, é mostrar a beleza e as potencialidades que existem mais ao norte desse país“, disse Julieta.

Caruaru - Pré Carnaval

Por Sebastião Oliveira*

É estarrecedora a notícia de que o Cremepe interditou parte dos serviços oferecidos pelo Hospital Barão de Lucena, onde tive a honra de exercer a medicina. Notificado no final do ano passado, o Governo de Pernambuco se mostrou incapaz de resolver os sérios problemas apontados. Com isso, a população paga um preço alto, já que a unidade hospitalar é uma das principais da Rede Estadual de Saúde e atende pacientes de todas as regiões pernambucanas. 

É inadmissível que em tempos atuais, as pessoas sejam obrigadas a conviver com a triste realidade da falta de medicamentos e insumos básicos. À época em que comandou a Prefeitura de Caruaru, a governadora Raquel Lyra já havia mostrado que tratar da saúde do povo não faz parte das suas prioridades. O descaso e a inoperância continuam sendo marcas registradas da sua atuação na área.

*Médico e presidente estadual do Avante

Belo Jardim - Novo Centro

Por Gilson Machado*

Nesta semana estive em contato com a realidade das mães com crianças autistas. Você sabia que, em uma família onde há o autismo, 78% dos maridos abandonam as suas esposas antes da criança completar 5 anos de idade? E que 1 em cada 36 crianças nasce com o transtorno do espectro autista? É um tema extremamente importante de inclusão. 

Vamos identificar e qualificar profissionais de saúde para o diagnóstico eficaz do autismo e oferecer possibilidades de inclusão através dos esportes, da cultura e das artes. Ao meu lado, minha esposa Sarita, que é médica Cardiologista, atua em Recife e também no Estado como funcionária pública concursada. É recifense e atuante em causas como inserção de crianças com o transtorno do espectro autista na sociedade, e não será uma peça decorativa ou muito menos ausente na minha  gestão. 

Atuaremos juntos, com a experiência dela no serviço público de saúde e a minha na  gestão estratégica, como fiz como Ministro da Cultura e Turismo. Contamos também com o total apoio da presidente do PL Mulher do Recife, nossa pré-candidata a vereadora, a Pastora Flavia Santos, como também da nossa base parlamentar como o deputado Joel da Harpa.

*Pré-candidato a prefeito do Recife pelo PL

Vitória Reconstrução da Praça

Apoiador de primeira hora do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), o pastor Silas Malafaia, líder da Igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo, foi às redes sociais nesta sexta-feira (19) reclamar da operação da Polícia Federal (PF) que determinou busca e apreensão na casa e no gabinete do deputado federal Carlos Jordy (PL-RJ).

Uma decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, autorizou a 24ª fase da Operação Lesa Pátria, iniciada nesta quinta-feira (18). As informações são do jornal Estado de Minas.

“Não posso me calar diante dos absurdos e aberrações cometidas por esse ditador da toga, Alexandre de Moraes”, criticou o religioso.

Malafaia ainda acusou Moraes de perseguir bolsonaristas e disse que a troca de mensagens entre Jordy e Carlos Victor Carvalho não é nada demais. Carvalho é um dos líderes do movimento que bloquearam rodovias por não terem aceitado a derrota de Bolsonaro para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no pleito de 2022. 

“É algum crime falar com pessoas?”, questionou Malafaia.

Do g1

A greve geral na Argentina convocada pela Confederação Geral do Trabalho (CGT), para o dia 24 de janeiro, fez as áreas brasileiras cancelarem voos para este dia, segundo uma pesquisa do g1 nos sites da GOL e da Latam. A Azul não opera no país vizinho.

O levantamento feito pela reportagem detectou 33 cancelamentos de voos de ida e volta, entre Brasil e Argentina, no dia 24 de janeiro. A pesquisa foi realizada na manhã deste sábado (20).

Só na GOL, estão previstos 22 cancelamentos, enquanto na Latam o g1 apurou 11 rotas canceladas e uma com status de atraso.

A greve geral na Argentina foi convocada ainda no final de dezembro, após o presidente eleito Javier Milei anunciar uma série de reformas econômicas e trabalhistas.

O que dizem as áreas

Em nota, a GOL enviou orientações para os passageiros que tiveram seus voos cancelados e explicou que a decisão foi necessária, pois a paralisação afetará toda a atividade aeroportuária nas cidades em que a companhia opera (Buenos Aires, Córdoba, Mendoza e Rosário), “impossibilitando a realização dos voos.”

Já a nota da Latam apenas cita “possíveis cancelamentos” nos voos de ida e volta entre Brasil e Argentina no dia 24. E indica as alternativas para os passageiros com voos cancelados.

Orientações da GOL e da Latam

GOL

A companhia informou que os seus clientes terão seus voos remarcados para outras datas e poderão realizar a alteração sem custos, podendo solicitar reembolso integral.

“Clientes com bilhetes marcados para esta data estão recebendo comunicação via e-mail e SMS, de acordo com os dados informados no ato da compra, já podendo realizar a autogestão de seus bilhetes nos Canais Digitais da GOL”, diz a empresa.

  • A companhia disse ainda que criou operações extras para os dias 25 e 26 de janeiro;
  • Em caso de dúvidas, os passageiros podem entrar em contato com a Central de Relacionamento pelo número 0300 115 2121;
  • Para clientes na Argentina, o número de contato é o +55 11 3471 2973, com atendimento em espanhol das 8h às 20h;
  • Quem adquiriu passagem por agências de viagem deve procurar diretamente seus representantes, diz a GOL.

LATAM

A companhia informou que os passageiros afetados poderão utilizar uma das seguintes opções:

  • Alteração de data/voo: sem multa (tanto ida quanto volta) para uma nova data de viagem até 15 dias após a data original;
  • Reembolso: podem ser solicitados sem multa para todos os bilhetes não utilizados.
  • A áerea orientou ainda que os passageiros confirmem periodicamente o status dos voos no site.

Vídeos que circulam nas redes sociais mostram o clima de terror que se instaurou na rodovia PE-15, em Paulista, Região Metropolitana do Recife, por causa do confronto entre os torcedores do Santa Cruz e do Sport. 

A confusão assustou pessoas que estavam nos ônibus, nas ruas e até dentro de suas casas. Nem as viaturas da polícia que estavam no local espantaram os desordeiros. Confira o vídeo abaixo:

A confusão acontece horas antes do jogo entre Sport e Santa Cruz, que entram em campo neste sábado (20), às 16h30, na Arena de Pernambuco, em duelo válido pela terceira rodada do Campeonato Pernambucano. Para o jogo, considerado o Clássico das Multidões, já foram vendidos mais de 15 mil ingressos antecipadamente.

O vice-procurador-geral da República, Hindenburgo Chateaubriand Filho, pediu, na quinta-feira (18), que o STF (Supremo Tribunal Federal) intime o senador Alexandre Luiz Giordano (MDB-SP) por suposto uso indevido de verba indenizatória. 

O pedido acontece após uma apuração do MPF (Ministério Público Federal) mostrar que o parlamentar abasteceu R$ 3,9 mil apenas em 19 de dezembro de 2022 no Auto Posto Mirante. As informações são do UOL.

O senador abasteceu nessa data 507,61 litros de gasolina e 188,67 litros de diesel, segundo a investigação. Essa quantidade seria o equivalente ao tanque de mais de 12 veículos de passeio, considerando uma média de 55 litros por tanque.

Giordano ainda teria abastecido R$ 1,6 mil somente em 2 de janeiro do ano passado, no mesmo posto. O MPF diz que foram abastecidos 324,35 litros de gasolina, volume que supera o tanque de 5 veículos.

O vice-procurador diz que a intimação é uma “providência inicial” para esclarecer o caso.

Em nota enviada ao UOL, a assessoria do parlamentar disse que os valores de combustíveis correspondem ao que foi abastecido em diferentes dias em um único posto. Porém, o faturamento foi realizado no mesmo dia.

Giordano ainda afirma que eventuais não pagamentos em notas fiscais se referem a itens que não cabem ressarcimento, portanto, não há gasto do Senado.

Por Fernando Castilho*

Nos últimos anos, atraídos inicialmente pelo turismo, oportunidades de investimentos imobiliários voltados para essa atividade, consolidação de negócios no setor de serviços de advocacia empresarial,construção civil e até em companhias voltadas para informática, empresários brasileiros olham para Portugal.

Essa “onda” que acabou levando também trabalhadores e estudantes, transformando o país no maior destino de brasileiros, hoje já passando de 800 mil pessoas, no maior movimento de emigração de nativos para a Europa.

A facilidade de falarem a mesma língua, uma condição inimaginável no Brasil em termos de segurança, serviços de saúde pública e educação básica e universitária, além da possibilidade de se tornarem cidadãos portugueses abrindo as portas da Comunidade Europeia, fizeram empresários também se interessarem pela produção de vinhos.

Mesmo isso sendo um desafio num país com ao menos duas dezenas de denominação de origem a ponto de atualmente ao menos 15 empresários que construíram fortunas e expandiram negócios no Brasil também estarem envolvidos com quintas, cepas, rótulos e tipos de fermentados de uva.

Mais brasileiros

Nomes como André Esteves, sócio do BTG Pactual, Rubens Menin, da construtora MRV, e Cristiano Gomes, do Banco Inter, e o alemão-brasileiro Alberto Weisser, ex-CEO mundial do grupo Bunge, além de celebridades como Galvão Bueno, profissionais bem-sucedidos em outras áreas, como Fernanda Zuccaro, André Manz e Juliana Kelman que hoje já estão produzindo em várias regiões de Portugal.

Entre eles, estão três com origem e negócios consolidados em Pernambuco, cuja paixão pelo vinho os levou à decisão de adquirirem terras, contratarem trabalhadores, enólogos e designs para seus rótulos que acabam se tornando mais um negócio – desta vez, desenvolvido em Portugal.

Curiosamente, eles escolheram regiões distintas como a Bairrada, a Verde onde se produz um vinho branco que acabou virando símbolo da região e, finalmente, o charmoso Douro com suas peculiares geológicas e terras xisto, e um número de empresas de grande tradição e uma legislação rígida relacionada ao vinho do Porto.

Nascida no negócio

Eduarda Dias, filha e neta de empresários com origem portuguesa, com fortíssima ligação com Pernambuco, escolheu a Bairrada para, ao lado do marido, Luís Patrão, construir seus negócios e a própria família depois que emigrou para o país para desenvolver o projeto de ressignificação da cepa Baga, na qual está envolvida como marido há 17 anos.

Zeferino Ferreira da Costa, português da região do Porto, um dos migrantes que saíram da icônica estação ferroviária de Campanhã para tomar um avião da TAP com destino ao Recife onde, ao lado dos irmãos e agora filhos e netos, implantou a Construtora Vale do Ave, uma das mais respeitados do Nordeste em termos de qualidade e que em Famalicão produz vinho com castas que ele mesmo cuida e desenvolve pesquisas, se dividindo entre o Porto e o Recife.

Chegada no Douro

João Carlos Paes Mendonça, presidente do Grupo JCPM, adquiriu e desenvolveu uma empresa de porte médio na região do Douro, num empreendimento que lhe foi oferecido numa de suas viagens pelo norte de Portugal. Por lá, fez amigos vitivinicultores, a maioria com grande tradição na icônica região – que combina a produção de vinhos, turismo sofisticado, além da industrialização de rolhas de cortiça. João Carlos produz tintos, brancos e rosé mesmo num porto vintage.

Pernambucanos

Em comum, além do amor e apoio de seus cônjuges, todos compartilham a paixão pelo vinho, cada um com características bem distintas, forte investimento em dedicação e pesquisa na busca de espaço num mercado que, a cada ano, coloca centenas de novos rótulos.

E a ligação com Pernambuco onde seus produtos estão disponíveis, embora a grande maioria seja consumida em Portugal, demais países da União Europeia, dos Estados Unidos, Canadá e até Austrália.

*Colunista do Jornal do Commercio

Os hospitais conveniados ao Sassepe e os prestadores de serviços do sistema, administrado e gerido pelo Instituto de Recursos Humanos de Pernambuco (IRH), receberam uma proposta indecente do Governo Raquel Lyra para o pagamento dos seus atrasados, em 24 parcelas. 

Quem não aceitar terá que esperar “no fim da fila” para receber – e sem saber quando. Segundo informações repassadas ao blog, os credores, sem alternativa, estão aceitando mais esta imposição do governo.

Esta arbitrariedade foi informada em reunião ocorrida no último dia 16, no auditório do Sindicato dos Hospitais, Clínicas, Casas de Saúde e Laboratórios de Pesquisas e Análises Clínicas do Estado de Pernambuco (Sindhospe). A reunião, que contou com um grande número de prestadores de serviços, não teve a participação do presidente do Sassepe. 

Fontes afirmam que foi um encontro de comunicação, mas que não foi permitida a tratativa de outros assuntos. Além disso, as tabelas apresentadas pelo governo confirmam a remuneração de serviços e procedimentos com valores ainda mais baixos dos que já estão vigentes, sem reajuste há mais de cinco anos. 

De acordo com informações, a classificação do nível do hospital prestador de serviço, em nível 1,2 e 3, que determina os valores das tabelas a serem utilizadas para pagamentos, é baseada no número de leitos do hospital e não no nível de complexidade dos atendimentos.

Ou seja, um hospital que realiza cirurgia cardíaca, endovascular ou tratamento oncológico avançado, por exemplo, receberá menos do que um hospital de baixa complexidade que dispõe de mais leitos.

Absurdo!

Esta foto foi enviada pelo leitor Fernando Emerenciano e traz, num registro em 1962, o ex-governador Cid Sampaio com o advogado e jornalista Caio Souza Leão, irmão da então primeira-dama Dulce Sampaio, Jordão Emerenciano, que era secretário da Casa Civil, e o jornalista Marco Aurélio de Alcântara.

Se você tem uma foto histórica no fundo do seu baú e deseja vê-la postada neste quadro, envie agora para o 81 98222-4888.

Transcrevo abaixo o texto no qual o jornalista João Alberto, colunista do Diario de Pernambuco há 55 anos, se despede do jornal. Como antecipado com exclusividade por este blog, o jornalista aceitou o convite do empresário João Carlos Paes Mendonça e assumirá, a partir da próxima semana, a coluna social do Jornal do Commercio.

O fim de uma era

Por João Alberto

Hoje, depois de 55 anos, deixo de assinar a Coluna do Diario de Pernambuco, numa das mais difíceis decisões da minha vida. Foram  60 anos de trabalho em vários cargos no jornal mais antigo em circulação em língua portuguesa. Com a saída, também desaparece o blog, o Instagram, o facebook, que comando há 12 anos. Hora de agradecer a todos que me ajudaram nestes anos todos.

Em 1963, eu trabalhava no Banco do Brasil e escrevia um jornalzinho da AABB, com informações do clube, que tinha intensa atividade social. Costumava levar o boletim, que existe até hoje, para os jornais, a fim de conseguir divulgação. No Diario de Pernambuco, conheci o jornalista Antônio Camelo, que era o diretor de redação. Ele leu o boletim, gostou do texto e pediu que eu escrevesse um texto, numa máquina Remigton da redação, sobre a Pracinha em frente ao jornal. Leu, gostou e me convidou para trabalhar no jornal. Foi meu maior professor de jornalismo e começou minha carreira no Diário.

Iniciei como estagiário, fazendo reportagens, colaborando com a coluna social, que era chamada “O Diário na Sociedade”, assinada por Fernando Barreto, de quem me tornei grande amigo. A coluna tinha tido, antes, como titular, Paulo do Couto Malta, Edmundo Morais e Edson Cacho Borges. Passei a dividir com ele a cobertura de eventos, especialmente festas em clubes, que aconteciam todos os fins de semana. E o substituía nas suas viagens ou quando estava doente. Não podia ainda assinar a coluna, mas recebi muito incentivo de Edmundo Morais, que era o chefe de redação e um famoso jornalista.

Em 1966, fui chamado pelo dr. Antônio Camelo (estou desobedecendo a ele que me ensinou que jamais se usa o termo dr. num texto), que me ofereceu uma vaga que tinha aparecido na redação: de redator da primeira página. Tive então minha carteira profissional assinada em 1º de outubro de 1966. Passei a trabalhar com o editor Waldimir Maia Leite. Não era uma tarefa fácil e de muita responsabilidade. Tinha de escrever textos que chegavam pelo telex e muitas vezes o trabalho entrava pela madrugada. Continuei colaborando com a coluna social. Passei, então, a assinar minha primeira coluna no jornal. “Chamava-se “Nova Geração”, saia aos domingos, no Suplemento Social do jornal. Foi, graças a Deus, um enorme êxito, tanto que em pouco tempo tornou-se diária. Suas festas para apresentar as “Mais Elegantes do Ano”, na sede do Iate Clube do Recife, eram sempre enorme sucesso. Recordo que a marca da “Nova Geração” foi criada pelo saudoso Italo Bianchi.

Fui então deslocado para outras funções: repórter cobrindo setores como Receita Federal, Secretaria da Fazenda, Empetur,  Polícia Federal, Aeroporto dos Guararapes (entrevistando personalidades que chegavam ou partiam). Foi lá que tive minha única prisão, quando repórter, em busca de uma melhor imagem, com o fotógrafo Francisco Silva, ultrapassei a barreira de policiais para chegar mais perto de um avião da Swissair, que fez um pouso de emergência. Levei uma pancada de cassetete nas costas e fui levado para a Base Aérea. Fiquei preso apenas algumas horas na sala do comandante, até ser libertado com um telefonema de Edmundo Morais. Já o fotógrafo conseguiu escapar e a foto foi para a primeira página do jornal. Dava plantão aos sábados, quando cobri vários fatos importantes. A edição do domingo só saia de madrugada.

Passei a ser repórter especial e fui editor de vários suplementos como o “Domingo”, que saía aos domingos, o Caderno de Turismo, o Viver, que existe até hoje. Escrevi editoriais, várias vezes cobri espaços como editor geral, fui integrante do Conselho Editorial. Em resumo, no Diário não trabalhei apenas no Caderno de Classificados. Estive em todas as outras funções, mas sem jamais deixar meu lado mais importante, o repórter.

Em 1968, outra boa notícia: fui chamado à sala do presidente do jornal, Nereu Bastos, e junto com Antônio Camelo fui comunicado que iria assumir a coluna social, com a ida de Fernando Barreto para o setor de marketing. Foi, claro, uma ótima notícia, junto com muita responsabilidade. No dia 3 de julho de 1968, uma terça-feira, saiu a primeira coluna. Tive a ideia de trocar o antigo nome “O Diario na Sociedade” pelo meu nome. Não foi fácil emplacar a novidade, mas acabou aprovada. Surgiu então a Coluna de João Alberto, a primeira da imprensa brasileira a ter a novidade, que eu tinha visto num jornal de Itália.

Decidi, então, ir fazer um estágio com Zózimo Barrozo do Amaral, que era um famoso colunista no Jornal do Brasil, que havia revolucionado o colunismo social do país, dominado por Ibrahim Sued. Passei uma semana com ele, que se tornou meu grande amigo e informante e que me ensinou um slogan que sempre adotei no trabalho: “a coluna deve ser um jornal dentro do outro”, abordando todos os assuntos e não apenas eventos da sociedade. Foi ele quem me deu a notícia da vinda da Rainha Elizabeth ao Recife. Nestes anos todos, tive a felicidade de dar muitos furos (notícia em primeira mão), mas este foi o maior de todos. Um dia, o mestre Gilberto Freyre me disse: “tomo café da manhã lendo sua coluna”. Aproveitei e criei o slogan que uso  até hoje: “O café da manhã da sociedade pernambucana.”

Graças ao Diario de Pernambuco comecei a cultivar um hábito que virou paixão: viajar. Estive em todos os estados do Brasil, em todos os países da América do Sul, da América do Norte, da América Central, da Europa, e em vários do Oriente e da África. Perdi a conta de tantos, incluindo os que estiveram em três voltas ao mundo que realizei. Paralelamente à coluna, fui editor do Caderno de turismo, onde tinha a coluna “Passaporte” e publiquei dois livros de viagens. Nunca deixei de ir, todos os anos, às minhas cidades favoritas no mundo: Nova York, Las Vegas, Londres e Lisboa.

Tive a felicidade de participar de eventos com duas rainhas: Elizabeth II, da Inglaterra, e Sílvia da Suécia. E muitos presidentes da República. E com orgulho fui amigo de todos os governadores de Pernambuco e prefeitos do Recife neste período. Tive amigos fraternais em todos os setores, na sociedade, na política, no judiciário, no empresariado. Tenho orgulho de ter sido amigo de Gilberto Freyre, Ariano Suassuna, Mauro Mota, Miguel Arraes, Dom Helder Câmara, Lula Cardoso Ayres, Marco Maciel, para citar apenas algumas personalidades pernambucanas. Durante 35 anos, em parceria com José Ubiracy Silva, publiquei o livro “Sociedade Pernambucana”, com tiragens recordes e inesquecíveis festas de lançamento.

Graças ao meu trabalho no Diario de Pernambuco, recebi o título de Cidadão de Pernambuco, de Cidadão do Recife, e a cidadania de cidades do interior, as principais medalhas do Governo de Pernambuco e Prefeitura do Recife, do Exército, Marinha e Aeronáutica, da Academia Pernambucana de Letras, da Polícia Militar e de outras instituições.

Trabalhei em quatro sedes do Diário de Pernambuco. No histórico prédio da Praça da Independência, na Rua do Veiga, na Marques de Olinda e agora na Avenida Cruz Cabugá. Todas me marcaram muito. Nestes anos todos, estive presente em todos os grandes eventos da cidade, as festas, os carnavais, os shows, as visitas importantes. E também cobri fatos tristes, como a enchente de 1975, o funeral de Frei Damião, a queda do avião da Noar em Piedade, a morte em acidentes aéreos de Marcos Freire e Eduardo Campos. Sempre com a marca do repórter que nunca deixei de ser. 

Também tive uma tarefa descontraída: coordenei por alguns anos o concurso “Miss Pernambuco”, quando era promovido pelo Diario de Pernambuco e que superlotava o Geraldão. Em duas ocasiões, estive no júri que elegeu a Miss Brasil. Há cinco anos assino artigo na página de opinião do jornal nas sextas-feiras, relembrando fatos da história do Recife, que devem virar, brevemente, um livro.

Paralelamente ao trabalho no jornal, tive atuação em outros setores. Na televisão, iniciei na TV Tupi, que era dos Diários Associados, com o programa “Gente e Notícia”, na mesma semana em que esta coluna começou. Depois passei por outras emissoras como TV Rádio Clube, TV Guararapes, TV Manchete, TV Pernambuco, TV Universitária, TV Estação e TV Tribuna, onde estou numa segunda passagem. No rádio, tive programas nas rádios Caetés, Clube, Globo e CBN. Escrevi também em várias revistas, inclusive em “O Cruzeiro”.

Tive alguns pioneirismos: fui o primeiro jornalista do estado a usar um computador, a assinar uma coluna nas segundas-feiras e comandar um dos primeiros blogs sociais, que existe há mais de 10 anos, com o mérito de ser um formador de talentos, com estagiárias que brilham no nosso jornalismo.

Tive vários diretores no Diario de Pernambuco, que se tornaram amigos: João Calmon, Fernando Chateubriand, Paulo Cabral, Hilton Mota, Nereu Bastos, Antônio Camelo, Joezil Barros, Gladstone Vieira Belo, Eduardo Monteiro, Luiz Otávio Cavalcanti, Paulo Pugliesi, Lourenço Cunha, Guilherme Machado, Maurício e Alexandre Rands, Clóvis da Silveira Barros, Sérgio Jardelino, Gabriela Vital, e atualmente Carlos Frederico Vital, de quem, como os outros, sempre foi muito mais do que um chefe, um amigo, sempre me apoiando.

Um tesouro que ganhei do jornal foram os colegas amigos, um patrimônio que mantenho até hoje – foram tantos que seria impossível citar todos. Porém, destaco os diretores de redação: Antônio Camelo, Edmundo Morais, Ricardo Leitão, André Gustavo Stumpf, Ivan Maurício, Zenaide Barbosa, Vera Ogando, Brites Caminha, Kaué Diniz, e atualmente Paula Losada, uma presença especial na minha carreira.

Nestes 55 anos da coluna, tive muitos auxiliares no meu trabalho: Fátima Bahia, Luiz Felipe Moura, Dalci José, Márcio Neves Baptista, Orismar Rodrigues, Daniela Gusmão, Paula Imperiano, Tatiana Sotero, Cecília Ramos, Larissa Lins, Marina Simões, Fernanda Guerra, Tahyse Boldrini, além de dezenas de estagiárias do meu blog, chamadas carinhosamente de “Albertetes”. Além de fotógrafos, como Fernando Gusmão, Antônio Souza Leão, Nando Chiappetta e minha companheira de todas as horas, Sheila Wanderley, que assina as fotos da coluna há alguns anos. Dos diagramadores, importantes no visual da coluna, um de forma especial, Armandinho. Muitos destes colegas de jornada seguiram carreira solo de brilho e continuam amigos queridos. Todos foram fundamentais nos 55 anos da coluna.

Não foi fácil escrever este texto que encerra os 55 anos da coluna. Nos 198 anos do Diario de Pernambuco, em cada quatro edições, uma teve esta coluna. Nos 55 anos, não deixou de circular um só dia. Sempre com meu compromisso de fazer um trabalho melhor a cada dia. Tive duas segundas casas: O Diario de Pernambuco e o Banco do Brasil, onde fui por 28 anos ótimo funcionário (ao contrário do que muitos pensam), jamais faltando a um expediente no edifício do Recife Antigo. Encerro este círculo, com dor no coração, mas com o sentimento de dever cumprido e com o agradecimento a todos que tornaram isto possível – especialmente, o personagem mais importante na história: você, leitor, que transformou a coluna no seu café da manhã diário. E o grande responsável por tudo isto, Deus, que sempre teve um olhar carinhoso comigo.

Recebam todos meu carinhoso muito obrigado