FMO - Processo Seletivo 2024

Índia ameaça liderança da China

Do blog do Ney Lopes

A Índia foi por muitos anos vista como a relação pobre com a China, retida por um setor estatal esclerosado e burocrático. O país tem enormes problemas de pobreza e infraestrutura precária, mas está começando a emergir como rival de seu grande vizinho, com o tipo de crescimento econômico que já foi o orgulho de Pequim.

A Índia com população de 1,4 bilhão de pessoas ultrapassou recentemente o Reino Unido, como a quinta maior economia global e pode ser a terceira em 2030. O mundo se familiarizou com super milionários chineses, como Jack Ma, o fundador do “Alibaba” (sites de business-to-business, vendas no varejo e pagamentos online).

A Índia rivaliza e tem empresários de expressão global, como Gautam Shantilal Adani, bilionário indiano e fundador do Adani Group, conglomerado multinacional focado no desenvolvimento e operações portuárias. Em 2022, Adani se tornou a segunda pessoa mais rica do mundo, de acordo com a Forbes.

O Banco Asiático de Desenvolvimento projetou que a economia da Índia crescerá em ritmo acelerado de 7,2% este ano, o maior entre os 46 países da região da Ásia e do Pacífico. O PIB do país cresceu 13,8%, no final de 2023. Os controles da pandemia foram suspensos, a produção e serviços cresceram.

Os fatores que influem nesses resultados são a liberalização econômica do setor privado, rápido crescimento da população ativa e do realinhamento das cadeias de suprimentos globais da China. A participação indiana no produto interno bruto mundial mais do que triplicou, desde 1992. Nesse mesmo ano, o PIB dos EUA foi 18 vezes maior que o da Índia. Hoje, o múltiplo caiu para sete.

A Índia parece motivada para continuar sua marcha de crescimento, criando situações de ultrapassagem da Alemanha e o Japão. Há a pretensão de aumentar o setor de manufaturas e desafiar a China como exportadora número 1 do mundo.

O país beneficia-se de uma classe média de bom nível, o que ajuda a desenvolver setores de TI (Tecnologia da Informação) e produtos farmacêuticos. Também tem uma forte demanda do consumidor, que responde por cerca de 55% da economia, em comparação com menos de 40% na China.

O que poderá dificultar a ascensão indiana são os conflitos fronteiriços com a China, que fazem parte de um impasse militar na região de fronteira disputada pelos dois países, desde 5 de maio de 2020, resultando em combates e tiroteios frequentes.

China e Índia estão separadas pela cordilheira do Himalaia e compartilham fronteiras com Nepal e Butão. Ao longo dos limites terrestres há dois territórios em disputa. Esses conflitos estremecem as relações entre os dois gigantes. Não há qualquer indício de solução para a disputa fronteiriça de décadas, o que pode levar a uma nova onda de tensões, a qualquer momento.

A verdade é que China e Índia continuam sendo ferozes rivais. 

Do blog do Roberto Almeida

Quando assisti o vídeo da governadora Raquel Lyra emocionada, falando que tem sofrido, sem conseguir conter o  choro, lembrei do amigo que falou: “A impressão que passa é que ela está sempre representando”. Mas acho que dessa vez a ex-prefeita de Caruaru foi sincera, pelo menos na maior parte de seu pronunciamento. 

Cristina Tavares dizia que política é jogo duro, “uma mão no sangue outra na merda”. Raquel não sabia disso? Foi secretária estadual, deputada, prefeita… Pensou que seria fácil? Bateu sem dó em Paulo Câmara. Agora quer que aliviem pra ela? Em política ninguém tem pena de ninguém. Dilma, muito mais forte, foi arrastada. Raquel, para sobreviver politicamente, precisa melhorar muito sua gestão, que até agora é desastrosa. Não é assumindo o seu lado Ruth que vai impedir o naufrágio.  

Jaboatão dos Guararapes - Dengue 2024

Após vir à tona a informação de que representantes da Secretaria Estadual de Saúde, em reunião com a diretoria do Hospital Jesus Nazareno (HJN), afirmaram que o Governo de Pernambuco teria que fechar as portas da unidade porque a Loja Maçônica Dever a Humanidade, de Caruaru, teria pedido de volta a posse do terreno que foi doado, o Venerável Mestre Soares França publicou um vídeo nas redes sociais negando veementemente a informação.

França reforça que o terreno em questão foi doado por um obreiro da Loja ainda na década de 60 e a Maçonaria construiu o Jesus Nazareno e entregou para o Governo de Pernambuco gerir a unidade. “É totalmente inverídica a história de que estamos querendo de volta este terreno. Se existe algum outro interesse por trás, não é o nosso. A Maçonaria contribuiu com a sociedade na forma de ajudar os mais pobres. Não poderíamos dar com uma mão e hoje estar tentando receber com a outra”, assegura o Venerável Mestre.

Entenda 

Ontem este blog publicou uma matéria onde os profissionais que atuam no Jesus Nazareno lutam pela manutenção das atividades do hospital. Na ocasião, o médico obstetra Frederico Araújo apontou que uma reunião foi realizada em outubro do ano passado com a equipe médica, a direção do HJN e representantes da Secretaria Estadual de Saúde, onde teria sido explicado que o governo estadual teria que encerrar as atividades do hospital porque a Loja Maçônica queria o terreno de volta. 

Inclusive, ainda conforme apontado por Frederico, durante a reunião a Secretaria garantiu que já existe um processo em tramitação na Procuradoria do Estado. Clique aqui e confira a publicação.

Petrolina - Bora cuidar mais

Recebi de um leitor a sugestão de escrever uma crônica diária, como a coluna do dia. Ele revelou que gosta dos meus textos reflexivos sobre o cotidiano. Mas crônica não é como uma coluna, rotina obrigatória, na qual dou minha opinião e trago informações em curtas notas. 

Crônicas são extraídas do fundo do coração, da alma, das dores. Embora retratem acontecimentos do dia a dia, a narrativa provoca uma reflexão sobre o assunto abordado. Eu tenho um livro de crônicas, lançado em 2013: “Perto do coração”.

Já li que a carta de Pero Vaz de Caminha foi a primeira crônica da literatura brasileira. Rubem Alves é o meu cronista preferido, mas firmei minha personalidade literária lendo Machado de Assis, Cecília Meireles, Rubem Braga, Carlos Drummond de Andrade, Lima Barreto, Luís Fernando Veríssimo e Fernando Sabino. 

Toda pessoa apaixonada é um cronista em potencial. Minha Nayla Valença é a razão das minhas crônicas mais frequentes e profundas, estalo da minha vida, ela e meus filhos. O amor é uma coisa íntima, mas todos nós temos a necessidade de torná-lo público. 

É a nossa vitória contra a solidão. Assim como as torcidas de futebol comemoram seus títulos com buzinaços, foguetório e cantorias, também alardeamos nossa conquista pessoal, dividindo a alegria de ter alguém que faz nosso coração bater mais forte. Numa crônica, como esta, posso explicar que o amor deriva pelo cheiro, pelo mistério, pela paz que o outro lhe dá, ou pelo tormento que provoca. Pelo tom de voz, pela maneira que os olhos piscam, pela fragilidade que se revela quando menos se espera.

Mas, voltando à temática da crônica, cobrança do leitor, Rubem Braga disse que em todas as suas crônicas há um certo lirismo. Seus textos fluíam a depender dos estados de sua alma. Para o cronista, a alma é a essência, mas não é difícil descobrir que o cotidiano é marca da crônica, inclusive mais representativa e abrangente do que o lirismo. 

Mais do que isso, seria possível desconfiar que o cotidiano se ergue como uma espécie de obstáculo para a expressão lírica e para o estatuto literário daqueles escritos, uma vez que o apego ao fato miúdo e às coisas corriqueiras representaria um distanciamento do processo de elaboração da linguagem ao qual o cronista deve recorrer. 

Machado de Assis, o maior de todos os cronistas, se afina pelo tom das miudezas do cotidiano, onde acha a graça espontânea do povo, as fraturas expostas da vida social, a finura dos perfis psicológicos, o quadro de costumes, o ridículo de cada dia e até a poesia mais alta que ela chega a alcançar. 

Foi lendo Machadinho que aprendi, dentre outras lições, que no dia a dia da luta devemos nos defender com um sorriso, atacar com o silêncio e vencer com a indiferença. 

Ipojuca - App 153

Nissan Versa: espaço e conforto para ser Uber Black

Já virou lugar-comum dizer que o sedã Nissan Versa é o melhor carro para transporte de aplicativos. Para o cliente, pelo espaço e pelo acabamento sóbrio e bem cuidado – tem mais refinamento do que a geração anterior – para os padrões do segmento; para o motorista, principalmente, em razão de seu consumo comedido de combustíveis e confiabilidade oferecida pelo conjunto mecânico. Mas a Uber, maior empresa do setor, comete uma injustiça com o Versa: não o permite ser usado na categoria Black, apenas na Comfort. A empresa, claro, como é privada e livre de para definir suas regras, pode adotar o que quiser. No entanto, a versão Exclusive (topo de linha) do tradicional sedã da marca japonesa mereceria, sim, estar na lista – mesmo que os R$ 130 mil sejam, digamos assim, um valor elevado para o uso profissional. Este colunista testou o modelo importado do México por uma semana e constatou as razões.

Por exemplo: a versão Exclusive tem um bom pacote de equipamentos e itens de segurança ativa e passiva. Destaque para o sistema de visão 360° inteligente, o detector de objetos em movimento, o monitoramento de ponto cego e os alertas de atenção do motorista e de tráfego cruzado traseiro. Estão disponíveis também nesta versão seis airbags, controles eletrônicos de velocidade e de partida em rampa, assistente de frenagem de emergência e até alerta de objetos esquecidos no banco traseiro. Internamente também foram adotadas algumas mudanças – algumas bem perceptíveis, como os novos acabamentos e tecido ou couro e o confortável apoio de braços entre os bancos dianteiros. O ar condicionado é bem eficiente – mas aí entra uma falha para quem deveria ser adotado pelo Uber Black: faltam saídas de ar para os ocupantes do banco traseiro (embora, e isso não é comum no segmento dos compactos, tenha saída USB do tipo C). Para o motorista desse ‘aplicativo’, há um carregador sem fios, mas aí vem outro problema: o espalhamento com Android e IOS exige um cabo. 

Motor – O modelo mantém o motor 1.6 aspirado – o que ainda é um atraso na era dos turbinados, espalhados por todos os segmentos. Mas, pelo menos, a Nissan já anunciou, conforme divulgado nesta coluna, que vai fabricar motores turbo em Resende, no interior do Rio, principalmente para o Kicks. Quem sabe não é uma mudança geral de estratégia? Mas, por enquanto, o condutor te m que conviver com os até 113cv com 15,3kgfm de torque. O câmbio é do tipo CVT. É aquele sistema que parece muito bem ajustado ao conjunto, produzindo força sem trancos e sem exigir altas rotações, mas que não empolga em saídas rápidas e retomadas. Por outro lado, mesmo esse fenômeno – rotação baixa, pouco torque disponível – faz os olhos dos motoristas de aplicativos (olhem eles de novo!) brilharem: dados do Inmetro mostram que o consumo de combustível do Versa está entre os melhores do seu segmento. São, por exemplo, 11,5 km/l na cidade e 14,7 km/l na estrada – com gasolina, claro. Em lugares com topografia plana, que dispensa rotações mais altas, o consumo pode ser bem melhor. O modelo não foi usado em estradas, e por grandes distâncias, mas em alguns momentos o painel chegou a marcar consumo instantâneo de 17,8 km/litro – com gasolina.

E mais

√ O Nissan Versa é confortável exatamente pelo tamanho: são quase 4,50 m de comprimento, sendo 2,62 m de entre-eixos – e isso garante um bom espaço interno, principalmente no banco traseiro (e ainda mais se o banco da frente estiver à frente). 

Essas medidas todas garantem um porta-malas caprichado, com 482 litros de capacidade – e o bom acesso é garantido por uma ampla área de abertura.

Para quem o usa com frequência (como os motoristas… de aplicativos), um mimo: o banco dianteiro tem uma tecnologia chamada Zero Gravity, que o torna mais agradável e confortável. 

A direção é elétrica, com regulagem de altura e profundidade da coluna de direção. 

A versão Exclusive tem os bancos e a parte central do painel em dois tons, combinando cinza escuro com branco ou azul. 

GM ainda não garante elétrico nacional – A montadora norte-americana General Motors, prestes a completar 99 anos de Brasil, anunciou na quarta-feira (24) um investimento de R$ 7 bilhões no país até 2028. O aporte, segundo a marca, faz parte de uma fase inicial do novo ciclo de investimento que, acreditam, será o período de maior transformação da marca no Brasil. Esse valor será destinado especialmente para promover a renovação do portfólio de veículos, o desenvolvimento de tecnologias inovadoras, a evolução das operações e a criação de novos negócios. Os dirigentes da empresa, que fizeram o anúncio direto ao presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva, não garantiram, porém, que nesse tempo saia algum modelo 100% elétrico exclusivamente nacional (desenvolvido e produzido numa das suas quatro fábricas). 

O enfático discurso anterior de que não fabricaria híbridos – pulando de motores a combustão diretamente para a produção de 100% elétricos – foi amenizado. “Acreditamos que o mercado deva ser testado, se haverá transição e onde ela será mais lenta ou não”, comentou o presidente da General Motors International, Shilpan Amin. O pacote de investimentos chega num momento em que a GM brasileira chegou a passar maus momentos, tendo que demitir em três fábricas – depois transformando a ação em um plano voluntário, no final do ano passado. Até boatos sobre o fechamento de unidades e até sobre a saída da companhia do Brasil foram ventilados, agora veementemente negados: “O Brasil é importantíssimo para nossos negócios, sendo pólo exportador para a América do Sul e centro de desenvolvimento de engenharia”, disse Chamorro. 

Novo Spin no BBB até março – O Novo Spin, crossover (ou minivan) de sete lugares de maior sucesso do mercado nacional, vai estrear no Brasil ainda no primeiro trimestre de 2024, dentro do reality show Big Brother Brasil, da TV Globo. A General Motors promete que ele dará um salto evolutivo com inovações de design, conteúdo e performance. “O Spin sempre se destacou por atributos como o amplo espaço interno e a relação custo-benefício”, diz Paula Saiani, diretora de Marketing de Produto da GM América do Sul. “Agora, mexemos inclusive na parte estrutural do Novo Spin, mas mantendo virtudes como a versatilidade”, diz a executiva. 

O modelo continuará sendo oferecido em versões de sete lugares e de cinco lugares – que se diferencia pelo maior porta-malas entre os veículos de passeio de produção nacional. Nas projeções oficiais do novo Spin recém-divulgadas vê-se uma parte dianteira completamente nova, com faróis Full LED e um capô mais elevado – uma tendência entre os SUVs. Seguindo este mesmo princípio, o Novo Spin fica ligeiramente mais alto, devido a ajustes na suspensão. Há mudanças ainda na calibração do conjunto propulsor e da direção, que proporcionam uma dinâmica veicular e uma performance mais refinada ao produto, com ganhos relevantes também em eficiência energética.

Pulse: 100 mil emplacamentos – O SUV Pulse, o primeiro da Fiat totalmente desenvolvido no Brasil, chegou à marca de 100 mil unidades emplacadas. O modelo ajudou a Fiat a fazer sucesso nesse segmento, a ponto de, no ano passado, garantir a terceira posição, com 11% de participação (ou  86 mil unidades vendidas). E o Pulse traz outro pioneirismo: ser responsável pela estreia do motor turbo flex T200, um 1.0 de 130 cavalos e 20,4kgfm de torque, e da transmissão automática do tipo CVT. Hoje, são seis configurações em cinco versões distintas – e a partir dos R$ 103 mil, embora a versão topo de linha (Abarth) chegue aos R$ 150 mil. 

Golf, 50 anos: o que vem aí? – O Golf celebra seu quinquagésimo aniversário em 2024 e a Volkswagen, para celebrar a data, acaba de apresentar a versão aprimorada de seu carro mais vendido. Na Europa, os clientes poderão encomendar o novo modelo dentro de algumas semanas. Ele impressiona pela nova central multimídia de última geração, com conceito de operação mais intuitivo, além do design exterior mais marcante na dianteira e traseira. Agora, as opções híbridas plug-in alcançam autonomia de, aproximadamente, 100 quilômetros apenas com motor elétrico. E, pela primeira vez, a grade dianteira de um Golf recebe o logotipo iluminado da Volkswagen. Não há informações sobre a chegada dele ao Brasil. 

Harley-Davidson: novidades para este ano – A fabricante norte-americana Harley-Davidson apresentou durante a semana suas principais novidades para a linha 2024, tendo como destaque as renovadas Street Glide e Road Glide – que tiveram design bastante alterado e, com isso, melhoria na aerodinâmica. As duas levam motor de 1.923 cm³, aprimorado com um novo sistema de refrigeração. Com isso, reduz-se o calor emitido pelo motor e eleva-se a potência de 102 cv para 106 cv, agora com torque de 17,9 kgfm. De lançamento, a Road Glide ST CVO – uma versão caprichada da empresa de costumização da marca, que comemora o 25º aniversário. Este seria o modelo de alto desempenho mais rápido, veloz e sofisticado já produzido pela Harley-Davidson. Um assento solo profundo e um riser de seis polegadas combinado com um guidão especial colocam o piloto em uma posição agressiva e ereta, com estilo custom californiano. 

Transporte escolar: o seu está regular? – Início do ano letivo exige que pais, mães e responsáveis gastem dias com as pendências para resolver antes que as crianças e adolescentes retornem às aulas. Além do material escolar e o uniforme, o transporte escolar costuma ser uma das causas de grande preocupação nessa época do ano. A Federação Nacional da Inspeção Veicular (Fenive) alerta que os veículos que fazem esse serviço precisam, obrigatoriamente, comprovar que estão adequados para poder operar. Além disso, as informações sobre a regularidade desses veículos devem ser públicas e acessíveis a todos os usuários. De acordo com a legislação brasileira, somente podem realizar o transporte escolar no Brasil os veículos que passaram por inspeções veiculares semestrais, comprovando que estão com todos os documentos e dispositivos de segurança regulares, evitando riscos aos estudantes.

Padronização – O engenheiro mecânico Daniel Bassoli, diretor executivo da Fenive, critica a falta de padronização entre os órgãos de trânsito estaduais com relação aos serviços habilitados para fazer essa avaliação. Segundo ele, em algumas unidades da federação, a inspeção veicular só pode ser realizada em organismos credenciados pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), que são as estruturas preparadas e qualificadas para isso. “No entanto, em boa parte do país não há rigor algum sobre o serviço ou o profissional responsável pela inspeção dos veículos de transporte escolar. Assim, qualquer pessoa pode validar. Isso dá brecha para que a segurança das crianças seja colocada em segundo plano ou sujeita a interesses comerciais”, alfineta.

Transparência – Bassoli pontua, ainda, a dificuldade que as famílias dos estudantes encontram para saber se os veículos contratados estão em conformidade com as exigências da legislação. É preciso que os Detrans facilitem a transparência desses dados – como a placa do veículo ou o nome completo do motorista. “Muitos municípios do Brasil sequer fazem a inspeção veicular. Para agravar esse cenário, há um problema de rastreabilidade em muitos lugares e os familiares não têm acesso às credenciais do transportador para saber se ele está regular, de fato. Muitas vezes, o usuário conta somente com uma autorização em papel, afixada no interior do veículo, o que não é garantia de que realmente o veículo está regular”, enfatiza.

Legislação – O serviço de transporte escolar no Brasil está regulamentado no Código de Trânsito Brasileiro (CTB). O diretor da Fenive destaca que, além disso, ônibus, micro-ônibus e vans que transportam estudantes precisam cumprir todos os requisitos exigidos na NBR 14.040 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), que é a norma brasileira para inspeção veicular. Para ampliar a segurança e o rigor sobre o transporte escolar, em 2023 a ABNT publicou a norma NBR 17075, que complementa a NBR 14040. A nova regra estabelece os itens e acessórios veiculares que precisam estar adequados aos padrões de segurança para a execução do serviço, além dos procedimentos para inspeção, seus equipamentos e recursos necessários.

Estatísticas – “Os acidentes com o transporte escolar no Brasil são pouco divulgados. Quase sempre são computados nas estatísticas gerais dos acidentes de trânsito. É urgente fazer a padronização desses serviços no país para evitar mais vítimas entre os estudantes”, reforça o engenheiro. Não existem estatísticas oficiais do número de estudantes da rede privada brasileira que utiliza o transporte escolar, uma vez que as informações são descentralizadas. Mas os dados do Programa Caminho da Escola, do Ministério da Educação (MEC), mostram que existem cerca de 8,5 milhões de estudantes matriculados na educação básica da rede pública que dependem do transporte escolar fornecido pelo poder público – a maior parte deles (7,4 milhões) de ônibus ou micro-ônibus, mas também de barco e até de bicicleta.

Dicas na hora de contratar – Confira os dados do motorista. O condutor do veículo deve ter mais de 21 anos, carteira de habilitação para dirigir veículos na categoria D, ter passado por curso de Formação de Condutor de Transporte Escolar e possuir matrícula específica no Detran para realizar o transporte escolar;

– Ônibus, micro-ônibus e vans devem apresentar autorização especial do Detran para realizar o transporte de escolares. Essa autorização deve estar fixada na parte interna do veículo, em local visível.

– Verificar se a autorização afixada no veículo é autêntica e recente. Os veículos devem passar por inspeção a cada semestre.

– Os veículos que fazem o transporte escolar devem, obrigatoriamente, apresentar a inspeção veicular em dia, em cumprimento às exigências estaduais, municipais e federais 

– Monitore o serviço diariamente e esteja atento ao comportamento do seu filho, faça perguntas e preste atenção aos relatos que ele apresenta. 

Renato Ferraz, ex-Correio Braziliense, tem especialidade em jornalismo automobilístico.

Citi Hoteis

O Supremo Tribunal Federal (STF) vai abrir o Ano Judiciário 2024 em sessão marcada para a próxima quinta-feira (1º), às 14h. Após a solenidade, que deve contar com a presença de representantes dos três Poderes, da Procuradoria-Geral de República e da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), o Plenário realiza sua primeira sessão de julgamentos do ano. Os prazos processuais, suspensos durante o recesso judiciário e as férias forenses, voltam a fluir no dia 1º.

O Plenário do STF terá seis sessões de julgamento em fevereiro. A pauta da primeira sessão retoma discussões iniciadas no ano passado, sobre temas como a imposição do regime de separação de bens para pessoas com mais de 70 anos (ARE 1309642) e a chamada “revisão da vida toda” para aposentadorias e benefícios de quem contribuía para a previdência antes de 29/11/1999 (RE 1276977).

Foi incluído na pauta de fevereiro o processo que discute se, em nome da liberdade religiosa, pode-se afastar a proibição do uso de boné, chapéu, óculos, lenços e outros adereços para fotos de documentos civis (RE 859376). Está previsto ainda o julgamento das ações da chama da “pauta verde” que cobram um plano de ação do governo federal para combater o desmatamento e as queimadas na Amazônia e no Pantanal ( ADPFs 760, 743, 746, 857 e as ADOs 54 e 63).

Dois recursos que tratam da validade de provas em processo criminal também estão na pauta de fevereiro. O ARE 959620 discute a legalidade de provas obtidas mediante a revista íntima de visitantes que ingressam em estabelecimento prisional e a violação da dignidade humana. Já no ARE 1042075, o tema é a validade de prova obtida por meio de perícia em aparelho celular encontrado no local do crime e a eventual violação do sigilo das comunicações.

Por fim, também estão listadas para julgamento três Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADIs 2943, 3309 e 3318) questionando os poderes de investigação criminal do Ministério Público e a eventual ofensa à a autonomia dos estados e do Distrito Federal na aplicação das normas da Lei Orgânica do Ministério Público da União aos Ministérios Públicos estaduais.

Plenário Virtual

O STF também terá, em fevereiro, quatro sessões de julgamento do Plenário Virtual. A primeira, iniciada em dezembro, termina em 5/2. Há sessões ainda com início nos dias 2, 9 e 16/2, com mais de 600 processos em pauta. Entre os temas previstos estão o ingresso de mulheres nas polícias militares nos estados,a concessão de benefícios fiscais sobre produtos agrotóxicos e ações penais contra pessoas denunciadas pela Procuradoria-Geral da República (PGR), por participação nos atos antidemocráticos de 8 de janeiro de 2023.

Posse

Está prevista para o dia 22 de fevereiro a posse de Flávio Dino como ministro do STF, na vaga decorrente da aposentadoria da ministra Rosa Weber. Flávio Dino foi juiz de carreira, presidente da Associação dos Juízes Federais (Ajufe) e integrante do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) antes de ingressar na política. Foi eleito por duas vezes governador do Maranhão e depois para o cargo de senador, até ser nomeado ministro da Justiça e Segurança Pública em janeiro de 2023 pelo presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. 

Cabo de Santo Agostinho - Refis 2023

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou, na manhã desta sexta-feira (26), o decreto que regulamenta o programa Pé-de-Meia, que prevê uma bolsa de permanência no ensino médio para 2,5 milhões de alunos de baixa renda (até R$ 218 por pessoa na renda familiar). O ato foi publicado em edição extra do Diário Oficial da União.

“O grande objetivo é garantir o auxílio financeiro para que esses jovens permaneçam na escola e não tenham que optar entre ter um prato de comida e estudar, porque essa é uma idade que os jovens chegam que, muitas vezes, precisam trabalhar para ajudar a família. Não é questão de escolha, de opção, é questão de necessidade”, afirma o ministro da Educação, Camilo Santana.

O texto prevê um repasse total de até R$ 9.200 por aluno ao longo dos três anos do ensino médio. A intenção é reduzir taxas de evasão escolar. “O que queremos é envolver, numa cumplicidade educadora, a sociedade brasileira e, sobretudo, envolver pais e mães no processo educacional”, afirmou o presidente.

Segundo informações do Ministério da Educação (MEC), o investimento anual será de R$ 7,1 bilhões. A prioridade é para integrantes de famílias inscritas no Cadastro Único de Programas Sociais (CadÚnico) e jovens beneficiários do Bolsa Família. A estimativa do ministro Camilo Santana é de que a primeira parcela seja paga a partir de março de 2024.

Como funciona:

Efetuando a matrícula no início de cada um dos três anos letivos, o aluno recebe R$ 200, por parcela única. Com a matrícula efetuada nos três anos, são R$ 600.

Comprovando a frequência no mês ou na média do período letivo, o aluno recebe nove parcelas de R$ 200, um total de R$ 1.800 para o estudante assíduo por ano do ensino médio.

Ao concluir cada ano do ensino médio, o aluno recebe uma parcela única, no valor de R$ 1.000. O requisito é a aprovação e a participação em avaliações educacionais. Há também um pagamento adicional e único, no valor de R$ 200, aos alunos do 3ª ano que se inscreverem no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). O saque deste valor só poderá ser feito após a conclusão do ensino médio.

Alcançando a graduação no ensino médio, o valor total que poderá ser recebido por aluno será de R$ 9.200.  

Caruaru - Geracao de emprego

Por ocasião do Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, o Museu Sinagoga Kahal Zur Israel abriu suas portas neste sábado (27) com uma programação especial para o público, com o propósito de não esquecer o genocídio em massa de seis milhões de judeus pelo regime nazista.

O dia foi implementado através da Resolução 60/7 da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em 1º de novembro de 2005. A data marca a libertação, em 1945, pelas tropas soviéticas do maior campo de concentração nazista, Auschwitz-Birkenau, na Polônia, no final da 2ª Guerra Mundial. As informações são da Folha de Pernambuco.

O evento contou tanto com uma visita espontânea, assim como também com uma guiada na Sinagoga localizada na Rua do Bom Jesus, no bairro do Recife. Jader Tachlitsky, coordenador de comunicação da Federação Israelita de Pernambuco, ressaltou a importância desse dia e por que é crucial não esquecer os eventos que marcaram a humanidade.

 “Imagine que é um evento que não é tão antigo assim”, começa Tachlitsky. “Década de 30, 40, o surgimento do nazismo, eclosão da Segunda Guerra Mundial, o fenômeno do Holocausto. Se sabe que 6 milhões de judeus foram assassinados, dois terços dos judeus da Europa. Eles não foram mortos porque estavam lutando uma guerra. Eles foram mortos em cima de um regime nazista, que classificava a humanidade em raças superiores e inferiores e que primeiro segregou os judeus, como outros segmentos e depois partiu para uma política de extermínio propriamente dito.”  

A lembrança desse evento é fundamental para a compreensão da história e como um alerta contra a repetição de atrocidades similares. “A Alemanha no final foi derrotada na guerra. Se ela tivesse vencido aquela guerra, qual teria sido o desenrolar daquilo? Então esse marco histórico serve como uma referência fundamental para a reflexão e para a educação”, explica Tachlitsky. “É como se diz, que nunca mais se permita. Nós lembraremos sempre, justamente para impedir que fatos como esse se repitam”, afirma.

No entanto, apesar das lições do passado, Tachlitsky observa que o mundo contemporâneo ainda enfrenta desafios relacionados à discriminação e intolerância.

“Infelizmente, a gente percebe que a gente tá num mundo que continua se discriminando, se perseguindo. Teorias fascistas continuam sendo propagadas, falta de reconhecimento do próximo, falta de reconhecimento da identidade nacional ou da identidade religiosa de vários segmentos”, pontuou Tachlitsky.

Para combater essas tendências preocupantes, Tachlitsky destaca a importância de uma abordagem em duas frentes. “É um alerta permanente que a gente tem que trabalhar em dois sentidos. No sentido da lei, de coibir a ação de grupos que propagam esse tipo de ideal e ao mesmo tempo, tão ou mais importante, educando as novas gerações para compreender o que isso significa e trabalhar no sentido de que isso não possa acontecer.”

A visitante Paula Shinozaki compartilhou sua emoção, destacando a importância não apenas como uma lembrança do passado, mas também como um chamado à ação para construir um futuro de respeito.

“Fiquei tocada pela experiência de visitar a sinagoga durante o evento em homenagem às vítimas do Holocausto. Ver a comunidade reunida para prestar tributo às vítimas foi emocionante. Ficou evidente o compromisso de nunca esquecer os horrores do Holocausto e trabalhar incansavelmente pela tolerância e pela paz”, afirmou Paula Shinozaki.

Em todo o mundo foram rendidas homenagens a todas as vítimas do regime nazista: judeus, ciganos, testemunhas de Jeová, negros, homossexuais, dissidentes políticos, pessoas com deficiência.  

Belo Jardim - Patrulha noturna

Da Agência Brasil

Para o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), a retomada da reforma agrária é uma forma de enfrentar a pobreza no Brasil. Segundo um dos membros da coordenação nacional do movimento, Jaime Amorim, a redistribuição de terras improdutivas poderia ser uma forma de garantir renda para famílias que atualmente vivem sem condições mínimas.

“A reforma agrária é uma alternativa para enfrentar a pobreza. Se o governo quiser, a forma mais barata, mais fácil de garantir trabalho para as pessoas é a reforma agrária. Não existe nenhuma política mais barata de geração de trabalho e de emprego”, disse neste sábado (27), durante o encerramento do encontro da coordenação nacional do MST, que ocorreu ao longo da semana.

O evento foi também uma celebração dos 40 anos de fundação do movimento social.

Esse modelo de produção rural tem, segundo Amorim, grande potencial de gerar ocupações e rendimentos que vão para além dos assentados.

“Porque quando você assenta [concede terras] uma família, você não está criando um trabalho. Você está empregando ou dando trabalho para toda a família. Além de que nas safras e nos plantios, nas colheitas, utiliza sempre força de trabalho das pessoas que vivem ao redor.”

Amorim criticou, no entanto, a falta, até o momento, de diretrizes para fazer a distribuição de terra para as famílias dispostas ao trabalho no campo. “Infelizmente, ainda não existe um programa de reforma agrária do governo que determina a meta, que determina a estruturação. Nós tivemos um ano muito ruim, sem verba para reforma agrária”, reclamou durante a entrevista coletiva em que a coordenação divulgou as visões do MST a partir dos debates dos últimos dias.

Violência

A organização de grupos armados para combater movimentos de camponeses e de populações indígenas é um ponto de preocupação para o MST.

“A gente precisa denunciar o que tem sido essa tentativa efetiva, não só uma tentativa, mas uma organização efetiva dessa milícia no campo brasileiro, que é esse movimento que eles têm denominado de Invasão Zero. Então isso é uma afronta contra a democracia, isso é uma afronta contra o direito legítimo da organização popular e da luta pela terra e das lutas populares no nosso país”, destacou Ceres Hadich, que compõe a direção nacional do MST.

No último domingo (21), uma comunidade pataxó hã-hã-hãe foi atacada por um grupo de homens que tentou retomar à força uma fazenda ocupada pelos indígenas e reivindicada como território tradicional. De acordo com a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), o ataque que resultou na morte de uma mulher foi planejado por um grupo autointitulado Invasão Zero.

Apesar da violência, o MST não demonstra a intenção de desistir dos métodos tradicionais de luta, como as ocupações de terras e as manifestações.

“Nós vamos continuar fazendo luta pela reforma agrária, fazendo ocupações massivas. Vamos para a estrada, vamos fazer caminhada para dizer primeiro, existe terra improdutiva e muitas”, enfatizou Jaime Amorim.

Diálogo com a sociedade

Para além da disputa política, Ceres acredita que a divulgação da produção das famílias assentadas pela reforma agrária ajuda a sociedade a entender o papel do MST.

“Sem dúvida nenhuma essa simbologia muito concreta do alimento chegar à mesa das pessoas tem ajudado nesse processo de diálogo com a sociedade brasileira,” diz tanto sobre a venda direta dos produtos nas feiras e lojas do movimento, como nas doações realizadas pelos produtores.

Vitória Reconstrução da Praça

A Prefeitura de Petrolina mobilizou diversos setores para atender as necessidades da população durante os dias de chuva intensa na cidade. Entre as atividades em andamento, o trabalho da equipe de serviços públicos tem fortalecido as ações emergenciais. As intervenções têm o objetivo de ajudar no escoamento de toda a água acumulada, bem como, minimizar transtornos decorrentes da chuva, a exemplo da remoção de árvores caídas em vias públicas.

Todo o efetivo da pasta coordenada pela Secretaria de Infraestrutura e Mobilidade (Seinfra) está à disposição. As ações contam ainda com o reforço de máquinas como retroescavadeiras, caminhões, caçambas, pá carregadeira e caminhões poliguindastes. Dezenas de pessoas estão envolvidas na força-tarefa, incluindo as equipes da Operação Drenagem.

Desde o início da semana, bairros como Cacheado, Jardim Petrópolis, Rio Corrente, Parque Massangano, São Jorge, Dom Avelar, São Gonçalo, Henrique Leite, São Joaquim, N-07, entre outras comunidades, estão sendo atendidas com diversas ações para garantir o bem-estar e segurança da população. Os trabalhos seguirão ao longo do final de semana.

A gestão municipal reforça ainda a necessidade de parceria com a população no sentido de não descartar lixo nos canais e pontos de drenagem, assim como abrir as tampas dos PVs durante as chuvas. Essas práticas são alguns dos principais agravantes para a formação dos alagamentos.

Por Magno Martins – exclusivo para a Folha de Pernambuco

Provavelmente para não abrir uma linha de confronto com o presidente Lula (PT), o vice-presidente Geraldo Alckmin (PSB) desistiu de prestigiar o ato que deu o start da pré-candidatura da deputada Tabata Amaral (PSB) à Prefeitura de São Paulo. Não pegaria bem subir no palanque de uma aliada na capital paulista, principal preocupação de Lula, uma semana antes do chefe-mor ser a principal estrela na refiliação da ex-prefeita Marta Suplicy ao PT. Ela é cotada para fechar a chapa de Guilherme Boulos, pré-candidato do Psol.

A refiliação de Marta será um festão, na próxima sexta-feira (2). Um dos detalhes decididos é o local do ato. Será realizado na Casa de Portugal, centro cultural localizado no bairro da Liberdade. O evento deve acontecer no início da noite, provavelmente a partir das 18h. Ontem, a ex-prefeita convidou deputados federais, deputados estaduais e vereadores do partido em São Paulo para um jantar em seu apartamento.

O encontro acontecerá na próxima segunda-feira (29), quatro dias antes do evento de refiliação da ex-prefeita ao PT. O convite de Marta foi enviado aos parlamentares petistas por meio do presidente  estadual do partido em São Paulo, Kiko Celeguim, que também é deputado federal. Segundo aliados de Marta, o jantar faz parte da estratégia da ex-prefeita para se reaproximar dos petistas, dos quais tinha se afastado após deixar a legenda em 2015.

Além de agregar experiência à chapa e munição contra o atual prefeito, a expectativa sobre Marta Suplicy como vice de Guilherme Boulos na disputa à Prefeitura de São Paulo também recai sobre a capacidade da ex-prefeita em atrair doadores robustos à campanha do deputado do PSol, que costuma repelir o apoio empresarial por conta do discurso de esquerda.   

O Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) da Venezuela confirmou a proibição da líder da oposição, María Corina Machado, de ocupar cargos públicos por 15 anos. A decisão aumenta os obstáculos para a oposição nas eleições e favorece a permanência do ditador Nicolás Maduro no poder. Além de Corina Machado, Henrique Capriles, outra figura proeminente da oposição, também teve confirmada sua inabilitação por 15 anos. Enquanto isso, Leocenis García e Richard Mardo tiveram suas inabilitações canceladas. A medida do TSJ é criticada por políticos e ativistas venezuelanos, que a consideram uma tentativa do regime de enfraquecer a oposição, retirando suas principais figuras do cenário político.

A decisão baseia-se em alegações de que María Corina Machado teria participado de um esquema de corrupção vinculado a Juan Guaidó, durante o período de 2019 a 2023, quando este foi reconhecido como presidente interino por parte da oposição e de outros países. A decisão também levanta preocupações sobre a violação do Tratado de Barbados, assinado entre o governo e a oposição, que buscava garantir eleições livres e justas em troca do relaxamento de sanções dos Estados Unidos. As informações são do Estadão.

Além disso, a situação política na Venezuela se intensifica com a prisão de colaboradores de María Corina Machado por supostas conspirações. O procurador-geral do país, Tarek William Saab, indiciou líderes regionais da sua campanha por envolvimento em uma suposta conspiração contra o governo.

Apesar das pressões, a oposição reafirma sua intenção de manter a rota eleitoral, considerando a decisão do TSJ como um obstáculo, mas sem abandonar a via democrática. O enfraquecimento do regime de Maduro é percebido como a principal razão para sua postura mais defensiva e agressiva contra os opositores. A Constituição venezuelana e a inabilitação de mais de 1.400 cidadãos para cargos públicos desde 2002 levantam questões sobre a legalidade dessas sanções administrativas. 

A Noruega, envolvida nas negociações entre Maduro e a oposição, propôs um mecanismo de revisão das inelegibilidades, mas as recentes decisões do TSJ indicam uma falta de avanço nesse processo. A crise política e as ameaças de reversão de medidas pelos Estados Unidos intensificam a instabilidade interna no país, enquanto Maduro declara que os acordos assinados com a oposição estão “mortalmente feridos”.

Médicos que atuam no Hospital Jesus Nazareno, em Caruaru, fazem apelo para que a unidade não seja fechada pelo Governo de Pernambuco. Segundo o médico obstetra Frederico Araújo, durante reunião realizada no ano passado, o governo estadual – por meio da Secretaria de Saúde -, informou que o hospital teria que ser fechado porque os doadores do terreno haviam solicitado a devolução do mesmo.

Inclusive, durante a reunião, a secretaria teria informado que já existe um processo em tramitação na Procuradoria do Estado para a devolução do terreno, que seria de propriedade da Loja Maçônica Dever e Humanidade. O terreno foi cedido ao Estado de Pernambuco em 1978.

Confira o vídeo

Na manhã deste sábado (27), um dia depois de abandonar uma coletiva de imprensa após ser questionada sobre críticas políticas, a governadora Raquel Lyra (PSDB) se emocionou ao revelar que tem passado por momentos difíceis na vida pessoal e se perguntado qual o seu propósito. 

A emoção da tucana aconteceu durante a missa de entrega da insígnia episcopal ao arcebispo Dom Paulo Jackson, na Catedral da Sé, localizada no Carmo, Olinda. Raquel apontou que a fé tem sido fundamental para mantê-la de pé.

Confira:

Inflamada após as ações da Polícia Federal contra os deputados Alexandre Ramagem (PL-RJ) e Carlos Jordy (PL-RJ), a ala bolsonarista do Congresso Nacional ameaça atrapalhar as votações de interesse do governo, além de elevar a pressão para o avanço de pautas que esvaziam o poder do Supremo Tribunal Federal (STF). O grupo pressiona, sem sucesso até o momento, os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), para endossar a empreitada.

Lira não deu sinais de que irá embarcar no discurso e se manteve distante da repercussão dos últimos acontecimentos. Pacheco deve seguir o mesmo caminho, sobretudo após o embate público com o presidente do PL, Valdemar Costa Neto, que o chamou de “frouxo”. As informações são do O GLOBO.

Apesar disso, a oposição quer se reunir com os dois presidentes na próxima semana em busca de uma “resposta institucional de defesa do Parlamento”. Do lado do Senado, a incumbência ficou a cargo do senador Rogério Marinho (PL-RN). Já na Câmara, do deputado Sóstenes Cavalcante (PL-RJ).

“Vamos defender um diálogo, uma construção política, para uma demonstração de fortalecimento do Congresso. Se por algum motivo isso não for possível, então a oposição passará a agir como oposição”, afirmou Sóstenes ao GLOBO.

Entre os projetos em tramitação no Legislativo que vão entrar na “lista de exigências” da oposição está a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que dá poderes ao Congresso para sustar decisões do Supremo Tribunal Federal que “extrapolem os limites constitucionais”, além da que restringe decisões monocráticas, atualmente, na Câmara.

Mas novos projetos também devem entrar nesse rol após o fim do recesso, como uma proposta do deputado Rodrigo Valadares (União-CE). Ele quer aprovar a exigência da autorização das mesas diretoras do Congresso para ações policiais contra deputados ou senadores. Antes da operação contra Ramagem, o texto tinha 55, das 171 assinaturas necessárias, incluindo a do líder do partido de Valadares, o deputado Elmar Nascimento (União-BA).

Diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) no governo Bolsonaro, Ramagem foi alvo de mandados de busca e apreensão ontem, pela suspeita de monitoramento ilegal de desafetos do ex-presidente. Já Jordy entrou na mira da Polícia Federal na semana passada pela suspeita de organizar atos antidemocráticos.

Neste fim de semana, um grupo de deputados federais e estaduais do PL está reunido com o ex-presidente Jair Bolsonaro, em Angra dos Reis ,para o lançamento da pré-candidatura do empresário Renato Araújo, que vai concorrer à prefeitura da cidade fluminense. No encontro, parlamentares aproveitaram para traçar algumas possíveis reações nos curto prazo.

A radicalização da oposição preocupa parlamentares de centro-direita que veem no movimento um possível obstáculo para pautas econômicas. Isso porque o PL, maior bancada da Câmara, com 95 deputados, entregou votos importantes para projetos como a reforma tributária (17 votaram a favor) e offshores (12 votos sim).

A oposição deu um sinal de que irá deixar clara sua irritação com as operações no início da semana. Em um ato que contou com a presença do senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), parlamentares anunciaram que o acordo anterior, que previa o deputado Filipe Barros (PL-PR) na liderança da oposição este ano será quebrado, reconduzindo Carlos Jordy ao posto. Desta forma, dizem os membros da oposição, o parlamentar do PL assumirá um papel simbólico contra aquilo que consideram “abusos do Supremo Tribunal Federal”.

No dia em que a operação contra Ramagem foi deflagrada, o presidente do PL, Valdemar Costa Neto, chamou Pacheco, que é presidente do Congresso, de “frouxo” e “omisso”, devido à ação da PF nas dependências do Legislativo federal. O senador rebateu, acusando o cacique de não ter força política e “passar pano” quando trata de assuntos relacionados ao STF.

Valdemar também cobrou que Pacheco aja pelo impeachment do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo, responsável pela decisão que autorizou a operação. Valdemar classificou a investigação a PF como “perseguição”.

Da CNN

O presidente do Partido Liberal (PL), Valdemar Costa Neto, disse, nesta sexta-feira (26), em entrevista à CNN, que o prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), está “morto” sem o apoio do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) na eleição de 2024.

“Eu acho que o Bolsonaro garante 30% dos votos em São Paulo. Garante. Ele transfere os votos. Nós já temos essa experiência. É vida ou morte. Se não tiver esses 30%, o Nunes está morto. Ele precisa ter o Bolsonaro”, declarou Valdemar.

Segundo o presidente da sigla, é necessário estar organizado para vencer o pleito, porque não será fácil. “O PT tem tradição em São Paulo”, citou. A partir disso, Valdemar afirma que seu partido está “firme com Nunes”.

“Nós temos tudo para ganhar a eleição em São Paulo e vamos ganhar a eleição em São Paulo, porque nós estamos unidos. E nós temos a maioria para ganhar a eleição em São Paulo”, expressou.

Na próxima segunda-feira (29), Valdemar e Nunes se reunirão, a partir de 8h30, para decidir algumas questões. Entre elas, de acordo com o ex-parlamentar, estará a escolha do vice.

Em sua opinião, é excelente a escolha de Bolsonaro para o vice ser o Coronel Mello Araújo, ex-comandante das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota) e ex-presidente da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp).

“O que o Coronel Mello fez lá não existe na história do Ceagesp. Ele pode fazer um grande trabalho, porque eu sei que o Nunes vai atacar essa área da segurança agora nesse novo governo dele. A segurança em São Paulo não pode continuar do jeito em que está. A Polícia Militar não tem gente para controlar tudo aquilo, São Paulo é muito grande.”

Disputa no Rio

De acordo com Valdemar, a escolha para candidato no Rio de Janeiro será de Jair Bolsonaro.

A operação da Polícia Federal que teve como alvo o deputado federal Alexandre Ramagem (PL-RJ), ex-chefe da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), fez reacender entre integrantes do PL a ideia de ter o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) como candidato à prefeitura do Rio de Janeiro.

“Quem vai decidir isso é o presidente Bolsonaro. O Rio de Janeiro é o colégio eleitoral dele e o domicílio eleitoral dele”, disse Valdemar. Na opinião do presidente do PL, a ação contra Ramagem “vai fazer ele crescer”.

“Porque o eleitor carioca é um eleitor esclarecido. E eles estão vendo a perseguição que é feita diária, semanalmente ao PL. A semana passada foi nosso candidato Jordy, que é candidato a prefeito de Niterói”, expressou.

“Pode ser que tenha um substituto? Eu não acredito. Vamos ver se o Ramagem realmente vai cair. Eu não acredito. Acho que ele vai crescer. Agora, se tiver, quem vai escolher é o Bolsonaro”, finalizou Valdemar.

Essa sexta-feira, 26 de janeiro, ficará eternizada na história de João Alfredo e toda região, com a inauguração da primeira faculdade da história do município, a Faculdade Vale do Pajeú (Unidade João Alfredo).

Em um grande evento, a população lotou as dependências e as imediações da faculdade, comemorando esse grande feito, que será um divisor de águas na história da educação municipal e de toda região.

O evento foi bastante prestigiado por autoridades políticas, judiciárias e religiosas. O prefeito Zé Martins fez um discurso emocionado: “Para quem dizia que a Faculdade abria as portas sob protesto do povo, hoje a resposta foi dada. É emocionante esse carinho da nossa gente. A oposição não queria, mas vai ter que aceitar o filho do pobre fazendo um curso superior”, afirmou.