Coluna da quinta-feira

Rodolfo diz que Rodrigo traiu Raquel

Em entrevista ao Frente a Frente, programa que ancoro pela Rede Nordeste de Rádio, o pré-candidato do PL à Prefeitura de Caruaru, Fernando Rodolfo, disse ter esperança de contar em seu palanque com a governadora Raquel Lyra (PSDB). Para ele, a tucana ainda não deu demonstração pública cabal de que apoiará a reeleição do prefeito Rodrigo Pinheiro (PSDB).

Rodolfo acha, inclusive, que a governadora se sente traída pelo prefeito e que não confia nele. “Tão logo assumiu, Rodrigo pintou e bordou com Raquel, demitindo todos os secretários mais próximos a ela, que renunciou para disputar o Governo do Estado”, afirmou, adiantando que, ao longo da campanha de 2022, em nenhum momento o prefeito acreditou na vitória da aliada.

“Raquel teme sofrer outra traição mais na frente. O que se diz em Caruaru é que, reeleito, Rodrigo apoiará a candidatura de João Campos a governador em 2026”, afirmou. Rodolfo acha que o fato do PL, o seu partido, fazer parte do Governo da tucana, facilita uma aliança formal em Caruaru nas eleições deste ano em torno da candidatura dele.

Quanto à aproximação da governadora com o presidente Lula, o pré-candidato do PL acha que se dá apenas no campo administrativo. “Não creio em alianças. A aliança que a governadora tem hoje é com o PL, que está na sua base e faz parte do seu governo”, reiterou.

Rodolfo acha que, mesmo desgastada, sendo a pior governadora do País, segundo levantamento do Atlas Intel, o apoio da governadora será da maior importância para ele consolidar sua candidatura a prefeito de Caruaru. “Como todo gestor em início de governo, Raquel enfrenta dificuldades, mas isso será superado rapidamente quando ela começar a fazer as entregas do seu governo”, avaliou.

Sem definição – O prefeito de Caruaru, Rodrigo Pinheiro, e a governadora Raquel, ambos ainda no PSDB, voltaram a conversar sobre a sucessão municipal e a possibilidade de deixarem a legenda tucana juntos, mas não avançaram muito. Conforme destacou Fernando Rodolfo, não há ainda, da parte da governadora, nenhuma declaração assumindo o projeto de reeleição do gestor caruaruense.

Revés eleitoral e na imagem – Por falar em Caruaru, José Queiroz (PDT) sofreu um tremendo revés ontem. Foi condenado pela justiça a devolver R$ 737 mil à Prefeitura, em razão de um processo que respondia na gestão do CaruaruPrev quando prefeito. A decisão implica na perda dos seus direitos políticos, mas cabe recurso. O pedetista é candidatíssimo a prefeito.

A reação de Queiroz – Ao comentar a decisão, José Queiroz disse ter estranhado porque o Tribunal de Contas aprovou as suas contas e as do CaruaruPrev também. “Trata-se de uma de primeira instância que cabe recurso e em nada ameaça meus direitos políticos”, afirmou, ressaltando que o processo do MP se originou a partir de uma auditoria do Ministério da Previdência, que julgou sua conduta legal e regular.

Escola tem DNA de José Múcio – O presidente Lula desembarca hoje em Pernambuco para uma visita à refinaria Abreu e Lima, marcada para o final da tarde. Amanhã, dá posse ao novo comandante do Exército no Nordeste, ao lado do ministro José Múcio, e ao final anuncia que a Escola de Sargentos ficará mesmo em Pernambuco, apesar da má vontade da governadora Raquel Lyra, que até o momento não moveu uma palha. Aliás, o investimento será feito em Pernambuco por insistência de José Múcio. Se ele não estivesse na pasta da Defesa, a escola teria ido para o Sul.

Em defesa da aliança – Um dos nomes lembrados pelo PT para vice na chapa do prefeito João Campos, candidato à reeleição pelo PSB, o deputado federal Carlos Veras disse, ontem, no Frente a Frente, que a prioridade do PT é manter a aliança com o PSB no Recife, mas ressaltou que se houver necessidade de a legenda ter candidato em faixa própria, os nomes da senadora Teresa Leitão e do deputado estadual João Paulo são os mais cotados. “Mas não estamos pensando nisso. Queremos continuar na aliança com o PSB”, fez questão de destacar.

CURTAS

VEREADORES AFASTADOS – Três vereadores de Santa Terezinha, no Sertão do Pajeú, entre eles o presidente da Câmara, José Martins Neto, conhecido como Neguinho de Danda, foram afastados de suas funções temporariamente, ontem, em consequência de uma operação policial de combate à corrupção.

TADEU DANÇOU – Conforme o blog já havia adiantado, o ex-deputado federal Tadeu Alencar foi rifado na Secretaria Nacional de Segurança Pública. O novo ministro da Justiça, Ricardo Lewandowski, escolheu para a função Mário Luiz Sarrubbo, procurador-geral de Justiça de São Paulo.

ACORDA, RAQUEL! – Do cientista político André Bolota: “Até quando a governadora Raquel Lyra vai ficar entregando viaturas e coletes como ação efetiva de combate à violência? É como construir hospitais sem ter médicos. Tem que investir no efetivo: convocar os concursados, extinguir as faixas salariais para valorizar a categoria. Pernambuco tem as cidades mais violentas do País. Quando Raquel vai acordar?”

Perguntar não ofende: Onde o PSB vai abrigar agora Tadeu Alencar?

Governo marcha à ré

Ao suspender os efeitos da portaria do Detran, um arrumadinho da direção da instituição para beneficiar uma só empresa com uma arrecadação em torno de R$ 180 milhões por ano, a governadora Raquel Lyra (PSDB) mostrou que é uma ótima gestora, que dirige o Estado na marcha à ré.

Recuar em decisões equivocadas tem sido uma rotina à frente do Governo do Estado. Logo no início do seu Governo, deu um canetaço e exonerou centenas de servidores públicos. Quando a ficha caiu, depois dos efeitos na saúde e na interrupção no processo das matrículas na rede estadual de ensino, passou uma borracha na maluquice que fez.

Já em fevereiro de 2023, deu ordens para que os jogos da Copa Nordeste fossem com torcida única. Não aguentou a pressão dos cartolas e das torcidas e, mais uma vez, recuou. Fez uma dispensa de licitação, estranhíssima, para uma feira de livros, no valor de R$ 52 milhões. Diante do bombardeio da mídia, usou a borracha, outra vez.

Mais bobagens estavam por vir, como a nomeação de um dirigente da Junta Comercial (Jucepe), cancelada em seguida, ao arrepio de uma lei federal, que obrigava o escolhido ser eleito pelos vogais do plenário da instituição. Na perseguição aos prefeitos do PSB, cancelou convênios com várias prefeituras e obrigou a devolução dos recursos, mas recuou.

O programa Juntos pela Segurança, tão ineficaz quanto inapropriado, pois a violência já cresceu 38% na primeira semana do novo ano, foi prometido para maio, depois junho. Em julho, fez um ato circense para falar de diretrizes na segurança pública, mas as medidas, na verdade, retardaram e só foram anunciadas no final de setembro.

Todo sofrimento da população nasce de um governo incompetente e da incompetência de um gestor. O poder nasceu para tentar curar os males dos mais frágeis, mas nas mãos dos incompetentes só produz desgraça. A incompetência, acredite, já destruiu mais políticos que a desonestidade.

Quer ganhar tempo – No caso da marcha à ré no Detran, um alerta: ao suspender e não anular, a governadora está apenas ganhando tempo, porque se a medida fosse legal, não deveria ser “suspensa” e, em sendo, deveria ser revogada definitivamente. Ela optou pelo caminho do meio. Diminui as críticas e não resolve a questão no mérito. A criação do monopólio pelo Detran em favor de uma associação de cartórios é uma aberração legal. Nisso, até o próprio governo estadual concorda, na medida em que tirou os efeitos legais da medida.

Barreiras estranhas – Mas o remédio aplicado para o Detran não foi definitivo. Na portaria em que manda sustar, o presidente do órgão não “revoga” a decisão. O que manda é “suspender”. Suspensão pode ser temporária. Revogação é algo definitivo. A questão que fica para a governadora Raquel Lyra é: se a medida é ilegal, por que apenas suspender e não acabar de vez com ela? Como vê, o tema – de resolução simples pelo absurdo – continua esbarrando em barreiras estranhas.

PL lá e lô – A nova crise entre o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e o presidente do Partido Liberal, Valdemar Costa Neto, criou um cenário de incerteza em uma ala da sigla sobre qual será o desempenho do PL nas eleições de 2024. A meta é eleger 1.500 prefeitos neste ano. Em 2023, o partido tinha 371 prefeituras. Segundo o site Poder360, a divisão entre o “PL raiz”, com integrantes antigos do partido e mais alinhados ao centro, e o “PL bolsonarista”, com membros mais novos e próximos a Bolsonaro, aumenta o impasse sobre alianças municipais. A avaliação é de que Valdemar Costa Neto busca agradar os dois grupos.

Salário de R$ 20 mil no BC – O Banco Central do Brasil publicou, ontem, um edital de concurso público com 100 vagas imediatas para os cargos de analista na área de Economia e Finanças e na área de Tecnologia da Informação (50 vagas para cada área). O salário para as posições é de R$ 20.924,80 e a carga horária é de 40 horas semanais. O edital foi publicado no Diário Oficial da União e pode ser acessado no site do BC.

Caiado condena “saidinha” – O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (UB), tem posição contrária à liberação de detentos em datas específicas, como o indulto do Natal, para visitar parentes. Para ele, a “saidinha” é uma “aberração”. “É de uma irresponsabilidade ímpar permitir que criminosos, condenados por crimes graves, tenham direito ao benefício de sair do presídio por alguns dias, quando tiverem bom comportamento”, afirma, para acrescentar: “Ter bom comportamento é obrigação do detento. Deveria acontecer o contrário, isto é, punir aqueles que não obedecem às regras com, por exemplo, aumento da pena”.

CURTAS

NINGUÉM VIU, NINGUÉM VÊ – Em Ibitiranga, as máquinas da empresa que ganhou a licitação da estrada até Carnaíba, sede do município, sumiram das supostas obras depois que a governadora passou na região. Mais uma fake da gestão tucana.

SEM DEFINIÇÃO – Na passagem por Sertânia, o presidente estadual do PSB, Sileno Guedes, teve uma longa conversa com o prefeito Ângelo Ferreira, que ainda não definiu o candidato do grupo à sua sucessão. Fontes do blog do município garantem que o candidato está entre o secretário Paulo Henrique e o ex-deputado Gonzaga Patriota.

PATRIOTA, O MAIS FORTE – Há pesquisas que mostram, entretanto, que Patriota é o candidato mais competitivo entre os nomes da base do prefeito Ângelo Ferreira. Embora já tenha disputado a Prefeitura de Petrolina, Patriota é natural de Sertânia e sempre foi muito votado no município.

Perguntar não ofende: João Campos dá o start da discussão do seu vice após o Carnaval?

Obras de Raquel só existem nas placas

A governadora Raquel Lyra (PSDB) fez o maior estardalhaço entre fim de novembro e início de dezembro do ano passada para anunciar a restauração de um pequeno trecho de estrada, mas extremamente importante para o turismo do litoral sul do Estado, o acesso a Muro Alto, saindo da PE-009, que liga Recife a Porto de Galinhas.

Mas até o momento, nenhum sinal de obra. A estrada acabou, virou uma tábua de pirulito. A buraqueira está provocando acidentes quase todos os dias. No último sábado, ao chegar em Porto, peguei um engarrafamento quilométrico. Tudo porque uma Kombi se chocou com outro automóvel ao tentar desviar um buraco numa manhã chuvosa.

As obras da governadora são como cabelo de freira – ninguém vê. Mas o que tem de placas espalhadas pelas estradas com propaganda de supostas obras, não há precedentes. Na BR-232, já tem placa com a duplicação até o Sertão, como se as obras de São Caetano até Arcoverde, projeto prometido por ela em campanha, já estivessem a todo vapor.

O acesso a Muro Alto, de apenas 6 km, é uma obra da maior relevância. Na extensão da via estão localizados resorts, condomínios de primeiro mundo, grandes hotéis, novas áreas empresariais e um novo centro gastronômico. Mas trafegar por lá tem se constituído numa aventura que exige muita paciência e risco de cair num buraco, provocar um acidente ou danificar o carro.

Em baixa, tendo aparecido como a pior governadora no ranking dos 27 gestores estaduais do Atlas Intel, Raquel acha que vai recuperar sua imagem plantando fake news, ou seja, informando que o Estado faz obras sem elas existirem na realidade. Não sabe que a população está atenta a isso e passou a ser muito mais cobradora e exigente. Não sabe ela que alguém pode enganar a todos por algum tempo, enganar alguns por todo o tempo, mas não pode enganar a todos todo o tempo.

Paralisações no Agreste – A governadora também não tem dado continuidade às obras deixadas pela gestão passada. “Na minha região, no Agreste, existem sete estradas que faltam pouco para serem entregues, mas podem ser totalmente perdidas, com a chegada das chuvas. Já alertei o governo sobre esta situação, que vai prejudicar a população”, disse o deputado Rodrigo Faria, da bancada do PSB na Assembleia Legislativa.

Governo federal faz sua parte – Com verbas federais, o governo passado deixou e a governadora vem tocando obras de adutoras para ampliar a oferta de água no Estado. O Ministério da Integração e do Desenvolvimento Regional, por exemplo, liberou R$ 50 milhões para continuidade das obras da Adutora do Agreste, que já está com 80% das suas obras concluídas, projeto para atender um milhão de pessoas em 23 municípios. Outra adutora – a de Serro Azul – teve a liberação de R$ 12 milhões pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e vai beneficiar mais de um milhão de pessoas.

Barragem retomada – Integrante da bancada do PSB na Assembleia Legislativa, o deputado France Hacker comemora a decisão da governadora, a seu pedido, de retomar as obras da barragem Panelas II, em Cupira. “Tão logo assumi meu mandato, pedi a retomada das obras das barragens de Panelas II, Gatos, em Lagoa dos Gatos; Igarapeba, em São Benedito do Sul; e Barra de Guabiraba. A governadora anunciou o início das obras que devem finalizar Panelas II, e em fevereiro, está previsto o início das obras da Barragem de Gatos, em Lagoa dos Gatos”, disse.

A ira de Bolsonaro – O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) mostrou indignação com os elogios feitos por Valdemar Costa Neto, presidente do PL, ao presidente Lula (PT). Em conversa com apoiadores, no Rio de Janeiro, durante o fim de semana, Bolsonaro disse ter tido “problemas sérios” com um integrante da legenda e ter questionado se Valdemar queria “implodir o partido”. “Essa semana tive um problema sério, não vou falar com quem, mas eu disse: ‘Se continuar assim, você vai implodir o partido”, afirmou, em alusão a Valdemar.

Porto já foi um paraíso – Passar férias em Porto de Galinhas está impraticável aos pobres mortais, com exceção para os gringos, que pagam tudo em dólar, moeda supervalorizada frente ao Real. Um passeio de Buggy varia entre R$ 300 a R$ 400, uma cerveja chega a ser vendida por R$ 12 e para os ricos há sobrevoos de helicóptero a R$ 400 por pessoa. E há algo ainda pior: o trânsito. A outrora pacata vila, com suas galinhas enfeitadas, tem engarrafamentos quilométricos.

CURTAS

VENTOS UIVANTES – As chuvas chegaram com intensidade no Sertão. Em Serra Talhada, domingo passado, caiu uma chuva de ventos que deixou um rastro de prejuízos no comércio, na indústria e em casas de moradores na parte mais baixa da cidade.

COORDENAÇÃO – No caso, o prefeito Keko do Armazém (PP) já escolheu o coordenador da sua campanha de reeleição. Será o deputado Jefferson Timóteo, também progressista, político da altíssima confiança também do presidente estadual da legenda, Dudu da Fonte.

COM DUQUE – Cortejado por ambos os lados em Serra Talhada – os grupos da prefeita Márcia Conrado (PT) e do deputado e ex-prefeito Luciano Duque (SD) – o ex-deputado federal e presidente do Avante, Sebastião Oliveira, tende a ficar no palanque de Duque ou do candidato que este venha a indicar.

Perguntar não ofende: Por que é tão caro fazer turismo no Nordeste?

Lewandowski é o batom na cueca

O Governo Lula é um conluio com o Supremo Tribunal Federal, uma vergonha. A nomeação de Ricardo Lewandowski para o Ministério da Justiça é o chamado batom na cueca. É pagar a fatura de tudo que ele fez em favor do PT e de Lula, especialmente, antes de se aposentar. Uma simples consulta ao Google e a charada é matada facilmente.

Como ministro do STF, nomeado por Lula em 2006, Lewandowski coleciona decisões favoráveis ao petista e ao Partido dos Trabalhadores nos 17 anos que ocupou uma cadeira na alta corte de justiça do País. Beneficiou investigados no escândalo do mensalão e na Operação Lava Jato. Aposentado do STF em abril deste ano, Lewandowski conhece Lula desde quando o presidente era sindicalista, na década de 70, em São Bernardo do Campo, no ABC paulista.

No STF, a decisão mais relevante foi a declaração de parcialidade de Sérgio Moro, enquanto juiz responsável pela Lava Jato, na condução de casos contra o atual presidente. O voto favorável dele, ao lado de Gilmar Mendes e Cármen Lúcia na Segunda Turma, em 2021, permitiu que Lula se candidatasse à Presidência em 2022.

Lewandowski foi o revisor do julgamento do escândalo do mensalão e votou, em 2012, para que o ex-ministro da Casa Civil de Lula, José Dirceu, e o ex-presidente do PT, José Genoino, fossem absolvidos da acusação de corrupção passiva. O então ministro do STF argumentou que não existiam provas que atestassem que Dirceu comandou o esquema de pagamento de propina a parlamentares em troca de apoio ao governo petista, e que as acusações haviam sido mais políticas do que só estritamente jurídicas.

No caso de Genoíno, Lewandowski afirmou que o ex-presidente do PT teria assinado empréstimos de um banco para a sigla por conta da sua função como presidente de partido. Quando estava em São Paulo votando nas eleições municipais daquele ano, Lewandowski respondeu que estava recebendo as críticas pelo voto de absolvição de Dirceu e Genoíno com tranquilidade.

“Cumpri o meu dever e acho que as críticas fazem parte do processo democrático. O juiz vota de acordo com sua consciência, com as leis e com a Constituição e presta contas à sociedade. Estou com a consciência tranquila”, disse. Apesar do posicionamento favorável de Lewandowski aos réus petistas, Dirceu foi condenado a dez anos e dez meses de reclusão e Genoíno, a seis anos e 11 meses de prisão.

Anulou as provas – Em junho de 2021, Lewandowski acatou um pedido da defesa de Lula, comandada por Cristiano Zanin – que substituiu Lewandowski no STF – e anulou provas contra o petista obtidas em acordo de leniência celebrado entre a Odebrecht e o Ministério Público Federal (MPF). Os documentos tinham supostos indícios de pagamento de propina ao agora presidente na compra de um terreno onde seria inaugurada a nova sede do Instituto Lula, em São Paulo. Na decisão, Lewandowski argumentou que ações analisadas pelo plenário do Supremo nos casos referentes à suspeição de Sérgio Moro (União-PR) e a incompetência da 13ª Vara Federal de Curitiba para julgar o petista caracterizavam “causa de nulidade absoluta”.

Perseguição a Moro – “Houve a persecução penal do paciente em cenário permeado pelas marcantes atuações parciais e ilegítimas do ex-juiz Sérgio Fernando Moro. Em todos os casos, a defesa arguiu a suspeição em momento oportuno e a reiterou em todas as instâncias judiciais pertinentes. Além disso, diversos dos fatos ocorridos e que fundamentaram a decisão da Turma pelo reconhecimento da suspeição são compartilhados em todas as ações penais, como os abusos em conduções coercitivas e na decretação de interceptações telefônicas”, afirmou Lewandowski.

Também anulou provas – A invalidação das provas colhidas contra Lula foi essencial para que o líder petista pudesse ser candidato à Presidência em 2022, sem precisar enfrentar obstáculos jurídicos. Em abril de 2021, o STF derrubou as condenações impostas contra Lula na Operação Lava Jato, deixando o petista elegível. Em dezembro de 2020, Lewandowski concedeu à defesa de Lula o acesso a conversas telefônicas entre Moro e o então procurador da República Deltan Dallagnol, obtidas pela Operação Spoofing, da PF, que apurava a invasão de celulares dos magistrados pela “Vaza Jato”.

Acesso direto e imediato – “Determino desta feita à Polícia Federal que franqueou à defesa do reclamante (Lula) o acesso, imediato e direto, à íntegra do material apreendido na Operação Spoofing, compreendendo aquele encontrado na posse de todos os investigados, sem restringir-se apenas aos dados achados em poder de Walter Delgatti Neto, o que deverá ocorrer na sede da Polícia Federal em Brasília”, decidiu Lewandowski. O material obtido foi responsável por dar início a derrocada da Operação Lava Jato e criar uma onda de revisionismo sobre as ações dos investigadores e magistrados.

Atendeu até aos irmãos Batista – Em novembro do ano passado, a J&F Investimentos, dos irmãos Joesley e Wesley Batista, pediu ao STF que reconheça que a holding “foi vítima dos abusos praticados” na Lava Jato. A J&F solicitou também a suspensão do pagamento do acordo de leniência fechado pelo grupo com o Ministério Público Federal (MPF) em 2017. O valor inicial do acordo era de R$ 10,3 bilhões, mas foi reduzido para R$ 3,5 bilhões em 2023.

CURTAS

TENTOU SALVAR DILMA … – Em 2016, quando era presidente do STF, Lewandowski presidiu o julgamento que levou ao impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) no Senado. Ele permitiu, a pedido de aliados da petista, que os senadores votassem separadamente a cassação da petista e a suspensão dos seus direitos políticos por oito anos.

MAS NÃO SE ELEGEU – O resultado foi que a petista precisou deixar o Palácio do Planalto, mas manteve a prerrogativa de disputar eleições e assumir cargos na administração pública. Com isso, Dilma pôde se candidatar ao Senado por Minas Gerais em 2018. A ex-presidente ficou em quarto lugar e não conseguiu ser eleita.

PERDEU UMA – Em novembro do ano passado, o STF rejeitou por unanimidade uma ação que discordava da separação feita por Lewandowski. Ao todo, seis mandados de segurança provenientes do Congresso pediam que a decisão do magistrado em dividir a votação do impeachment fosse anulada.

Perguntar não ofende: Lewandowski é a maior vergonha do STF?

Raquel joga PE num inferno astral

O ano novo chegou com uma chuva de notícias ruins para Pernambuco. Na primeira semana, o número de homicídios bateu um recorde: 82 em apenas sete dias. Trata-se de uma guerra civil. A governadora Raquel Lyra (PSDB) lançou um plano para reduzir em 30% a criminalidade até 2026.

As primeiras ocorrências somam 38% a mais, comparadas com o mesmo período do ano passado. Se for nesse ritmo, a meta da tucana jamais será alcançada. No Detran, há suspeitas de um mega escândalo, com a criação de um monopólio de registros de carros para uma única empresa, que pode faturar até R$ 180 milhões por ano.

Ontem, completados 12 dias de 2024, o Estado aparece entre os que lideram na queda da produção industrial. O Estado teve uma queda da ordem de 9,7% em novembro, enquanto o avanço na indústria nacional foi de 0,5%. Nove dos 15 Estados pesquisados pelo IBGE apontaram taxas positivas. Entretanto, as quedas mais intensas foram Pernambuco (-9,7%) e Amazonas (-4,2%), enquanto Rio Grande do Sul (-2,9%), Mato Grosso (-1,5%), Região Nordeste (1,2%) e Santa Catarina (-0,7%) assinalaram os demais resultados negativos em novembro.

A média móvel trimestral da indústria foi de 0,2% no trimestre encerrado em novembro, com taxas positivas em oito dos 15 locais pesquisados, destacando-se os avanços mais acentuados no Pará (4,7%), Paraná (2,9%), Goiás (2,7%), Bahia (2,4%), Ceará (2,3%) e Rio de Janeiro (1,9%). Frente a novembro de 2022, houve altas em doze dos 18 locais pesquisado, com avanços de dois dígitos e mais acentuados no Paraná (21,2%), Espírito Santo (18,5%), Goiás (16,6%), Pará (12,8%), Rio de Janeiro (10,5%) e Mato Grosso (10,0%).

Mais notícias ruins – Nova sócia na Copergás, conforme esta coluna adiantou ontem, a Infra Gás e Energia S/A nunca atuou no mercado de gás natural, tem apenas um histórico de execução de obras públicas em rodovias, através de sua holding Infra S/A Investimentos e Serviços, além de ter participado recentemente do projeto do Trem Bala – Rio – São Paulo. Outro dado o que chama a atenção, com um capital social de apenas R$ 30 milhões, a Infra Gás também tem a intenção de adquirir as participações da Compass nas concessionárias Cegás (CE), Potigás (RN), Algás (AL) e Sergás (SE), uma operação estimada pelo mercado na casa de bilhões de reais.

Razão da queda – Uma fonte do Planalto soprou, ontem, que Tadeu Alencar será mesmo rifado da Secretaria Nacional de Segurança por um motivo muito simples: a prioridade do novo ministro da Justiça, Ricardo Lewandowski, é atacar a questão da segurança pública no País, área que não funcionou na gestão do ex-ministro Flávio Dino. O PSB já começou a fazer articulações para não deixar Tadeu desamparado.

MP apura rachadinha – O Ministério Público Federal no Distrito Federal abriu novo inquérito para investigar se houve improbidade administrativa por parte do deputado federal André Janones (Avante-MG) em caso no qual o parlamentar é acusado de participar de um esquema de rachadinha em seu gabinete. A representação foi oferecida pelo ex-procurador da Lava Jato Deltan Dallagnol. Em novembro de 2023, áudios divulgados pelo site Metrópoles mostraram Janones cobrando parte do salário de assessores para “reconstruir patrimônio” após gastos com campanha eleitoral.

Bem pior – Do deputado federal cassado Deltan Dallagnol (Novo-PR) ao comparar a nomeação de um ex-ministro do STF para o Ministério de Lula com Sérgio Moro para o primeiro escalão de Bolsonaro: “O caso de Lewandowski, na verdade, é ainda pior, já que nos 17 anos em que esteve no STF, Lewandowski deu sucessivas decisões que beneficiaram Lula e o PT, desde o Mensalão até a Lava Jato”, afirmou Deltan em suas redes sociais.

PP vai de Clarissa – O PP prepara um grande ato para oficializar a pré-candidatura da deputada Clarissa Tércio à Prefeitura de Jaboatão. Ligada aos movimentos evangélicos e bolsonarista radical, Tércio foi a segunda parlamentar mais votada nas eleições de 2022 para a Câmara dos Deputados. É a maior aposta do presidente estadual da legenda, Dudu da Fonte, na Região Metropolitana.

CURTAS

CONVENÇÃO – Dudu foi a Ipojuca, na última quinta-feira, prestigiar a convenção do PP que formalizou a prefeita Célia Sales como nova presidente do partido no município. “Foi uma super convenção”, disse o líder progressista.

DANILO DE GISA – Quem foi visto na convenção do PP em Ipojuca foi o pré-candidato a prefeito em Afogados da Ingazeira, Danilo de Gisa. Ainda sem partido, sua presença no evento foi um indicativo que pode se filiar ao Progressista.

JÁ VAI TARDE? – O vice-prefeito de Belo Jardim, Doutor Maneco, fez uma carta quilométrica, ontem, para anunciar o rompimento com o prefeito Gilvandro Filho (UB) e o deputado federal Mendonça Filho, mas ambos não deram um pio sobre o assunto.

Perguntar não ofende: Com a nomeação de Lewandowski para o Ministério da Justiça, o STF virou uma extensão do Governo Lula?

Vacilo de Raquel na Copergás

Depois do vacilo no desligamento das câmeras de monitoramento de segurança pública, na Região Metropolitana e em Caruaru, o que pode comprometer o trabalho da polícia no Carnaval, a governadora Raquel Lyra (PSDB) perdeu o prazo para o Estado exercer o direito de preferência para comprar a participação da Compass (Cosan) na Copergás – Companhia Pernambucana de Gás.

Trata-se de uma empresa de economia mista, que tem como sócios o Governo de Pernambuco, a Petrobrás Gás S.A, Gaspetro e a Mitsui. Segundo apurei, a Compass teve de sair por determinação do Cade, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica. Essa fatia agora será assumida pelo grupo Infra Gás, sem nenhuma referência no setor e que agora passa a ser o novo sócio do Estado.

As ações seriam adquiridas por valor bem abaixo do mercado. Na verdade, valor histórico da venda da Petrobras. Um lucro que o Estado perdeu por incompetência, agora transferido a empresários do Sul do País e do Sudeste. O que se comenta é que ninguém sabe como será, a partir de agora, a gestão da Copergás com a participação de um novo sócio, sem a menor referência no mercado, diga-se da passagem.

Hoje, a Copergás distribui no mercado não termelétrico, por dia, 1,7 milhão de metros cúbicos de gás natural, chegando a mais de 80 mil unidades consumidoras em 30 municípios do Estado, com uma rede de distribuição que alcança 1.110 km. Está investindo R$ 600 milhões em infraestrutura, dando a sua contribuição para o fomento da economia do Estado nos setores industrial, comercial, residencial, veicular, termoelétrico e de cogeração.

Ampliação da rede – Em recente visita à Copergás, Raquel anunciou a decisão do Governo de expandir a rede de gás natural em vários municípios, investimento da ordem de R$ 100 milhões para ampliação da rede canalizada da empresa em 76 quilômetros. Com previsão de entrega das obras até o fim do ano, o gás vai poder ser distribuído para indústrias, comércios e residências. A ação será feita com recursos da Copergás.

Sem destino – O novo ministro da Justiça, Ricardo Lewandowski, decidiu não manter nem um só auxiliar que serviu ao ex-ministro Flávio Dino. Depois de Ricardo Capelli, o número um de Dino, dançou, ontem, Diego Galdino, diretor-executivo da pasta, braço direito do ex-ministro. O próximo a entrar na dança das cadeiras é o secretário nacional de Segurança, ex-deputado Tadeu Alencar, indicado pelo PSB.

Posse só em fevereiro – Oficializado, ontem, pelo presidente Lula, o novo ministro da Justiça e da Segurança Pública, Ricardo Lewandowski, somente tomará posse no início de fevereiro. “Eu penso que o Brasil ganha duas coisas importantes. Eu também sempre sonhei que teria que ter alguém com uma cabeça política no STF”, afirmou o presidente, ao confirmar o nome do ex-ministro da corte máxima da justiça brasileira como sucessor de Dino.

Mulheres na equipe – Aos jornalistas, Lewandowski disse que “certamente” terá mulheres em cargos de sua gestão no Ministério. Depois de ser anunciado, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) brincou com Lewandowski, que é ministro aposentado do STF (Supremo Tribunal Federal). O petista disse que a primeira-dama Janja, também presente na cerimônia de anúncio, tem a expectativa de que haja muitas mulheres no Ministério da Justiça. Lewandowski respondeu, em tom discreto: “Certamente”.

Carnaval sem segurança? – Se já não tem câmeras de segurança, o Carnaval também pode ficar sem polícia nas ruas para dar segurança aos foliões. Pelo menos, essa é uma ameaça que a Polícia Civil está fazendo nos bastidores e já com uma assembleia para discutir o assunto para o próximo dia 23. Na verdade, a pauta será salarial, mas se a governadora não atender, o caminho certamente será cruzar os braços durante o reinado do momo.

CURTAS

DEVOLUÇÃO 1 – O chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Márcio Macêdo, informou que os três servidores que o acompanharam ao Carnaval fora de época em Aracaju (SE) devolveram o dinheiro público utilizado na viagem.

DEVOLUÇÃO 2 – “Eles devolveram o recurso”, afirmou, para acrescentar: “Eu sabia que eles estavam lá, mas não sabia que estavam recebendo, que foram gastos recursos públicos sem agenda, soube há dois dias”, disse. “Isso não pode acontecer, tem de ser corrigido”, reforçou Macêdo.

MINISTRO DE GESTO – André de Paula, ministro da Pesca, foi ontem até Custódia, a 400 km do Recife, rezar pela alma do ex-prefeito Zé do Povo, pai do atual prefeito Manuca, na missa pela passagem do sétimo dia da sua morte. Em política, um gesto vale muito.

Perguntar não ofende: Qual será o novo prejuízo que a governadora dará ao Estado?

Tonca expõe fragilidades de Lupércio

A pré-campanha municipal ainda está na geladeira. Só terá seu start, na verdade, após o carnaval. Mas pelo menos em Olinda, graças a inquietação e a marcação cerrada do advogado Antônio Campos, o Tonca, pré-candidato a prefeito pelo PRTB, tem sido uma ave rara na criação de fatos que estão comprometendo a já arranhada imagem do prefeito, o Professor Lupércio (PSD).

Irmão do ex-governador Eduardo Campos, Tonca meteu a mão na ferida do Professor: o desequilíbrio das finanças em Olinda. Segundo ele, um levantamento preliminar, feito por uma empresa de auditoria externa, com base no Portal transparência e outros canais de informação, revelou que a Prefeitura deve mais de R$ 191 milhões.

“Estou pedindo ao TCE, via Ministério Público de Contas, uma auditoria especial, em caráter de urgência, para verificar esses números, que certamente serão negados pela Prefeitura, inclusive que só faça contratações essenciais até reequilibrar o Município”, disse o advogado. Para ele, o prefeito também não paga funcionários do quadro nem terceirizados.

O rombo no caixa da Prefeitura de Olinda se reflete também na saúde. O prefeito não paga as dívidas referentes ao convênio com o Hospital Tricentenário, fornecedores essenciais, além de empresas de coleta de lixo. “Isso leva o município a ultrapassar o limite prudencial. Faz-se necessário um monitoramento mais de perto do Tribunal de Contas, para a situação não se agravar ainda mais”, alerta Tonca.

Já no segundo mandato, para disputar a sua sucessão, o prefeito escolheu uma jovem de 29 anos, de 1,80 metro de altura, que sonhava em ser jogadora de vôlei. Mirela Almeida é casada com o vereador Felipe Nascimento, sobrinho de Lupércio. Na atual gestão, ele é a dona do cofre. Ocupa desde o início do segundo mandato dele a Secretaria de Finanças.

A praga do lupercismo – Para Tonca, o maior problema de Olinda é o lupercismo (grupo ligado ao prefeito). “Essa é a doença que toma conta da Prefeitura, a praga que infelicita Olinda, a maior desgraça desde que os holandeses atearam fogo à cidade. Incompetência, inoperância, desperdício e esperteza. Essa doença tem uma origem no PSB, que ajudou a eleger Lupércio, participou da sua gestão e, agora, quer lançar uma candidata forasteira, na cidade, a delegada Gleide. Ano que vem a candidata dele, Mirella, será a continuidade do lupercismo. Já brigou com o vice, Márcio Botelho. As outras pré-candidaturas, quase todas, com exceção da nossa, já apoiaram ou comeram no prato de Lupércio. Somos a oposição que realmente resistiu”, desabafa.

Insegurança, uma doença crônica – O deputado Alberto Feitosa (PL) disse que não ficou surpreso com o fato de Pernambuco ter registrado 82 homicídios na primeira semana do ano. “A tendência é aumentar, porque a polícia perdeu a confiança na governadora e o Estado vive uma doença crônica, a doença da insegurança pública”, afirmou. Para ele, sem as câmeras de monitoramento da segurança no Recife e Região Metropolitana, o carnaval será uma festa de altíssimo risco.

Sem adjunto – Ricardo Lewandowski ainda não decidiu quem será seu secretário-executivo no Ministério da Justiça. O ex-ministro do STF já acertou com Lula que deseja escolher alguém de sua confiança para ser seu braço-direito na pasta, e que, embora tenha uma boa avaliação de Ricardo Cappelli, ele não ficará no posto. O candidato mais forte é o advogado Manoel Carlos de Almeida Neto, diretor jurídico da Companhia Siderúrgica Nacional e ex-secretário-geral do Supremo quando o tribunal era presidido por Lewandowski.

Sem mexer na Federal – O presidente Lula e o ex-ministro Ricardo Lewandowski, do STF, começaram a discutir a formação do futuro Ministério da Justiça e Segurança Pública, sob o comando do ex-ministro do Supremo. Segundo o site Metrópoles, Lewandowski aceitou o convite de Lula e concordou em manter Andrei Rodrigues à frente da Polícia Federal. Lula tem ótima avaliação do trabalho de Andrei, e Lewandowski disse não se opor à permanência do delegado.

Segura Tadeu – O PSB desencadeou a operação para manter o ex-deputado Tadeu Alencar na Secretaria Nacional de Segurança. A permanência dele ainda é incerta. O novo ministro Ricardo Lewandowski só aceitou substituir Flávio Dino com a condição de nomear para os cargos estratégicos gente da sua absoluta confiança e convívio. Tadeu foi alçado à função porque Flávio Dino, que está indo para o STF, foi senador eleito pelo PSB e nesta condição aceitou a indicação do ex-parlamentar pela direção estadual do partido em Pernambuco.

CURTAS

REAPROXIMAÇÃO – Sacramentada nesta semana com o encontro entre os dois no Palácio do Planalto, a reaproximação de Marta Suplicy com Lula envolveu uma visita da ex-senadora ao petista no hospital e até o envio de uma carta para ele durante o período em que esteve preso na carceragem da Polícia Federal em Curitiba.

ESCÂNDALO – A Prefeitura de Cabo Frio (RJ) nomeou Márcio Lima Sampaio, filho da ministra da Saúde, Nísia Trindade, como secretário da Cultura do Município, um mês depois de o Ministério da Saúde destinar R$ 55 milhões à Prefeitura.

CAIU FORA – A secretária-executiva da Secretaria Geral da Presidência, Maria Fernanda Ramos Coelho, pediu demissão do cargo. Ela negou que a sua demissão tenha relação com supostas divergências com o com seu chefe, o ministro Márcio Macêdo, e afirmou que chegou “ao fim de um ciclo”.

Perguntar não ofende: Qual vai ser a próxima tietagem da blogueirinha em Brasília?

Raquel deixa carnaval sem segurança

O Governo Raquel Lyra vai mal das pernas, conforme apontou o levantamento do instituto Atlas Intel, no qual aparece no rabo da gata entre os 27 governadores, porque falta gestão, o Estado está à deriva feito um barco em alto mar. Exemplo mais vexatório, patético na verdade, vem no lamentável descuido com as 358 câmeras de monitoramento da segurança pública que não irão funcionar no carnaval.

Essas câmeras ficarão sem gerar as imagens dos crimes cometidos durante o carnaval. Tudo porque o contrato com a empresa responsável pelo monitoramento foi encerrado e o governo vacilou. Não acelerou o processo de uma nova licitação para poder retomar o funcionamento de 240 câmeras no Recife, 38 em Olinda, 40 em Caruaru e 40 Petrolina.

No mês passado, o secretário de Defesa, Alessandro Carvalho, informou, por meio de uma nota, que uma força tarefa, composta por outras secretarias, havia sido criada para que, até o fim de 2023, fosse concluído o termo de referência e publicado o edital do novo sistema de monitoramento.

Mas nada disso ocorreu. Só esta semana foi publicada a abertura de uma chamada pública para selecionar a nova empresa, mas com prazo para abril, quando o carnaval já terá passado. O processo ainda tem outras fases. Ainda de acordo com a SDS, somente após esse prazo é que a força tarefa vai, enfim, publicar o edital para a contratação da nova empresa.

Diante disso, a previsão para que todo o processo seja concluído e que a nova empresa seja contratada, de acordo com a SDS, se dará somente no fim do primeiro quadrimestre de 2024. Ai, convenhamos, Inês é morta, não adiantará absolutamente mais nada. A bandidagem vai reinar no carnaval!

Entenda o caso – O desligamento das câmeras representa o desfecho de um processo que envolveu o contrato com a empresa que operava os equipamentos. Em nota enviada ao Diário de Pernambuco, em dezembro de 2023, a SDS afirmou que, “desde agosto de 2020, a operacionalização das câmeras era feita a partir de um contrato irregular”. Em 2020, o governador de Pernambuco era Paulo Câmara, então no PSB. A SDS citou que os pagamentos para a empresa eram feitos por meio de Termos de Ajustamento de Conduta (TAC), assinados com o TCE.

Versão que não convence – As câmeras de videomonitoramento em questão foram instaladas em 2012, mas só agora o Governo Raquel informou que haviam se tornado obsoletas e antieconômicas, pela baixa qualidade de resolução de imagem e equipamentos que impossibilita na maioria dos casos a identificação da fisionomia e de placas de veículos de envolvidos em ocorrências. Em fevereiro de 2023, segundo a SDS, a empresa prestadora de serviços foi comunicada sobre a “impossibilidade de realização de novos TACs, mas o Governo não levou à frente uma nova licitação em tempo hábil.

A vice de Boulos – A ex-prefeita de São Paulo e atual secretária de Relações Internacionais da capital paulista, Marta Suplicy (sem partido), indicou a integrantes do PT que aceita ser a candidata a vice na chapa de Guilherme Boulos (Psol-SP) na disputa pelo comando da cidade. Ela deverá retornar à legenda, da qual saiu em 2015, dizendo não ter como “conviver” com os escândalos de corrupção do partido. Marta selou a decisão depois de se reunir com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na última segunda-feira no Palácio do Planalto. Atualmente, ela integra a gestão de Ricardo Nunes (MDB), que disputará a reeleição.

Péssima impressão de Haddad – Em vias de voltar ao PT, nove anos após a desfiliação, a ex-prefeita Marta Suplicy passará por algumas saias-justas. A principal delas talvez seja quando for lembrado o que já disse sobre o hoje ministro da Fazenda, Fernando Haddad. Marta passou os últimos anos engrossando o coro daqueles que consideravam Haddad o “pior prefeito” da história de São Paulo. Marta, inclusive, negou-se a votar em Haddad, na eleição presidencial de 2018, por avaliar que o petista fez uma “péssima” administração na cidade.

Preservação do patrimônio – O novo presidente do Tribunal de Contas de Pernambuco, Valdecir Pascoal, assumiu com a promessa de colocar a corte a serviço de setores como segurança pública, combate ao analfabetismo, proteção da pessoa idosa e preservação do patrimônio histórico. “A Constituição foi generosa com os Tribunais de Contas. Cada centavo arrecadado e transformado em despesa pelo poder Público deve ser fiscalizado pelo TCE, tanto em sua legalidade (atuação mais tradicional do TCE), como em sua eficiência. Isso implica avaliar os resultados das políticas públicas, ou seja, se elas estão de fato mudando a vida das pessoas para melhor”, afirmou.

CURTAS

HAJA CALOR! – O ano de 2023 foi confirmado como o mais quente já registrado, segundo relatório divulgado, ontem, pelo observatório europeu Copernicus. A temperatura média no ano passado foi 1,48 ºC mais quente do que na era pré-industrial (meados do século 19), diz a agência.

AQUECIMENTO – Este valor é um pouco inferior aos 1,5°C que o mundo havia proposto como limite, no âmbito do Acordo Climático de Paris em 2015, a fim de evitar os efeitos mais graves do aquecimento global. A influência do El Niño esteve relacionada a eventos extremos, como ciclones extratropicais no Sul e a estiagem acompanhada de queimadas na Amazônia.

PAPARICOS – Filho do ex-conselheiro do Tribunal de Contas de Pernambuco, o arraesista histórico Fernando Correia, André Bolota, chefe de gabinete do deputado Alberto Feitosa (PL), será muito paparicado, hoje, pela passagem do seu niver. Bolota é bom camarada e transita fácil em todas as correntes políticas.

Perguntar não ofende: A bandidagem vai adorar a ausência de câmeras de monitoramento da segurança no carnaval?

Rebelo desmoraliza Lula e o STF

Extremamente corajosa, lúcida e oportuna a visão do ex-presidente da Câmara dos Deputados, Aldo Rebelo, histórico comunista, sobre o lamentável episódio do 8 de janeiro de 2023 no País, lembrado ontem num ato no Congresso, criado pelo presidente Lula, em defesa da democracia.

“Trata-se de uma “fantasia” entoada por Lula e seus seguidores para manter viva a chama da polarização política e dar tração a uma aliança entre o Executivo e o Judiciário para se contrapor ao Legislativo”, disse Rebelo, em entrevista ao site Poder 360. Ele abriu o coração com a autoridade e a experiência de ter militado por muitos anos ao lado do presidente da República e das principais lideranças de esquerda.

Rebelo foi deputado federal por cinco mandatos, presidente da Câmara dos Deputados (2005-2007), e ministro de quatro pastas diferentes nos governos petistas: Coordenação Política (2004-2005), Esporte (2011-2015), Ciência e Tecnologia (2015) e Defesa (2015-2016). Há poucos políticos com um histórico tão completo e respeitado quanto ele.

“Faz bem à polarização atribuir ao antigo governo a tentativa de dar um golpe. Criou-se uma fantasia para legitimar esse sentimento que tem norteado a política nos últimos anos. É óbvio que aquela baderna foi um ato irresponsável e precisa de punição exemplar para os envolvidos. Mas atribuir uma tentativa de golpe a aquele bando de baderneiros é uma desmoralização da instituição do golpe de Estado”, disse o ex-ministro.

Rebelo comparou os ataques de 8 de Janeiro ao movimento do MLST (Movimento de Libertação dos Sem-terra), uma dissidência do MST, que em 6 de junho de 2006 invadiu a Câmara dos Deputados, depredou parte do patrimônio e deixou 24 pessoas feridas, sendo uma em estado grave. “Eles levaram um segurança para a UTI, derrubaram um busto do Mário Covas. Eu dei voz de prisão a todos. A polícia os recolheu e eu tratei como eles de fato eram: baderneiros. Não foi uma tentativa de golpe. E o que houve em 8 de Janeiro é o mesmo”, comparou. Na época, Aldo era o presidente da Câmara dos Deputados.

Outro propósito – Ainda segundo a visão do ex-ministro e ex-presidente da Câmara, a ideia de que Lula e as ações do STF (Supremo Tribunal Federal) salvaram a democracia servem a um outro propósito. “Ambos enfrentam dificuldades no Legislativo. Lula teve dificuldade em aprovar pautas de seu interesse em 2023 e viu um número robusto de vetos serem derrubados. O Judiciário, por outro lado, lida com projetos de lei que visam diminuir o seu poder”, avalia.

Aliança com o Judiciário – Para Aldo Rebelo, atribuir ao STF a responsabilidade de protetor da democracia é dar à Corte uma função que ela não tem nem de forma institucional, nem política. “Isso atende às necessidades do momento. Há uma aliança do Executivo e do Judiciário em contraponto ao Legislativo, onde o Executivo não conseguiu ter maioria. É uma compensação”, afirmou.

Batendo na mesma tecla – Mas na sua fala, ontem, no ato no Congresso, o presidente Lula insistiu que houve intenção de golpe. “Todos aqueles que financiaram, planejaram e executaram a tentativa de golpe devem ser exemplarmente punidos. Não há perdão para quem atenta contra a democracia, contra seu País e contra o seu próprio povo. O perdão soaria como impunidade. E a impunidade, como salvo-conduto para novos atos terroristas”, afirmou.

Razão das ausências – Os governadores Tarcísio de Freitas (SP), Romeu Zema (MG) e Ronaldo Caiado (GO) ficaram de fora da cerimônia em Brasília para marcar o primeiro ano do quebra-quebra em 8 de janeiro de 2023. Tarcísio alegou uma viagem à Europa. Zema até pareceu que ia, mas foi convencido por integrantes do Partido Novo a mudar de ideia. Caiado disse que tinha um check-up. Na verdade, não faria sentido que os potenciais candidatos da direita à Presidência da República fossem fazer número para o adversário da esquerda que enfrentarão em 2026.

Reação de Caiado – A entrevista que o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (UB), concedeu, ontem, com exclusividade à Folha de Pernambuco, repostada neste blog, na qual ele assumiu sua pré-candidatura ao Planalto, repercutiu com tamanha intensidade que o próprio Caiado, impressionado, fez questão de me passar uma mensagem. “Caro Magno, agradeço a publicação da minha entrevista, ao mesmo tempo informo que repercutiu de Norte a Sul do País, graças a sua credibilidade como jornalista”.

CURTAS

NO RECIFE – Os movimentos sociais promoveram, ontem, no Recife, uma manifestação para marcar um ano das invasões às sedes dos Três Poderes. Aconteceu entre as 10h e as 11h30, em frente ao Monumento Tortura Nunca Mais, na Rua da Aurora, bairro da Boa Vista, área central da cidade.

REPERCUSSÃO 1– Com exceção de Joãozinho Tenório, vice-líder do Governo na Assembleia Legislativa, nenhum aliado da governadora Raquel Lyra (PSDB) abriu o bico para comentar a pesquisa do Atlas Intel, na qual a tucana aparece como a pior do País, superando o até então campeão em rejeição Cláudio Castro, governador do Rio de Janeiro.

REPERCUSSÃO 2 – Mas Joãozinho, em entrevista ao Frente a Frente de ontem, partiu para um discurso de desqualificação da metodologia do instituto, mas não soube explicar por que também em outra pesquisa, a do Veritá, em outubro do ano passado, Raquel também é lanterninha.

Perguntar não ofende: Por que os aliados de Raquel não quiseram comentar o troféu dela de lanterninha na pesquisa do Atlas Intel?

O craque e a perna de pau

Pernambuco é um Estado sui-generis, diferenciado, merece uma tese em gestão pública. Num intervalo de apenas duas semanas, um mesmo instituto, o AtlasIntel, traz João Campos (PSB) na liderança do ranking entre os dez melhores prefeitos de capitais, campeão em popularidade. Na outra ponta, na avaliação dos 27 governadores do País, a tucana Raquel Lyra (PSDB) desponta como a pior, a mais rejeitada, num decepcionante rabo da gata, a lanterninha.

Roubou o troféu ruindade do governador do Rio de Janeiro, o bolsonarista Cláudio Castro (PL), até então imbatível em rejeição. Se João e Raquel estivessem num jogo de futebol, o prefeito, ao atingir a nota máxima em aprovação entre os colegas de capitais, seria classificado como craque, enquanto a governadora levantaria a taça de perna de pau, designação pejorativa que se dá, no futebol, ao pior jogador, um mau atleta.

O vexatório desempenho de Raquel na pesquisa só surpreendeu os desavisados, os que não acompanham o dia a dia do seu governo, que é uma lástima, um desastre. Até o momento, ela só errou. Aliás, já começou errando lá atrás ao montar uma equipe improvisada, de supetão, sem ouvir ninguém. Pelo perfil do elenco, pensou que ainda estava prefeita de Caruaru. Importou um monte de gente de lá, criando a República de Caruaru.

Gestão maquiada não dá certo, nem em Pernambuco nem em lugar nenhum do mundo. Governar sem diálogo é um passo rápido fadado ao insucesso. Com exceção do seu espelho, onde se olha todos os dias e pergunta se há alguém melhor do que ela na face da terra, Raquel não conversa com ninguém. Dá patada em todo mundo. Seus auxiliares temem sua cara feia. Tem secretário que até hoje não conseguiu um despacho com ela.

Aliás, nem a ex-secretária de Defesa, Carla Patrícia, amiga dela na carreira de delegada federal, mesmo na fase em que montava o plano de segurança, conseguia ser recebida em despacho. Em pouco tempo, como um castelo de areia que desaba com o vento, seis secretários foram demitidos ou pediram para sair. Os que jogaram a toalha falam horrores do estilo autoritário, arrogante e prepotente dela.

Governo bom se faz com humildade, diálogo com o parlamento e as instituições de um modo geral. Se faz com boas ideias, projetos criativos, foco nos clamores da população, que são a saúde e a segurança pública. Não há segredo! Estive em Goiás, há pouco, e senti um Estado extremamente satisfeito com o governador Ronaldo Caiado (UB), o mais popular do País.

E o que fez Caiado para cair na graça do seu povo? Investiu fortemente em saúde e segurança pública. Um Estado que era até então um dos mais violentos do País, por anos seguidos, se transformou no mais seguro entre as 27 unidades da Federação. Os hospitais mantidos pelo Estado melhoraram da água para o vinho. Valorizou todos os profissionais da máquina pública, do professor ao soldado raso, com os melhores salários do País.

Salve-se quem puder! – Ao contrário de Goiás, em Pernambuco o barco está à deriva. Professores são discriminados no aumento salarial e até no pagamento dos precatórios. Os policiais até hoje aguardam a promessa da tucana em campanha, de acabar com as chamadas faixas salariais. Ninguém tem mais segurança de andar tranquilo pelas ruas. Até um juiz perdeu a vida, em Jaboatão, após sair de uma padaria.

A direita na dianteira – Dos dez governadores líderes em popularidade e, portanto, aprovados em seus Estados, nenhum é de esquerda. Ronaldo Caiado (GO), o campeão, é do União Brasi; Wanderlei Barbosa (TO), segundo mais bem avaliado, do Republicanos; Antônio Denarium (Roraima), do PP; Jorginho Melo (Santa Catarina), do PL; Clécio Luis (Amapá), do Solidariedade; Ratinho Júnior (Paraná), do PSD; Hélder Barbalho (Pará), do MDB; Mauro Mendes (Mato Grosso), do União Brasil; Eduardo Leite (Rio Grande do Sul), do PSDB; e Tarcísio Freitas (São Paulo), do Republicanos.

Conversa fiada – Os áulicos da governadora Raquel Lyra (PSDB) alegam que ela só está no rabo da gata entre os 27 gestores estaduais porque está no início de seu mandato. Consolo idiota! O governador do Amapá, Clécio Luís, do Solidariedade, também está em início de gestão e aparece como o quinto melhor do País. Tarcísio Freitas (Republicanos), de São Paulo, também está no seu primeiro ano de governo e aparece entre os dez mais aprovados, com 57% de ótimo e bom.

Bis como a pior – Não é a primeira vez, em um ano de gestão, que Raquel aparece como a pior governadora do País. Em outubro passado, faltando apenas dois meses para o fechamento do seu primeiro ano de gestão, a tucana foi brindada também na lanterninha pelo Instituto Veritá, concorrente do Atlas Intel, este liberado para divulgação na noite da última sexta-feira, destacado em todos os portais e jornais do País.

Nordeste em baixa – No Nordeste, também estão sem sintonia com a população mais três governadores: Carlos Brandão (PSB), do Maranhão, que tem apenas 42% de aprovação, Fábio Mitidieri (PSD), de Sergipe, com 45% de avaliação positiva, e Paulo Dantas (MDB), de Alagoas, com 46%. Entre os dez mais bem avaliados, nenhum do Nordeste. Jerônimo Rodrigues, estreante como Raquel e do PT, aparece em décimo primeiro lugar.

CURTAS

POR REGIÃO – Pela pesquisa do Atlas Intel, os governadores com melhor avaliação estão no Sul do País, com uma média de 62% de satisfação por parte da população. Em seguida, o Norte, com média de 58% e em terceiro o Centro-Oeste, com 56%. Nordeste e Sudeste têm os piores índices – 49%.

UNIVERSO – O levantamento do Atlas Intel foi bem abrangente. Foram ouvidas 29.694 pessoas nos diversos estados do País entre os dias 18 e 31 de dezembro passado. A margem de erro é entre um e cinco pontos percentuais e o intervalo de confiança é de 95%.

NEM UM PIO – Até ontem, dois dias após a divulgação da pesquisa de avaliação dos 29 gestores estaduais, nenhum aliado da governadora Raquel Lyra saiu em defesa dela. Um silêncio total! Isso é mais um indício de que está isolada.

Perguntar não ofende: Por que Raquel se recusou a comentar a pesquisa em que aparece no rabo da gata?