Coluna da terça-feira

Faca no pescoço

Na passagem de Lula por Pernambuco, há dez dias, a direção estadual do PT teve uma conversa reservada com ele para tratar das eleições no Recife. Mas nada vazou, nem o presidente se manifestou. Ontem, os aliados do prefeito do Recife, João Campos (PSB), ficaram com uma pulga atrás das orelhas com a cobrança que a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, fez ao prefeito do Rio, Eduardo Paes (PSD).

Afirmou, categoricamente, que a sigla só apoiará a reeleição do prefeito carioca Paes se o candidato a vice-prefeito for do PT. “Na minha avaliação, para Paes ter o apoio do PT no Rio na eleição municipal, o partido precisa indicar o vice”, disse líder petista em entrevista ao jornal O Globo. De acordo com Gleisi, a legenda cogita indicar para vice de Paes a ministra Anielle Franco (Igualdade Racial).

Franco deve se filiar à sigla em fevereiro. Se não for escolhida, o PT pode indicar o secretário de Assuntos Federativos do governo Lula, André Ceciliano. Em 15 de janeiro, em entrevista à CNN, o vice-presidente do partido, deputado federal Washington Quaquá (RJ), declarou que o PT poderia abrir mão da indicação.

“A prioridade do PT é a reeleição do Lula em 2026. O Eduardo Paes deve deixar a Prefeitura para disputar o governo, portanto vai escolher alguém da sua confiança. Nossa relação com ele não admite faca no pescoço”, afirmou o deputado. Gleisi, porém, disse que a opinião de Quaquá não é consenso e que a decisão deve ser tomada com Paes.

Também destacou que a eleição no Rio é prioritária para a construção de bases para o próximo pleito nacional, em 2026. Se o posicionamento de Gleisi se repetir em outras capitais, o que se diz em Brasília é que o próximo alvo de Gleisi será o Recife. E ela já tem um nome na ponta da língua para se submeter ao prefeito: Mozart Sales, assessor do ministro Alexandre Padilha.

Como João reagirá a essa chamada faca no pescoço?

Critério será o da confiança – No Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PSD) tem três semelhanças com João Campos: vai à reeleição, está bem avaliado e com a cabeça mergulhada em 2026, ou seja, caso seja reeleito tende a disputar o Governo do Estado, da mesma forma que o gestor recifense. Neste caso, tende a escolher um vice da sua absoluta confiança e não um nome imposto pelo PT.

O custo da universalização – Ainda sobre a polêmica da privatização da Compesa, ou concessão como se refere o Governo, o presidente da Compesa, Alex Campos, disse que para universalizar água e esgoto será preciso mobilizar R$ 34 bilhões. “Não é uma ansiedade apenas de Pernambuco, é uma ansiedade hoje de todas as companhias estaduais de saneamento, de todos os governadores, inserir os estados nesse grande plano de universalização da água”, afirmou.

Rombo gigantesco – Lula fechou o seu primeiro ano de governo com um rombo de R$ 230 bilhões. A equipe econômica cuidou logo de explicar. Atribuiu à antecipação do pagamento de precatórios (dívidas judiciais do governo nas quais não cabe mais recurso) de R$ 92,3 bilhões, além da compensação a Estados e municípios em razão das perdas na arrecadação com ICMS. Segundo o secretário do Tesouro, Rogério Ceron, sem isso, o déficit teria ficado em R$ 138,1 bilhões, ou 1,27% do PIB.

Déficit zero reformulado – Com ou sem precatórios, os números mostram o tamanho do desafio do governo para este ano, quando a meta a ser perseguida é de zerar o déficit, de acordo com as regras previstas no novo arcabouço fiscal, que substitui a regra do teto de gastos. No mercado financeiro, é praticamente unanimidade que o governo não conseguirá cumprir o objetivo de zerar o déficit, e que a meta terá de ser reformulada em algum momento para acomodar um rombo que, para muitos, é inevitável.

Veras também sonhado acordado – No PT, além de Mozart Sales, que sonha acordado em compor a chapa de João Campos, também está roendo as unhas, numa ansiedade sem fim, o deputado Carlos Veras, igualmente ligado ao senador Humberto Costa, por quem vai passar a indicação. Isso, claro, se João se submeter às pressões de Gleisi Hoffmann.

CURTAS

TAVARES NETO – Uma das maiores referências do jornalismo do Agreste, o meu amigo Tavares Neto, enciclopédia da política estadual, será homenageado no carnaval deste ano em Caruaru pelo bloco Imprensa que entra, na próxima quinta-feira, a partir das 21 horas, no Espaço Difusora.

PT SEM CORTES – Nenhum ministério ocupado pelo PT teve emendas cortadas por Lula. Uma análise dos dados mostra que os vetos se concentraram em emendas de ministérios comandados por aliados do Centrão. Projetos beneficiados pelas emendas vetadas tinham como áreas o desenvolvimento sustentável, a construção de rede de esgoto de cidades e esportes.

RÁDIO FOLHA – Desde ontem, o Frente a Frente, programa que apresento pela Rede Nordeste de Rádio, está sendo veiculado na Região Metropolitana pela Rádio Folha 96,7 FM, do meu amigo Eduardo Monteiro, diretor-presidente da Folha de Pernambuco. Vai ao ar das 18 às 19 horas, de segunda-feira a sexta-feira. Se ligue nessa!

Perguntar não ofende: Com Lula, as contas públicas chegaram ao fundo do poço?

Sem a pressa que aniquila o verso

Num cenário onde 35 milhões de pessoas no Brasil vivem sem água tratada e cerca de 100 milhões não têm acesso à coleta de esgoto, resultando em doenças que poderiam ser evitadas, podendo levar à morte, a população sofre duramente as consequências. Nessa toada, as empresas de saneamento estaduais agonizam.

Tentam implementar as metas definidas pelo Marco Legal do Saneamento, fixadas no atendimento a 99% da população com água potável e 90% com coleta e tratamento de esgotos até 2033. Sendo assim, o investimento privado na área de saneamento é mais do que necessário, e há muitas modalidades para realizar vários tipos de parcerias entre os setores públicos e privados.

Não há, entretanto, como o Estado sair de cena por completo da área do saneamento, mesmo na distribuição, que é o caso do estudo em desenvolvimento pelo BNDES para a Compesa. Saneamento é caro e, na grande maioria das vezes, inviável sob a ótica da empresa privada. Saneamento é saúde e reduz drasticamente os gastos hospitalares.

Existem vários exemplos de privatização do saneamento que deram errado, não só no Brasil, mas nos mais diversos países. É bom lembrar, porém, que as empresas estaduais de saneamento em geral amargam muitos problemas operacionais e de gestão, com muita interferência política, prestando um serviço ruim, com procedimentos e costumes do serviço público entranhados na cultura funcional, apesar de ser uma empresa de direito privado, como no caso da Compesa.

Esse é um tema polêmico e extenso, com muitos interesses das várias partes envolvidas no processo, mas muito precisa ser feito. Com certeza, flexibilizar mais a participação do privado na área do saneamento é um caminho sem volta para a Compesa e o presidente Alex Campos, conforme tem deixado claro em todas as entrevistas, caminha na direção certa, mas com os pés no chão, sem a pressa que aniquila o verso.

Osso com o Estado – Há muitas experiências exitosas no Brasil, inclusive em Pernambuco com Parcerias Público Privadas (PPP) na área de saneamento, que ainda estão em andamento, mas já mudando o cenário do esgotamento sanitário da Região Metropolitana do Recife e em Goiana. O problema é a dosagem, os pesos nos pratos da balança. É um setor difícil e complexo, e qualquer deslize mínimo no processo deixará o “filé” com o privado e o “osso” com o Estado, além de uma conta alta, que não fecha, a ser paga por todos.

Protestos em São Paulo – Promessa de campanha do governador de São Paulo, Tarcisio de Freitas (Republicanos), a privatização da Sabesp, uma das maiores empresas de saneamento do mundo, ganhou novo destaque no noticiário após funcionários da estatal paralisarem os serviços em protesto contra a proposta. Dentro do Executivo, a discussão avançou, mas ainda falta passar pelo crivo da Assembleia Legislativa do Estado. O governador já enviou o projeto de lei, mas que precisa angariar apoios para votar e aprovar.

Privatização ou concessão? – De acordo com as cartas postas na mesa até o momento, a Compesa será privatizada parcialmente, o que Alex prefere chamar de concessão. Uma concessão de toda área de distribuição de água, que é a maior parte da empresa. A operação do saneamento, tanto na área pública quanto na iniciativa privada, se dá através de concessão pelo poder público. Por qual motivo o Governo Raquel Lyra não assume o processo e encara a sociedade de frente com um debate sério e transparente? Por que omitir? Medo do aumento da tarifa e dos milhares que ficarão sem seus empregos? Medo das eleições municipais que ocorrem esse ano? Com a palavra, a própria gestora!

Goiás na mesma direção – Já em Goiás, o governador Ronaldo Caiado (UB), o mais popular do Brasil, segundo o levantamento do Atlas Intel, também está fazendo a concessão às empresas privadas da expansão da rede pública de esgoto. “A Companhia de Saneamento de Goiás continuará pública e forte até o final do Governo Caiado, por determinação dele. Contudo, onde a empresa apresentar deficiências no investimento e atuação terá parceiros privados para executar”, diz o secretário de Infraestrutura, Pedro Sales.

Salve-se quem puder! – Mais um político, o prefeito de Santa Maria do Cambucá, no Agreste Setentrional, Nelson Sebastião de Lima (PSB), passa a ampliar a fila das vítimas da violência incontrolável no Estado. Foi sequestrado, violentado e roubado por bandidos quando voltava de um evento noturno, sábado passado, em seu município. A primeira semana de 2024 teve, só na Região Metropolitana, 53 pessoas baleadas nos primeiros sete dias do ano: 38 morreram e 15 ficaram feridas.

CURTAS

CALÇADÃO INSEGURO – Vigilante crítico da gestão estadual, o deputado Alberto Feitosa (PL) ficou estarrecido, ontem, com a falta de reação do Governo no enfrentamento à bandidagem. Fez seu cooper do Pina a Boa Viagem pelo Calçadão e só encontrou um PM. Também não havia um só guarda municipal.

GOVERNADORA PROTEGIDA – Isso, faça-se a ressalva apropriada, um dia após uma jovem ser assaltada praticamente em frente ao prédio em que reside a governadora Raquel Lyra (PSDB). Num contraste incompreensível, o prédio onde a tucana mora tinha duas viaturas policiais, uma na frente e outra nos fundos.  

RECONHECIMENTO FACIAL – O secretário de Defesa Social, Alessandro Carvalho, garante que os comandantes das patrulhas empregadas pela Polícia Militar (PM) no carnaval terão câmeras corporais instaladas nos uniformes. Segundo ele, durante a festa, o patrulhamento nos pontos de acesso ao Bairro do Recife contará com tecnologia de reconhecimento facial.

Perguntar não ofende: No choro de Raquel, a impressão que passa é a de que está sempre representando?

Mulheres de Areia nas Princesas

Na novela global “Mulheres de Areia”, existem duas irmãs gêmeas idênticas, mas com personalidades diametralmente opostas. Raquel, a malvada, perversa e sem limites e Rute, a doce amorosa, afável. Trazendo esse cenário à luz real de Pernambuco, a versão “Raquel” da governadora Raquel Lyra (PSDB) atende pelo nome de Ana Maraíza de Souza Silva, secretária de Administração.

Travestida de Rute, Raquel fez emitir um ofício circular, no apagar das luzes do ano passado, determinando o retorno imediato dos servidores cedidos pelo Estado aos municípios, comprando, a um só tempo, uma briga com todos os prefeitos do Estado, com o firme propósito de desmantelar algumas gestões municipais de não aliados ao Palácio dos Campos das Princesas.

Em ano de eleições municipais, não há dúvida de que a intenção da governadora, de cancelar todas as cessões de servidores existentes entre o Estado e municípios, fere de morte os gestores prejudicados. A governadora Rute, a boazinha, alega que existe uma necessidade do retorno desses servidores, mas que isso vai ser conversado com os prefeitos.

Já “Raquel”, a versão diabólica de Raquel, que atende pelo nome de Ana Maraíza, nome de dupla sertaneja, se apresenta irredutível. Chega até a ameaçar cortar salários daqueles que ousarem discordar da sua ordem. Na lista dos cedidos obrigados a retornar, alguns secretários que ocupam pastas relevantes nas gestões de grandes municípios da Região Metropolitana.

Para se ter uma ideia, só na área de Educação, Recife e Olinda ficarão, de uma hora pra outra, sem secretários. Aliás, Recife é, de longe, o município mais afetado com essa abrupta decisão de Raquel (ou será de Ruth?) Além do titular da Educação do Recife, também estão na lista os secretários de Habitação, Finanças, Ciência e Tecnologia, Gestão de Pessoas e Defesa Civil, além de secretários-executivos, que, igualmente, terão que deixar seus cargos.

O alvo é João Campos – A cessão de servidores é regulamentada por lei e o Estado também recebe funcionários cedidos pelos municípios. No ano passado, a governadora também esboçou um movimento parecido com esse, só que ainda mais agudo, envolvendo todos os Tribunais, Assembleia Legislativa e o Ministério Público. Agora, ao que parece, a tucana não precisa mais desses servidores cedidos. Escolheu com quem brigar e, por coincidência ou não, atingiu fortemente a gestão do prefeito João Campos. A trapalhada, porém, pegou prefeitos que não têm nada a ver com essa briga dela com João.

À flor da pele – A crise na segurança pública deixou a governadora-blogueirinha com os nervos à flor da pele. Isso ficou bem evidente, ontem, ao abandonar uma entrevista coletiva para não responder um ponto que ficou nebuloso: até onde é verossímil a versão de que o deputado federal Coronel Meira, da ala bolsonarista, fez a sua cabeça para trocar os comandos da Polícia Militar e da Casa Civil.

A matança no Estado – De janeiro a dezembro de 2023, 120 pessoas foram mortas por policiais e agentes de segurança pública em Pernambuco. Em média, a polícia matou uma pessoa a cada três dias no Estado. O número é 30,42% superior ao registrado no ano de 2022, quando os agentes de segurança pública foram responsáveis por 92 mortes em Pernambuco. O levantamento foi feito pelo G-1, site da Globo, com base em dados da Secretaria de Defesa Social (SDS), que mudou desde o ano passado a fórmula de cálculo desse tipo de crime, separando as mortes por agentes do Estado dos demais casos de homicídio.

O triângulo da morte – Trata-se do pior resultado para esse indicador desde 2018, quando 115 pessoas foram mortas por agentes de segurança. Questionado sobre o assunto, o secretário de Defesa Social, Alessandro Carvalho, disse que não admite “excesso algum” por parte das polícias. As mortes por policiais em 2023 ocorreram em 42 municípios. Mais de um terço dos casos, porém, estão concentrados em Recife, Olinda e Jaboatão dos Guararapes.

O caso Alex – O caso de maior repercussão foi o de Alex da Silva Barbosa, de 33 anos. Um dia após trocar tiros com a polícia, resultando na morte de dois policiais militares, Alex foi encontrado no bairro de Tabatinga, em Camaragibe, morto com tiros na cabeça e no tórax. Antes, cinco parentes de Alex haviam sido assassinados por homens encapuzados em dois endereços diferentes. A polícia investiga todas as mortes do caso.

CURTAS

CONDENADO – O prefeito de Betânia, no Alto Sertão, Mário Flor (Republicanos), sofreu, ontem, mais um revés no Tribunal de Contas do Estado pelo descumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal na gestão de servidores, sendo multado em R$ 8 mil. O relator do processo foi o conselheiro Rodrigo Novaes.

CARNAÍBA – Filiado ao PSB, o prefeito de Carnaíba, Anchieta Patriota, emplacou, ontem, uma aliada bem próxima na presidência do diretório municipal do MDB com o aval do senador Fernando Dueire: a secretária de Governo da sua gestão, Lourdes Leite. Já reeleito, Anchieta ainda não definiu o candidato do seu grupo.

DNA DE DUQUE – Provável candidato a prefeito de Serra Talhada, o deputado Luciano Duque (SD) diz que as obras de calçamento que a prefeita Márcia Conrado (PT) iniciou na zona rural somente saíram do papel porque ele deixou mais de R$ 5 milhões em caixa para investir em pavimentação.

Perguntar não ofende: Raquel adotou o estilo Bolsonaro de correr no meio das entrevistas?

Tabata explora origem humilde

A laje da casa em que nasceu e vive até hoje, na Vila Missionária, periferia da Zona Sul de São Paulo, serviu de cenário, ontem, para a deputada Tabata Amaral lançar sua pré-candidatura à Prefeitura da capital paulista nas eleições deste ano. “É aqui que minha história começa, e a gente não pode nunca esquecer de onde vem”, disse no início da sua fala.

E acrescentou: “Tenho muito orgulho de habitar lugares tão diferentes em São Paulo, mas é muito doido. Sair de uma reunião da Faria Lima, vir dormir com minha mãe e faltar água para tomar banho. Isso é São Paulo. Vocês imaginam se não tivesse água nos Jardins toda noite? Era revolução”.

Tabata reuniu colegas de partido, o ministro da Micro e Pequena Empresa, ex-governador de São Paulo, Márcio França, e o apresentador Datena. Ao lado da mãe e com a presença da Imprensa, fez um evento simples, com cuscuz e café. No discurso, destacou as diferenças sociais em São Paulo e contou, emocionada, um pouco da sua origem humilde.

“São Paulo está profundamente dividida. A gente foca na polarização ideológica da esquerda com a direita. Mas tem uma polarização entre a São Paulo do centro, com shows, oportunidades, cursos, universidades, e uma São Paulo onde eu nasci, tomada pela desesperança, que não chega ao centro, sofre com o desemprego, o despejo, as chuvas”, disse.

Ao final do evento, que não contou com a presença do namorado, o prefeito do Recife, João Campos, Tabata divulgou um vídeo da campanha chamada “Uma só cidade”, na qual critica a desigualdade social na capital paulista e destaca sua infância humilde. A peça é assinada pelos marqueteiros Pablo Nobel, Fabio Modena, Marcelo Arbex e Bruno Bernardes.

Ausência do cabo eleitoral – Principal cabo eleitoral de Tabata Amaral, quatro vezes governador de São Paulo, o vice-presidente Geraldo Alckmin participou do ato por meio de um vídeo. Segundo a pré-candidata, o correligionário não pôde comparecer “por ser um homem muito trabalhador” e por não ser feriado em Brasília –diferentemente da capital paulista, que comemorou ontem 470 anos de fundação.

Garra e determinação – No vídeo, ao lado da segunda-dama Lu Alckmin, o vice-presidente Geraldo Alckmin declarou que Tabata representa a fé e a esperança que a capital paulista precisa. “Se São Paulo é terra de oportunidade, a cidade vai ter uma oportunidade de eleger uma grande prefeita, preparada, com paixão, com amor, com garra e determinação para fazer nossa cidade avançar ainda mais”, afirmou.

Nova federação sem confirmação – A notícia sobre uma possível federação partidária, formada pelo PP, União Brasil e Republicanos, antecipada pelo senador Ciro Nogueira (PP-PI), é desconhecida pelo deputado Augusto Coutinho (Republicanos). “Conversei com o presidente do meu partido, Marcos Pereira, e não tive essa informação. Houve conversações, mas acredito que pode ser uma movimentação muito mais para a eleição da Mesa da Câmara, que só ocorrerá daqui a um ano do que propriamente uma federação já para essas eleições”, reagiu Coutinho, em entrevista à Rádio Folha.

Meira rebate Sileno – O deputado federal Coronel Meira (PL) estranhou as declarações do presidente estadual do PSB, Sileno Guedes, que criticou a governadora por ter feito mudanças na PM e na Polícia Civil depois de ouvir Meira. “Eu não indiquei ninguém. Sugeri a troca dos comandos para a governadora. Desde novembro do ano passado que estou falando sobre isso. Conversei também com o secretário (de Defesa Social, Alessandro Carvalho). Não tenho nada contra os que saíram, mas eles tiveram um ano e não entregaram nada”, esclareceu.

Bandidos provocam terror – A bandidagem está aproveitando a crise na segurança pública sem nenhuma temeridade. Ontem, moradores das Graças e Aflitos bateram duro no Governo depois de viralizar pelas redes sociais dois assaltos a pedestres em plena luz do dia, feitos por duplas usando motos e até carros. As vítimas perderam celular, objetos pessoais e documentos. Andar no Recife, mesmo nos bairros nobres, é colocar a vida em risco. Imagine no carnaval, sem câmeras de monitoramento e polícias nas ruas!

CURTAS

DEBAIXO DO BRAÇO – O deputado Mendonça Filho levou, ontem, para uma audiência com a governadora Raquel Lyra (PSDB), o seu novo aliado no Sertão do Pajeú: o prefeito de São José do Egito, Evandro Valadares (PSB). Pediu recursos para pavimentação de ruas e melhoria da rede municipal de saúde.

MAIS ÁGUA – Já o prefeito de Itapetim, Adelmo Moura, também do PSB, esteve ontem com o presidente da Compesa, Alex Campos, ao lado do deputado estadual José Patriota, para tratar do reforço do abastecimento de água no município.

SEM PRIVATIZAÇÃO – Por falar no presidente da Compesa, Alex Campos, ele desmentiu ontem a informação trazida com exclusividade pelo JC dando conta que a estatal iria a um leilão de privatização. “A Compensa nem vai ser leiloada nem privatizada. O que haverá será uma concessão apenas dos serviços de distribuição de água”, afirmou o dirigente da estatal.

Perguntar não ofende: A Polícia Civil blefa quando diz que vai parar no Carnaval?

Chapa puro sangue atrapalha João

O prefeito do Recife, João Campos (PSB), virou o ano diante de um cenário favorável para buscar a sua reeleição nas eleições de outubro. A elevada taxa de aprovação da gestão, superando os 70%, abre as portas para carimbar o segundo mandato. O que se observa, entretanto, nesta fase da quase pré-campanha, é a inexistência de apoios formais por parte de novas lideranças ou partidos.

Parte disso pode estar numa visão de que a articulação política do jovem gestor comete falhas. Os recentes rumores, por exemplo, de que o PSB poderia formar uma chapa puro sangue, colocando o presidente da Câmara de Vereadores, Romerinho Jatobá, ou o ex-prefeito Geraldo Júlio na vice, têm pesado negativamente.

Já é certo que o PDT deixará a majoritária, o que cria melindres com um aliado histórico, enquanto o Republicanos e a federação comandada pelo PT não têm pressa para as definições. Adverte um graduado aliado do prefeito: “Com uma chapa definida, por que outras siglas chegarão juntas?”

O desalinhamento do prefeito com a governadora Raquel Lyra (PSDB) é outro ponto observado. A tucana tem acumulado uma montanha de dinheiro no cofre e, se souber usar e não cometer trapalhadas, como está fazendo, o ano promete ser de grandes adesões de lideranças políticas em todas as regiões do Estado. Essas articulações invariavelmente terão consequências no Recife, espelho que se reflete para todo o Estado.

Além disso, o PSB vive um momento de vulnerabilidade, com o qual não se acostumou em 16 anos de poder estadual e que algumas lideranças parecem ignorar: tem apenas 14 deputados federais, uma das menores bancadas da base se Lula. Sozinha, a sigla não terá estrutura favorável de campanha, como tempo de televisão e fundo partidário.

Claro que o capital político e econômico da Prefeitura tem peso gigantesco, mas a estrutura partidária é fundamental para botar a tropa de candidatos a vereador nas ruas. Ressalte-se que será muito difícil para os socialistas manterem a atual bancada de 12 vereadores, com uma eventual debandada na iminência de ocorrer em abril. Sendo assim, João terá menos de três meses para segurar a sua tropa no PSB ou em siglas aliadas, as quais ainda não tem a mínima noção.

Olho no Recife e em São Paulo – O prefeito João Campos também tem outra preocupação que vai além do território recifense e da sua reeleição: a deputada federal Tabata Amaral (PSB-SP), sua namorada, lança, hoje, a sua pré-candidatura à Prefeitura de São Paulo. A data é muito simbólica: o aniversário de 470 anos da cidade. O palco da cerimônia será a laje da casa onde a parlamentar cresceu, e que ainda é o lar de sua mãe, na Vila Missionária, Zona Sul paulistana.

Alckmin via vídeo – O vice-presidente da República, Geraldo Alckmin, principal liderança do PSB em São Paulo e envolvente cabo eleitoral de Tabata, não estará presente. Fará uma participação em vídeo no ato. Ele e o presidente Lula (PT) estarão em palanques opostos na eleição municipal paulistana. Na sexta-feira da próxima semana, o petista viaja a São Paulo para o ato de filiação da ex-prefeita Marta Suplicy, que será a vice do deputado federal Guilherme Boulos (PSOL-SP), após articulação liderada pelo próprio presidente da República.

Sem nacionalizar debate – Durante a cerimônia, Tabata lançará o manifesto intitulado “Uma só cidade”, que destaca o combate à desigualdade social. Diferentemente de Boulos, a deputada não planeja nacionalizar a campanha municipal, mas sim propor um debate centrado na cidade, com críticas à gestão do prefeito Ricardo Nunes (MDB), pré-candidato à reeleição.

O drama do IPVA atrasado – Tudo bem que a governadora baixou o IPVA, mas nem tudo está às mil maravilhas para quem procura o Detran em busca de regularizar o veículo. Os que fazem a opção pelo parcelamento do imposto atrasado reclamam que não há servidores suficientes no Detran para notificar os proprietários com até cinco anos de atraso no IPVA. Bronca pesada!

Podridão em Arcoverde – Em Arcoverde, janela do Sertão, a 250 km do Recife, quem faz compras no principal centro comercial, a Avenida Antônio Japiassu, tem que tapar o nariz por causa da fedentina exalada de um esgoto com uma tampa inapropriada nas imediações da Ótica Arcoverde, que repercute em toda extensão da avenida. Apesar das reclamações, o prefeito Wellington Maciel (MDB) torce o nariz. A solução é muito simples. Segundo um engenheiro, há uma tampa específica para esses casos. O prefeito não resolve porque não quer.

CURTAS

EQUÍVOCO OU FUGA? – O ex-deputado Gonzaga Patriota (PSB) disse, ontem, que não será candidato a prefeito em Sertânia, sua terra natal, porque não transferiu seu domicílio eleitoral, que é de Petrolina. Mas ele se equivocou: pela lei eleitoral, a mudança de domicílio ficou com o prazo de apenas seis meses. Se ele topar, ainda está em tempo!

MAMÓGRAFO ABANDONADO – O vereador Rodrigo Roa, da bancada do Avante na Câmara de Arcoverde, denunciou, ontem, que encontrou um mamógrafo abandonado, que teria sido doado pela Philips no final da gestão do ex-prefeito Zeca Cavalcanti, mas nunca usado pelos prefeitos que sucederam a Zeca. Está avaliado em R$ 800 mil.

VICE IDEAL – O empresário Álvaro Torres, mais conhecido como Alvinho Cara de Codorna, em razão de ter um trabalho de grande alcance social, virou alvo de cobiça como o vice ideal por parte dos dois grupos que disputam o poder em Agrestina. Josué Mendes, o prefeito, estará na iminência de romper com o ex-prefeito Thiago Nunes, o que pode provocar uma reviravolta no cenário político do município.

Perguntar não ofende: O Governo vai ceder à pressão da Polícia Civil ou deixar o Carnaval sem segurança?

O buraco é mais embaixo

Quando formou a sua equipe, no apagar das luzes de 2022, a governadora Raquel Lyra (PSDB) recorreu a uma amiga de profissão e de carreira na Polícia Federal, a delegada Carla Patrícia, para comandar a segurança do Estado. Profissional competente e extremamente respeitada na PF, Patrícia era a grande esperança para se chegar a um Estado de paz e tranquilidade. Só ficou oito meses no cargo.

Durante esse curto período, a preparada delegada federal despachou pouquíssimas vezes com a chefona e amiga. Nem quando esteve nos finalmente do arcabouço do plano de combate à violência, Patrícia teve tratamento diferenciado. Foi afastada em agosto do ano passado sem que Pernambuco tomasse conhecimento do que havia planejado para tirar o Estado das páginas policiais.

E olha que era considerada da elite do Governo! Mais do que isso, muito próxima a Raquel, que se derramava em elogios ao currículo dela. Vazou pela rádio corredor do Palácio que Carla pediu o boné porque nunca teve voz ativa, sequer para executar seu plano de trabalho. Em seu lugar, assumiu Alexandro Carvalho, também delegado da Polícia Federal, mas com fama de ter sido o pior secretário da era PSB.

Na noite da última segunda-feira, Raquel demitiu os dois braços direitos do secretário de Defesa, a pedido dele: o coronel Tibério César dos Santos, comandante da Polícia Militar, e Simone Aguiar, delegada-chefe da Polícia Civil. E anunciou seus substitutos, o coronel Ivanildo César Torres de Medeiros, na PM, e o delegado Renato Márcio Rocha Leite, na PC. Vai resolver a crescente violência em Pernambuco?

Evidentemente que não. Isso é como time de futebol: não adianta trocar de técnico quando a equipe anda mal. A questão da segurança é estrutural. Os dois novos pupilos de Raquel vão comandar uma polícia extremamente desencantada com as políticas públicas, igualmente desmotivada, com péssimos salários e precárias condições de trabalho.

A governadora lançou um plano de segurança, quase um ano depois da posse, prometeu reduzir 30% dos casos em geral de violência no Estado, mas não disse como. Ninguém conhece o plano e os poucos que chegaram a se inteirar dele acham fraco, sem consistência. Como disseram os delegados, ontem, numa nota, o programa Juntos pela Segurança foi o primeiro no País a não prever nenhuma valorização às forças de segurança.

E este continua sendo o grande erro da gestão de Raquel, que não dá o braço a torcer, resultando na recente explosão da criminalidade em todo o Estado. “Uma simples mudança do Delegado Geral, desacompanhada de sinalização concreta de melhorias das condições de trabalho e na valorização do policial civil, infelizmente, não levará aos resultados almejados pelo Governo do Estado e pela população”, resume Diogo Victor, presidente da Associação dos Delegados do Estado.

Paralisação no Carnaval – Os policiais civis promoveram, ontem, uma assembleia geral e ameaçaram parar durante o Carnaval. Reclamam do salário, das dificuldades de negociar com o Governo e da falta de condições de trabalho. O presidente do Sinpol, Áureo Cisneiros, que foi o responsável pela mobilização ao final da tarde de ontem, em frente ao sindicato da categoria, em Santo Amaro, disse que nunca os policiais se depararam com um Governo tão insensível, sem articulação e sem um poder moderador.

Episódios desgastantes – O currículo do agora ex-comandante da PM, Coronel Tibério César dos Santos, já estava manchado com a chacina em Camaragibe, em setembro, quando dois policiais foram mortos em uma ação que, em dois dias, resultou na morte de seis pessoas de uma mesma família. Em outro caso, em novembro, na Iputinga, bairro da Zona Oeste do Recife, câmeras registraram o momento em que PMs arrombaram a porta de uma casa e depois saíram com dois corpos. A insatisfação era a mesma em relação à chefe da Polícia Civil, Simone Aguiar, demitida na véspera da assembleia convocada pela categoria.

Baderna sem controle – As mudanças na PM e na Civil se dão dois dias após confrontos entre torcedores do Sport e do Santa Cruz no Grande Recife, antes do primeiro clássico do Campeonato Pernambucano de 2024, que deixou um policial militar e dois torcedores baleados. Em entrevista à TV Globo, o diretor especializado da PMPE, coronel Ivson Amílcar, disse que o policial que foi baleado estava dentro da viatura, no meio do confronto, quando foi atingido por uma bala que transfixou o veículo e o atingiu no braço.

Voz de Meira pesou – Em entrevista, ontem, à Rádio Folha, o deputado federal Coronel Meira revelou que alertou a governadora de que havia muita insatisfação com o comando da PM. “Fomos nós que tivemos coragem de pedir para ela trocar, tanto o Comandante Geral da Polícia Militar, como o chefe da Polícia Civil. Eu não tenho nada contra as duas pessoas, muito pelo contrário, mas hoje a gente precisa de profissionais que sejam mais da área operacional, que tomem conta da rua”, disse Meira.

Feitosa já prevê impeachment – Um dos mais ácidos e vigilantes críticos do Governo Raquel Lyra, o deputado estadual Alberto Feitosa (PL), que é coronel da reserva da PM, previu que o descontrole na segurança pública, com o aumento desenfreado da violência no Estado, pode levar a governadora a sofrer um pedido de impeachment. “Eu não tenho mais nenhuma dúvida de que a governadora não vai chegar ao final do seu Governo. O Estado está desgovernado em todos os setores”, afirmou.

CURTAS

FATOS RELEVANTES – Em Arcoverde, dos três pré-candidatos a prefeito, a ex-prefeita Madalena Brito (PSB) é a que tem mais se movimentado. Ontem, por exemplo, ela esteve com o senador Humberto Costa, principal liderança do PT no Estado, arrebatando o seu apoio.

TRAGÉDIA – Uma tragédia abalou, ontem, a talentosa cantora Cristina Amaral, natural de Sertânia. Sandra e Maria, duas irmãs dela, perderam a vida num desastre de automóveis na BR-232, no Curado. Segundo a polícia, o acidente foi provocado por um cochilo do motorista ao volante.

FORA DA DISPUTA – O ex-deputado Gonzaga Patriota, primeiro suplente da bancada federal de Pernambuco, disse ao blog que até toparia disputar a Prefeitura de Sertânia, sua terra natal, mas está impedido porque seu domicílio eleitoral é de Petrolina e o prazo para mudança já passou, sendo um ano antes da eleição.

Perguntar não ofende: Dá para acreditar que uma simples mudança no comando da PM e da Civil vai bombar o plano de segurança de Raquel?

IPVA, a tábua de salvação ilusória 

Extremamente desgastada, a última em aprovação entre os 27 chefes estaduais do País, a governadora Raquel Lyra (PSDB) entrou no desespero. Para tentar recuperar a imagem, está propagandeando a redução do IPVA até nos guichês de acesso aos estacionamentos de shoppings. Nunca se viu algo na história do Estado!

Acha a tucana que a medida vai levá-la aos píncaros da glória em popularidade. A medida do IPVA repercutiu bem, é verdade, mas andorinha só não faz verão, sobretudo em se tratando de realizações de uma gestão. As maldades da governadora com a população são bem maiores do que um IPVA mais barato.

Pernambuco tem, por exemplo, o maior ICMS do País, por decisão da governadora. Não são as indústrias e o comércio que vão pagar esse pule de dez. Serão os consumidores, pobres mortais e coitados, porque as empresas, naturalmente, embutirão o aumento do imposto na conta de todas as operações feitas no comércio e na indústria.

O IPVA não é mais importante do que a saúde dos servidores públicos estaduais, que estão sem atendimento médico e hospitalar, além de laboratórios para exames, porque o Governo não paga as empresas prestadoras de serviços vinculadas ao Sassepe. Um samba de uma nota só, a redução do IPVA, também não é mais importante do que a polícia.

O carnaval pode ficar sem policiamento, porque o governo se nega a discutir o reajuste e a pauta da categoria por melhores condições de trabalho. Não conheço um só servidor público satisfeito. Parte dos professores foi discriminada no reajuste oficial, enquanto o mesmo Governo não cumpre com o pagamento dos precatórios, principalmente dos herdeiros.

O que esse Governo é bom mesmo é espalhar placas de fakes. Em direção ao Sertão, há muitos outdoors sobre a duplicação da BR-232 até Arcoverde como se fosse uma realidade. Em Caruaru, o novo hospital do Agreste só existe na placa e por aí vai. Propaganda enganosa não leva a nada.

A raposa ama enganos, o lobo, cordeiros e a mulher, louvores, diz um ditado popular.

Consórcio Brasil Central – O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (União Brasil), assume, hoje, a presidência do Consórcio Brasil Central, que reúne gestores de unidades da Federação do Centro-Oeste, além de Tocantins, Maranhão e Rondônia. Segundo a Coluna do Estadão, Caiado vai pedir a união de governadores para o avanço da política de segurança zero nos estados e vê nesta pauta uma possibilidade de alavancar seu desejo de concorrer ao Planalto em 2026. 

Oposição fortalecida – Em Paudalho, o vice-prefeito André Viana, popstar como cantor na região, atualmente filiado ao União Brasil, rompeu com o prefeito Marcelo Gouveia (PSDB), vai ingressar no Solidariedade, de Marília Arraes, para disputar a Prefeitura pela oposição. As chances de ele unir o conjunto dos partidos que se opõem à gestão municipal são elevadas.

Paraíba excluída – A Paraíba saiu do roteiro do presidente Lula. Sua passagem pelo Estado seria na próxima sexta-feira, em Patos, no Sertão, onde entregaria 856 apartamentos construídos com recursos federais dentro do programa Minha Casa, Minha Vida. Aliados falam que uma nova data poderá ser pensada para a visita, mas até agora sem confirmação. A visita havia sido anunciada pelo senador Veneziano Vital (MDB) e confirmada pelo Planalto na última sexta-feira.

Ameaça ao veto – O Congresso deve derrubar o veto do presidente Lula (PT) aos R$ 5,6 bilhões em emendas de comissão (aquelas não impositivas e direcionadas pelas comissões permanentes da Câmara dos Deputados e do Senado) no Orçamento para 2024, sancionado ontem. O relator do Orçamento de 2024, Luiz Carlos Motta (PL-SP), garante que o governo participou das reuniões na CMO (Comissão Parlamentar de Inquérito), concordou e votou pelo texto. “Trabalharemos para derrubar [o veto] “, afirmou ao site Poder360.

Direita se une contra Boulos – Em São Paulo, o candidato do PSol, Guilherme Boulos, esquerdou sua chapa ainda mais com o anúncio de Marta Suplicy na vice. Trata-se de um Estado extremamente conservador, com forte predominância do bolsonarismo. Por isso mesmo, ontem, o governador Tarcísio de Freitas (Republicanos) garantiu que estará no palanque do prefeito Ricardo Nunes (MDB), juntamente com Bolsonaro.

CURTAS

DIVISÃO – Por falar em São Paulo, o PSDB está dividido. Não sabe se lança candidatura própria ou se apoia a reeleição do prefeito. Se optar pela primeira opção, as alternativas são Andrea Matarazzo; José Aníbal (ex-senador); e Carlos Bezerra Jr. (secretário de Assistência e Desenvolvimento Social de São Paulo).

AINDA SP – O vereador Fábio Riva, líder do governo Ricardo Nunes (MDB) na Câmara Municipal de São Paulo, disse, ontem, que vai deixar o PSDB caso não haja “apoio irrestrito” à reeleição do prefeito na capital paulista. Afirmou que todos os vereadores do PSDB têm o mesmo entendimento e devem seguir os mesmos passos caso o partido opte por uma candidatura própria.

PEREIRA APOIA – Principal liderança de oposição em Paudalho, o ex-prefeito José Pereira, que enfrenta o grupo do prefeito, fechou com a pré-candidatura do vice-prefeito André Viana e deu às caras no anúncio no domingo passado, com a presença de Marília Arraes.

Perguntar não ofende: O que fez Lula cancelar sua presença na Paraíba?

Inteligência Artificial nas eleições

Bill Gates, um dos fundadores da Microsoft, já disse que o desenvolvimento da Inteligência Artificial (IA) representa o avanço mais importante das últimas décadas no mundo online e globalizado. Veio para mudar a maneira como as pessoas trabalham, aprendem, viajam, obtêm assistência médica e se comunicam umas com as outras.

A IA é uma máquina revolucionária sem precedentes. O fundador da Microsoft conta que pediu à IA para escrever uma mensagem a um pai que está com um filho doente. “Foi escrita uma mensagem sensível, provavelmente melhor do que a maioria de nós na sala poderia ter criado”, disse Gates.

E completou: “Eu entendi que tinha acabado de ver o avanço mais importante na tecnologia desde a interface gráfica do utilizador [GUI, na sigla em inglês]”. Uma GUI permite que uma pessoa interaja com imagens e ícones na tela em vez de um display apenas com texto e figuras e que também requer comandos digitados.

Seu desenvolvimento culminou nos sistemas operacionais Windows e Mac OS na década de 1980 e continua sendo uma parte fundamental dos computadores. Gates acredita que a tecnologia de inteligência artificial levará a avanços semelhantes.

Mas o que isso tem a ver com política? Tem a ver com tudo, inclusive com eleições. O Tribunal Superior Eleitoral vai abrir a discussão do uso de IA nas eleições municipais de 2024, em audiência pública na próxima quinta-feira. O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), está sendo pressionado para declarar como regime de urgência assuntos de IA pertinentes à comunicação e às eleições. O objetivo é aprovar um conjunto mínimo de regras que sirvam de base para o TSE baixar as próprias normativas.

Congresso quer impor limites – Limites para a inteligência artificial estão sendo debatidos por congressistas tanto no Senado quanto na Câmara. Há um consenso entre deputados e senadores de que é preciso definir regras a fim de conter danos nas eleições municipais de outubro. A maior preocupação são as deep fakes ou conteúdos falsos produzidos a partir de vídeos, imagens e vozes de pessoas reais sejam usados na campanha eleitoral –assim como aconteceu nas eleições presidenciais da Argentina em 2023.

Dormiu no ponto – “Na prática, seria antecipar as regras de 2026 para as eleições de 2024”, afirma Marcelo Senise, em entrevista ao site Poder360. O marqueteiro diz acreditar que os congressistas estão convencidos da urgência da legislação, mas não têm um líder para encabeçar a pauta e, por isso, querem uma audiência com o presidente da Câmara. Para ele, a Casa dormiu no ponto em relação à necessidade de antecipar o uso de IA já nas eleições deste ano.

Ruído com João – A conversa do presidente Lula com João Campos no jantar da última quarta-feira, no Recife, derivou também para São Paulo. Ali, o candidato do petista é Guilherme Boulos, do Psol, provavelmente com a ex-prefeita Marta Suplicy na vice, de volta ao PT. A pré-candidatura de Tabata Amaral (PSB), namorada do prefeito do Recife, não soa bem aos ouvidos do chefe da Nação. Mas Tabata não vai abrir mão, inclusive está com lançamento anunciado para a próxima quinta-feira, em São Paulo.

Médicos em atraso – Não é só a falta de investimentos nos hospitais, como o Barão de Lucena, recentemente interditado, que está arranhando fortemente a imagem da governadora na área da saúde. Soube ontem que médicos plantonistas da Restauração e do Pelópidas Silveira, duas grandes estruturas de emergência na Região Metropolitana, estão sem receber salários há quatro meses. Não dá para entender isso. Até porque as notícias dão conta de que a governadora está de cofre abarrotado.

Simão no PSB – O prefeito de Petrolina, Simão Durando, deve trocar o União Brasil pelo PSB para disputar a reeleição. O convite foi feito pelo prefeito do Recife, João Campos, durante encontro no último fim de semana na casa de praia do ex-senador Fernando Bezerra Coelho, em Porto de Galinhas. Embora o deputado federal Fernando Filho esteja no mesmo partido do prefeito, a mudança ocorre pelo fato de o UB apoiar, para prefeito do Recife, o candidato escolhido pela governadora.

CURTAS

SEM JANELA – Com a chegada de Simão ao PSB, o deputado federal Lucas Ramos, socialista histórico, fica livre para apoiar o candidato da oposição que julgar mais competitivo, até porque não tem janela partidária para ele próprio trocar de legenda.

ACALMOU – O prefeito de Belo Jardim, Gilvandro Estrela (UB), andou culpando a governadora pela perda da arrecadação no município, mas já compreendeu a situação depois de uma longa conversa com o deputado federal Mendonça Filho, aliado de primeira hora.

BEZERROS – A governadora, enfim, resolveu dar um suporte maior ao carnaval de Bezerros este ano. Trata-se do terceiro maior pólo carnavalesco do Estado, atrás apenas do Recife e Olinda. O charme e a isca são a tradição da festa de rua e o desfile dos papangus.

Perguntar não ofende: O PT rompe com João Campos se não tiver a vaga de vice na sua chapa da reeleição?

Sem chances para o PT

O PT vai forçar para ter o direito de indicar, usando a influência de Lula, a cobiçada vaga de vice na chapa do prefeito do Recife, João Campos (PSB), candidato à reeleição. As principais lideranças do partido no Estado aproveitaram a passagem do presidente da República pela capital, ontem, para convencê-lo a entrar no processo.

Mas tudo tem o seu tempo e Lula não é de entrar em bola dividida. Ele sabe das intenções de João em disputar o Governo de Pernambuco em 2026, caso seja reeleito. E que, para isso, terá que ter autonomia na escolha do companheiro de chapa. O vice tem que passar pelo principal e primordial critério: a confiança cega do prefeito.

E não há quadros no PT próximos a João, nem tampouco que conquistem, em tão pouco tempo, o seu coração. O prefeito tem amplas chances de ser reeleito, mesmo sem o PT na vice. Sabe que o cenário de 2026 só será de sol radiante para ele, sem risco de eclipse, primeiro se a governadora estiver muito mal, segundo tendo o controle da Prefeitura.

Esse controle é deixar em seu lugar alguém sem risco de cometer uma traição mais na frente, sem espaço para apunhalá-lo pelas costas. Alguém no PT atende esses requisitos? Evidentemente que não. Por isso, João não vai se curvar às pressões do PT, mesmo vindo do Planalto Central, para abocanhar a vaga de vice na sua chapa.

O recado foi dado – Ao rejeitar o convite da governadora Raquel Lyra (PSDB) para uma boca livre no Palácio das Princesas, sob a ridícula alegação de que estaria cansado e em seguida ser flagrado jantando com João e família no hotel em que se hospedou no Recife, o presidente Lula deu uma clara demonstração de que vai investir fortemente na reeleição do prefeito com a intenção de dois anos depois, transformá-lo no candidato mais competitivo para barrar a reeleição da tucana.

Lula tem a ruindade – Na agenda por Pernambuco, Lula irritou Raquel duplamente. Primeiro, quando recebeu João para um jantar reservado no hotel. Segundo, no dia seguinte, ao chegar no Comando Militar do Nordeste na companhia do prefeito do Recife, enquanto a governadora esperava a delegação do chefe da Nação no CMN como uma simples mortal.

Alternativa do coração – Se depender de João Campos, o vice será o ex-prefeito do Recife, Geraldo Júlio, hoje seu conselheiro-mor, exercendo na gestão municipal muita influência, trânsito fácil, respeito e confiança na família Campos. Se não for esse o caminho, são especulados também o presidente da Câmara, Romerinho Jatobá, e o secretário de Governo, Aldemar Santos, o Dema. Se optar por uma mulher, será Marília Dantas, secretária de Infraestrutura do Recife.

Tabata entra no jogo – A deputada federal Tabata Amaral deve lançar a sua pré-candidatura à Prefeitura de São Paulo na próxima quinta-feira, data em que a capital paulista comemora 470 anos. A congressista fará um evento na laje da casa de sua família, na Vila Missionária, na zona sul, com a presença do namorado, o prefeito do Recife, João Campos. A reunião começará às 10h, segundo o site Poder360. O encontro terá a presença também de líderes partidários, autoridades, representantes da sociedade civil e apoiadores da pré-candidatura.

Engoliu a seco – Embora seja um investimento da ordem de R$ 2 bilhões, a Escola de Sargentos, assinada por Lula, ontem, no Recife, nunca foi assimilada pela governadora Raquel Lyra, que se fez presente ao ato com cara de constrangimento. O pai do projeto, justiça seja feita, é o ministro pernambucano José Múcio, da Defesa. Ao lado do presidente, ninguém mais festejou o desfecho do empreendimento do que ele. Não fosse sua disposição e liderança, o Exército já teria se abraçado com um Estado do Sul.

CURTAS

SEM CANDIDATO – Já reeleito, o prefeito de São José do Egito, Evandro Valadares (PSB), está tendo dor de cabeça para escolher o candidato do seu grupo a prefeito. Nomes naturais, o vice Ecleriston Ramos e o prefeito de Ouro Velho, Augusto Valadares, abriram, ontem, mão das suas candidaturas.

PRESIDENTE EM SERRA – O presidente estadual do PSDB, Fred Loyo, confirmou o empresário e radialista Marquinhos Oliveira, de Serra Talhada, no comando da legenda no município. Marquinhos tem três emissoras de rádio no Sertão do Pajeú, mas o que ele tem tesão mesmo é por política partidária.

ANDRÉ VEREADOR – Vereador do Recife por três mandatos, vereador em Jaboatão e deputado estadual em três legislaturas, André Campos, ex-presidente da Copergás, pode voltar a disputar uma vaga no Legislativo recifense, provavelmente pelo PT, mesmo estando filiado hoje ao PSB.

Perguntar não ofende: Raquel ficou roendo as unhas com o jantar de Lula com João?

Raquel não escapou de vaias

Não foi com tamanha intensidade quanto na primeira passagem de Lula por Pernambuco, no ano passado, no Recife, mas a governadora Raquel Lyra (PSDB) não escapou de uma vaia discreta, ontem, no ato em Ipojuca, com a presença do presidente da República, no qual foi anunciada a retomada das obras de ampliação da refinaria Abreu e Lima.

A vaia, observada na apresentação inicial, não foi maior porque houve uma seleção rigorosa na seleção da plateia, formada em sua maior parte por trabalhadores da refinaria e militantes do PT. A fala da tucana se constituiu, como se esperava, numa rasgação de seda com o chefe da Nação, afirmando que sem o apoio do Governo Lula o Estado não estava recebendo novos investimentos.

A volta de Lula à refinaria teve um simbolismo, mas negativo. Há 18 anos, quatro mil pessoas acompanharam os discursos inflamados dele e do então presidente venezuelano Hugo Chávez por mais de duas horas sob o sol de 35 graus em Ipojuca, para o lançamento daquele que seria o maior investimento da Petrobras em mais de 25 anos: a construção da refinaria Abreu e Lima (Rnest).

Após revirarem em concreto e posarem para fotos naquela sexta-feira, 16 de dezembro de 2005, o petista e o “amigo irmão”, como definiu o ditador sul-americano, selaram o início das obras da refinaria que se tornaria um dos maiores símbolos do mau uso do dinheiro público do País.

O que deveria ser o início da independência para o refino de petróleo brasileiro, se tornou um dos símbolos das investigações da Operação Lava Jato no escândalo do “petrolão”, um esquema de desvio de recursos da Petrobras. A obra foi alvo ainda de processos na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e no Tribunal de Contas da União (TCU).

Com um custo inicial de R$ 7,5 bilhões, as obras do empreendimento – tocadas pelas empreiteiras Odebrecht, OAS, Camargo Corrêa e Queiroz Galvão – consumiram quase R$ 60 bilhões. De acordo com a delação premiada do ex-executivo da Odebrecht Márcio Faria da Silva, as obras na refinaria teriam rendido R$ 90 milhões em propinas a ex-executivos da estatal ligados ao PP, ao PT e ao PSB.

Palito de dente – Na Bahia, pela manhã, por onde começou seu périplo pelo Nordeste, o presidente Lula autorizou o início das obras do Parque Tecnológico Aeroespacial. O parque vai comportar empresas nacionais e internacionais de tecnologias, terá cerca de 800 mil metros quadrados e mais de 100 mil metros quadrados de construções. Na sua fala, anunciou que, a partir de agora, estará com o pé na estrada, visitando vários Estados para anunciar e entregar obras. “Onde tiver uma fábrica, mesmo que seja de palito de dente, estaremos presentes. O Brasil precisa de boas notícias”, disse.

Jantar recusado pela ciumeira – De nada adiantou a cortesia da governadora Raquel Lyra (PSDB), o presidente Lula recusou seu convite para um jantar no Palácio do Campo das Princesas. Alegou cansaço pela maratona que começou cedo pela Bahia, mas, na verdade, o petista quis evitar ciumeira no PSB. Na campanha municipal deste ano, o seu palanque será o da reeleição do prefeito João Campos (PSB).

Olho nos idosos – Durante discurso em Salvador, o presidente Lula prometeu criar estratégias para o cuidado com os idosos. “Essa é uma coisa que nós vamos criar, um pouco de trabalho, para pensar direitinho, porque o Brasil está ficando um país velho, está tendo uma população velha, e nem todo mundo tem a felicidade de ser um velho forte como eu, como e Otto [Alencar], como [Jaques] Wagner”, brincou. Lula detalhou que está preocupado com a situação atual e que pretende apresentar um projeto focado na atenção aos mais velhos.

Defesa do Nordeste – O presidente Lula se emocionou ao falar sobre o Nordeste durante sua passagem por Pernambuco. O petista disse que a região não pode se conformar em ser definida por problemas sociais. “O Nordeste não pode se conformar de que nasceu para ser visto pela imprensa como um lugar em que tem mais mortalidade infantil, que tem mais analfabeto, que tem mais evasão escolar, que tem mais gente recebendo o Bolsa Família, que tem mais gente morrendo de desnutrição. Não é esse o Nordeste”, disse, com a voz embargada.

Apoiador ou golpista? – O deputado Carlos Jordy, do PL do Rio de Janeiro, afirmou, ontem, à Polícia Federal que Carlos Victor de Carvalho, com quem a Procuradoria-Geral da República (PGR) apontou “forte ligação”, é apenas um apoiador. Mais cedo, Jordy foi alvo de uma operação da PF autorizada pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF, no âmbito das investigações do 8 de janeiro. O deputado bolsonarista também afirmou no depoimento que é contra qualquer tentativa de golpe de Estado ou de enfraquecer as instituições.

CURTAS

MENOS VIOLÊNCIA – De Lula em seu discurso, ontem, em Ipojuca: “Custa muito pouco a gente investir no pobre desse País, e investir na melhoria de vida deles. Quando a gente melhorar a vida das pessoas, sabe o que vai acontecer? Vai ter menos assalto, menos violência”.

PROTESTO – Na passagem, ontem, por Pernambuco, o presidente Lula enfrentou protesto dos metroviários, liderados pelo Sindmetro, contra a estadualização e posterior privatização do Metrô do Recife. O protesto dos metroviários ocorreu na frente da Refinaria Abreu e Lima.

NOVA CONDENAÇÃO – O pernambucano Thiago Brennand foi condenado, ontem, a oito anos de prisão pelo crime de estupro em regime inicial fechado. A sentença ainda cabe recurso. Esta é a terceira condenação do empresário, réu em outros processos em Porto Feliz (SP) e em São Paulo (SP). Ele está preso preventivamente.

Perguntar não ofende: A governadora foi obrigada a se curvar às pressões do Governo Federal para o Estado sediar a Escola de Sargentos?