Coluna da quinta-feira

Quem não se comunica…

Por Juliana Albuquerque – repórter do Blog

O saudoso Chacrinha não cansava de repetir a frase: “Quem não se comunica, se trumbica”. Virou jargão e serve, até hoje, de referência quando se trata de saber se comunicar. A comunicação vai muito além de falar bem, principalmente quando se trata de política. Na área, além de mostrar resultados concretos em benefício do povo, ela é o saber falar a linguagem do povo.

Nesse campo, o prefeito do Recife, João Campos (PSB), tem dado uma verdadeira aula. Apesar da pouca idade, outrora motivo de desconfiança, tem conseguido se comunicar com maestria, sem atrapalho ou qualquer dificuldade. O seu “nevou”, por exemplo, comprovou isso em números, com mais de 22,5 milhões de visualizações no Instagram. O feito rendeu ao prefeito, além da admiração da população da periferia recifense, um baita alcance que transcende a esfera municipal.

A brincadeira despretensiosa fez com que o prefeito recifense saísse de 1,6 milhão de seguidores, para 2,1 milhões de admiradores na rede social. Tais números devem deixar a governadora Raquel Lyra (PSDB) de cabelos em pé. Sem o menor carisma, embora tente, sem sucesso, se comunicar com a massa pelas redes sociais, o fracasso da tucana é evidente pelo número de seguidores, menos de 1 milhão no Instagram.

Podem até dizer que número de seguidores não é o de eleitores, mas a julgar pela diferença grotesca entre João e Raquel nas redes sociais, 2026 promete ser de grandes emoções. Principalmente se, até lá, a tucana continuar sem mostrar a que veio, e João Campos continuar a entregar resultados palpáveis para os recifenses. Afinal, não se deve desprezar o fato de que Pernambuco tem pouco mais de 7 milhões de eleitores e que boa parte desse contingente acompanha a rotina do prefeito.

Por fim, Raquel pode até achar que ganha mais ao entrar de cabeça no xadrez político, ampliando seu palanque de partidos apoiadores com o jogo do ‘toma lá, dá cá’, mas, no fim das contas, não há melhor cabo eleitoral do que o próprio eleitorado quando satisfeito com o seu gestor.

Carnaval em números – O Carnaval do Recife atraiu 3,4 milhões de foliões durante os seis dias de festa, 20% a mais do que o registrado no ano passado. De acordo com a Prefeitura da Cidade, no período, foram criados 57 mil postos de trabalho temporários e foi movimentado R$ 2,4 bilhões na economia local.

Satisfação – Em pesquisa de satisfação encomendada pela Secretaria de Turismo do Recife, pasta sob comando de Antonio Coelho, 98% dos entrevistados afirmam que pretendem voltar para brincar o Carnaval do Recife no próximo ano. O mesmo percentual informou que recomenda a festa, enquanto cerca de 84% disseram que a festa recifense superou e/ou atendeu às expectativas. No item segurança, 68% dos foliões afirmaram que se sentiram muito seguros/seguros e 10% inseguro/muito inseguro.

Ocupação – De acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis em Pernambuco (ABIH-PE), entre 9 e 13 de fevereiro, mais de 32 mil turistas se hospedaram na rede hoteleira do Recife, o que resultou em uma taxa de ocupação de 96% nos principais hotéis da cidade.

Soneca – Postado nos stories da governadora Raquel Lyra, na última segunda-feira, bombou entre os grupos de WhatsApp um vídeo no qual um funcionário aparece dormindo enquanto a tucana cumprimenta os demais atendentes que se revezavam entre os turnos, durante o Carnaval, para atender as queixas de emergência na Central do 190.

Violência – Os números de ocorrências levantados pelo Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco (Sinpol-PE) colocam em xeque o discurso da governadora Raquel Lyra de que o Carnaval 2024 seria o mais seguro da história. Pelo contrário, segundo o Sinpol, foram 62 homicídios, três deles em polos de folia, e 34 tentativas de homicídios no período de 8 a 13 de fevereiro, o que torna o Carnaval deste ano o mais violento de todos os tempos.

CURTAS

JABOATÃO – Mais de 450 mil pessoas circularam entre os sete polos de festa durante os cinco dias de Carnaval em Jaboatão dos Guararapes. Segundo o prefeito Mano Medeiros, a festa proporcionou a criação de 4,6 mil empregos diretos e movimentou mais de R$150 milhões na economia local.

FIES – Estudantes de instituições privadas de ensino superior interessados em financiar até 100% do valor da mensalidade pelo Banco do Nordeste (BNB) têm até o dia 29 de fevereiro para realizar a solicitação do crédito no portal do banco na Internet. O prazo e o meio é o mesmo para os clientes que irão renovar seu financiamento.

EXTERIOR – Já de volta ao visual habitual após “nevar” o cabelo no Carnaval, o prefeito do Recife, João Campos, embarcou, ontem, para Nova Iorque. Na cidade, recebe o Prêmio de Serviço Público pelo Compaz como iniciativa que melhor contempla os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e excelência no serviço público da ONU.

Perguntar não ofende: Quando a SDS vai divulgar o balanço do Carnaval 2024?

O juiz vem ai!

Há muitos anos, Camaragibe, na Região Metropolitana do Recife, paga um preço elevadíssimo por não ter sorte – ou apostado errado – na escolha dos seus gestores. Os últimos, incluindo a prefeita Nadegi (Republicanos), talvez a pior experiência de todos, sugaram o último vintém dos cofres da viúva na construção do nada com nada, a revelação do caos.

Há os que têm forte culpa no cartório e ainda botam o bloco na rua, tentando iludir a população, mais uma vez. Enquanto São Lourenço da Mata, vizinha de porta em porta, reencontrou-se com Vinícius Labanca (PSB), gestor com altíssimos índices de aprovação, Camaragibe vai na contramão, crescendo feito rabo de cavalo – para baixo.

Esta semana, de passagem pela cidade, ouvi de um cidadão uma frase que me chamou atenção: “O juiz vem aí”. Fui procurar saber de quem se tratava. É o juiz aposentado Luiz Rocha, que, dentre outras façanhas, exerce um ativismo jurídico em defesa da gente mais humilde e sofrida. No Polo da Maconha, no Alto Sertão, onde atuou inicialmente, deu uma acelerada nos processos criminais e conciliou famílias que viviam em confronto há mais de 20 anos.

Ficou conhecido pela sua atuação no primeiro litígio judicial sobre transplante de órgãos no Estado. Como titular da 1ª Vara de Execução Penal e Corregedoria de Presídios, deu rápido desfecho para recaptura de um caso famoso, envolvendo um fugitivo israelense traficante de órgãos. Acionou a Interpol e o recambiou da Itália para Pernambuco.

Enfrentou em 2015 a maior rebelião de presos no País, envolvendo sete mil detentos do Complexo Prisional do Curado, sendo o seu grande pacificador. Recentemente, com uma canetada, determinou a interdição e desocupação do Edifício Holiday, em Boa Viagem, diante dos graves riscos de incêndio. Atuou de forma humanizada, sem qualquer incidente, uso de força ou violência.

Desde 2017, atua no movimento humanitário “Justiça para todos”, projeto social, de forma didática, numa rede escolar popular, com destaque pelas redes sociais. Leva informações presencialmente nas comunidades menos favorecidas também, ensinando como proceder em questões básicas de Direito e Cidadania.

Rocha é pré-candidato a prefeito de Camaragibe pelo PP, já está com o bloco nas ruas. Talvez seja a novidade que a população esperava, não como justiceiro nem tábua de salvação. Mas dando a quem não tem nada e anda tão desapontado com a política, a chance de apostar em algo diferente, uma gestão pautada pela justiça, não pela bandalheira.

Fim da polarização – Em contato com o blog, o juiz Luiz Rocha afirma que recebeu a convocação do seu partido e está animado para quebrar a polarização histórica em Camaragibe entre o grupo da atual prefeita e Jorge Alexandre, ex-prefeito. “Nosso discurso será pautado em gestão de qualidade, honrada, com justiça social, em benefício da grande maioria da população desassistida”, diz o magistrado, que se aposentou recentemente para abraçar seu projeto político.

Vergonhoso para o PT – Em entrevista ontem ao Frente a Frente, o deputado estadual João Paulo, uma das lideranças mais expressivas do PT no Estado, foi de uma sinceridade invejável. Disse que será uma vergonha para a legenda petista não emplacar a vaga de vice na chapa de reeleição do prefeito João Campos (PSB). “Imagine o desgaste monstruoso se o PT não ficar com a vice? Acredito que será até um certo rebaixamento para o partido no Recife, pelo que ele representa na cidade e em Pernambuco, principalmente, com o presidente Lula de volta ao poder”, desabafou.

Estado de sítio – Muito grave e preocupante a notícia de que a Polícia Federal encontrou, ontem, no escritório do ex-presidente Jair Bolsonaro, localizado na sede do PL, em Brasília, uma minuta de discurso em que seria anunciada a decretação do estado de sítio no Brasil. Segundo o que vazou, o texto do discurso dizia que a decretação do estado de sítio seria necessária “para restauração do Estado Democrático de Direito no Brasil”.

Uma imagem vale por mil palavras – Era de aparente constrangimento a imagem do ex-deputado Wolney Queiroz, filho do ex-prefeito de Caruaru, Zé Queiroz, ambos adversários históricos da governadora, nas fotos em que aparece ao lado da tucana, no Palácio das Princesas, no ato de posse do secretário, um ilustre desconhecido, que vai representar o PDT no secretariado de Raquel.

Momento histórico – Para o ex-deputado Maurício Rands, que comenta no Frente a Frente, setores dominantes das Forças Armadas praticam golpes desde 1889. “Na ditadura de 64, a sua maioria apoiou a tortura, o exílio e a prisão dos democratas e da esquerda. Ressalva para uma fração menor das FFAA, a nacionalista e democrática, que sempre existiu. Muitos desses últimos, aliás, foram punidos pelo Regime Militar de 64. Veio a anistia, os militares golpistas nunca foram punidos. Agora, pela primeira vez em nossa história, coronéis, generais e almirantes estão sendo presos ou punidos por atos golpistas. Importante registrar que, nessa tentativa de golpe bolsonarista, houve generais e almirantes do Alto Comando que não concordaram com o golpe. Essa recalcitrância de generais, como Freire Gomes, foi fator importante para que hoje não estivéssemos vivendo sob uma ditadura”, avaliou.

CURTAS

UMA NULIDADE – Da ex-prefeita de Arcoverde, Madalena Brito (PSB), ontem, em vídeo pelas redes sociais: “Tivemos um deputado federal, Zeca Cavalcanti, por quatro anos, que não mexeu uma palha para viabilizar o distrito industrial. Anunciou R$ 60 milhões que nunca chegaram, e nenhuma empresa se instalou. Um tempo perdido, sem dúvida”. À época do anúncio, segundo ela, Zeca chegou a espalhar diversos outdoors anunciando os recursos.

FPM MAIOR – O valor do primeiro decêndio do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) do mês de fevereiro, a ser depositado hoje, aponta crescimento na comparação com o repasse equivalente ao mesmo período de 2023. Retirando os efeitos da inflação entre os períodos, os repasses apresentaram expansão real de 1,35%.

PERNAS PARA O AR – A partir das 18 horas desta sexta-feira, este blog fica sem atualização até a próxima Quarta-Feira de Cinzas, em razão do período carnavalesco. Aproveito este período para refrescar a cuca. Bom carnaval a todos os que perdem seu tempo lendo esta coluna diariamente!

Perguntar não ofende: Pernambuco terá o carnaval mais seguro do País, segundo a promessa da governadora?

O xadrez de João Campos

A ingenuidade do PT salta aos olhos frente à resolução da legenda sobre as eleições municipais deste ano no Recife. Quando se observa o comportamento do partido em outros Estados, o fosso é ainda muito maior. A impressão que passa, diante de tamanho amadorismo, é que os dirigentes e lideranças estaduais possam estar construindo as bases para engrossar o discurso frente a João Campos (PSB).

Se isso for verdadeiro, podem escapar. Mas do jeito que se comportam, no final ficarão pendurados com um pincel nas mãos, sem escadas. O PT tem o presidente da República, dois senadores, um deputado federal, três deputados estaduais (dos quais um ex-prefeito do Recife eleito, reeleito e que fez o seu sucessor), e uma legenda com grife consolidada no eleitorado urbano.

Mas, apesar de todas essas credenciais, insiste surpreendentemente em se manter engessado na sucessão da capital, refém, à deriva, à espera da decisão de um só protagonista no jogo: João Campos. Haja dialética para entender essa estratégia, incomparavelmente infeliz nas últimas décadas!

A resolução da Comissão Executiva Nacional do PT, de 28 de setembro do ano passado, no seu item 4, indica que o partido tem até 15 de abril de 2024 para decidir se lança candidatura própria, ou se apoia postulações de outras legendas. Esse também é o prazo que o prefeito está trabalhando, naturalmente. E, certamente, como a expressão popular traduz nestas condições, para “cozinhar o galo” até onde for possível.

Se João Campos e o PSB decidirem entregar a postulação de candidatura a vice-prefeito na sua chapa favorita às eleições, o que é pouco provável, o PT crava sua condição de personagem secundário no Recife. Caso João Campos siga fielmente a sua estratégia de sair candidato a governador em 2026, tendência natural, o PT não será contemplado na chapa majoritária.

E aí está o efeito fatal da jogada “xeque-mate” que o prefeito está dando nos petistas. Em português claro: Inviabilizar, no tempo hábil, qualquer possibilidade de o PT lançar um candidato competitivo nas eleições, em função da dinâmica política e do calendário eleitoral.

A política não é para amadores!

Máxima macielista – O que corre nos bastidores é que João escolherá um vice da sua absoluta confiança, sem se submeter aos caprichos do PT. Se tiver aprendido como o pai, o ex-governador Eduardo Campos, evidentemente que irá tirar do bolso do seu colete o companheiro de chapa. Nomes dentro da sua equipe – e até fora também – não faltam. Como dizia Marco Maciel, João vai adotar a máxima de que quem tem prazo, não tem pressa.

Duelo sertanejo entre mulheres – Em Sertânia, a 320 km do Recife, pela primeira vez haverá um embate entre duas mulheres na sucessão do prefeito Ângelo Ferreira (PSB): a empresária Pollyanna Abreu (PSDB), candidata da oposição, apoiada pela governadora Raquel Lyra, e a vereadora Rita Rodrigues (PSB), já confirmada pelo prefeito. Sem um nome natural, Ângelo, estrategicamente e orientado por marqueteiros, resolveu optar por uma mulher ao ser alertado do poderio da adversária em pesquisas.

Vai recorrer? – Depois da derrota acachapante ontem no plenário do Tribunal de Contas do Estado, quando o recurso impetrado pelo prefeito João Campos (PSB) para manter servidores estaduais à disposição do município foi aprovado por 5 x 1, o que mais se comenta no mundo jurídico e político diz respeito à reação da governadora, se vai recorrer ou respeitar a deliberação. Se a alternativa for a primeira, Raquel atrairá para si a ira dos sete conselheiros do TCE.

Relator fala em arbitrariedade – “Discricionariedade não pode ser confundida com arbitrariedade”, disse o conselheiro Eduardo Porto, em seu relatório. O tema caiu nas mãos dele porque é o relator das contas da Secretaria de Administração (SAD), acionada na causa em questão. O plenário fez uma pequena alteração, dando também uma transição de 120 dias para outros 16 cargos de gerência da Prefeitura do Recife, além dos já contemplados na cautelar anteriormente deferida.

Algo a mais, além de avião de carreira? – Ainda em relação à sessão do TCE, ninguém entendeu o voto do conselheiro Carlos Neves, o único em favor da governadora Raquel Lyra. Em tempo: foi nomeado pelo ex-governador Paulo Câmara e antes de assumir o cargo vitalício trabalhou na coordenação das campanhas majoritárias do PSB. Por fim, seu embasamento jurídico em contraponto aos cinco votos em favor do recurso de João Campos não encontrou guarida em nenhum colega da corte.

CURTAS

MUITO ESTRANHO – O presidente Lula (PT), acredite se quiser, escolheu o advogado José Rodrigo Sade para assumir vaga no Tribunal Regional Eleitoral do Paraná. O jurista completará a turma que vai julgar o pedido de cassação do senador Sérgio Moro (União) no TRE-PR e, após sua nomeação, a data deste julgamento deverá ser marcada.

RESTRIÇÃO DE PODERES – O ex-ministro da Justiça e senador Flávio Dino (PSB-MA), que está prestes a assumir uma cadeira no Supremo Tribunal Federal (STF), criticou, ontem, ações do Senado para restringir poderes da Corte. Segundo Dino, há “falsas soluções” sendo colocadas em debate, como a defesa do impeachment de ministros do STF.

TUPARETAMA – O deputado Waldemar Oliveira (Avante) confirmou, ontem, o vereador Danilo Augusto, de Tuparetama, como pré-candidato a prefeito pelo partido. Danilo está no terceiro mandato, foi presidente da Câmara por duas vezes e é apontado como o principal líder da oposição.

Perguntar não ofende: Depois do PDT indicar um secretário na gestão de Raquel, José e Wolney Queiroz viraram mudos?

Verdades de Ives Gandra sobre o STF

Ives Gandra Martins, professor emérito da Faculdade de Direito do Mackenzie, é um dos advogados mais qualificados e respeitados do País. Em entrevista ao Estadão, ele vislumbrou um 2024 mergulhado em ceticismos e desconfianças, especialmente quando espreita tendências do Supremo Tribunal Federal, que ele qualifica cada vez mais ‘politizado’.

“Receio que o Supremo continue invadindo a competência legislativa do Congresso, gerando tensão nas relações com o Parlamento”, disse ele, que está completando 89 anos no próximo dia 12, mas com uma visão bastante lúcida sobre os problemas da justiça brasileira. Segundo o Estadão, não agrada ao lendário jurista de tantas jornadas e embates o fato de que ministros estão chegando à Corte pelo critério ‘amigo do presidente da República’.

Ele se refere a Flávio Dino, o mais recente indicado, que assume dia 24. “Espero que prevaleça o magistrado e não o político, mas também tenho receio que não”, observou. Para o jurista, o STF tem invadido a competência legislativa, tanto do Congresso como do Executivo.

Assume que é contra a fixação de mandato dos ministros, como sugerido por parlamentares insatisfeitos com o que chamam de ‘intromissão’ do Poder vizinho em questões inerentes ao Legislativo, mas tem sugestão a dar.

“Não sou favorável a mandatos, pois traria maior instabilidade, mas gostaria que os ministros não fossem escolhidos com o livre arbítrio de um homem só, e sim de uma lista de 18 nomes indicados 6 pelo Conselho Federal da OAB, 6 pelo Ministério Público (3 Estadual e 3 Federal) e 6 pelos Tribunais Superiores (2 STF, 2 STJ e 2 TST)”, assinalou.

Não houve golpe – Entre uma e outra emenda à conduta da Corte maior, o professor carrega uma certeza: 8 de janeiro não foi golpe de Estado. “Sem armas e sem as Forças Armadas seria impossível um golpe”, avalia. Aos seus olhos, a marcha daquela turba sobre a praça dos poderes ‘foi uma baderna semelhante ao que o PT e MST fizeram na Câmara dos Deputados na Presidência de Michel Temer, com destruição de suas dependências e com punições próprias de uma baderna e não de um golpe’.

A nevada de João – Embora homem público, o prefeito do Recife, João Campos (PSB), é muito jovem e como tal, segundo analistas da cena estadual, tem direito até de “nevar” o cabelo, ou seja, pintar a cabeleira de branco para cair na folia do carnaval. Ele já escolheu até o barbeiro: Rosinaldo Bezerra Mendes, o Mágico Menezes, que trabalha na comunidade de Roda de Fogo, nos Torrões, zona norte da cidade.

Olho no TCE – Por falar no gestor recifense, as atenções se voltam hoje para o Tribunal de Contas do Estado, cujo Pleno julga a medida cautelar do conselheiro Eduardo Porto, favorável ao recurso de João Campos contra a decisão da governadora Raquel Lyra (PSDB) de exigir a volta ao Estado de servidores cedidos aos governos municipais. A sugestão, do conselheiro Rodrigo Novaes, foi acatada pelos demais integrantes do colegiado. Após a decisão do Pleno, ainda caberá recurso. Três conselheiros iriam votar ontem, mas com o adiamento todos os seis conselheiros irão se manifestar.

Política é uma podridão – Muita estranha a notícia de que o ex-deputado federal Wolney Queiroz, atualmente ministro-adjunto da Previdência, tenha indicado Ismênio Bezerra para a Secretaria de Infância e Juventude no Governo Raquel Lyra. Até porque tanto ele como o pai falam horrores da gestora, coisas impublicáveis. Mas como em política os adversários de hoje amanhã são aliados, cartilha podre do oportunismo, a explicação pode estar por aí. É o salve-se quem puder! Melhor tampar o nariz.

Reage, Caruaru! – No caso da sucessão municipal em Caruaru, imagine como se dará a reação do eleitorado a um palanque unindo José Queiroz e Raquel? O caminho parece ser natural, se não o PDT não teria emplacado uma pasta mixuruca na gestão da tucana, tão duramente criticada por Queiroz e o filho quando expelem fogo pela boca feito os dragões.

CURTAS

ESPAÇO DO MDB – Na política de aliciamento de adversários de ontem e aliados de hoje, dizem que o próximo a virar secretário de Raquel é o deputado estadual Jarbas Filho, pela cota do MDB. A governadora virou adepta de São Francisco, do é dando que se recebe.

MAIS UMA VÍTIMA – Há mais de 40 anos como garçom na cozinha do Palácio das Princesas, tendo servido a uma penca de governadores, sendo leve no trato e cozinheiro também de mão cheia, Carlos, o “seu” Carlinhos, não trabalha mais na Copa do poder estadual. Foi demitido pela governadora.

VIVA ITAPETIM! – O prefeito de Itapetim, Adelmo Moura (PSB), levou o município a conquistar o primeiro lugar no Programa Atenção Básica no Pajeú, alcançando também a quarta posição no ranking do Estado e o 75º lugar no plano nacional. Quando se quer, se faz em favor dos mais necessitados.

Perguntar não ofende: Como fica na fita da sucessão o prefeito de Caruaru com a inusitada aliança dos Queiroz com Raquel?

Os recados de Arthur Lira

Ressabiado com a decisão impensada de meter a tesoura nas emendas de comissão dos senadores e deputados, o presidente Lula (PT) optou pela ausência na sessão de abertura do Congresso, ontem, sendo representado pelo ministro da Casa Civil, Rui Costa, ex-governador e senador licenciado da Bahia.

Também não deu o ar da sua graça o presidente do Supremo Tribunal Federal, Luís Roberto Barroso, representado pelo ministro Edson Fachin. Como o chefe da Nação, Barroso foi avisado que seria melhor não aparecer no Congresso, onde há um ambiente fortemente hostil ao Judiciário.

Em meio ao descontentamento de parlamentares, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), mandou recados. Avisou que o Congresso respeita os acordos políticos e cobrou do governo compromisso com “a palavra dada”. Foi enfático ao dizer que os trabalhos da Casa não serão paralisados por causa das eleições municipais ou por conta da sua sucessão, a partir do ano que vem. Lira disse, ainda, que nenhuma disputa política entre a Câmara e o Executivo atrapalhará os trabalhos.

Ele cobrou respeito ao que chamou de “acordos firmados” e ainda disse que o Orçamento da União “pertence a todos, não apenas ao Executivo”. Criticou o que chamou de “burocracia técnica” e disse que deputados e senadores têm mais conhecimento das necessidades de cada município para definir a distribuição de recursos.

Acordos firmados – Lira cobrou o governo pela manutenção de acordos firmados em 2023 e que estariam sendo descumpridos neste ano. “Não faltamos ao governo e esperamos respeito e compromisso com a palavra dada”, afirmou. “Errará grosseiramente qualquer um que aposte numa suposta inércia desta Câmara neste ano de 2024 em razão seja das eleições municipais, seja ainda em razão de especulações de eleições da Mesa Diretora no próximo ano. Errará ainda mais quem apostar na omissão desta Casa em razão de uma suposta disputa política entre a Câmara e o Poder Executivo”, disse Lira.

PSB com casco grosso no CE – O PSB Ceará ganhou envergadura ao filiar, no último fim de semana, o senador Cid Gomes. Rompido com o irmão Ciro Gomes, Cid mostrou força ao filiar também a secretária-executiva do Ministério da Educação, Izolda Cela, e 34 prefeitos. A cerimônia ocorreu no auditório do Marina Park Hotel, em Fortaleza, e contou com a presença do vice-presidente da República, Geraldo Alckmin (PSB), e do ministro da Educação, Camilo Santana.

Reação apática – O ministro Rui Costa, da Casa Civil, que representou Lula na sessão de abertura do Congresso, não considerou preocupante o discurso duro e cheio de recados do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), sobre a divisão do Orçamento federal entre os Poderes. “Não achei preocupante, ele fala em nome do Parlamento e é importante que o Parlamento se manifeste. Vamos ajudar a construir pontes, manter as pontes e tem uma concordância entre a fala dele e nosso entendimento, quando diz que errará quem apostar em confronto do Executivo e Legislativo”, observou.

Briga sem fim – Até onde vai a quebra de braço do presidente nacional do União Brasil, Luciano Bivar, com o deputado Mendonça Filho pelo controle do diretório do partido no Recife, ocupado até então pelo próprio Mendonça, ontem destituído por força de uma liminar?  O novo mandachuva da legenda na capital é o empresário Neto Guerreiro, segundo anunciou, ontem, o presidente do diretório estadual, Marcos Amaral.

Novo capítulo na justiça – Procurado ontem para explicar a liminar em favor da anulação do ato da governadora Raquel Lyra, exigindo a volta aos cargos de origem no Estado de servidores cedidos aos municípios, o conselheiro Eduardo Porto, sobrinho do presidente da Assembleia Legislativa, Álvaro Porto, disse que só vai se pronunciar após o julgamento da homologação da cautelar. O secretário de Governo, Túlio Villaça, já sinalizou que o Governo irá recorrer. A contenda promete!

CURTAS

GOLPE – Se já não bastassem tantos problemas na sua dura rotina, o prefeito de Agrestina, Josué Mendes (PSB), passou o dia de ontem cuidando de um assunto que tirou o sono dos servidores que recebem seus salários pelo Banco do Brasil: o alerta para tentativas de golpes por fraudadores.

NO MURO – Na sua passagem ontem por Serra Talhada, onde abriu o ano letivo e entregou uma escola, a governadora não quis assumir de que lado ficará nas eleições no município. Ali, a prefeita Márcia Conrado (PT) e o deputado Luciano Duque (SD), que vão para o ringue, são aliados da tucana.

FILIAÇÕES GRAÚDAS – O presidente estadual do PSDB, Fred Loyo, passou a gerar expectativas quanto aos novos prefeitos que irão se filiar à legenda nos próximos dias. “Vem gente de peso por aí”, revelou ele próprio, sem dar nomes aos bois.

Perguntar não ofende: Na assembleia de hoje, a Polícia Civil decreta greve no Carnaval?

O jogo de Raquel para isolar Porto

A guerra, antes surda entre a governadora Raquel Lyra e o presidente da Assembleia, Álvaro Porto, ambos do PSDB, ganhou ecos fortíssimos depois do áudio vazado com um palavrão do parlamentar, ao final da sessão de abertura do ano legislativo, na semana passada, criticando o discurso da gestora.

Além de ressonância, a batalha terá desdobramentos. O jogo da governadora é encontrar as armas para enfraquecer o adversário. Há correntes dentro do Governo defendendo o uso do poder da caneta para liberar as emendas dos deputados, reclamação generalizada na Casa, o que agradaria principalmente os que estão sinalizando para aderir à base de sustentação.

Outra canetada: criar uma espécie de FEM (Fundo Estadual de Apoio ao Desenvolvimento Municipal), como fez Eduardo Campos no segundo mandato, para adoçar a boca dos prefeitos. Com essas duas medidas, Raquel imagina que isolaria Porto dentro do espaço Legislativo, onde hoje ele tem uma força inquestionável, e atrairia mais prefeitos para o seu lado, evitando uma debandada futura para João Campos, a partir da reeleição do prefeito recifense, o que parece líquida e certa, segundo as pesquisas.

Dinheiro para o FEM, não há o que se questionar, a governadora tem de sobra entocado no tesouro estadual. Resta saber se ela terá a habilidade que Eduardo revelou para montar o seu exército de prefeitos, justamente num momento em que existe uma reclamação generalizada sobre a forma como trata os políticos em geral, com afobação, indiferença e má-vontade.

Quanto ao isolamento de Porto, o que se ouve na Assembleia, do plenário ao chamado “Buraco frio”, estuário da choradeira dos próprios aliados da tucana, é que se houver uma enxurrada de liberação de emendas parlamentares, os próprios deputados vão considerar que foi em consequência das cobranças de Porto e da sua postura altiva, o que, convenhamos, irá fortalecê-lo ainda mais perante os colegas.

Manjar dos deuses – Eduardo anunciou o FEM em Gravatá, no início do seu segundo mandato, no valor de R$ 228 milhões. O dinheiro, a fundo perdido, era destinado para investimentos nas áreas de infraestrutura urbana e rural, educação, saúde, segurança, desenvolvimento social, meio ambiente e sustentabilidade. Os recursos foram equivalentes a uma cota média mensal do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) recebido por cada município. Foi liberado em quatro parcelas, mediante declaração do prefeito da aplicação dos recursos a cada etapa. Os prefeitos comemoraram como um manjar dos deuses.

Nem a pedido de Lula – Soube que, a pedido de Lula, o ministro da Casa Civil, Rui Costa, interferiu, junto à governadora Raquel Lyra, para transformar sem efeito o decreto que obriga servidores estaduais cedidos aos municípios a regressarem aos seus órgãos de origem. Em nenhum momento, entretanto, ela teria cedido, segundo um passarinho graúdo que canta nos jardins do Palácio do Campo das Princesas. João Campos recorreu à justiça para não perder entre seis a sete secretários da sua equipe, servidores concursados do Estado.

Desabafo político – Sobre o áudio, que a governadora considera ofensivo, o presidente da Alepe, Álvaro Porto, tem dito que em nenhum momento atacou a pessoa da governadora como mulher, como ela tem se vitimizado. “O desabafo foi político, sobre a fala dela sem consistência e que não expressou o que está ocorrendo de fato em Pernambuco”, disse o parlamentar. Numa entrevista a um canal de TV pela internet no Interior, Porto disse, no último fim de semana, que a governadora tem que parar de olhar pelo retrovisor e começar a governar olhando para a frente.

Fuzis por R$ 24 milhões – O governo federal abriu licitação no valor de R$ 48,5 milhões para compra de fuzis, carabinas e acessórios destinados a cinco penitenciárias federais e órgãos de segurança de três Estados. Para os presídios federais, está prevista a despesa de R$ 24 milhões. O edital foi lançado na última sexta-feira e o prazo para a entrega das propostas foi encerrado no mesmo dia, segundo o site Metrópoles. A licitação foi aberta pela Secretaria Nacional de Políticas Penais, vinculada ao Ministério da Justiça e Segurança Pública. Ela estabelece a compra de 910 carabinas calibre 5,56, 590 fuzis calibre 7,62, miras ópticas, bandoleiras, bolsas para transporte e estojos de limpeza.

Mais um sem delegado – Embora tenha recebido de imediato a solidariedade do Governo, o prefeito de Santa Maria do Cambucá, Nelson Lima (PSD), sequestrado, violentado e roubado há dez dias, disse ao Frente a Frente, ancorado por este blogueiro, que o município está sem delegado há quase um ano, o efetivo da PM é muito pequeno, quase inexistente, e a delegacia funciona em péssimas condições.

CURTAS

ZECA REAGE – Já em Arcoverde, o ex-prefeito Zeca Cavalcanti (Podemos) saiu da toca e fez um vídeo pelas redes sociais batendo duramente no prefeito Wellington Maciel (MDB) e na ex-prefeita Madalena Brito (PSB). Segundo ele, o município não atraiu uma só empresa nos últimos anos, o distrito industrial virou um matagal e Madalena, em campanha, também é culpada, por ter bancado a eleição de Wellington.

BEM COTADO – Na passagem por Belo Jardim, sábado passado, senti que o termômetro é favorável à reeleição do prefeito Gilvandro Estrela (UB). A oposição ainda não definiu o candidato. Os nomes mais cotados são o do delegado Rômulo e do vice-prefeito Doutor Maneco.

EM FLORES – Adversário ferrenho do prefeito de Flores, Marconi Santana (PSB), nas eleições passadas, o líder da oposição, Onofre de Souza (PT), deve se aliar à reeleição do gestor, insatisfeito com a ex-prefeita Soraya Murioka.

Perguntar não ofende: Qual será o novo secretário de Raquel a pedir o boné depois de Carol Cabral, de Projetos Estratégicos?

Por trás do ato

Por Juliana Albuquerque – repórter do Blog

A antecipação, na última quinta-feira, do apoio do Republicanos à reeleição de João Campos (PSB) à Prefeitura do Recife, faltando praticamente oito meses para o pleito municipal, foi muito além de um simples ato para oficializar o primeiro partido que caminhará ao lado do socialista, apontado por pesquisas como melhor gestor municipal do Brasil.

Em praticamente todas as falas durante a solenidade, que mais parecia uma prévia carnavalesca, o tom do discurso girou em torno do perfil agregador do jovem prefeito, que, apesar da pouca idade, consegue governar em harmonia com os demais poderes, bem diferente do ‘modus operandis’ da atual gestora estadual.

Além disso, com mais de 70% de aprovação popular, o chefe do Executivo Municipal da capital pernambucana, segundo os políticos que se expressaram no momento, é objeto de curiosidade entre os eleitores de outros municípios, pelas entregas que tem feito ao longo dos últimos quatro anos.

Em sua breve fala, por exemplo, o deputado federal Augusto Coutinho afirmou que, em cada município que visita por suas andanças, perguntam se o que ocorre no Recife, sob a gestão de João, é verdade. “A população recifense está melhor e sorrindo mais graças à gestão transformadora do prefeito do PSB, que tem admiração em várias partes de Pernambuco”, disse o parlamentar.

Afirmações nesse mesmo roteiro deram o tom da tarde, que varou a noite, em evento bastante prestigiado por além dos representantes do Republicanos, de partidos como o União Brasil, representado pelo presidente estadual, Marcos Amaral, e do PT do Recife, pelo presidente municipal, Cirilo Mota.

Na prática, por trás do ato de apoio à reeleição de João à PCR, o que se viu foi uma clara demonstração de quem estará no palanque do atual prefeito em 2026, quando ele deve entrar na disputa direta contra a atual governadora. O nome e ações de João Campos, por sinal, divergem em praticamente todos os sentidos da atual chefe do Executivo Estadual, a começar pelo apreço pela prática do diálogo, algo que só existe nos discursos insuflados de Raquel Lyra (PSDB), e pelo respeito aos demais poderes, em especial, o Legislativo Municipal.

Aval de peso – Licenciado do cargo de presidente estadual do Republicanos em Pernambuco, a fala do ministro de Portos e Aeroportos, Silvo Costa Filho, praticamente ratificou o projeto de João Campos em 2026. “Estamos construindo em Pernambuco e no Brasil uma unidade política. Não tenho dúvidas que Pernambuco e o Brasil ainda vão muito ouvir falar de João Campos”, assinalou.

Alfinetada – Em seu discurso no ato de apoio do Republicanos, o prefeito João Campos aproveitou para alfinetar, com diplomacia, a relação da governadora Raquel Lyra com o Legislativo Estadual. Muito bem relacionado e literalmente trabalhando de portas abertas com o parlamento, João foi enfático ao expressar seu respeito pela Casa. “Acho que todo chefe do executivo deveria ter a oportunidade de passar pelo parlamento para saber o quanto é importante o trabalho realizado ali”, disparou.

A vítima – Depois de usar a tribuna da Alepe por mais de meia hora e vender um Estado que só existe em sua cabeça, a governadora Raquel Lyra tem pousado, com endosso de muitos partidos, de vítima de misoginia após o vazamento do áudio do presidente da Alepe, Álvaro Porto (PSDB), criticando seu discurso. Em nenhum momento, diga-se de passagem, o presidente da Casa atrelou a sua crítica ao fato dela ser mulher, apenas ao seu discurso cansativo que sequer parecia estar a falar do Estado que ela administra.

Resposta de Gleide – Uma das maiores defensoras das mulheres em Pernambuco, a delegada Gleide Ângelo, usou suas redes para criticar a narrativa criada por Raquel Lyra sobre o vazamento do áudio do presidente da Alepe. “Usam a nossa luta quando é conveniente. Na nossa causa existem os que lutam pelas mulheres, os que usam a luta das mulheres. Importante saber quem é quem”, escreveu a deputada socialista.

Segurança – Enquanto a governadora de Pernambuco vende um Estado que só existe em sua cabeça, policiais civis do Estado, liderado pelo presidente do Sinpol, Áureo Cisneiros, ameaçam definir, na próxima terça, em assembleia geral em frente ao Palácio, se deflagram uma paralisação geral a uma semana do Carnaval. Cobram da governadora diálogo em prol da valorização profissional e salarial, o que não acontece desde que assumiu a gestão estadual, no ano passado.

CURTAS

SAÚDE – Está marcada para a próxima segunda-feira uma tentativa de negociação, intermediada pelo Simepe e Cremepe, com o Governo do Estado, para tratar sobre os pagamentos em atraso referentes ao ano passado da equipe de traumatologia e ortopedia que atua nos hospitais Santo Amaro, Memorial Jaboatão, Armindo Moura e APAMI Vitória de Santo Antão.

PRESSÃO SOLIDÁRIA – A comissão dos aprovados no concurso da polícia penal do Estado, que até hoje aguarda a convocação dos mais de 900 agentes penais aprovados, fará, na próxima quarta, uma ação social para chamar a atenção pela nomeação de todos os aprovados. Farão, a partir das 9h, uma campanha de doação de sangue que reunirá os aprovados em um gesto solidário a quem precisa, em especial, às vésperas do Carnaval.

ELEITOR – O TRE Pernambuco e o Shopping Guararapes, no bairro de Piedade, em Jaboatão dos Guararapes, prorrogaram a parceria para funcionamento do ponto de atendimento da Justiça Eleitoral no centro de compras até o dia 8 de maio, prazo final para tirar, atualizar ou regularizar o título de eleitor.

Perguntar não ofende: Até quando a governadora vai viver no mundo de fantasia e começar de fato a fazer as entregas que os pernambucanos precisam?

O intuito foi açoitar o Legislativo

A ida de Raquel Lyra (PSDB) ao plenário da Assembleia Legislativa, ontem, para prestigiar a sessão de reabertura dos trabalhos da Casa, teve apenas uma intenção: provocar o presidente Álvaro Porto, do seu partido, e gerar um mal-estar no ambiente solene entre os parlamentares insatisfeitos com a decisão dela de entrar com uma ação no STF contra a Alepe.

Nada mais além disso. Por falta de sorte de Porto, com quem a governadora anda às turras, vazou um áudio de uma fala sua ao lado de deputados ao final da solenidade ridicularizando a fala Raquel. E que deu o que falar, provocando até nota de solidariedade do PSDB nacional. A governadora tem todo direito de participar de qualquer evento na Alepe, principalmente um tão revestido da importância como o de ontem, alusivo à abertura do ano legislativo.

Mas diante da decisão que tomou, de brigar com Porto, recorrendo ao STF para reverter as mudanças que o Legislativo fez na proposta da Lei de Diretrizes Orçamentárias, seria mais prudente a governadora ter enviado um representante, ficando longe do burburinho hostil a ela. Pelas redes sociais, a presença dela na Alepe foi bombardeada por todos os tipos de adjetivos, inclusive de cara-de-pau.

Mas, volto a insistir: Raquel foi para provocar Porto e irritar os deputados, quando recorreu a um discurso pautado pela sustentação oral de que preza suas ações e a do seu Governo pelo diálogo. Mentira! Mais do que isso, cretinice! Se há algo que a governadora nunca preservou foi o diálogo, a busca de entendimentos, ao longo do seu primeiro ano de gestão.

Tanto que ganhou a antipatia de vários segmentos da sociedade e não apenas do Legislativo. Ao entrar com uma Adin (Ação Direta de Inconstitucionalidade) no STF, para subtrair o orçamento dos dois poderes constituídos – Legislativo e Judiciário, além do Tribunal de Contas e o Ministério Público – Raquel atraiu a ira de desembargadores e demais autoridades espalhadas em todas essas instituições.

Arrogante e prepotente, Raquel não faz a política da negociação pela arma do bom entendimento com ninguém. Que digam os professores, que ficaram sem aumento em sua grande maioria. Que digam os policiais, que estão ameaçando parar no Carnaval porque não existe nenhum canal para uma boa e saudável conversa. Isso sem falar com os prefeitos, que foram surpreendidos com o decreto exigindo de volta todos os servidores estaduais à disposição dos municípios.

Raquel seria bem acolhida na Assembleia se tivesse feito antes, ou na véspera da sua ida, um gesto bem simples: suspender no Supremo Tribunal Federal a ação contra o Legislativo e, por tabela, os demais poderes constituídos do Estado.

A pior do País – Além de pregar uma mentira, que zela pelo instrumento sagrado do diálogo para a solução dos impasses no Estado, a governadora fez um discurso mostrando um leque de ações do seu primeiro ano de gestão que não bate com a realidade que os pernambucanos enfrentam. Tanto a população em geral não assimila que no ranking de avaliação dos governadores, através do Atlas Intel, a tucana saiu no rabo da gata, ou seja, a pior gestora do País.

Firme no propósito – Mesmo tendo cometido uma gafe – as palavras de baixo calão contra a governadora em áudio vazado – o presidente da Alepe, Álvaro Porto (PSDB), deu o tom da sua fala pela independência do poder que representa. “Essa Casa é território do diálogo e do entendimento. E segue mobilizada em favor de uma sociedade justa, igualitária e solidária. Além de legislar e fiscalizar, a Alepe continuará trabalhando para assegurar direitos para a população pernambucana”, afirmou.

Mancada foi de Porto – Não há um culpado pelo vazamento do áudio de Álvaro Porto ontem, no final da sessão de instalação do ano legislativo. A sessão estava sendo transmitida ao vivo pelo Youtube e ele simplesmente, quando encerrou os trabalhos, esqueceu de desligar o seu microfone, o que, segundo um parlamentar da Mesa, ele costuma fazer habitualmente nas sessões. Desta feita, levou a pior.

A volta de Zé Dirceu – Não existe político morto na vida pública! Depois de tantos fantasmas voltarem ao poder, como Collor, cassado presidente e depois eleito senador, quem está planejando sua volta ao Congresso é o ex-ministro da Casa Civil do primeiro Governo Lula, Zé Dirceu. Se escapar dos últimos processos, o capitão de Lula será candidato a deputado federal em 2026. O principal entusiasta da candidatura dele é o ministro da Fazenda, Fernando Haddad.

Reação lenta e tardia – O áudio agressivo de Porto vazou logo após o fim da sessão, mas a governadora só se pronunciou, via nota oficial, já no final da tarde. “Um ato lamentável de violência política o que se passou. Muitas vezes é em gestos, em atitudes, em ações e hoje foi em voz. Lamento porque isso não está à altura do que Pernambuco representa. Tudo que eu gostaria é que possamos ser respeitados pelos cargos que ocupamos e que a população possa nos julgar pelas ações do nosso governo”, diz a nota.

CURTAS

EM JABOATÃO – O presidente do PP, Dudu da Fonte, anda animado com a pré-candidatura da deputada Clarissa Tércio à Prefeitura de Jaboatão. “Ela já está na boca do povo de Jaboatão e, portanto, daqui para frente, uniremos forças, intensificaremos as agendas e o trabalho, no sentido de ampliar e fortalecer o PP de Jaboatão dos Guararapes”, disse.

MAIS UM – Entre as centenas de alvos monitorados pela Abin no período em que a agência xeretou adversários do governo há um dirigente do PDT em São Paulo que ajudou a organizar em 2021 manifestações que pediam o impeachment de Jair Bolsonaro e, no ano seguinte, trabalhou na campanha presidencial de Ciro Gomes: José Vitor de Castro Imafuku.

ELOGIO – A ex-prefeita de São Paulo Marta Suplicy elogiou a resposta da pré-candidata a prefeita e deputada federal, Tabata Amaral (PSB-SP), à crítica do presidente do PL (Partido Liberal), Valdemar Costa Neto. Ele perguntou como a congressista vai comandar a capital paulista se nunca participou de um governo. “Quem definitivamente não tem experiência de boa gestão, quem não sabe nem o que é isso, é o candidato de Valdemar Costa Neto, o Ricardo Nunes”, disse Tabata.

Perguntar não ofende: A derrapada de Porto pode apressar sua debandada do PSDB?

Desastre administrativo e político

O tempo vai se encarregando de construir uma imagem terrivelmente avassaladora para a governadora Raquel Lyra (PSDB), a de que não é desastrosa apenas na gestão, mas igualmente na política. Todo dia cria atritos nessa área. Começou o ano brigando no Supremo Tribunal Federal com os dois poderes constituídos – Legislativo e Judiciário.

E, por tabela, com o Ministério Público e o Tribunal de Contas do Estado. Não se conformou com a aprovação da Lei de Diretrizes Orçamentárias, a chamada LDO, pela Assembleia Legislativa, recompondo as perdas, na proposta original enviada por ela, nos orçamentos dos poderes afetados pelos cortes. Entrou no STF com uma Adin – Ação Direta de Inconstitucionalidade – para suspender o que foi aprovado.

Numa nota, a Mesa Diretora da Alepe informou que a Lei de Diretrizes Orçamentárias para o exercício de 2024 previu que, em caso da ocorrência de excesso de arrecadação, o valor arrecadado de forma excedente ao previsto na LOA para o exercício de 2023 seja distribuído proporcionalmente entre os Poderes e Órgãos autônomos durante o exercício de 2024.

“De acordo com levantamentos realizados pelo corpo técnico da ALEPE com base nos dados constantes no Efisco, Secretaria Estadual de Planejamento e Gestão (Seplag) e no Portal de Dados abertos do Tribunal de Contas de Pernambuco, o Estado registrou  excesso de arrecadação na Fonte de Recursos nº 0500 no montante de R$ 2.064.625.976,94 (dois bilhões sessenta e quatro milhões seiscentos e vinte e cinco mil novecentos e setenta e seis reais e noventa e quatro centavos), dos quais, de acordo com os §§2º e 11º do Art. 32 da LDO 2023, devem ser repartidos entre os Poderes e Órgãos autônomos o montante de R$ 384.911.904,00, a ser distribuído da seguinte forma: Alepe (R$ 71.921.212); TCE e Escola de Contas (R$ 51.652.116); TJPE (R$ 177.345.717); Defensoria Pública (R$ 18.906.367); e MPPE (R$ 65.086.492)”, acrescenta a nota do Legislativo.

Do ponto de vista legal, a Assembleia Legislativa colocou os pontos nos is. Teve uma postura correta, justa e oportuna, na medida em que corrigiu uma injustiça não apenas com o próprio orçamento, mas do Tribunal de Justiça, do TCE, da Defensoria Pública e do Ministério Público Estadual.

Mas a governadora resolveu ir para o ringue, simplesmente porque a ação política, na correção da injustiça que fez com os demais poderes, atende pelo nome de Álvaro Porto, presidente da Alepe, com quem não se bica.

Reação corajosa – Álvaro Porto reagiu com dureza: “Apesar do Estado registrar um excesso de arrecadação total da ordem de 6 bilhões em 2023, ao mesmo tempo em que os índices de violência disparam e hospitais públicos apresentam sérios problemas, causa estranheza o fato da Sra. Governadora envidar esforços para tentar obstaculizar, através da via judicial, a destinação de recursos pertencentes aos demais poderes e  órgãos autônomos, ao invés de encontrar soluções para os problemas que afligem o povo pernambucano nas áreas de saúde, segurança, educação e tantas outras, muito embora seja sabido que o Governo do Estado dispõe de volumosos recursos à sua disposição, inclusive com a colaboração do Poder Legislativo que prontamente autorizou a realização de operações de crédito e aprovou todos os projetos de lei de iniciativa do Executivo”, disse, na mesma nota.

Mais uma prova de inabilidade – Outra ação política infeliz e desnecessária da governadora: se insurgir contra os prefeitos, exigindo a volta dos servidores estaduais à disposição dos municípios. O mais prejudicado foi João Campos (PSB), do Recife, que também reagiu: acionou o Ministério Público de Contas e pediu ao Tribunal de Contas do Estado uma liminar para derrubar os efeitos do decreto assinado por Raquel.

Defesa vigilante – “A Assembleia Legislativa, diz ainda a nota de Porto, reafirma a sua disposição e compromisso como casa de todos os pernambucanos em estar sempre vigilante na defesa intransigente dos direitos do nosso povo e à disposição para encontrar soluções para os problemas que afligem nossa população e ser instrumento de melhoria em sua qualidade de vida. É importante destacar que, diante dos acontecimentos e em respeito a harmonia e a boa convivência entre os Poderes, entrei em contato com o presidente de cada órgão para informar sobre a possibilidade de danos da privação dessa receita em virtude da ADIN de autoria do Governo do Estado”.

Contas do PT bloqueadas – O PT de São Paulo, principal diretório do partido de Lula, está com verbas do fundo partidário e de doações privadas bloqueadas, além de ter aderido a um programa de recuperação fiscal para conseguir quitar dívidas tributárias com a União. Em ações milionárias na Justiça estadual, movidas por credores ao longo dos últimos anos, o diretório declarou que enfrenta “extrema penúria”, “situação de miserabilidade econômica” e que apresenta patrimônio sem liquidez.

Tabata busca apoios – Pré-candidata à Prefeitura da capital paulista, a deputada federal Tabata Amaral (PSB-SP) tem promovido rodadas de conversas com empresários de diferentes setores, para se apresentar e conquistar a confiança deles. Os encontros, segundo o site Metrópoles, ocorrem desde o ano passado e são feitos com representantes de um setor por vez. Segundo assessores de Tabata, ela tem dito que, caso seja eleita, não pretende alterar políticas implementadas por Nunes.

CURTAS

ENFIM, REAGIU! – Depois de abandonar mais de 300 câmeras de monitoramento de segurança, o Governo Raquel anunciou, ontem, que o Carnaval contará, pela primeira vez, com o uso de câmeras corporais (bodycams) nos uniformes dos policiais militares e com câmeras de reconhecimento facial.

MAIS EMPREGOS – Salgueiro, no Alto Sertão, registrou saldo positivo na criação de empregos formais em 2023, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego. No acumulado do ano (janeiro a dezembro), foram registradas 2.246 admissões.

BELO JARDIM – Um dos bailes municipais mais concorridos do Estado, o de Belo Jardim, ganha este ano um novo formato pelo prefeito Gilvandro Estrela (UB) e deve repetir o sucesso dos anos anteriores. A prévia está marcada para o próximo sábado, no Solar dos Flamboyants. Entre as atrações, Fulô de Mandacaru e Patusco.

Perguntar não ofende: João vai se curvar ao PT na formação da sua chapa depois da entrevista de Lula?

Lula não falou o que pensa

Meu avô dizia que quando um político diz sim, faça a interpretação ao contrário. Ele está afirmando que não. E vice-versa. Nunca se sabe quando um homem público manifesta verdadeiramente o que pensa e o que quer fazer ou deixar de fazer. Lembrei-me disso ao ver a cara de pau do presidente Lula afirmando que não vai rifar a pré-candidatura da deputada Tabata Amaral (PSB) à Prefeitura de São Paulo.

Mas vai sim. São Paulo é prioridade absoluta de Lula. Ele quer eleger Guilherme Boulos, pré-candidato do PSol, de todo jeito. O presidente não enxerga nenhuma importância na eleição de uma capital este ano, com exceção de São Paulo, porque a capital paulista vai se transformar na eleição municipal um território a reverberação de um terceiro turno presidencial, a polarização entre o lulismo e o bolsonarismo.

O próprio Lula, na mesma entrevista, deixou isso bem claro. “A nossa prioridade na eleição é derrotar o bolsonarismo. Será maravilhosa a disputa política democrática”, afirmou. E este será o tom e o mote da campanha pela Prefeitura de São Paulo. Para não ser derrotado pelo bolsonarismo, traduzido na reeleição do prefeito Ricardo Nunes (MDB), o presidente fará de tudo.

Se Tabata crescer e ameaçar a eleição de Boulos, Lula muda imediatamente o seu discurso. Até porque ele quer todo mundo junto para destroçar o bolsonarismo numa capital ainda com uma enorme densidade eleitoral de seguidores e admiradores do ex-presidente da República. Se Tabata insistir com o seu projeto, as consequências têm um endereço certo: o prefeito do Recife, João Campos (PSB), candidato à reeleição.

Namorado de Tabata, João evitou ir ao seu pré-lançamento da candidatura dela na semana passada, assim como o vice-presidente Geraldo Alckmin, hoje a principal liderança do PSB no plano nacional. Ficou clara a leitura da ausência deles: não contrariar Lula, o maior cabo eleitoral de Boulos.

Acredite se quiser – “Se a Tabata for candidata e o Boulos for candidato, quem for melhor e for para o segundo turno, eu apoiarei. Se os dois forem para o segundo turno, aí sim vai ter divergência, mas o que precisamos é derrotar o bolsonarismo na cidade de São Paulo”, disse Lula, tentando minimizar o impacto da divisão do bloco de esquerda do maior colégio eleitoral do País.

Barganha no passado, barganha agora? – Em 2022, o PT e Lula adotaram uma estratégia de barganha para tirar Márcio França (PSB) da disputa pelo Governo de São Paulo e favorecer a candidatura de Fernando Haddad (PT). França tentou uma vaga no Senado, mas, como Haddad, não foi eleito. Depois, ganhou o cargo de ministro de Portos e Aeroportos no governo. Entretanto, foi realocado no ano passado. Hoje, é ministro de Empreendedorismo. O que se ouve nos bastidores é que, para tirar Tabata da briga com Boulos, a ela seria oferecido o Ministério da Ciência e Tecnologia, tendo em vista que a titular Luciana Santos irá renunciar para disputar a Prefeitura de Olinda.

A cobra vai fumar – Ao tomar conhecimento das declarações do presidente Lula, dando a entender que a eleição em São Paulo será um terceiro turno no enfrentamento ao bolsonarismo, o prefeito Ricardo Nunes (MDB) disse que a cidade não é ringue. Em referência à Prefeitura de Recife, o presidente disse que “se tiver (um candidato apoiado por Bolsonaro na disputa), vai pegar, a cobra vai fumar”.

Mandato de Moro sob risco – O desembargador Luciano Carrasco Falavinha Souza, do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR), liberou as duas ações que podem levar à cassação do senador Sérgio Moro (União). Ele pede que os processos sejam incluídos na pauta para julgamento após o recesso, na “primeira data possível”. Cabe à presidência do TRE definir o dia. As ações que pedem a cassação de Moro são movidas pelo PL e pela Federação Brasil da Esperança (PT, PCdoB e PV). Se for condenado, o ex-juiz da Operação Lava Jato perde o mandato e pode ficar inelegível.

Raquel pé-frio – O setor de turismo em Pernambuco deve faturar R$ 1,3 bilhão no período do carnaval, de acordo com dados da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Segundo o levantamento, esse valor é 1,8% maior que o de 2023, o que indica que o Estado teve o menor crescimento percentual do Brasil para o período festivo. Nunca o Estado, com imagem de fazer o melhor carnaval do País, terá uma festa tão fraquinha em termos de invasão de turistas.

CURTAS

ARCOVERDE QUEBRADA – A Receita Federal cortou, ontem, R$ 1.657.484,56 do FPM de Arcoverde, a 250 km do Recife. Com as deduções da saúde e educação, restou aos cofres da Prefeitura apenas R$ 49.196,56. Com isso, quem vai pagar o pato são os servidores, que podem ficar sem seus salários.

MAIS UMA MARCHA – A Confederação Nacional dos Municípios já começou a organizar a XXV Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios, marcada para 20 a 23 de maio. A entidade está orientando os prefeitos a correrem para encontrar vagas em hotéis, já praticamente lotados. A marcha do ano passado atraiu 10 mil participantes.

MUDANÇA EM CAMARAGIBE – O fim da era da prefeita Nadegi (Republicanos) pode estar bem próximo em Camaragibe. Do bloco da oposição, o pré-candidato que se apresenta com maior densidade eleitoral é o juiz Luiz Rocha, recentemente filiado ao PP. Além de popular, tem uma larga folha de serviços prestados ao município. O povo parece inclinado a fazer uma experiência com alguém do Judiciário.

Perguntar não ofende: Quando Lula vai deixar de blefar em relação às eleições em São Paulo?