Coluna da segunda-feira

Eleição de Surubim virou um clássico

O novo levantamento do Instituto Opinião sobre a corrida eleitoral em Surubim, em parceria com este blog, traz um dado que pode revelar surpresa: o crescimento da pré-candidata do PSB, Véia de Aprígio. Mas é fácil de explicar para os que não acompanham o quadro político na terra de Chacrinha e Capiba, dois gênios, um da comunicação e outro na música.

Vereadora no sexto mandato, Véia de Aprígio, além de ter uma forte identificação com o eleitorado de baixa renda, saindo da zona rural, é apoiada pela prefeita Ana Célia (PSB), que encerra seu ciclo de duas gestões extremamente aprovada pela esmagadora opinião pública de Surubim, com 65% de ótimo e bom. Isso é muito relevante. Historicamente, um governante bem avaliado costuma emplacar o sucessor.

Outro dado que favorece a pré-candidata oficial é a divisão do bloco da oposição. É verdade que nem sempre o eleitor que vota num candidato da oposição tem simpatia pelo outro, mas Flávio Nóbrega (Solidariedade), que já governou o município, aparece com 12% e isso subtrai muito mais votos de Chaparral do que mesmo de Véia de Aprígio. Somados os percentuais de Chaparral com Nóbrega – 31% com 12% – o eleitorado de Surubim, teoricamente, tenderia a eleger um candidato da oposição.

Mas, cientificamente, não se pode inferir que os 12% de Nóbrega se transferiram, automaticamente, para Chaparral. Acontece sempre uma divisão, boa parte pode ir até para Chaparral, mas quem está inclinado a votar em Flávio Nóbrega, no campo da oposição, pode não se simpatizar com Chaparral. E aí pode até não ir também para Véia, com mais chances de anular o voto ou votar nulo.

De qualquer forma, o que a pesquisa do Opinião mostra é que Surubim desponta com indicativos para uma das eleições mais disputadas da sua história, concentrando as atenções não apenas do Agreste Setentrional, mas de todo o Estado.

Rompimento por desconfiança – Apostar na unidade das oposições em Surubim é jogar dinheiro fora. Chaparral e Flávio Nóbrega, que já foram aliados, hoje são água e óleo, não se misturam. Nas eleições de 2020, Chaparral apoiou a candidatura de Flávio a prefeito contra Ana Célia, que ganhou com uma diferença de apenas 267 votos. Mas, já no pleito passado, Flávio apoiou Chaparral para deputado, mas rompeu às vésperas das eleições, suspeitando que ele seria candidato a prefeito, como de fato é. Flávio queria a palavra empenhada do apoio dele para tentar voltar a governar Surubim.

Rejeição de Mandacaru atrapalha – Outro dado que certamente está atrapalhando o projeto de Chaparral de derrotar os Farias em Surubim é seu alinhamento ao Governo Raquel. Pelo levantamento do Opinião, entre os três níveis de poder, o estadual é o rabo da gata em aprovação. Raquel Lyra Mandacaru tem quase 60% de reprovação no município ante apenas 32% de aprovação. Já o Governo Lula é aprovado por 68,6% e o da prefeita Ana Célia por 64,6%.

Danilo, Rodrigo e Pedro na campanha – Surubim é, também, terra do superintendente da Sudene, Danilo Cabral, derrotado nas eleições para governador em 2022. Seu grupo, que é por extensão o da prefeita Ana Célia, elegeu o deputado estadual Rodrigo Farias, que vem se revelando num dos mais atuantes parlamentares do bloco da oposição. O grupo também apoiou o deputado federal Pedro Campos, irmão do prefeito do Recife, João Campos, que irá, ao lado de Pedro, reforçar o palanque de Véia de Aprígio.

Moraes acelera processos de Bolsonaro – Ministro do STF, Alexandre de Moraes trabalha com um prazo semelhante para a conclusão de dois inquéritos de repercussão internacional: o do 8 de Janeiro, no qual o ex-presidente Jair Bolsonaro é investigado, e o que apura o assassinato de Marielle Franco. Moraes acredita que, em até dois meses, ambos os inquéritos serão concluídos ou estarão bem perto disso. A partir daí, então, terá início a fase de instrução.

PSB investe e aposta em Madalena – Em encontro no Recife com o prefeito João Campos (PSB), a pré-candidata socialista à prefeita de Arcoverde, Madalena Britto, saiu super animada: terá a presença dele no seu palanque nos seus principais eventos de campanha. Para o PSB, especialmente o prefeito recifense, Arcoverde é prioridade e por isso mesmo Madalena terá tratamento vip do partido e todas as atenções das suas principais lideranças, que não têm mais dúvida do crescimento da aliada e da sua possível vitória nas eleições de outubro.

CURTAS

SEM LEGENDA 1 – Presidente estadual do Solidariedade, Marília Arraes recebeu do presidente nacional do partido, Paulinho da Força, carta branca para decidir o imbróglio de Serra Talhada, onde o deputado Luciano Duque já lançou a sua pré-candidatura sem autorização do diretório estadual.

SEM LEGENDA 2 – “Pernambuco, quem decide é Marília”, disse Paulinho, para frustração de Duque, que não contará com o apoio de Marília para disputar a Prefeitura de Serra, simplesmente porque ela tem poderes de negar a legenda. E, a esta altura, Duque não tem como se filiar em outro partido.

ZÉ ANIMADO – Presente na festa do blog, quinta-feira passada, o pré-candidato do PDT a prefeito de Caruaru, José Queiroz, disse que o desgaste da governadora Raquel Lyra vai puxar o prefeito Rodrigo Pinheiro para baixo, fazendo ele crescer feito rabo de cavalo. “Vamos ganhar a eleição, pode apostar”, afirmou.

Perguntar não ofende: Surubim ou Belém do São Francisco, qual será a eleição mais disputada?

Blog do Magno 18 Anos

Uma festa para nunca ser esquecida

A festa dos 18 anos do blog, sexta-feira passada, no Mirante do Paço, foi tão linda, tão emocionante, tão prestigiada, tão surpreendente e glamorosa, que passei, ontem, o dia bastante abalado emocionalmente, sem ter a mínima disposição para revelar meus sentimentos.

Aproveito este espaço, o mais nobre do blog, conforme os leitores revelam – alguns me confessaram que não dormem sem antes passar o olho nesta coluna de meia-noite – para agradecer as manifestações de carinho. Foram inúmeras! Nas selfies, depoimentos sinceros, de apreço, consideração e reconhecimento a um jornalismo comprometido com as grandes causas do País, especialmente de Pernambuco.

Tudo estava impecável: a decoração, assinada pela Florata Flores, o bufê, sob a responsabilidade do Fiordes, e, principalmente, a organização e o cerimonial, entregues, respectivamente, à minha Nayla Valença e à Branca Goés, extremamente parabenizadas ao longo de todo o evento. Igualmente impecável a animação da festa, entregue à Super Oara, de Arcoverde.

Filho do fundador Beto, Elaque, tecladista e vocalista, fez, como sempre, seu show à parte. Aplaudidíssimo! Artistas amigos, que dispensaram o cachê para compartilhar o sucesso do blog e da minha história de 40 anos de jornalismo, fizeram apresentações fantásticas. Quem abriu foi Walquiria Mendes, com seu vozeirão maravilhoso, seguida de Fabiana, a Pimentinha do Nordeste.

Vindo da sua Monteiro (PB), Novinho da Paraíba arrasou, cantando forrós que encheram o salão. Filho e continuador do legado de Genival Lacerda, o forrozeiro João Lacerda esteve numa noite impecável, cantando alguns sucessos do pai. Já Josildo Sá chegou vestido de vaqueiro, um gibão lindo e maravilhoso. Fez uma apresentação belíssima.

Cristina Amaral, da cidade de Sertânia, conterrânea de minha Nayla, agradou em cheio. Ela é, simplesmente, fantástica! Cantou forrós de sucesso e até músicas românticas, que levaram muita gente a dançar de rostinho colado, como nos velhos tempos. E a festa teve essa finalidade também.

Teve até frevo: o mais autêntico ritmo pernambucano, é claro, não poderia faltar. André Rio e Almir Rouche, estrelas do carnaval, abrilhantaram mais ainda a festa. Eles têm uma energia espetacular, envolvente. Ninguém consegue ficar parado nos shows deles. Sensacional.

Por fim, fechando a noite, o espetacular Alcymar Monteiro, o Rei do Forró, que fechou a sequência dos shows individuais dos 12 artistas que deram uma canjinha na festa do blog. Todo mundo caiu no salão numa animação extraordinária. Numa simplicidade de arrepiar, Alcymar chamou cantores para fazer duo com ele, como Luciana Sampaio, a Lucy, que tem uma voz maravilhosa.

E até o amigo Nando, meu vizinho de choupana em Arcoverde, cantor dos bons, realizou um sonho da sua vida ao subir no palco e interpretar uma canção de Alcymar ao lado dele, um dos momentos mais emocionantes da festa.

Os números falam por sí – O sucesso da festa não se traduz apenas em organização, animação e bela decoração, mas, sobretudo, em números: quase mil pessoas foram ao Mirante do Paço, um dos espaços mais aconchegantes e lindos do Recife, com capacidade de receber até três mil convidados. Além da beleza e do conforto, a vista mais linda e romântica do Recife Antigo, alcançando até o braço do mar que bate no Marco Zero.

O mais polido e jeitoso dos Monteiro – Foi uma festa em alto astral, feita para dançar e se descontrair, com apenas um pequeno espaço para duas saudações: a minha e a do empresário Eduardo Monteiro, a quem prestei uma homenagem pelos 26 anos da Folha. Fez um belíssimo discurso, tocando fortemente no coração dos meus convidados, que não se cansavam de elogiar a fala dele. Costumo dizer que Eduardo é o mais jeitoso dos Monteiro, mesmo não tendo optado pela vida pública no parlamento ou no executivo.

Presenças ilustres – Impossível citar tantas presenças ilustres, mas na política destacaria a presença do presidente da Assembleia Legislativa, Álvaro Porto, e seus colegas de parlamento João Tenório, vice-líder do Governo Raquel na Casa, Dani Portela, Alberto Feitosa, Júnior Tércio, João Paulo Costa e Débora Almeida –  destacada parlamentar da base de apoio do governo. Da Câmara Federal, Mendonça Filho, Coronel Meira, Maria Arraes e Clarissa Tércio. Também o ex-ministro Gilson Machado, que foi bastante cumprimentado. Entre os secretários de João Campos, Dema, de Governo, e Gilberto Silva, de Imprensa.

Gente do poder e delegações do interior – Também presente e muito festejado o presidente estadual do PSDB, Fred Loyo, ao lado do seu filho Eduardo Loyo, presidente da Empetur. Entre os prefeitos, Yves Ribeiro, de Paulista; Gilvandro Estrela, de Belo Jardim; Zé Martins, de João Alfredo, e Joelson Silva, de Calumbi. Entre os ex-prefeitos, José Queiroz, de Caruaru, que chegou na companhia do ex-senador Douglas Cintra, e Madalena Brito, de Arcoverde, que estava acompanhada por uma comitiva de mais de dez pessoas. Também o prefeito de Olinda, Professor Lupércio, em companhia de Mirella, pré-candidata à prefeita. De Paulista, Nena Cabral, pré-candidato a prefeito.

Mundo jurídico e empresarial – Do poder Judiciário, destaque para o presidente em exercício do Tribunal de Justiça, Fausto Campos, e os desembargadores Gabriel Cavalcanti e Demócrito Ramos, além da desembargadora aposentada Margarida Cantarelli. Entre os advogados, Paulo Maciel, procurador-geral de Olinda; Almir Reis, pré-candidato à presidência da OAB; Fernanda Resende, presidente do Sindicato dos Advogados; Carlos Porto, Bruno Monteiro, Fábio Lira, e Fernando Mendonça, presidente da Associação dos Empresários do Brasil. Também Agenor Ferreira Lima Neto, Pietro Duarte, Érica Ferraz, Paulo Azevedo, Júlio Oliveira, Mário Becker Gil Rodrigues, Rafael Carneiro Leão, Samuel Salazar, Rodrigo Galvão, Márcio Botelho, vice-prefeito de Olinda, Silvio Rodrigues, esposo de Mariana, do Fiordes, e Maurício Rands. Entre os empresários, Halim Nagem, Roberto Pereira e Álvaro Jucá. O presidente do Banco do Nordeste, Paulo Câmara, foi representado na festa dos 18 anos do blog pelos assessores especiais José Neto e André Campos.  

Curtas

O CHORO É LIVRE – Nos bastidores do Solidariedade, a piadinha mais ouvida diz respeito às queixas do deputado Luciano Duque, que lançou sua pré-candidatura a prefeito de Serra Talhada, mas sem ter o aval de Marília Arraes para a legenda: “Quem planta couve, não colhe morangos. O choro é livre”.

PREJUÍZOS – Levantamento feito pela Confederação Nacional das Seguradoras aponta que os prejuízos causados por enchentes e inundações no Rio Grande do Sul (RS) já somam R$ 1,673 bilhão em pedidos de indenização. Segundo a entidade, o número é relativo a 23.441 avisos de sinistros registrados entre 28 de abril e 22 de maio.

SINAL AMARELO – A dois anos e cinco meses das eleições de 2026, parte da cúpula do Partido dos Trabalhadores acendeu o sinal amarelo sobre a próxima eleição presidencial. A análise é que há espaço para Tarcísio de Freitas construir uma candidatura robusta para fazer frente a Lula, principalmente se o País não apresentar números melhores de crescimento econômico.

Perguntar não ofende: E o Governo Lula tem política econômica? 

Prefeitos em busca de socorro em Brasília

Na abertura da 25ª Marcha dos Prefeitos, organizada pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM), em Brasília, os prefeitos ouviram o que tanto esperavam do presidente Lula: a promessa de que o Governo Federal irá defender medidas que possam viabilizar a desoneração da folha de pagamento dos municípios.

Último a discursar na solenidade de abertura do evento, Lula reforçou a promessa de que, até o fim de 2024, a alíquota ficará reduzida em 8% e que uma possível prorrogação depois desse período deve ser discutida no projeto de lei 1.847/2024, de autoria do senador Efraim Filho (UB-PB), que será relatado pelo líder do Governo no Senado, Jaques Wagner (PT-BA).

O presidente pediu urgência à base governista para a aprovação da matéria. “Temos, no máximo, 60 dias para votar esse projeto de lei”, disse. A volta da oneração de 20% foi suspensa na semana passada, por 60 dias, após decisão do ministro Cristiano Zanin, do Supremo Tribunal Federal (STF). 

A desoneração da folha é a principal pauta dos prefeitos, que lotam Brasília desde a última terça-feira, quando iniciou a Marcha em Defesa dos Municípios. A Confederação Nacional dos Municípios (CNM) defende a aprovação de uma emenda à PEC 66, que prevê o escalonamento da tributação: 10%, em 2025; 12%, em 2026; e 14%, em 2027.

Agora é esperar para ver se Lula e sua base vão dar celeridade ao projeto e cumprir o que prometeu aos prefeitos – que se dividiram na recepção ao chefe do Executivo entre vaias e aplausos.

Artista é vendedor – A investigação do TCE-PE, que apura um suposto superfaturamento nos contratos da Missa do Vaqueiro do ano passado, aponta cachês de mais de R$400 mil para artistas de dimensão nacional. A Prefeitura de Serrita, no entanto, não é a primeira cidade a bancar esses valores astronômicos. Entre a população, as opiniões se dividem: quem acha que vale a pena pagar contra quem avalia ser um desperdício de dinheiro público. Há até quem culpe o artista pelo alto cachê, levando eventualmente algum deles a prestar esclarecimentos à justiça. No entanto, vale lembrar que o artista é um vendedor como qualquer outro. Ele oferece um serviço e cobra por ele. Obviamente, há uma prática entre a classe artística de elevar os cachês em festas como carnaval e São João, por exemplo. Mas, convenhamos, que contrata quem quiser e puder pagar.

IA nas eleições – O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) realizou o “Seminário Internacional – Inteligência Artificial, Democracia e Eleições”, no qual foram discutidos os desafios e as perspectivas para impedir o uso de inteligência artificial (IA) na propagação de notícias falsas durante as eleições. De acordo com os palestrantes, novas ferramentas reduziram o custo de produção e disseminação de fake news. O evento encerrou nesta quarta-feira (22).

Doações RS –  Os Correios anunciaram que superaram nesta semana a marca de 15 mil toneladas de doações arrecadadas em todo Brasil para as vítimas das chuvas no Rio Grande do Sul. Dessas, 3,5 mil toneladas já foram entregues à Defesa Civil: água potável, roupas, itens de higiene e limpeza, colchões e ração para pet. São variados os itens recebidos, organizados e enviados gratuitamente pela estatal. Em Porto Alegre, as operações no Centro de Distribuição (CDD) Vila Jardim, um dos principais pontos de recebimento, triagem e despacho, seguem intensas. 

Vulneráveis ao clima – Um estudo do Governo Federal revelou que 11,6% dos pernambucanos vivem em áreas vulneráveis a eventos climáticos. O dado representa um milhão e cinquenta mil pessoas, aproximadamente. O trabalho coloca Pernambuco em terceiro lugar no ranking de pessoas vivendo em áreas de risco. O estado perde apenas para Bahia (17,3%) e Espírito Santo, com 13,8%.

Fomento da tecnologia – O Banco do Nordeste (BNB) e o Consórcio Nordeste criaram um grupo de trabalho para fomentar a inovação tecnológica na região. O presidente do BNB, Paulo Câmara, se reuniu com representantes da Câmara Técnica de Ciência e Fomento ao Conhecimento do Consórcio Nordeste nesta quarta-feira (22), em Fortaleza. O encontro resultou na formação de um grupo que discutirá alternativas de financiamento a projetos de base tecnológica e inovação no Nordeste. 

CURTAS

ARCEBISPO RECIFENSE – A Câmara Municipal do Recife vai conceder, por iniciativa do vereador Felipe Alecrim (NOVO), o Título de Cidadão do Recife ao arcebispo de Olinda e Recife, Dom Paulo Jackson, que é natural de São José de Espinharas, na Paraíba, e assumiu o arcebispado há nove meses. A entrega será feita no dia 28 de maio, às 18h, em uma reunião solene no plenário da Casa de José Mariano. 

CIRCUITO LITERÁRIO – A Comissão de Educação e Cultura da Alepe vai solicitar ao TCE medida cautelar e auditoria especial para apurar indícios de ilegalidade no Circuito Literário de Pernambuco. A medida visa investigar a contratação por inexigibilidade e destinação de vultosos recursos públicos estaduais à Associação do Nordeste de Distribuidores e Editoras de Livros – ANDELIVROS, associação privada que está promovendo e executando o Projeto CLIPE – Circuito Literário de Pernambuco, através da realização de três feiras em Recife, Caruaru e Serra Talhada. 

ASSÉDIO JUDICIAL – Por unanimidade, o Supremo Tribunal Federal (STF) reconheceu nesta quarta-feira (22) o chamado “assédio judicial” contra jornalistas e veículos de imprensa. Com a decisão, a Corte confirma a ilegalidade do ajuizamento de inúmeras ações judiciais para constranger ou dificultar o exercício da liberdade de imprensa. Pelo entendimento, as ações nas quais pessoas citadas em matérias jornalísticas buscam indenizações devem ser julgadas pela Justiça da cidade onde o jornalista mora. Atualmente, quem processa pode escolher a cidade em que a ação vai tramitar, pulverizando os processos contra a imprensa.

Perguntar não ofende: Os prefeitos vão conseguir emendas suficientes para os seus municípios na marcha realizada em Brasília?

Mais uma jogada eleitoreira

Uma semana após explorar politicamente a tragédia do Rio Grande do Sul, nomeando Paulo Pimenta, pré-candidato a governador do Estado em 2026, como ministro da Reconstrução, o presidente Lula transformou, ontem, a Marcha dos Prefeitos, em Brasília, em palanque eleitoral.

Na tentativa de eleger o maior número de prefeitos nas eleições deste ano, o petista mudou o discurso em relação ao projeto de desoneração da folha para municípios com até 167 mil habitantes. Se lá atrás a taxação da contribuição de 20% – e não 8% – para o recolhimento da contribuição previdenciária seria imprescindível para a União, passou a não ser mais desde ontem.

Diante de um batalhão de prefeitos, Lula abandonou a retórica do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, que chegou a trombar com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, por este ter ficado ao lado dos municípios, e defendeu pressa na aprovação do projeto de desoneração no modelo que atende aos prefeitos.

No ano passado, quando foi cobrado sobre o assunto, para não contrariar o ministro da Fazenda, Lula disse: “Não podemos fazer apenas desoneração sem dar contrapartida aos trabalhadores, eles precisam ganhar alguma coisa. A empresa deixa de contribuir sobre a folha e o trabalhador ganha o quê? Não tem nada escrito [na lei] que ele vai ganhar R$ 1 a mais no seu salário”.

Já ontem, numa postura eleitoreira e oportunista, afirmou diante dos prefeitos: “É preciso que haja urgência na votação no Senado da desoneração dos municípios com até 156 mil habitantes para que os prefeitos não sejam pegos de surpresa”. Trata-se de uma mudança radical, mas com viés eleitoreiro: Lula quer eleger o maior número de prefeitos nas eleições deste ano.

Vaia estrondosa – O presidente Lula se deu mal na Marcha dos Prefeitos. Levou uma estrondosa vaia quando foi anunciado no palco na cerimônia. As vaias foram dadas por alguns prefeitos que estavam na plateia. Em contraposição, a outra parte do público tentou abafar a manifestação com gritos efusivos em apoio ao petista. Em seu discurso, Lula não citou as vaias. Ele afirmou que o Brasil vive um novo momento, de “civilidade” entre todos os entes públicos, e agradeceu o “respeito” e “carinho” com que foi tratado no evento.

Defesa de Lula – Em seu discurso de abertura, o presidente da CNM (Confederação Nacional de Municípios), Paulo Ziulkoski, pediu respeito às autoridades e que não houvesse vaias. Ele também fez elogios ao governo federal, especialmente ao ministro Haddad. “Temos que primar pelo respeito às nossas autoridades. Não estamos aqui para disputa de direita, de centro e de esquerda. Aqui estão os municípios do Brasil representados pelos prefeitos e prefeitas. Peço encarecidamente ao plenário para que aqui não haja vaias”, apelou.

Aumento escalonado – O líder do governo no Senado, Jaques Wagner (PT-BA), será o relator de uma proposta que mantém a desoneração dos 17 setores da economia e deve manter a desoneração da folha de pagamento das cidades em 2024. Hoje, os municípios pagam uma alíquota reduzida de 8% sobre a folha de pagamento dos funcionários municipais. A ideia é que a reoneração aconteça de forma escalonada a partir de 2025, como deve ser feito com os 17 setores da economia. Antes, a alíquota era de 20%.

Estadão falido – O jornal O Estado de S. Paulo, conhecido como Estadão, contraiu dívida milionária ao arrecadar R$ 142,5 milhões por meio da emissão de debêntures. Essa medida é uma tentativa de fortalecer a saúde financeira da empresa, que luta contra uma crise que afeta praticamente toda a mídia impressa. A sociedade anônima (SA) do Estadão levantou os cerca de 142,5 milhões de reais em duas emissões de debêntures — títulos de dívidas que concedem um direito de crédito ao investidor — com investidores institucionais e private banking. A informação é do Brazil Journal.

Virou um santo – A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal, por maioria, acatou pedido da defesa de José Dirceu e extinguiu a pena de corrupção passiva contra o ex-ministro. O colegiado considerou que a pena, relacionada à Operação Lava Jato, prescreveu. O caso foi julgado, ontem, pela Segunda Turma. Votaram no sentido da extinção da pena os ministros Nunes Marques, Ricardo Lewandowski (antes da aposentadoria) e Gilmar Mendes. No sentido contrário, tiveram votos vencidos Edson Fachin, relator do habeas corpus, e Cármen Lúcia. O ministro Dias Toffoli não votou.

CURTAS

VIOLÊNCIA – Um grupo de homens armados invadiu a residência de um casal de comerciantes e manteve a família refém, amarrada por cordas de náilon, por cerca de uma hora no bairro da Linha do Tiro, na Zona Norte do Recife. Segundo a Polícia Civil, os criminosos obrigaram uma das vítimas a transferir dinheiro para uma conta, levando, ao todo, R$ 7 mil pelo PIX, e R$ 2 mil em espécie, além de objetos de valor.

VIOLÊNCIA 2 – Um homem de 25 anos foi baleado, ontem, após tentar assaltar um casal no bairro de Casa Amarela, na Zona Norte do Recife. Segundo informações de testemunhas, uma das vítimas conseguiu tomar a arma do ladrão e atirou contra ele. Ferido, o criminoso tentou fugir do local e correu até o Hospital Agamenon Magalhães, onde pediu ajuda e, em seguida, foi preso.

FORA DA MARCHA – Ex-presidente da Amupe, a Associação Municipalista de Pernambuco, a prefeita de Serra Talhada, Márcia Conrado (PT), também não foi participar da Marcha dos Prefeitos. Mas, ao contrário dos prefeitos Gilvandro Estrela (Belo Jardim) e Zé Martins (João Alfredo), sua ausência se deu em razão da morte de um familiar do seu esposo.

Perguntar não ofende: Se virar moda a vaia que Lula levou ontem vai ficar difícil ele andar pelo País?

Inserções provocam crise no PL e vira galhofa

Candidato mais competitivo do bloco das oposições no Recife, tendo aparecido com 22% das intenções de voto na pesquisa do Atlas Intel sem nem ter posto o bloco na rua, o ex-ministro Gilson Machado continua tendo que se sujeitar aos caprichos da família Ferreira no PL, seu partido.

Tudo isso, mesmo sendo hoje a maior liderança e tendo o apoio incondicional do ex-presidente Jair Bolsonaro. Exemplo mais recente desta situação pode se tirar da leitura das inserções de 30 segundos na propaganda eleitoral na TV, que serão veiculadas ao longo desta semana.

Segundo o blog tomou conhecimento, ao invés de o presidente do partido, Anderson Ferreira, propagar a imagem de Gilson, o dirigente se escalou como papagaio de pirata, usando o tempo significativo das inserções para uma campanha de filiação partidária. O que chama atenção ainda é a decisão de Anderson de fazer Gilson dividir o tempo com outros candidatos, ao invés de priorizar a disputa na Capital e Jaboatão.

As inserções, claro, já geraram um novo conflito interno no PL, que continua sendo comandado de forma isolada pela família Ferreira. Nos próximos dias, serão 40 inserções de 30 segundos divididas entre todos os pré-candidatos. Se isso não fosse mais que uma trapalhada, o cômico é ver Anderson, que nem está na disputa municipal, encerrar todos os comerciais pedindo filiação ao partido.

Segundo as bancadas do PL na Câmara Federal e na Alepe, as inserções deveriam priorizar os candidatos a prefeito de peso e não pedidos de filiação partidária. Há inserções com até três pré-candidatos, “uma verdadeira lambança”, conforme definiu um dos liberais.

Os aliados de Gilson acham que Anderson está prejudicando fortemente o processo natural do ex-ministro de conquistar o eleitorado recifense além da fronteira bolsonarista. O mais lógico, evidentemente, seria Gilson ser a vitrine dessas inserções nos horários nobres da televisão. Mas a família Ferreira, sobretudo Anderson, insiste em tocar o partido como se fosse propriedade patriarcal, uma extensão dos seus interesses domésticos.

Mas o que já é evidente é que ele não lidera nem mesmo Mano Medeiros em Jaboatão, que já entendeu que para se reeleger precisa ser ele próprio.

Maior partido do Brasil, o PL parece ser provinciano em Pernambuco.

Novas urnas – O Tribunal Regional Eleitoral iniciou, ontem, a distribuição dos modelos mais atuais de urnas eletrônicas para os colégios eleitorais do Interior. O novo modelo vai substituir as que foram usadas nas eleições de 2010, já no ciclo final de uso. Serão recolhidas para descarte. Petrolina foi a primeira cidade a receber um total de 980. A troca vai contemplar 10 dos 18 polos eleitorais do Estado.

Salve-se quem puder!  – O plano de segurança que a governadora Raquel Mandacaru Lyra lançou, prometendo reduzir em 30% os homicídios no Estado, não serve para absolutamente nada. Sem proteção policial nas ruas, as pessoas vão escapando da morte por milagres, como é o caso de um entregador que reagiu a uma tentativa de assalto em Abreu e Lima e foi “salvo” pela mochila que carregava nas costas. Segundo testemunhas, os bandidos atiraram contra a vítima, mas o tiro atingiu a mochila. O crime foi filmado por uma câmera de segurança e enviado para a TV-Globo.

Duplo feminicídio – Em menos de 24 horas, duas mulheres foram assassinadas no Grande Recife. No domingo, a Polícia Civil registrou a ocorrência em que uma mulher, de nome e idade desconhecidos, foi morta a tiros em via pública, na Comunidade de Cabo Verde, no bairro de Sapucaia, em Olinda. Já em Jaboatão, uma mulher de 25 anos foi encontrada morta dentro de casa, com diversos sinais de ferimentos causados por arma branca. A ocorrência foi registrada pela Força-Tarefa de Homicídios da Região Metropolitana Sul como feminicídio. O corpo da vítima foi encontrado no quarto da residência onde ela morava, na Rua Frei Caneca, no bairro de Cajueiro Seco,

E aí, Governo Lula? – Os números da dengue não param de crescer. O Brasil alcançou, ontem, a marca de 5.100.766 de casos prováveis de dengue em 2024. A informação consta na mais recente atualização do Painel de Monitoramento das Arboviroses, abastecido com base em dados do Ministério da Saúde. No total, são 2.827 mortos pela doença. Esta é a maior quantidade de óbitos confirmados desde o início da série histórica no país, em 2000. O número supera, inclusive, o recorde registrado em todo o ano de 2023 (1.094 mortes).

Fim da era socialista – O reinado do PSB em São José do Egito, no Sertão do Pajeú, terra sagrada da poesia, pode terminar nas eleições deste ano, com a chegada ao poder pela oposição. Já liderando todas as pesquisas, o terror do prefeito Evandro Valadares, que lançou um dentista sócio do seu genro por não poder mais concorrer, atende pelo nome de Fredson Brito, empresário bem-sucedido na área da construção civil e hotelaria. Terá como vice o ex-deputado José Marcos, uma lenda na política do faraó do mote Rogaciano Leite.

Curtas

DÍVIDA – Em entrevista logo após tomar posse, ontem, em Brasília, para mais um mandato à frente da CNM, Paulo Ziulkoski disse que o valor das dívidas de 4,2 mil prefeituras com o sistema regime geral é de R$ 248 bilhões. Segundo ele, está em negociação o chamado refis, cujo volume de recursos não implica em nenhum tipo de recurso da União.

IMPACTO – Pelos dados da CNM, além da situação das prefeituras com a previdência geral, 81% dos 2.180 municípios com Regime Próprio de Previdência Social (RPPS) têm débitos; e o valor da dívida está em mais de R$ 312 bilhões. No entanto, segundo Ziulkoski, a questão mais grave é o impacto do aumento da folha, assim como o cálculo atuarial dos Fundos Próprios de Previdência.

CONTRATAÇÕES – O funcionalismo público, segundo o presidente da CNN, cresceu 12,5% entre 2010 e 2022, aumentou de 11 milhões para 12,4 milhões. Contudo, enquanto a União e os Estados tiveram contingente de 2,4% e 10,2% maior, respectivamente, as prefeituras precisaram contratar 31% a mais, passando de 5,8 milhões para 7,6 milhões.

Perguntar não ofende: Quantos prefeitos do PSB estão na lista das creches que Raquel Mandacaru mandou licitar?

Bem avaliado, Gilvandro será reeleito

Já estou cansado de repetir neste espaço uma velha ladainha: gestor público bem avaliado, seja presidente, governador ou prefeito, só não emplaca um novo mandato se houver algo muito grave ao longo da campanha. É o caso de Belo Jardim, no Agreste, a 180 km do Recife. Ali, o prefeito Gilvandro Estrela (UB) tem quase 80% de aprovação – 78,9%.

Por isso, na primeira pesquisa do Instituto Opinião, postada abaixo, ele aparece como franco favorito, abrindo uma frente de mais de 50 pontos diante de Doutor Maneco (Republicanos), atual vice, que rompeu e se lançou candidato pelo bloco da oposição. Uma eleição que, se não houver nenhum grave percalço no seu curso, será, verdadeiramente, um passeio.

Terra dos Mendonça, das baterias Moura, que virou uma marca nacional, Belo Jardim é um dos municípios mais importantes do Agreste pernambucano. No último censo do IBGE, sua população chegou a 79.507 habitantes, o que representa um aumento de 9,77% em comparação ao de 2010. No ranking de população dos municípios, Belo Jardim está na 20ª colocação no estado, na 91ª colocação na região Nordeste e na 407ª colocação no Brasil.

Nas eleições de 2020, Gilvandro teve 22.145 votos, o que representa 50,25% dos votos válidos, derrotando Isabelle Mendonça (PSB), esposa do ex-prefeito João Mendonça, que teve 12.999 votos – 29,50% do total. Concorreram ainda Wilsinho, do PTB, que teve 7.126 votos (16,17%) e Beto de Lulão, do PT, que teve 1.714 votos – 3,89%. Doutor Maneco foi escolhido vice de Gilvandro, mas resolveu romper no início deste ano.

“Houve distância e frieza, tanto em decisões políticas quanto na gestão municipal” da parte do prefeito”, alegou Maneco, numa nota enviada à mídia estadual. Em seguida, se filiou ao Republicanos, encorpou discurso de enfrentamento à gestão, mas não conseguiu unir o conjunto da oposição em torno da sua pré-candidatura.

Mendonça, grande parceiro – A gestão de Gilvandro Estrela avançou e se consolidou em Belo Jardim graças a sua aliança com o deputado federal Mendonça Filho (UB), herdeiro político do ex-cacique José Mendonça, o Mendonção, uma lenda no município. Embora não esteja na base do governo federal, Mendonça Filho ajudou o município priorizando suas emendas e buscando também parcerias com o Governo do Estado.

Gadelha aposta no apoio de Boulos – O deputado Túlio Gadelha (Rede) saiu animado do encontro que teve com um expressivo número de mulheres na última sexta-feira para disputar a Prefeitura do Recife. Embora a federação Rede-Psol no município já tenha se posicionado em favor da pré-candidatura de Dani Portela (Psol), Gadelha goza de prestígio com o presidente nacional da federação, Guilherme Boulos, de quem espera a decisão final sobre o imbróglio na capital pernambucana.

Tá ferrado – O governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem déficit nominal quase igual ao registrado na situação mais crítica da pandemia de covid-19. Segundo o site Poder360, o impacto econômico provocado pelas enchentes no Rio Grande do Sul deve piorar a trajetória dos gastos públicos. Os programas sociais e a suspensão no pagamento da dívida do Estado vão aumentar a dívida bruta do governo, que em março foi de 75,7% do PIB (Produto Interno Bruto). O resultado nominal considera o saldo das receitas e despesas da União e inclui o pagamento dos juros da dívida bruta.

Gastos em alta – A expansão de gastos do Governo Lula fora das regras fiscais vai aumentar a dívida pública. No Boletim Focus, do Banco Central, os analistas do mercado financeiro aumentaram a projeção de 79,75% (estimativa da semana anterior) para 80% do PIB. Com a sinalização do Copom (Comitê de Política Monetária) em cortar a Selic em 0,25 ponto percentual, será mais caro custear os juros da dívida.

Senador vergonhoso – Nos últimos 12 meses, o senador paulista Alexandre Giordano (MDB) gastou R$ 145,4 mil da cota parlamentar do Senado para abastecer quase 25 mil litros de combustível em postos de gasolina de São Paulo, volume suficiente para dar cinco voltas na Terra ou cruzar o Brasil, do Oiapoque ao Chuí, 45 vezes. O levantamento foi feito pelo Metrópoles a partir da prestação de contas do parlamentar no Portal da Transparência do Senado e considerou o preço médio do litro da gasolina de R$ 5,87, registrado pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) na segunda semana de maio, e um consumo de 10 km por litro.

CURTAS

ACINTE– As contas do senador gastador apontam que os valores foram gastos em 21 postos de gasolina diferentes. A maior parte, R$ 69 mil, foi no Auto Posto Mirante, na zona norte de São Paulo, base eleitoral de Giordano. Já R$ 66 mil foram pagos ao Auto Posto Irmãos Miguel, estabelecimento da cidade de Morungaba, distante cerca de 480 km da capital.

CANCELAMENTO 1 – Com o Rio Grande do Sul duramente afetado pela enchente, a Confederação Nacional dos Municípios (CNM) deveria cancelar a Marcha dos Prefeitos a Brasília, prevista para esta semana.  Seria uma manifestação de respeito aos prefeitos gaúchos, que não podem (e não devem) abandonar suas cidades em meio à crise. De mais a mais, essas marchas têm resultados pálidos e acabam virando mais um encontro de confraternização, com discursos que não têm qualquer consequência.

CANCELAMENTO 2 – Diante da decisão da CNM de não cancelar a marcha, prefeitos de Pernambuco, em respeito ao Rio Grande do Sul, resolveram não participar da marcha. O primeiro a desistir foi Gilvandro Estrela, de Belo Jardim, seguido de Zé Martins, de João Alfredo. Pelo menos até ontem, dos 184 prefeitos, apenas 70 haviam feito inscrição.

Perguntar não ofende: Não é insensatez fazer uma marcha de prefeitos em Brasília diante da tragédia no Rio Grande do Sul?

Quatro secretários de João se afastam 

Cotadíssima para vice na chapa do prefeito João Campos PSB), que disputa à reeleição no Recife, a secretária de Infraestrutura, Marília Dantas, filiada ao MDB, está deixando o cargo no próximo dia 6, prazo final de desincompatibilização para quem ocupa cargos na gestão pública, conforme as regras eleitorais adotadas para o pleito municipal deste ano.

Mas para despistar os que estão ansiosos, de olho na vaga, especialmente petistas, os três outros auxiliares que o prefeito filiou no apagar das luzes do prazo, em abril, também irão se afastar. São eles: Felipe Matos (Planejamento), que ingressou no Republicanos, e Maíra Fischer (Finanças), filiada ao União Brasil, além do chefe de gabinete Victor Marques, que entrou no PCdoB.

Marília é a mais cotada, seguida de Victor, espécie de braço direito de João, que está filiado a um partido que integra a federação liderada pelo PT, que quer, a todo custo, estar presente na chapa, diante da possibilidade de o prefeito, se reeleito, se afastar um ano e meio depois para disputar o Governo do Estado nas eleições majoritárias de 2026.

Mas o PT pode tirar o cavalinho da chuva: as chances de o prefeito escolher um nome indicado pelo partido são próximas a zero. Diante do cenário da eleição deste ano estar casada com a de 2026, esta para governador, João já decidiu escolher um vice da sua absoluta confiança, o que vai buscar dentro da sua própria equipe entre os quatro que irão se afastar em 6 de junho.

Interlocutores do prefeito na área política acham que Marília Dantas se encaixa como uma luva ao projeto da vice: além de ser uma espécie de cria de João, toca as principais obras da gestão. Revelou-se uma excelente executiva. Conhece a fundo a gestão como ninguém, tem o seu DNA em todos os projetos e obras e é da extrema confiança do chefe.

Agendão de obras – Marília Dantas está com um calendário de obras para o prefeito entregar até o dia 6, último dia do prazo permitido por lei, em ano eleitoral, para eventos dessa natureza. A sua pasta toca um leque de obras, entre elas parques que vão ser vitrines do Governo João, como os novos parques da Tamarineira, na Zona Norte, e do Aeroclube, na Zona Sul. Pelo cronograma, muitas dessas obras serão entregues apenas a primeira etapa.

Quem tem prazo, não tem pressa – Apesar do afastamento dos quatro auxiliares em 6 de junho, João Campos só irá anunciar o seu vice no último segundo da prorrogação, porque ele segue a máxima do ex-senador Marco Maciel, que dizia que quem tem prazo não tem pressa. E se o PT pensa que pode se dar ao luxo de colocar a faca no pescoço do prefeito para anunciar antes, sob a ilusão de que abocanha a vice, está muito enganado. Pelo novo calendário eleitoral, as convenções serão em julho e antes disso o prefeito vai mantendo o mistério.

Túlio apela – Do deputado Túlio Gadelha, da federação Rede-Psol, ao comentar as declarações da deputada Dani Portela, sua concorrente na rede, de que sua pré-candidatura foi rejeitada pela federação: “Dentro do estatuto da federação, eles dão um prazo de 48 horas para cada partido recorrer sobre a divergência da deliberação. Nós recorremos 24 horas antes, mandamos um e-mail para a direção nacional. O presidente da federação nacional, Guilherme Boulos, acolheu o nosso requerimento, porque a gente precisa discutir uma candidatura competitiva, olhar a tática da federação e não é possível que o Psol lance candidatura em todas as capitais. Não me cabe decidir, cabe à federação e eu apoiarei a decisão nacional.

Missão de Raquel – Quando disse na sua fala que havia recorrido ao presidente nacional da federação Psol-Rede, Guilherme Boulos, para interferir no Recife, Túlio Gadelha só esqueceu de revelar também que quem está cumprindo essa missão é a governadora Raquel Lyra, que, coincidentemente, foi flagrada numa conversa reservada, na semana passada, com o próprio Boulos. Não é por acaso que Dani Portela e seus aliados acusam o deputado de representar uma pré-candidatura palaciana.

Baixa adesão – Pelo menos até ontem, estava extremamente baixa a adesão dos prefeitos pernambucanos para a marcha de Brasília, marcada para a próxima semana. Dos 184 municípios, apenas pouco mais de 70 haviam confirmado. Mas o presidente da Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe), Marcelo Gouveia, prefeito de Paudalho, este número tende a subir, chegando próximo a 90, até a próxima segunda-feira.

CURTAS

DESONERAÇÃO 1 – O ministro Cristiano Zanin, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu, ontem, a liminar que interrompeu a prorrogação da desoneração da folha de pagamento para 17 setores da economia e municípios. Com isso, ainda que provisoriamente, foi retomada a validade de lei aprovada pelo Congresso Nacional que estendeu o benefício.

DESONERAÇÃO 2 – A decisão de Zanin acata proposta da Advocacia-Geral da União (AGU) por uma solução consensual, mediante a suspensão da ação pelo prazo de 60 dias. Mais cedo, nesta sexta-feira (17/5), a Advocacia do Senado Federal protocolou petição em que concorda com a medida.

SALÁRIO DE R$ 133 mil – Indicada pelo governo Lula para a presidência da Petrobras, a engenheira Magda Chambriard terá um aumento substancial de salário quando assumir o comando da petrolífera. Atualmente, Magda trabalha como diretora da assessoria fiscal da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), com salário bruto mensal de R$ 13,1 mil. Já como presidente da Petrobras, a engenheira terá remuneração mensal bruta de R$ 133,1 mil, um aumento de 1.024% em relação ao salário que recebia na assembleia.

Perguntar não ofende: Espelho meu, tem alguém no Governo Lula com um salário de marajá maior do que a nova presidente da Petrobras?

Lula politiza a tragédia 

Se havia uma certa expectativa por parte da população no Governo nas ações de reconstrução do Rio Grande do Sul, com a decisão do presidente Lula (PT) de politizar a tragédia, escolhendo Paulo Pimenta como ministro da pasta criada com esta finalidade, uma nuvem de desconfiança está pondo tudo abaixo.

Pimenta é gaúcho, adversário do governador Eduardo Leite (PSDB) e pré-candidato ao Governo do Rio Grande do Sul nas eleições de 2026. Na prática, Lula quer usar a tragédia das águas para fomentar um candidato petista ao Governo gaúcho. Nunca se viu na história recente do País a politização da tragédia ambiental e humanitária.

De forma reservada, integrantes do próprio governo admitem que a escolha de Pimenta tem, também, o componente político de se contrapor às ações do governador Eduardo Leite (PSDB), que estaria, na visão dos auxiliares de Lula, obtendo dividendos. Até ontem, a tragédia no Estado já havia deixado 149 mortos e 108 desaparecidos.

No Planalto, o plano é fazer da reconstrução uma vitrine do governo. O ex-presidente Jair Bolsonaro foi o mais votado entre os eleitores gaúchos em 2018 e 2022. Antes da oficialização de Pimenta, uma ala chegou a defender o nome do vice-presidente Geraldo Alckmin para assumir o posto. Mas Lula não embarcou nessa proposta.

Uma avaliação feita no Palácio do Planalto é que Alckmin tem um histórico de 30 anos de militância no PSDB, partido de Leite, e também não é do Estado. Além disso, em razão de seu estilo contido, o vice-presidente não entraria em embates com o governador se fosse necessário.

Acredite se quiser – Durante o ato em São Leopoldo (RS), na última quarta-feira, em que o Governo anunciou novas medidas de auxílio aos gaúchos, Paulo Pimenta foi oficializado no cargo e apresentado como o ministro que será responsável pela articulação da reconstrução do Estado. Aproveitou e fez um aceno a Leite ao dizer que trabalharia em parceria. Destacou ainda que o trabalho do governo federal é “complementar e suplementar ao do governo do Estado e das prefeituras”. “O presidente me pediu muito que tenha exatamente essa dedicação e essa disposição, governador (Eduardo Leite), de colaborar com o Governo do Estado, com os seus secretários”, afirmou.

Nem um pio para o governador – O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), disse, ontem, que soube pela imprensa que o presidente Lula indicaria Paulo Pimenta como titular do Ministério Extraordinário de Apoio ao seu Estado. Segundo o tucano, não houve qualquer comunicado prévio por parte de Lula ou de integrantes do governo federal sobre a indicação de Pimenta, antes de ela ser noticiada pela imprensa, na terça-feira passada.

Informado pela Imprensa – “Estou sabendo pela imprensa. Vou aguardar manifestação oficial. Não estamos sabendo de nada”, afirmou Leite ao ser questionado sobre o que achava da indicação de Pimenta, que é gaúcho, para o posto. Segundo auxiliares de Lula, o presidente só comunicou ao governador oficialmente da decisão durante reunião entre os dois na manhã da última quarta-feira. A indicação de Pimenta foi alvo de críticas por parte de aliados de Eduardo Leite. A crítica se deve sobretudo ao fato de Pimenta ser pré-candidato ao governo do Rio Grande do Sul em 2026.

Palanque eleitoral – Da tribuna da Alepe, o deputado Alberto Feitosa anunciou, ontem, que enviou ofício ao presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) alertando que há claros indícios de palanque político eleitoral na nomeação de Paulo Pimenta. “Ficou claro que aquilo se tratou de um ato político e não solidário. É um aproveitamento da dor do povo gaúcho. Senhores ministros do TSE, sejam diligentes”, alertou.

Municípios discriminados – Presidente da Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe), Marcelo Gouveia, prefeito de Paudalho, lamentou que no pedido que o Governo fez, ontem, ao Supremo, para suspender a liminar tratando da desoneração da folha de pagamento de 17 setores produtivos da economia, os municípios com até 160 mil moradores tenham ficado de fora. Isso, segundo ele, vai colocar um tempero diferente na marcha dos prefeitos em Brasília, na próxima semana. “Foi uma tremenda discriminação com os municípios”, disse.

CURTAS

BOICOTE – O prefeito de João Alfredo, Zé Martins (PSB), também não vai à marcha dos prefeitos em Brasília, na próxima semana. Para ele, o prefeito de Belo Jardim, Gilvandro Estrela (UB), está certíssimo em boicotar o encontro. “Essas marchas são apenas turismo, gastar o dinheiro do povo”, disse Martins.

CÂMERAS 1 – Cinco meses após o desligamento das câmeras de segurança que monitoravam ruas e avenidas do Grande Recife, pedestres e motoristas continuam relatando medo por causa da falta dos equipamentos. A instalação estava prevista para abril deste ano, segundo a Secretaria de Defesa Social de Pernambuco (SDS), mas ainda não aconteceu.

CÂMERAS 2 – Das 358 câmeras, 240 funcionavam no Recife, 38 em Olinda, e outras 40 em Caruaru, no Agreste, e em Petrolina, no Sertão. O prazo do lançamento do edital de licitação para contratar uma empresa para instalar os equipamentos, que inicialmente era dezembro de 2023, foi adiado pelo governo do estado: desta vez, para o final de maio.

Perguntar não ofende: A falta de câmeras está contribuindo para o aumento da violência no Grande Recife?

Lula humilhou Prates

Mesmo com o Governo e a popularidade em baixa, o presidente Lula continua arrotando prepotência. Corre nos bastidores de Brasília que humilhou o ex-presidente da Petrobrás, Jean Paul Prates, durante 20 minutos, no episódio em que deu um chute no traseiro do ex-senador potiguar petista.

Lula pegou pesado. Assistiram, constrangidos, os ministros Rui Costa, da Casa Civil, e Alexandre Silveira, das Minas e Energia. Nas palavras de um interlocutor de Lula, foi “uma das mais difíceis que o petista teve neste governo”. Para Prates, não foi muito diferente. Conforme ele comentou após o afastamento com diferentes interlocutores, a sensação foi de que foi “humilhado” por Lula.

Lula, segundo as informações vazadas, ficou constrangido com a situação. Não explicou a Prates por que Rui Costa e Alexandre Silveira, que tentavam desde o ano passado tirá-lo da Petrobras, estavam na reunião. O presidente havia convocado Costa e Silveira poucas horas antes, cedendo a uma pressão que ambos exerciam há meses pela demissão de Prates, sob a alegação de que ele não entregava os resultados de que o País precisa na Petrobras.

Quem conhece o presidente na sua intimidade sabe que ele, quando perde a paciência, agride sem medir as palavras, com uma postura de rei na barriga. Isso não é hoje, vem desde quando foi eleito pela primeira vez. Com Prates, não respeitou nem a história do ex-senador petista, que vinha, segundo as vozes mais insuspeitas de Brasília e do poder, fazendo um excelente trabalho na Petrobras.

Lula é tão sem coração que detonou Prates diante dos seus algozes – os ministros Rui Costa e Alexandre Silveira. Estes viam há muito tempo pedindo a cabeça dele. Lula não comunicou a outros ministros de seu círculo mais restrito de confiança, como Fernando Haddad e Alexandre Padilha, de que iria fazer a mudança. Poucas horas antes, ambos não sabiam de nada.

A decisão de demitir Prates estava tomada há semanas, mas a decisão de comunicar Prates daquela maneira sobre a saída passou essencialmente pelo trio que agora, ao lado de Lula, recebia um espantado presidente da Petrobras, pego de surpresa com a presença de seus algozes.

A reação – Assim que Prates entrou na sala do presidente, ouviu de Lula a informação que havia decidido substituí-lo. “Eu e você temos visões diferentes sobre a importância que a Petrobras tem para o Brasil”, disse Lula, evitando encarar Prates. “Presidente, desta vez eu vou me permitir discordar do senhor. Das outras vezes em que eu vim aqui e o senhor me apresentou argumentos que chegavam ao senhor contra mim, eu discordava daqueles argumentos. Mas, agora que o senhor disse isso, a discordância é diretamente do senhor”, reagiu Prates.

Ambiente pesado – Segundo o site Metrópoles, Lula disse na sequência do bota fora de Prates que a crise da distribuição dos dividendos da Petrobras, em março, havia sido um ponto relevante para a demissão do ex-auxiliar. “A sua decisão de se abster na questão dos dividendos me pareceu uma afronta”, afirmou. “Presidente, o meu chefe de gabinete que está comigo aqui fora vai tratar com o Rui [Costa] sobre a minha saída. Quero lhe agradecer, mas preciso sair para cuidar da minha vida. Tenho que desmontar minha casa no Rio e tomar diversas providências. Obrigado”. Os quatro se levantaram quase ao mesmo tempo, Prates cumprimentou Lula, deu as costas aos três e saiu de cabeça baixa.

O mártir Pimenta – Ineficaz e desnecessário criar um ministério para socorrer e reconstruir o Rio Grande do Sul. Mais estranho ainda é nomear Paulo Pimenta, atual ministro das Comunicações, para tocar a nova pasta, não por desconfiar da sua capacidade gestora, mas pela sua condição de pré-candidato a governador do Rio Grande do Sul. Lula quer transformar Pimenta no mártir do Estado dele, para vê-lo governador dois anos depois. Claro, se ele der conta do recado.

Start da cassação – O Conselho de Ética da Câmara aprovou, ontem, uma representação que pede a cassação do mandado do deputado Chiquinho Brazão (sem partido-RJ), acusado de ser um dos mandantes do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSol-RJ) e de seu motorista, Anderson Gomes, em 2018. O parecer da relatora, deputada Jack Rocha (PT-ES), favorável à perda de mandato do congressista, foi aprovado por 16 votos a favor e 1 contrário.

Plano B de Raquel – Em entrevista, ontem, ao Frente a Frente, a deputada Dani Portela, que oficializou sua pré-candidatura à prefeita do Recife pela federação Rede-Psol, disse que o seu concorrente Túlio Gadelha, da Rede, perdeu todas as condições de entrar na disputa porque foi derrotada por ele na convenção municipal da federação. “A federação só pode ter um candidato”, afirmou, adiantando que derrotou Gadelha por ampla maioria dos convencionais porque a candidatura dele estava a serviço da governadora Raquel Lyra. “Ele era um plano B de Raquel”, disse.

CURTAS

HABEAS CORPUS – O STF já tem quatro votos para manter decisão que negou um habeas corpus preventivo apresentado em favor do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). A Corte analisa um recurso protocolado pelo advogado Djalma Lacerda para reverter uma decisão do ministro Kassio Nunes Marques que negou o pedido para livrar, antecipadamente, o ex-presidente de uma eventual prisão decorrida da investigação que trata da suposta tentativa de golpe de Estado para se manter na Presidência da República.

PE NO PODER – O jornalista pernambucano Laércio Portela virou ministro-interino da Secretaria de Comunicações (Secom), em substituição a Paulo Pimentel, nomeado ministro da Reconstrução do Rio Grande do Sul. Portela é uma boa figura, casado com Juliana, filha do economista Maurício Romão. No Estado, passou por várias redações e foi colunista político.

FILA RECORDE – A fila por uma vaga em UTI pediátrica em Pernambuco registrou o maior número deste ano. Segundo o Ministério Público de Pernambuco (MPPE), 154 crianças aguardavam um leito na noite de terça-feira passada. Ontem, 144 bebês e crianças estavam na fila, de acordo com a Central de Regulação de Leitos do estado. Entre o mês de janeiro e o dia 11 de maio, foram registrados 2.383 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG). Mais da metade se deu em bebês e crianças com até quatro anos de idade.

Perguntar não ofende: O PL fica ou sai da base de Raquel?

Maioria não quer Lula reeleito

Em meio à tragédia que se abate no Rio Grande do Sul, a economia sem reagir e os juros em alta, o presidente Lula começou a semana recebendo uma péssima notícia: 55% dos brasileiros não querem mais vê-lo no comando do País em um novo mandato, a partir das eleições de 2026. O levantamento é do Instituto Genial/Quaest e acendeu uma luz amarela no Planalto.

Outro dado trazido pela Quaest é que 23% dos que votaram no petista em 2022 acreditaram agora que ele não merece ser reeleito. Entre os que votaram em branco e nulo no último pleito, 63% também não querem ver Lula de novo como presidente. O levantamento realizou 2.045 entrevistas presenciais com eleitores de 120 municípios de 2 a 6 de maio.

No recorte por região, o Nordeste é o que mais apoia a reeleição de Lula, com 60% dos entrevistados defendendo um novo mandato para o atual presidente. Já a maioria dos entrevistados no Sudeste expressaram o contrário: 63% acham que Lula não merece ser reconduzido ao cargo. Só 1/3 (33%) apoiaria Lula em 2026.

A queda no desempenho do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) no Sudeste foi fundamental para a eleição de Lula. A região concentra três dos maiores colégios eleitorais do país (São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, respectivamente), equivalente a mais de 40% do eleitorado brasileiro. Apesar da maioria dos pesquisados não acharem que Lula merece um novo mandato, o presidente seria reeleito em uma disputa contra o governador de São Paulo, Tarcisio de Freitas (Republicanos). Neste cenário, Lula teria 46% dos votos e Tarcísio, 40%.

Novo Getúlio – O senador Ciro Nogueira (PP-PI) comparou o atual governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ao retorno de Getúlio Vargas ao poder, em 1951, depois do fim da ditadura do Estado Novo (1937-1946). Para Ciro, os dois presidentes vinham de experiências políticas positivas no passado. Mas tiveram um retorno desastroso. “Estamos repetindo um fato histórico. Comparo o que acontece hoje no Brasil com o retorno de Getúlio Vargas à presidência em 1951. Ele tinha sido um grande presidente que implementou diversas reformas. Mas, quando voltou, voltou fora da sua época. Não conseguia mais se comunicar. Não falo da carta testamento, mas do seu governo”, afirmou.

O bom exemplo de Belo Jardim – O prefeito de Belo Jardim, Gilvandro Estrela (UB), tomou, ontem, uma decisão extremamente lúcida e sensata: não irá a Brasília participar da Marcha dos Prefeitos na próxima semana. “Acho uma estupidez num momento em que o País vive essa tragédia do Rio Grande do Sul prefeito fazer marcha em Brasília. Eu não sou militar para marchar, quem me representa em Brasília é o deputado Mendonça Filho e o senador Fernando Dueire. Não vou a Brasília passear gastando dinheiro público, já tão escasso em nosso município”, desabafou.

Baixa adesão – A Marcha dos Prefeitos perdeu sentido. Os olhos do Governo e do Brasil estão voltados para o Rio Grande do Sul, Estado praticamente destruído pelas cheias. Parece que a atitude do prefeito de Belo Jardim ganhará ressonância. Pelos menos até ontem, dos 184 prefeitos do Estado apenas 70 haviam confirmado presença. Há muito, essas mobilizações de prefeitos em Brasília não dão resultado e servem apenas para gestor público fazer turismo na capital federal.

Falta de sensibilidade – Os prefeitos deveriam ter mais sensibilidade e suspender a marcha. Segundo balanço da CNM, entidade dos próprios gestores, os municípios gaúchos afetados pelos temporais desde o fim de abril já contabilizam mais de R$ 8,9 bilhões de prejuízos financeiros: R$ 2,4 bilhões no setor público, R$ 1,9 bilhão na iniciativa privada e R$ 4,6 bilhões no segmento habitacional. Até o momento, foram registrados impactos em 105,6 mil habitações. A entidade, que acompanha diariamente a situação, reforça que os dados são parciais, uma vez que as gestões locais enfrentam dificuldades de inserir as informações nos sistemas.

O chorão atrás de lenço – Preferido pela governadora Raquel Lyra (PSDB) na disputa pela Prefeitura do Recife, mesmo sem assumir, para não se atritar com seu candidato oficial Daniel Coelho (PSD), o deputado Túlio Gadelha (Rede) tende a perder a batalha para se viabilizar dentro da federação Psol-Rede Sustentabilidade. A sua concorrente Dani Portela (PSol) oficializa sua pré-candidatura hoje, às 18 horas, na sede do seu partido, com muito mais chances. Melhor para Gadelha, que chegou a chorar nas eleições de 2020 porque não teve o apoio do PDT, seu então partido, já reforçar de antemão o seu estoque de lenço.

CURTAS

CONVITE – O presidente Lula convidou os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), para acompanhá-lo, hoje, na visita ao Rio Grande do Sul. Na viagem, o petista pretende anunciar novas medidas para socorrer a população do Rio Grande do Sul após as fortes chuvas que inundaram o Estado, matando mais de 140 pessoas.

MEDIDAS – Antes da viagem, Lula chamou, ontem, ao seu gabinete, os presidentes da Câmara e do Senado para uma reunião quando adiantou algumas das medidas que serão anunciadas. Em sua primeira visita ao Rio Grande do Sul após o início das chuvas, em 5 de maio, Lula já havia levado Lira e Pacheco junto. O ministro Edson Fachin, vice-presidente do STF, também acompanhou a comitiva.

PRISÕES – Uma operação deflagrada, ontem, prendeu 34 pessoas suspeitas de tráfico de drogas e outros crimes no Grande Recife e em João Pessoa (PB). Ao todo, 25 pessoas foram alvo de mandado de prisão e nove foram presas em flagrante pela Força Integrada de Combate ao Crime Organizado de Pernambuco (Ficco).

Perguntar não ofende: Lula está indo de ladeira abaixo?