Coluna da quinta-feira

Congresso já fez a sua parte 

Em tempo recorde, o Congresso fez a sua parte, aprovando e sancionando o Projeto de Decreto Legislativo que reconhece o estado de calamidade pública no Rio Grande do Sul até 31 de dezembro. O texto autoriza o Governo a excluir da meta fiscal as despesas realizadas via meio de crédito extraordinário para atender o povo gaúcho.

A bola agora é com o Executivo, com o presidente Lula, que ainda não decidiu o valor da ajuda federal que chegará ao Rio Grande do Sul. Tanto Rodrigo Pacheco, presidente do Senado, quanto Arthur Lira, presidente da Câmara, pautaram a urgência da matéria pouco antes de votar o mérito, que foi aprovado de forma simbólica (sem contagem nominal dos votos) nas duas Casas.

Na prática, só os recursos destinados exclusivamente ao Rio Grande do Sul não serão computados no cumprimento da meta fiscal estabelecida pelo Ministério da Fazenda. Assim, o Executivo e o Legislativo não ficam à mercê da regra de controle de gastos para ajudar a população. Entretanto, o valor do auxílio não foi especificado pelo governo.

A expectativa é de que agora, depois de o Congresso fazer a sua parte, o Executivo apresente uma MP (medida provisória) com detalhes sobre as despesas. O presidente Lula (PT) anunciou o projeto em reunião no Palácio do Planalto, em Brasília, com os presidentes da Câmara e do Senado.

O petista afirmou que o texto será o primeiro de um grande número de atos que serão feitos para auxiliar o Rio Grande do Sul por conta das fortes chuvas que acometeram a região e deixaram 95 mortes, até o momento. A velocidade que o Congresso andou é muito louvável. O que se espera do Governo, a partir de agora, é que aja na mesma velocidade, porque o Rio Grande do Sul tem que passar por uma operação de guerra para ser restaurado. As imagens mostram uma tragédia que deixou o Estado completamente destruído.

Prejuízos acima de R$ 4 bi – Os municípios do Rio Grande do Sul já somam mais de R$ 4,6 bilhões em prejuízos por conta das fortes chuvas que atingem a região desde o dia 28 de abril. Os dados são do balanço divulgado pela CNM (Confederação Nacional dos Municípios). O levantamento foi feito com 388 cidades afetadas. Segundo o presidente da instituição, Paulo Ziulkoski, os gastos foram informados pelos próprios gestores municipais e representam uma parcial dos prejuízos e estão em atualização a todo momento. Do total, R$ 465,8 milhões são danos no setor público e R$ 756,5 milhões, no privado.

Foco nos abrigos – O ministro-chefe da Secom (Secretaria de Comunicação Social), Paulo Pimenta, entende que os abrigos onde está a população atingida pelas chuvas serão o foco do governo federal no Rio Grande do Sul nos próximos dias. Segundo ele, a situação nos locais “tende a se estender”, porque o volume do rio Guaíba deve demorar cerca de 10 dias para baixar. “O que fazer com 50.000 pessoas em abrigos na Região Metropolitana [de Porto Alegre]? Três refeições por dia, são 150 mil refeições por dia, água, lixo, material de higiene, descarte de toda essa estrutura”, declarou o ministro.

Situação dramática – De acordo com Pimenta, parte dos abrigos não tem banheiro e nem água potável. O ministro da Secom disse que os helicópteros e a estrutura que estão sendo usados no resgate de pessoas desaparecidas terão “outra utilidade”, que será a de chegar nas cidades com suprimentos. No entanto, o ministro afirmou que ainda há cidadãos a serem resgatados. As pessoas afetadas pelas chuvas não têm como sair da região. A chuva destruiu estradas e, além disso, o aeroporto de Porto Alegre suspendeu os voos por tempo indeterminado.

Remanejamento de emendas – O ministro Alexandre Padilha (Relações Institucionais) revela que o governo federal vai abrir uma janela para que deputados e senadores possam remanejar parte de suas emendas individuais para ações emergenciais em municípios do Rio Grande do Sul atingidos por enchentes nos últimos dias. De acordo com o ministro, a bancada gaúcha sozinha tem como remanejar R$ 448 milhões que foram alocados em ações como compra de equipamentos ou estruturas de obras que levam tempo para serem executadas. Os recursos poderão agora ser destinados para ações de defesa civil, saúde e assistência social.

Dívida gaúcha rolada – O ministro Alexandre Padilha garante ainda que o governo trabalha com uma proposta para renegociar a dívida do Rio Grande do Sul com a União. A dívida do Estado é de R$ 92,8 bilhões até 2023, segundo dados da Secretaria da Fazenda gaúcha. O governador do RS, Eduardo Leite (PSDB-RS), já havia solicitado a suspensão do pagamento da parcela mensal da dívida do Estado com a União pelo período que durar a reconstrução dos danos causados pelas chuvas no Estado. A medida liberaria R$ 3,5 bilhões do caixa gaúcho, segundo estimativa estadual.

CURTAS

ROUBOS – O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), informou, ontem, que irá adotar medidas para garantir a segurança da população e conter saques em alojamentos e roubos. Leite pediu ao Ministério da Justiça mais homens da Força Nacional e acionou governadores dos demais Estados do Sul para envio de efetivos policiais.

ATÉ OS CLUBES – Ao menos 8 dos 20 clubes da Série A do Campeonato Brasileiro disponibilizaram suas instalações – estádios, centros de treinos e lojas oficiais – para arrecadar doações para a população do Rio Grande do Sul. Outros disponibilizaram chaves Pix do governo gaúcho ou criaram contas próprias, a exemplo do Atlético Mineiro. De acordo com o Galo, o 1º depósito foi feito pelo próprio time.

APPLE AJUDA – O CEO da Apple, Tim Cook, disse que a empresa vai ajudar o Rio Grande do Sul. Em publicação no X (antigo Twitter), Cook declarou que a big tech “fará doações para esforços de socorro locais”, mas não especificou em que constituem essas doações.  “Nossos corações estão com as pessoas afetadas pelas enchentes devastadoras e trágicas no Brasil”, escreveu.

Perguntar não ofende: Quanto o Governo Lula vai mandar para ajudar o Rio Grande do Sul?

Vitória de Pirro 

A princípio, para quem não acompanha de perto o processo político no Estado, a aprovação do projeto versando sobre o fim das faixas salariais pode ter sido uma bela vitória da governadora Raquel Lyra (PSDB). Mas não foi. A votação final por 41 votos se deu com a colaboração dos 16 deputados que se curvaram à realidade depois das emendas ao projeto serem rejeitadas por 26 votos a 16.

Elas mudavam o reescalonamento do fim das faixas previstas em 2026, para os anos de 2024 e 2025. Se o Governo precisava de 25 votos e obteve 26 na derrubada das emendas, na verdade a vitória foi representada por apenas um voto. Traduzindo, Raquel Mandacaru (não dá sombra nem encosto para ninguém) teve uma vitória de Pirro.

Trata-se de uma expressão utilizada para justificar uma batalha ganha a alto custo, potencialmente acarretadora de prejuízos irreparáveis. Prejuízos, diga-se de passagem, para a gestora e os policiais. Para a governadora, porque, em consequência do projeto aprovado, ganhará a fama de malvada entre os militares.

Pernambuco continuará sendo o Estado a pagar o pior salário ao PM e ao bombeiro no País. E isso é desalentador. Em termos de aumento salarial à categoria, o projeto que passou ontem na Alepe concede 3,5% de reajuste este ano e iguais percentuais nos dois anos seguintes – 25 e 26.

Entre os militares, a correção da inflação fará com que os terceiros-sargentos, que são maioria da tropa de rua, sofram uma defasagem dos seus salários em torno de 6,5%, enquanto o soldado perderá 3,5% e o coronel 5,9%. Com salários tão baixos, a tropa continuará desestimulada para ajudar o Governo em qualquer cruzada pela redução da violência no Estado.

Sendo assim, dificilmente a governadora irá encontrar os meios adequados e satisfatórios para evitar que o Estado volte a repetir o abril mais triste e sangrento da sua história, registrando 324 assassinatos. Esse número choca e preocupa. Representa uma guerra civil não declarada e silenciosa.

Sem maioria – A governadora sai desgastada também por outros motivos. Nunca um projeto enviado à Alepe em caráter de urgência, que pelo regimento só pode durar 45 dias, demorou tanto em tramitar: 63 dias. Entre as quatro comissões técnicas em que passou, foi reprovado em três, inclusive na de Justiça, colégio que a governadora já perdeu a maioria e pode se complicar em outras matérias polêmicas, como projetos que versem sobre aumento para profissionais da área de saúde e professores.

O jogo de João Paulo – Sob a orientação do deputado João Paulo, o mais governista da bancada de Raquel na Alepe, a bancada do PT votou fechada pelo projeto que acaba as faixas salariais entre os policiais militares e bombeiros. O que se ouve nos bastidores da Casa é que João sonha acordado em ser candidato a prefeito do Recife com o apoio de Raquel, mesmo em nível nacional o PSDB, partido da governadora, fazer oposição ao Governo Lula. João também aposta na possibilidade de Daniel Coelho, nome apoiado pela governadora, não decolar. E ele surgir como tábua de salvação para Raquel Mandacaru no enfrentamento a João Campos.

Não pagou nem a metade – João Paulo, o roxo governista, já vinha votando favorável ao Governo em comissões estratégicas e no plenário, contrariando a orientação do seu partido. Virou assíduo frequentador do Palácio das Princesas e diz que o cafezinho que se serve por lá é uma maravilha. A surpresa ficou por conta da radical Rosa Amorim, que, recentemente, saiu do Palácio elogiando a Raquel Mandacaru depois de ser recebida com um grupo do MST. Rosa está bem afinada com o vice-líder do Governo na Alepe, Joãozinho Tenório (PRD). Os tempos mudam. Quem era o PT, hein?

Cronograma até 2026 – Pelo texto original do governo aprovado, ontem, o cronograma para a extinção das faixas salariais será o seguinte: 1º de junho de 2024: todos os ocupantes da faixa A passam a se enquadrar na faixa B do seu respectivo posto ou graduação; 1º de junho de 2025: os ocupantes da faixa B passam para a faixa C; 1º de junho de 2026: os policiais que se encontram nas faixas C e D serão enquadrados na faixa E, que passará a ser a faixa única de soldo.

Governo lento e desastroso – Dois anos após a tragédia que matou mais de 130 pessoas em Pernambuco, em decorrência das chuvas, a governadora Mandacaru sequer finalizou a licitação que deve recuperar o local mais afetado pelo desastre natural em 2022, que é o bairro de Jardim Monte Verde, limite entre o Recife e Jaboatão dos Guararapes. Integrantes do governo se reuniram, ontem, com representantes de 44 municípios para tratar da Operação Inverno, que reúne ações de prevenção e redução de riscos causados pela chuva.

CURTAS

RESGATADA – A deputada federal gaúcha Franciane Bayer, do Republicanos, e familiares dela foram resgatados de barco na casa da parlamentar, na última segunda-feira, em Porto Alegre. Moradora de Canoas, na Região Metropolitana da capital gaúcha, Franciane havia se refugiado na casa da mãe depois de ter deixado a sua na sexta-feira passada quando a Defesa Civil emitiu um alerta de risco de inundação.

IMPEDIDO – O ministro Cristiano Zanin, do STF, declarou, ontem, seu impedimento para julgar o recurso do ex-presidente Jair Bolsonaro contra sua inelegibilidade, declarada pelo Tribunal Superior Eleitoral em 2023. A decisão de Zanin atende a um pedido da defesa de Bolsonaro.

TRAPALHÃO – Sem votos sequer para se eleger vereador em Ingazeira, sua terra natal, Mário Viana Filho ganhou uma boquinha do Governo Raquel e se apresenta na região do Pajeú como gerente de articulação do Governo. E foi, ontem, para a rádio Pajeú xingar o pré-candidato a prefeito de Afogados da Ingazeira apoiado pela governadora, Danilo Simões, herdeiro político da ex-prefeita Giza Simões.

Perguntar não ofende: Por que João Paulo não assume logo a liderança do Governo Mandacaru na Alepe?

A tragédia e a desconfiança

As tragédias provocadas pelo clima não acontecem de hoje no Brasil, mas se agravaram bastante nos últimos anos. A que se abate no Rio Grande do Sul é de torar o coração pelo meio. A chuva é um dos milagres da natureza, mas quando exagerada, sem controle, causa estragos insuportáveis, deixa muita gente desabrigada e, o pior, tira a vida dos que moram mais próximos aos rios.

No Rio Grande do Sul, muitos não sabem onde vão dormir nem hoje nem nos dias seguintes; não sabem o que vão comer nem o que farão pela frente. Apenas uma certeza: ao bater o cadeado de sua casa em estado de desabamento, ao abandoná-la, quem assim o fez não está saindo para uma viagem de férias, mas para uma viagem sem volta à casa que foi o seu lar.

Para muitos, em especial crianças que não estão, ainda, conscientes da dimensão do desastre natural que as deixou desamparadas, a mudança é como uma de sessão de terror da tarde na TV. O presidente Lula prometeu ajudar o RS sem burocracia. A dinheirama é uma montanha, mais de R$ 4 bilhões. A sensação é a de que o Estado foi, literalmente, destruído, vítima de um furacão e que precisa ser reconstruído.

E é aí onde mora o perigo, onde está o X da questão. Fiquei com os dois pés atrás, ontem, ao ler as declarações do presidente da Confederação Nacional dos Municípios, Paulo Ziulkoski. Embora solidário com a dor das milhares de famílias gaúchas, ele colocou uma dúvida: será que o Governo Federal vai ajudar mesmo, para valer, ou está apenas blefando diante da pressão da mídia ante o terror das águas?

“Infelizmente, ao longo dos últimos anos, são inúmeros os municípios que foram impactados por desastres e nunca conseguiram se reconstruir por falta de apoio financeiro. De 2013 a 2023, 94% dos municípios registraram ao menos um decreto de anormalidade em decorrência de desastres”, afirmou o dirigente da instituição.

Segundo ele, só entre os dias 29 abril e 5 de maio, as tempestades que assolam o Rio Grande do Sul já causaram mais de R$ 559,8 milhões em prejuízos financeiros. “Esse montante, porém, se refere apenas aos danos já levantados e disponibilizados por 19 municípios dentre os 170 que registraram seus decretos no sistema de Defesa Civil nacional”, destacou.

Ziulkoski tem razão no que diz. O ciclone que atingiu o Rio Grande em setembro do ano passado levou à morte de 51 pessoas e causou mais de R$ 3 bilhões em prejuízos financeiros. Desse total, segundo ele, o governo federal prometeu o montante de R$ 741 milhões, mas repassou apenas R$ 81 milhões, o que representa 11% em relação ao prometido, sendo que parte desse recurso ainda se refere a repasses indiretos.

Governo farrapa – Para o presidente da CNM, as ações de resposta durante o desastre e as obras de recuperação de um município após o desastre requer apoio federal imediato e que atenda às demandas da população. Para evidenciar a dimensão dos prejuízos municipais e comparar com os valores pagos pela União para os 117 municípios do Rio Grande do Sul de setembro de 2023 até final de abril, a CNM destaca que o valor efetivamente repassado não seria suficiente para recuperar os danos causados, por exemplo, apenas no município de Muçum em relação ao desastre de 2023.

A ajuda que não veio – Com apenas cinco mil habitantes, o orçamento municipal de Muçum para executar todos os serviços locais é de R$ 32 milhões. “No entanto, apenas em setembro de 2023, o prejuízo foi estimado em R$ 231 milhões. Os cidadãos dos municípios afetados estão cansados de receber visitas de autoridades federais e estaduais, prometendo apoio e recursos, como agora se realiza, mas sem ver efetivadas ações concretas de reconstrução e prevenção de novos desastres”, disse Ziulkoski.

Não pagou nem a metade – Em 2023, segundo a CNM, os desastres afetaram 37,3 milhões de pessoas em todo Brasil, sendo 258 mortos, 126.345 desabrigados e 717.934 desalojados. Além disso, os desastres causaram R$ 105,4 bilhões de prejuízos no País. Neste mesmo ano, o governo federal autorizou R$ 1,4 bilhão para ser investido em gestão de riscos e desastres aos municípios para ações de proteção e Defesa Civil, porém, só pagou R$ 545 milhões, correspondendo a 39% do valor autorizado.

Prorrogação de prazos – “A CNM está articulando diretamente com a Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil no sentido de requerer o reconhecimento federal em rito sumário (imediato) de todos os decretos municipais de situação de emergência e ou estado de calamidade pública, além de solicitar a prorrogação de prazos, a exemplo de prestação de contas, aos Municípios afetados”, acrescentou Ziulkoski.

Bandidos tiram proveito – A polícia do Rio Grande do Sul registrou furtos e assaltos a mão armada em bairros da capital atingidos pelas chuvas e enchentes. Segundo relatos, os assaltantes estão usando motos aquáticas e se aproveitam da escuridão da cidade, que teve o fornecimento de energia elétrica suspenso. No domingo passado, dois homens tentaram assaltar um barco de resgate que estava com desabrigados, em Canoas. Porém, dentro do barco havia dois policiais, que prenderam os assaltantes. As informações são da coluna True Crime, do jornalista Ulisses Campbell, de O Globo.

CURTAS

DOIS TERÇOS – Não foi uma inundação qualquer: dois terços do Rio Grande do Sul submergiram ao verdadeiro tsunami que varreu o estado. A contabilidade macabra registra, até o momento, 83 mortes,111 desaparecidos, 20 mil desabrigados e 122 mil desalojados. Quase 1 milhão de pessoas foram afetadas, em maior ou menor grau. O RS virou SOS.

CATÁSFROFE – Dos 497 municípios gaúchos, 345 foram atingidos pela tempestade de dimensões bíblicas e consequente cheia dos rios. As cenas do centro histórico de Porto Alegre sendo invadido pelas águas do Guaíba são de filmes de catástrofe. O Rio Grande do Sul é o Estado mais afetado pelas mudanças climáticas. Em menos de um ano, os gaúchos tiveram de enfrentar quatro chuvas apocalípticas e inundações devastadoras.

O CUSTO – A reconstrução, por si só, vai custar, em um primeiro cálculo, R$ 200 bilhões. Como disse o governador Eduardo Leite, será necessário criar uma espécie de Plano Marshall, guardadas as devidas diferenças em relação ao auxílio americano à Europa depois da Segunda Guerra.

Perguntar não ofende: O presidente da CNM tem razão ao desconfiar das promessas do Governo?

Reeleição passa pela boa gestão

Recorrendo a um lugar comum: gestor bem avaliado, dificilmente perde eleição. É claro que existem exceções e tropeços que podem levar ao insucesso nas urnas. Faço alusão a um conjunto de pesquisas do Instituto Opinião sobre a corrida municipal que este blog postou nos últimos dias.

Impressiona, por exemplo, o alto índice de satisfação da população de Santa Cruz do Capibaribe com o prefeito Fábio Aragão (PSD), próximo a 80%. Neste caso, só algo grave, como a descoberta de um escândalo na gestão, pode impedir a sua reeleição, que varia de 62% a 65% nos percentuais de intenção de voto.

Em Santa Maria da Boa Vista, conforme pesquisa também do Opinião, o prefeito George Duarte tem quase 70% de avaliação positiva, em números reais 68,6%. Por isso, aparece como favorito nas eleições municipais de outubro, com 48,6%, enquanto Humberto Mendes, seu principal adversário, patina com 14,9% das intenções de voto.

Trindade, no Sertão do Araripe, também se encaixa a essa realidade. A prefeita Helbinha Rodrigues (UB) é aprovada por 64% da população, e tem mais de 50% das intenções de voto como pré-candidata à reeleição. 

Na outra ponta está Salgueiro, um dos municípios mais importantes do Alto Sertão.

Ali, o prefeito Marcones Sá (PSB) é o mais rejeitado entre os pré-candidatos porque sua gestão é aprovada por apenas 41% da população, sendo rejeitada pela maioria – 52%. Terá que fazer malabarismos para reverter a tendência do eleitorado em optar pela mudança, representada pelo empresário Fabinho Lisandro (PRD), que lidera todos os levantamentos, abrindo uma média de dez pontos de frente.

O sentimento de harmonia da população com o gestor em campanha para mais um mandato é um alento, mas não se pode bobear ou ficar de sapato alto. Até porque nenhum governo pode ser sólido por muito tempo se não tiver uma oposição temível, que pense, que crie e que explore bem os pontos falhos da gestão.

Outro lado da moeda – Já em Belém do São Francisco, o Opinião identificou provavelmente a eleição mais disputada do Sertão, onde o prefeito Gustavo Caribe (MDB), que vai à reeleição, aparece empatado com o empresário Calby Cruz (Republicanos). A distância que os separa de 1 ponto percentual para o prefeito, que está neste sufoco justamente porque não tem percentuais de aprovação tão excelentes quanto os dos colegas de Santa Cruz do Capibaribe, Santa Maria da Boa Vista e Trindade.

Razão da popularidade – Há tempo não vou a Santa Cruz do Capibaribe, mas pelo que levantei de informações, o prefeito Fábio Aragão tem 80% de aprovação, não por causa de grandes obras, mas simplesmente pelo fato de manter os serviços públicos de qualidade, não atrasar pagamento de servidores nem tampouco de fornecedores. Também é trabalhador, sem falsas promessas e comprometido com políticas sociais.

Marília abraçada com Mandacaru – A ex-deputada Marília Arraes, presidente estadual do Solidariedade, está bem próxima de se vingar do deputado Luciano Duque, que foi eleito no campo da oposição e aderiu ao Governo Raquel Mandacaru: vai negar-lhe legenda para tentar a Prefeitura de Serra Talhada. Além de ficar de fora da disputa, Duque ainda vai ter que engolir Marília no palanque da prefeita Márcia Conrado (PT), que terá o apoio da governadora. Se a ex-candidata ao Governo brigou com Duque pela traição, revela igual incoerência ao se abraçar com a governadora no mesmo palanque de Conrado em Serra.

Sebá se abraça também? – Por falar em Raquel Mandacaru, que não dá sombra nem encosto a ninguém, ela cumpre agenda hoje em Serra Talhada ao lado da prefeita. Vai prestigiar a festa de emancipação política da terra de Lampião, Agamenon Magalhães e Inocêncio Oliveira. Novo aliado da prefeita, o presidente estadual do Avante, Sebastião Oliveira, está em Serra participando da agenda festiva, mas não é dada como certa a sua presença no mesmo evento oficial no qual a tucana estará presente.

Cachimbo da pazO presidente Lula não quer esticar a corda nos desentendimentos do seu Governo com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD). Tanto que se apressou em chamá-lo para uma conversa olho no olho no Palácio da Alvorada. O encontro, na última sexta-feira, colocou uma vírgula no desgaste, mas existem pontos a serem trabalhados nas próximas semanas. As reclamações de Pacheco vão desde a falta de atenção do governo aos senadores até a demora na apresentação de projetos de seu interesse.

CURTAS

DESONERAÇÃO 1 – O estopim da crise na relação, que já estava se desgastando havia semanas, foi a decisão do governo de recorrer ao Supremo Tribunal Federal para suspender trechos da lei que prorrogou até 2027 a desoneração da folha de prefeituras e empresas.

DESONERAÇÃO 2– Pacheco ficou irritado com a atitude do Planalto, tomada logo após ele concordar em adiar a sessão conjunta do Congresso para análise de vetos presidenciais, que previa grandes derrotas para o governo federal. Com o adiamento, os líderes da base ganharam mais tempo para tentar estabelecer acordos.

DERROTA – O governo segue confiante em acordos para manter os vetos do presidente Lula (PT) a trechos da LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) e da LOA (Lei Orçamentária Anual). O veto às “saidinhas”, do projeto de lei aprovado em março, que limita as saídas temporárias de presos, é visto como derrota certa para governistas no Congresso.

Perguntar não ofende: Os policiais militares vão encher o plenário da Alepe amanhã na votação do projeto das faixas salariais?

TCU envergonha o País

Decisão vergonha, escandalosa e sem precedentes a do Tribunal de Contas da União em baixar uma regra que permite classificar informações de viagens de autoridades em aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB) como sigilosas, por “motivos de segurança”. A decisão de esconder voos beneficia o vice-presidente da República, os presidentes da Câmara e do Senado, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e o procurador-geral da República.

De acordo com a Corte de Contas, a divulgação dos dados pode colocar em risco a segurança de instituições e “altas autoridades”, mesmo depois de as viagens terem sido realizadas. Voos de ministros de Estado não estão incluídos na nova regra. Muita vergonha na cara vir com esse argumento num instante em que o País fiscaliza atos de todos os gestores por portais de transparência.

O julgamento ocorreu a partir de uma solicitação da deputada federal Bia Kicis (PL-RJ), presidente da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara, sobre a utilização de aeronaves da FAB por ministros do governo e outras autoridades. Na ocasião, também foi aprovada uma auditoria para analisar “a legalidade, a economicidade e a eficiência no uso dos aviões”.

A solicitação recebida pelo tribunal é composta por dois requerimentos dos deputados federais Júnio Amaral (PL-MG) e Evair Vieira de Melo (PP-ES), aprovados, no fim do ano passado, pelo colegiado presidido por Kicis, aliada do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). Nos documentos, são requeridos transparência das operações dos aviões da FAB, por meio da realização de auditoria, e dados que indiquem a existência de critérios que justificam o uso dos jatinhos, a prestação de contas das despesas dos voos e os fundamentos de “viagens de natureza pessoal das autoridades”.

Dino, o campeão em voos – O pedido cita que o atual ministro do STF Flávio Dino, enquanto ministro da Justiça do governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) teria realizado voos em jatos da FAB com caráter pessoal para o Maranhão e questiona se “há justificativas documentadas para os deslocamentos pessoais do ministro”. Até agosto do ano passado, o ex-governador do Maranhão foi para São Luís de jato da FAB 12 vezes, sendo dez delas sem o cumprimento de agenda oficial. Procurada, a assessoria do ministro disse que as viagens de FAB visavam preservar a “segurança física e moral” de Dino.

Dá para engolir? – O presidente do Tribunal de Contas da União, Bruno Dantas, diz que o “sigilo para fins de ampla divulgação à sociedade” não afasta o acesso à informação pela Corte, que pode realizar fiscalizações e requerer dados. Ressalta que a autoridade, ao fazer um pedido de apoio aéreo à FAB, deve “informar as razões de segurança que justificam a requisição da aeronave”. Atendendo a uma parte da solicitação, a Corte deu um prazo de 15 dias para que o Comando da Aeronáutica envie à Corte documentos sobre a utilização de aeronaves da Força Aérea para deslocamento de autoridades.

Em Trindade – Mais uma pesquisa do Instituto Opinião, em parceria com este blog, traz o cenário de Trindade, a capital nacional do gesso. Ali, a prefeita Helbinha Rodrigues (UB) desponta com chances de emplacar a reeleição, enquanto a oposição ainda não decidiu se marcha com a Doutora Conceição ou com Zé Capacete, ambos do PP. Pelo levantamento, Conceição é mais competitiva e tem a menor taxa de rejeição entre os três nomes incluídos no levantamento.

Ato desastroso – O ato organizado por centrais sindicais com a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na quarta-feira em São Paulo, em comemoração ao Dia do Trabalho, foi um grande fiasco. Reuniu apenas 1.635 pessoas, segundo um levantamento da USP (Universidade de São Paulo). A estimativa é do grupo de pesquisa “Monitor do Debate Político”, da EACH (Escola de Artes, Ciências e Humanidades). No discurso, Lula cobrou o ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência, Márcio Macêdo, e disse que o ato havia sido “mal convocado”. O ato foi pago pela Petrobras e contou com auxílio de R$ 250 mil da Lei Rouanet.

Enfim, oposição reage – Três deputados da bancada da oposição na Alepe – Gilmar Júnior (PV), Abimael Santos (PL) e Sileno Guedes (PSB) – produziram um vídeo em frente ao hospital da família do marido da vice-governadora Priscila Krause (Cidadania), em Garanhuns, que viralizou pelas redes sociais. Diante da unidade hospitalar comentam, em tom de indignação, que a governadora já liberou R$ 43 milhões para mantê-lo, enquanto o Hospital Regional recebe apenas R$ 500 mil por mês. As liberações para a Casa de Saúde e Maternidade Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, tocada pela família de Jorge Branco, esposo de Priscila, foram recheadas com mais R$ 17 milhões, via convênio com a Secretaria de Saúde.

CURTAS

CONTAS – O Tribunal de Contas do Estado aprovou com ressalvas as contas do prefeito de Arcoverde, Wellington Maciel (MDB), referentes ao exercício de 2022. Cabe agora à Câmara de Vereadores dar o veredicto. Como o prefeito perdeu a maioria na Casa, corre o risco de ter a análise do TCE rejeitada.

PERSE – Do deputado Felipe Carreras (PSB) sobre o novo formato do Perse, programa de incentivo a eventos, aprovado pelo Congresso. “É resultado de muito diálogo e luta. É a demonstração da sensibilidade e do compromisso do parlamento com os segmentos responsáveis por gerar milhões de empregos. O Perse não tem bandeira partidária e coloração política. É fruto do Congresso Nacional”.

CENTRO – O governo federal anunciou a criação de um centro nacional de estudos e desenvolvimento de tecnologias em segurança cibernética no Recife. O local é voltado para soluções que visam melhorar a segurança de informações na internet, com uso de sistemas de Tecnologia da Informação e Comunicação, além do treinamento de profissionais especializados para atuarem na área.

Perguntar não ofende: As centrais sindicais viraram um fiasco em organizações de atos públicos?

Bobo da corte

Classificado de incompetente e de plantador de notícias falsas do Governo Lula, pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, esticou a corda. De passagem, ontem, pelo Recife, fez um discurso inapropriado, em tom de cobrança ao prefeito João Campos (PSB), pela vaga de vice para o PT na chapa do socialista.

Além de propagador de fake news, segundo carimbou Lira, Padilha é desinformado. Se tivesse conversado com a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, e com o próprio Lula, não teria dado uma fora. A Lula e Gleisi, João já comunicou e apresentou as razões que não abrigará o PT em sua chapa, como também tomou igual iniciativa o prefeito do Rio, Eduardo Paes (PSD).

João e Paes são irmãos siameses nessa contenda com o PT. Ambos são candidatos à reeleição numa eleição dentro da outra, ou seja, se forem reeleitos em 2024 serão, automaticamente, nomes naturais para disputarem as eleições para governador dois anos depois, em 2026, nos seus Estados. No Rio, o vice de Paes tende a ser o deputado Pedro Paulo, do PSD, nome da absoluta confiança do prefeito.

No Recife, João escolherá um dos quatro integrantes da sua equipe que, no apagar das luzes do prazo de filiação partidária, os abrigou em legendas que integram a sua base de sustentação na Câmara e estarão firmes na sua coligação: a secretária de Infraestrutura, Marília Dantas, nome mais forte, colocou no MDB.

Já a secretária de Finanças, Maíra Fischer, ingressou no União Brasil, enquanto o secretário de Planejamento, Felipe Matos, foi filiado ao Republicanos e, por fim, Victor Marques, chefe de gabinete, assinou a ficha do PCdoB. Sairá desse grupo o vice de João. O PT vai ficar chupando o dedo, com o pincel pendurado. Padilha perdeu seu tempo e deu a impressão de que não tem sintonia nenhuma com Lula, nem tampouco com a presidente petista.

É o bobo da corte!

Mozart, o nome do ministro – Na sua fala, o ministro Padilha sequer teve habilidade, defendendo explicitamente o nome de Mozart Sales. “O presidente Lula tem um carinho especial por João Campos e tem tudo para se repetir a aliança no Recife. Quem lidera o debate é o prefeito. Nossa expectativa de quem conviveu, como eu, com Eduardo Campos, com a aliança PT-PCdoB-PSB é para que se repita. O PT tem quadros competentes, entre os quais Mozart Sales, a quem tenho absoluta confiança. Já foi vereador, teve uma votação enorme para deputado federal, mas o processo de escolha é com o prefeito”, afirmou.

E agora, Veras? – Diante das declarações do ministro, revelando uma preferência explícita por Mozart, o que dirá o deputado federal Carlos Veras, que passa a manhã, a tarde, a noite e a madrugada de todos os dias que Deus dá sonhando em ser o vice de João? Com a palavra o senador Humberto Costa, a quem Veras bate continência dentro do grupo majoritário do PT.

Haja coração! – Em parceria com o Instituto Opinião, este blog traz hoje o cenário da sucessão municipal em Belém do São Francisco, um dos municípios mais importantes do Vale banhado pelo Velho Chico. Pelos números, será uma eleição com tendência de ser resolvida no voto a voto. Candidato à reeleição, o prefeito Gustavo Caribé (MDB) aparece empatado com o empresário Calby Cruz (Republicanos), com uma diferença de apenas um ponto percentual. Não se trata de novidade. Há quatro meses, o Opinião já havia identificado que a eleição em Belém vai envolver fortes emoções. Será preciso ter coração forte.

Sinais de mais uma derrota – Um dia depois de o presidente mostrar que não está bem do juízo, pedindo voto para o seu candidato a prefeito de São Paulo num ato de 1 de maio extremamente esvaziado na capital paulista, sendo forte candidato a levar uma multa do TSE, levantamento do instituto Paraná Pesquisas confirmou, ontem, que o prefeito Ricardo Nunes (MDB) segue numericamente à frente do deputado federal Guilherme Boulos (PSol) no primeiro e em um eventual segundo turno da eleição para a Prefeitura de São Paulo.

Com que Fabrizio votará? – Na Comissão de Segurança da Assembleia Legislativa, o deputado Fabrizio Ferraz (SD) votou contra o Governo no polêmico projeto das faixas salariais, mas no plenário, quando a matéria vai entrar em pauta no plenário da Casa, seu voto passou a gerar a maior expectativa, sobretudo depois da nomeação de Felipe da Rosa Ferraz, aliado dele, para a gerência de Planejamento da Secretaria de Agricultura. Militar por formação, Fabrizio terá coragem de trair a tropa?

CURTAS

SAÚDE – O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) já empenhou (reservou) R$ 13,9 bilhões em emendas em 2024. Desse total, R$ 12,8 bilhões (92%) foram direcionados para a área da saúde, que tem a maior fatia do Orçamento da União, segundo dados da plataforma Siga Brasil. As emendas efetivamente pagas neste ano totalizaram R$ 3,34 bilhões até a última terça-feira, o que inclui as apresentadas em anos anteriores. Nesta categoria, os recursos destinados à saúde foram de R$ 677 milhões, 20,5% do total pago.

JANJA 1 – A primeira-dama Janja da Silva não comentou sobre uma peça publicitária da companhia aérea Latam no X (ex-Twitter) para promover a venda de passagens aéreas e diárias de hospedagem em seu site com a imagem de uma mulher de biquíni à beira de uma piscina. O site Poder360 enviou um e-mail para a equipe de Janja, mas não houve resposta.

JANJA 2 – Por meio de sua assessoria de imprensa, a Latam respondeu que seu site se tornou em 2023 um marketplace, onde o turista pode montar toda a sua viagem reservando hotéis, resorts, ingressos, carros, seguro-viagem, além da passagem aérea e que essa é “a realidade retratada na peça publicitária em questão”.

Perguntar não ofende: Quem leva a melhor na disputa final das faixas salariais: governo ou oposição?

Qual outro hospital já embolsou R$ 60 milhões?

Em primeira mão, antecipei, ontem, depois de já ter revelado uma liberação anterior de R$ 43 milhões, a assinatura de um convênio no valor de R$ 17 milhões para a Casa de Saúde e Maternidade Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, em Garanhuns, de propriedade da família do marido da vice-governadora Priscila Krause (Cidadania), com quem Raquel Lyra governa o Estado a quatro mãos.

Com este valor, via convênio com a Secretaria estadual de Saúde para ampliação do número de leitos de UTI adulto e pediátrico da unidade hospitalar, Jorge Branco, esposo de Priscila, um dos herdeiros de José Tinoco, dono da Casa de Saúde, contabiliza R$ 60 milhões em repasses dos cofres estaduais em menos de um ano e meio de gestão da tucana.

Não se trata apenas de um privilégio, mas de um escândalo se olhado sobre o viés do abandono de hospitais públicos, como o Regional de Garanhuns, onde falta de tudo, e de uma dezena de unidades de saúde conveniadas ao Sassepe, igualmente ao prestigiado Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, que não recebem o dinheiro devido do Estado para o atendimento de pacientes servidores estaduais pelo plano Sassepe.

Um médico, dono de hospital, me revelou que o Estado deve a ele uma bolada: R$ 15 milhões. Com um agravante: diferente do tratamento vip dado ao hospital da família do marido de Priscila, ele não recebe sequer nem uma satisfação quanto a uma proposta de pagamento dividida. São dois pesos e duas medidas. Pelo visto, um bom negócio em Pernambuco é ser amigo do rei.

Aliás, da rainha. Da rainha única, não; das duas rainhas, que parecem governar o Estado como comadres. A saúde é um direito de todos e dever do Estado, garantindo mediante políticas públicas sociais e econômicas que visem a redução do risco de doenças e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para a sua promoção, proteção e recuperação. Isso é constitucional.

Só Raquel não enxerga assim, porque faz um governo de comadres com a sua vice Priscila Krause.

Oposição reage – Um passarinho soprou, ontem, ao meu ouvido, que a oposição vai encaminhar um pedido de informações à governadora Raquel Lyra sobre o tratamento privilegiado que o hospital da família do marido da vice-governadora Priscila Krause está recebendo. Os deputados oposicionistas são como a justiça brasileira: tardam, mas não falham. Isso já era para ter sido feito desde o momento que revelei neste espaço os primeiros R$ 43 milhões repassados ao hospital da família Tinoco.

Aragão sem adversário – Santa Cruz do Capibaribe, principal centro têxtil do Agreste pernambucano, tende a ter uma eleição bem diferente das últimas, extremamente acirradas. Conforme pesquisa do Opinião, postada acima com exclusividade por este blog, o prefeito Fábio Aragão (PSD) nada de braçada. Se a eleição fosse hoje, ele teria 62% dos votos, Alessandra Vieira (UB) 12,8% e Valmir Ribeiro (PP) 6,3%. Na espontânea, ele tem 52% e Alessandra 6,5%.

Gestão bem avaliada – Também pudera: a aprovação do prefeito de Santa Cruz do Capibaribe bate os 80%. Ele bate de longe Lula e Raquel em popularidade, que, aliás, andam muito mal em avaliação na chamada capital da sulanca. Enquanto o petista detém uma desaprovação de 47,3% ante uma aprovação de 44,3%, Raquel é desaprovada por 44% e aprovada por 39%. Por enquanto, quem está em perfeita sintonia com o povo é Fábio Aragão.

Na pressão por aumento – No segundo Dia do Trabalho do terceiro mandato de Lula (PT), comemorado ontem no 1 de maio, servidores do Executivo federal intensificaram as cobranças por reajuste salarial ainda em 2024. Em abril, para aplacar os movimentos grevistas, o governo assinou o reajuste nos benefícios (auxílio-alimentação, auxílio-saúde e assistência pré-escolar) a partir de maio, com pagamento retroativo em junho. Mais de 83% das entidades representativas dos servidores públicos federais concordaram com a assinatura do acordo.

Henry no pincel – Depois de mais de um mês de levar o MDB para o palanque da reeleição de João Campos (PSB) no Recife, o presidente estadual da legenda, Raul Henry, foi retaliado pela governadora Raquel Lyra, que passou a caneta vermelha no presidente da Junta Comercial, Gabriel Cavalcanti, unha e carne com o dirigente emedebista. O aliado estava no cargo desde março do ano passado. A tucana partiu para o tudo ou nada, mas pode perder a disputa com a Alepe pelo projeto das faixas salariais em votação no plenário da Casa na próxima terça-feira.

CURTAS

SEM PRESTÍGIO – Integrantes do Palácio do Planalto procuraram o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), após Lula preterir um candidato apoiado pelo deputado para uma vaga no Tribunal Superior do Trabalho (TST). Na terça-feira passada, Lula decidiu nomear o advogado mineiro Antonio Fabrício de Matos Gonçalves como ministro do TST. Com a decisão, o petista preteriu o alagoano Adriano Avelino, nome apoiado por Lira para a vaga.

SUSPENSÃO 1– O Ministério Público Federal (MPF) moveu uma ação na Justiça na qual pede a suspensão de todos os acordos feitos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) com entidades que cobram mensalidades associativas diretamente na folha de pagamento dos aposentados e que o órgão federal seja condenado a indenizar cada segurado que sofreu desconto indevido — sem autorização por escrito — em suas aposentadorias.

SUSPENSÃO 2 – Dados obtidos com exclusividade pelo site Metrópoles mostram que existem hoje 29 associações autorizadas pelo INSS a praticar “desconto de mensalidade associativa” nos benefícios de aposentadoria e pensão, por meio de acordos de cooperação técnica. No início do ano passado, eram 21 entidades aptas a aplicar a contribuição em troca de supostos serviços oferecidos aos associados, como assistência em saúde.

Perguntar não ofende: Quem vai dançar na próxima canetada da governadora?

Dá para acreditar, trabalhador?

Hoje, Dia do Trabalhador, é de reflexão. O que o terceiro Governo Lula mudou na vida dos trabalhadores? Em pronunciamento ontem, em rede nacional de TV e rádio, o ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho, falou em avanços importantes. Disse que nos três primeiros meses deste ano, foram gerados 719 mil empregos formais, 34% a mais do que no mesmo período do ano passado.

“Desde o início do governo Lula já foram gerados 2190 milhões de empregos formais”, garantiu. Luiz Marinho destacou o crescimento do emprego formal e o aumento dos empregos no setor da indústria e na construção. Segundo dados do Novo Caged, de janeiro a março de 2024 foram criados 719 mil empregos (419 mil nos serviços; (58%) 155 mil na indústria e 110 mil na construção).

O aumento é 34% maior em relação ao mesmo período do ano passado. Os dados mostram ainda 47 mil empregos para aprendizes e 17 mil empregos para estrangeiros. No mesmo período, foram contratados 364 mil jovens de 18 a 24 anos, 326 mil mulheres; 5.067 mil pessoas com nível médio completo ou superior incompleto e 91 mil pessoas com nível superior.

“Uma conquista importante foi a valorização real do salário-mínimo. No primeiro ano do governo Lula, foi enviado um Projeto de Lei ao Congresso Nacional para retomar a Política de Valorização do Salário-Mínimo. Com isso, o salário-mínimo passou, em 2024, para R$1.412,00. Sem a política de valorização, seria apenas de R$742,00, 53% menor dos atuais R$1.412,00”, destacou.

O salário-mínimo beneficia 60 milhões de pessoas, já que é referência para aposentadorias, pensões, seguro-desemprego e abono-salarial. Além da isenção do Imposto de Renda para quem ganha até dois salários-mínimos, e o compromisso de chegar em 2026 com isenção para quem ganha até R$5 mil reais. Será que os trabalhadores estão enxergando essas melhorias em suas vidas apontadas pelo ministro do Trabalho?

Igualdade salarial – Para o ministro, uma das ações que merece comemoração neste ano é a Lei de Igualdade Salarial.  “Através dela, o País caminha para corrigir as distorções salariais, estabelecendo a igualdade salarial e critérios remuneratórios entre mulheres e homens no ambiente de trabalho. “Esse é um compromisso que se manifesta através da lei de nossa autoria, garantindo equidade entre mulheres e homens, com salário igual para trabalho igual”, disse, adiantando que a iniciativa foi do Ministério do Trabalho e Emprego e do Ministério das Mulheres.

Quem vale mais, o agro ou o MST? – O mesmo ministro deu uma derrapada, ontem, criando mais um foco de tensão ante o agronegócio, segmento que tem mantido o crescimento do PIB. Segundo o repórter Houldine Nascimento, do Poder-360, Luiz Marinho disse que os pequenos agricultores têm papel muito mais significativo no abastecimento interno do que o agro. Marinho também defendeu o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra) e afirmou que o grupo “bota alimento” na mesa dos brasileiros.

Nariz torcido – “Quem bota alimento na mesa do povo brasileiro de verdade são as pequenas propriedades, os pequenos agricultores, é a agricultura familiar, os assentamentos do MST, que muita gente torce o nariz quando fala, mas essa é a verdade”, declarou. O ministro minimizou a atuação do agronegócio no consumo interno ao dizer que tem papel importante como “exportador”. Ele reconheceu que houve dificuldades com a alta dos alimentos no 1º trimestre. “Nós devíamos ter tomado providência de importar arroz da Venezuela, por exemplo, porque houve uma diminuição da área plantada no Brasil”, disse.

No ataque pela desoneração – O presidente do Congresso Nacional, senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG), comprou a briga pela desoneração da folha de pagamento em 17 setores da produção, medida que o Governo quer acabar. Ele disse, ontem, que o governo federal terá uma “vitória ilusória” no Supremo Tribunal Federal (STF), na ação sobre a desoneração. “Ainda que vitorioso saia numa decisão liminar ou definitiva, acaba sendo uma vitória ilusória porque resolve um ponto, mas gera uma crise de confiança na relação entre os Poderes, para outros tantos temas que pressupõem uma relação de confiança que, pelo menos de minha parte, eu sempre busquei externar ao poder Executivo”, afirmou.

Quem vai levar? – O embate final entre o Governo Raquel Lyra e a oposição na Assembleia, no capítulo do projeto das faixas salariais dos militares e bombeiros, está agendado para a próxima terça-feira. Para o deputado Alberto Feitosa, da bancada do PL, o cenário é muito favorável pela derrubada do projeto do Governo e aprovação do substitutivo da deputada Gleide Ângelo (PSB), que tende a ser apresentado novamente, caso a proposta oficial seja rejeitada.

CURTAS

SEGURANÇA 1 – Na solenidade que a Polícia Civil concedeu, ontem, medalhas do “Mérito Policial Civil” para 165 policiais e integrantes da sociedade civil que ajudaram a fortalecer a corporação ao longo de 207 anos, a governadora Raquel Lyra afirmou que sua gestão tem uma estratégia muito clara: “Pernambuco precisa voltar a ser um estado seguro”, disse.

SEGURANÇA 2 – E acrescentou: “Estamos mudando tudo, renovando quadros e fazendo concursos. É o maior investimento em segurança da nossa história”. Para ela, “é importante homenagear as pessoas que ajudaram a fazer um Pernambuco mais seguro, dedicando suas vidas e suas energias”.

APROVADO – O plenário do Senado aprovou, ontem, o projeto de lei que reformula o Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse). O secretário do Tesouro Nacional, Rogério Ceron, disse que não há espaço para a ampliação de novas renúncias fiscais. O Ministério da Fazenda defendeu que o limite do programa ficasse em R$ 15 bilhões, conforme aprovado na Câmara, para evitar um impacto fiscal ainda maior.

Perguntar não ofende: O trabalhador tem algum motivo para comemorações hoje?

Derrotas se dão por falta de diálogo

Nunca um governo sofreu tantas derrotas seguidas no Legislativo em Pernambuco quanto o de Raquel Lyra (PSDB). Já houve até revés que a obrigou a recorrer ao Supremo Tribunal Federal quando os deputados tentaram mexer no orçamento deste ano. Ontem, mais uma vez, a oposição confirmou que o castelo do governo tucano é de areia.

A Comissão de Constituição, Legislação e Justiça (CCLJ) da Alepe aprovou a emenda que antecipa o fim das faixas salariais da PM e Bombeiros para 2025, indo contra o projeto da governadora, que prevê a extinção das faixas um ano depois, em 2026. O substitutivo, de autoria da deputada estadual Gleide Ângelo (PSB), já havia sido aprovado na Comissão de Segurança Pública, na semana passada.

A relatora na CCLJ, Débora Almeida (PSDB), deu parecer contrário ao substitutivo. Alegou que os deputados não podem gerar despesas ao Estado, mas não foi acatada. Gleide Ângelo (PSB) diz que há espaço no orçamento para a antecipação do fim das faixas salariais. “A gente não está infringindo em nada a lei orçamentária e fiscal do Estado”, reforçou.

Segundo ela, o Estado tem condições de pagar. “Há recursos no orçamento e junto com isso vamos fazer justiça com a categoria”, acrescentou. Em votação nominal, cinco deputados votaram a favor: Sileno Guedes (PSB), Alberto Feitosa (PL), Rodrigo Farias (PSB), Romero Albuquerque (União Brasil) e Waldemar Borges (PSB). E três seguiram a orientação do Governo – Luciano Duque (Solidaridade), Joaquim Lira (PV) e Débora Almeida (PSDB).

A sétima ou oitava derrota de Raquel, não sei ao certo porque perdi as contas, é consequência de um governo fraco, que não valoriza nem preza o diálogo. Fraco em articulação, composto por uma equipe despreparada. Raquel quebra uma tradição histórica no Estado: a de governar sem uma maioria confortável na Assembleia. Os poucos parlamentares que ainda apresentam boa vontade com o Governo já a comparam a um mandacaru, arbusto que não dá sombra nem encosto para ninguém.

Escalonamento – Ao ser informada de mais uma derrota na Alepe, a governadora comentou: “Lamento muito. O compromisso nosso com o fim das faixas salariais permanece e estamos fazendo isso com muita responsabilidade. Se fosse algo simples, quem criou já tinha resolvido. A gente assumiu o compromisso, depois de um ano de muito trabalho, apertando os cintos, porque a gente não tinha recursos para fazer isso. Para garantir o fim das faixas salariais, é necessário um escalonamento ao longo do tempo”.

Raquel diz que PMs estão ao seu lado – Para a governadora, não está faltando diálogo com as categorias envolvidas. “Eu sei que a categoria está com a gente. Qualquer tipo de pesquisa junto aos policiais comprovará isso. Houve e está havendo diálogo com os policiais e bombeiros militares. Eles sabem que estamos dando o máximo do nosso esforço enquanto governo para garantir a extinção das faixas salariais e a reestruturação das carreiras”, desabafou.

Vitória no Supremo – O plenário virtual do Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria para referendar a liminar que suspende trechos da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) aprovada pela Assembleia Legislativa de Pernambuco, no ano passado. Ao todo, cinco ministros votaram para acompanhar o relatório de André Mendonça para suspender trechos da matéria. Neste sentido, se posicionaram os magistrados Edson Fachin, Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Flávio Dino. A decisão atende pedido feito pelo Governo de Pernambuco, que judicializou a proposta aprovada pelo Legislativo pernambucano por entender que o texto era inconstitucional. Este processo intensificou o embate entre os Poderes Executivo e Legislativo, que se arrastou ao longo do ano passado.

Dá para acreditar? – Após meses de relatos de quedas de energia e prejuízos em todo o Estado, o diretor-presidente da Neoenergia em Pernambuco, Saulo Cabral, disse, ontem, que a companhia vai investir R$ 5,1 bilhões na expansão e modernização da rede elétrica em cinco anos. Segundo ele, os problemas passarão a ser “menos frequentes”. Entre as melhorias previstas, anunciou a construção de 13 novas subestações, incluindo duas no Recife e outras onze em Paulista, Jaboatão dos Guararapes, Cabo de Santo Agostinho, Ipojuca e Itapissuma, na Região Metropolitana; e nas cidades de Sirinhaém, Ribeirão, Garanhuns, Cachoeirinha, Arcoverde e Petrolina, no Interior.

Secretária estilo Rolando Lero – A secretária estadual de Saúde, Zilda Cavalcanti, enfrentou um bombardeio de críticas, ontem, na audiência pública na Alepe, para a qual foi convocada. Ela se enrolou para explicar a razão da governadora Raquel Lyra, com quase um ano e meio de gestão, não ter retomado as cirurgias para corrigir problemas no quadril e na coluna decorrentes da síndrome causada pelo zika vírus em crianças com microcefalia. Informou que fez uma compra emergencial de 20 placas ortopédicas que serão entregues esta semana para dar continuidade às cirurgias. “Além da rede própria, o Estado está providenciando, em 15 dias, a contratação de hospitais filantrópicos para realizar o atendimento dessas crianças”, disse, sem convencer. A audiência foi provocada pelo deputado Gilmar Júnior, da bancada do PV na Casa.

CURTAS

PRISÃO PREVENTIVA – A mulher de 27 anos que levou um tapa de uma policial militar por espancar a própria filha teve a prisão em flagrante convertida em prisão preventiva, após passar por audiência de custódia. A audiência de custódia ocorreu durante o plantão judiciário, sábado passado, no Fórum de Vitória de Santo Antão, cidade em que o caso aconteceu.

BOM PASTOR – A mulher, que não teve o nome divulgado para preservar a identidade da criança, foi encaminhada para a Colônia Penal Feminina Bom Pastor, localizada no Engenho do Meio, no Recife. Segundo o Tribunal de Justiça, o processo referente ao caso foi distribuído para a 1ª Vara Criminal de Vitória de Santo de Antão.

QUE HORROR! – O Brasil alcançou, ontem, a marca de 4.127.571 de casos prováveis de dengue em 2024. A informação consta na mais recente atualização do Painel de Monitoramento das Arboviroses, abastecido com base em dados do Ministério da Saúde. No total, são 1.937 mortos pela doença. Esta é a maior quantidade de óbitos confirmados desde o início da série histórica no país, em 2000. O número supera, inclusive, o recorde registrado em todo o ano de 2023 (1.094 mortes).

Perguntar não ofende: Com essa matança alarmante pela dengue, Lula também será chamado de genocida?

Uma eleição dentro da outra

Em Pernambuco, as eleições municipais de outubro ganham um componente diferente: a de desenhar antecipadamente o cenário da disputa seguinte, em 2026, para o Governo do Estado. Tudo porque os olhos dos pernambucanos estarão voltados para o Recife. Dependendo do tamanho que o prefeito João Campos (PSB) sair da sua reeleição, a governadora Raquel Lyra (PSDB) já conhecerá de antemão o seu adversário.

Nas tertúlias políticas de cientistas e marqueteiros, em bares e em qualquer roda que se coloque a pauta da eleição, o que se ouve é que Raquel tem pela frente o desafio de recuperar a sua imagem, melhorando a gestão, apresentando resultados concretos ao povo, para João não representar uma ameaça real ao projeto dela de emplacar a reeleição.

Não há um só analista que não diga o seguinte: João está muito bem, Raquel vai muito mal. Se isso não mudar, João come o cartão de Raquel em 2026. Para que isso não venha de fato se transformar numa realidade crua e irreversível, a governadora terá também de mostrar força eleitoral, além de apresentar realizações em obras de pedra e cal.

Tem que, por exemplo, se converter numa eleitora influente no Recife, para provocar uma eleição em dois turnos, o que, ocorrendo, deixaria o prefeito sem o mesmo tamanho de uma reeleição em primeiro turno. Teria que emplacar aliados importantes nos principais colégios eleitorais do Estado, da Região Metropolitana ao Sertão.

Mas, no Recife, Raquel não lança mão de um candidato competitivo. Daniel Coelho, o candidato dela, aparece com traços nas pesquisas, enquanto quem surpreende é o representante do bolsonarismo. Ex-ministro do Turismo, Gilson Machado, que disputará a Prefeitura da capital pelo PL, aparece em segundo lugar, com 21,4% das intenções de voto, enquanto Daniel tem apenas 3%, segundo o levantamento do Atlas-CNN, divulgado na semana passada.

BOLSONARISMO RESISTENTE – O fator Gilson Machado acende uma luz amarela no Palácio das Princesas e traz, ao mesmo tempo, uma preocupação ao prefeito João Campos. Mostra que o bolsonarismo está mais vivo no maior colégio eleitoral do Estado do que ele imaginava, podendo ser o fator preponderante para provocar um segundo turno, desde que o candidato de Raquel reaja. Isso sem levar em consideração a incógnita PT, que pode lançar candidato próprio, caso não arrebate a vaga de vice na chapa de João.

Em Caruaru, não pode fracassar – Ainda em relação aos desafios eleitorais de Raquel, a tucana não pode perder em Caruaru. Bem avaliado e com dez pontos à frente de José Queiroz (PDT), o prefeito Rodrigo Pinheiro (PSDB) é a grande aposta da governadora. Por Caruaru ser a sua terra, município que governou e que a projetou como gestora, seria muito ruim seu grupo não sair vitorioso de lá. Queiroz não é um adversário qualquer. Tem histórico de bom gestor, o apoio de Lula e a influência de João Campos, que se irradia além do território recifense.

Petrolina adversa – Além do desafio de Caruaru, o cenário para a governadora é amplamente desfavorável em Petrolina, maior colégio eleitoral do Sertão, cujo prefeito Simão Durando, do grupo Coelho, lidera com folga as pesquisas para reeleição. Ali, além de Durando vir fazendo uma boa gestão, quem canta de galo é o ex-prefeito Miguel Coelho, que disputou o Governo do Estado nas eleições passadas e não chegou ao segundo turno em razão de uma fatalidade: a comoção pela morte do marido de Raquel no dia da eleição.

PSB tende a reinar em Garanhuns – Já em Garanhuns, maior colégio eleitoral do Agreste Meridional, as pesquisas também indicam a preferência do eleitorado pela reeleição do prefeito Sivaldo Albino (PSB), com quem ela se atritou por causa de divergências na promoção do Festival de Inverno no ano passado, fez um aceno de entendimento para o evento deste ano, mas não cumpriu a palavra. Garanhuns é, também, a terra do líder do Governo na Alepe, Izaías Régis, ex-prefeito, que quer enfrentar Sivaldo, mas até o momento sem perceber gestos de euforia por parte da governadora.

Mato sem cachorro – Em Jaboatão, segundo maior colégio eleitoral do Estado, a governadora está no mato sem cachorro, literalmente. Seu partido, o PSDB, não lançou candidato e os nomes que se apresentam para uma aliança estão no campo da oposição, como Daniel Alves, do Avante, e Elias Gomes, do PT. Só restam o prefeito Mano Medeiros (PL) e a pré-candidata do PP, Clarissa Tércio. Dificilmente, optará pelo palanque de Mano por ser o candidato de Bolsonaro. E se apostar em Clarissa, também irá se misturar ao bolsonarismo. Embora o PP, de Dudu da Fonte, esteja na base do Governo Lula, Clarissa é uma bolsonarista doente, irrecuperável.

CURTAS

SERRA TALHADA – Em Serra Talhada, segundo maior colégio eleitoral do Sertão, Raquel sinaliza para subir no palanque da prefeita Márcia Conrado, embora filiada ao PT. O ex-prefeito Luciano Duque, principal adversário de Conrado, está no Solidariedade, que faz parte da base do Governo, mas não tem a mesma “solidariedade” da governadora.

CABO – Para o Solidariedade, igual cenário se observa no Cabo. Ali, quem lidera as pesquisas é o deputado e ex-prefeito Lula Cabral, filiado ao partido, mas, até o momento, sem nenhum aceno da parte da governadora para um apoio efetivo e declarado.

PAULISTA – Fato novo em Paulista: o ex-prefeito Júnior Matuto, pré-candidato a prefeito pelo PSB, convenceu a Irmã Iolanda, também socialista, vereadora mais votada nas eleições de 2020, a fechar a chapa dele como candidato a vice. Em pesquisas para prefeito, Iolanda desponta numa posição destacada.

Perguntar não ofende: Se o PT não emplacar a vice de João, quem vai lançar para disputar a Prefeitura do Recife?