De bigu com a modernidade

Os brasileiros e o amor por seus carros 

Levantamento realizado pela Bain & Company a partir da ferramenta NPS Prism, principal plataforma de avaliação da experiência dos clientes da consultoria, mostra que as marcas de automóveis mais bem avaliadas no Brasil e México têm NPS, em média, 23 pontos acima dos líderes em EUA, Canadá e China. No Brasil, um em cada dez proprietários de automóveis afirma que sua satisfação e motivação para recomendar suas marcas de veículos são essencialmente de natureza emocional. Esses sentimentos permeiam suas declarações, que incluem menções ao veículo como “objeto dos sonhos”, investimento de uma vida inteira e símbolo de status, além de expressarem uma identificação com marca e fabricante. A confiança depositada nas marcas automotivas também se destaca como um tema mais recorrente entre os promotores de veículos no Brasil e no México na comparação com os demais países do estudo.

Independentemente do país de origem, os proprietários de veículos em todas as regiões pesquisadas convergem na valorização dos atributos de custo-benefício e segurança como os mais relevantes. No entanto, embora os latino-americanos tenham uma conexão mais emocional com seus automóveis, é interessante notar que as características funcionais, como segurança, custo-benefício, estrutura e performance, também superam a valorização observada em outros países.

A indicação da sustentabilidade como um critério a ser considerado na escolha de veículos tem crescido, mas ainda não é um dos pontos principais para os consumidores. Uma tendência que a pesquisa NPS Prism identificou em todos os países avaliados é que os proprietários de veículos de luxo demonstram uma sensibilidade maior em relação às questões de  sustentabilidade quando comparados aos donos de veículos de massa.

No Brasil, porém, a diferença entre a importância atribuída à sustentabilidade por proprietários de veículos de luxo e os de massa é a maior de todos os países e alcança 17 pontos percentuais. “Essa discrepância reforça uma necessidade de conscientização maior dos consumidores, mas reflete também a necessidade de políticas de incentivo que permitam que veículos sustentáveis sejam acessíveis a todos os públicos. Assim, cada vez mais consumidores brasileiros poderão aliar sua paixão por automóveis a uma postura mais amigável com o meio ambiente”, pondera Carlos Libera, sócio da Bain & Company. 

Fiat revela a picape Titano – Em anúncio feito em Milão (Itália) a marca pertencente ao grupo Stellantis revelou imagem da picape Titano e confirmou que agora vai entrar no segmento das picapes médias para enfrentar Nissan Frontier, Toyota Hilux, Chevrolet S10 e outras feras do mercado brasileiro. A chegada será no ano que vem. A Titano se baseia na Peugeot Landtrek, que nunca chegou a aparecer no Brasil, tendo vários detalhes compartilhados. A nota da Fiat diz que ela irá focar em “design, tecnologia e capacidade off-road no Brasil” e anuncia seu lançamento também para a Argélia – onde se destaca a “eficiência de combustível e força”. Lá, ela terá motor 1.9 turbodiesel de 150cv e 35,7 kgfm.

Corolla Cross com motor 2.0 flex – A Toyota anunciou essa semana que, atendendo a pedidos dos consumidores, o SUV Corolla terá uma nova versão, mas não será híbrida: a Corolla Cross XRX 2.0. Agora esta é a sexta configuração disponível para o SUV, que terá todos os equipamentos Cross XRX Hybrid e custa R$ 190.290 e já está disponível para compra nas lojas da marca. Ela leva bancos de couro com ajuste elétrico de altura para o motorista, painel de instrumentos com tela TFT de 7″, central multimídia de 9″, conectividade com Android Auto e Apple CarPlay, volante com regulagem de altura e profundidade, ar-condicionado de duas zonas e teto-solar. Toyota lança nova versão XRX a combustão para o Corolla Cross

Defender P400e: 30 km/l – A Land Rover acaba de anunciar no Brasil algumas novidades para o decano Defender. O modelo Defender P400e, com conjunto híbrido plug-in a gasolina, agora combina o motor 2.0 turbo a gasolina de 300cv com propulsor elétrico de 104 cv, além de uma bateria de 19,2 kWh. O conjunto entrega 404 cv de potência total e promete alcance elétrico de 51 km . Com isso, a autonomia chega a 760 km. O modelo também ficou mais econômico e é capaz de alcançar até 30,3 km/l. A aceleração de 0 a 100 km/h é feita em 5,6 segundos e velocidade máxima de 191 km/h. Preço? R$ 760.250.

BYD bate Ford, Ram e Peugeot – A marca chinesa que acaba de assumir a fábrica da Ford em Camaçari, na Bahia, vendeu 3.622 unidades em novembro, ocupando a 12ª posição no ranking das brasileiro, superando a Ram (3.441 mil), a Peugeot (3.396) e a Ford (2.800). Isso levando-se em conta os elétricos e híbridos, conforme balanço da Fenabrave. O compacto BYD Dolphin, por exemplo, foi o carro elétrico mais vendido em novembro, com 1.694 emplacamentos, conforme dados da Associação Brasileira do Veículo Elétrico.

No total, a marca chinesa licenciou 2.099 elétricos em novembro, o que lhe garantiu a liderança no referido segmento pelo quarto mês consecutivo. 

Elétrico supera diesel na Europa – O portal Motor1 mostrou que as vendas de carros elétricos na Europa continuam em ritmo acelerado. Em outubro, o crescimento foi de 36,3% na comparação anual, atingindo 121.808 unidades. Por outro lado, os carros a diesel tiveram uma queda de 13,2% no mesmo período, sendo ultrapassados pela primeira vez na história pelos veículos elétricos a bateria. De acordo com a Associação Europeia de Fabricantes de Automóveis, no acumulado de janeiro a outubro foram 1,23 milhão de carros elétricos vendidos na Europa, um aumento de 53,1% em comparação com o mesmo período do ano passado. Os modelos a diesel chegaram perto, com 1,22 milhão de unidades. Os elétricos já têm 14,2% de participação de mercado, contra 12% dos modelos a diesel.

Dez meses, 1,3 milhão de motos produzidas – A produção das fabricantes de motocicletas instaladas no Polo Industrial de Manaus (PIM) acumulou 1.323.004 unidades até outubro, resultado que representa evolução de 10,4% sobre idêntico período do ano passado (1.198.889). Os dados foram divulgados pela Abraciclo, a associação do setor. Eles indicam que os fabricantes deverão fechar o ano com o crescimento de 10% projetado em janeiro, apesar das dificuldades geradas pela seca de Manaus, que tem dificultado a chegada de peças nas fábricas. “A indústria opera dentro do que foi planejado e a demanda do mercado continua em alta”, afirma o presidente da Abraciclo, Marcos Bento, lembrando que a meta é chegar a 1,56 milhão de motos produzidas em 2023. A produção em outubro chegou a 131.331 motocicletas, retração de 4,4% na comparação com o mesmo mês de 2022 (137.346 unidades) e de 6,4% sobre setembro (140.251 motocicletas). Esse recuo é atribuído pela Abraciclo ao menor número de dias úteis em outubro. Por causa da seca, alguns fabricantes decidiram antecipar as férias de final de ano para este mês de novembro, caso da Yamaha e Kawasaki. 

Nissan: 600 mil veículos em Resende –  A Nissan celebrou este mês a produção de 600 mil veículos no Complexo Industrial de Resende, no Rio. O marco acontece no momento em que a unidade fabril entra em uma nova fase, com o recente anúncio do investimento de R$ 2,8 bilhões para a produção de dois novos SUVs (um deles, o novo Kicks) e um motor turbo. A unidade número 600 mil foi um Nissan Kicks Exclusive CVT. Desde junho de 2017, quando a fábrica da Nissan no Brasil deu início à produção do modelo, cerca de 324 mil unidades do crossover saíram da sua linha de montagem.  Em abril de 2014, produziu também os modelos Nissan March, Nissan Versa e Versa V-Drive. 

NE: recuo nos preços de combustíveis – A região Nordeste registrou, em novembro, queda nos preços médios dos litros do diesel comum, diesel S-10 e do etanol. Foi o que revelou a última análise do Índice de Preços Edenred Ticket Log (IPTL), levantamento que consolida o comportamento de preços das transações nos postos de combustível, trazendo uma média precisa. As reduções foram de 0,64%, 0,63% e 0,23%, respectivamente, e os valores médios de comercialização foram de R$ 6,22, R$ 6,30 e R$ 3,58 para esses combustíveis. Já a gasolina encerrou o mês a R$ 5,89 na região, mantendo-se estável em relação à primeira quinzena de novembro. Destaque para o estado do Rio Grande do Norte, que liderou o ranking nacional com o preço médio mais baixo para o combustível, a R$ 5,62. Ademais, o estado alcançou a maior redução de preço no período, registrando uma queda significativa de 1,06%.

Incentivo ao ciclismo – O governo federal finalmente sancionou a Lei nº 14.729,  que define o uso de bicicletas como meio de transporte e estimula a participação popular no processo de implantação de infraestruturas destinadas à circulação de bicicletas. A ideia é ampliar o uso de novos meios de transporte com o envolvimento da sociedade civil nos processos, no âmbito do Programa Bicicleta Brasil (PBB). E mais: os municípios que tenham intenção de ampliar o seu perímetro urbano devem elaborar projeto específico que contenha planejamento integrado de transporte urbano inclusive por meio de veículos não motorizados. O objetivo é melhorar a mobilidade.

Radares deverão ter painel eletrônico – Está tramitando na Câmara dos Deputados um projeto de lei para mudar a regra sobre medidor de velocidade de veículos para fins de comprovação de infração de trânsito. De autoria do deputado Luiz Fernando Faria (PSD/MG), ele determina que todos os radares tenham painel eletrônico (display) que mostre ao condutor a velocidade registrada. Isso conferiria mais transparência aos atos de fiscalização praticados pelos órgãos de trânsito. Segundo o parlamentar, estando o medidor de velocidade mais visível, é mais provável que o condutor, ainda que desatento, atenha-se ao limite de velocidade estabelecido para a via. “Queremos, em última instância, que o veículo transite abaixo da velocidade máxima. Não compete para o bem comum instalar equipamento para simplesmente aplicar a multa assim como permitir que o veículo continue transitando em velocidade inadequada em razão da desatenção do condutor”, justifica.

Dicas para comprar seu primeiro carro – Em um mercado automotivo cada vez mais diversificado e competitivo, a decisão de comprar um carro pode ser desafiadora. Por isso, é preciso tomar cuidado nesta hora para escolher o veículo ideal e sem cair em ciladas, principalmente se é a sua primeira compra de um automóvel. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2022, no Brasil, 36,9 milhões de lares possuem automóvel. E ainda de acordo com uma pesquisa realizada pela OLX, plataforma de compra e venda online de veículos no Brasil, os jovens da Geração Z, com idade de 18 a 28 anos, são cautelosos e não tratam a compra do primeiro carro como prioridade absoluta. Mas, em contrapartida, até julho de 2023 foram registrados 121.398 carros e comerciais leves emplacados no país. Em suma: a procura por um veículo, seja o primeiro ou não, ainda é crescente. Para orientar os consumidores nessa importante tarefa da compra do primeiro veículo, a assessoria de assuntos econômicos do Sindipostos Ceará destaca algumas dicas fundamentais que podem fazer a diferença na escolha do modelo e na hora da compra.

  1. Estabeleça um orçamento realista – Antes de iniciar a busca por um carro, é essencial definir quanto se vai (ou se pode) gastar. Considere não apenas o valor de compra, mas também os custos de manutenção, seguro e combustível. Isso ajuda a evitar surpresas financeiras desagradáveis no futuro.
  2. Pesquise e compare modelos – Com uma variedade impressionante no mercado, dedicar tempo à pesquisa é crucial. Compare características como consumo de combustível, espaço interno, tecnologia embarcada e, é claro, o histórico de confiabilidade da marca.
  3. Novo ou usado? – Avalie suas necessidades. A decisão entre um carro novo e um usado depende das preferências individuais e das necessidades do comprador. Carros novos geralmente oferecem as últimas tecnologias, enquanto modelos usados podem proporcionar uma economia significativa. Avalie cuidadosamente suas prioridades.
  4. Condições de financiamento – Ao considerar essas opções, esteja atento às taxas de juros, prazos e condições gerais. Negociar com diferentes instituições financeiras pode resultar em condições mais favoráveis, proporcionando economia a longo prazo.
  5. Test-drive é fundamental – Nada substitui a experiência prática de um test-drive. Antes de fechar negócio, reserve um tempo para dirigir o carro desejado. Avalie o conforto, a dirigibilidade e verifique se atende às suas expectativas.
  6. Verifique a reputação do vendedor – Seja ao comprar de uma concessionária ou de um vendedor particular, fique de olho. Avaliações online, recomendações de amigos e pesquisas sobre histórico de vendas.
  7. Documentação em ordem – Certifique-se de que toda a documentação relacionada à compra esteja em ordem. Isso inclui o histórico do veículo, comprovantes de manutenção e documentos de transferência de propriedade.

Em resumo, comprar um carro exige planejamento e pesquisa. Mas com alguns cuidados, e seguindo certas dicas, os futuros compradores podem estar melhor preparados para tomar uma decisão informada na busca pelo carro dos sonhos, garantindo uma experiência de compra mais tranquila, satisfatória e que a compra do veículo seja, não apenas um sonho realizado, mas também um investimento consciente.

Renato Ferraz, ex-Correio Braziliense, tem especialidade em jornalismo automobilístico

VW Saveiro Trendline: picape inova e fica mais confortável 

As picapinhas de cabines simples, geralmente vendidas a frotistas, locadoras e, principalmente, pequenos empreendedores – de açougues a funerárias -, raramente ofertam itens de comodidades e até de segurança (neste último quesito, costumam ser apenas os dois airbags e os freios ABS obrigatórios por lei). Mas uma versão da nova Saveiro, a de cabine simples, consegue dar algum conforto a quem passa o dia dentro dela levando e trazendo mercadorias nas grandes e médias cidades: a Trendline, testada pela coluna. De série, ela tem ar-condicionado com filtro de poeira e pólen, assistente para partida em subidas, direção hidráulica, chave tipo canivete, freios a disco nas quatro rodas, sensor de estacionamento traseiro e vidros e travas elétricas. Por fora, de diferente das demais, só faixas afixadas laterais.  Mas como o que vale é conforto e comodidade e, se der, alguma beleza, a Volkswagen, em compensação, abriu dois pacotes de opções que tornaram a Trendline uma boa opção para o dia a dia. Por exemplo: um deles oferece retrovisores com ajustes elétricos, brake-light, portas com acabamento de tecido, computador de bordo e alarme. O de interatividade acrescenta central multimídia de 7 polegadas com Android Auto e Apple CarPlay, alto-falantes e volante multifuncional. 

Isso, claro, vai lhe custar mais R$ 5,3 mil. Além disso, há outro que acrescenta rodas de liga-leve de 15 polegadas, faróis de neblina, capota marítima, ganchos deslizantes na caçamba, câmera de ré e volante com ajustes de altura e profundidade. O preço-base da Trendline é R$ 101.490. Mas essa customização vai elevar o preço dela, claro. Vejamos: pela cor cinza oliver, o cliente que desembolsar R$ 1.650; ao acrescentar os dois pacotes (interatividade ou o que leva câmera de ré, por exemplo), no final fica em R$ 110.575. Vale? Vale. Há estudos mostrando que esses profissionais passam até 12 horas circulando, estressados, só com pequenas interrupções de paradas para descarga. Que tal oferecer mais conforto – como um volante multifuncional com comando de sistema de som – e ganhar mais produtividade e até segurança?

A Saveiro é a segunda picape mais vendida. Em outubro, emplacou 4.214 unidades – bem abaixo do Fiat Strada, com 11.874 e até versões ‘premium’ de até R$ 130 mil, como a Ranch e a Ultra, mas bem melhor que a Chevrolet Montana, na quinta posição, com  2.924.

Isso já é resultado da atualização recente – embora daquelas pontuais, que duram três anos e serve, como a Volks já se manifestou, para dar um ar ainda mais robusto à picapinha labuteira. O capô (que ficou mais alto) e grade frontal ganharam friso cromado. Também teve leves reestilizações nos faróis, no para-choque, no desenho das rodas e até na tampa.

O motor continua 1.6 16V de 116 cv e 16,1kgfm com o câmbio manual de cinco marchas. A Volks já havia dito que não traria mesmo a transmissão manual em função ‘dos elevados custos’ de adaptação a tecnologia – e a assim a Fiat Strada, com opções mais luxuosas, motor turbo e câmbio automático, reina no segmento. Mesmo com esse conjunto, a Saveiro cabine simples testada faz de 0 a 100 km/h em 9,9 segundos, alcançando 181 km/h de velocidade máxima. O desempenho das versões com cabine dupla, segundo os engenheiros da marca, são um pouco mais lentos. Os dados de consumo seguem a mesma linha, com as CS gastando menos: 11,5km/l, com gasolina, na cidade, e 12,9km/l, na estrada. 

Novo Citroën Aircross: a partir de R$ 110 mil – A francesa Citroën, do grupo Stellantis, apresentou o renovado C3 Aircross, SUV compacto produzido em Porto Real, no interior do Rio de Janeiro – e com mais de 75% de seus componentes sendo fabricados na região. A grande novidade é a configuração para transportar sete pessoas e, assim, concorrer com o Spin, da Chevrolet (mas só no ano que vem). Dos R$ 110 mil para as vendas online, os preços podem ir (somente a de cinco lugares) a R$ 130 mil. 

Outro detalhe importante: todas as versões vêm com o motor 1.0 turboflex de até 130 cv, de 20,4kgfm e acoplado a uma transmissão automática CVT de sete velocidades. Ele já é usado nos Fiat Pulse e Fastback e no Peugeot 208. O modelo tem painel digital customizável de 7 polegadas, multimídia de 10 polegadas, controle de velocidade e saída de ar no teto (extra) com ajustes para os ocupantes dos bancos de trás.

Aliás, como de esperar, esta ganha uma dupla de bancos individuais no porta-malas, com um inédito sistema de remoção dos bancos – que pesam, cada, 8 kg. Com isso, o estepe se muda para baixo do carro. Por isso, seu compartimento de bagagem pode comportar até 493 litros – o maior porta-malas entre todos os rivais diretos. E esse espaço pode crescer ainda mais de acordo com a necessidade: com os bancos da segunda fileira rebatidos são mais de 1.000 litros de volume útil dentro da cabine.

Confira versões e preços (5 lugares)

  • Feel turbo 200 AT: R$ 110 mil
  • Feel Pack turbo 200 AT: R$ 120 mil
  • Shine turbo 200 AT: R$ 130 mil

O modelo inclui as três primeiras revisões grátis, valores reduzidos para a cesta de peças, seguro e ampla gama de acessórios. A Citroën é a 11ª marca do Brasil, com 1,5% de participação, e quer chegar a 4%.

Ford mostra a Ranger Raptor – Ela é desenvolvida pela Performance, divisão esportiva da marca americana, e chega, ainda em pré-venda, para ser a picape mais rápida do mercado brasileiro, fazendo de 0 a 100km/h em 5,8 segundos. Preço? A partir dos R$ 448,6 mil.  O motor é 3.0 V6 biturbo com potência de 397cv e torque de 59,45kgfm.

A Raptor é maior do que as demais versões da recém-renovada Ranger –  tem 10mm a mais no comprimento, por exemplo, com 5.360mm e 193mm na largura, com 2.208mm. Mas o entre-eixos é o mesmo, de 3.270mm.

Outros itens que fazem da nova picape mais chamativa para os fãs do off-road são o chassi redesenhado, a nova suspensão com amortecedores de competição Fox e as rodas e pneus especiais. Sua capacidade de imersão de 850 mm também é a maior da categoria. O modelo foi desenvolvido, aliás, como um projeto de engenharia independente.

Ela é equipada com transmissão automática de dez velocidades com calibração exclusiva, paddle shifter e modo manual, sete modos de condução, quatro modos de escapamento, diferencial dianteiro e traseiro blocante e ganchos de reboque e protetores inferiores. Conta também com painel digital de 12,4”, navegador off-road, iluminação 360°, multimídia SYNC 4 com tela de 12,4” e som da B&O.

Kombi elétrica por assinatura – Em lote limitado de 70 unidades, que comemora as sete décadas da Volkswagen do Brasil, a Kombi elétrica já está disponível no país, mas exclusivamente para assinantes do Sign & Drive, com franquia de rodagem de até 3.100 km por mês, a mais extensa do mercado. Preço? A partir de R$ 12.990. Os contratos têm a duração de 12, 24, 36 ou 48 meses, que incluem os serviços de manutenção, seguro, documentação, logística de entrega, assistência 24 horas, gestão de multas e serviço de rastreador. Além disso, clientes poderão optar por alugar ou comprar um wallbox de 7,4kW em condição exclusiva. Cheia de tecnologia, ela oferece faróis com tecnologia LED Matrix, lanternas traseiras 100% em LED, interior “vegano” feitos com materiais recicláveis, bancos com função massagem, câmera 360°, sistemas de condução e de estacionamento semi-autônomos etc. O ID Buzz, seu nome oficial, chega ao Brasil dez anos depois do fim da produção da saudosa Kombi.

GLC, SUV ou cupê: faça sua encomenda – Se você tiver uma grana extra, acima dos R$ 530 mil, já pode fazer sua reserva nas concessionárias Mercedes-Benz das novas versões do GLC, tanto o SUV quanto o cupê. Eles têm motorização eletrificada e desembarcam no Brasil em breve, ainda este ano. O 300 4Matic SUV custa R$ 531.900, mas o 300 4Matic cupê ainda não tem preço. Os dois modelos são equipados com motor de 258cv, que usa a tecnologia híbrida leve (um gerador de partida integrado e um sistema elétrico de bordo de 48 volts). Tanto o SUV como o cupê têm câmbio automático de 9 velocidades e sistema de tração integral.

Os lançamento globais da BMW – A BMW Motorrad revelou mundialmente a nova geração de suas motocicletas (roadster e cruisers) BMW R 12 nineT e R 12. Com motor boxer, as novidades mantêm o característico design que une linhas tradicionais com tecnologia e um conceito modular. Com dois cilindros, o motor boxer se une a uma transmissão por eixo, como já é marca registrada das motocicletas BMW. O propulsor refrigerado a ar/óleo com capacidade de 1.170 cm3 fornece 109 cv a 7.000 rpm na R 12 nineT e 95 cv a 6.500 rpm na R 12.  Como parte do redesenho completo do chassi, os novos modelos R 12 também apresentam uma nova caixa de ar, agora totalmente integrada sob o assento. Não há informações sobre preço ou chegada ao Brasil.

Dezembro e o exame toxicológico periódico – A data de vencimento da entrega de exames toxicológicos para condutores com a CNH nas categorias C, D e E está a menos de um mês perto do fim. Por isso, os motoristas devem se apressar para evitar a infração gravíssima, com perda de 7 pontos na carteira de motorista e multa no valor de R$1.467,35. “Os exames toxicológicos devem ser feitos nos laboratórios credenciados pela Secretaria Nacional de Trânsito (Senatran), a partir de amostras de cabelo, pelos ou unhas, para verificação do consumo de substâncias psicoativas. Os resultados levam, no máximo, 72 horas após a chegada da amostra no laboratório e são totalmente confidenciais”, garante o head da Chromatox, Jean Haratsaris. Como alerta, a Senatran enviará notificação eletrônica aos condutores comunicando o vencimento do prazo para a realização do exame com 30 dias de antecedência, além das penalidades decorrentes da sua não realização. Vale destacar que a CNH só será emitida ou renovada após a apresentação de um exame com resultado negativo. O motorista que tiver resultado positivo está impedido de obter ou renovar a sua habilitação até a apresentação de resultado negativo em novo exame. 

“À medida que nos aproximamos do prazo, é importante que os caminhoneiros e outros motoristas das respectivas categorias façam os exames para garantir a conformidade com as normas regulatórias em vigor. O toxicológico detecta o consumo de diversos tipos de substâncias psicoativas como maconha, cocaína, crack, anfetaminas, metanfetaminas, opióides, entre outras substâncias”, completa Jean Haratsaris.

Já a Secretaria Nacional de Trânsito (Senatran) informa que todos os motoristas profissionais C, D e E só poderão ser multados a partir de 28 de janeiro de 2024. Isso porque o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) prevê que se configura infração gravíssima “deixar de realizar (…) após 30 dias do vencimento do prazo estabelecido”, que é de 28 de dezembro de 2023. A Senatran ressalta que não existe a possibilidade de qualquer tipo de multa automática. Pela legislação brasileira, a punição só ocorre após transcorrer todo o processo administrativo. É preciso primeiro ser lavrado auto de infração de trânsito, com expedição de notificação de autuação, direto à defesa e notificação de penalidade. 

Preço da gasolina abaixo de R$ 6 – A análise do Índice de Preços Edenred Ticket Log (IPTL), levantamento que consolida o comportamento de preços das transações nos postos de combustíveis, revelou que o preço médio do litro da gasolina chega ao final de novembro a R$ 5,83, mesmo valor identificado na primeira quinzena do mês. Em relação a outubro, houve uma redução de 1,69% no custo. O litro mais econômico foi encontrado nos postos de abastecimento do Sul e do Sudeste, marcando R$ 5,73. Essa discrepância torna a gasolina aproximadamente 10% mais acessível no Sudeste e Sul em comparação com o Norte. O Rio Grande do Norte comercializou o combustível a R$ 5,62, liderando o ranking do preço médio mais baixo do país e alcançando a maior redução de preço no período, que foi de 1,06%. Em contrapartida, o estado de Goiás registrou o maior aumento em relação à primeira quinzena, com uma elevação de 0,71%, chegando a R$ 5,69.

Carros por assinatura: oferta dobra em três anos – O setor de locação está festejando o crescimento da modalidade carro por assinatura, a que mais cresce: foram 160 mil veículos em outubro. Para se ter uma ideia, no acumulado de 2020 eram 80 mil deles registrados. A Abla, associação das locadoras, diz que a demanda por carros por assinatura vem num crescimento contínuo desde que surgiu no Brasil no final da década passada. De 2021 para 2022 cresceu 11%, para 90 mil veículos. A alta foi de 18,1% no período seguinte, chegando a 110 mil veículos no ano passado. Em 2023, a expansão é de 31,2%.

Volks e o seu certificado de clássicos – Você tem Gol ou Fusca bem antigo? Então, fique ligado: o Certificado de Veículos Clássicos da empresa, nascido na Alemanha, agora está disponível também no Brasil. O documento reconhece características de produção de modelos clássicos fabricados no país e funciona como uma espécie de ‘certidão de nascimento’. Ele fornece, por exemplo, informações originais de produção coletadas a partir da base de dados da marca no Brasil desde o período inicial da operação nacional, nos anos 1950. A VW Collection emite o documento para modelos nacionais que tenham pelo menos 20 anos. A marca diz que o interesse de colecionadores do mundo inteiro pelos veículos clássicos brasileiros, como Kombi, Fusca, Brasília, SP2 e Gol, foi fator fundamental para oferecer o serviço. Quer mais informações? Vá ao site específico da marca.

Cuidados para lubrificar sua bicicleta – Esse blog fala de carros, mas também de mobilidade. Daí, algumas dicas para quem usa bicicleta – principalmente em relação à manutenção adequada, importante para obter um desempenho suave e prolongar a vida útil de seus componentes. Com ajuda da Motul, multinacional francesa especializada em lubrificantes e fluidos, listamos quatro cuidados fundamentais para alcançar a lubrificação ideal das magrelas:

1- Realize uma verificação recorrente da lubrificação: é essencial monitorar regularmente o estado de lubrificação da bicicleta. Por isso, uma fiscalização constante contribui para a preservação dos componentes e a prevenção de problemas de desempenho;

2- Faça a limpeza antes da lubrificação: tão importante quanto aplicar o lubrificante de corrente é garantir que ela esteja limpa antes da aplicação do produto. A limpeza adequada antes da lubrificação é crucial para assegurar que o lubrificante cumpra a sua função adequadamente. A lubrificação incorreta ou a falta dela pode acelerar o desgaste das peças e causar mau funcionamento;

3- Preste atenção às ferramentas utilizadas na limpeza: a fim de prevenir desgastes desnecessários, é necessário evitar o uso de escovas com cerdas metálicas, que podem danificar o conjunto. Em vez disso, ferramentas de limpeza adequadas que não comprometam a integridade dos componentes são a melhor opção;

4- Escolha o produto adequado para o tipo de uso e as condições climáticas: antes de aplicar o lubrificante, é preciso identificar as condições em que a bicicleta será utilizada e qual produto se encaixa melhor em cada modelo. “A lubrificação da transmissão é imprescindível, já que o conjunto se trata de um sistema primordial para a bicicleta”, afirma Caio da Luz de Freitas, engenheiro de Aplicações da Motul. “Quando a transmissão está corretamente lubrificada, ela reduz a resistência ao pedalar e o desgaste das coroas, do cassete e das polias do câmbio traseiro”, complementa.

Para bicicletas – Há linhas de produtos desenvolvidos para atender às necessidades específicas de bicicletas elétricas ou convencionais. Esses itens estão organizados em quatro categorias distintas:

  • Limpeza: produtos para limpar sujeira do quadro com ou sem água;
  • Desengraxe: para limpeza efetiva dos conjuntos de freio e corrente;
  • Lubrificação: para lubrificar e proteger a corrente e outros mecanismos;
  • Prevenção: para prevenir furos pequenos e médios de pneus sem câmara.

Renato Ferraz, ex-Correio Braziliense, tem especialidade em jornalismo automobilístico

Peugeot 208 Style: hatch ganha, enfim, um motor potente 

Numa avaliação feita do Peugeot 208 há três anos, esta coluna lembrava que o compositor Renato Russo pregava que ninguém deveria criar expectativas, e sobre qualquer coisa: elas causam lágrimas. No caso dos fãs do então 208, as ‘lágrimas’ foram de alegria. Nunca um 208 esteve tão bonito, tão tecnológico, tão gostoso de dirigir. Mas também houve lágrimas de tristezas por conta do motor, que destoava do conjunto. O tão diferente modelo vinha com um 1.6 aspirado que gerava 118cv – e com aceleração oficial de 0 a 100 km/h em 12,5 segundos. E com apenas 15,5kgfm de torque. Convenhamos, é pouco para um carro destinado aos que gostam – e entendem – de carros. Principalmente jovens que podem desembolsar até R$ 111.940 (incluindo uma cor metálica como a azul, por exemplo)

Com a correção de estratégia, agora, sim, tem-se um pequeno ‘esportivo’, digamos assim. A beleza continua lá nos seus faróis simulando um dente de tigre, a boa sensação de pilotar num cockpit que parece uma navezinha continua apaixonante, o cuidado no acabamento idem e, enfim, um bom motor. Bem, o turbo 1.0 o deixou como o carro mais potente ao fazer até 130 cavalos, superando até mesmo outros turbinados do mercado, como Chevrolet Onix (116 cv) e Volkswagen Polo (116 cv). Aliás, é a versão ‘esportiva’ da família, que ficaria no mercado até o começo de 2024 – embora já há quem diga que não sairá. Enfim, resolvida as pendengas do marketing, comercial, financeiro etc, o carro tem vendido bem – apesar ainda do receio de alguns consumidores com as marcas franceses e do preço por volta dos R$ 110 mil  desta versão  – superando em outubro Citroën C3 e Toyota Yaris – e perdendo para os populares (abaixo de patamar) Volkswagen Polo e Chevrolet Onix. 

O Peugeot 208 anda bem. É leve, com uma relação peso/potência de apenas 8,9 kg/cv, e bem ágil. Em vias planas, e circulando em horários fora do rush, o 208 é extremamente prazeroso na condução. Uma acelerada mais ousada, para uma ultrapassagem ou retomada, faz lembrar (novamente) do motor sadio e valente. Em suma, o 1.0 turbo deu ao 208 mais disposição em rotações mais baixas, essencialmente nas vias urbanas, onde o jovem vai usá-la na maior parte do seu tempo. Internamente, é bem isolado acusticamente, tornando a vida no trânsito bem agradável.

O cluster em três dimensões se une ao volante pequenino e de base achatada para garantir um prazer bem diferente, que deixa o motorista como aquele menino que se senta pela primeira vez na posição do motorista, como ressaltei na reportagem anterior. Some-se a isso o painel de instrumentos elevado e a série de teclas vintage que dão acesso às principais funções do carro. Por isso, vale reforçar: não há dúvidas que o 208 é o hatch mais bonito do país. Faz o pedestre virar a cabeça. Os faróis são em LED, com uma luz diurna (DRL) belíssima. E há detalhes visuais interessantes, como a soleira de alumínio escovado, friso lateral. Antes que me esqueça: os bancos dianteiros são realmente envolventes.

O acabamento poderia ser melhor? Na versão Style, teto e colunas são em preto, imitação em fibra de carbono e os bancos em couro e alcantara com costuras azuis – também nas portas. Com a posição baixa do volante, há uma ‘atração’ para se pôr o banco na linha da coluna A – embora muitas vezes, dependendo da altura do condutor, não seja recomendado por razões de segurança. O teto de vidro panorâmico (que não se abre) é um outro bom equipamento. Passa a impressão de carro mais luxuoso – ou mesmo esportivo. A tela multimídia é tátil de 10,3 de polegadas, compatível com Android e Apple. A conexão é sem fio. Há duas portas USB na dianteira e uma tomada de 12 volts. Assim, quem vai no banco traseiro se aperta (se for, vale lembrar: o 208 é um carro de ‘solteiros’ jovens). Como é um carro urbano, certamente o comprador não leva em conta o tamanho do porta-malas: são 285 litros de capacidade. Como falha, digamos assim, os comandos recuados dos vidros na porta do motorista  E a leitura do conta-giros é invertida, no sentido anti-horário – e isso deixa a leitura confusa. 

SW4 ganha nova versão, a SRX Platinum – O SUV, líder no segmento, passa a ter detalhes de exterior refinados, antes presentes apenas na topo de linha Diamond. Ela, seja a de 5 ou de 7 lugares, substitui a SRX e traz novos para-choques, grade e rodas redesenhadas . O modelo é produzido na planta industrial da Toyota em Zárate, na Argentina, desde 2005, e apresenta essas novidades para atender pedidos dos clientes Toyota. As primeiras unidades começam a chegar às concessionárias Toyota a partir do final deste mês. A novidade está disponível tanto para compra quanto para aluguel, por meio da Kinto e seus serviços de aluguel e compartilhamento por horas, dias, semanas ou até um mês, e pelo One Fleet, focado em gestão de frotas corporativas. O SW4 SRX Platinum traz tela sensível ao toque de 9″ com conectividade Android Auto e Apple CarPlay combinado com sistema de áudio JBL premium com alto-falantes, dois tweeters e um subwoofer; ar-condicionado digital dual-zone; sistema de visão 360°, alerta de ponto cego e alerta de tráfego cruzado traseiro etc. O motor é diesel 2.8L 16V, capaz de gerar 204 cv de potência e torque de 50,9 kgfm, acoplado a uma transmissão automática sequencial de seis velocidades com paddle shift e tração 4×4. O preço de venda sugerido é de R$ 379.990 para a versão de 5 lugares e de R$ 386.290 para a de 7 lugares. 

Carro próprio: status ou despesa? – Ser dono de um carro vale a pena? Um veículo demanda gastos consideráveis, como documentação, emplacamento, depreciação, manutenção, seguros etc. A realidade é que o brasileiro desembolsa aproximadamente R$ 2 mil por mês para manter o carro próprio, considerando um veículo popular. A estimativa é da doutora em Ciências Contábeis e professora da Escola de Negócios da Universidade Positivo (UP) Carline Rakowski Savariz, que analisou os custos mensais do modelo Renault Kwid, considerado um dos mais acessíveis no mercado, atualmente. “Os valores utilizados estão considerando o cenário nacional e as informações coletadas referem-se aos carros modelo 2022. No entanto, a comparação com a desvalorização do carro foi feita com base nos carros do ano de 2023”, explica ela. O gasto semanal com gasolina (em litros) foi calculado a partir do uso médio por uma família em uma semana, utilizando o valor médio nacional fornecido pela Petrobras como referência. Por fim, a desvalorização anual foi calculada comparando os valores fornecidos pela tabela FIPE nos anos de 2022 e 2023. “Considerando, ainda, revisão anual, IPVA, financiamento, seguro e lavagem, o valor médio de custo mensal foi de R$ 2.266,50”, reforça ela. 

Corroborando ainda mais o entendimento de que adquirir um carro é custoso, um estudo inédito sobre a relação do brasileiro com o automóvel, realizado pela Serasa em parceria com o instituto Opinion Box, em dezembro de 2022, revelou que os custos que envolvem a aquisição e manutenção de um carro estão entre os três maiores gastos anuais em 63% dos lares brasileiros. E 40% dos brasileiros consideram complexo realizar contas sobre os custos para manter o automóvel. Além disso, 1 em cada 10 proprietários considera se desfazer do veículo nos próximos 12 meses para amenizar os impactos no orçamento.

Mas os cálculos não bastam: o carro é, hoje, um bem de necessidade e uso para muitos brasileiros. Uma pesquisa promovida pelo Data OLX Autos destaca que o carro é o meio de transporte mais utilizado pelos brasileiros, enquanto aplicativos de transporte são usados esporadicamente. Para suprir a demanda, está em voga um novo modelo de locação mais prático, menos burocrático e que dispensa as despesas de manutenção e compra do carro.

Os veículos por assinatura são uma modalidade em expansão no Brasil. De acordo com dados recentes da Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis (Abla), o mercado de carros por assinatura cresceu 16,4% em 2022. Em comparação com o ano anterior, que contava com cerca de 91 mil veículos assinados, o número subiu para 106 mil automóveis. 

“Como uma espécie de streaming, você assina o modelo por tempo determinado, sem se preocupar com revisões, seguro, documentação, tributos, manutenção, financiamento e possíveis desafios na hora de revender o automóvel”, explica a gerente comercial do V1 Assinatura, Caroline Milanez. Essa modalidade de serviço oferece conveniência e flexibilidade para aqueles que buscam por um zero-quilômetro, sem ter que lidar com os custos e preocupações associados à compra convencional. 

Mais sangue, menos pontos –  Um projeto de lei em tramitação na Câmara dos Deputados quer eliminar pontos da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) de condutores que doam sangue. A iniciativa de Gilson Daniel (Podemos-ES) tem como objetivo incentivar a doação de sangue e, ao mesmo tempo, garantir que os bancos de sangue do país estejam sempre bem abastecidos. Será que funciona? O PL muda o Código de Trânsito Brasileiro e estabelece que os doadores de sangue terão o direito de eliminar 10 pontos computados em sua CNH, dentro do prazo de um ano, desde que não tenham cometido infrações gravíssimas. Segundo o texto da proposta, os estoques de sangue nos bancos de sangue em todo o país estão em níveis baixos, o que representa uma ameaça para a saúde da população, uma vez que qualquer pessoa, independentemente de qualquer distinção, pode necessitar de uma transfusão de sangue.

Como evitar golpes em serviços automotivos – Além de se preocupar com a manutenção do veículo, é crucial estar atento para evitar golpes e armadilhas – que podem custar caro e até comprometer a segurança do automóvel. A crescente complexidade dos modelos mais modernos torna ainda mais importante estar informado e tomar medidas preventivas. Também é de extrema relevância conhecer a empresa ou o profissional que está prestando o serviço para não ter surpresas desagradáveis ao retirar o veículo. 
No cenário da manutenção automotiva, as promoções podem ser uma maneira de atrair o cliente, que se baseia em sua emoção, que procura economia em produtos e serviços. É essencial prestar muita atenção nessas ofertas para evitar possíveis golpes ou enganos. Para não ser enganado durante serviços de manutenção veicular, é importante estar atento a essas 10 dicas:

  1. Pesquise antes de escolher uma oficina ou um profissional – Procure recomendações de amigos ou familiares, e o mundo on-line está aberto para pesquisas sobre o ‘histórico’ das empresas e profissionais. Certifique-se de que a oficina ou centro automotivo tenha uma boa reputação e seja de confiança.
     
  2. Atente-se às letras pequenas – Antes de se empolgar com uma promoção, leia cuidadosamente os termos e condições. Esteja ciente de quaisquer restrições ou condições que possam limitar a aplicabilidade da promoção.
     
  3. Cuidado com “pacotes” excessivos – Algumas promoções podem incluir serviços ou produtos adicionais que muitas vezes você pode não precisar. Avalie se esses ‘extras’ são realmente benéficos para você antes de concordar com a oferta.
     
  4. Desconfie de preços muito baixos – Valores baixos demais podem ser indicativos de serviços de baixa qualidade ou a utilização de peças não originais. Compare os preços em outros lugares para ter uma ideia justa do custo.
     
  5. Não tome decisões sob pressão – Evite oficinas que pressionam você a tomar decisões rápidas. Tire um tempo para considerar suas opções e buscar segundas opiniões, se necessário.
     
  6. Peça um orçamento detalhado – Antes de concordar com qualquer serviço, solicite um orçamento detalhado por escrito. Certifique-se de que inclua todas as peças, mão de obra e quaisquer taxas adicionais.
     
  7. Conheça seus direitos – Esteja ciente dos seus direitos como consumidor em relação a garantias e serviços prestados. Familiarize-se com as políticas de devolução e reembolso da oficina.
     
  8. Evite trocas desnecessárias – Antes de concordar com a substituição de peças, confira as antigas. Desconfie de estabelecimentos e profissionais que insistem na troca de componentes sem uma explicação clara.
     
  9. Acompanhe a execução dos serviços – Estabelecimentos e profissionais que permitem o acompanhamento da execução dos serviços certamente inspiram mais confiança, pois é possível ver o que está sendo feito no veículo.
     
  10. Mantenha registros dos serviços já realizados – Mantenha um registro detalhado de todos os serviços realizados no veículo. Isso pode ser útil para futuras referências e garantias.

Segundo o Gerente Comercial da DPaschoal, Leandro Vanni, cresce a quantidade de denúncias de empresas e profissionais que acabam lesando os clientes que procuram por um serviço de manutenção automotiva. “Por isso é de extrema importância, antes de escolher onde levar o veículo, ‘fazer a lição de casa’. É preciso pedir recomendações e verificar avaliações online para garantir que a oficina tenha uma reputação sólida”, afirma Vanni.

Renato Ferraz, ex-Correio Braziliense, tem especialidade em jornalismo automobilístico

Do blog do Roberto Almeida

Max Petterson é nordestino da região do Cariri. Vive na França há seis anos. Na Europa, fez o nome como influenciador no mundo digital. Só no Instagram passa de 1 milhão e 200 mil seguidores. Também faz cinema e teatro. Esteve em Garanhuns, neste final de semana, e ficou encantado com a cidade. 

Registrou sua passagem pela Suíça Pernambucana nos seus stories. Fez questão de parabenizar o prefeito Sivaldo Albino por tudo que viu. Uma pessoa que vive a realidade de Paris ficar deslumbrado com Garanhuns… Isso não é pouca coisa não!

Nova Silverado: o que você precisa saber sobre ela

O mercado brasileiro de picapes grandes acaba de ganhar um integrante de peso (e respeito): a Chevrolet Silverado, uma espécie de ícone no dia a dia dos norte-americanos, o modelo mais vendido da marca no mundo, e já em sua terceira geração, ao custo de R$ 520 mil. Como destaque, além do tamanho (mas para condutores de CNH B), a quantidade de serviços de tecnologia oferecida. Por exemplo: ela tem um sistema de gerenciamento para ativação do número de cilindros (é um 5.3 V8 de alto rendimento acoplado a uma transmissão de 10 marchas com paddle shift,) para otimizar o consumo de gasolina (sim, não é a diesel). E, também, a possibilidade de atualização remota de todos os módulos eletrônicos do veículo. Sem falar nos recursos de conectividade, baseados na central multimídia Google Built-in (veja abaixo). Ela vem para enfrentar a Ford F-150 e a Dodge RAM 1500, em um mercado super premium que movimenta R$ 8 bilhões em 2023, sendo metade com picapes). E é versão única, topo de linha, a versão High Country (embora ainda possa ser customizada com mais de 70 acessórios).

O acabamento, como deveria se esperar de um modelo nessa faixa de preço, é premium – com partes da cabine de madeira, couro de qualidade forrando os assentos (com regulagem elétrica e climatização) etc. O ar-condicionado tem diferentes zonas de temperatura e o sistema de áudio premium Bose. O teto solar tem uma cortina que veda completamente a incidência de luz. Há muitos itens de conveniência e comodidade: o acionamento elétrico da tampa traseira por controle remoto, inclusive para o fechamento, por exemplo. A versão High Country conta com sistema de iluminação inteligente Full LED, grade e frisos cromados, além de elementos como estribo com acionamento elétrico. As rodas são de 20 polegadas com superfície usinada.

Segurança – O pacote de itens de segurança é bem completo: airbags frontais, laterais e de cortina; alerta de colisão e atropelamento dianteiro e de tráfego cruzado traseiro – ambos com frenagem autônoma de emergência; alerta de ponto cego com sensor de aproximação repentina e assistente de manutenção em faixa. A resposta automática em caso de acidente e botão SOS do OnStar, o tradicional sistema de concierge e serviço da marca, são outros exemplos.Já o motorista tem a sua disposição recursos avançados de condução como controle de cruzeiro adaptativo a partir de 25 km/h, seletor eletrônico de marchas, Head Up Display colorido com projeção de informações do veículo na base do para-brisa e opção de alerta vibratório nos bancos (saindo da faixa ele ‘reclama’, digamos assim), retrovisor interno com câmera de alta definição e visão 360 graus com múltiplos sensores para manobras.

Google Built-in – A Nova Silverado inaugura um novo patamar para a própria marca Chevrolet com a estreia do Google Built-in, sistema que agrega Google Assistant, Google Maps e o Google Play. Isso significa que, além de garantir maior integração do multimídia com o próprio veículo, o sistema conecta-se automaticamente ao perfil digital do usuário para importar da nuvem desde os apps preferidos, passando pela sua relação de destinos até a agenda pessoal. Outro diferencial relevante é que este sistema opera de forma independente, não necessitando da conexão de um smartphone para funcionar.

O Google Built-in ainda possibilita comandar itens como o ar-condicionado e o sistema de áudio do carro por comando de voz, além de interagir com a tecnologia baseada em inteligência artificial para consultar sobre a previsão do tempo e buscar informações específicas. Também é possível se conectar com residências inteligentes. Assim, instantes antes de entrar em casa, o usuário pode pedir para desativar o sistema de alarme ou para abrir o portão da garagem, por exemplo.

Mais uma vantagem: o Google Built-in é potencialmente compatível com uma quantidade bem maior de aplicativos, que vão muito além dos tradicionais streamings de música, mapas online e de troca de mensagens. É possível estabelecer diversos perfis, um para cada motorista, selecionáveis na própria tela do multimídia e protegidos por senha. Há inclusive um “modo manobrista”, que bloqueia o acesso a configurações do sistema e a dados pessoais dos usuários.

E mais…

As primeiras unidades começam a ser entregues a partir da virada do ano. E os próximos lotes serão comercializados diretamente pela rede de concessionárias Chevrolet (antes, só pré-venda, no qual foram vendidas 700 unidades).

⇒ A Silverado tem a maior caçamba da categoria, com 1.781 litros, e  a maior capacidade de reboque (4,1 toneladas)

⇒ O porte do veículo também chama a atenção: são 5.915 mm de comprimento, 2.063 mm de largura e 1.945 mm de altura. Por isso, garante o maior entre-eixos (3.745 mm) e a maior caçamba da categoria

⇒ O modelo tem um maior poder torsional, o que significa melhor ação em situações extremas, como o fora-de-estrada, e já traz de série chassi com preparação off-road

⇒ Isso garante 24,8 graus de ângulo de ataque e 21,6 graus de ângulo de saída, com altura livre em relação ao solo de 243 milímetros.

Os pneus são todo-terreno (ou misto, se preferir) e os amortecedores são da marca Rancho 

Além disso, a Silverado tem proteção extra sob o assoalho para motor e transmissão, assistente eletrônico para declives e uma tela no computador de bordo com informações do ângulo de esterçamento do volante e da inclinação horizontal e vertical da carroceria

Outro recurso interessante da Silverado é o painel digital customizável de 12,3 polegadas. Ele oferece uma vasta gama de informações técnicas e de operação do veículo. Há, até, uma tela para o medidor de temperatura da transmissão e o tempo de uso do motor – muito útil para veículos utilitários, por sinal.

C3 ganha mais uma versão – O Novo Citroën C3 passará a ser oferecido no Brasil na inédita versão Live Pack, com motor 1.6 16V de 120 cavalos e câmbio automático de seis marchas. O modelo, que já começou a ser vendido nas concessionárias Citroën de todo o país, parte de R$ 93.990 na modalidade e-commerce. Segundo a Citroën, esse conjunto associa robustez, eficiência e performance com baixo custo de propriedade, reforçando a acessibilidade 360º presente em todos os modelos da Citroën. O C3 Live Pack 1.6 agrega todos os itens da versão Live Pack 1.0, incluindo o Connect Touchscreen de 10” com Android Auto e Apple Carplay sem fio, direção elétrica, ar-condicionado, vidros dianteiros e travas elétricas (com telecomando na chave) e controle de estabilidade e tração com assistente de partida em rampa. Ele também agrega rodas de liga-leve de 15”, alarme e bancos dianteiros com encosto de cabeça ajustável. A novidade ficará posicionada entre o C3 Feel 1.0 e o C3 Feel Pack 1.6 automático, tornando-se uma alternativa única e diferenciada para quem busca um modelo confortável, acessível e com ampla versatilidade.

Novo Tiguan Allspace R-Line – O novo SUV Tiguan Allspace R-Line já foi lançado e recebeu 1.209 pedidos em apenas três horas, esgotando o primeiro lote disponibilizado. Em evento nas autorizadas da marca, pelo menos 10 mil pessoas compareceram. A rede já iniciou a abertura de pedidos para o próximo lote de unidades do modelo, previsto para o início de 2024. Em 15 anos de história no país, o Tiguan ficou marcado como uma boa opção para viagens em família (são sete lugares) e pelo conforto e boa dirigibilidade. São mais de 60 mil unidades vendidas até hoje. Em 2023, a jornada foi retomada com algumas mudanças, como a dianteira, que recebe linhas mais esportivas, com as tomadas de ar maiores e detalhes em preto brilhante e cromado. E os novos faróis IQ.Light Matrix estão interligados pela assinatura noturna em LED, que se estende por toda a grade exclusiva cromada, com o emblema da linha “R”. Em versão única R-Line – nomenclatura tradicional da VW para modelos que unem esportividade aos principais atributos da marca -, o Tiguan Allspace recebe o já conhecido motor 2.0, de 186 cv e 30kgfm de torque. Os quatro cilindros estão acoplados ao câmbio automático de oito velocidades.

Maior valor de revenda: os campeões – Com desvalorização de 2,8% o Honda HR-V foi o automóvel a combustão menos depreciado do ano e, com 2,5% de perda, o Porsche Cayenne recebeu o título de elétrico menos desvalorizado em 2023. O anúncio foi feito na décima edição do Selo Maior Valor de Revenda – Autos, organizado pela Agência AutoInforme. Foram analisados 93 modelos, que tiveram mais de 1 mil unidades licenciadas de setembro de 2022 a agosto de 2023, no caso de motores a combustão, e trezentas unidades de eletrificados. Por estar em sua décima edição, o Prêmio SMVR-Autos homenageou todos os campeões de sua história. Pelo levantamento a Toyota lidera com 28 prêmios, seguida por Volkswagen, 25, Fiat, 21, Honda, 18, Chevrolet, 17, Hyundai, 11, Ford, nove, Volvo, sete, Jeep e Renault, cinco, Porsche, quatro, Land Rover, Mercedes-Benz e Mini, três, Audi, dois, Mitsubishi, BMW, Nissan, Caoa Chery e Ram, um. Os campeões gerais Honda e Chevrolet ganharam três vezes e Fiat, Jeep, Porsche e Toyota uma vez cada.

Veja os campeões por categoria

Motor a combustão
Hatch de entrada: Renault Kwid – 11,6%
Hatch compacto: Chevrolet Onix – 6,2%
Hatch premium: Audi A3 Sportback e Mini Cooper – 6,7%
Monovolume/minivan/7 lugares: Toyota SW4 – 7,9%
Picape pequena: Fiat Strada – 10,5%
Picape compacta: Ford Maverick -9,5%
Picape média: Toyota Hilux – 9,2%
Picape grande: Ram 1500 Classic – 8,8%
Sedã pequeno: Fiat Cronos – 7,6%
Sedã compacto: Honda City – 5,8%
Sedã médio: Volkswagen Jetta – 4,3%
SUV entrada: Fiat Pulse – 8,3%
SUV compacto: Honda HR-V – 2,8%
SUV médio: Porsche Macan – 8,6%
SUV grande: Porsche Cayenne – 3,5%

Eletrificados
Elétrico entrada: Renault Kwid E-Tech – 8,5%
Elétrico médio/grande: Volvo XC40 – 5,2%
Híbrido plug-in: Porsche Cayenne – 2,5%
Híbrido: Toyota RAV4 – 4,7%
Híbrido leve: Mercedes-Benz C300 – 6.2%

240 eletrificados à venda no Brasil – Ao anunciar balanço de vendas recorde em outubro, a Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE) divulgou a lista dos modelos eletrificados mais vendidos no Brasil. São mais de 240, dos quais cerca de 80 com motorização elétrica e os demais híbridos, incluindo flex e plug-in. Foram 9.537 emplacamentos de eletrificados leves no mês passado, 114% a mais do que no mesmo mês de 2022 (4.460) e volume 13% ao de setembro (8.458). As vendas atingiram 67 mil unidades de janeiro a outubro, expansão de 73% sobre idêntico período do ano passado. Pelos cálculos da ABVE, já são cerca de 200 mil veículos eletrificados em circulação nas ruas brasileiras. 

Vendas de usados – Foram comercializados em outubro no Brasil 1,2 milhão de veículos seminovos e usados, ou 3,7% acima do registrado em setembro. No acumulado do ano, foram 11,8 milhões de unidades vendidas – o que configura alta de 9% com relação aos dez primeiros meses de 2022. Os dados foram divulgados pela Fenauto. O Gol é ainda o mais procurado, com 62,4 mil unidades. Na sequência vieram o Fiat Uno, com 34,7 mil, e o Palio, com 33,7 mil. No segmento de veículos comerciais leves liderou a Fiat Strada, com 26,8 mil vendas, seguido da Volkswagen Saveiro, com 18 mil, e da Toyota Hilux, com 13,1 mil.

Comércio de importados – E por falar em comércio, outro dado importante: as marcas importadoras associadas à Abeifa registraram em outubro mais um mês de crescimento, com 4,7 mil unidades emplacadas. Isso é um volume 192,9% maior do que o registrado em igual mês do ano passado. Os dados divulgados pela entidade também apontaram para uma alta de 20,5% na comparação com setembro. De janeiro a outubro foram vendidos 28 mil unidades de veículos importados, expansão de 92,3% sobre os dez primeiros meses de 2022. João Oliveira, presidente da Abeifa, disse que a gradual recuperação econômica do país, aliada à transição tecnológica pautada pelo crescente interesse dos consumidores brasileiros por veículos híbridos e elétricos, mais uma vez determinou o desempenho positivo nas vendas de importados. De janeiro a outubro, a BYD disparou no ranking de vendas de modelos importados, com 8,8 mil unidades. Em segundo lugar aparece a Volvo, com 6,4 mil, seguida pela Porsche, 4,4 mil.

Financiamento de veículos – Crise, que crise? Os brasileiros continuam pegando dinheiro emprestado para comprar carros, sejam novos ou usados. Segundo a B3, o financiamento de veículos cresceu 6,6% em outubro. Na comparação com o mesmo período do ano passado, o aumento no número de financiamentos foi de 16,4%. No total, as vendas financiadas de veículos somaram 534 mil unidades. O número inclui autos leves, motos e pesados em todo o país. Uma curiosidade, pois pode significar retomada da produção: o financiamento de veículos pesados cresceu 18% na comparação com setembro e 22,1% em relação ao mesmo período do ano anterior. Por fim, o número de financiamentos de motos em outubro foi 5,1% maior do que em setembro e 22,4% maior do que em outubro de 2022.

Sai da faixa esquerda, tartaruga! – Um projeto de lei quer proibir tráfego na faixa da esquerda das rodovias. Ok, é melhor avisar logo: isso é na Flórida, nos Estados Unidos. Mas a razão dessa radicalização acontece muito no Brasil: a faixa da esquerda é, normalmente, para motoristas que circulam com mais velocidade ou querem realizar uma ultrapassagem. Apesar disso, ainda é comum ver por aí condutores desrespeitando essa regra, o que acaba por travar a circulação do trânsito – e, claro, frustrar aqueles que querem dirigir com mais agilidade. A iniciativa dos americanos proíbe que os motoristas que trafegam em estradas com limite de velocidade a partir de 105km/h ocupem a faixa da esquerda. O uso da mesma só seria permitido em situações específicas: ultrapassagens, conversões – seguindo orientação de controle de tráfego (como em obras rodoviárias) – ou condução de veículos de emergência. Vale lembrar que a atual lei da Flórida, assim como no Brasil, determina que os motoristas podem circular na faixa da esquerda, mas devem ceder aos que vêm atrás em velocidade maior. O problema, no entanto, é que, como a legislação não impõe penalidades, muitos condutores lentos simplesmente ignoram essa regra e não dão passagem para aqueles em alta velocidade.

Pneu “infinito”: não caia nessa – A proposta é tentadora e a ideia parece ser genial: um pneu que dura virtualmente para sempre e que custa pouco. Mas, por trás da tecnologia, não existe nada original. Ela envolve submeter um pneu de passeio comum a um processo de recapagem no qual uma banda de rodagem destinada ao uso em veículos comerciais (van, caminhão ou micro-ônibus) é aplicada. Seus criadores ainda oferecem uma grande variedade de medidas e dizem que não estão conseguindo atender a todos os pedidos, o que é ainda mais preocupante. “Essa proposta parte de um pressuposto, totalmente errôneo, de que é possível fazer economia através do comprometimento da segurança. Tecnicamente, tal prática apresenta diversos problemas conceituais, mas talvez o principal seja a aplicação de uma banda extremamente pesada em uma carcaça pequena. Na operação de veículos de carga esse problema é um velho conhecido: bandas pesadas tendem a fatigar mais rapidamente as carcaças, aumentando a possibilidade de que elas se desprendam mais facilmente”, explica Rafael Astolfi, gerente sênior de serviços técnicos ao cliente da Continental Pneus Américas. A Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos (Anip) se posiciona a favor da recapagem a frio ou a quente de pneus de carga – uma vez que eles são projetados para receber esse processo, mas contra a recapagem, recauchutagem e remoldagem de pneus de passeio, vans e camionetas. A razão é simples:  esses pneus são produzidos com lonas de corpo (carcaça) empregando tecidos têxteis, naturais ou sintéticos. Elas são mais adequadas ao uso sob altas velocidades, tendo como contrapartida o fato de serem menos tolerantes à fadiga. Por essa razão, apresentam vida útil mais curta em comparação com os pneus de carga, que possuem estruturas de carcaça feita de aço e que tiveram essa condição prevista em seu projeto, desde sua concepção até a sua produção.

Luz da injeção eletrônica acesa: o que fazer? – A luz da injeção eletrônica acesa no painel do carro é um sinal importante que não deve ser ignorado. Ela indica que algo pode não estar funcionando corretamente no sistema de injeção eletrônica do veículo, que desempenha um papel fundamental no motor e na eficiência do combustível. A maioria dos motoristas se assusta quando esse alerta se acende no painel, mas é possível corrigir sem muitos transtornos, na maioria das vezes. A luz pode ser acionada por uma variedade de razões, desde problemas simples, como um bocal de combustível solto, até problemas mais complexos, como falhas nos sensores de oxigênio, no catalisador ou em outros componentes críticos do sistema de injeção. Por isso, é importante entender que a causa subjacente pode ser diversificada.

Ignorá-la é um erro comum que pode levar a problemas mais sérios e custosos no futuro. Quando essa luz se acende, o sistema de diagnóstico do carro registra um código de erro específico, que pode ser lido por um profissional através de um dispositivo de diagnóstico. Portanto, simplesmente ignorar o problema não o fará desaparecer; em vez disso, ele pode piorar com o tempo. Quando essa luz se acende, é importante tomar algumas medidas para lidar com a situação:

  • Não entre em pânico: embora a luz da injeção eletrônica seja uma preocupação, é importante não entrar em pânico. Muitas vezes, a causa subjacente não é um problema grave, mas deve ser diagnosticada e corrigida de maneira correta. Vale reforçar que existem 3 cores de luz de advertência em todos os veículos, verde (tudo normal), amarelo (Atenção) e vermelho (Pare) – e esta última indica algo crítico e que você deve parar o veículo imediatamente.
     
  • Continue dirigindo com cautela: a menos que o carro esteja apresentando sérios sintomas de mau funcionamento, como perda de potência, barulhos estranhos ou vibrações, é geralmente seguro continuar dirigindo de forma moderada até chegar a um local seguro ou a uma oficina mecânica.
     
  • Verifique o combustível e a tampa do tanque: às vezes, a luz da injeção eletrônica pode se acender devido a problemas simples, como a tampa do tanque de combustível mal rosqueada ou mal fechada. Verifique se a tampa do tanque de combustível está bem fechada e se o tipo de combustível correto está sendo utilizado.
     
  • Desligue e ligue o motor: às vezes, a luz da injeção eletrônica pode acender devido a leituras momentâneas dos sensores. Experimente desligar o motor e ligá-lo novamente para ver se a luz se apaga. Se ela continuar acesa, é importante verificar corretamente.
     
  • Consulte o manual do proprietário: Consulte o manual do proprietário do veículo, pois ele pode conter informações específicas sobre o significado da luz da injeção eletrônica e medidas de solução de problemas básicos.
     
  • Evite auto diagnóstico e reparos momentâneos: não tente resolver o problema por conta própria, a menos que você seja um mecânico qualificado com experiência em sistemas de injeção eletrônica. Tentativas de auto diagnóstico e reparos inadequados podem piorar a situação ou ainda mais causar danos ao veículo.
     
  • Agende uma consulta com um mecânico: a melhor saída é procurar um mecânico de confiança ou uma oficina especializada. Será utilizado um scanner de diagnóstico para ler os códigos de erro registrados no sistema do carro e determinar a causa subjacente da luz acesa.

Para o coordenador de treinamento da DPaschoal, Danilo Ribeiro, a maioria das pessoas não sabe como proceder quando acende a luz da injeção eletrônica no painel do veículo. Mas, vale lembrar, ela serve como um sinal de que algo não está funcionando corretamente e que o sistema deve ser verificado. 

Renato Ferraz, ex-Correio Braziliense, tem especialidade em jornalismo automobilístico.

Peruas: um bom negócio 

A Mobiauto acaba de realizar uma pesquisa em sua base de dados para verificar o comportamento do mercado de usados das stations wagons, as chamadas peruas. Cada vez menos frequentes no menu de classificados da plataforma, esses carros estão desaparecendo. Mas a boa notícia é que as que restam podem ser consideradas bons negócios. Sant Clair de Castro Jr., economista, consultor automotivo e CEO da Mobiauto, acredita que o suposto viés de baixa no mercado nacional pela interrupção de produção não tem se confirmado na prática. “O que tem havido é uma oferta cada vez menor. Fizemos essa mesma pesquisa na Mobiauto em dezembro de 2021 e apuramos cotações de mais de 60 veículos. Desta vez, os modelos e versões que tinham volumes de anúncios suficientes para ingressar na estatística foram menos de 20 modelos”, comenta. “Como a oferta tem sido cada vez menor, as que restaram têm segurado o preço”.

O levantamento foi feito com veículos cotados entre setembro de 2022 e setembro de 2023, extraindo-se a variação de preços. Na média geral, os 18 modelos e versões apuradas, de 2013 a 2019, desvalorizaram somente 3,04% de acordo com a pesquisa da Mobiauto. “Como a pesquisa apurou modelos com 4 a 10 anos de uso, já esperávamos que houvesse uma depreciação baixa”, explica Castro Jr. O executivo lembra que a curva de depreciação dos seminovos é sempre mais acentuada no seminovo e tende a apresentar percentuais menores à medida que o carro vai ficando mais velho. “Recentemente apuramos que os seminovos com até 3 anos de uso perderam 8,5% de um ano para cá”, destaca.

Cliente fiel – Ao perder 3% na média, as peruas mostram que ainda possuem uma clientela fiel. Se pesa contra elas o fato de que sumiram dos showrooms há alguns anos e foram engolidas pelos SUVs, a menor variedade de ofertas acaba sustentando as cotações. “Vale ressaltar que, dos 18 veículos apurados, ainda tivemos 4 exemplares que ganharam preços neste último ano”, diz o CEO da Mobiauto. Fica claro o predomínio da Volkswagen com justamente a última station que produziu para o nosso mercado, a SpaceFox, com destaque secundário para a Fiat Weekend. “Um ponto nos chamou a atenção foi a pequena variação entre as melhores e as piores: pouco mais de 11 pontos percentuais. Isso jamais ocorre em pesquisas com outros segmentos”, ressalta Castro Jr. O executivo acredita que esse fenômeno é mais uma prova inequívoca da “maturidade” do segmento de peruas, que possui variação controlada de preços e não aponta excelentes ou péssimos negócios. 

Aircross ganha motor turbo – O novo SUV Citroën C3 Aircross, que leva até sete pessoas, terá o motor turbo 200 de até 130 cv e 20,0 kgfm de torque. Fabricado em Betim (MG), ele já é conhecido de outros clientes da Stellantis e fará com que o modelo seja o SUV com a maior potência do segmento nesta faixa de cilindrada. A marca promete visual marcante, excelente espaço interno, terceira fileira com assentos removíveis e o maior porta-malas entre seus rivais diretos. O turbo 200 será oferecido sempre com câmbio automático CVT de sete marchas e opção de trocas sequenciais. 

Novo Range Rover Velar: R$ 644 mil – O SUV grande (e de luxo) da Land Rover já está disponível para encomendas. Os preços começam em R$ 644 mil. Ele vem na versão Dynamic HSE com motorização 2.0 de 404 cv e câmbio automático de oito velocidades. O híbrido elétrico plug-in tem autonomia puramente elétrica de até 64 km. 

Mercedes E 300 Cabriolet: R$ 414 mil – E outro carro premium também está à venda no Brasil: o E 300 Cabriolet, completando a família Classe E, com cinco modelos. O conversível tem quatro lugares, motor turbo de 245 cv, câmbio com nove velocidades e o sistema de suspensão Agility Control. Também inclui integração a smartphones e sistemas de assistência. Com o teto flexível fechado, o modelo apresenta uma silhueta semelhante à do E 300 Coupé, que tem as mesmas proporções do conversível. O E 300 Cabriolet possui um sistema inédito de proteção contra capotagem, com duas cápsulas alojadas atrás dos bancos traseiros. Se uma capotagem for iminente, essas cápsulas são deflagradas e se estendem para criar um espaço de sobrevivência juntamente com as colunas A.

Novo SUV Mercedes-Benz EQE – A Mercedes-Benz confirma a chegada das primeiras unidades do novo modelo 100% elétrico EQE SUV no mercado brasileiro. O novo EQE SUV é a variante do sedã executivo EQE, lançado no Brasil em outubro de 2022 – mas tem  dimensões exteriores mais compactas. Ele é o quarto modelo da marca que utiliza a nova plataforma totalmente elétrica. Tem, por exemplo, motor elétrico de 245cv no eixo traseiro com operação de 6 fases, com duas enrolações com três fases cada. Para recuperar energia, o condutor não precisa pressionar o pedal de freio – é possível dirigir com apenas um pedal. O SUV também desacelera automaticamente até parar quando detecta veículos à frente, por exemplo, em semáforos. A bateria de íons de lítio, distribuída em 10 células, possui uma capacidade energética de 89 kWh, gerando uma autonomia de até 367. O preço não foi divulgado.

RS 6 Avant Performance: R$ 1.193.990 – Outra notícia para quem tem muito dinheiro no banco. A Audi confirmou que o RS 6 Avant Performance virá no primeiro por cerca de R$ 1,2 milhão. Ela é a station wagon mais rápida já produzida e ganhou atualizações visuais e aprimoramentos mecânicos. O motor é um 4.0 TFSI V8 biturbo, de 630 cv e 86,7kgfm de torque. Segundo a fabricante, a RS 6 Avant Performance faz de 0 a 100 km/h em 3,4 segundos. A velocidade máxima é de 280 km/h.

Dolphin e Seal ganham cinco estrelas – O BYD Dolphin, veículo elétrico mais emplacado do mercado brasileiro em setembro, e o sport coupé elétrico Seal, conquistaram a classificação máxima cinco estrelas no Programa Australiano de Avaliação de Novos Carros (Ancap), uma das mais conceituadas avaliações sobre segurança veicular da Austrália e Nova Zelândia. Os dois modelos foram submetidos a testes físicos de proteção estrutural em colisões e também testes das capacidades de evitar ativamente batidas contra outros veículos, pedestres e ciclistas com seus sensores, câmeras e radares de última geração. Entre os principais destaques, o BYD Seal obteve pontuação máxima na proteção do motorista e crianças no banco do passageiro no teste de impacto lateral e poste oblíquo. Já o BYD DOLPHIN demonstrou proteção adequada para ocupantes adultos em testes de colisão, assim como a proteção oferecida ao motorista no teste de deslocamento frontal. O modelo recebeu graduação máxima para crianças ocupantes nos testes de impacto frontal e lateral.

Preços de seminovos e usados voltam a cair – O Monitor de Variação de Preços da KBB Brasil verificou que, em setembro, os preços dos automóveis seminovos (até três anos de uso) e usados (entre quatro e 10 anos) mantiveram a tendência de queda observada em agosto. A depreciação média chegou a superar os 2%, dependendo da faixa de ano/modelo. Segundo a federação dos revendedores de usados, a Fenauto,  mais de 10,6 milhões de veículos seminovos e usados foram comercializados no país em setembro, volume 13,9% inferior ao de agosto devido aos três dias úteis a menos. Os preços dos veículos seminovos apresentaram queda em todas as faixas de ano/modelo, com destaque para os modelos 2023, com depreciação média de -2,44% em setembro.

Honda confirma a XRE 300 Sahara – Os japoneses anunciaram essa semana um importante lançamento para o mercado brasileiro ainda em 2023: a Sahara 300, modelo para o segmento trail que mescla um nome de grande sucesso do passado a inovações técnicas e de design. A Sahara 300 é uma motocicleta cujo conceito prevê a utilização multiuso. É genuína herdeira de modelos que, desde o início dos anos 1980, ocuparam um lugar importante no line up da marca no Brasil, tais como a XL 250R, XLX 350R, a NX 350 Sahara – da qual resgata o nome – e, mais recentemente, a XRE 300, modelo que há mais de uma década é líder das vendas de seu segmento. Maiores detalhes referentes a versões, cores e preços sugeridos serão divulgados no lançamento, programado para novembro, em data ainda a ser confirmada.

Sonolência no trânsito

Pelo menos 4 de cada dez acidentes nas rodovias federais estão relacionados à sonolência. Essa é a 3ª maior causa de acidentes de trânsito no país, ficando atrás apenas do uso de álcool e drogas ao volante (2ª) e excesso de velocidade (1ª), segundo dados de um levantamento feito pela Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet). Ainda pelo levantamento, 18% dos acidentes rodoviários envolvendo motoristas profissionais, portadores das carteiras de habilitação C, D e E, são causados por fadiga (18%). Juntos, a fadiga e sono representam 60% dos acidentes de trânsito.

Segundo a conselheira da Associação Brasileira das Empresas de Transporte Terrestre de Passageiros (Abrati), Leticia Pineschi, os horários com mais incidência de acidentes de trânsito por sonolência são durante a madrugada e no início da manhã. “Os acidentes em geral acontecem no fim de tarde, no início da manhã e durante a noite com colisão na traseira ou desvio da pista. Em geral são acidentes que são causados por sonolência. Isso é muito comum em relação ao transporte de cargas, e ao transporte realizado por motoristas de carro de passeio, especialmente. Em geral, os condutores que não são profissionais ou que estão sob carga de trabalho excessiva, acabam sofrendo esse tipo de incidência ao extrapolar o seu limite de resistência”, explica.

Dentre as principais causas de sonolência ao volante e consequentemente dos acidentes de trânsito estão “o descanso inadequado do condutor – privação de sono ou dormir menos de oito horas por noite – e distúrbios do sono. Muitas pessoas sofrem de diversos distúrbios do sono e não têm consciência disso”, completa a conselheira. 

Para evitar acidentes de trânsito por sono, Pineschi aconselha que os condutores devem fazer paradas para descanso durante a viagem. “Ao menor sinal de sono, o motorista deve parar o veículo e descansar. Não adianta lutar contra o sono. Este vai vencer e o motorista tem que descansar. Ele também tem que cuidar da alimentação e da saúde para que não tenha nenhum dos distúrbios do sono conhecidos. Esses distúrbios estão muito ligados a apneia, pressão alta, a problemas respiratórios que eventualmente nem mesmo a pessoa sabe que tem”, ressalta.

A conselheira ainda destaca a importância de manter uma boa qualidade do sono. “Uma boa qualidade do sono melhora toda a qualidade de vida da pessoa. Isso serve para todos os profissionais e para todas as pessoas. Quando você tem um sono saudável, um sono profundo, você permite um descanso adequado e você terá uma melhor qualidade no alerta, na atenção e no foco durante o desenvolvimento das tarefas do dia a dia”, diz.

Pós pandemia: só 31% usam apps – A Webmotors, portal de negócios e soluções para o segmento, acaba de mostrar pesquisa que indica o comportamento dos usuários da plataforma em relação às preferências de mobilidade no pós-pandemia. Segundo o levantamento, 67% dos entrevistados utilizam o carro próprio para ir e vir, enquanto 31% optam pelos aplicativos como principal meio de locomoção. Por outro lado, 26% decidiram descartar o transporte público após o período pandêmico. O estudo aponta também que 89% dos respondentes pretendem trocar de carro ou comprar um novo até 2024. Para 61%, o desejo é por um modelo usado, SUV (38%) e com motor flex (70%). “A preferência latente pelo veículo próprio pode ser um indicativo dessa alta intenção de compra para o último trimestre deste ano”, afirma Natália Spigai, CMO da Webmotors. “Outro ponto importante identificado pela pesquisa é que os usuários seguem com o hábito de trocar de carro regularmente (43%), o que sustenta a hipótese de um mercado aquecido no pós-pandemia” O levantamento foi realizado com cerca de 3,5 mil usuários da plataforma – a maioria homens (88%) com idade entre 46 e 55 anos (29%).

Calibragem de pneus com nitrogênio? – A calibragem de pneus é, e nem precisa ser muito enfático, de muita importância para a segurança, mas também para a economia, manutenção e o desempenho veicular. Ela é relevante para os usuários finais, assim como para motoristas profissionais e gestores de frotas. Nos últimos anos, uma alternativa tem ganhado destaque: a calibragem com nitrogênio. Vale a pena? A coluna De Bigu traz algumas dúvidas elaboradas pela Air Products, empresa especializada em fornecimento de gases industriais.

Mais economia na manutenção – Uma das maiores preocupações dos motoristas é o custo associado à manutenção de seus veículos. Pneus descalibrados podem aumentar significativamente o consumo de combustível e comprometer a estabilidade do veículo. No entanto, a calibragem com nitrogênio oferece uma solução eficaz. “Com o uso do nitrogênio, o intervalo entre calibragens pode se prolongar por até 45 dias”, afirma Omar Abreu, vendedor técnico da Air Products. 

Evita perdas – Segundo ele, o ar comprimido, utilizado para encher os pneus dos veículos, é uma mistura de gases, sendo os principais oxigênio, nitrogênio e contaminantes como óleo e água. Nesse caso, a perda de pressão pode chegar a cinco libras por semana. “Quando oferecemos a calibragem dos pneus apenas com nitrogênio, prolongamos a periodicidade entre calibragens por uma razão simples: as moléculas desse gás são maiores e demoram mais para sair pela borracha do pneu, que é permeável”, explica. E mais: “O segundo ou terceiro maior custo do transporte rodoviário hoje é, sem dúvida, o pneu, perdendo apenas para o combustível e em alguns casos para mão de obra. O nitrogênio representa em média 10% de ganho na primeira vida útil do pneu e economia de cerca de quatro pneus por mês para frotistas”, completa.

Mais segurança – Outra vantagem de pneus calibrados com nitrogênio se refere à segurança. Isso porque pneus com pressão incorreta podem comprometer a estabilidade do veículo e aumentar o risco de acidentes. Omar Abreu observa que nesse sentido, a calibragem com nitrogênio tem se mostrado uma solução eficaz. A permeabilidade reduzida do nitrogênio, em comparação com o ar comprimido, mantém a pressão dos pneus estável por mais tempo, proporcionando uma condução mais segura”.

Preservação do meio ambiente – A sustentabilidade é uma preocupação global e a calibragem com nitrogênio oferece também benefícios ambientais. “Com o uso de nitrogênio, que é um gás totalmente inerte, estável, isento de umidade e óleo, a temperatura e a calibragem ideal do pneu são mantidas por mais tempo, preservando a estrutura interna. Para pneus de transporte, é possível ter em média uma reforma a mais por carcaça, o que também gera ganho ambiental, uma vez que significa melhor aproveitamento do pneu e menor geração de sucata”, destaca Omar Abreu. 

Onde encontrar gás nitrogênio ? – Para garantir a calibração com nitrogênio, basta verificar se a concessionária ou loja revendedora de pneus possui o equipamento compatível. O problema do nitrogênio é o custo de calibragem (pode chegar a R$ 10 por pneu), enquanto o ar comum é geralmente de graça. 

Renato Ferraz, ex-Correio Braziliense, tem especialidade em jornalismo automobilístico

Tracker Midnight: é série especial ou pura vaidade? 

A customização de carros, que nos EUA é moda individual há décadas, a ponto de variar a intensidade por região, também chegou ao Brasil nos anos 2000. Goiano ‘tunar’ picape é tão comum que nem mais surpreende alguém, por exemplo. Mas, aos poucos, a iniciativa foi sendo absorvida pelas próprias montadoras. Agora, nem séries especiais o são mais: basta uma cor específica, um pacote de equipamentos aqui e três ou quatro modelos da mesma marca ganham o privilégio. É o caso das versões Midnight, da Chevrolet, adotada amplamente no Brasil (S10, Equinox, Onix e Cruze). No caso, qual a vantagem para o consumidor? Um diferencial na roda, uma identidade mais exclusiva, um pacote extra de conforto ali – ou de segurança – e por aí vai.

Para se destacar – Este colunista testou o SUV compacto Tracker com a configuração Midnight – que aposta no visual com acabamento escurecido e pacote de equipamentos (só um pouco) mais recheado. A versão usa motor e câmbio em comum às demais: o bom 1.0 turbo de 116cv de potência e 16,8kgfm de torque e câmbio automático de 6 marchas. Na vida diária, é excelente: trabalha bem já com faixas de torque baixas e age rápido em caso de ultrapassagens e acelerações. É, de longe, o melhor benefício do conjunto. A transmissão é tão suave que você esquece dela: não há trancos nem pedidos de ‘socorro’. Talvez fosse o caso de se pôr aletas atrás do volante, para melhor controle (afinal, é um carro customizado). A suspensão absorve a buraqueira de forma eficiente. O consumo – lembrando sempre que ele está atrelado ao comportamento do motorista – ficou na faixa dos 11 km/l, principalmente em razão do fato de ele ter sido mais usado nas vias urbanas (embora tenha circulado por BRs).

Chevrolet Tracker Midnight 2024

Consumo – Pelos dados oficiais, o consumo apresenta os seguintes números: cidade; 11,2 km/l com gasolina; estrada, 13,6 km/l. E mostram que a aceleração de 0 a 100 km/h é realizada em 10,9 segundos e a velocidade máxima é de 177 km/h. Porém, a configuração Midnight não é mais a topo de linha, como anteriormente: fica como intermediária entre a LT e a LTZ – e isso garante uma variável interessante de preços para quem sempre sonhou com “exclusividade”. O retorno da Tracker Midnight (explorando o visual, vale lembrar) foi anunciado em meados do primeiro trimestre do ano, aproveitando o sucesso do reality show BBB, da Globo.

Configurações e preços

AT turbo 116CV – R$ 130.920

LT turbo 116CV –  R$ 135.320

Midnight turbo 116CV – R$ 145.560

LTZ turbo 116CV – R$ 147.760

RS 133CV – R$ 163.820

Premier AT turbo 133CV – R$ 166.780

A versão Midnight tem emblema preto da marca, a famosa gravatinha, faróis com máscara negra, logos alusivas à versão na base das portas dianteiras e uma grade frontal com detalhes em preto brilhante. Aliás, é o mesmo acabamento adotado nos retrovisores externos e apliques dos para-choques. Por ser ‘superior’ à LT, a Midnight tem rodas de liga leve com 17 polegadas de diâmetro e acabamento preto chamado “High Gloss”. Do ponto de segurança, vale lembrar: a intermediária tem seis airbags, alerta de frenagem de emergência e controles de tração e estabilidade, por exemplo. Mas poderia ser melhor em função do preço cobrado. Modelos mais baratos de outras marcas já ofertam mais. Não há, por exemplo, teto panorâmico, retrovisor eletrocrômico, frenagem automática de emergência, monitoramento da pressão dos pneus, carregador de smartphone por indução e por aí vai. A luz de circulação diurna é em LED. Há disponíveis sensores de estacionamento e crepuscular para ligação dos faróis. E, por fim, assistente de partida em rampa e piloto automático.

Vida a bordo – Tem bancos com bom acabamento, embora mais para simples (embora ‘vendidos’ comercialmente como premium, o que não é). Claro, são pretos –  com costura pespontada cinza. O banco do motorista tem regulagem de altura manual, mas merecia algo melhor. O volante tem base reta e também revestido com o mesmo material. Há plásticos sobrando pelos painéis de portas ou no console central. Aliás, o design interno não muda em relação às demais versões – exceto, claro, a cor. 

O ar-condicionado é manual e a chave de aproximação para abertura das portas e partida por botão é útil, prática e bem-vinda nesta versão. Os retrovisores externos são elétricos (sem sinalização para mudança de faixas) e há conexão sem fio para smartphones – e  são quatro portas USB. O sistema de monitoramento e concierge da marca, o OnStar, garante wi-fi embarcado vale simultaneamente para até sete aparelhos. A direção elétrica é leve e gostosa de manuseá-la no dia a dia. Vale lembrar que ela é progressiva: quanto maior a velocidade, mas firme ela fica, por questões de segurança.

A tela da central multimídia de 8’’ tem qualidade – logo sentida no visual de média definição oferecido pela câmera de ré. O espaço, comum a todas as configurações, garante conforto a quatro ocupantes. O porta-malas tem capacidade para quase 400 litros (393, para ser exato), algo suficiente para uma família de quatro pessoas (casal e dois filhos).

Dos 10 SUVs compactos mais vendidos em setembro, o Tracker (todas as versões) emplacou 6.537, o Volkswagen T-Cross ficou em segundo com 5.365, o VW Nivus em terceiro com 4.771 e o Nissan Kicks com 4.706.

Novo Honda ZR-V: R$ 214,5 mil – A montadora japonesa acaba de lançar o ZR-V, o SUV do Civic. Importado do México, tentará, aliás, ganhar clientes do próprio Civic e será o “veículo médio” nas concessionárias ao vender qualidades de SUV com sedã. Vem apenas na versão Touring, de R$ 214.500. A expectativa é de 1 mil unidades/mês, concorrendo com Jeep Compass e Toyota Corolla Cross. O motor é 2.0 aspirado a gasolina com 161cv e 19,1kgfm de torque e transmissão automática CVT com simulação de 7 marchas. Só para lembrar: a maioria dos concorrentes é turbinada e apenas o Corolla Cross ousa usar motor (2.0) aspirado. E quanto aos equipamentos? Pelo preço cobrado, tem obrigatoriamente ar-condicionado digital de duas zonas, central multimídia de 9 polegadas, quadro de instrumentos com tela de 7 polegadas e velocímetro analógico!!. O carregador de celular é por indução, tem teto solar, acesso por chave presencial e partida por botão e por aí vai. Tem também frenagem automática de emergências, alerta de saída de faixa com correção no volante e controlador de velocidade adaptativo com função de parada. Ah, são 7 airbags.

Mitsubishi Pajero ganha versão topo de linha – A linha de SUVs  Pajero Sport teve suas versões atualizadas no mercado nacional e conta agora com a versão Legend, a mais luxuosa e completa do modelo. A topo de linha ganha alguns itens exclusivos e tem como alvo na concorrência a Toyota SW4 Diamond: rodas de 20 polegadas com acabamento em fumê, maçanetas e retrovisor na cor da carroceria (em substituição ao cromado existente na versão HPE-S) etc. A moldura do skidplate recebeu acabamento em preto, assim como parte da grade dianteira, enquanto a dos paralamas ganha cromado escurecido. A parte traseira traz moldura da tampa na cor da carroceria, que contrasta com o acabamento em preto que reveste a moldura do skidplate. 

Com a reestruturação, a linha Pajero Sport 2024 passa a contar com as seguintes versões disponíveis no país:

HPE: R$ 340 mil 

HPE-S: R$ 370 mil

Legend: R$ 410 mil 

O interior ganha mais ‘luxo’ com a adoção de acabamentos em preto nos detalhes do painel, console central e das portas.Tem também aquecimento dos bancos dianteiros e traseiros. Os dianteiros, aliás, contam com ajuste elétrico de posição (o que já tinha na versão HPE-S). O novo sistema de som tem oito alto-falantes e 510W de potência e o sistema de entretenimento com tela de oito polegadas sensível ao toque é compatível com Android Auto e CarPlay.

Volvo EX30 – Nem chegou às lojas e… – Apresentado em setembro, o Volvo EX30 2024 já bate recordes: ainda nem chegou nas concessionárias da marca (só em maio de 2024!!) e já vendeu cerca de 2 mil unidades. Ele é o terceiro modelo totalmente elétrico da Volvo no Brasil, seguindo o XC40 e o C40, e torna o acesso mais acessível: custa a partir de R$ 219.950, a maioria (55%) da versão de topo Ultra. A diretoria da marca pretende ser a líder de vendas do segmento premium, dobrando os volumes de emplacamentos na América Latina. O EX30 2024 foi lançado em quatro versões, todas equipadas com o motor elétrico traseiro de 272 cv de potência e 34,3kgfm de torque, que permite aceleração de 0 a 100 km/h em 5,7 segundos na versão de entrada e 5,3 segundos para os modelos Extended Range. A velocidade máxima é de 180 km/h para todas as versões. São duas opções de baterias: 51 kWh LFP ou 69 kWh NMC, o que pode resultar em uma autonomia de até 470 quilômetros dependendo do padrão adotado. O EX30 pode atingir potência de carregamento de até 153 kW – o que é suficiente para recarregar a bateria de 10% a 80% em pouco mais de 25 minutos. Veja preços e versões:

VersãoBateriaAlcancePreço
Core Singe Engine 51 kWh344 km R$ 219.950
Core Single Engine Extended Range69 kWh480 km R$ 239.950
Plus Single Engine Extended Range69 kWh480 km R$ 264.950
Ultra Single Engine Extended Range69 kWh480 kmR$ 279.950

Linha Hyundai 2024 – O modelo mais popular da Hyundai brasileira, o HB20 (tanto sedã quanto hatch) ganhou uma nova configuração de versões. Isso significa algumas alterações de itens de série e um reposicionamento de preço entre elas. Agora, a marca oferece o HB20 Sense Plus de entrada – que ganhou pintura nas capas de retrovisores e maçanetas. A Comfort Plus tem câmera de ré e faróis com acendimento automático, diferenciando-se a Comfort. A Limited Plus, a topo de linha com o 1.0 aspirado, ganha painel de instrumentos colorido e chave presencial com partida por botão. A Platinum Safety passa a ter itens de assistência ao motorista, mas por um valor mais acessível do que a Platinum Plus. 

Confira preços: 

HB20 1.0 Sense Plus –R$ 82.890

HB20 1.0 Comfort Plus – R$ 86.490
HB20 1.0 Limited Plus – R$ 91.090

HB20 1.0T MT6 Comfort Plus – R$ 99.990

HB20 1.0T AT6 Platinum Safety – R$ 113.290

HB20 1.0T AT6 Platinum Plus – R$ 120.990

Bebeu e atropelou? Pague a conta do SUS – A Comissão de Saúde da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 1615/21 para, nos crimes de homicídio ou de lesões corporais, obrigar o condutor de veículo flagrado sob a influência de álcool ou substância psicoativa ressarcir os custos do Sistema Único de Saúde (SUS) no atendimento às vítimas. O relator é o deputado Luiz Lima (PL-RJ). “Aquele que, por ação ou omissão, causar algum dano a outro tem o dever de repará-lo”, disse. Segundo o Ministério da Saúde, os acidentes de trânsito são a segunda maior causa dos atendimentos de urgência e emergência no SUS. Diante disso, o ex-senador Wellington Fagundes (MT), autor da proposta, defendeu a mudança nas leis, pois os atos de motoristas sob efeito de álcool e drogas prejudicam o Erário.

Kombi elétrica: R$ 155.880 por ano – E finalmente o ID. Buzz, uma espécie de kombi elétrica ‘relançada’ pela Volkswagen, estreia no Brasil. Mas apenas com um lote de 70 unidades e exclusivamente pelo serviço de assinatura, o VW Sign&Drive, com franquia de rodagem de até 3.100 km por mês. Preço: R$ 155,8 mil por ano. O elétrico desembarca por aqui dez anos depois do fim da produção da Kombi e tem motor de 204 (150 kW ) de potência e 31,6 kgfm de torque, com autonomia de 423 km.

Carros elétricos e seus mitos – A BMW, uma das pioneiras na eletrificação da frota, decidiu desvendar os mitos que existem em torno desses modelos, que ainda aguçam a curiosidade de muitos brasileiros. Ao todo, o BMW Group Brasil tem seis modelos 100% elétricos no Brasil, incluindo o BMW iX, o carro elétrico com maior alcance no país. Afinal, há vantagens em adquirir um carro elétrico? 

Autonomia ou alcance – O primeiro mito que cerca os carros elétricos se refere ao quesito autonomia ou alcance. Com baterias cada vez mais modernas e avançadas, assim como os sistemas para gerenciamento do sistema e regeneração, o alcance dos carros elétricos tem crescido cada vez mais. A BMW tem carros elétricos eficientes do país, de acordo com o Inmetro. Os quatro primeiros carros elétricos com maior alcance do Brasil são da marca. Líder isolado, o BMW iX xDrive50 Sport segue sendo o único carro a ultrapassar a barreira dos 500 quilômetros de alcance, totalizando 528 quilômetros de alcance. 

Lentidão para recarregar – O veículo eletrificado evita a interrupção da mobilidade, pois é carregado em momentos oportunos: à noite ou quando o cliente vai ao shopping, cinema, mercado etc. Mesmo quando conectado a uma tomada doméstica, na qual a recarga possa levar uma noite inteira, o proprietário do veículo elétrico sempre terá a sensação de “tanque cheio”. Com as “ wallboxes” (estações de recarga), o tempo de carregamento completo pode ser reduzido para minutos ou poucas horas, dependendo do nível de carga do início do processo.

Prejudicial ao meio ambiente – São muito melhores, especialmente em países com alto índice de fontes renováveis na geração de energia, como é o caso do Brasil. Mas, mesmo que a eletricidade produzida convencionalmente seja levada em consideração para o cálculo e o ônus da produção seja incluído, os carros elétricos ainda estarão à frente. 

Mais caros – O custo do carro elétrico para o cliente já é menor, se considerados todos os custos envolvidos na mobilidade, como manutenção, custo da energia, impostos e seguros. Quanto mais utilizado, mais rápido haverá retorno do investimento. O Brasil possui excelentes condições para o proprietário do carro elétrico. IPVA reduzido ou zerado em diversos estados, custo de energia competitivo e infraestrutura de recarga totalmente gratuita, além de isenção de rodízio na maior cidade do país.

Dão choque – Cada vez que uma nova tecnologia é desenvolvida, as pessoas a enxergam com ceticismo. “Posso confiar nisso?” As baterias são testadas até para inundações. No caso de um acidente, por exemplo, o fluxo de corrente da bateria geralmente é imediatamente desligado, para que não haja risco de choque elétrico aos ocupantes ou prestadores de serviços de emergência. Com o sistema completamente blindado e a prova d’água, os carros elétricos andam até em zonas alagadas sem qualquer tipo de problema.

Solução “paliativa” – Parece inevitável que a era dos carros com motor à combustão termine no futuro, não apenas pela natureza finita dos recursos petrolíferos. No momento, não é possível prever se os carros elétricos e híbridos plug-in vão dominar o mercado. O certo é que a experiência ao volante, os custos cada vez menores e as mudanças fundamentais na mobilidade farão com que os veículos totalmente elétricos desempenhem um papel importante no futuro. 

Não são divertidos ao dirigir – “É divertido dirigir um carro elétrico?” A resposta é: com certeza! As acelerações impressionantes deixam qualquer um boquiaberto. Centro de gravidade baixo, torque imediato e regeneração automática de energia são a fórmula perfeita para muita diversão! O BMW iX M60, por exemplo, tem até 619cv de potência e até 1.100 Nm de torque. Isso é muito divertido!

Renato Ferraz, ex-Correio Braziliense, tem especialidade em jornalismo automobilístico

Versão ‘envenenada’ Fastback Abarth custa R$ 160 mil 

A Stellantis acaba de lançar no Brasil um irmão Abarth do Pulse: o Fastback também foi envenenado pelo escorpião e custa R$ 160 mil. Ele tem o mesmo motor 1.3 turbo da versão Limited: o 1.3 turbo de 185 cv de potência e 27,5 kgfm de torque, com câmbio automático de seis marchas. A Stellantis, porém, garante que o Fastback Abarth recebeu ajustes eletrônicos específicos e ganhou potência e agora faz de 0 a 100 km/h em 7,6 segundos. A velocidade máxima é de 220 km/h. O modelo, produzido em Betim (MG), tem diferenças da versão Limited, a topo de linha. Por exemplo, ganhou suspensão mais esportiva, direção direta, pneus mais aderentes e rodas largas e mais leves, além de controles eletrônicos com ajustes esportivos. O modo Poison (Sport, no Pulse), oferece calibração de motor e câmbio com entrega de torque e potência muito mais rápida. Sem falar num xodó dos fãs da marca: o escape bilateral com som típico de um autêntico Abarth. 

A lista de equipamentos de série é bem ampla: alerta de colisão frontal, frenagem autônoma de emergência, ar-condicionado automático digital, faróis e lanternas full LED, freio de estacionamento eletrônico automático com Auto Hold e central multimídia de 10.1 polegadas com conectividade a bordo, Não há opcionais. Modelo começa a ser vendido esta semana nas 70 concessionárias da rede especializada Abarth no país

Com a chegada do Abarth, houve um posicionamento de preço na gama. O preço sugerido da versão Limited Edition Powered by Abarth foi reduzido em R$ 8 mil. 

Confira abaixo todos os valores:

  • Fiat Fastback Turbo 200 AT: R$ 122 mil
  • Fiat Fastback Audace Turbo 200 Flex AT: R$ 139 mil
  • Fiat Fastback Impetus Turbo 200 Flex AT: R$ 151 mil
  • Fiat Fastback Limited Edition Powered by Abarth Turbo 270 Flex AT: R$ 155 mil
  • Fastback Abarth: R$ 160 mil

BMW X7 renovado: R$ 1.154.950 – O reestilizado BMW X7 acaba de desembarcar oficialmente no Brasil, mas será para poucos felizardos. A versão M60i, única ofertada, tem motor V8 com potência de 530 cv e preço de exatos R$ 1.154.950. O foco das mudanças foram visuais: o conjunto óptico, por exemplo, agora é dividido, com a parte de cima abrigando as luzes diurnas de LED e a de baixo os faróis principais. A grade continua grande e bem destacada, enquanto o para-choque tem novos moldes e vincos mais recortados. A traseira, porém, quase não mudou e segue com lanternas horizontais divididas pela tampa do porta-malas. No interior, destaque para as novidades tecnológicas, como a gigantesca tela horizontal que abriga conjuntamente os elementos do quadro de instrumentos (12,3 polegadas) e as funções do sistema de entretenimento (14,9″). 

Outlander híbrido plug-in virá ao Brasil – Um pouco com atraso, mas o Mitsubishi Outlander de nova geração virá ao Brasil, conforme informação do Motor1.  Virá na versão PHEV, híbrida do tipo plug-in combinando motor a gasolina com propulsores elétricos. Com plataforma e componentes mecânicos compartilhados com o Nissan X-Trail (também cotado para o Brasil) tem conjunto óptico dividido em dois andares com filetes de luzes diurnas de LED na parte superior e, logo abaixo, luzes principais no para-choque.

Novo Renault Kardian – A marca francesa apresentou esta semana no Brasil o Kardian, crossover do segmento B (ou SUV compacto). Ele tem motor a gasolina de três cilindros, com turbocompressor e injeção direta, capaz de fornecer 125cv e 22,4 kgfm com etanol. Quem o viu de perto garante que ele se assemelha muito ao Sandero Stepway europeu. O brasileiro, aliás, não deve sair de linha. De qualquer forma, o bom do carro é o pacote de segurança: são seis airbags de série e vários auxílios à direção que – nesse particular – não estarão como itens de série para todas as configurações. A produção dele será no Paraná, a partir de janeiro, e as vendas estão previstas para março. Especula-se que o preço será na faixa dos R$ 110 mil.

Fim do Captur – Com a chegada do Kardian, prepare-se que vai acontecer com o Captur: ele vai ser descontinuado (sai de linha) no Brasil. A Renault reconhece que o modelo “sofreu impactos” pela falta de componentes e que, por isso, teve seu ciclo de produção encerrado no Brasil. Em 2021, ele havia recebido um bom motor, o 1,3 turboflex, mas fracassou. No ano passado, segundo a Fenabrave, teve 3.007 unidades vendidas, ocupando o 25º lugar entre os SUVs.

Nova L200 em breve no Brasil – Mauro Correia, representante da Mitsubishi no Brasil, disse a jornalistas brasileiros participantes do Salão de Tóquio, no Japão, que a sexta geração da Mitsubishi L200 estará em breve por aqui. O modelo ainda está em fase de homologação, com motor sendo preparado para as normas de emissões do Proconve L8. A Mitsubishi reformulou completamente o visual da sexta geração da L200 – que ganhou um estilo mais imponente, mas quadradão, com uma grade frontal protuberante e os faróis divididos em dois blocos. O motor será um novo 2.4 turbodiesel com 204 cv de potência e 47 kgfm de torque. A transmissão é automática de seis marchas.

Strada celebra 25 anos – Em 24 de outubro de 1998 nascia a Strada, uma picape compacta que revolucionaria o seu segmento. Responsável por trazer diversas inovações para a categoria, a Strada comemora 25 anos de existência, com uma trajetória de sucesso e uma legião de fãs. No total, são mais de 2 milhões de unidades produzidas desde que ela chegou ao mercado. E não para por aí: a Strada ainda se tornou a única picape a chegar ao topo do mercado brasileiro, sendo o carro mais vendido do país desde 2021. Aliás, somente neste ano, já foram comercializadas mais de 86 mil unidades do modelo (até setembro). Mais do que isso, o sucesso da picape se estende além das fronteiras nacionais. Exportada para Uruguai, Paraguai e Argentina, a Strada ainda é um dos veículos mais vendidos da América Latina. Desenvolvida e fabricada no Polo Automotivo Stellantis de Betim, a picape foi pioneira em diversos pontos ao longo de sua trajetória, como a introdução da cabine estendida em 1999, a cabine dupla em 2009 e a revolucionária terceira porta em 2013. Em 2020, passou por uma renovação completa, oferecendo quatro portas e cinco lugares, ficou ainda mais robusta, tecnológica e ainda ganhou um novo design. No ano seguinte, ela inovou mais uma vez ao se tornar a primeira de seu segmento a oferecer um câmbio automático do tipo CVT. Em agosto deste ano, o modelo trouxe novidades: o motor turbo 200 flex, que traz 130 cv com etanol (125 cv com gasolina) e torque de 200 Nm e ainda permite que o modelo vá de 0 a 100km/h em apenas 9,5 segundos. 

Nordeste: recuo para gasolina e etanol – A última análise do Índice de Preços Edenred Ticket Log (IPTL), levantamento que consolida o comportamento de preços das transações nos postos de combustível, apontou que na Região Nordeste o preço médio do litro da gasolina recuou 1,61% na primeira quinzena deste mês, ante setembro, vendido a R$ 6,11. O etanol ficou 2,17% mais barato nas bombas, comercializado a R$ 4,50. Trata-se das variações de recuo mais expressivas de todo o país. Na contramão desse comportamento de baixa,  o diesel comum, por sua vez, fechou a R$ 6,33 na região, após alta de 0,64%, enquanto o tipo S-10 foi comercializado a R$ 6,42, após aumento de 0,47% se comparado a setembro. 

Alta nas buscas por híbridos novos – Levantamento inédito da Webmotors, portal de negócios e soluções para o segmento, revela que a busca por veículos híbridos novos na plataforma cresceu 118% em setembro de 2023 ante o mesmo mês do ano passado. Já entre os modelos híbridos usados, dados do Webmotors Autoinsights mostram que a procura aumentou 95% em idêntico período. “Alinhado ao crescimento das buscas, outro estudo recente, que indica a intenção de compra dos usuários da plataforma, mostra que para 63% dos respondentes a perspectiva de economia de combustível é o principal motivo para a escolha de um modelo híbrido”, comenta o CEO da Webmotors, Eduardo Jurcevic. A pesquisa traz também o ranking dos modelos híbridos novos e usados mais procurados pelos usuários do marketplace até setembro deste ano. O Volvo XC60 aparece em primeiro lugar entre os automóveis novos mais pesquisados no período, enquanto o Toyota Corolla lidera entre os modelos usados da categoria. 

Confira:

Novos

  1. Volvo XC60
  2. Kia Sportage
  3. Honda Civic
  4. GWM Haval H6
  5. Kia Stonic

Usados

  1. Toyota Corolla
  2. Porsche Cayenne
  3. Volvo XC60
  4. Porsche Panamera
  5. Toyota Corolla Cross

Seguro: saiba o preço dos 10 mais vendidos – Ter o seguro de um carro é importante – e nem precisa ser muito esperto para saber. Afinal, em casos de acidentes ou furtos, é a seguradora que fica responsável por cobrir os custos destes acontecimentos inesperados. No entanto, o preço do serviço varia muito de acordo com cada perfil. A Minutos Seguros fez um levantamento interessante do preço médio do seguro dos 10 carros mais vendidos do Brasil em 2023. A cotação foi feita considerando um perfil de 35 anos, seja de homens ou de mulheres casado(a)s moradores do estado de São Paulo. Além disso, os preços mencionados são os de menor valor a partir de uma pesquisa feita com as seguradoras Azul, Alfa, Aliro, Allianz, Bradesco, HDI, Itaú, Ituran, Liberty, Sompo Seguros, Mapfre, Mitsui, Porto Seguro, Tokio Marine e Zurich. Veja os resultados:

Modelo
Perfil masculino
Perfil feminino
1º) Fiat StradaR$ 6.737,12R$ 3.305,24
2º) Volkswagen PoloR$ 2.781,45R$ 1.978,32
3º) Chevrolet OnixR$ 3.695,10R$ 1.936,62
4º) Hyundai HB20R$ 3.191,13R$ 2.669,21
5º) Chevrolet Onix PlusR$ 4.585,12R$ 2.740,39
6º) Fiat MobiR$ 5.190,88R$ 2.064,80
7º) Volkswagen T-CrossR$ 3.534,06R$ 3.564,65
8º) Fiat ArgoR$ 3.031,98R$ 2.260,44
9º) Chevrolet TrackerR$ 4.987,92R$ 3.126,29
10º) Hyundai CretaR$ 3.431,23R$ 2.535,44

Valor do tíquete médio do usado sobe – O comércio de automóveis usados e seminovos em setembro registrou uma margem bruta de 12,3%, recorde no ano. Em 2023, a melhor performance havia sido registrada em fevereiro (11,5%). Este também é o segundo mês consecutivo de alta do tíquete médio, que passou de R$ 77.578 em agosto para R$ 78.767. Os dados são do Estudo Performance de Veículos Usados (PVU), realizado pela MegaDealer com base nos dados da plataforma Auto Avaliar. O resultado chama a atenção por conta da queda nas vendas que, segundo a Fenabrave, foram 14% menores que em agosto (875 mil unidades). Apesar da alta do tíquete médio, o valor praticado no mercado ainda está abaixo de junho (R$ 81.693). “Há uma tendência de recuperação dos preços com a volta da normalidade após o impacto do programa de governo que estimulou a venda de carros novos por um curto período e desestabilizou o mercado de usados”, explica J.R. Caporal, CEO da Auto Avaliar.

Para se ter uma ideia, veículos produzidos entre 2012 e 2015 custavam, em média, R$ 45.135 em junho. Seus valores recuaram para R$ 41.190 em julho. Mas em agosto tiveram uma leve recuperação para R$ 42.488 e em setembro já estava em R$ 43.653. O tíquete médio é ainda 3,3% abaixo do junho, mas 2,7% acima do registro de agosto. O mesmo ocorreu com os veículos ano/modelo 2016 a 2019 que em setembro custavam, em média, R$ 71.218, – 4,8% na comparação com junho, mas 1,7% acima do mês de agosto. A menor recuperação foi apresentada pelo segmento 2020 a 2022, cujo preço está em R$ 102.567, apenas 0,6% acima do valor de agosto e 5,1% abaixo de junho.

Férias antecipadas em Manaus – Boa parte das fábricas de motos em Manaus, no Amazonas, vai antecipar as férias coletivas em decorrência da seca que afeta o Norte brasileiro – que é dependente do transporte fluvial. Ao site AutoIndústria, as empresas informaram que vão adiantar o descanso que concederiam na segunda metade de dezembro. A Yamaha, Kawasaki e J. Toledo/JTZ já formalizaram a antecipação das férias coletivas, sendo que a primeira – segunda maior do país – estará em recesso entre os dias 1º e 10 de novembro. A Kawasaki vai parar por um período mais longo, de 6 a 27 de novembro. A partir de dados de produção consolidados até setembro, é possível estimar que 15,5 mil motos deixarão de ser montadas durante novembro, levando em conta apenas essas três grandes empresas. O total equivale a 12% da produção média mensal de motos em Manaus. A Honda, que detém mais de 70% do mercado brasileiro de motocicletas, informou que permanece adotando alternativas logísticas para manter a produção, mas ainda não tem previsão de férias coletivas. A Abraciclo, entidade que reúne fabricantes do setor de duas rodas, informa que “o cenário atual é de atenção e que todas as suas 14 associadas realizam monitoramento contínuo da situação”. Por isso, ainda é provável que mais fábricas adiantem o recesso de fim de ano.

Nova S 1000 XR – A BMW Motorrad mostrou oficialmente esta semana a nova S 1000 XR, numa versão levemente atualizada:três novas cores, ajustes pequenos na potência, novo assento e aumento de itens na lista de equipamentos padrão. A parte traseira possui novos painéis laterais e entradas de ar renovadas e o acabamento do radiador passou a ter uma superfície texturizada. O motor de quatro cilindros em linha agora, com uma geometria otimizada nos canais de admissão, teve a potência do motor aumentada em 5 cv, atingindo 170 cv, com torque de 11,4kgfm. A nova S 1000 XR vem com uma lista de equipamentos padrão ampliada, como Headlight Pro com luz de curva adaptativa, Daytime Running Lights (DRL) para melhor reconhecimento do veículo durante o dia, Keyless Ride etc.

Como evitar a suspensão da CNH – A suspensão da Carteira Nacional de Trânsito (CNH) acontece com frequência, sim – e é mais comum do que muitos imaginam. O  artigo 261 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB) determina que a CNH pode ser suspensa por duas razões: se o condutor cometeu uma infração autossuspensiva ou se o condutor superou o limite de pontos permitidos na CNH. Em ambos os casos pode-se recorrer e Roberson Alvarenga, CEO da Help Multas, rede de franquias especializada em recursos de multas de trânsito, processos de suspensão e cassação da CNH, destaca alguns pontos importantes para isso.

Como evitar? – A melhor maneira de evitar a suspensão é ter atenção e responsabilidade no volante. Alguns cuidados são básicos e muito necessários, como explica o CEO. “Não dirigir sob o efeito de álcool ou drogas, respeitar os limites de velocidade, evitar manobras perigosas com o veículo, estar sempre atento às sinalizações de trânsito e ter a CNH válida e com a validade em dia são alguns dos principais cuidados a serem tomados”, ressalta Alvarenga. Outra forma é recorrer antes de extrapolar os pontos e a suspensão acontecer. Todas as infrações de trânsito descritas no CTB são classificadas em quatro categorias: leves (três pontos), médias (quatro pontos), graves (cinco pontos) ou gravíssimas (7 pontos). Cada uma estabelece o valor da multa e o número de pontos que será computado na CNH do condutor. O Artigo 267 do Código de Trânsito Brasileiro, prevê que infrações de natureza leve ou média devem ser convertidas em advertência por escrito. Para usufruir desse direito, o condutor ou proprietário do veículo não deve ter cometido nenhuma infração nos últimos doze meses”, completa o especialista.

E agora, como recorrer? – Para recorrer aos casos de suspensão da CNH é necessário apresentar defesa prévia, que é uma manifestação escrita em que o motorista contesta a aplicação da penalidade. “Esse tipo de contestação deve ser feito dentro do prazo estipulado e os documentos devem ser devidamente apresentados como os previstos na Resolução 900/2022 Contran. Nesses casos, procurar um especialista no assunto pode facilitar o processo, por já saber o que fazer e como funciona o trâmite. Um profissional garante soluções ágeis para recorrer, já que possui eficácia em elaborar uma defesa administrativa, com os documentos necessários a serem apresentados aos Órgãos de Trânsito além da legislação aplicável em cada situação, realizando uma defesa personalizada para cada caso”, explica.

Renato Ferraz, ex-Correio Braziliense, tem especialidade em jornalismo automobilístico.

Carro elétrico por R$ 127 mil? 

A chinesa JAC, controlada no Brasil pelo empresário Sergio Habib, baixou o preço do e-JS1 para R$ 127 mil (contra R$ 136 mil antes). Em comunicado oficial, a JAC Motors anunciou que o carro elétrico mais vendido da linha ficará mais acessível graças a uma renegociação com a matriz da empresa, que viu a possibilidade de expandir o volume de vendas do modelo no Brasil. Embora o volume de vendas totais dos modelos 100% elétricos ainda seja pequeno no Brasil, inferior a 1%, o crescimento desse segmento, que registrou alta de cerca de 45% de janeiro a setembro deste ano frente ao mesmo período de 2022, chamou a atenção da JAC Motors na China.”Explicamos que o impacto de cerca de 5 a 7% no reposicionamento do preço refletiria num aumento de 20 a 30% nas vendas do E-JS1. E a matriz concordou”, explicou Sergio Habib. “Eles fizeram a parte deles. Agora é conosco”, concluiu.

Desenvolvido em parceria com o Grupo Volkswagen, o JAC e-JS1 é equipado com um motor de 45 kW (62 cv) de potência e 15,3 kgfm de torque – o que garante aceleração de 0 a 100 km/h em 10,7 segundos. A bateria de lítio-ferro-fosfato tem 30,2 kWh de capacidade, o que dá uma autonomia declarada de 302 km. A recarga rápida em eletropostos (de 15% a 85%) leva 1 hora. Usando um carregador doméstico do tipo wallbox com cerca de 7 kW, são 3,5 horas. Já em uma tomada caseira, uma carga completa (0% a 100%) requer 11 horas.

Kwid em venda direta para cliente comum – O consumidor só consegue comprar um carro diretamente da montadora se ele tiver CNPJ, for fazendeiro, dono de locadoras etc. Mas a Renault acaba de anunciar que por um período de até dois meses vai vender o seu modelo de entrada, o Kwid, com preço de venda direta para o consumidor comum. Com isso, o compacto ficou até R$ 7,2 mil mais barato. Em relação ao Kwid, isso pôde ser feito devido a um acordo com a rede de concessionários, e apenas para os modelos em estoque e num prazo de no máximo dois meses. A montadora vai recomprar o que estiver na loja estocado e vender direto para o consumidor. No Brasil, só tem operando de forma exclusivamente com venda direta a chinesa GWM, que assinou convenção com sua rede de concessionárias autorizando a prática. 

Mustang Mach-E, o primeiro elétrico da Ford – A marca norte-americana começou esta semana a vender no Brasil o Mustang Mach-E, o primeiro veículo 100% elétrico da marca no mercado brasileiro – e, também, o primeiro Mustang nessa eletrificação no mundo (e, nessa configuração, o carro elétrico com o maior torque, aceleração e autonomia da categoria). Desde a estreia global em 2021, já foi lançado em 40 países, sendo o segundo veículo elétrico mais vendido dos Estados Unidos. O Mustang Mach-E chega na versão exclusiva GT Performance AWD Extended Range, topo de linha. Equipado com dois motores elétricos, ele exibe números de respeito: tem potência de 487cv, torque de 87,7 kgfm e acelera de 0 a 100 km/h em 3,7 segundos. A bateria, com capacidade de 91 kWh, garante uma autonomia de até 541km. Preço? R$ 486 mil.

Frontier agora tem garantia de seis anos – A Nissan anunciou esta semana que a garantia de fábrica da picape Frontier passa de 3 para 6 anos – e já a partir da linha 2024. É a maior cobertura do segmento no mercado nacional e vale para todas as versões. E mais: para pessoas físicas, a garantia não tem limite de quilometragem; para pessoas jurídicas, 6 anos ou 100 mil quilômetros rodados (o que ocorrer primeiro). A Frontier tem um bom pacote de segurança desde a versão básica, a S: faróis com acendimento inteligente, 6 airbags, bloqueio de diferencial mecânico, controles automático de descida e de tração e estabilidade, sistema de auxílio de partida em rampa, freios a disco nas quatro rodas, entre outros. O motor é 2.3 turbodiesel que desenvolve 163cv de potência e 43,3 kgfm de torque na versão básica. Nos modelos mais caros, os números sobem para 190 cv e 45,9 kgfm. O câmbio pode ser manual de 6 marchas ou automático de 7 relações, com tração 4×4.

Veja as versões e preços da linha 2024

S 2.3 diesel MT 4×4

R$ 243.090

SE 2.3 diesel AT 4×4

R$ 264.490

Attack 2.3 diesel AT 4×4

R$ 266.490

XE 2.3 diesel AT 4×4

R$ 282.990

Platinum 2.3 diesel AT 4×4

R$ 319.990

PRO-4X 2.3 diesel AT 4×4
R$ 324.990

Accord híbrido custa R$ 325 mil – A Honda apresentou esta semana a nova geração do Accord, numa versão híbrida de R$ 325 mil e bons equipamentos de segurança e conforto. O design, claro, continua conservador com seus faróis estreitos. Mas, internamente, destaque para o painel de instrumentos digital com tela TFT de 10,2 polegadas e funções configuráveis. Uma delas, por sinal, possibilita a consulta das informações por meio de um display de 6 polegadas. No centro do painel, uma multimídia flutuante de 12,3 polegadas e compatibilidade com Apple CarPlay e Android Auto. Ainda entre os equipamentos, sistema de som premium da Bose com 12 alto-falantes, quatro entradas USB-C iluminadas, carregador de celular por indução no console central e myHonda Connect (sistema que conecta motorista e carro via aplicativo no smartphone com funções como ajuste remoto do ar-condicionado, partida do motor, localização do veículos etc). E o mais importante: a questão de segurança, até pelo preço cobrado, se destaca com pacote (bem melhorado) Honda Sensing: câmera de alta capacidade instalada no topo do para-brisa, radar de ondas milimétricas instalado na grade frontal, os tradicionais controle de cruzeiro adaptativo e o sistema de frenagem para mitigação de colisão,por exemplo, estão lá. E os sistemas de assistência de permanência em faixa e de mitigação de evasão de pista, hoje presentes até em carros ‘populares’, idem. E são oito airbags (2 frontais, 2 laterais, 2 do tipo cortina e 2 de joelhos). Tem também monitor de atenção do motorista, assistente de tração e estabilidade, assistente de partida em rampa, sistema de luzes de emergência em frenagens severas, câmera de ré multivisão, sensor de pressão dos pneus e assistente para redução de ponto cego. O motor é um  2.0 de 146cv 19,2kgfm de torque associados a dois elétricos com potência combinada de 207cv. Novo Honda Accord Hybrid - Brasil

HB20: cinco anos, 800 mil unidades – O modelo da marca coreana nasceu especialmente para o mercado brasileiro (daí o H de Hyundai e o B de brasileiro). Isso foi em 2012. De lá para cá, chegou à marca de 800 mil unidades vendidas. Só este ano, foram 70 mil – ficando abaixo apenas do Chevrolet Onix. Ele é fabricado nas versões hatch e sedã, em Piracicaba, no interior de São Paulo. 

Polo de Goiana: híbridos e elétricos – O conjunto automotiva do grupo Stellantis em Pernambuco, onde são produzidos os modelos Jeep, Fiat Toro e picape RAM Rampage, foi escolhido para sediar a fabricação dos primeiros modelos equipados com a tecnologia Bio-Hybrid, referente aos híbridos flex a etanol, e também com a plataforma 100% elétrica. Desenvolvidos pela empresa no Brasil, esses novos veículos estarão disponíveis já no ano que vem. Segundo a Stellantis, eles serão responsáveis pela ampliação do parque de fornecedores no entorno da fábrica pernambucana de 38 para 50 no curto prazo, com projeto de chegar a 100. Outros dois pólos industriais do grupo (Betim, em Minas, e Porto Real, no Rio) também terão produção de modelos eletrificados.

Haval H6 desmontado aos 50 mil km –  A GWM Brasil realizou um desmonte total do SUV híbrido Haval H6 HEV. A ideia era verificar a durabilidade, a robustez e a confiabilidade do veículo. O modelo desmontado rodou exatos 51.886 quilômetros na mão de diferentes motoristas e em diversas situações de rodagem, como trânsito urbano intenso, estradas de terra e altas velocidades em rodovias. E, detalhe importante, esse veículo não passou por nenhuma revisão ou manutenção durante este período – nem mesmo troca de óleo do motor e filtros de ar. A empresa festejou o resultado. “Acabamos com o mito segundo o qual os carros chineses não possuem qualidade. Isso é coisa do passado”, provocou Oswaldo Ramos, CCO (Chief Commercial Officer) da GWM Brasil. Para realizar a desmontagem e a avaliação geral do carro, a marca brasileira convidou o especialista em mecânica automotiva Fábio Fukuda, que foi responsável pelo teste de Longa Duração da Quatro Rodas por 23 anos e já desmontou mais de 100 carros. A análise foi realizada nos seguintes componentes: cabeçotes, velas, turbo, cilindros e pistões, freios, virabrequim, refrigeração, carroceria, suspensão e direção, interior e acabamento e sistema de transmissão elétrica. “O resultado é um carro que revelou robustez e qualidade de construção surpreendentes”, destaca Fukuda.

GLA 2024: de R$ 370 mil a R$ 540 mil – A Mercedes-Benz apresentou no  Brasil o novo GLA, com motorização híbrido-leve e visual levemente retocado. São duas versões: GLA 200 AMG Line e AMG GLA 35 4Matic, com preços de R$ 370 mil a R$ 540 mil, respectivamente. O visual do GLA acompanha o do irmão GLB e ganha novo para-choque dianteiro, mais robusto, com grade redesenhada, faróis e lanternas com nova assinatura em LEDs. Para o GLA 200 AMG Line, rodas AMG de 20 polegadas, assentos esportivos e acabamentos com visual de fibra de carbono. Este tem motor 1.3 turbo com sistema híbrido-leve associado e potência de 163cv, com câmbio automatizado de dupla embreagem e 7 marchas. Já o AMG GLA 35 4MATIC tem motor 2.0 turbo com 306 cv, tração nas quatro rodas e câmbio automatizado de 8 marchas.

Panigale V4 R no Brasil: mas só duas – A moto de corrida homologada para rua Panigale V4 R vem apenas em duas unidades, ao preço de R$ 690 mil cada. A moto garante ao piloto amador um nível de especialidade de corrida que apenas os pilotos oficiais da Ducati poderiam experimentar. Ela ganhou melhorias no motor, chassi, aerodinâmica, eletrônica e ergonomia e se tornou ainda mais rápida. Só para se ter uma ideia: com a combinação de escape de competição e óleo dedicado, a potência máxima da Panigale V4 R pode atingir 240,5 cv. A reserva pode ser feita numa das concessionárias Ducati no país até 30 de outubro.

Scooter da BMW já em pré-venda – A BMW C 400 X já está em pré-venda na rede de concessionários brasileiros, com valores de R$ 54,9 mil a R$ 59,9 mil (de caráter mais esportivo).  Trata-se do 10º modelo do portfólio da Planta Manaus e o terceiro dos sete lançamentos planejados até 2025, dentro do aporte de R$ 50 milhões na fábrica manauara, anunciado no final de 2022. A scooter é equipada com motor monocilíndrico de 350cc e tem potência máxima de 34cv e torque 35Nm, sempre a gasolina. Já a transmissão é CVT (continuamente variável). As rodas são de 15 polegadas na dianteira e 14 polegadas na traseira. O tanque de combustível tem capacidade de 12,8 litros. O peso total do modelo é de 199kg. O modelo tem bons equipamentos de série, como controle de estabilidade automático, ABS, farol/lanterna/setas em LED, sistema para partida sem chave, tomadas USB de 12v e um compartimento expansível sob o banco que permite transportar um capacete fechado ou objetos de até 5kg. 

UTV para 4 pessoas chega ao Brasil – O mercado off-road espera saltar de US$ 16 bilhões, em 2023, para US$19 bilhões, em 2028, segundo a Mordor Intelligence – que atribui o salto à popularidade cada vez maior dos equipamentos e veículos deste segmento. Por isso, a CFMoto Brasil acaba de lançar no país o ZForce 950 Sport 4, um UTV (ou veículo utilitário multitarefas) bem mais forte, com espaço para quatro passageiros, 485 quilos de carga e capacidade para reboque de até 780 quilos. Os detalhes de acabamento e de suspensão garantem mais estabilidade, conforto e segurança, absorvendo impactos e irregularidades de qual seja o terreno. Ele é capaz de chegar aos 120km/h. 

Exame toxicológico – Com a derrubada dos vetos da Lei 14.599/23 que trata do exame toxicológico de larga janela, ficaram definidas novas regras – e para todos os motoristas, especialmente para a turma que lida com caminhões e carretas em longas jornadas pelo país afora. Os condutores que não tenham realizado o exame toxicológico periódico (a cada 2 anos e meio) serão punidos com a chamada multa de balcão, no valor de R$ 1.467,35 (Penalidade – multa cinco vezes) por se tratar de infração gravíssima. E sem prejuízo da multa de mesmo valor prevista para quem estiver dirigindo veículo das categorias C (caminhões), D (vans e ônibus) e E (carretas), com exame vencido. O exame toxicológico de larga janela detecta o usuário regular de drogas, cujo consumo da substância psicoativa compromete sua capacidade de dirigir sob efeito da mesma ou sofrendo as consequências da abstinência. Para isso, é feita a coleta de cabelo ou pelos. Para o coordenador do SOS Estradas, Rodolfo Rizzotto, a medida é fruto do bom senso. “Houve um acordo entre o governo e o Congresso para a derrubada dos vetos. Foi resultado do entendimento do Executivo de que os vetos estimulavam a impunidade de quem possivelmente usa drogas e não compareceu para fazer o exame“.

Seguro cai pelo quinto mês consecutivo – A TEx, insurtech especializada em soluções online para o mercado segurador, revelou que os preços do seguro de automóvel apresentou redução de 1,7% em setembro, em relação ao mês anterior, chegando ao valor de 5,8%. Na comparação com os 12 meses anteriores, também houve queda de 10,8%. Pelo quinto mês consecutivo, o índice registrou redução. A região onde o segurado reside é um fator muito importante na precificação do seguro, pois interfere diretamente nas taxas de roubo e furto. Em setembro, pudemos observar que a Região Metropolitana de Curitiba pagou 4,1% (do valor do seguro do carro), ou 39,7% a menos comparado com a Região Metropolitana do Rio de Janeiro, que pagou 6,8%, o índice mais alto das regiões comparadas.

Limpeza de estofados: questão de saúde – Você já parou para pensar que uma lavagem interna do seu carro é tão ou mais importante do que a externa? Principalmente dos estofados. A sujeira e as bactérias acumuladas nos tecidos podem desencadear alergias, infecções e problemas respiratórios. Além disso, desgastam o material e deixam mau odor. Por isso, a coluna Bigu traz dicas de Rodrigo ressurreição, CEO e fundador da Total Clean, rede de limpeza, higienização e impermeabilização desses equipamentos. Ele propõe uma limpeza completa a cada seis meses, mas o seu bom senso e do tipo de uso (estrada, cidades etc) deve prevalecer. “Vai além da parte estética: a limpeza e higienização combatem o acúmulo de  fungos, ácaros e bactérias, que são os principais agentes das doenças respiratórias”, conta Rodrigo. “Por isso, é preciso compreender que a higienização é uma maneira preventiva de garantir um ambiente saudável para os ocupantes do veículo”, complementa.

O CEO da Total Clean esclarece que uma limpeza profissional é feita por meio da aspiração do estofado e aplicação de shampoo, que atua na remoção da sujidade aparente. Em seguida, usa-se um produto à base de peróxido de hidrogênio, responsável pela higienização do estofado. Para finalizar, é feita a sucção. 

Veja como é possível preservar o estofado com passos simples:

  • Faça um limpeza regular: estabeleça uma rotina semanal de aspiração e limpeza com pano levemente umedecido para retirar o acúmulo de poeira
  • Fuja do sol: pode ocasionar o desbotamento do tecido
  • Utilize capas de proteção: principalmente ao transportar animais que podem rasgar o tecido
  • Fique de olho na ventilação: permita a ventilação no interior do veículo porque isso ajuda a evitar o acúmulo de umidade e odores.

Renato Ferraz, ex-Correio Braziliense, tem especialidade em jornalismo automobilístico

Sentra Advance: o novo vice-líder dos sedãs médios 

O Toyota Corolla continua sendo o sedã médio preferido dos brasileiros. Somente de janeiro a setembro a marca japonesa vendeu 31,3 mil unidades do modelo. Mas o perfil do segmento mudou. O trio C (Corolla, Civic e Cruze) se desmanchou e agora abriu, por exemplo, o segundo lugar do ranking no acumulado de 2023 para o Nissan Sentra, com 2.946. O Chevrolet Cruze, cujo fim de linha deve acontecer até dezembro, vendeu apenas 876 de janeiro a setembro. Do Honda Civic, ninguém sequer fala, quanto mais compra: híbrido e bem mais caro, na faixa dos R$ 250 mil, tem vendido meia dúzia por mês. Por isso, a Nissan acertou ao trazer em março o renovado Sentra, agora importado do México. A Advance, de entrada, custa R$ 149,9 mil. Ela, testada por este colunista, vende 53% do mix – sendo os 47% restantes para a Exclusive e para a Exclusive com interior premium, de couro marrom.

Mesmo sendo de entrada, ela é bem equipada. Ela tem motor 2.0 com câmbio CVT e atende bem quem dá valor ao conforto, espaço, dirigibilidade… Talvez o conjunto pedisse um motor com menos cilindrada e turbinado, melhorando o consumo e ajudando o meio ambiente. Em acelerações e retomadas o condutor nota o esforço daquele que é a terceira geração da família MR20DD – e que, segundo os engenheiros da marca japonesa, ficou mais potente, mais eficiente e tem melhor nível de consumo de combustível. Mas o cuidado com a acústica ajuda a ‘esconder’ o barulho do motor.

Em termos de consumo, salientando sempre para medi-lo o comportamento do motorista, o Sentra faz uns 11 km/l na cidade e 13,9 km/l na estrada, se abastecido com gasolina. Movido exclusivamente a gasolina, ele desenvolve 151 cavalos de potência e 20 kgfm de torque. O câmbio CVT de oitava geração, simula oito marchas – com quadro modos de condução: normal (equilíbrio entre aceleração e dirigibilidade em qualquer condição); sport (marcha mais baixa com rotações mais altas); manual (para controle de velocidade e aceleração por seleção de marcha por meio de paddle shifts atrás do volante); e eco (ajusta a entrega de energia e a resposta do acelerador para o consumo ser reduzido entre 5% e 10%). 

Um detalhe inconveniente, digamos assim, é o freio de estacionamento acionado pelo pé esquerdo. Alguns equipamentos de segurança e conforto não estão presentes até modelos mais topo-de-linha. Tipo: alerta de tráfego cruzado traseiro, alerta inteligente de atenção do motorista, seis airbags, partida remota do motor e sistema de som Bose com 8 alto-falantes. Sem falar das praticidades: porta-trecos a granel (seis espaços na frente, cinco atrás e oito porta-copos), três entradas USB (duas na frente, sendo uma do tipo “C”, de carga mais rápida, e uma atrás). Todas foram colocadas em posições estratégicas e fáceis de acessar. O ar-condicionado é automático de duas zonas, os faróis em LEDs (inclusive os de neblina) com luzes diurnas e acendimento automático. 

Como ganhou 5 cm a mais que a geração anterior (e ficou mais largo que os concorrentes), o interior é bem espaçoso, relativamente bem acabado até na versão Advance (na topo de linha é excelente), e bem aconchegante, digamos assim. O porta-malas do Sentra comporta 466 litros. Como tem espaço de sobra, mesmo para motoristas com altura acima dos 1,80m, a posição de dirigir é boa, deixando as pernas esticadas e reduzindo as chances de batida de cabeça no teto. Vale lembrar que o ajuste do banco do motorista é elétrico (o volante também pode ser ajustado em altura e profundidade). 

O painel colorido é de 7 polegadas, facilitando a visualização das informações do computador de bordo, Este, por sinal, mostra consumo médio, tempo de viagem, velocidade média, autonomia, temperatura externa, aviso de abertura das portas, quilometragem total e parcial e mensagens de alerta. A central multimídia, por sua vez, é de 8 polegadas. No entanto, o espelhamento é feito apenas via cabo USB. 

Grand Cherokee agora é híbrido de 380cv e custa R$ 570 mil– A marca norte-americana pertencente ao grupo Stellantis trouxe de volta o Grand Cherokee. A quinta geração é em versão única, híbrido plug-in, muito mais luxuosa e preço acima de meio milhão de reais. O SUV 4xe 2.0 turbo e dois motores elétricos que, somados, geram 380cv e torque de 65 kgfm, é agora o modelo mais caro da marca no Brasil. Claro: ele não abre mão da lendária capacidade 4×4 da marca, com seus cinco modos selecionáveis de terrenos.  Apesar do sobrenome do Compass híbrido (4xe), o sistema do Cherokee é diferente: o motor elétrico fica dentro da transmissão e tem 136cv e 27kgfm, aproveitando a relação de marchas do câmbio de 8 marchas. A bateria é de 17,3 kWh com potência máxima de recarga de 7,4 kW em AC e, segundo o Inmetro, a autonomia elétrica é de 29 km. As baterias de íons de lítio, aliás, têm 400 Volts e podem ser completamente carregadas em duas horas e meia em uma tomada 220V com o carregador Jeep nível 2 (com potência de 7,4 kW, em corrente alternada, AC). O Grand Cherokee tem quase 5 metros (4.914mm) de comprimento e 214mm de altura mínima do solo. Quanto às outras medidas, vale lembrar: porta-malas de 580 litros de capacidade de rebocar até 2.332 kg.

Segurança e conforto – Até por conta do alto valor do modelo, o pacote de segurança tinha que ser à altura com o ADAS (sistema de assistência à condução) no nível 2. Ele tem piloto automático adaptativo, centralizador de faixas, monitor de ponto-cego com detector de tráfego cruzado, frenagem automática de emergência, câmeras 360 e farol-alto automático. Ainda em função do preço, e da perspectiva de concorrer com modelos também tradicionais no mercado, como Volvo, BMW, Mercedes-Benz etc, o modelo tem acabamento de primeira. São muitos detalhes em madeira, preto e alumínio. Além do painel e da central para o sistema multimídia, há uma tela só para o passageiro, que permite conectar um fone bluetooth para uso de uma fonte de mídia diferente. Com o Head-Up Display e o retrovisor com câmera, a Jeep alerta que são mais de 50″ em telas. O seletor do câmbio é rotativo, junto com o seletor de modos de tração. No lado esquerdo do motorista, o seletor de modos do sistema híbrido: Hybrid, e-Save e Electric. Elétrico também é o ajuste da coluna de direção. O sistema de som é da marca Alpine, com cancelamento de ruídos. O teto-solar é, de fato, panorâmico.

Fiat Ducato sob rastreamento – Em 1998, a Fiat lançou o modelo Ducato, que já tem mais de 130 mil unidades vendidas. A quarta geração, lançada recentemente, trouxe uma série de novidades, mas agora vem uma bem relevante: os serviços de conectividade, sendo o primeiro utilitário da Stellantis a recebê-los no Brasil. A plataforma para uso profissional é um sistema de telemetria e rastreamento de veículos e serve para controle e gerenciamento tanto da frota como também do modo de condução dos motoristas. Sem falar no auxílio na recuperação do veículo em caso de roubo ou furto. “É o sonho de todo gestor de frotas. Ela permite visualizar, gerenciar e obter informações detalhadas sobre os veículos, incluindo sua localização, além de criar alertas personalizados”, destaca Herlander Zola, vice-presidente sênior da Fiat na América do Sul. Disponível nas versões Cargo e Maxicargo, a solução de hardware instalada no modelo envia as informações do veículo em tempo real para a plataforma. Assim, por meio do app ou do site é possível saber onde a van está, criar cercas virtuais, visualizar distâncias e trajetos percorridos, verificar o comportamento do motorista na condução do veículo, auxílio na recuperação do veículo em caso de roubo ou furto, entre outras funcionalidades.  Os usuários terão a oportunidade de desfrutar do pacote completo, que inclui todos os serviços oferecidos pela plataforma Fiat Connect////Me, durante um período de 12 meses. Após esse prazo, os clientes poderão optar por assinar os serviços. A Ducato cargo custa R$ 247.990; a maxicargo, R$ 251.990.

BYD agora é baiana – Finalmente a fabricante japonesa BYD assumiu, fazendo o tal do assentamento da pedra fundamental, do complexo industrial em Camaçari, na Bahia – empreendimento abandonado pela Ford em 2021. A montadora chinesa terá três fábricas para a produção de automóveis, ônibus e chassis de caminhões. E, também, uma de processamento de lítio e ferro fosfato para exportação. O projeto custará R$ 3 bilhões e deve gerar 5 mil empregos diretos. A produção de automóveis de passeio deve começar somente em 2025. Já o governo baiano aproveitou o encontro para anunciar a isenção de IPVA para automóveis elétricos com valor até R$ 300 mil. O projeto receberá ainda incentivos fiscais estaduais até o fim de 2032. A planta de automóveis terá capacidade anual para produzir 150 mil veículos elétricos e híbridos em uma primeira etapa. Do complexo sairão ainda caminhões e ônibus elétricos destinados sobretudo para os mercados do Nordeste e do Norte.

Acidentes de trânsito: horários e dias de perigo – Segundo relatório do Instituto Paulista do Transporte de Carga (IPTC), acidentes de trânsito, especialmente no transporte rodoviário de cargas, acontecem sempre com o mesmo padrão de horário e dia da semana. A análise aponta que a maioria dos incidentes ocorre durante o dia, representando 58,4% dos casos, especialmente entre as 6h e as 18h. Por outro lado, o período da noite, que parece ser mais perigoso, corresponde a 31% das ocorrências. Raquel Serini, economista e coordenadora de Projetos do IPTC, acredita que o risco de acidentes é ampliado durante a noite devido a fatores como redução de visibilidade e maior probabilidade de fadiga entre os motoristas. “Isso se deve ao aumento do fluxo de veículos nas estradas nesse período. No entanto, é importante destacar que os acidentes noturnos tendem a ser mais graves, já que há menos visibilidade e maior probabilidade de o motorista estar cansado, por exemplo. Durante a madrugada, por exemplo, é comum encontrar menos veículos na estrada, mas também há maior risco de cansaço e sonolência por parte dos motoristas”, salienta a economista. Ao analisar a distribuição dos acidentes de trânsito no transporte rodoviário de cargas ao longo da semana, há uma distribuição relativamente equilibrada. As sextas-feiras e os sábados apresentam uma proporção um pouco maior de ocorrências, representando 16,5% e 14,6% dos casos, sugerindo que não há um dia específico que se destaque como o mais propenso a acidentes. De forma geral, é possível dizer que 37% dos veículos envolvidos em acidentes são caminhões tratores, com a maioria das ocorrências na BR-116 e na BR-101. A faixa etária dos acidentados é entre 36 e 50 anos, com 4% sendo óbitos e 25% sofrendo alguma lesão. Uma das principais causas dos incidentes é a reação tardia ou ineficiente, levando a falhas mecânicas e perda de controle do motorista. Problemas mecânicos no veículo, condições climáticas adversas e infrações de trânsito por parte dos motoristas também são colocados como causas acidentais de veículos.

As razões do desgaste dos pneus –  Como está sempre em contato com o asfalto, os pneus desempenham um papel vital na condução, direção e frenagem do veículo. O seu desgaste irregular, seja ao longo da banda de rodagem ou ao redor de sua circunferência, é uma indicação de que pode haver um problema relacionado com o alinhamento ou balanceamento do conjunto de suspensão e amortecimento. Para evitar problemas com os pneus, Juliano Caretta, supervisor de treinamento técnico da DRiV, divisão de negócios do grupo automotivo Tenneco, detentora das marcas Monroe e Monroe Axios, dá algumas dicas de cuidados para a preservar suas condições de uso:

Hábitos ao volante – A maneira como dirigimos pode influenciar o desgaste dos pneus. Atitudes como partir acelerando abruptamente, fazer curvas em alta velocidade e frear bruscamente são, além de perigosas, danosas para os pneus, que sofrem desgaste prematuro nessas condições. Outras situações como passar por cima de um meio-fio podem danificar a sua estrutura interna, causando danos ou protuberâncias em suas paredes laterais. Vale destacar que é necessário tomar cuidado ao passar sobre detritos e obstáculos como buracos, valetas, vidros quebrados ou pedras. Tudo isso pode causar abrasão, o que leva a danos na superfície do pneu. “Um pneu em más condições vai afetar diretamente o sistema de suspensão e amortecimento. Dirigir com cuidado e atenção pode ajudar a aumentar sua vida útil”, complementa Caretta.

Veículo desalinhado – As rodas são fixadas de forma independente ao carro por um sistema de suspensão complexo com vários elos interligados e muitos pontos de regulagem. Cada ajuste deve ser definido de acordo com as especificações do fabricante para garantir que os pneus estejam devidamente alinhados em linha reta durante a condução do veículo. Quando há o desalinhamento das rodas, existe o risco de desgaste irregular dos pneus, o que compromete o conjunto da suspensão e direção. “É sempre necessário avaliar a condição dos pneus periodicamente e procurar por sinais de desgaste irregular ou prematuro”, ressalta Caretta. Nesse caso, o executivo recomenda uma inspeção visual, para verificar a condição dos sulcos na superfície e na lateral da banda de rodagem. Havendo qualquer suspeita de irregularidade, ele recomenda levar o carro à uma oficina para avaliar as condições de alinhamento e suspensão.

Calibração adequada – Pneus com pressão insuficiente ou excessiva podem sofrer desgaste irregular em sua superfície. “Pneus com pressão excessiva sofrem maior desgaste no centro da banda de rodagem. Já com pressão insuficiente apresentam desgaste mais perceptível nas laterais. Os dois casos são bastante prejudiciais. Comprometem as condições de rodagem e frenagem do veículo, além de prejudicar o funcionamento dos demais componentes da suspensão”, explica Juliano Caretta. Para evitar que isso aconteça, é recomendável manter os pneus sempre calibrados, conforme as indicações do fabricante, verificando a pressão dos pneus semanalmente.

Amortecedores gastos – Eles ajudam a garantir o contato entre o pneu e o asfalto, o que é muito importante para um desempenho direcional eficiente. Quando eles estão desgastados ou em mau funcionamento, a suspensão é diretamente afetada, prejudicando a aderência dos pneus com a superfície de rodagem. Nesse caso, o pneu ficará pulando contra o asfalto, prejudicando a dirigibilidade e conforto ao dirigir, danificando sua estrutura, como descreve Juliano Caretta: “Esses saltos podem causar deformações em formato de escamas, percebidas quando o profissional passa a palma da mão pela superfície de rodagem dos pneus. Rodas desalinhadas ou componentes de suspensão desgastados também podem provocar falhas na área de contato dos pneus e, em casos raros, danos distribuídos uniformemente por toda sua extensão”.

Rodas danificadas – Bater com a roda em um buraco não é apenas irritante; pode entortar um aro de aço ou alumínio ou causar rachaduras em uma parte da roda. Qualquer um dos casos poderá causar vibração no pneu enquanto ele gira, resultando em desgaste irregular da banda de rodagem. A inspeção das rodas durante a revisão do veículo pode indicar problemas que afetam o desgaste dos pneus.

Suspensão desgastada – Os componentes da suspensão, como juntas, terminais de direção, bieletas, buchas e bandejas são projetados para manter a roda e o pneu firmemente em contato com o solo. Se alguma dessas peças estiver desgastada, isso poderá resultar em desgaste irregular dos pneus. Como a roda e o pneu não estão mais presos com segurança, o desgaste normalmente resulta em padrões em um desgaste irregular. Consequentemente, ocorrerá um efeito dominó, que afetará outros componentes, estendendo os danos no veículo. Para finalizar, o Juliano Caretta ressalta que tanto o cuidado com os pneus, como os componentes da suspensão são importantes para a preservação das condições de dirigibilidade, conforto e segurança e que para isso, bastam alguns hábitos simples: “Checagem  semanal da pressão dos pneus, inspeção visual nas bandas de rodagem, condução com responsabilidade e seguir as orientações de manutenção dos fabricantes evitará a ocorrência de problemas mais sérios e preservará a segurança, o conforto e o bolso dos motoristas”.