Silvio anuncia R$ 100 milhões para alavancar aeroporto de Caruaru

Por Magno Martins – exclusivo para a Folha de Pernambuco

Com menos de seis meses à frente do ministério de Portos e Aeroportos, o ministro Silvio Costa Filho (Republicanos) tem trabalhado arduamente para levar para Pernambuco obras e investimentos importantes para o desenvolvimento do Estado. Entre uma série de ações programadas pela pasta, que acontecem ainda neste primeiro semestre, está o anúncio, no próximo dia 1º de março, de um investimento da ordem de mais de R$ 100 milhões no aeroporto de Caruaru.

“Estamos trabalhando muito ao lado do presidente Lula (PT) para levar ações, obras e investimentos para o nosso Estado e o aeroporto de Caruaru está entre elas. Não tem sentido cidades como Campina Grande, na Paraíba, e Mossoró, no Rio Grande do Norte, terem excelentes aeroportos e Caruaru, que representa uma região com mais de 26 cidades, não ser contemplada com o fortalecimento da aviação”, comenta o ministro, em entrevista exclusiva à Folha.

Segundo Silvio Costa Filho, será viabilizado junto a Infraero a oportunidade do aeroporto de Caruaru contemplar voos que irão fomentar, além do turismo de negócios e de lazer, o de transporte de cargas, que é muito forte na região. “Estamos trabalhando para que tenhamos voos de Caruaru-São Paulo, Caruaru-Rio de Janeiro e Caruaru-Brasília”, adianta o ministro, que oficializará, no próximo dia 1º, em Caruaru, ao lado da governadora Raquel Lyra (PSDB) e do prefeito de Caruaru, Rodrigo Pinheiro (PSDB), o plano de reestruturação do aeroporto.

Ainda no compasso dos investimentos para o Estado, o ministro garante também outros anúncios importantes, a exemplo do aporte de quase R$ 2 bilhões para Suape, através de R$ 1,7 bilhão da Maesk, além de mais de R$ 200 milhões na dragagem do Porto pernambucano.

“Estou muito confiante nos investimentos que estão programados no PAC, com a construção de 10 mil casas pelo programa Minha Casa, Minha Vida, além de obras fundamentais para o escoamento da produção e desenvolvimento do turismo regional, como a duplicação da BR-423, que liga São Caetano a Garanhuns e a duplicação de São Caetano a Arcoverde, a duplicação BR-232, a BR-104, a construção das adutoras, entre outros investimentos que estão sendo capitaneados pelo Governo Lula, como a transnordestina”, elenca o ministro.

E os investimentos não devem parar por aí. Segundo o ministro, ele deve vir a Pernambuco, no próximo mês, para junto com o ministro dos Transportes, Renan Filho (MDB), e membros da bancada pernambucana em Brasília, anunciar novos investimentos no Estado.

Já falei muito de amor. O amor é divino. É o maior mandamento e aconselhamento de Deus. Está no livro de Coríntios: “O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha. Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor”.

Mas o amor se perpetua na música. Renato Russo, a quem faço hoje um tributo no Sextou, cantou o amor como ninguém. Foi profundo e filosófico na canção Monte Castelo: “Ainda que eu falasse a língua do homens/ E falasse a língua do anjos, sem amor eu nada seria/ É só o amor, é só o amor”.

O amor, segundo o filósofo do amor, o roqueiro Renato Russo, conhece o que é verdade. O amor é bom, não quer o mal/ Não sente inveja ou se envaidece/ O amor é o fogo que arde sem se ver/ É ferida que dói e não se sente/ É um contentamento descontente/ É dor que desatina sem doer”.

Que lindo e profundo! Ele escreveu e cantou também que a diferença do amor e do ódio, é que pelo ódio a gente mata, e pelo amor a gente morre. E advertiu: “Mas tem gente que machuca os outros, tem gente que não sabe amar”.

O mais belo de Renato Russo, entretanto, eu deixei para o final. Está no refrão da música País e filhos: “É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã, porque se você parar para pensar, na verdade não há”.

Quando se aprende a amar, segundo Russo, o mundo passa a ser seu. “Nunca chore diante das pessoas que não entendem o significado de suas lágrimas, porque amar é uma arte, mas nem todo mundo é artista”, disse, com muita sabedoria poética.

Shakespeare tinha razão, a razão de Renato Russo: “O amor não se vê com os olhos, mas com o coração”.

O presidente Luiz Inácio da Silva (PT) se reuniu com o chanceler russo, Serguei Lavrov, hoje, no Palácio da Alvorada, em Brasília. Ontem, Lula recebeu o secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken. Responsáveis pelos assuntos externos dos países do G20 (as 20 maiores economias do mundo) vieram ao Brasil nesta semana, para os preparativos da cúpula do grupo, marcada para novembro, no Rio de Janeiro.

Segundo o Palácio do Planalto, Lula e Lavrov discutiram o conflito entre a Rússia e a Ucrânia, que já dura dois anos. Lavrov expôs as posições russas, e Lula reiterou a posição de que o Brasil continua disposto a colaborar com os esforços em favor de paz. O conflito começou com invasão russa ao território da Ucrânia.

“O chanceler Lavrov expôs as posições da Rússia em relação ao conflito na Ucrânia. O presidente Lula reiterou a posição de que o Brasil continua disposto a colaborar com os esforços em favor da paz”, afirmou o governo brasileiro em nota. De acordo com o governo, os dois também discutiram temas da agenda bilateral entre os dois países, os debates ocorridos na reunião de chanceleres dos países do G20, que ocorreram no Rio de Janeiro, e questões globais.

“Lula agradeceu pela manifestação de apoio ao Brasil e confirmou que irá à Rússia para a Cúpula dos Brics. O presidente reafirmou a importância de uma nova governança global para lidar com temas como inteligência artificial e as mudanças climáticas, que não podem ser enfrentadas isoladamente”, diz o comunicado brasileiro.

Antes de encontrar Lavrov, Lula e o secretário de Estado do governo estadunidense, Antony Blinken, que é responsável pela política externa dos Estados Unidos, conversaram sobre iniciativas para a paz na Faixa de Gaza e as eleições na Venezuela na quarta-feira (21), em Brasília. A informação é da embaixada dos Estados Unidos. Lula e Blinken se reuniram por cerca de 2 horas no Palácio do Planalto. Representantes dos dois governos também estiveram presentes.

Folha de São Paulo

O Ipespe (Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas) foi contratado pela CNN Portugal para realizar pesquisas sobre a eleição para a Assembleia Nacional, que ocorrerá em 10 de março. O pleito definirá o próximo primeiro-ministro do país. É a primeira vez que uma TV portuguesa contrata um instituto brasileiro para esse tipo de levantamento.

O Ipespe será responsável por fazer um tracking eleitoral com resultados apresentados diariamente. Para a pesquisa, as entrevistas serão realizadas por telefone nos 20 círculos eleitorais do território de Portugal. O objetivo é acompanhar as intenções de voto.

No sistema luso, os eleitores não votam diretamente nos políticos, mas sim nos partidos, que definem previamente suas listas de candidatos. As eleições antecipadas de 10 de março foram convocadas após a renúncia do premiê António Costa em meio a uma investigação de corrupção no centro do governo.

Almocei, hoje, em Brasília, com o jornalista Renato Ferraz, colunista de automóveis deste blog. Ele me levou para conhecer o restaurante Tia Zélia, na Vila Planalto, local onde se abrigaram as primeiras levas de trabalhadores que construíram, sob lama e poeira, dependendo da época do ano, a capital da República.

O lugar, a pouco menos de 1 km em linha reta do Palácio do Planalto e da Esplanada dos Ministérios, é gerenciado por tia Zélia, a cozinheira preferida do presidente Luís Inácio Lula da Silva, cujas fotos enfeitam as paredes do lugar.

“Nesse governo, ele ainda não veio. Mas eu entendo as razões”, disse ela a este blogueiro, enquanto dava ordens aos garçons e demais funcionários do restaurante, batizado com o seu nome.

Além de imagens de Lula, como se fosse um oratório antigo de casas da zona rural dos sertões, o lugar é cheio de fotos de políticos, principalmente de petistas, homenagens e recortes de reportagens jornalísticas.

Na parte interna, apenas seis mesas – uma delas para 10 lugares – e a cozinha, aberta ao público; fora, um gigantesco toldo de lona branca e dezenas de mesas espalhadas pela grama de área pública do outro lado da rua.

Essas ‘invasões’, que expõem funcionários e clientes a riscos de atropelamentos e intempéries climáticas, são bem típicas da cidade que Juscelino Kubitscheck inventou de criar.

A baiana Tia Zélia, que na verdade se chama Maria de Jesus Oliveira da Costa, diz conhecer Lula desde 2008, quando lhe serviu uma buchada de bode.

Lula gostou, voltou e sempre que quis mandou seguranças e auxiliares buscá-la. Aliás, a iguaria é um dos carros-chefes do cardápio, que tem geralmente três opções variadas diárias. É buchada de bode, carne-de-sol e rabada – outro prato preferido de Lula. Tem também macarrão simples, feijão tropeiro ou no caldo, salada tradicional e, claro, cervejas geladas e pingas de todos os estados.

O preço é, além do sabor, convidativo: R$ 45 em média para uma pessoa, com variação diária de pelo menos uma opção. Mas, apesar da lona branca aconchegante, os melhores lugares ficam sob as figueiras ainda não centenárias, mas que oferecem tudo o que às vezes desejamos na secura de Brasília- apenas sombra.

Pré-candidato à Presidência da República, o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (UB), disse, há pouco, em entrevista ao blog e à Rede Nordeste de Rádio, que o principal mote da campanha presidencial de 2026 será segurança pública.

“A sociedade brasileira está refém do narcotráfico. Isso não pode perdurar por mais tempo. Em Goiás, bandido tem que mudar de profissão, se quiser morar lá, porque não damos guarida a fora da lei”, afirmou.

Bem à vontade, Caiado reafirmou sua disposição de disputar o Planalto, disse que, eleito presidente, vai enfrentar o narcotráfico e a bandidagem em todas as regiões, sobretudo no Nordeste.

Também fez duras críticas ao presidente Lula (PT) pelas declarações ofensivas à comunidade judaica. Veja o vídeo!

O presidente do PL, Valdemar Costa Neto, e o ex-ministro da Justiça Anderson Torres não aderiram ao “pacto de silêncio” que prevaleceu, hoje, nos depoimentos do inquérito do golpe. Eles decidiram responder aos questionamentos da Polícia Federal (PF).

A PF intimou 23 pessoas para serem ouvidas simultaneamente na investigação. Os depoimentos foram marcados no mesmo dia e horário para prevenir a combinação de versões. As informações são do portal Estadão.

A estratégia dos investigadores acabou frustrada pelas defesas. O ex-presidente Jair Bolsonaro e seus aliados decidiram não responder às perguntas. Eles alegam que não tiveram acesso a todas as provas que fundamentaram a Operação Tempus Veritatis. O maior interesse é em torno das conversas de WhatsApp obtidas pela PF.

A investigação se debruça sobre a trama golpista que teria sido articulada por aliados próximos do ex-presidente para anular o resultado da eleição e mantê-lo no poder.

Flávio Dino, 55 anos, tomou posse, hoje, como novo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). A cerimônia foi presidida pelo ministro Luís Roberto Barroso. “Eu me limito a fazer uma brevíssima saudação de boas-vindas ao ministro Flávio Dino, que é uma pessoa recebida por todos nós com muita alegria, um homem público que serviu ao Brasil, em muitas capacidades, e nos Três Poderes”, disse Barroso, depois de empossar Dino.

“Na verdade, a presença maciça nesse plenário de pessoas de visões políticas das mais diversas apenas documentam como o agora ministro Flávio é uma pessoa respeitada e querida pela comunidade jurídica, política e pela sociedade brasileira. E a presença de todas as pessoas, de todas as visões, documentam a vitória da democracia e institucionalidade, da civilidade”, completou Barroso.

Autoridades dos Três Poderes acompanham a solenidade, entre as quais o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, e os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG). A lista de convidados, feita pelo próprio Dino, tem cerca de 800 nomes.

Integrantes da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), da Advocacia-Geral da União (AGU) e da Procuradoria-Geral da República (PGR) também compareceram. À noite, por volta das 19h, Dino participa de uma missa na Catedral de Brasília, celebração para qual foram convidadas 500 pessoas. Ministro dispensou a tradicional festa oferecida pelas associações de juízes.

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) compareceu à sede da Polícia Federal, em Brasília, hoje, mas ficou em silêncio diante dos investigadores que apuram uma suposta tentativa de golpe de Estado. A informação de que o ex-presidente ficou em silêncio foi divulgada pelo advogado Fabio Wajngarten. Bolsonaro ficou menos de meia hora na sede da PF.

Em entrevista, Wajngarten disse que o ex-presidente “nunca foi simpático a qualquer tipo de movimento golpista”. “Esse silêncio [no depoimento] quero deixar claro que não é simplesmente o uso do exercício constitucional silêncio, mas uma estratégia baseada no fato de que a defesa não teve acesso a todos os elementos por quais está sendo imputada ao presidente a prática de certos delitos”, afirmou o advogado.

Wajngarten disse que a falta de acesso à delação de Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, e a mídias obtidas em celulares apreendidos de investigados “impedem que a defesa tenha um mínimo de conhecimento de por quais elementos o presidente é hoje convocado ao depoimento”.

Em nota, a defesa do ex-presidente disse ainda que Bolsonaro não abre mão de prestar depoimento, o que fará assim que “seja garantido o acesso” solicitado. “Não sendo demais lembrar que jamais se furtou ao comparecimento perante a autoridade policial quando intimado”, diz o comunicado.

A Comissão de Meio Ambiente do Senado aprovou o Projeto de Lei que visa aumentar a segurança e a sustentabilidade das atividades de mineração no país. Relatado pela senadora Teresa Leitão (PT), o PL 1303/2019 obriga que as mineradoras tenham um plano de gerenciamento de desastres. 

A proposta é da senadora Zenaide Maia (Pros-RN) e a intenção é evitar a ocorrência de catástrofes semelhantes às de Mariana e Brumadinho, em Minas Gerais, que resultaram na morte de centenas de pessoas, destruíram cidades e provocaram a poluição de rios e matas.

“A reincidência desses desastres ambientais na mineração acarreta não somente ameaças ao ambiente natural, mas também à qualidade de vida e à saúde pública. O projeto representa uma medida fundamental para a efetiva preservação do meio ambiente e a salvaguarda da população”, destacou a senadora Teresa Leitão. 

O relatório, que acolheu três emendas aprovadas previamente na Comissão de Infraestrutura, altera o Código de Minas (Decreto-Lei 227/1967), que lista as exigências para a criação do plano de aproveitamento econômico da jazida, para estabelecer que seja feito também um projeto para gerenciar o risco de eventuais desastres ambientais. Aprovado no Senado, o texto agora segue para análise na Câmara dos Deputados.