Assim é se nos parece

Por Mauricio Rands*

Vivemos reescrevendo o próprio passado. O sapiens somos bam-bam-bans em narrativas. Desde os caçadores e coletores antepassados, quando nos recolhíamos às cavernas para descansar, comer e nos proteger. Frágeis que somos, sempre atenuamos nossa fragilidade por meio da linguagem. Essa poderosa que nos impele a construir mitos. E a mentir muito.

Estórias que iniciam por alguma conexão com a realidade facilmente descambam para ficções. Que nossos cérebros são estruturados para nelas acreditar. Uns mais, outros menos. Mas quem de nós não “remodelou” o que se passou em nossas vidas? O maior mentiroso é sempre aquele que acredita na própria ficção. Feito o amigo da juventude que, certo dia, para impressionar a menina, de repente animou-se a reinventar dias que teria passado na Inglaterra correndo nas pistas da Fórmula 3, mas que tinha convite para correr na Fórmula 1. O Brasil pode ter perdido um novo Ayrton Sena.

Como a vida é dura e curta, essa capacidade nos impele a enfrentá-la com ânimo. De outro modo, muito do que vivemos pareceria inútil. Crer nas próprias idealizações do presente requer reinterpretar o passado. Como já nos advertia Gabriel Garcia Marques, em seu “Viver para contar”, “a vida não é a que a gente viveu, e sim a que a gente recorda, e como recorda para contá-la.” Por isso, a História, feita das nossas estórias, é ela própria uma ficção. Como me recorda Diego, recém-licenciado nessa ciência da fascinante narrativa do passado.

Lasca é saber que essa grande ficção não é criada de forma neutra. Assim como os modelos de linguagem da inteligência artificial não são neutros, a grande dama ficcional também não o é. Os fatos registrados foram-no, o mais das vezes, objeto da curadoria dos grupos dominantes. Os registros dos destituídos de poder são sempre mais escassos. E mesmo quando existem, são enquadrados nas molduras dos curadores. Os que tinham alguma forma de poder.

Em 1989 Eric Hobsbawm escreveu brilhante ensaio sobre a Revolução Francesa, quando, em seus 200 anos, ela passou a ser reinterpretada por uma certa ideologia revisionista (“Ecos da Marselhesa”). Então, alguns de seus intérpretes pretendiam reduzir-lhe o alcance transformador. O que induziu Hobsbawm a sugerir que procurassem investigar como a revolução foi percebida pelos contemporâneos. Talvez aí esteja uma chave para diminuir os subjetivismos.

Quando viajei a convite do Governo Alemão para uma imersão em suas instituições, voltei bem impressionado com a grande obra de reconstrução que o povo alemão foi capaz de fazer depois da 2ª Guerra. A catarse sob a liderança lúcida e equilibrada de Adenauer. A criação de instituições democráticas através da Lei Fundamental de 1949. Como bem descreveu Kissinger no capítulo do seu “Leadership” dedicado a Adenauer. Ao ler John Kampfner, um inglês que trabalhou dez anos em Berlim como correspondente do Financial Times (“Why the Germans Do it Better”) tive reforçada essa avaliação positiva. Para algum tempo depois, ser contraditado pelo primo Rhandau, que me narrou algumas de suas experiências contraditórias nesses oito anos em que lá vive.

Em seu mestrado na Universidade de Bamberg, imprimiu o olhar versátil e criativo próprio dos brasileiros a um trabalho de consultoria a uma poderosa rede de supermercados que recorreu à universidade para sua reestruturação gerencial. Seu projeto foi o escolhido e adotado pela empresa. Celebrado. Como já havia acontecido com outra consultoria por ele prestada. Desta feita, um projeto também de reestruturação gerencial para a Universidade de Aachen. Pouco depois desses êxitos intelectuais e profissionais, com seu biotipo brasileiro não-ariano, foi “convidado” a se retirar de uma loja.

Rhandau e Kampfner, dois estrangeiros, perceberam a mesma realidade de maneiras diversas. Narrativas. Assim é se lhes e nos parece. Mas que a realidade existe, essa parece ser uma narrativa difícil de nela descrer.

*Advogado, professor de Direito Constitucional da Unicap, PhD pela Universidade Oxford

Veja outras postagens

Pimentel, a nova vítima de Raquel  

Ao tentar se manter no poder em Araripina, a capital do Araripe, a 682 km do Recife, depois de oito anos como prefeito, na tentativa de dar as regras do jogo eleitoral nas eleições de outubro, Raimundo Pimentel, hoje sem partido, depois de abandonar o União Brasil e se filiar ao PDT, só sentiu o baque, ontem, ao perceber que entrou numa grande fria apostando na governadora Raquel Lyra (PSDB) como fiel depositária dos seus interesses.

Raquel deixou o aliado Pimentel sem lenço e sem documento, como diz a canção de Caetano Veloso. Numa entrevista recente em Araripina, o prefeito disse que as questões relacionadas ao PDT, rachado literalmente ao meio em seu município, não eram da alçada dele. “Isso é um problema da governadora, não é meu”, disse Pimentel. O desabafo se deu quando o vice-prefeito Evilásio Mateus, descartado por Pimentel, abriu uma dissidência no PDT e criou as condições para um bate-chapa na convenção com a então candidata oficial, a ex-secretária de Educação, Ana Paula Ramos.

Naquele momento, Pimentel tinha certeza de que ganharia a convenção porque a governadora havia dito a ele que tinha pleno controle do PDT. Tudo mentira! Tudo história de trancoso. Pimentel só caiu na real ontem, quando tomou conhecimento de que o seu algoz Evilásio Mateus havia dado a volta por cima e conseguido mudar as regras do jogo da convenção do PDT, via a executiva nacional.

Ao acusar o golpe, o prefeito riscou Ana Paulo Ramos do seu caderno e anunciou como candidata do seu grupo a vereadora Camila Modesto, filiada ao Podemos. Em português claro, Pimentel virou, na prática, a mais nova vítima da governadora Raquel Lyra. Achou que por ela ser a chefe do Estado, a superpoderosa, o PDT não escaparia das suas mãos. Deu-se mal e teve que pedir arrego ao ex-deputado Ricardo Teobaldo, presidente estadual licenciado do Podemos, mas que continua com o poder nas mãos, a palavra final com relação ao controle do partido em todos os municípios.

Embora seja um gestor bem aprovado e casado com uma deputada estadual, Pimentel sai deste episódio como um anão, perdendo a batalha para o seu vice, porque confiou numa governadora sem liderança. Existe uma deformação lastimável na consciência política dos líderes em geral: adoram ser enganados.

Pimentel foi mais um!

INDEPENDÊNCIA NA ALEPE – Depois do grande desapontamento com a governadora Raquel Lyra, o que se comenta em Araripina é que a deputada Socorro Pimentel (UB), esposa do prefeito, passará a ter uma postura de independência na Assembleia Legislativa. Seria uma forma de dar o troco à tucana por tudo que aconteceu em seu município, onde não teve força nem disposição para deixar o PDT nas mãos de Pimentel. A Pimentel, Raquel garantiu que tinha o aval do presidente nacional, Carlos Lupi, a quem entregou de mãos beijadas uma secretaria em sua gestão.

Evilásio x Roberta – Se Camila Modesto, a pré-candidata de Raimundo Pimentel em Araripina filiada ao Podemos, não decolar, a eleição para prefeito no município tende a ser polarizada entre o pré-candidato do PDT, Evilásio Mateus, preferido pelo prefeito, e a pré-candidata do PP, deputada Roberta Arraes, esposa do ex-prefeito Alexandre Arraes. Se isso ocorrer de fato, seria a primeira vez que um prefeito com o domínio absoluto da máquina estaria fora do jogo em Araripina.



Acusou o golpe – Ao acusar o golpe pela perda do controle do PDT em Araripina para o seu vice Evilásio Mateus, o prefeito Raimundo Pimentel, soltando labaredas pelas ventas, foi às redes sociais e acusou o golpe afirmando: “O golpe que foi ardilosamente e covardemente tramado foi consumado, mas a história e a vida não perdoam os traidores e os canalhas. O povo de Araripina jamais permitirá que nossa cidade caia de novo nas mãos sujas dos corruptos e vendilhões! A resposta virá nas urnas e, com certeza, os nossos oito anos de trabalho digno em benefício do nosso povo serão honrados”.

Fora da chapa – Vereador por três mandatos e principal nome do PSB em Camaragibe, Paulo Andre (PSB) não aceitou ser o vice na chapa do pré-candidato a prefeito do município pelo Republicanos, Diego Cabral. “Não há chance alguma para que eu seja vice em qualquer chapa. Meu compromisso segue sendo com a população. Vou continuar trabalhando arduamente para representar cada um dos cidadãos de Camaragibe. Meu compromisso com a cidade e com nosso povo é inabalável”, afirmou, ao se pronunciar sobre as especulações que apontavam como certo na chapa de Cabral.

Anderson, o vice de Rodrigo – Em Caruaru, o desfecho do fechamento da chapa do prefeito Rodrigo Pinheiro (PSDB) está por um triz. Como no Recife, onde João Campos deve anunciar uma pessoa bem próxima e da sua confiança, na capital do Agreste, Pinheiro vai no mesmo rumo, porque estaria com projeto de disputar um mandato de deputado federal nas eleições de 2026. O nome mais cotado é o do assessor especial Anderson Luiz.




CURTAS

EM GREVE – Os servidores do INSS entraram em greve, ontem, por tempo indeterminado. Entre as reivindicações da categoria, a recomposição de perdas salariais, valorização profissional e melhores condições de trabalho. A paralisação foi aprovada em plenária convocada pela Federação Nacional de Sindicatos de Trabalhadores em Saúde, Trabalho, Previdência e Assistência Social (Fenasps).

SEBÁ BANCOU– Conforme a prefeita e candidata à reeleição em Serra Talhada, Márcia Conrado, já tinha adiantado, o seu vice Faeca Melo, do Avante, foi uma indicação do presidente estadual da legenda, ex-deputado federal Sebastião Oliveira, mais conhecido por Sebá.

CANDIDATO – O ex-presidente da Câmara de Vereadores de Olinda, André Avelar, confirmou que teve, ontem, uma longa conversa com o pré-candidato do PRTB a prefeito de Olinda, Antônio Campos, mas em nenhum momento bateu o martelo de que seria o vice dele. “Sou candidato a prefeito pelo PMN”, garantiu.

Perguntar não ofende: Os deputados votam de imediato os projetos da convocação extraordinária ou só em agosto?

Na tarde desta terça-feira, o prefeito de Caruaru, Rodrigo Pinheiro, participou da cerimônia de abertura das inscrições para o curso de Medicina do Centro Universitário Tabosa de Almeida (Asces-Unita). Em seu discurso, Pinheiro falou sobre a relevância do curso para a cidade e a região, destacando o impacto positivo na formação de novos profissionais de saúde para o desenvolvimento local.

“Caruaru vive um momento de geração de emprego e renda. A chegada desse curso, especialmente no ano em que a Asces comemora 65 anos, trará mais desenvolvimento e credibilidade para nossa cidade. A parceria entre a prefeitura e a Asces-Unita fortalece a capacidade de Caruaru oferecer uma educação de qualidade,” afirmou o prefeito.

Mais uma situação extremamente vexatória, digna de quem anda cada vez mais descolada da realidade e não escuta as vozes das ruas: a governadora Raquel Lyra foi vaiada hoje durante a missa campal da padroeira do Recife, Nossa Senhora do Carmo.

Com o Largo do Carmo completamente tomado por fiéis da cidade e de outros municípios de Pernambuco, Raquel levou uma sonora vaia do público ao ser anunciada no palco. Foi a primeira vez na história de Pernambuco que a maior autoridade política do Estado sofreu tamanha demonstração de rejeição por parte da população.

A reprovação pública causou visível desconforto na gestora, mas também em boa parte do clérigo presente ao evento. Enquanto a governadora foi vaiada, o prefeito do Recife, João Campos (PSB), candidato à reeleição, foi ovacionado pelo público presente. Ao ser convidado para prestar uma saudação, o socialista fez uma fala curta, mas aplaudida. A forte demonstração de carinho do povo se repetiu também em todo o trajeto que o prefeito fez na procissão, após a missa.

O Exército concluiu a compra de 420 viaturas blindadas multitarefa leve sobre rodas 4×4, chamadas de Guaicurus. A compra foi feita da empresa italiana Iveco.

As viaturas devem ser entregues de forma escalonada ao longo dos próximos 10 anos, conforme o planejamento estratégico do Exército. O valor da compra foi de R$ 1,4 bilhão, de acordo com a empresa.

Segundo o Exército, o valor foi financiado pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do Governo Federal.

A verba também será usada para construção de infraestrutura local no Brasil para a montagem das viaturas, além da fabricação de componentes em território nacional.

Segundo o Exército, isso “fomentará a Base Industrial de Defesa (BID) pelos próximos 30 anos, envolvendo a capacitação de mão-de-obra qualificada e a geração de novos empregos diretos e indiretos”.

Os Guaicurus
As viaturas têm como funções principais o transporte de tropas e o suporte em operações militares, além de serem equipadas com sistemas automatizados de armas e de comando e controle. Destaca-se a utilização do Equipamento Rádio TRC-1193 Mallet, desenvolvido pela IMBEL.

A iniciativa faz parte do Programa Estratégico Forças Blindadas (PEE F Bld) do Escritório de Projetos do Exército e visa fortalecer a Base Industrial de Defesa (BID). Com informações do G1.

O Centro Universitário Tabosa de Almeida (Asces-Unita) lançou hoje, em Caruaru, um curso de Medicina voltado para o desenvolvimento regional. O reitor da instituição, Paulo Muniz, destacou que a articulação do secretário executivo da Previdência Social, Wolney Queiroz, foi crucial para a autorização do curso pelo Ministério da Educação.

Paulo Muniz relatou que procurou Wolney Queiroz em Brasília, solicitando seu apoio para obter a autorização necessária. Durante o evento de lançamento, Wolney Queiroz enfatizou sua atuação junto à secretária executiva do MEC, Izolda Cela, e ao ministro Camilo Santana.

“Abrir o Diário Oficial e ler a autorização do curso de medicina da Asces para mim foi uma emocionante e sincera alegria”, comentou. “É um privilégio, apesar de estar sem mandato, fazer parte dessa vitória. Como ex-aluno da Asces me sinto duplamente contemplado”.

O curso de Medicina fazia parte do projeto original da instituição, mas só agora, 65 anos depois, se tornou uma realidade. As aulas terão início em 19 de agosto, com 60 vagas disponíveis.

O governo Lula e o Senado pediram para o ministro Cristiano Zanin, do STF, prorrogar até 30 de agosto o prazo para apresentar as fontes de compensação da desoneração da folha de salários de 17 setores da economia e de municípios com até 156.000 habitantes.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), anunciou a iniciativa conjunta durante a sessão da Casa, que tinha como primeiro item da pauta o projeto de lei da reoneração gradual da folha a partir de 2025. Com o pedido de prorrogação do prazo do STF, Pacheco adiou a análise da proposta para a sessão de quarta-feira.

Além de comunicar aos senadores o pedido de adiamento do prazo, Pacheco também apresentou uma lista de propostas ao líder do governo no Senado e relator do projeto da reoneração, Jaques Wagner (PT-BA), para compensar o custo da desoneração da folha sem causar aumento nem criação de impostos.

Da Revista Veja.

O aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, já tem data para retomar as operações aéreas. O principal aeroporto da região Sul voltará a receber voos no mês de outubro. O anúncio foi feito na tarde desta terça-feira pelo ministro de Portos e Aeroportos, Silvio Costa Filho, durante coletiva de imprensa. Antes do comunicado, a Fraport, concessionária do terminal, apresentou ao Governo Federal o diagnóstico sobre a situação da pista de pouso e decolagem, que durante semanas ficou submersa pelas enchentes provocadas pelas fortes chuvas na região.

Costa Filho destacou que, inicialmente, o aeroporto voltará a operar de forma parcial com cerca de 50 voos diários, o que representa média de 350 operações aéreas por semana. O ministro ressaltou que o Governo Federal trabalha com plano de retomada integral das operações até o final deste ano. “Essa será a primeira etapa da reabertura do aeroporto. Nossa estimativa é que, até dezembro, o terminal estará 100% aberto e operando como estava funcionando antes da enchente que ocorreu no estado. Isso revela o esforço coletivo realizado pelo Governo Federal e pela Fraport”, indicou.

A análise técnica da pista, iniciada em junho, foi apresentada pelos representantes da concessionária em reunião realizada na Casa Civil da Presidência da República. De acordo com o cronograma previsto, na sua abertura, os voos serão realizados em 1.700 metros da pista, que conta com 3.200 metros de comprimento e 45 metros de largura. Até o final do ano, a pista será integralmente utilizada.

“Na primeira etapa, está sendo feito um esforço concentrado, no qual serão abertos, no mês de outubro, cerca de 1.700 metros. Os outros quase 2.000 mil metros serão reabertos em dezembro. A nossa meta é que o aeroporto possa funcionar das 10h da manhã às 22h da noite, com voos domésticos e internacionais”, frisou.

O deputado federal Chiquinho Brazão, acusado de ser um dos mandantes do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL), depõe ao Conselho de Ética da Câmara dos Deputados na tarde desta terça. A oitiva, que também ouve Domingos Brazão e testemunhas do caso, começou por volta das 14h30.

Chiquinho Brazão está preso e presta depoimento por vídeo. O deputado mantém o mandato mesmo na prisão.

Ainda serão ouvidos os conselheiros do TCU (Tribunal de Contas do Município) do Rio de Janeiro, Thiago Kwiatkowski Ribeiro (vice-presidente) e Domingos Inácio Brazão, além do ex-deputado estadual, Carlos Alberto Lavrado Cupello, ex-deputado estadual e do Delegado da Polícia Civil do Rio, Daniel Freitas Rosa.

Da Folha de São Paulo.

O deputado federal Mario Frias (PL-SP), ex-secretário especial da Cultura no governo de Jair Bolsonaro, fez repasses de quase R$ 20 mil, através de sua cota parlamentar, para a empresa Dori Produções, responsável pela produção de um documentário sobre a vida do ex-presidente. A verba foi encaminhada por meio de cincos pagamentos entre os meses de abril e junho deste ano. As despesas, no entanto, são descritas como estratégias para a “divulgação da atividade parlamentar”.

As notas fiscais das transferências, no valor total de R$ 19.932, indicam que os repasses seriam destinados a impressão de 36.100 folders e para a “produção e finalização de vídeos” que deveriam ser publicados nas redes sociais do deputado.

Nota fiscal emitida em 14/05 que registra gasto de R$3.000 com 9.000 folders produzidos para a empresa Dori Produções

Entre os dias 4 e 19 de abril, foram destinados para a produtora R$ 9.432,00 da verba recebida pelo deputado para custear despesas típicas do exercício do mandato. Novas transferências, nos valores de R$ 7,5 mil e R$ 3 mil, foram realizadas de 17 a 20 de junho.

Destinatário final das transferências, o dono da produtora, Doriel Franscisco, está encarregado de produzir o documentário “A Colisão dos Destinos”, que reúne histórias da vida de Bolsonaro contadas por familiares e políticos aliados. O primeiro trailer da produção foi divulgado neste sábado pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro em seu perfil na rede social X. No conteúdo, Mario Frias aparece como responsável pelo argumento do filme, isto é, pela estruturação da história a ser contada.

Não é possível saber, pelas notas fiscais, se os repasses do mandato de Frias têm relação direta com a produção do documentário. Tanto o deputado quanto Doriel Franscisco não responderam ao contato da reportagem.

“Se, entre as atividades econômicas da empresa, não constar nada ligeiramente relacionado à produção de folders, por exemplo, pode ser um indício de irregularidade”, explica Marina Iemini Atoji, diretora da ONG Transparência Brasil, frisando que o uso da verba parlamentar para o financiamento do documentário não é, necessariamente, vedado.

Já a professora Mayra Goulart, do Departamento de Ciência Política da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), pondera que o uso da verba parlamentar para tal finalidade poderia significar uma tentativa de Mario Frias de se aproximar e firmar vínculos com eleitores bolsonaristas. A pesquisadora enxerga a contribuição do deputado no projeto como uma “retribuição” através da colaboração para o filme.

Não é primeira vez que a prestação de contas realizada por Mário Frias é alvo de polêmicas. Em 2022, o Ministério Público junto ao TCE solicitou a abertura de uma investigação para apurar gastos considerados “extravagantes” durante uma viagem do então secretário especial da Cultura para Nova Iorque

No dia 23 de julho, o projeto Pernambuco em Perspectiva realizará mais uma edição de seu ciclo de palestras, recebendo o ex-senador Armando Monteiro. O evento, promovido pela Rede Gestão e pela Algomais, terá como tema “A inserção competitiva de Pernambuco na nova política industrial do País”.

Armando Monteiro abordará as oportunidades e desafios que Pernambuco enfrenta no cenário atual, em uma palestra voltada para empresários, gestores, estudantes e profissionais interessados no desenvolvimento econômico e industrial do estado.

“Pernambuco tem um imenso potencial para se destacar no cenário industrial brasileiro. No entanto, para alcançar essa posição, precisamos de uma abordagem estratégica e inovadora. É preciso um posicionamento competitivo, aproveitando as nossas vantagens naturais, além da necessidade de investimento em tecnologia, infraestrutura e capacitação profissional”, destacou Monteiro.

O evento será realizado no Empresarial Riomar 5, às 19h. As inscrições são gratuitas, mas as vagas são limitadas e estarão abertas até a lotação do auditório. Com informações do Blog Cenário.

Banhistas registraram, nesta terça-feira de feriado, material desconhecido nas águas da Praia de Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, mais precisamente na altura do hotel Radisson.

Em vídeo publicado no Instagram da Folha de Pernambuco, é possível observar a presença de um material desconhecido no oceano e que alterou a coloração do mar em parte da orla. Segundo banhistas, a sujeira encontrada no local teria causado desconforto para quem tentou entrar no mar.

A presença do material também chamou a atenção da Marinha do Brasil, que foi alertada sobre a sujeira. De acordo com o órgão, uma equipe de inspeção naval foi deslocada até o local para realizar a análise da água. Após efetuarem uma varredura em 5 km da orla, a Marinha descartou a presença de indícios de óleo no oceano. Com informações da Folha de Pernambuco.

Recife é a primeira capital do Nordeste mais bem avaliada no Índice de Transparência e Governança Pública (IPTG). Nesta edição, foram avaliadas as dimensões de Governança, Legislação, Participação Social e Comunicação, Plataformas, Transparência Administrativa e Orçamentária e Obras Públicas nas prefeituras. O índice é aferido pela ONG Transparência Internacional Brasil, que atribui notas de 0 a 100 em termos de transparência pública.

A capital pernambucana ficou à frente das cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Florianópolis e Curitiba. A avaliação não inclui o Distrito Federal nem Porto Alegre, que não foi incluída no comparativo com as outras capitais devido à crise das enchentes.

“Várias ações e decisões realizadas pela cidade estão relacionadas a uma melhor governança. O município criou o Conselho Municipal de Usuários de Serviços Públicos (CMUSP), que será composto de voluntários que acompanharão e avaliarão a prestação de serviços públicos municipais. Os integrantes vão propor melhorias e contribuir na definição de diretrizes para prestação de serviços públicos adequados. E uma nova metodologia para melhorar a qualidade das respostas dadas ao cidadão pelos órgãos e secretarias do município está sendo implantada. Essas ações impactam na transparência das ações do município”, declarou o controlador Geral do Município, Ricardo Dantas.