FMO janeiro 2020

15/02


2020

Pesquisa: eleitor de Bolsonaro decepcionado, mas mirando Moro

Entrevistados apontaram Moro como a pessoa capaz de dar ordem à crise política

Foto: Jorge William / Agência O Globo

Época - Por Guilherme Amado

Presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Justiça, Sérgio Moro participam da solenidade de lançamento da Campanha do Projeto Anticrime Foto: Jorge William / Agência O Globo

Uma pesquisa de profundidade realizada ao longo do ano passado pela socióloga Esther Solano com 24 eleitores bolsonaristas das classes C e D mostrou uma crescente rejeição com o presidente que elegeram, devido à "criação de instabilidade" pelo presidente.

Esses entrevistados apontaram Sergio Moro como a pessoa capaz de dar ordem à crise política, expectativa que, entre outras razões, levou-os a votar no atual presidente em 2018.

A pesquisa se debruçou sobre as razões que levaram 57,7 milhões de brasileiros a eleger Bolsonaro e, por meio de entrevistas de profundidade, algumas com duração de horas, conseguiu definir os contornos religiosos, morais, antiesquerdista, antissistema, antipartidário e anti-intelectual que fizeram Bolsonaro chegar lá. Solano entrevistou as mesmas pessoas no começo de 2018, entre fevereiro e março, e em setembro.

Foi em setembro que a esperança em Moro foi mencionada.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

IPTU Cabo

15/02


2020

A política é a arte de fingir e o carnaval ajuda

Diz uma máxima da maquiavélica arte da política que o momento faz muitos engenheiros da exposta vida pública serem obrigados a ampliar o estômago para suportar sapos. O carnaval, por outro lado, é território fértil da falsidade e do fingimento.

Os dois ingredientes temperam a explicação desta foto trazendo a prefeita de Caruaru, Raquel Lyra, tucana de média linhagem, e o deputado Tony Gel, do histórico MDB de guerra.  Adversários figadais de palanque na capital do forró, se fingiram da caricatura da política do bem que se sobrepõe ao mal e posaram, há pouco, nesta foto numa prévia carnavalesca.

Ao lado deles, Tonynho Rodrigues, filho de Gel; Rodrigo Pinheiro, vice-prefeito e o casal  Fernando Lucena e Raquel Lyra, além do vereador Galego de Lajes.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


15/02


2020

Procurador pede que TCU apure diárias e viagens de Guedes

Procurador pede que TCU apure se diárias e viagens de Paulo Guedes estão dentro a lei.
Guedes fala ao público do Fórum Guedes fala ao público do Fórum | World Economic Forum/Walter Duerst

O Globo - Por Lauro Jardim

O sub-procurador Lucas Furtado enviou uma representação ao TCU em que pede providências do tribunal para "verificar possível irregularidade relacionada aos pagamentos de diárias e passagens aéreas" utilizados por Paulo Guedes.

Na representação, Furtado destaca uma informação publicada pela "Folha de S. Paulo" de que Guedes "recebeu dos cofres públicos até julho de 2019 diárias para dar expediente na cidade onde mora, no Rio de Janeiro, incluindo em datas sem compromisso na agenda".

A soma dá um total de 60 viagens "bancadas com dinheiro público" em 2019. Dessas, "38 aconteceram a partir de quinta-feira, tendo como destino o Rio de Janeiro". Segundo Furtado, são gastos "altamente indecorosos".

Furtado não deixou de lado em seu texto nem o episódio da Disney. Segundo o subprocurador, a relação de viagens e diárias de Guedes contrastam "com a suposta e indevida facilidade das “domésticas” para custearem, com recursos próprios, suas viagens de lazer"

Eis o pontos que Furtado pede que o TCU apure se:

*"as viagens que coincidiram com os finais de semana, atenderam interesse público ou privado".

*"seria legítimo, legal e adequado do ponto de vista moral o pagamento de indenização por despesas extraordinárias com pousada, alimentação e locomoção urbana quando o beneficiário, que já recebe auxílio moradia por não residir em Brasília, se desloca até a cidade onde têm residência".

Segundo ressalta Furtado em sua representação, "o princípio da moralidade, independentemente de eventuais autorizações legais quanto às despesas em questão, já deveria bastar para conter ações" como essas.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

acolher

15/02


2020

Desembargadora da Bahia movimentou R$ 1,7 milhão sem origem, diz procuradora

Foto/via Estadão

Por Luiz Vassallo, do Estadão

A subprocuradora-geral da República, Lindôra Maria Araújo, citou assassinatos, altas cifras sem origem comprovada, falsificação de documentos, destruição de provas e a complacência do Poder Público ao pedir ao Superior Tribunal de Justiça que mantenha presa a ex-presidente do Tribunal de Justiça da Bahia, Maria do Socorro Barreto Santiago, o juiz Sérgio Humberto Quadros Sampaio, e outros três alvos da Operação Faroeste, que mira esquema de venda de sentenças em processos relacionados à grilagem de terras no oeste da Bahia.

A Procuradoria também defende a manutenção da prisão ao servidor do TJ Antônio Roque do Nascimento Neves e ao casal Adailton Maturino dos Santos e Geciane Souza Maturino dos Santos, apontado como idealizador dos esquemas. Todos os seis magistrados denunciados tiveram seus afastamentos prorrogados por mais um ano pela Corte Especial do STJ no dia 5.

Eles estão presos desde novembro de 2019, quando foi deflagrada a Faroeste. Com Maria do Socorro, foram encontrados R$ 100 mil. Segundo as investigações, ela movimentou R$ 17,49 milhões desde janeiro de 2013.

A subprocuradora-geral menciona que Maria do Socorro, ‘além de ter movimentado R$ 1.790.888,82 (um milhão, setecentos e noventa mil, oitocentos e oitenta e oito reais e oitenta e dois centavos) sem origem/destino destacado, tinha, em seu poder, uma centena de joias, obras de arte, aproximadamente, R$ 100.000,00 (cem mil reais) em dinheiro vivo e escrituras de imóveis, que vivificam a busca de dissimular ativos criminosos, provenientes de vendas de decisões’

Segundo a subprocuradora-geral, Maria do Socorro ‘tem, no seu genro, Mário Duarte, ativo operacional, cuja missão é captar vantagens indevidas para ela, em troca de decisões judiciais, num desenho estrutural de dissimulação patrimonial, cuja fenda foi aberta com a medida de busca e apreensão em desfavor deles’.

Lindora ainda afirma que ‘os denunciados que estão na alça de mira dessa medida objetivamente já têm contra si evidência de atuação com alteração da verdade e falsificação de documentos, com absoluta complacência e contaminação do poder público estadual, ao passo que a execução de morte de dois consortes relacionados aos fatos em apuração reafirma o risco que a liberdade deles traz para o sucesso do caso’.

Ela se refere à morte do denunciante da Faroeste, Genivaldo dos Santos Souza, que declarou ter feito um pagamento de R$ 1,8 milhão em troca de uma decisão judicial. Ele foi executado à luz do dia em julho de 2014. O guarda municipal Otieres Batista Alves, suspeito de executar o crime, foi assassinado, também, em 2018.

A subprocuradora também afirmou que há fundamento para a manutenção da prisão ‘consubstanciada no fato de os acusados integrarem associação criminosa complexa, motivação que justifica a medida, diante da necessidade de interromper a atuação criminosa e garantir o transcurso normal da instrução criminal’.

Lindora destacou ainda a existência de atos contemporâneos que legitimam a prisão – monitoramento telefônico comprovou o envolvimento dos acusados na negociação de 800 mil hectares na mesma região.

No caso de Antônio Roque, segundo a Procuradoria, ‘as evidências coletadas revelaram participação decisiva no esquema’. “Ele teria atuado como consultor, designador de magistrados investigados e elaborador de decisões, além de gestor financeiro de ativos criminosos, cujos ganhos convergem no seu patrimônio abastado, destoante de seus vencimentos no serviço público, razão pela qual sua prisão é a única via de interromper tal cadeia criminosa”, diz a PGR.

Já com os idealizadores do esquema criminoso, Adailton Maturino e Geciane Maturino, investigações revelaram um giro de R$ 26,1 milhões supostamente sem origem.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


15/02


2020

Coronavírus: primeira morte na Europa ocorre na França

Vítima é turista chinês de 80 anos e natural da província de Hubei, comunica ministra da Saúde. Egito registra primeiro caso da doença na África. China tem mais de 66 mil infectados e 1.523 mortos.

Amostra laboratorial do novo coronavírus, identificado 1º na China - Foto: 4X-image/Stock

Por Deutsche Welle

O governo da França comunicou hoje a primeira morte causada pelo coronavírus Covid-19 na Europa. A vítima é um turista chinês de 80 anos, que morreu de doença pulmonar num hospital de Paris, afirmou a ministra da Saúde, Agnès Buzyn.

A França registrou 11 casos do novo coronavírus, que já matou mais de 1.500 pessoas em todo o mundo, a ampla maioria delas na China.

A vítima é um homem natural da província de Hubei, o foco do surto. Ele chegara à França em 16 de janeiro e fora hospitalizado e colocado em isolamento no dia 25. Porém, seu estado de saúde piorou rapidamente.

O anúncio da França confirma também a primeira morte fora da Ásia. Até então, apenas três pessoas haviam morrido fora da China continental: uma nas Filipinas, uma em Hong Kong e uma no Japão.

Nesta sexta-feira, o Ministério da Saúde do Egito anunciou ter registrado o primeiro caso do coronavírus Covid-19 no continente africano. O portador da doença não é egípcio, indicou o ministério, sem precisar a nacionalidade. Ele foi colocado em quarentena.

A China registrou 143 novas mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas, totalizando 1.523, comunicou a Comissão Nacional de Saúde neste sábado.

De acordo com os dados oficiais mais recentes, foram contabilizados 2.641 novos casos, o que eleva para 66.492 o número de infectados detectados até o momento no país.

As mortes devido à doença causada por coronavírus em Hubei aumentaram em 139 nas últimas 24 horas, o que totaliza 1.457, detalhou a Comissão Provincial de Saúde da região.

Em Hubei também foram registrados 2.420 novos casos, elevando para 54.406 o número de detectados até agora na mesma província. Das novas 139 mortes, 107 ocorreram na capital provincial, Wuhan, que permanece em quarentena desde 23 de janeiro.

O número de novas mortes anunciadas em Hubei neste sábado é superior ao do dia anterior: na sexta-feira, foram 4.823 novos casos confirmados, e o número de mortes aumentara em 116.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Cúpula Hemisférica

15/02


2020

Daniel de Chã Grande disputa em Gravatá

Em um ato que reuniu as principais liderança da oposição em Gravatá, o presidente estadual do PSC, André Ferreira, abonou, ontem, a ficha de filiação do ex-prefeito de Chã Grande, Daniel Alves, pré-candidato a prefeito de Gravatá. Além dele, outras 50 lideranças ingressaram na legenda durante o evento, entre elas Dra. Laura, que assume o PSC Mulher.

Em todos os discursos, o tema foi o mesmo: a importância da chegada de Daniel Alves para o município e a necessidade de união de todos os atores da oposição. Estavam presentes ao ato, além do comandante do PSC na cidade, Gilberto Lima Jr.  os presidentes municipais do PL, Darita; do DEM, Élcio Campos; do Podemos, Alex da Água; além do vice-presidente do PSB, Vital Medeiros, que representou o presidente e ex-prefeito Osano Brito.

Ao falar para o auditório lotado do Salão 3S, Daniel Alves, que tem uma larga experiência no Executivo, depois de cumprir três mandatos de prefeito em Chã Grande, destacou que chega a Gravatá para discutir os problemas do município.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Serra Talhada

15/02


2020

O novo jornalismo no velho mercado; ou seria o contrário?

Felipe Moura Brasil, exemplar típico do novo jornalista para o novo jornalismo

Por Heron Cid

Felipe Moura Brasil deixou a direção de jornalismo da Rádio Jovem Pan, uma das mais importantes do Brasil e onde também era apresentador do programa Pingo Nos Is.

Vai provavelmente se dedicar mais ao Antagonista, site de projeção nacional. E terá muitos convites.

No twiiter, o jovem jornalista tem mais de 1 milhão de seguidores. Portanto, se não tivesse um veículo para assinar sua carteira, já tem o próprio canal direto com sua audiência.

Transformar esse alcance em sustentabilidade de negócio são outros quinhentos.

Moura Brasil é o típico exemplar do neo-jornalista, profundamente afetado pelos novos hábitos de consumo de informação. Que se fez conhecido pelo conteúdo multi telas, não necessariamente pela mais poderosa de todas.

Assim como ele, Diogo Mainardi deixou há tempos a Revista Veja. Hoje, escreve semanalmente numa revista própria e sem papel. Fernando Rodrigues, ex-Veja e ex-Folha, pilota o Poder 360.

Leda Nagle, famosa entrevistadora, recebe grandes entrevistados dentro de sua própria casa num estúdio improvisado. E tem público. E pauta.

É o novo jornalista para o novo jornalismo.

Militante teimoso desse admirável mundo recente da integração entre jornalismo, digital e redes sociais, percebo por mim e por feedback de colegas o poder e alcance dessas novas mídias.

Uma notícia postada até por blogs e sites singelos, alguns até amadores, em instantes vira objeto de ligações e repercussões imediatas. Coisa impensável uma década atrás.

Antes, o mercado era totalmente restrito aos veículos de massa. O recém-egresso estudante de Jornalismo só tinha uma expectativa de emprego: os grupos de comunicação.

Hoje, complementado por novas mídias, esse universo se ampliou e é possível existir fora dos até então obrigatórios meios convencionais.

Não que tenha se tornado mais fácil. O terreno de empregabilidade continua sendo escasso e a crise econômica, com demissões continuadas e atrasos em salários, estão aí para assustar.

Mas ainda bem que surgiu, aos trancos e barrancos, esse novo mercado que ajuda a absorver uma mão de obra excedente para uma demanda cada vez mais achatada. Do contrário, onde estariam os repórteres demitidos dos jornais impressos fechados ou de programas de rádio e TV, cada dia mais enxutos?

Os veículos tradicionais deixaram de ser importantes? Não. Continuam essenciais nessa grande engrenagem da comunicação. Especialmente, porque a maioria ainda carrega conceito de credibilidade e detém fatia majoritária da publicidade.

O que mudou, então? O campo das novas possibilidades. Aí está a boa notícia. Se não nasce para todos, o sol desse novo jornalismo abre-se para iluminar mais cabeças.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Limoeiro

15/02


2020

Sinais de ilegalidade

A delegada Patrícia Domingos cometeu um erro e caiu na ilegalidade ao tentar mostrar seu nome ao Recife como pré-candidata. Em um vídeo publicado em suas redes sociais a delegada usa uma música de Alceu Valença sem autorização. Desconhecimento da lei de propriedade intelectual? Ou das tradições culturais de Pernambuco? Vale destacar que o partido dela “Podemos “, que defende a legalidade, já acumula denúncias contra Álvaro Dias e a cassação do “Moro de saia", a ex-Juíza Selma.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banner de Arcoverde

15/02


2020

Desigualdade: Brasil fecha 2019 com nível mais alto da década

Complexo de favelas da Maré l Genílson Araújo

O Globo - Por Ancelmo Gois


A FGV Social fechou o balanço da distribuição de renda de 2019.

A desigualdade está no nível mais alto da década — fruto de cinco anos de alta. Em relação a 2018, a desigualdade no ano passado está praticamente estável.
 

Já o bolo de renda subiu 2,08% no período. 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


15/02


2020

Estudo do BC diz que PIB vem fraco

Segundo estudo do BC, País cresceu 0,87% no ano passado, taxa que comprometeu expectativas para altas do PIB de 2019 e deste ano; falta de investimentos e incertezas políticas já levam analistas a estimarem expansão inferior a 2% este ano.

Foto/via Estadão Conteúdo

Do Estadão Conteúdo

A economia brasileira terminou 2019 em ritmo mais fraco que o esperado pelos analistas. Após os resultados ruins divulgados pelo IBGE para indústria, comércio e serviços em dezembro, o Banco Central informou na última sexta, que seu Índice de Atividade Econômica (IBC-Br), uma espécie de prévia do PIB, teve queda de 0,27% em dezembro e fechou o ano com alta de 0,89%.

O resultado abaixo do previsto - economistas ouvidos pelo Estadão/Broadcast estimavam um crescimento de 1% do IBC-Br em 2019 - desencadeou uma leva de reduções das projeções para o crescimento do PIB deste ano. O banco Santander, por exemplo, rebaixou sua projeção de alta de 2,3% para 2%. Já o banco Barclays reduziu sua estimativa de 2,3% para 2,1%. Levantamento feito pelo Projeções Broadcast com 28 instituições financeiras aponta variação entre 1,7% e 2,5% para o PIB em 2020, com mediana de 2,2%. Em sondagem feita em 16 de janeiro, as previsões eram maiores - variação de 1,9% a 2,8%, com mediana de 2,35%.

Para o economista Alexandre Schwartsman, ex-diretor do Banco Central, os resultados da economia no final do ano deixaram uma certa frustração. Ele destaca que a decepção com os dados se dá considerando principalmente a melhora no mercado de trabalho e o estímulo extra do FGTS. Segundo ele, o descompasso entre o mercado de trabalho e os dados de produção está aumentando.

"Principalmente a parte de investimento prossegue fraca no geral. Agora, é difícil avaliar o que está por trás disso. A agenda política pode ser uma hipótese. Bate-se cabeça de forma generalizada. Depois da aprovação da Previdência, o governo enviou três PECs. Mas não vemos esforço de aceleração disso. O quadro de incerteza política é grande", disse ele.

Sérgio Vale, economista-chefe da MB Associados, acredita que houve perda do ritmo de crescimento do último trimestre por conta da frustração com o impacto da liberação do FGTS no consumo. Mas ele mantém a projeção de crescimento do PIB para este ano, que já era moderada, de 2%. Segundo Vale, apesar do resultado fraco, quando se avalia o resultado do IBC-Br do quarto trimestre em relação ao mesmo período de 2019, houve uma melhora. No terceiro trimestre, a taxa de crescimento anual era de 0,7% e subiu para 1,4% no quarto trimestre.

O economista Gesner Oliveira, sócio da GO Associados, é outro que pondera os resultados. Ele lembra que no segundo trimestre de 2019 o IBC-Br caiu 0,15% e, no mesmo período, o PIB cresceu 0,4%. "Não excluo a possibilidade de fechar o ano com crescimento acima de 1% do PIB." Ele ressalta que o IBC-Br tem sido sistematicamente inferior ao que tem saído nas contas nacionais. Por isso, o economista mantém a previsão de crescimento acima de 2%


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha