Jaboatão - Nova UBS PET

11/09


2021

Sertanejo responde à Ana Paula Padrão


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Cabo - Pavimentação e Drenagem

11/09


2021

Da Fonte segue Paulo em agenda do Plano Retomada

O deputado federal Eduardo da Fonte (PP-PE), ao lado do governador Paulo Câmara, cumpriu uma intensa agenda ontem (10) e na última quinta (9) pela região do Sertão do Moxotó. Nos municípios de Itaíba e Manari, o deputado acompanhou a assinatura de contratação para obra de restauração da PE-300 em Itaíba e da PE-270, entre a BR-232 em Arcoverde, serviço que irá contemplar também os municípios de Tupanatinga e Manari.

A obra foi uma solicitação levada ao governador por Eduardo da Fonte, pelo secretário estadual de Agricultura e Desenvolvimento Agrário, Claudiano Martins, e pelo vice-presidente do PP Pernambuco, Lula da Fonte. “Esses dias foram muito importantes. Agradeço ao governador Paulo Câmara por ter atendido à nossa solicitação e ter garantido essa obra que é fundamental para a região. Investir em recuperação de estradas é oferecer mais segurança e desenvolvimento para os pernambucanos”, destacou Eduardo da Fonte.

O deputado também acompanhou a abertura de licitação do projeto de recuperação asfáltica da PE-300, entre Manari e Cercadinho, outra demanda levada por Eduardo, Lula e Claudiano. O parlamentar ainda visitou os municípios de Inajá e Ibimirim, onde participou de anúncio da restauração da PE-336 e obras para as áreas de infraestrutura, abastecimento e educação.

Em Tupanatinga, Eduardo acompanhou o teste de vazão do Sistema Adutor do município, que integra a Adutora do Agreste. As obras anunciadas fazem parte do Plano de Retomada do Governo de Pernambuco.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Petrolina setembro 2

11/09


2021

Pé na estrada

Depois do giro pelo Agreste Setentrional encerrado hoje, no qual passei por seis municípios e dei uma esticada até a paraibana Umbuzeiro, a 26 km de Surubim, já estou arrumando as malas de novo. Semana que vem, vou ao Sertão do Araripe. A princípio, passo por Araripina (na foto), Trindade, Ouricuri, Ipubi, Bodocó e Santa Cruz da Venerada. 

Crise do gesso, estradas mal cuidadas e a volta dos carros pipas no abastecimento humano, dentre outros assuntos, estão na pauta do percurso, que vai durar até o sábado. Há muito, não visito os municípios da belíssima Chapada do Araripe, região que começa a avançar também como centro universitário com a chegada de uma faculdade de Medicina em Araripina, município governado pelo prefeito reeleito Raimundo Pimentel, do PSL.

Aliás, Araripina está em festa também hoje pelos seus 93 anos de emancipação política. Já na outra semana, de 20 a 24, boto o pé na estrada e fico cinco dias no Agreste Meridional, tendo como QG a charmosa Garanhuns. Na pauta desta região, a crise na bacia leiteira, seca e os investimentos privados que estão gerando emprego e mudando o perfil econômico do Interior.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Sindicontas

11/09


2021

Anderson e Raquel juntos no Agreste

Os prefeitos de Jaboatão dos Guararapes, Anderson Ferreira (PL), e de Caruaru, Raquel Lyra (PSDB), estiveram hoje nos municípios de Vertentes e São Joaquim do Monte, no Agreste do Estado, que celebraram os 93 anos de emancipação política. Juntos, pontuaram as dificuldades que passam os municípios pernambucanos, a troca de experiência entre os gestores e destacaram, durante a inauguração do Hospital Municipal Evaristo Ferreira Filho, em Vertentes, a "esperança no futuro melhor".

“Aqui se abre mais uma porta de esperança para esta cidade. Investir na saúde é pensar no futuro. E eu vejo tanto na saúde como na educação uma revolução promovida pelo prefeito Romero Leal aqui em Vertentes. Por isso fiz questão de vir aqui hoje, para trocar experiências. Obrigado pela oportunidade de aprender e poder rever grandes amigos como a prefeita Raquel Lyra. A gente tem uma ligação de amizade muito forte e tem mantido esse elo”, disse Anderson.

Já a prefeita Raquel Lyra ressaltou que o fato de o prefeito de Vertentes, Romero Leal (PSDB), entregar o hospital após passar pela pandemia demonstra que é possível sair da crise, “desde que se tenha pessoas comprometidas em trabalhar pelo povo e junto com o povo”.

A inauguração do hospital em Vertentes reuniu diversos políticos, entre prefeitos e parlamentares. O prefeito Anderson Ferreira também foi a São Joaquim do Monte visitar o prefeito Duguinha Lins (PSDB), seu vice, Guto Coelho, e o ex-prefeito Joãozinho Tenório, devido à passagem dos 93 anos de emancipação da cidade.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


11/09


2021

Moacyr Franco: Ninguém fala do meu passado glorioso

Por Maria Fortuna, de O Globo

Moacyr Franco está embaixo de uma mesa e, ajoelhada ao seu lado, Joana Jabace sussurra frases como: "Você está com 84 anos, todos os seus sonhos podem estar indo embora, você não calcula onde está". A provocação vai comovendo o ator num crescente até quer ele alcance o estado emocional desejado pela diretora para rodar uma passagem da nova temporada de "Segunda chamada", que estreou nessa sexta (10), no Globoplay.

Na série, Moacyr é Seu Gilsinho, um homem que sofre de Alzheimer e que concluir os estudos antes que a doença evolua. Na cena, o personagem é tomado por um lapso total e, confuso, se esconde sob um móvel na sala da diretoria da Escola Estadual Carolina Maria de Jesus. Esse foi o momento do trabalho que mais emocionou Moacyr, "um ator aberto, que topa tudo", como define Joana.

— A gente arregaçou nessa cena! Foi tão bonito que, quando terminou, nos abraçamos sem máscara e tudo — empolga-se ele, se apressando em dizer que tomou "tudo quanto é vacina" e foi alvo de cuidados redobrados da equipe de produção por causa da idade.

A experiência de décadas fazendo shows em asilos e a convivência intensa com familiares mais velhos fizeram o ator de 85 anos já ancorar no personagem familiarizado com sintomas do Alzheimer. Mas o trabalho de preparação foi fundamental para ele, forjado em programas de humor, virar a chave na direção do drama.

— Fiz comédia a vida inteira, shows que são muito improvisados... A gente cria um estilo, né, mas não tenho uma escola oficial, um estudo — conta ele, que vem fazendo lives diárias em que conta causos reais e fictícios, no Instagram .

Apesar das dificuldades vividas pelo personagem, Moacyr consegue injetar um pouco de humor e até fazer suas graças em cena. Como quando, no meio de um assunto sério, comenta que o Vasco empatou. Isso com aquele seu famoso tempo de comédia que serve de referência para alguns atores da nova geração. Fã do Café com Bobagem, Porta dos Fundos e de Tom Cavalcante, Moacyr diz achar "ruim esse negócio de politicamente correto".

— Ter que escrever pensando nisso é chato. Eu não me preocupo, só em ser engraçado. Agora, sempre achei que temos obrigações como ser humano. Penso que estou na sala da casa da minha tia, com criança, avó, mãe... O que não posso dizer, não digo. Temos que ter uma autocensura. Às vezes, sugerir algo é mais proveitoso do que dizer. Embora meu personagem em "A Praça é nossa" se chamasse Jeca Gay, nunca fiz uma piada de gay.

'Fico tentando provar que eu existi'

Ao falar do passado, Moacyr parece carregar uma certa mágoa. Diz que não é "muito lembrado". Conta que, recentemente, recebeu de Bruno Mazzeo uma reportagem publicada na "Revista Intervalo", de 1963, sobre o sucesso de seu programa de auditório, "Moacyr Franco Show", na TV Excelsior. Na hora, enviou aos filhos — ele tem seis, que vão de 19 a 63 anos.

— Fico tentando provar a eles que eu existi. Chega uma hora em que tudo se perde. Ninguém fala de mim, do meu passado glorioso. Nunca fui muito comentado. Às vezes, estou no meio de uma história e me dá uma vergonha danada, porque eles pensam que estou mentindo. Aí falo, "pode perguntar para o... ih, morreu!", "já sei, eu estava com o... morreu!". Morreram todos! Mas não tenho lamentação, eu fui trabalhando.

A pandemia, aliás, teve impacto negativo nas oportunidades de trabalho.

— Ela me tirou o emprego e o direito autoral. Fecharam os botecos, onde sempre tinha uma música minha tocando. Acabou com os shows sertanejos, que cantam minhas canções. O meu show era para velho, mas os velhos morreram... — enumera ele, contando tudo em tom bem humorado e anunciando, animado, que já retomou suas apresentações presenciais (misto de show e palestras em que conta histórias) e está com a agenda cheia em outubro.

Em defesa de Sérgio Reis

Moacyr lembra com carinho a época em que fez sucesso com canções do gênero sertanejo-raiz. Nas décadas de 1980 e 1990, compôs várias músicas que alcançaram os primeiros lugares nas paradas, como "Dia de formatura", com Nalva Aguiar, e "Seu amor ainda é tudo".

— Naquela época, a música tinha uma história, um enredozinho e um defecho. Hoje, acho um pouco pobre o assunto. Se resume a "garçom, quero te contar minha vida, deixa eu beber outra...". É muita discussão de relacionamento.

Moacyr também gravou com Sérgio Reis (a canção "Questão de tempo"), que, recentemente, convocou manifestação antidemocrática contra o STF. Ele sai em defesa de seu “grande amigo”:

— Achei uma pena ( artistas terem desistido de participar do novo disco do artista ), porque o Sérgio não é isso. Ele é uma pessoa muito legal, companheiraço, preocupado com os outros. Depois, é um homem já doente... — diz ele, que pede para não falar de política. — Estou evitando tocar nesse assunto. É um momento de mexida, tempos de balanço.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Ipojuca - Microempreendedores

11/09


2021

Inauguração de hospital atrai pré-candidatos da oposição

Vários prefeitos do Agreste e até pré-candidatos a governador pelo bloco da oposição, como Raquel Lyra, do PSDB, e Anderson Ferreira, do PL, prestigiaram, há pouco, a inauguração do novo hospital de Vertentes, ato presidido pelo prefeito tucano Romero Leal. Construída com recursos próprios, a nova unidade de saúde do município chega para reforçar o atendimento da população dependente do SUS e o acompanhamento de pacientes contaminados pela Covid.

Além de Raquel e Anderson, que tiveram direito a fala, também esteve presente o ex-ministro da Educação Mendonça Filho (DEM). O ato atraiu ainda os prefeitos Zé Martins (PSB), de João Alfredo; Ivanildo Lero (PSB), de Taquaritinga; Edilson Tavares (MDB), de Toritama; e Sávio Torres (PTB), de Tuparetama, além da deputada estadual Alessandra Vieira (PSDB); do deputado estadual Clodoaldo Magalhaes (PSB) e dos deputados federais Fernando Rodolfo (PL) e André Ferreira (PSC).

O Governo do Estado foi representado pelo secretário-executivo de Saúde, Humberto Antunes. Outra autoridade bastante cumprimentada no evento foi o secretário nacional de Desenvolvimento Regional, o pernambucano Tiago Pontes. 

Aguardado com grande expectativa pela população, o hospital começa a funcionar justamente no dia da emancipação política do município - 93 anos. 

Localizado na Avenida Sérgio Guerra, o hospital passa a contar com atendimento em caráter regionalizado, atendendo Vertentes e municípios do Agreste e Mata Norte. São 50 leitos de internação, um bloco cirúrgico com três salas cirúrgicas com capacidade máxima de execução de 75 procedimentos por semana (300/mês), centro ambulatorial especializado multidisciplinar com capacidade de dois mil atendimentos por mês. 

“Vertentes entra em uma nova era na prestação de serviços de saúde. Estamos chamando a responsabilidade regional, oferecendo um sistema resolutivo, integrado e consciente. Seguimos em frente, melhorando cada vez mais a qualidade de vida de nosso povo”, disse o prefeito Romero Leal.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Caruaru volta as aulas 2021

11/09


2021

O vozeirão de Anchieta Santos

Enterrado hoje em Afogados da Ingazeira, o radialista Anchieta Santos, que morreu ontem vitimado por um câncer na cabeça aos 61 anos, está sendo homenageado de todas as formas pelos seus fãs. Seu último emprego foi na rádio Cidade FM, de Tabira. Anchieta se notabilizou também como grande animador de palanque eleitoral. O áudio mostra como ele apresentava Miguel Arraes nos comícios. Confira!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Serra Talhada 2021

11/09


2021

Presidente atormentado, Congresso acovardado e STF acuado

Por Arnaldo Santos*

Cuidamos, aqui, na maior parte deste escrito, de um indivíduo que, sem qualquer pudor, já comemorou a morte de um voluntário durante o período de testes para aprovação de uma vacina contra o coronavírus, embora sua morte não tenha tido relação com o imunizante.  

Por deficiência cognitiva e incapacidade de avaliar a gravidade da insólita atitude, não satisfeito e sem qualquer escrúpulo, em outra oportunidade também fez horrendas caretas em rede nacional de televisão e mídias sociais, imitando o sofrimento de uma pessoa agonizando por falta de oxigênio, em decorrência da omissão do próprio governo. Com esses deploráveis exemplos, o Presidente já havia provado ser desprovido de caráter, de um mínimo de humanidade, e padecente de agudos transtornos mentais, o que sugere uma grave psicopatia. 

Diante de um comportamento tão atroz, não configurou surpresa o que afirmou nos dois pronunciamentos no dia Sete de Setembro, quando, mais uma vez, vilipendiou a Constituição, desafiou o acuado STF ao afirmar que não mais cumpriria suas decisões, e agrediu o ministro Alexandre de Moraes, com as costumeiras bravatas ameaçadoras, comportamento típico de um medroso desesperado, que se acovarda ante a realidade, que sabidamente não tem condições de enfrentar, além de submeter a xeque a decisão da Câmara dos Deputados, que rejeitou o voto impresso. O que se viu mais uma vez, foi o “mito” visivelmente transtornado e atormentado com a possibilidade cada vez mais real de ser apeado do poder, e vir a ser preso pelos inúmeros crimes que cometeu, como demostra esse trecho da sua fala em São Paulo: “[...] não serei preso; e só quem me tira do poder é Deus, ou se me matarem”. Com essa afirmação ele tenta se colocar como vítima.

    Em uma contextura de visíveis transtornos psíquicos, como os que estamos observando no comportamento do Presidente, o que se viu no último Sete de Setembro foi um homem visivelmente perturbado, isolado em uma bolha criada pelos seus apoiadores, intelectualmente, tão ou mais limitados, e também atormentados pela derrocada do “mito”, formando um labirinto de alienação e isolamento cada vez mais distante da realidade. Não é demais afirmar que, se atestado de sanidade mental fosse uma exigência para qualquer pessoa se candidatar à Presidência República, o então postulante, Jair Bolsonaro, em vez do registro de sua candidatura, teria recebido uma guia de internação para tratamento psiquiátrico. 

Desde já, peço vênia aos psiquiatras, psicólogos e psicanalistas por fazer essas afirmações, e ressalto que não se trata nem de pretensão, muito menos do exercício indevido e ilegal da profissão, mas, tão somente, constitui uma opinião ancorada na observação das falas e ações do atual ocupante do Palácio do Planalto, desde que assumiu o poder, pois ele, ao que parece, além de sofrer de atrofia mental, carece de qualquer sentimento de afeto, pois demonstra acentuada indiferença aos não pertencentes ao seu grupo de apoio, se sente perseguido pelo ministro Alexandre de Moraes, denota alteração dos sentidos, o que o impede de entender a realidade, tem a sensação de ouvir a voz rouca do Lula, ameaçando sua reeleição. Todos esses sintomas, segundo a literatura médica, caracterizam a mais rara das doenças mentais, que é a esquizofrenia. 

A propósito, o jurista Miguel Reale Júnior, um dos maiores estudiosos do Direito Penal no Brasil, como o foi seu genitor – Miguel Reale, Reitor da USP e filósofo do Direito - declarou que o Presidente deveria ser interditado, e que juristas e parlamentares responsáveis têm que estudar uma fórmula para tal; chegou, inclusive, ainda em março do ano passado, a sugerir que o Ministério Público pedisse para que Jair Bolsonaro fosse submetido a uma junta médica para saber se teria sanidade mental para o exercício do cargo.

A respeito da interdição de um presidente por problemas de saúde mental, é bem espalhado na história do Brasil, como afirma o professor Rogério Tadeu Romano, em artigo publicado no Jusbrasil, o fato de que Delfim Moreira, havendo exercido a Presidência da República em 1918 e 1919 - em substituição ao presidente Rodrigues Alves, que morrera acometido pela gripe espanhola - foi o único afastado do cargo por ter sido considerado clinicamente louco. Isso porque, ao lume do Código Civil de 1916, o que deve preponderar é o interesse público. Desse modo, toda pessoa considerada “louco de todo gênero”, em tese, não pode permanecer no serviço público, tomando decisões e agredindo impunemente colegas e outras pessoas. Não é preciso dizer mais!

Reafirmando que se trata de um ser mentalmente transtornado, medroso bravateiro, por inspiração do ex-presidente Michel Temer, (os golpistas se identificam), dois dias depois do espetáculo circense que protagonizou em Brasília e em São Paulo, retrocedeu e publicou uma carta aberta, se desculpando com o STF e o Congresso, ora transcrita: […] “No instante em que o país se encontra dividido entre instituições, é meu dever, como Presidente da República, vir a público para dizer: 1. Nunca tive nenhuma intenção de agredir quaisquer dos Poderes. A harmonia entre eles não é vontade minha, mas determinação constitucional que todos, sem exceção, devem respeitar. 2. Sei que boa parte dessas divergências decorrem de conflitos de entendimento acerca das decisões adotadas pelo Ministro Alexandre de Moraes no âmbito do inquérito das fake news. 3. Mas na vida pública as pessoas que exercem o poder, não têm o direito de "esticar a corda", a ponto de prejudicar a vida dos brasileiros e sua economia”. Atentemos quanto tempo vai durar essa candura. A tal carta é a manifestação de oportunismo por medo do impeachment.

Sabe-se, de sobejo, que o deputado Arthur Lira, presidente da Câmara dos Deputados, reiteradas vezes foi desmoralizado pelo Presidente da República. A última ocorreu quando teve o resultado da decisão acerca do voto impresso, mais uma vez questionado pelo atormentado ocupante do Planalto, está sentado sobre cerca de 130 pedidos de impeachment. A pergunta que a maioria da sociedade brasileira, que mantém intacto o bom senso e da razão, está fazendo é: - quando o Deputado vai cumprir com o dever constitucional e pautar o pedido de abertura do processo de afastamento do Presidente? Ou será necessário que os “neoinsentaos” invadam a Câmara e o STF, o que seria uma desmoralização ainda maior, perante a Nação e o Mundo, para poder Sua Excelência cumprir com a responsabilidade que lhe cabe? 

Senhor presidente, Arthur Lira; senhor presidente, Luiz Fux: a Nação está com medo e envergonhada do acovardamento dos senhores, que não agiram com a autoridade e a tempestividade necessárias que lhes cabem como representantes dos Poderes montesquieuanos do Legislativo e do Judiciário, ao tempo de impedir os desmandos da realidade em curso, que nos ameaça a todos. 

No contexto do significado de medo e covardia, quem é, e/ou são os marica(s) - nós jornalistas integrantes da “urubuzada”, como fomos qualificados, por termos a coragem de desvendar e revelar para a Nação o possível cometimento dos crimes de responsabilidade do Presidente, pelos reiterados atentados à Constituição e à Democracia, pelo uso da Policia Federal, Receita Federal, COAF e ABIN, em favor dos seus membros familiares e amigos, revelando a movimentação financeira suspeita nas contas do senador Flavio Bolsonaro, há muito denunciado pelo MPF, por corrupção, lavagem de dinheiro e comando de organização criminosa, ou quem deixou de exercer as prerrogativas constitucionais para impedir que esses e outros crimes continuassem a ser praticados, inclusive contra a honra dos senhores? Discursos de indignação nem resolvem e tampouco significam nada. Se lhes servem de consolo, produzem apenas manchetes de jornais e comentários dos analistas do óbvio.

Aliás, ante todas essas evidências, reafirmo a pergunta ao Presidente da Câmara, deputado Arthur Lira: o que falta para abertura do processo de impeachment? 

*Jornalista, sociólogo e doutor em Ciências Políticas. Comentários e críticas para: [email protected]


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Pousada da Paixão

11/09


2021

Paulo lamenta morte de Anchieta Santos

O governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), lamentou a morte do radialista Anchieta Santos. O gestor se manifestou por meio das redes sociais:

“Pernambuco perdeu nesta sexta-feira, o radialista Anchieta Santos. Com décadas de trabalho dedicados a levar informação de qualidade à sociedade, Anchieta, com seu timbre marcante, era a voz do Sertão pernambucano. Quero prestar minha solidariedade aos familiares, amigos e admiradores nesse momento de dor.”


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

SESC Agosto 2021

11/09


2021

Anchieta Santos deixa muitos admiradores

Por Adilson Gomes

A partida precoce do meu amigo Anchieta Santos deixa todos nós extremamente traumatizados. Sinto a perda do grande comunicador, o maior animador de palanques que conheci. Mas sinto mais ainda a perda da pessoa com quem tive mais de 35 anos de convivência e que era, antes de mais nada, meu amigo. 

Enfrentamos muitos momentos difíceis desde que começamos a trabalhar juntos, na campanha de Arraes de 1986, eu na mobilização e ele incendiando os comícios com sua voz poderosa. Lembro de um episódio dramático em Flores. Quando a chapa majoritária - Miguel Arraes, Mansueto de Lavor e Antonio Farias - chegou na cidade começaram as provocações.

Procurei as autoridades, que eram o juiz e o delegado, para pedir proteção, quando um dos provocadores chegou com um apito bem perto do meu ouvido e soprou com força, de surpresa. Disse ao delegado que aquilo estava errado e ele concordou e mandou prender o agitador.

Dali fiz o sinal para Anchieta, que começou a puxar o povo na maior animação, nem parecia que estava acontecendo. Saímos de lá para Serra Talhada com proteção policial.

Fizemos várias campanhas juntos. Durante os momentos que ele anunciava Dr. Arraes, Anchieta citava versículos bíblicos e as pessoas choravam na praça. Mais de uma vez vi o próprio Dr. Arraes pegar o lenço para secar as lágrimas.

Meus sentimentos aos familiares, amigos e à imensa legião de admiradores de Anchieta.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Bandeirantes Agosto 2021

11/09


2021

Vice rompe com prefeito em Ibimirim

CARTA ABERTA AO POVO 

Meus queridos amigos e eleitores de toda Ibimirim,

Eu me dirijo a vocês para expressar meu sentimento de profunda decepção com o prefeito Wellinton Siqueira. Durante a campanha eleitoral encarnamos a esperança do povo, que nos escolheu para trazer dias melhores. Mas a verdade é que eu o povo fomos usados como escada pelo atual prefeito, que, desde o início do seu mandato, rasgou todos os compromissos e governa apenas para seus próprios interesses.

Temos visto o povo de Ibimirim ser deixado de lado. A cada dia vamos descobrindo que nossa gente foi escanteada e as oportunidades de trabalho e emprego estão sendo dadas para pessoas de outras cidades forçando nossos conterrâneos a ir buscar o sustento em outras terras. Como vocês sabem, tenho atendido a todos que nos procuram em nosso gabinete e os relatos que ouço são escandalosos e retratam o descaso do prefeito para com o povo de Ibimirim. O que temos assistido é um festival de mentiras e de quebra de palavra que envergonha a cidade.

Com muita honra atendi o chamado do povo ibimiriense para cuidar de nossa terra e nossa gente na condição de vice-prefeito e tenho ciência da minha importância para que o projeto fosse vitorioso, no entanto, diante da forma desastrosa que o prefeito vem conduzindo a gestão não posso ser conivente com os desmandos. Vocês conhecem a minha integridade e honradez e sabem que ela não está a venda. 

Assim sendo, diante do reiterado desrespeito do prefeito para comigo, que covardemente me impede de trabalhar.

Diante da traição dos compromissos feitos junto ao povo, comunico o rompimento da minha aliança política e declaro que passo a ser oposição ao prefeito Wellinton. 

Sigo na condição de vice prefeito, servindo e sendo fiel a quem merece o nosso respeito, o povo de Ibimirim.

Um abraço, do amigo de sempre.

 

Charles do Paulistão

Vice-prefeito de Ibimirim


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


11/09


2021

Antonio Souza parabeniza Araripina pelos 93 anos

O empresário Antonio Souza, da Cab Motors, gravou um vídeo em homenagem à cidade de Araripina pelo aniversário de 93 anos. Confira!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha