08/04


2007

Cresce ameaças de grileiros de terra a religiosos no Pará

 Em meio aos preparativos para a visita do papa Bento XVI ao Brasil, marcada para maio, alguns setores da Igreja Católica estão preocupados com a questão do recrudescimento das ameaças de morte contra bispos, padres, freiras e agentes pastorais.

De acordo com levantamento feito a partir de informações da Secretaria Nacional de Direitos Humanos e de pastorais sociais, a lista tem dez nomes - todos da região amazônica, todos envolvidos com questões sociais e ambientais.

Três deles são bispos. O Pará, onde a irmã Dorothy Stang foi assassinada em 2005, é o estado com maior número de ameaçados: cinco pessoas da lista são de lá. Rondônia aparece em segundo lugar, com três nomes; e o Mato Grosso em terceiro, com dois.

Na prelazia paraense do Xingu, que engloba o município de Anapu, onde Dorothy vivia, o bispo Erwin Kräutler(foto) está sendo obrigado a fazer as visitas pastorais com um agente de segurança da Polícia Militar ao seu lado. O mesmo ocorre com o frade dominicano e advogado Henri des Roziers, que trabalha no escritório da Comissão Pastoral da Terra (CPT) de Xinguara, também no Pará.

Em Alta Floresta, Mato Grosso, a freira Leonora Brunetto dispensou a segurança oferecida pelas autoridades federais. Justificou-se dizendo que só aceitaria o esquema de proteção se pudesse ser estendido às lideranças dos movimentos de sem-terra com os quais ela atua. ''Não seria justo deixar essa gente no perigo e sair de lado'', explicou. ''Diante de Deus não seria nada bom.''

Com proteção especial, ela provavelmente se livraria de ameaças que ouve até quando caminha pelas ruas de Alta Floresta - cidade de 15 mil habitantes, a 720 quilômetros de Cuiabá e conturbada por conflitos em torno da posse da terra e da extração da madeira.

''A gente não tem pressa'', disseram-lhe dias atrás. ''Pode ser hoje ou amanhã, mas vai acontecer.'' Pelo telefone, por cartas e até bilhetes jogados diante de sua casa, a freira de 61 anos já foi xingada várias vezes.

Em Anapu, o padre Amaro de Souza, que trabalhava com a irmã Dorothy, também dispensou o esquema de segurança, com dois PMs, mas o motivo dele foi outro: ''Disseram que o transporte, o alojamento e a alimentação dos seguranças ficariam por nossa conta. Não temos condições para isso.''
Temeroso, o padre mantém três cachorros no quintal de casa. ''Eles me avisam quando qualquer estranho se aproxima. Preciso tomar cuidado, porque o consórcio de grileiros que encomendou a morte de Dorothy ainda está atuante.''

Além de d. Erwin, os bispos que receberam ameaças foram d. Geraldo Verdier, da Diocese de Guajará-Mirim, região de Rondônia localizada na fronteira do Brasil com a Bolívia; e d. Antonio Posamai, de Ji-Paraná, no mesmo estado.

O primeiro, um francês naturalizado brasileiro, de 70 anos, dos quais 42 vividos aqui, foi ameaçado de morte porque tomou o partido de um assentado da reforma agrária que teve sua terra tomada por um grileiro. Depois teve problemas por ter denunciado casos de torturas, que teriam sido praticadas por policiais da cidade. ''Uma vez me chamaram para socorrer um homem que estava sendo torturado. Encontrei-o no meio de uma poça de sangue'', contou ele.

Nenhum policial foi condenado. Por outro lado, o bispo, acusado por um dos policiais por danos morais, será julgado no próximo dia 15 de maio na sede de sua diocese. Em Ji-Paraná, o bispo recebeu uma carta com ameaças de morte, no ano passado, após ter denunciado casos de corrupção que estaria acontecendo no governo de Rondônia. No momento, o bispo também está sendo processado na Justiça.   (Informações da Tribuna da Imprensa)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Jaboatão Habitacional Suassuna

08/04


2007

Reforma sem direito do trabalhador não sai, diz ministro

 O novo ministério do presidente Luiz Inácio Lula da Silva preencheu as conveniências políticas de um governo de coalizão formado por 11 partidos de tendências ideológicas que vão da centro-esquerda à centro-direita, mas reforçou o viés anti-reformas que deve marcar este mandato.


Após cem dias do seu segundo mandato, tendo de contornar os problemas naturais de uma aliança tão ampla, o presidente deixou em segundo plano as reformas estruturais que enunciara nas primeiras semanas de governo - previdenciária, trabalhista, sindical, tributária e política.

Para o líder do governo na Câmara, José Múcio Monteiro (PTB-PE), o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) será uma alternativa. “Primeiro, vamos de PAC. Depois, será a vez da reforma política”, disse. Quanto às outras reformas, Múcio acha que “as propostas surgirão naturalmente”, mas não aposta nelas para este ano.

A resistência às reformas é manifestada sem dubiedade pelo ministro do Trabalho, Carlos Lupi (PDT). “Podem me chamar de antiquado, de atrasado, dizer que estou fora do mundo atual. Mas não vou defender reformas que tiram os direitos do trabalhador. Não tem como sair reforma trabalhista ou sindical sem consenso entre trabalhadores. E o consenso é muito difícil''. (Informações do Portal G1)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Gilberto Carvalho Moura

Foram

José Rodrigues da Silva

Isto que aí está não é governo de coalizão porra nenhuma! Governo de coalizão, se forma em benefício do país e não torno de uma pífia "sustentabilidade" de um "ser" que não tem essa "leveza". Será que todos os homens de bem foram cooptados!?


Pousada da Paixão

08/04


2007

Trabalhadores ocuparam mais três propriedades em PE

 Cerca de 300 famílias ligadas à Federação dos Trabalhadores da Agricultura Familiar (Fretaf) acabam de ocupar três propriedades em Pernambuco, nos municípios de Riacho das Almas (agreste), Sertânia (sertão) e Vitória de Santo Antão (na zona da mata). Alegando que as terras estão abandonadas e ociosas, eles exigem que sejam destinadas à reforma agrária.

As ocupações fazem parte da Jornada Nacional da Agricultura Familiar, coordenada pela Fretaf-Brasil. Com as de hoje, somam oito as ocupações da Fretaf só em abril, no estado. Segundo o coordenador do movimento social, João Santos, ao todo 1.314 famílias estão acampadas em oito municípios. O total de áreas invadidas desde o início do mês chega a 8.360 hectares.

(Pernambuco.com)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


08/04


2007

Juíza brasileira esfaqueada no Timor

 A juíza brasileira Sandra Aparecida Silvestre de Frias Torres, de 37 anos, foi ferida na noite de sábado, 7, durante um assalto em Díli, capital do Timor Leste. O Ministério das Relações Exteriores divulgou neste domingo, 8, que Sandra, do Tribunal de Justiça de Rondônia, ela passava bem.

Sandra é uma das integrantes da missão de observadores brasileiros para as eleições presidenciais no Timor Leste. "Acompanhada pelo embaixador do Brasil na capital timorense, Antonio de Souza e Silva, a juíza brasileira foi atendida em clínica local por médicos portugueses e passa bem", informou a nota do Itamaraty. Segundo informações da Rádio CBN, ela teria sido esfaqueada nas mãos e nos dois braços e levado 50 pontos, mas afirmou que vai continuar trabalhando normalmente.

Segundo a nota, a juíza se recupera na residência do embaixador brasileiro e já se comunicou com familiares no Brasil. As eleições presidenciais no Timor Leste estão marcadas para segunda-feira, 9


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


08/04


2007

Juíza brasileira é esfaqueada no Timor

 A juíza brasileira Sandra Aparecida Silvestre de Frias Torres, de 37 anos, foi ferida na noite de sábado, 7, durante um assalto em Díli, capital do Timor Leste. O Ministério das Relações Exteriores divulgou neste domingo, 8, que Sandra, do Tribunal de Justiça de Rondônia, ela passava bem.

Sandra é uma das integrantes da missão de observadores brasileiros para as eleições presidenciais no Timor Leste. "Acompanhada pelo embaixador do Brasil na capital timorense, Antonio de Souza e Silva, a juíza brasileira foi atendida em clínica local por médicos portugueses e passa bem", informou a nota do Itamaraty. Segundo informações da Rádio CBN, ela teria sido esfaqueada nas mãos e nos dois braços e levado 50 pontos, mas afirmou que vai continuar trabalhando normalmente.

Segundo a nota, a juíza se recupera na residência do embaixador brasileiro e já se comunicou com familiares no Brasil. As eleições presidenciais no Timor Leste estão marcadas para segunda-feira, 9. (Informações do Portal Estadão)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Petrolina abril 2021

08/04


2007

Carlos Wilson diz que CPI chega a governos anteriores

 O deputado Carlos Wilson(PT-PE) disse, hoje, em entrevista à Folha de  S.Paulo, que uma CPI em torno da Infraero, estatal dirigida anteriormente por ele, chegará a ações de governos anteriores na empresa. Ele disse que antes do governo Lula, houve intenção de esvaziar o órgão para privatizar. Eis a entrevista na íntegra.

Folha - A Infraero tem 40 processos no TCU, é investigada pelo Ministério Público e sofre auditorias internas. A estatal é a caixa-preta do governo Lula?
Carlos Wilson -
Antes do governo Lula, existia uma clara intenção de esvaziar a Infraero para privatizá-la. É perfeitamente normal que uma empresa que adquiriu visibilidade passe a ser visada e disputada. Estranho seria se a Infraero não fosse investigada. Nos três anos e três meses em que eu estive lá, a Infraero nunca deixou de fornecer informações. No caso de Congonhas, por exemplo, foi levantada no Ministério Público uma questão, mas a primeira fase da obra foi licitada em 2002 [governo FHC].

Folha - O fato de tantos órgãos investigarem a Infraero ao mesmo tempo não é indício de que algo estava errado?
Wilson -
O TCU é o órgão tecnicamente correto para fazer as apurações e muitas das denúncias já foram arquivadas. Mas o arquivamento não é tão notícia quanto a denúncia. A Infraero é uma empresa modelo. Graças à eficiência de seus funcionários se evitou um mal maior durante o apagão aéreo. Se não fossem as obras, a situação teria sido muito mais caótica.

Folha - O sr. é favorável a que a CPI investigue a sua gestão?
Wilson -
Investigação tem de ser feita sempre. O que eu estranho é que a Infraero tem fornecido tudo o que é solicitado. Se fala numa CPI, que eu procurei para assinar e defendo. Sou contra a politização que está se dando.

Folha - Se for uma CPI restrita ao apagão, o sr. concorda?
Wilson -
A questão de ser restrita não é por eu ser contra que se apure nada relacionado à Infraero. A empresa tem 35 anos. Tem processos na Infraero que ainda estão pendentes no TCU de mais de dez anos.

Folha - Por exemplo?
Wilson -
O aeroporto de Salvador gerou uma polêmica muito grande. Foi construído numa parceria entre governo da Bahia e Infraero.

Folha - A oposição então tem telhado de vidro?
Wilson -
Não quero colocar assim. Parece que estou querendo esconder acusações ameaçando com outras.

Folha - O sr. integraria a CPI?
Wilson -
Não sei, isso é uma questão para a liderança do meu partido. Mas eu estarei presente para contribuir.

Folha - A Infraero tem de continuar vinculada à Defesa?
Wilson -
Tem. Existem atribuições sintonizadas entre a área de segurança e a questão aeroportuária.

Folha - Os controladores devem ser desmilitarizados?
Wilson -
Ninguém resolve desmilitarizando. Tem que ter um plano de cargos e carreiras dentro da própria Força. Isso tudo foi mal conduzido. O que está por trás da situação dos controladores de vôo é que houve participação também deles no que se refere ao acidente da Gol.

Folha - Os controladores estão querendo fugir à responsabilidade que tiveram?
Wilson -
Cada um está procurando diminuir as suas responsabilidades.

Folha - Quando o sr. diz que foi mal conduzida essa crise o sr. se refere a quem?
Wilson -
Inclusive ao Congresso. A Câmara, no lugar de constituir uma CPI ou uma comissão especial para investigar, politizou a questão.

Folha - E a Defesa?
Wilson -
Também. A responsabilidade é de muitos.

Folha - O sr. se diz amigo do presidente. Tem apoio dele?
Wilson -
Conheço Lula desde quando ele estava preso. Esta amizade é boa, me dá satisfação, mas também traz ônus, porque ficam imaginando que, atingindo a mim, atingem a ele.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

José Rodrigues da Silva

Eu roubo / tu roubas / ele rouba / nós roubamos / vós [também] robais / eles roubam !!! Então fica combinado assim...

CPI URGENTE" QUEM NÃO DEVE NÃO TEME.

Pedro Araújo

Como disse, 3 anos e 3 meses a frente da Infraero e mesmo sabendo que lá existem muitos processos sendo investigados, aí ficou caladinho, não abriu o bico, Porque? para não desagradar a quem ele serviu tempos atrás? ou para evitar exatamente a CPI? Querem investigar? comecem pelos bancos.


Ipojuca 2021

08/04


2007

Carlos Wilson diz que CPI chegará a governos anteriores

Entrevistado pela Folha de S.Paulo, ontem, o ex-presidente da Infraero, Carlos Wilson, advertiu que uma CPI destinada a investigar aquele órgão, vai envolver também as atividades anteriores ao atual governo. Para o parlamentar petista, houve, antes do governo Lula uma clara intenção de esvaziar a empresa pra privatizá-la. Eis a entrevista na íntegra:


Folha - A Infraero tem 40 processos no TCU, é investigada pelo Ministério Público e sofre auditorias internas. A estatal é a caixa-preta do governo Lula?
Carlos Wilson -
Antes do governo Lula, existia uma clara intenção de esvaziar a Infraero para privatizá-la. É perfeitamente normal que uma empresa que adquiriu visibilidade passe a ser visada e disputada. Estranho seria se a Infraero não fosse investigada. Nos três anos e três meses em que eu estive lá, a Infraero nunca deixou de fornecer informações. No caso de Congonhas, por exemplo, foi levantada no Ministério Público uma questão, mas a primeira fase da obra foi licitada em 2002 [governo FHC].

Folha - O fato de tantos órgãos investigarem a Infraero ao mesmo tempo não é indício de que algo estava errado?
Wilson -
O TCU é o órgão tecnicamente correto para fazer as apurações e muitas das denúncias já foram arquivadas. Mas o arquivamento não é tão notícia quanto a denúncia. A Infraero é uma empresa modelo. Graças à eficiência de seus funcionários se evitou um mal maior durante o apagão aéreo. Se não fossem as obras, a situação teria sido muito mais caótica.

Folha - O sr. é favorável a que a CPI investigue a sua gestão?
Wilson -
Investigação tem de ser feita sempre. O que eu estranho é que a Infraero tem fornecido tudo o que é solicitado. Se fala numa CPI, que eu procurei para assinar e defendo. Sou contra a politização que está se dando.

Folha - Se for uma CPI restrita ao apagão, o sr. concorda?
Wilson -
A questão de ser restrita não é por eu ser contra que se apure nada relacionado à Infraero. A empresa tem 35 anos. Tem processos na Infraero que ainda estão pendentes no TCU de mais de dez anos.

Folha - Por exemplo?
Wilson -
O aeroporto de Salvador gerou uma polêmica muito grande. Foi construído numa parceria entre governo da Bahia e Infraero.

Folha - A oposição então tem telhado de vidro?
Wilson -
Não quero colocar assim. Parece que estou querendo esconder acusações ameaçando com outras.

Folha - O sr. integraria a CPI?
Wilson -
Não sei, isso é uma questão para a liderança do meu partido. Mas eu estarei presente para contribuir.

Folha - A Infraero tem de continuar vinculada à Defesa?
Wilson -
Tem. Existem atribuições sintonizadas entre a área de segurança e a questão aeroportuária.

Folha - Os controladores devem ser desmilitarizados?
Wilson -
Ninguém resolve desmilitarizando. Tem que ter um plano de cargos e carreiras dentro da própria Força. Isso tudo foi mal conduzido. O que está por trás da situação dos controladores de vôo é que houve participação também deles no que se refere ao acidente da Gol.

Folha - Os controladores estão querendo fugir à responsabilidade que tiveram?
Wilson -
Cada um está procurando diminuir as suas responsabilidades.

Folha - Quando o sr. diz que foi mal conduzida essa crise o sr. se refere a quem?
Wilson -
Inclusive ao Congresso. A Câmara, no lugar de constituir uma CPI ou uma comissão especial para investigar, politizou a questão.

Folha - E a Defesa?
Wilson -
Também. A responsabilidade é de muitos.

Folha - O sr. se diz amigo do presidente. Tem apoio dele?
Wilson -
Conheço Lula desde quando ele estava preso. Esta amizade é boa, me dá satisfação, mas também traz ônus, porque ficam imaginando que, atingindo a mim, atingem a ele.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Caruaru Campanha São João

08/04


2007

Influência da China mais aceita que a da Rússia e EUA

 Uma pesquisa feita pelo Serviço Mundial da BBC mostra que a influência da China no mundo é vista como mais positiva que a dos Estados Unidos e da Rússia.

Em média, nos 22 países onde foi feito o estudo, 48% dos entrevistados afirmaram que o papel da China atualmente é mais positivo que negativo. No Brasil, essa foi a opinião de 53% dos entrevistados.

Apenas 30%, em média, disseram ver a influência do país asiático como mais negativa.

Quando comparados os resultados obtidos em pesquisas semelhantes que observaram a influência dos Estados Unidos ou da Rússia, a China também se sobressaiu.

Em média, 38% dos entrevistados disseram ver a influência americana como positiva, enquanto apenas 36% afirmaram o mesmo em relação à Rússia.

Preocupação

Influência da China (porcentagem de opiniões positivas)
1. Líbano - 74%
2. Filipinas - 70%
3. Indonésia - 68%
7. Austrália - 56%
8. Brasil - 53%
9. França/Canadá/Coréia - 49%
14. EUA - 39%
15. Espanha - 37%
17. Alemanha - 34%
20. Japão - 22%

A maioria das pessoas entrevistadas – 49% – também classificou como positivo o crescimento econômico da China, mas apenas 24% disseram ser positivo o fato de o país estar fortalecendo seu poderio militar.

Mesmo em outros países asiáticos, que têm uma histórica posição cautelosa em relação à China, as opiniões foram relativamente boas.

A única exceção foi o Japão, onde apenas 22% dos entrevistas disseram ver a influência do vizinho como positiva.

Muitos japoneses preferiram não emitir sua opinião, e outros 25% afirmaram que o impacto da China é negativo para o mundo.

''Impressionante''

O estudo entrevistou 22.953 pessoas e foi conduzido especialmente para o Serviço Mundial da BBC pelo instituto de pesquisas GlobeScan, junto com o Programa para Atitudes em Política Internacional (Pipa, na sigla em inglês), da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos.

''É impressionante que, mesmo com seu enorme crescimento econômico, a China seja vista como uma boa influência, especialmente para seus vizinhos'', disse Steven Kull, diretor do Pipa.

''Apesar disso, essa opinião cordial... parece depender de a China conseguir impedir a si mesma de tentar converter seu poderio econômico em uma presença militar ameaçadora.''

Em relação à economia, até no México, onde os operários freqüentemente competem diretamente com os da China, 54% dos entrevistados se mostraram positivos em relação ao crescimento econômico da China.

Já quando o assunto é o poderio militar do país asiático, cidadãos de Austrália, Japão, Estados Unidos e nações européias se dizem preocupados.

Os Estados Unidos está considerando a suspensão do embargo de venda de armas à China.

O correspondente da BBC em Pequim, Tony Cheng, diz que a China raramente sentiu necessidade de olhar para além das suas fronteiras.

Mas o país está se abrindo. O uso intensivo da internet e a expansão das mídias de massa trouxeram o resto do mundo para a casa de chineses comuns pela primeira vez.

Segundo Cheng, por isso mesmo há uma preocupação crescente com a imagem do país. Para ele, os chineses estão cientes de que o progresso só virá se eles se unirem com o resto da comunidade internacional.  (Informações da BBC Brasil)

 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

milton tenorio pinto junior

Bem dizia Sartre:A unanimidade é burra. A China está entre os maiores poluidores do planeta.A queima do carvão naquele Pais é assustador.


CABO

08/04


2007

Juiz proíbe banco de cobrar tarifa sobre cheques

 Cliente de banco não pode ser obrigado a usar o serviço de transferência bancária em vez de emissão de cheque. O entendimento é da 42ª Vara Cível de São Paulo, que proibiu o banco Itaú de cobrar tarifa de R$ 16 para clientes de emitem cheques com valor maior do que R$ 5 mil. Cabe recurso.

A Ação Civil Pública foi ajuizada pela Associação Nacional de Defesa da Cidadania e do Consumidor (Anadec) contra o banco. De acordo com a inicial, a instituição financeira cobra a tarifa dos consumidores que optam por passar cheque em vez de usar o serviço de transferência bancária.

O argumento da Anadec foi de que não existe qualquer lei brasileira que imponha aos consumidores a obrigação de usar exclusivamente um serviço. “Seria uma ingerência na vida pessoal, no patrimônio dos cidadãos, nas manifestações de vontades e na essência de diversos negócios jurídicos, como compras com cheque pré-datado, que é uma prática nacional profundamente enraizada”, alegou.

A associação sustentou, ainda, que não existe lei que “ampare a cobrança de taxas ou tarifas, dos correntistas que optem pela emissão de cheques em valor igual ou superior a R$ 5 mil”. Com a atitude, o banco “está incidindo em ofensa ao Código de Defesa do Consumidor, que por sua vez traz regra cristalina sobre a devolução de valores cobrados indevidamente”. (Informações do site Consultor Jurídico)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

As tarifas bancárias em fevereiro sofreram reajuste de 15,9% contra uma inflação de 3,6%. Isso é uma vergonha e o pior que o Governo Lulla nada faz.


Bandeirantes Junho 2021

08/04


2007

Ministro afaga petistas e quebra resistências

 Recém-empossado no estratégico cargo de ministro das Relações Institucionais, o petebista Walfrido dos Mares Guia já está comprovando sua habilidade por agradar a gregos, troianos e os sempre críticos petistas.

Embora o PT tenha tentado permanecer com o cargo quando foi anunciada a saída de Tarso Genro, fontes do PT dizem não ter o quê reclamar do novo titular. Exemplo: uma das primeiras atitudes de Walfrido ao chegar ao Palácio do Planalto foi avisar aos petistas lotados em seu órgão que não pretendia demiti-los. Trata-se da equipe que faz a ponte entre Planalto e Congresso, com missões delicadas e importantíssimas como negociar liberação de emendas parlamentares, entre outras.

Esses petistas são remanescentes dos tempos do ex-ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu.
(Do blog do ET)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Apesar de estar fora do Governo José Dieceu continua "operando" sem a menor cerimonia. Ele sabe que o Ministro da Justiça não irá incomodá-lo.

José Rodrigues da Silva

o interesse deste cidadão é fisiológico, nunca filisófico!!!


Serra Talhada 2021