O Jornal do Poder

08/10


2006

Alckmin parte para o ataque no primeiro bloco do debate

O candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, partiu para o ataque na questão ética, logo na primeira questão do debate, que eram para serem discutidos os gastos públicos. Alckmin começou criticando a ausência de Lula nos debates do primeiro turno e, em seguida, mandou o presidente Lula olhar para a TV e dizer para os eleitores, de onde tinha vindo R$ 1,7 milhão para pagar o dossiê contra os tucanos.

Lula disse que não tinha medo de falar sobre o dossiê e que o assunto está com a Polícia Federal. Disse que não pretende julgar ninguém que amanhã possa ser inocentado, mas que fará questão de apresentar os resultados assim que saírem.

Alckmin rebateu, disse que o presidente mais uma vez não sabia de nada, apesar de ter seus assessores envolvidos no escândalo. Citou o churrasqueiro de Lula, Jorge Lorenzetti, o coordenador da campanha, Ricardo Berzoini entre outros.

 

 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Potencial Pesquisa & Informação

08/10


2006

Começa o debate na Band. Alckmin ataca Lula

Começa o primeiro debate do segundo turno das eleições presidenciais na Band entre Lula e Alckmin. O jornalista Ricardo Boechat, mediador do debate,  explica agora as regras para os candidatos e telespectadores.

O candidato Geraldo Alckmin começou batendo em Lula, criticando a ausência dele nos debates do primeiro turno.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

José Rodrigues da Silva

Brasileiros! O presidente lê a pergunta!!! Estou pasmo, estupefato! Trata-se de um inseguro, medroso!


Banco de Alimentos

08/10


2006

Lula abordará área social, Alckmin a ética

Os dois candidatos à Presidência da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Geraldo Alckmin (PSDB), passaram o dia se preparando para o debate desta noite na TV Bandeirantes, o primeiro com a presença do presidente, que vai ao ar a partir das 20h. Enquanto Lula falou com a imprensa ao chegar a São Paulo, Alckmin passou o dia recluso com sua equipe e preferiu não falar com os jornalistas.

O presidente Lula desembarcou em São Paulo por volta das 13h e hospedou-se em um hotel na zona sul, próximo da sede da TV. Em sua entrevista, o candidato à reeleição pelo PT, listou algumas das armas que deve usar durante o debate. Afirmando que tem ''uma obra realizada'' para mostrar, Lula lembrou o Bolsa Família, o ProUni, o programa Luz para Todos e os números que mostram a redução da pobreza.

''Quero mostrar o que nós fizemos no passado. Certamente, nosso adversário vai falar do que ele fez no estado de São Paulo'', disse.

Lula mostrou-se tranqüilo acerca da expectativa de que o debate gire em torno da questão da ética. ''A ética faz parte de um programa de governo e é importante que seja debatida'', afirmou.

O presidente veio de Brasília para São Paulo acompanhado da sua equipe de campanha e de vários ministros, entre eles Tarso Genro (Relações Institucionais), Dilma Roussef (Casa Civil) e Celso Amorim (Relações Exteriores).

O presidente usou da modéstia ao comentar os resultados da primeira pesquisa deste segundo turno feita pelo Datafolha e que mostra Lula com 50% das intenções de voto, contra 43% para Alckmin. ''A pesquisa é uma boa referência, mas o que nós precisamos é trabalhar'', disse Lula.

Alckmin

O candidato tucano Geraldo Alckmin passou boa parte deste domingo na produtora de TV que cuida dos programas de sua campanha eleitoral, concentrado na preparação para o debate de logo mais.

A expectativa é que o candidato tucano explore os escândalos de corrupção ocorridos no governo e na campanha petista, principalmente o da suposta compra de um dossiê contra candidatos do PSDB por parte de membros do PT.

Uma das principais críticas do tucano tem sido sobre as dúvidas sobre a origem do R$ 1,7 milhão que foi apreendido pela Polícia Federal com Gedimar Passos e Valdebran Padilha, ligados ao PT.

Os dois foram presos em um hotel em São Paulo no dia 15 de setembro, quando teria sido frustrada a negociação para a compra do dossiê com o empresário Luiz Antônio Vedoin, sócio da Planam, empresa apontada como principal operadora da máfia dos sanguessugas.

''De onde veio o dinheiro?'', tem sido uma das frases mais usadas pela campanha tucana desde que eclodiu o escândalo do dossiê. No site da campanha, há até uma animação sobre o tema, em que o presidente Lula aparece dizendo que não sabe de nada.

Alckmin também deve explorar o baixo índice de crescimento da economia brasileira, que só perde para o Haiti na América Latina, e provavelmente terá que enfrentar as comparações que Lula deve fazer entre os quatro anos seu mandato e os oito do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. A expectativa é que Alckmin seja acompanhado por caciques tucanos no debate de hoje. (Folha Online)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


08/10


2006

Lula leva o ministério para o debate na Band

O presidente Lula está acompanhado dos ministros Márcio Thomas Bastos (Justiça), Dilma Rousseff (Casa Civil), Tarso Genro (Relações Institucionais), Luiz Marinho (Trabalho) e o ministro licenciado do Turismo, Walfrido Mares Guia. Há pouco, se juntou ao grupo o ministro da Fazenda, Guida Mantega. Todos estão portando as credenciais para o debate desta noite, inclusive  o coordenador da campanha petista, Marco Aurélio Garcia. (Agência Estado)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


08/10


2006

Marco Aurélio Garcia: "Não existe tema tabu"

O coordenador nacional da campanha de reeleição do presidente - Marco Aurélio Garcia  - afirmou que Lula está preparado para o debate, ''como sempre esteve''. ''A expectativa é das melhores porque o debate permitirá esclarecer devidamente os problemas que estão em discussão'', afirmou, referindo-se às denúncias de corrupção no governo. ''Não existe tema tabu'', afirmou. ''A única contrariedade para o presidente hoje é o futebol, já que o Corinthians perdeu'', brincou. (Agência Estado)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


08/10


2006

Policia separa militantes de Lula e Alckmin

Uma hora antes do início do debate na TV Bandeirantes, a Polícia Militar fechou a rua de acesso à TV e armou um esquema de segurança para separar militantes do PT e do PSDB.

Os membros de cada partido foram colocados em esquinas diferentes da rua, para que não se encontrassem e entrassem em atrito, assim como ocorre nos estádios de futebol.

No canto petista, segundo a PM, se concentram cerca de 300 integrantes carregando faixas e bandeiras. Um caminhão de som do partido com telão foi posto para que os militantes pudessem assistir ao debate.

Já no córner tucano a situação é bem mais tranqüila. Cerca de 20 pessoas, alguns com bandeiras do partido, esperam a chegada do candidato. (Globo Online)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


08/10


2006

Suplicy está confiante no desempenho de Lula

O senador Eduardo Suplicy (PT) comemorou a participação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, candidato à reeleição pelo PT, no debate da noite deste domingo na TV Bandeirantes. Suplicy disse que este era um ''feito histórico''.

- É preciso saudar o presidente que no exercício do mandato se dispõe a participar e debater com o seu principal adversário, o que não tinha acontecido em 1998. Recomendei muitas vezes que ele viesse e acho isso formidável. Estamos diante de um jogo como se fosse o Maracanã lotado.

Suplicy se disse confiante com o desempenho de Lula no debate:

- Ele vai mostrar as razões pelas quais o povo tanto confia nele - finalizou. (Globo Online)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


08/10


2006

Lula: Debate será de acordo com a pergunta

O presidente Lula chegou há pouco na TV Bandeirantes e disse que passou um dia tranquilo junto com dona Marisa. Lula afirmou que deseja debater com Geraldo Alckmin todos os assuntos, inclusive o caso do dossiê contra os tucanos, que envolveu um grupo de petistas.

''Será um debate de acordo com a qualidade da pergunta. Eu sempre priorizo o debate para as questões do Brasil. Mas cada candidato tem a sua postura'', disse.

Lula disse que ''ninguém é candidato de apenas uma classe'', ao ser indagado sobre ter recebido votos apenas das classes menos favorecidas. ''Um candidato tem um discurso para tentar conquistar todos os segmentos da sociedade, seja um grande empresário, um grande banqueiro ou um trabalhador empregado ou desempregado. Até porque, você não vai governar  um setor do Brasil'', explicou.

O presidente reforçou, entretanto, que tem priorizado os setores que são mais necessitados.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


08/10


2006

Alckmin diz que corrupção tem de ser debatida

O candidato do PSDB à presidência Geraldo Alckmin chegou há pouco aos estúdios da TV Bandeirantes. Ele disse que pretende fazer um debate de propostas, mas não deixará de tocar na questão ética do Governo Lula.

Alckmin disse que nenhum país do mundo foi para a frente, se não erradicou '' a praga da corrupção'', razão pela qual, entende que este tema terá que debatido no debate de hoje dos candidatos.

''Eu fui a todos os debates, porque eu respeito os eleitores. O Debate permite mais informação, permite ao eleitor melhor juízo de valor, para escolher bem quem vai governar o Brasil nos próximos quatro anos''.

Alckmin acredita que o debate pode mudar o voto do eleitor:

''Claro que pode. O eleitor é muito sábio, muito maduro, até pelo sofrimento. Ele vai comparando informação. No primeiro turno já foi assim. O debate terá tudo o que interessa ao eleitor, ao povo brasileiro.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


08/10


2006

Lula espera um debate de propostas de governo

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que pretende discutir propostas de governo no debate que acontece neste domingo, às 20h30, na TV Bandeirantes. ''No meu caso, tenho uma obra realizada e projetos para o futuro e para o desenvolvimento do Brasil'', afirmou em entrevista coletiva, no hotel Estan Plaza, no Brooklin.

A expectativa é de que o seu adversário, Geraldo Alckmin (PSDB-SP), aborde o tema da ética na política durante o encontro. Lula afirmou que considera esse assunto ''apaixonante''. ''A ética faz parte de um programa de governo e é importante que seja debatida.''

Para Lula, o debate no segundo turno se mostra mais importante porque só há dois candidatos. ''As idéias podem fluir melhor e podemos nos prolongar mais sobre determinado assunto'', disse. Segundo ele, no primeiro turno, o número mais elevado de candidatos inibia uma exposição maior. Lula afirmou que percebeu que um candidato demorava até 16 minutos para retornar ao vídeo. ''A eleição é como uma Copa do Mundo. Todo mundo joga, mas uma hora vai para a final.''

Sobre a primeira pesquisa para o resultado do segundo turno, divulgada na sexta-feira pelo Datafolha, onde Lula tem 50% das intenções de voto e Alckmin, 43%, o presidente disse que leva os números muito a sério. Porém, ressaltou que sua cabeça não funciona com base nos dados divulgados. ''As pesquisas são boas referências, mas o que a gente precisa é trabalhar, porque uma campanha se ganha a cada dia.''

Dados do Datafolha também mostram que os eleitores com renda familiar de até dois salários mínimos, ou R$ 700,00, são os responsáveis pela liderança de Lula na pesquisa. Programas como o Bolsa Família são apontados como responsáveis pela preferência da população mais pobre pelo candidato do PT.

Lula afirmou que o Bolsa Família prova que é possível fazer política de crescimento econômico, distribuição de renda e inclusão social no País. O presidente também citou o programa que leva energia elétrica para a população de baixa renda, o Luz para Todos. ''O Bolsa Família é um programa que precisa ser aperfeiçoado na sua fiscalização, e nesse sentido a sociedade e o Ministério Público têm sido parceiros extraordinários. O Bolsa Família não é um programa infinito, ele é emergencial até que as pessoas possam começar a trabalhar.''(Agência Estado)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Francisco Filho

TEM QUE DISCUTIR PROPOSTAS E OUTROS TEMAS QUE INTERESSAM AO PAÍS, MAS TEM QUE DISCUTIR TAMBÉM O MAR DE LAMA QUE TODO BRASILEIRO VEM ASSISTINDO, PRINCIPALMENTE AQUELE "VEIO" QUE PASSA SOBRE O PALÁCIO DO PLANALTO, E SÓ O PRESIDENTE NÃO VÊ.