FMO janeiro 2020

19/01


2008

Governo perdeu a vez de emplacar quadro técnico

Do Blog do ET

O governo pode ter querido resgatar o perfil técnico do titular do Ministério de Minas e Energia (MME), mas perdeu essa oportunidade quando não oficializou no cargo o secretário de Planejamento Energético Márcio Zimmermann, que ficou com o posto de secretário-executivo. O PMDB concordava.

Ficou a dívida e a fatura voltou a ser apresentada no momento de maior fragilidade da articulação política. A nomeação de Edison Lobão não dá um voto a mais para o governo no Senado, assegurando apenas aqueles com que o Palácio já conta.

O MME não é forte em si, mas pelas empresas e entidades que estão abrigadas sob sua rubrica. Uma consulta ao projeto da lei orçamentária indica para a pasta recursos da ordem de R$ 607,6 milhões. No orçamento de investimentos, cabem R$ 3,197 bilhões ao Grupo Eletrobrás e R$ 22,5 bilhões à Petrobrás.

A principal função do ministério seria a de coordenação, mas esta foi levada para a Casa Civil, com o remanejamento de Dilma Rousseff para aquela pasta. Lobão não vai ser um ministro forte, assim como Silas Rondeau não o foi. Mas com o novo titular, o PMDB espera colher maiores dividendos políticos.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

jose carlos da silva

Falou e disse robertão. Acertou de cabo a rabo.

roberto lima

lula e sua turma so pareciam "sérios" quando estavam em campanha, antes do primeiro mandato. Depois de eleito, comprou 70% da população com a "borsa" e enfiou bandidos e ladrões na administração.


Prefeitura de Serra Talhada

19/01


2008

Sem aprovação: Planalto pode gastar R$ 11 bi do PAC

O governo federal poderá concluir R$ 11 bilhões em obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) ao longo de 2008 mesmo sem ter o Orçamento aprovado pelo Congresso.

São investimentos em estradas, em irrigação do semi-árido nordestino, em projetos de saneamento e em subsídio à habitação popular, entre outros projetos de infra-estrutura, que foram autorizados a partir do Orçamento de 2007, mas serão executados neste ano.

Segundo o Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi), o governo chegou a empenhar em 2007 a quase totalidade dos recursos do PAC previstos no Orçamento. Foram R$ 16 bilhões de empenhos, a maior parte realizados nos últimos dias de dezembro, para aproveitar as dotações orçamentárias do ano.

O empenho é a primeira fase da execução orçamentária, quando se tomam as providências para iniciar uma obra. Em muitos casos, entretanto, entre o empenho e o início efetivo da obra transcorrem muitos meses. Em alguns casos, as obras nem chegam a se iniciar, como é o caso da transposição das águas do Rio São Francisco. Do Portal G1.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Abreu e Lima - Prefeitura - Abreunozap

19/01


2008

Alckmin negocia apoio do PMDB com Quércia

 Alheio às conveniências de José Serra e às opiniões de Fernando Henrique Cardoso, o tucano Geraldo Alckmin costura nos subterrâneos uma aliança que dê suporte à sua candidatura à prefeitura de São Paulo. Idealiza uma parceria do seu PSDB com o PMDB de Orestes Quércia.

Alckmin já teve pelo menos duas reuniões com o próprio Quércia, que preside o PMDB no Estado de São Paulo. Esteve também com Bebeto Haddad, presidente do diretório peemedebista na capital paulista.

O tucano disse aos dois interlocutores que deseja concorrer à prefeitura paulistana em outubro de 2008. E manifestou o interesse de ter o PMDB do seu lado. Em privado, cogita entregar a um peemedebista a vaga de vice.

Nem Quércia nem Bebeto excluíram a hipótese de formalização de um acordo. O diálogo mantém-se, por ora, inconcluso. Será retomado em fevereiro, depois do Carnaval.

Alckmin move-se à revelia de Serra. De olho na corrida presidencial, o governador de São Paulo corteja o DEM. E a tribo ‘demo’, sabendo-se essencial para os planos futuros de Serra, condiciona uma eventual parceria em 2010 ao apoio do PSDB à candidatura municipal de Gilberto Kassab.

Guindado à prefeitura como vice, Kassab (DEM) tornou-se titular do posto em 2006, quando Serra decidiu rasgar um compromisso que assumira por escrito, trocando a cadeira de prefeito pela poltrona de governador. Kassab tomou gosto pela coisa. E quer porque quer se reeleger. Do Blog do Josias de Souza.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

jose carlos da silva

Tem gente que é cega mesmo. Se for puxa saco tá explicado.

Rafaela Santos Jacintho Duarte Lopes

Kassab tem mais eh q tentar se reeleger mesmo, já q está fazendo um brilhante trabalho por São Paulo.


Banco de Alimentos

19/01


2008

José Alencar recebe alta e deixa hospital

 O vice-presidente da República, José Alencar, 76 anos, recebeu alta hoje. Ele estava internado há uma semana no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, devido a uma infecção.

Ao deixar o hospital, Alencar disse que pretendia almoçar em uma churrascaria. Segundo ele, “o médico liberou”.

José Alencar está fazendo quimioterapia para curar um tumor no abdome. Para os médicos, a baixa imunidade provocada pelo tratamento foi a maior responsável pela febre que levou o vice-presidente ao hospital no sábado passado (12). Do Congresso em Foco.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

jose carlos da silva

Setenta e seis anos, boa idade para cuidar dos bisnetinhos.



19/01


2008

Artigo especial

 Ética e dignidade no trato do caso Serrambi

 Miguel Sales

 Promotor de Justiça

Em respeito ao povo Pernambuco, o caso deve ser contado como o caso foi, sem distorções ou informações aleivosas, separando-se o joio do trigo, em busca da verdade real. A justiça antes da toga, do fórum, das corporações, é um valor maior que lateja no sentimento que lateja na mente e no coração dos homens.

O certo e o errado é um dado relativo, mas toda pessoa tem que ser coerente com as suas posições, e não mudá-las ao sabor dos ventos. Não importa o número, mas a qualidade. Na mais alta corte de Justiça, por vezes uma questão é decida por voto de Minerva, só para citar como os homens divergem de opiniões.

Todos as minhas promoções e requerimentos foram aceitos e se transformaram em decisões da Justiça e ratificadas por outras instituições responsáveis pela segurança e da administração da Justiça. Logo, não foi uma posição só minha.

No primeiro inquérito, mais quatro colegas atuaram no caso, e graças a eles e a mim que foram realizadas as novas perícias a respeito do caso. Na época, por esforços do então deputado Eduardo Campos, que dignifica Pernambuco por ser dele o seu atual governador, se instalou uma Comissão Especial da Câmara dos Deputados para acompanhar o caso, e nela, inclusive, criticou o modo como fora feito uma das perícias iniciais.

No mesmo sentido, pela Comissão de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa do Estado, se instalou uma outra Comissão. O digno Jarbas Vasconcelos, quando governador do Estado, o então ilustre Secretário de Defesa Social, João Braga, acataram o pedido feito por mim para a entrada da Polícia Federal. Depois que a investigação dela retornou, o pedido de novas diligências foram deferidas por sucessivas juízas.

Recentemente, o ilustre delegado Paulo Jeann declarou a imprensa que eu tinha razão em devolver o inquérito, porque ele ainda tinha várias lacunas. José Vieira ofereceu denúncia substitutiva ao colendo Tribunal de Justiça de Pernambuco, a qual foi rejeitada por unanimidade. No entanto, contra ninguém se alegou que foi causado retardo na conclusão do caso ou de utilizá-lo para outros fins.

Mas é assim mesmo: na briga do rochedo com o mar, sempre sobra para o marisco. Não importa os que por pretexto ou subterfúgios me acusam, pois enquanto promotor tenho o dever de lutar pelos princípios éticos que fundamenta a justiça material e ser coerente, jamais aceitando que algo me seja imposto goela abaixo, não importando a quantidade dos que querem assim.

Me recuso a aceitar simplesmente a composição formal do processo, que pode causar injustiça ou impunidade. Devo trilhar, mesmos com todos os obstáculos em busca do conteúdo ético e moral da Justiça, aliás não se pode conceber ela destituídas desses valores.

Por reiteradas declarações em jornais, o pai de Maria Eduarda e seus advogados anteriores se insurgiram contra o inquérito e elogiaram a minha atuação. Entre eles, tenho devota admiração pelo ilibado professor Nilzardo Carneiro Leão e Gilberto Marques. O Sr. Antonio Dourado chegou a iniciar uma briga com o Sr. José Vieira, por ocasião da apresentação do resultado do Inquérito da Polícia Federal. Quem não lembra?

Foi até por ele criticado por patrocinar um site (e nisso não vejo nada demais), pelo Vieira e pela própria Policia Federal, o qual deu margem a uma série de denúncias infundadas, mas a sua intenção era a busca da verdade. Se hoje ele mudou de idéia, tendo até a ousadia de me chamar de criminoso, não fui eu que deixei de ser coerente.

Quanto à sua assacada, como sou um homem sem ressentimos, e, sobretudo, pela minha eterna condolência pela tragédia que cruzou o caminho de sua insubstituível filha, só me cabe perdoá-lo. Tenho certeza que um dia ele voltará a me compreender.

Para evitar possíveis pretextos e não dificultar o meu direito constitucional de permanecer como promotor de Ipojuca, como também garante, a legislação do MP, optei por uma Promotoria Cível, exatamente para que ninguém pudesse fantasiar que queria fazer do Caso Serrambi um cavalo-de-batalha. Porém, o procurador anterior, com a concordância do promotor criminal, me designou para continuar no caso.

O atual manteve a Portaria, só a limitando e a revogando recentemente e, ainda mais, me removendo para Camaragibe, desfazendo Portaria que ele próprio tinha baixado o ano passado. Se digno procurador-geral achava que eu estava retardando a investigação, porque não a revogou antes tal ato, o que poderia fazer a qualquer momento?

Repita-se, porque os jornais não tem esclarecido bem isso, a minha insurgência é em si e tão só pelo fato de me quererem tirar de Ipojuca passando por cima da Constituição, que me garante a inamovibilidade. E nunca foi em relação ao Caso Serrambi, pois se quisesse nele ficar teria optado pela Promotoria Criminal.

Outra grande distorção, em parte já está explicado nas razões acima, é dizer que usei o caso com trampolim político. Todos recordam, quando o caso estava em evidência, em 2004 foi cogitada para prefeito; e em 2006, para deputado. Entre outras razões, não aceitei, exatamente para não dar margem alguém dizer que estava me aproveitando do Caso.

E não seria falta de ética aceitar, pois uma coisa não tem nada ver com a outra. A Juíza  Denize Frossard, após adquirir notoriedade por botar na cadeia os bicheiros, não foi criticada por isso, e muito dignificou o nosso Parlamento.    

Para citar casos de Pernambuco, vários promotores (em Gravatá, Garanhuns, Jaboatão, Olinda, Paulista) foram ou cogitaram em ser candidatos, nem por isso sofreram retaliações ou foram removidos involuntariamente de suas respectivas promotorias.

O que me dói mais é ver a Instituição sendo digladiada fora de seus muros. Todos sabem que, independentemente de entrar no mérito, roupa suja se lava em casa. Por regra da Instituição, para se manter sua integridade e unicidade, qualquer tipo de procedimento a ser instaurado contra membro do MP não é levado a público, muito menos como foi.

Simplesmente após o procedimento ser instaurado, ele é apenas publicado no Diário Oficial, sequer sem citar o nome do sindicalizado ou o nome da Comarca em que atua, visando a preservação da imagem do mesmo, até porque muitas delas são infundadas e pode causar danos irreparáveis ao acusado.

Nunca vi na história do MP de Pernambuco um resultado de um inquérito ser anunciado numa sessão do seu Conselho Superior, reservado para as questões interna corporis da instituição, ainda mais anunciada por pessoas que não estão vinculadas ao processo, inclusive de forma antecipada, quando o mesmo estava e está, em certos aspectos, em segredo de Justiça.

Claro que isso não significa a negação da transparência, mas essa dar-se nas ações concretas e nos procedimentos que envolve direitos indisponíveis ou coletivos da sociedade, sobretudo no tocante aos atos da Administração Pública.

Imediatamente, comuniquei ao procurador-geral não ter assinado a denúncia por ter convencimento diverso. As razões dela é mérito, pelo que me reservei a falar, até mesmo em face do segredo de Justiça e, ademais para não citar nomes de pessoas, e não atrapalhar futuras diligências.

Mas a prisão preventiva não trata do mérito, é questão processual, aplicada apenas em caráter excepcional, até mesmo para que o Estado não corra o risco de indenizar alguém no futuro. Uma coisa não tem nada a ver com a outra. É de Sabença comum, que qualquer promotor de um caso, pode tanto pedir a prisão preventiva como a sua revogação, inclusive habeas corpus. Logo, a respeito disso vir se falar no cometimento do crime de advocacia administrativa, é preciso se  esquecer tudo que eu aprendera nos velhos bancos da Faculdade de Direito do Recife.

Bate-se forte em mim pelo fato de eu ter declarado que admitia a hipótese de vir a ser candidato a prefeito de Ipojuca. Essa cogitação vem desde 1997. E qual é o mal? Numa democracia representativa o direito de votar e ser votado é sagrado, o resto são circunstâncias.

A própria Resolução do Conselho Nacional do Ministério Público, cujo chefe é procurador-geral da República, consagra tal direito. Se pode até dela discordar, mas não impedir, sobretudo o MP, que tem por função ser fiscal da lei, sobretudo quando entranhada dentro da própria instituição.

Se realmente vier a ser candidato, e Ipojuca merece isso, diante das improbidades que lá impera (constatada pelo TCE e o próprio Ministério Público) e da grande contradição entre a sua receita e o nível de pobreza de sua população, tomarei tal atitude no momento e na forma procedimental permitida, como estabelece a legislação eleitoral e as regras do MP.

Registre-se que do MP já saiu candidatos e eleitos de presidente da República a vereador. Hoje, existem vários senadores e deputados dos quadros do MP. Muitos deles, após o cumprimento do mandato, retorna às suas atribuições, Como aconteceu com Ibsen Pinheiro, ex-presidente da Câmara dos Deputados.

Do Judiciário, já saíram juízes, atualmente, entre outros, o ilustre Guilheme Uchoa. Do STF, se cogitou os nomes Sepúlveda Pertence e Nelson Jobim para presidente da República. E não me consta que nada se insinuou antes ou depois de suas respectivas candidaturas.

Como a pessoa tem que ser coerente e honrar a palavra dada, pois desde menino aprendi com Exupéry que somos responsáveis por aquilo que cativamos, o verbo cativar aí no sentido de responsabilidade, eu venho dizendo desde há muito que só fico no MP enquanto promotor de Ipojuca, porque não aceito ferir a Constituição que um dia jurei cumprir, como fazem todos os exercentes de Poder ou assemelhados. Lutei até o último instante, me vendo vencido não me resta outro caminho se não trilhar por outras veredas.

E o mundo é grande, como dito nos Grandes Sertões, do imortal Guimarães Rosa. Deixo o MP dolorido e condoído, porque sacrifique muitos planos e afetos familiares, para me dedicar a ele com todo o meu idealismo. Antes lecionava, lia, escrevia, mas desde há muito que não faço mais, em razão das noites mal-dormidas abarrotado de processo tudo no intuito de promover a Justiça, mas infelizmente esse sonho foi quebrado pelos sentimentos de alguns alimentados pelas fogueiras das vaidades ou razões que não me são conhecidas ou compreensíveis.

Continuo com a minha profunda estima a todos os seus integrantes e sempre irei defender a instituição em que tanto me senti honrado, sempre na mais elevada ética e probidade. Quem sabe, um dia eu a ele volte, por novo concurso, em outro Estado no Ministério Público Federal.

Quantos aos procedimentos que de forma irregular anunciaram que seriam proposto contra mim, caso se concretizem, aguado ser comunicado na forma legal, para deles me defender, sempre com a esperança de acreditar na Justiça.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Mariana

ESSE PROMOTOR QUER CRIAR UMA BRIGA SOCIAL ENTRE RICOS E POBRES, ACHO SEM NESCESSIDADE ELA JÁ EXISTE!!! QUEM MAIS QUE ISSO, QUER SE PROMOVER.

Marcos Antonio Pereira da Silva

Será que as juizas que deferiram os requerimentos do Promotor Miguel Sales sao todas Cabos Eleitorais seus? Será que as autoridades que denunciaram os dez vereadores por crime eleitoral, peculato e formacao de quadrilha também serao transferidas e punidas? ´Quem é que diz quem pode ser candidato?

Paulo Kigrer

Executou mal a sua tarefa, o promotor Sales. Como sugestão, e pelas evidencias que lhes passou pelas maõs, se não os kombeiros, quem?

Felipe Dubeux

Realmente o promotor Miguel Sales chamou atenção, não por sua candidatura ou não para Prefeito. E sim por manter uma postura honesta contra quem apenas quer dar um ponto final ao caso, agora só falta torturar os kombeiros até confessarem e está tudo resolvido. Poucos tem a coragem de fazer Justiça.

jose carlos munhoz

MINHA GENTE , NÃO QUERO ACUSAR NIMGUEM MAIS O GRANDE ERRO TA NA PROPIA JUSTIÇA QUE NÃO MOSTRA AS CONVERSAS GRAMPEADAS DOS KOMBEIROS , NA QUAL MOSTRA QUE ELES NÃO SÃO GENTE DE BEM NÃO . POR ISSO QUE DIGO O SEGREDO DE JUSTIÇA DEVE EXISTIR MAIS COM EXCESSÕES .RESPEITO A DOR DOS FAMILIARES,MOSTREM LOGO


O Jornal do Poder

19/01


2008

Coluna de hoje na Folha

        Jogando tempo fora

Seria cômico se não fosse trágico observar o processo interno do PT, cada vez mais confuso, de construir a unidade em torno de um candidato a prefeito do Recife. É provável que João Paulo passe o fim de semana conversando com lideranças petistas, que não engolem o nome de João da Costa. O encontro mais esperado é com o secretário estadual de Cidades, Humberto Costa, que controla o diretório estadual sem poder de fogo na executiva municipal.

Se Humberto e João Paulo chegarem a um entendimento, descartando a possibilidade de prévias, não se surpreenda se, ao longo da campanha, o ex-ministro adotar o mesmo comportamento de João Paulo nas eleições passadas de governador, que fez corpo mole.

O prefeito diz por aí que se não fosse o olho graúdo de Humberto em 2006, quando disputou o Palácio das Princesas e acabou inviabilizado com a denúncia do seu envolvimento no escândalo dos vampiros, ele ( João Paulo ) talvez fosse, hoje, o governador do Estado.

Já Humberto diz que nunca emplacou uma eleição majoritária porque João Paulo, a principal liderança do PT no Estado, sempre o adotou como candidato da boca pra fora. Se essas feridas continuam abertas, João Paulo vai perder seu tempo em dialogar com Humberto.

ALIANÇA EM OLINDA  - O diretório municipal do PSB de Olinda saiu da retórica para a prática e abre, na próxima segunda-feira, a primeira rodada de negociações com o candidato do PDT a prefeito, ex-deputado André Luis Farias - o ALF. Na Marim dos Caetés, o partido do governador não tem um nome cacifado para disputar a Prefeitura em faixa própria. Como esta semana o governador em exercício, João Lyra Neto, que é do PDT, deu a senha de que trabalhará pela reprodução da aliança estadual nos municípios, ALF adorou o convite que recebeu do PSB.

Ex-kombeiros se unem - Candidato a vereador no Recife que imagina ganhar o apoio dos ex-kombeiros pode, desde já, tirar o cavalinho da chuva. A categoria, hoje organizada no Sindicato dos Permissionários do Transporte Completar de Pernambuco, já escolheu um representante da categoria. Mas faz segredo em torno do nome, embora garanta que a plataforma não seja a volta das kombis. 

 

IPTU impagável em Tamandaré  - A população de Tamandaré está em tempo de enlouquecer com a decisão arbitrária da Prefeitura de corrigir o IPTU em 264%, de 2006 para 2007. Quem pagou, no ano passado, R$ 9.914,26 quase desmaia com a entrega do salgado carnê, com a salgada fatia de R$ 36.127,48.

Pontal privatizado - O Governo Federal tomou uma decisão polêmica: privatizar o projeto de irrigação Pontal, em Petrolina, que tem ainda uma área de 7.862 hectares irrigáveis. A decisão está no Diário Oficial da União do último dia 17. Segundo o decreto 6.354, o Pontal passa a fazer parte do programa de desestatização. Mais um equívoco de Lula, que já malhou a privatização.

Briga sertaneja - O prefeito de Tabira, Josete Amaral (PTB), já pode reiniciar as obras de infra-estrutura da feira do gado do município, a maior do Nordeste, que atrai 1,5 mil criadores por semana. A liminar foi dada pelo desembargador Ricardo de Oliveira Paes Barreto. O embargo foi uma iniciativa da oposição, mas quem estava perdendo com a briga era a economia da região.

Curtas

DESPEJO - Em Petrolina, o prefeito Odacy Amorim (PSB) encontrou, ontem, uma saída para as 35 mil famílias despejadas de uma área pública do porto. Cada família receberá 200 reais para pagar aluguel até a construção de novas casas.

PSDC  - O vice-presidente nacional do PSDC, Luiz Vidal, gravou, ontem, o programa que irá ao ar no próximo dia 31. Na oportunidade, será anunciada uma campanha para atrair 200 mil novos filiados, o que, diga-se de passagem, não será fácil.

ERREI - O nome do candidato que o PSB lançou, ontem, em Igarassu, não é Gezimário Barreto, como noticiei, mas Gesimário Baracho. Já em Santa Maria da Boa Vista, a candidata Maria Graciliano não é filiada ao PTB, mas ao PP. 

"É pela fé que entendemos que o Universo foi criado pela palavra de Deus e que aquilo que pode ser visto foi feito daquilo que não se vê". (Hebreus 11-3)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

monica dantas

Tráfico afunda Mangueira em crise, diz jornal Sob o título"Drogas, armas e passagem secreta: escola de samba em crise", o diário britânico The Guardian publica neste sábado uma reportagem sobre os supostos vínculos entre a Mangueira e o tráfico de drogas.O dinheiro do povo no ralo Pobre Recife e PE

Eduardo Campos está adorando essa divisão no PT, porque não quer o PT na PCR, mas sim Cadoca.



19/01


2008

Alô, Aracaju!

Depois de um giro de quatro dias pelo Sertão do Pajeú, onde fiz palestras em Tabira, Carnaíba e São José do Egito, embarco, hoje, para Aracaju, atendendo convite do empresário João Carlos Paes Mendonça. Vou conhecer a Serra do Machado, terra do pai de Paes Mendonça e onde a história do seu bem sucedido grupo empresarial começou. Lá, ele mantém a Fundação Pedro Paes Mendonça, seu pai, com relevantes serviços na área social.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


19/01


2008

Enquete de Santa Maria da Boa Vista: Leandro lidera

O prefeito de Santa Maria da Boa Vista, Leandro Duarte (DEM), é o grande favorito na enquete para prefeito daquele município. Ele, que disputa à reeleição, está na frente com 59% dos votos, enquanto Iranildo Figueiredo, do PDT, tem 30% e é o segundo. Mas vale votar até segunda-feira, quando sai o resultado final. Vamos votar, gente!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


19/01


2008

Aliança de Mendonça e Cadoca, um rumor que se avoluma

 A União por Pernambuco, o bloco que sustentava os atuais oposicionistas em um mesmo palanque, está teoricamente extinta. Mas, nada impede uma reedição - com algumas modificações - dessa parceria na disputa pela Prefeitura do Recife. Rumores dão conta de que o deputado federal e pré-candidato Carlos Eduardo Cadoca (PSC) teria revelado a amigos que já estaria considerando a hipótese de aceitar ser vice-prefeito, caso não consiga engrenar a sua pré-campanha.

A informação é que o parlamentar poderia migrar para o candidato mais forte até o momento, o prefeiturável Mendonça Filho (DEM). Um comentário do deputado estadual Augusto Coutinho (DEM) dá a entender que essa aliança está mais perto do que se imagina. Ele deixou no ar a probalidade de coligação com Cadoca antes do segundo turno. “Quem sabe no primeiro?”, falou. Coutinho ajudou o parlamentar na última eleição à prefeitura e mantém proximidade até hoje.

Mendonça argumentou que “não dá para falar em cima de suposições” e disse que não tem conversado com ninguém sobre composições. Em contraponto, Augusto Coutinho afirmou, ontem, à Rádio Folha FM 96,7, que tanto ele quanto o correligionário estavam mantendo diálogo com líderes da base de oposição.(Informações da Folha de Pernambuco)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Edmar Lyra Cavalcanti Júnior

Uma aliança muito boa por sinal, que trará bons frutos para a cidade do Recife numa provável gestão de Mendonça/Cadoca. É 25 Neles !



19/01


2008

"Não podemos continuar sangrando", lamenta João Paulo

 O prefeito João Paulo espera definir a situação o quanto antes, para que o PT não fique mais fragilizado do que já está. “Não podemos continuar sangrando como estamos. Seja qual for o caminho que vamos balizar, essa discussão tem que ser feita o mais breve possível”, declarou. O adiamento da reunião, por tabela, adiou também o diálogo com os aliados, pois só depois da definição interna é que o prefeito vai retomar os contatos com os partidos da base.

Após ter levantado a possibilidade de prévias no PT, João Paulo disse não se opor à proposta de alguns correligionários de estender o processo de escolha do candidato da sigla até o mês de abril. No âmbito petista ligado à tendência Unidade na Luta (UL), a idéia seria criar uma “via alternativa”, ou seja, esperar o resultado do julgamento do ex-ministro Humberto Costa (PT). “Podemos estender. Só é ruim por conta dos prazos e dos aliados”, avaliou o prefeito.(Informações da Folha de Pernambuco)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Paulo Kigrer

Pode continuar sim, após o quê, continuará fedendo!