FMO janeiro 2020

01/07


2020

Jarbas e Humberto votam contra liberdade de expressão

Confira a relação dos senadores que votaram, ontem, a favor projeto das fake news e contra a liberdade de expressão dos pequenos portais e blogs espalhados pelo País. A proposta cria a Lei Brasileira de Liberdade, Responsabilidade e Transparência na Internet, que pode violar a privacidade e atingir a liberdade de expressão nas redes sociais. Os senadores pernambucanos Humberto Costa (PT) e Jarbas Vasconcelos (MDB) se posicionaram a favor do projeto.

Único senador pernambucano a se posicionar contra o projeto, Fernando Bezerra Coelho (MDB) apontou pontos negativos na proposta. “Existem muitos dispositivos que, de certa forma, criam uma burocracia desnecessária para as plataformas digitais, criando um ambiente para os investimentos no Brasil muito adverso. Há muitos dispositivos nessa proposta final que vão criar uma leitura muito negativa do ponto de vista do investimento”, disse.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

É preciso lembrar que Bolsonaro quando deputado federal votou contra a Transposição do Rio São Francisco ...

Fernandes

Já que o (PT) foi o único que votou 100% contra a privatização da água, que tal elegermos prefeitos e vereadores do partido?

marcos

Dois cabras safados. Vampiro e Viagra.

joao carlos da silva

O vampiro ou Dracula nao ê nenhuma surpresa votar contra os intetesses do povo. Agora o outro que não.merece nem mais se pronuncie o nome dele, que sempre se gabou de ter combatido a ditadura, deu voto é uma decepção inenarrável. Uma vergonha.


Banco de Alimentos

01/07


2020

Avó de Michelle Bolsonaro é internada com falta de ar

A avó da primeira-dama Michelle Bolsonaro está internada no Hospital Regional de Ceilândia (HRC) com falta de ar. Maria Aparecida Firmo Ferreira, de 79 anos, foi encontrada por vizinhos caída na rua principal do Sol Nascente, hoje, e levada ao hospital. Há a suspeita de que ela tenha sido infectada pelo novo coronavírus.

Uma fonte, que preferiu ter o nome preservado, relatou ao Correio Braziliense que Maria Aparecida sentiu-se mal próximo da casa dela, no Setor de chácaras do Sol Nascente.

Com a queda, Maria Firmo ralou o cotovelo. "Meu irmão a colocou no carro e a levou para o Hospital de Ceilândia. Ela não parecia bem. Estava com muita falta de ar e ela tem complicações de saúde", detalhou. Maria Firmo tem um quadro de osteoporose e usa uma muleta para caminhar.

Vizinhos chegaram a comentar que a senhora começou a sentir dores na tarde de ontem. "Fui com ela à farmácia, porque ela estava tremendo e me disse que estava com dor por dentro. Mas o farmacêutico não tava e ela voltou para casa", detalhou João dos Santos, 66. O vizinho lembrou ainda que ela estava com remédios e um xarope na mão, mas não tossia ou espirrava.

"Hoje de manhã, ela estava encostada na porta de casa, como fica sempre, com as duas muletas que usa, mas caiu. O pessoal socorreu ela e levou ao hospital", relatou João. Outros moradores da região comentaram a situação de abandono. "Ela parece que não tem família, fica jogada aqui", disse uma vizinha que não quis se identificar. A casa da senhora tem estrutura precária, com uma grade de ferro simples, pedaços de madeira e lona rasgada na entrada.

Funcionários disseram que algumas pessoas reconheceram a idosa como avó da primeira-dama e começaram a filmá-la. Maria Firmo não gostou e discutiu com quem tentou fazer imagens dela. 

Ao Correio, a Secretaria de Saúde confirmou que Maria Firmo deu entrada no Pronto Socorro, que é o lugar onde ficam os pacientes com suspeita de infecção pelo novo coronavírus. Ela foi submetida a exames para confirmar ou descartar a doença, mas recebeu alta no começo desta tarde.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

O Jornal do Poder

01/07


2020

Frente a Frente homenageia minha terra

O programa Frente a Frente, que ancoro pela Rede Nordeste de Rádio, de segunda a sexta-feira, das 18 às 19 horas, tendo como cabeça de rede a Hits 103,1 FM, no Grande Recife, faz hoje uma homenagem aos 111 anos de emancipação política de Afogados da Ingazeira, minha terra natal, a 386 km do Recife.

Além de uma crônica especial de minha lavra, versos e trocadilhos do poeta Sebastião Dias, prefeito de Tabira. Se você deseja ouvir o programa pela Internet clique no botão Rádio acima ou baixe o aplicativo da Rede Nordeste de Rádio pelo play store.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


01/07


2020

Abrasel-PE critica adiamento da reabertura de bares e restaurantes

Na noite de ontem, a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes em Pernambuco (Abrasel-PE), divulgou uma nota em que descreve receber com surpresa e frustração a notícia de que o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), decidiu adiar a reabertura de bares e restaurantes. No texto, a associação pede ao governo do estado que reconsidere, imediatamente, a posição quanto à reabertura dos bares e restaurantes e que permita a retomada do setor no dia 6 de julho. As informações são do Diário de Pernambuco.

No final da tarde desta terça, o governo do estado detalhou a nova etapa de flexibilização em Pernambuco. A partir da próxima segunda-feira, as atividades comerciais de vendas de veículos vão poder abrir em sua totalidade e os serviços de escritório poderão funcionar com 50% do efetivo. O avanço é válido para 50 municípios das gerências regionais de saúde do Recife, Limoeiro e Goiana, e seguem protocolos específicos.

A Abrasel esperava que o plano de reabertura de bares e restaurantes acontecessem na Etapa 6, já na próxima semana, na Região Metropolitana do Recife. O texto cita ainda boletim de dados sobre a Covid-19. "Embora o secretário de Planejamento, Alexandre Rebelo, tenha dito, em entrevista coletiva nesta tarde de terça-feira, que há seis semanas Pernambuco vem apresentado queda no número de casos graves e de óbitos, puxados pelos avanços nos números da Saúde na Região Metropolitana do Recife. Neste sentido, entendemos que está havendo o mesmo tratamento para regiões com situações distintas", diz trecho da nota.

A associação também fez um alerta sobre o setor. "Essa decisão atinge em cheio um setor que vem sendo duramente penalizado, apesar de estarmos com todos os protocolos prontos, os mesmos que estão sendo usados em outros estados que já permitiram a retomada deste segmento. Esses protocolos nos permitem voltar às atividades com responsabilidade e cuidados, tanto com o nosso público, quanto com os colaboradores".

Para a Abrasel, o estado vem tratando a situação com "dois pesos e duas medidas". No fim do texto, a associação lamenta o que chama de falta de sensibilidade do governo com o setor.  "Assistimos, dia a dia, pessoas nas ruas sem máscaras, aglomerando-se nas periferias, no transporte público, e pouca ou nenhuma fiscalização. São dois pesos e duas medidas".


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


01/07


2020

Miguel Coelho recebe prêmio "Prefeito Amigo da Criança"

Petrolina é uma de 125 cidades do Brasil premiadas pela Fundação Abrinq com o título "Prefeito Amigo da Criança". A notícia foi recebida, hoje, pelo prefeito Miguel Coelho. A premiação é concedida aos governantes dedicados a políticas públicas que priorizam os direitos das crianças e adolescentes.

2.340 municípios de todo o Brasil concorreram ao prêmio. Em Pernambuco, apenas 11 cidades foram selecionadas pela Fundação Abrinq, dentre elas, Petrolina. Entre os fatores que propiciaram o reconhecimento ao prefeito sertanejo está o aumento de 90% nos recursos destinados ao Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente. A Prefeitura de Petrolina ainda se destacou aumentando em 4,2% a taxa de matrículas na pré-escola e 5,4% nas matrículas em creches. A Fundação Abrinq ainda ressaltou a ampliação em 39,5% de professores com ensino superior nas creches, além de evidenciar um crescimento de 6,5% de nascidos vivos cujas mães fizeram sete ou mais consultas pré-natal.

Para o prefeito Miguel Coelho, o reconhecimento nacional comprova que a cidade sertaneja aprimorou nos últimos anos as ações e programas voltados à educação infantil. "Ampliamos a oferta de vagas na primeira infância, reestruturamos a rede de creches e escolas entre diversas outras iniciativas na rede pública de Petrolina. Esse prêmio mostra que estamos no caminho certo e se traduz numa conquista não apenas do prefeito, mas de toda a equipe da prefeitura, que se dedica a cuidar do futuro de nossa gente", afirmou Miguel.

Além de Petrolina, foram premiadas em Pernambuco pela Fundação Abrinq as prefeituras de Afogados da Ingazeira, Araçoiaba, Buíque, Carnaíba, Caruaru, Panelas, Pedra, Poção, São Bento do Una e Taquaritinga do Norte. A premiação existe desde 1996, indicando os municípios com experiências mais exitosas nas políticas para crianças e adolescentes. 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


01/07


2020

Entregadores de aplicativo realizam protesto no Recife

Do G1/PE

Entregadores de aplicativos realizaram, hoje, um protesto pelas ruas do Recife, pedindo melhores condições de trabalho e também de remuneração. Usando motos e bicicletas, eles seguiram pela Avenida Agamenon Magalhães, causando retenções no trânsito. Por volta das 13h, a manifestação chegou à Avenida Domingos Ferreira, no bairro de Boa Viagem, Zona Sul da cidade.

De acordo com a representante dos entregadores na Região Metropolitana, Pamella Silva, o grupo aderiu à pauta nacional de reivindicações dos entregadores. "Estamos buscando o pagamento mínimo, pagamento por quilometragem", disse.

Em nota à imprensa, as empresas que integram a Associação Brasileira de Mobilidade e Tecnologia (Amobitec), que atuam no setor de delivery, informam que desde o início da pandemia foram tomadas diversas medidas de apoio, como distribuição gratuita ou reembolso pela compra de materiais de higiene e limpeza (máscara, álcool em gel e desinfetante) e a criação de fundos para pagar auxílio financeiro a parceiros diagnosticados com Covid-19 ou em grupos de risco.

Segundo a Amobitec, os entregadores cadastrados nas plataformas estão cobertos por seguro contra acidentes pessoais durante as entregas. A associação também informou estar aberta ao diálogo e que a mobilização desta quarta "não acarretará punições ou bloqueios de qualquer natureza".

A categoria se concentrou ao lado do Centro de Convenções de Pernambuco, no bairro de Salgadinho, em Olinda, de onde saiu por volta das 10h30. Acompanhados por um carro de som e monitorados por agentes e orientadores da Autarquia de Trânsito e Transporte Urbano do Recife (CTTU), o grupo seguiu pela Avenida Agamenon Magalhães.

Os manifestantes deixavam uma via para outros veículos, o que acarretou lentidão em alguns trechos. Às 11h30, o grupo estava na altura do Hospital da Restauração, no sentido Boa Viagem. Segundo informações do local, o grupo iria ao Palácio do Campo das Princesas, no Centro do Recife, sede do governo estadual.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


01/07


2020

Vereador quer prorrogar ajuda a trabalhadores informais

Sensível ao drama social e econômico que o País vive em decorrência da pandemia do coronavírus, o presidente da Câmara de Ipojuca, Albérico Lopes (PP), apresentou projeto estendendo o Benefício Eventual Municipal Emergencial de Transferência de Renda (BEM) por mais três meses no município. A medida está vencendo a sua validade inicial de três meses.

"A pandemia desestruturou a vida dos trabalhadores em geral, atingindo fortemente Ipojuca", disse o parlamentar. Segundo ele, o desemprego aumentou sobremaneira devido também à quebradeira das pequenas e médias empresas geradoras de emprego e renda.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


01/07


2020

Teste de vacina funciona e Pfizer pode produzir 1 bi de doses

Exame

Julho já começou com uma boa notícia e a vacina experimental contra o novo coronavírus produzida pela gigante farmacêutica Pfizer em parceria com a empresa de biotecnologia BioNTech demonstrou bons resultados em testes com humanos. A vacina estimulou a resposta imune dos pacientes saudáveis, mas também causou efeitos colaterais, como febre, em doses mais altas.

O estudo foi randômico e testado em 45 voluntários que receberam três doses da vacina ou placebo; destes, 12 receberam uma dose de 10 microgramas, outros 12 tomaram 30 microgramas, mais 12 receberam uma dose de 100 microgramas e nove foram tratados com a versão em placebo da vacina. A dose mais alta, de 100 microgramas, causou febre em metade dos participantes do teste – por conta dos efeitos colaterais, o grupo não recebeu uma segunda dose.

Depois de uma segunda dose da injeção três semanas depois da primeira, 8,3% dos participantes do grupo de 10 microgramas e 75% do grupo de 30 microgramas também tiveram febre. Outro sintoma apresentado foram distúrbios de sono. Os pesquisadores, no entanto, não consideraram os efeitos colaterais sérios e não resultaram em hospitalizações.

A vacina foi capaz de gerar anticorpos contra a covid-19 e alguns deles neutralizaram o vírus, o que pode significar que é capaz de parar o funcionamento dele, mas ainda não se sabe se esse nível mais alto de anticorpos é realmente capaz de gerar imunidade à doença. A Pfizer irá conduzir novos estudos em breve para provar que quem tomou a vacina é 50% menos vulnerável ao vírus.

A novidade foi divulgada no site Medrxiv, principal distribuidor de descobertas científicas que ainda não foram revisadas por pares. Os resultados ainda não foram publicados em um jornal científico.

As empresas não divulgaram as diferenças dos efeitos da vacina por gênero, etnia ou faixa etária. As próximas fases do teste também serão focadas nos Estados Unidos. Se tudo der certo, a expectativa da companhia é produzir até 100 milhões de doses da vacina até o final deste ano e mais 1,2 bilhão até o final de 2021.

Com os resultados positivos, a Pfizer viu suas ações subirem mais de 4% na bolsa americana.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


01/07


2020

Jaqueira: demolição de bancos

Por José Adalberto Ribeiro*

A Prefeitura do Recife, através da Emlurb e empresas terceirizadas, está executando um trabalho de demolição dos bancos de concreto armado do Parque da Jaqueira. Construídos há cerca de 10 anos e mesmo estando firmes e fortes, os bancos são exterminados na base de marretadas e picaretas e depois construídos outros iguais em algum ponto nas proximidades.

A alegação é que a estruturas de concreto armado envelheceram e estão sendo atacadas pelo coronavírus. A saber, o vírus atua feito cupim de aço e tem o poder de destruir concreto armado e ferro. Já foram demolidos cerca de 10 bancos e estão sendo construídos outros tantos, com cimento armado novinho em folha.

Se a moda pega o prefeito ‘Geraudo Julho’ irá mandar demolir os viadutos e pontes construídas no tempo de Maurício de Nassau para erguer novas estruturas, em nome do combate à pandemia do coronavírus. Segue o trabalho de demolição. No capítulo do paisagismo, nenhuma árvore ou sequer um pé de grama tem sido plantado em favor da natureza no Parque da Jaqueira.

*Jornalista


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


01/07


2020

Renda emergencial no Nordeste

Por Antônio Campos*

Recente reportagem do jornal Valor Econômico aborda estudo realizado por professor da UFPE demonstrando a importância da chamada Renda Básica Emergencial (RBE) para a região Nordeste, cujas aplicações nessa macrorregião podem atingir o montante de R$ 50 bilhões, equivalente a 6,3% do PIB nordestino. Desde o início desta fase, caracterizada pelos efeitos da Pandemia não só sobre a saúde da população, mas também sobre às condições de vida da população, que a Fundaj tem se debruçado no estudo das causas e das consequências da Covid e seus impactos no Nordeste e, em especial, para os municípios mais pobres.

As análises realizadas por esta Fundação demostraram que o mercado de trabalho regional, pelas suas vulnerabilidades conhecidas: menor nível de ocupação; informalidade; baixa qualificação da mão de obra; e menor salário médio, entre outras questões, seria fortemente atingido e que demandaria um aporte de recursos públicos proporcional à sua posição de vulnerabilidade frente às outras macrorregiões. Mas um aspecto fundamental emergiu dessas análises e que parece alinhado com os números divulgados pela pesquisa no Valor Econômico: quanto mais dependentes de programas sociais e de transferências governamentais fossem os municípios, menores deveriam ser os impactos, durante e depois da pandemia, sobre a sua população.

A explicação é simples: o Brasil tem 14,3 milhões de famílias inscritas no programa bolsa família, das quais 7,1 milhões estão no Nordeste, ou seja quase 50% do total nacional, tendo a região apenas 27% da população do país. Em complemento, dados do IBGE para o 1º trimestre de 2020, mostram que 80,2% da população nordestina estão em idade de trabalhar, e desses, 42,4% sequer concluíram o ensino fundamental, enquanto esses mesmos indicadores, para o Brasil são de respectivamente 82% e 33,9%. Ou seja, a nossa região tem menos gente em idade para buscar trabalho e, consequentemente buscar renda para família, e aqueles aptos, têm baixa qualificação, o que dificulta sua condição de auferir uma renda mais alta.

Uma análise comparativa entre uma metrópole e um pequeno município pode contribuir para demonstrar os efeitos da Renda Emergencial às populações mais vulneráveis e menos qualificadas. O Recife tem 96 mil famílias vinculadas ao referido Programa Bolsa Família, equivale a aproximadamente 30% de sua população. Já Tabira, no Sertão do Pajeú, tem 5 mil famílias, equivalente a mais de 70% de sua população. Natural, portanto, inferir-se que quanto mais pobre o território, o município, maior deverá ser essa dependência, ou seja, mais pobres e mais informalidade e baixa qualificação relativa atrelando esses pequenos municípios a transferências governamentais, conforme demonstrado.

A criação de uma rede de proteção social, ampliando o colchão do bolsa família (o valor destinado a cada família com o RBE foi, em média, triplicado) e a incorporação dos informais beneficiou fortemente esse estrato territorial e sua população mais vulnerável, pelo Governo Federal. No caso do Nordeste, fica evidente o quanto essa Rede veio a beneficiar os mais pobres, demonstrando sensibilidade do Governo de Jair Bolsonaro.

A questão que se coloca agora é avaliação dessa política e os seus efeitos provisórios e permanentes. Pelos efeitos de curto prazo está sendo de importância capital para evitar uma convulsão social e no caso específico do Nordeste, embora dados ainda não estejam disponíveis, creio eu que houve um aumento circunstancial de renda dos pobres e miseráveis, em especial desses territórios mais vulneráveis. Mas persistam os efeitos da crise, o nível de atividade caiu significativamente e a sua queda agregada atividade não foi compensada pela injeção de recursos governamentais para este período de emergência, necessitando que as verbas destinadas às empresas sejam mais rápidas, o que não vem tendo grande colaboração dos bancos privados. Em adição, ao persistimos no ciclo políticas públicas para diminuir a pobreza atreladas a déficits fiscais altos, que não são sustentáveis a longo prazo, tenderemos a criar um efeito na economia semelhante ao criado no final do governo de Dilma Rousseff; alto endividamento e recessão. Daí a importância da retomada das reformas, entre elas, a Reforma Tributária, tributando inclusive mais o consumo, ante o aumento do comércio eletrônico. 

Os impactos sobre a qualidade de vida da população nesses municípios mais vulneráveis serão ainda mais sentidos se houver redução nos programas emergenciais em curso do Governo Federal, principalmente porque boa parte desses municípios estão “quebrados”, mas também pelos efeitos do baixo crescimento e da produtividade, ampliando ainda mais a pobreza. Se por um lado deve haver limites para expansão fiscal para investimento em infraestrutura e em políticas sociais, por outro, a limitação de políticas estruturantes, principalmente para formação de capital humano, acentuará ainda mais a questão da pobreza e do desemprego, que atinge especialmente os menos escolarizados, base da população que recebe esse tipo de auxílio.

Os efeitos imediatos da crise, do desemprego e dos obstáculos na execução de Programas de Governo são sentidos diretamente pelos municípios, “lócus” onde as ações acontecem e onde são cobradas as primeiras medidas compensatórias. O que fazer então? Construir soluções criativas para transformar os programas emergenciais em um programa de renda permanente, mas, principalmente, buscar uma agenda regional de desenvolvimento que priorize a educação e o trabalho qualificado. Os gestos do Governo Bolsonaro no Auxílio Emergencial e em outras medidas econômicas e sociais têm demonstrado sensibilidade, nesse grave momento que vivemos, devendo ser completadas por uma política permanente, de uma forma que tenha sustentabilidade fiscal e social.

*Escritor, acadêmico e presidente da Fundação Joaquim Nabuco


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha