FMO janeiro 2020

26/05


2020

General Heleno chama Ciro Gomes de lixo humano

Ministro do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, Augusto Heleno usou o Twitter, hoje, para criticar Ciro Gomes (PDT). Ele chamou o político cearense de "lixo humano" e "débil mental", além de compará-lo a Adélio Bispo.

"Ciro Gomes, que eu mal conheço e considero um canastrão, publicou um vídeo com uma série de ofensas a mim. Não vou responder, porque o considero um lixo humano, nem vou processá-lo, por ser um caso igual ao Adélio, inimputável por ser débil mental", postou no Twitter.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

ABAIXO FALSO MORALISMO

Vai tomar no teu cu João . E tenta tu velho, se tu és macho tentar um golpe . Bota aí tia moral .filho de uma puta

Fernandes

General Heleno contradiz Bolsonaro sobre supostos mandantes de facada e diz que Adélio é débil mental. Em mensagem publicada nas redes sociais, o general da reserva Augusto Heleno, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional do governo federal, contradisse narrativa repetida por Jair Bolsonaro (sem partido) de que a facada que recebeu de Adélio Bispo em 2018 teve um mandante. Bozonaro é um cagalhão.

Fernandes

Olavo de Carvalho já justifica corrupção bolsonarista Ao ser questionado pela BBC Brasil sobre o escândalo do caso Queiroz, o guru do bolsonarismo disse que casos pequenininhos de corrupção podem acontecer, e que um episódio de corrupção no governo Bolsonaro é menos grave do que em outros governos. Tudo bandido.

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

Realmente um desajustado. Nem o Lula quer conversa com ele. Melhor, a maioria dos políticos. Ele só serve para preencher as pautas vazias da grande mídia.


Detra maio 2020 CRLV

26/05


2020

O recado de Ciro para o general Heleno


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Givanildo Pinto

Tamo junto Doido!

Fernandes

Olavo de Carvalho já justifica corrupção bolsonarista Ao ser questionado pela BBC Brasil sobre o escândalo do caso Queiroz, o guru do bolsonarismo disse que casos pequenininhos de corrupção podem acontecer, e que um episódio de corrupção no governo Bolsonaro é menos grave do que em outros governos. Tudo bandido.

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

Que recado! Quem é Ciro Gomes, o Louco, para mandar recados?


Abreu e Lima

26/05


2020

Maia defende diálogo e preservação da harmonia

Agência Câmara

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que o sistema democrático exige a convivência republicana entre os Poderes. Para ele, a preservação da harmonia e da independência entre os Poderes é um pilar fundamental da democracia.

Maia fez um pronunciamento no início da sessão do Plenário de hoje e cobrou maturidade para manter um diálogo construtivo entre as instituições e para com a sociedade brasileira. Segundo ele, esse discurso nasceu do coletivo de todos os deputados para destacar a necessidade do diálogo respeitoso e pacífico entre todos.

“O povo brasileiro espera que cada um de nós, detentores de mandatos públicos, tenhamos consciência do papel a desempenhar na busca de soluções para enfrentar o vírus. Vencida essa etapa, ficará um legado de imensos desafios a enfrentar, e o primeiro deles é a reconstrução da nossa economia”, disse Rodrigo Maia.

“Nesta hora grave, a Nação exige que tenhamos prudência e que estejamos à altura dos combates que já foram e que ainda serão travados”, afirmou o presidente.

Maia disse que tem procurado ser prudente e observar irrestritamente as normas constitucionais. “Prudência não pode ser confundida com medo ou com hesitação. A coragem, muitas vezes, está em saber construir a paz”, disse.

No discurso, o presidente da Câmara lembrou que o mundo vive a mais grave crise sanitária e humanitária desde a Segunda Guerra Mundial e se solidarizou, em nome do Parlamento, com todas as famílias que perderam seus entes queridos ou têm parentes internados em razão da Covid-19. Ele também elogiou a atuação dos profissionais de saúde e ressaltou que o isolamento social não é o responsável pela crise econômica.

“A quarentena e o isolamento social não são culpados, quem derrubou nossa economia foi o vírus. O distanciamento momentâneo das pessoas salva vidas”, destacou Maia.

“Nesta Casa, a casa da democracia, todos temos uma pessoa próxima que já foi vítima da terrível doença, ou perdemos pessoas queridas, e recebemos diariamente apelos de quem está sem trabalho, sem recursos, sem alimentos, sem meios de sobrevivência e sem condições de manter suas empresas. Vivemos uma guerra”, afirmou.

Rodrigo Maia ressaltou ainda o papel do Parlamento no combate à crise com a aprovação de projetos como o auxílio emergencial, a ajuda a estados e municípios e projetos que garantem recursos para pequenas e médias empresas.

Por fim, Maia reafirmou que o desafio hoje é derrotar o coronavírus e enfrentar a crise social e econômica causada pela pandemia, mas preservando a democracia.

“Há muito o que fazer: armados do espírito da resiliência e da capacidade de trabalho do nosso povo haveremos de conseguir. Essas, aliás, são as únicas armas que nós brasileiros devemos portar: a fé na capacidade de trabalho, na força de vontade para enfrentar e vencer obstáculos e na crença na justiça de nosso regulamento institucional”, afirmou Rodrigo Maia.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Olavo de Carvalho já justifica corrupção bolsonarista Ao ser questionado pela BBC Brasil sobre o escândalo do caso Queiroz, o guru do bolsonarismo disse que casos pequenininhos de corrupção podem acontecer, e que um episódio de corrupção no governo Bolsonaro é menos grave do que em outros governos. Tudo bandido.

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

Suas entrevistas tem mostrado equilíbrio e prudência. O Rodrigo Maia se revela um grande Presidente da Câmara, principalmente num momento como estamos passando.


Prefeitura do Ipojuca

26/05


2020

Genival Lacerda sofreu AVC isquêmico

O cantor, compositor e intérprete Genival Lacerda sofreu um AVC isquêmico na tarde desta terça-feira. Segundo boletim médico divulgado há pouco, ele está com um entupimento de uma veia no cérebro e segue internado para realizar uma série de exames.

Genival foi transferido do hospital da Unimed do Recife para o hospital D’ Ávila, também na capital pernambucana, pois na Unimed ele corria o risco de contrair a Covid-19. Até o momento, ele está com todos os sinais vitais, movimentos e fala normais.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

Que se recupere logo. Vida longa ao nosso grande compositor e cantor Genival Lacerda.



26/05


2020

Globo repudia campanha de intimidação a William Bonner

Do G1

A Globo divulgou, hoje, uma nota de repúdio a uma campanha de intimidação ao jornalista William Bonner, registrada nos últimos dias.

A nota cita o uso indevido do CPF do filho do jornalista por um fraudador que inscreveu o jovem no programa de auxílio emergencial do governo a pessoas vulneráveis que perderam renda na pandemia. O próprio Bonner denunciou o fato publicamente na semana passada, em sua conta no Twitter, e seus advogados alertaram a Caixa para a fraude e apresentaram notícia crime ao Ministério Público Federal.

Falhas no sistema de checagem do benefício tornam possível a ação de estelionatários. No caso do filho de Bonner, sua renda familiar nem permitiria a concessão do benefício. Mas o site da Dataprev informava que o pedido fraudulento havia sido aprovado. Alertada pelos advogados de Bonner, a Caixa suspendeu o processo de pagamento, que se daria numa conta virtual criada para o estelionatário.

A nota divulgada hoje pela Globo informa que o jornalista e uma de suas filhas também receberam mensagens de WhatsApp, originadas de número telefônico com o prefixo 61, de Brasília, com dados fiscais sigilosos dele e da família. E declara apoio da empresa ao jornalista na busca e na punição dos responsáveis pelo desrespeito ao sigilo previsto na Constituição. Leia a íntegra da nota da Globo:

“A Globo repudia a campanha de intimidação que vem sofrendo o jornalista William Bonner e se solidariza com ele de forma irrestrita. Há dias, um fraudador usou de forma indevida o CPF do filho do jornalista para inscrever o jovem no programa de ajuda emergencial do governo para os mais vulneráveis da pandemia, para isso se aproveitando de falhas no sistema, que não checa na Receita Federal se pessoas sem renda são dependentes de alguém com renda, fato denunciado publicamente pelo próprio jornalista que apresentou notícia crime junto ao Ministério Público Federal no Rio de Janeiro.

Agora, tanto o jornalista quando a sua filha receberam por WhatsApp em seus telefones pessoais mensagem vinda de um número de Brasília com uma lista de endereços relacionados a ele e os números de CPFs dele, de sua mulher, seus filhos, pai, mãe e irmãos, o que abre a porta para toda sorte de fraudes.

A Globo o apoiará para que os autores dessa divulgação de seus dados fiscais, protegidos pela Constituição, sejam encontrados e punidos. William Bonner é um dos mais respeitados jornalistas brasileiros e nenhuma campanha de intimidação o impedirá de continuar a fazer o seu trabalho correto e isento. Ele conta com o apoio integral da Globo e de seus colegas e está amparado pela Constituição e leis desse país”.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banco de Alimentos

26/05


2020

Justiça Eleitoral como pilar da democracia

Por Diana Câmara*

Em tempos de incertezas, como o que estamos vivendo em virtude da epidemia do coronavírus, as instituições ganham uma dimensão maior e uma responsabilidade imprescindível. Na última segunda-feira, tomou posse como presidente do órgão máximo da Justiça Eleitoral, o TSE, o Ministro Luis Roberto Barroso e, com isso, uma nova era se desenha para esta justiça especializada.

O ministro Barroso é conhecido por suas opiniões fortes, sensatas, serenas e coesas. Acredito piamente que a Justiça Eleitoral está em boas mãos e que a condução e decisões sobre as próximas eleições serão no sentido de garantir a democracia, pensando sempre na proteção dos servidores da Justiça Eleitoral, nos colaboradores e, principalmente, nos eleitores e no futuro da nossa nação e da democracia.

Sensato, em seu discurso de posse defendeu a conciliação e o diálogo como metas a serem buscadas para se superar a atual crise pela qual o Brasil atravessa em virtude do enfrentamento ao coronavírus. Cabe a ele conduzir a decisão, junto ao Congresso Nacional, sobre o adiamento ou não das eleições municipais, bem como o formato e uso de novas tecnologias. Afirmou que as eleições somente devem ser adiadas se não for possível realizá-las sem risco para a saúde pública. O cancelamento do pleito municipal, para fazê-las coincidir com as Eleições Nacionais em 2022, não é uma hipótese sequer cogitada pelo ministro.

Segundo o novo presidente do TSE, o voto é a oportunidade dada ao povo de contribuir para a mudança do país e do mundo. Nessa linha, o magistrado destacou a importância do voto consciente e destacou que para fazer isso é necessário guardar o nome do seu representante, acompanhar o seu desempenho e só renovar o seu mandato se ele continuar merecedor de confiança. Completou enaltecendo o papel da educação para o fortalecimento da democracia.

Outra importante preocupação do novo presidente do TSE é com a questão das fake news ou, como oficialmente vem sendo denominada, a desinformação. Entende como um grande desafio para a democracia do Brasil e do mundo, pois não é um problema de fácil e simples resolução e chegou a chamar as pessoas engajadas na promoção do ódio e da radicalização nas redes sociais de “terroristas virtuais”.

Como visto, serão muitos os desafios a serem enfrentados pelo Ministro Luís Roberto Barroso e, por isso, desejamos muito sucesso e êxito na sua gestão. Ganha a Justiça Eleitoral, ganha o Brasil, ganha a democracia. Que Deus ilumine e proteja o novo presidente do Tribunal Superior Eleitoral.

*Advogada especialista em Direito Eleitoral, presidente da Comissão de Direito Eleitoral da OAB/PE, membro fundadora e ex-presidente do Instituto de Direito Eleitoral e Público de Pernambuco (IDEPPE), membro fundadora da Academia Brasileira de Direito Eleitoral e Político (ABRADEP) e autora de livros.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Serra Talhada

26/05


2020

Um bom nome para avaliar crise na economia

Ex-secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado de São Paulo, gestão Mario Covas, e ex-deputado federal por SP, fundador e dirigente do Pensamento Nacional das Bases Empresariais (PNBE), da Fundação Abrinq e do Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial (ETCO), o empresário Emerson Kapaz é o convidado da live pelo Instagram do blog hoje, às 19 horas. Em pauta, os perversos efeitos da pandemia do coronavírus na economia do País.

Imperdível!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

O Jornal do Poder

26/05


2020

Genival Lacerda sofre AVC

O cantor Genival Lacerda, 89 anos, deu entrada numa emergência hospitalar com suspeita de ter sofrido um Acidente Vascular Cerebral. Segundo João Lacerda, filho e cantor, ele começou a se sentir mal ontem à noite e levado para o hospital Unimed e, há pouco, transferido para o D Ávila. Seu estado é estável.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Shopping Aragão

26/05


2020

Nada de ideologia, é delinquência

Por José Nêumanne*

Há quem acredite que existe uma ala ideológica do governo Bolsonaro, que teria protagonizado reunião exibida em vídeo, mas, de fato, o que salta aos olhos são crimes do chefão e dos chefetes

Muitos comentaristas e cronistas das atividades políticas no Brasil acostumaram olhos e ouvidos do público assaltado à existência de um ente imaginário que chamam de “ala ideológica do governo Bolsonaro”. A oportunidade dada pela liberação do sigilo judicial da reunião do tal Conselho de Governo realizada em 22 de abril e vista por quem se habilitou um mês depois, por decisão do decano do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello, deu a todos, comunicadores e receptores da mensagem, o azo de descobrirem dois fatos elementares. Primeiramente, os ditos “ideológicos” mereceram do chefão, Jair Bolsonaro, aprovação às vezes manifestada em sonoras gargalhadas. Em segundo lugar, “ideologia” neles em nada se equipara às definições da palavra usada no embate político desde os tempos da luta entre girondinos e jacobinos na Revolução Francesa. Não se realizou em momento nenhum das duas horas de vídeo uma manifestação da primeira definição de ideologia no Dicionário Aurélio, o mais consultado no Brasil: “ciência da formação das ideias; tratado das ideias em abstrato; sistema de ideias”. Ou houve?

Vamos tirar aqui a prova dos noves. Que ideologia está por trás dos três mais graves crimes cometidos pelo chefão de todos os chefetes reunidos naquela assembleia, que em nada lembra a ágora do debate em Atenas, na Grécia antiga? Que crença ou conjunto de crenças de algum sistema pode justificar a interferência do presidente da República na nomeação do superintendente da Polícia Federal (PF) no Rio de Janeiro para blindar de investigação parentes e amigos dele? Em que ponto na história das ciências políticas se destina à esquerda ou à direita, definição ideológica clássica da luta política desde os tempos dos embates entre Danton e Robespierre, que lhe sirva para determinar aos ministros da Justiça e da Defesa que liberem a venda de armas de fogo a cidadãos para receberem à bala policiais que cumprirem determinações sanitárias emanadas de prefeitos e governadores, tão eleitos pelo voto popular quanto o autor da sugestão? Em que livros de teoria ou prática da ciência política se confere ao chefe do poder democrático instalar um serviço clandestino próprio de informações, à margem do que é determinado por lei?

Pode-se argumentar que os bandos armados não são inusitados na luta por poder. O partido nacional-socialista do austríaco Adolf Hitler na Alemanha de Weimar criou as Sturmabteilungs (operações tempestade, popularmente conhecidas como as tropas de assalto SA). O socialista italiano Benito Mussolini chegou ao poder obtendo a autorização do covarde rei Vittorio Emanuelle para seus fasci di combattimento, que assassinaram outro socialista, Giacomo Mateotti, abrindo caminho para a marcha contra Roma e a tomada do poder real pelos fascistas no Parlamento. Mas aqui não estamos falando de política, e sim de poder, o que é o caso das milícias populares de Hugo Chávez e agora Nicolás Maduro na Venezuela, de Daniel Ortega na Nicarágua e de Pablo García na Colômbia. As milícias populares de Bolsonaro não podem ser confundidas com as de inspiração esquerdista acima citadas, mas são em tudo e por tudo antidemocráticas e, portanto, contra o exercício da democracia na política.

“Eu, por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando no STF”, disse, em curtíssima intervenção, o ministro da (falta de) Educação, Abraham Weintraub, irmão de Arthur, que se considera representante em Brasília do “ideólogo”-mor da famiglia Bolsonaro, Olavo de Carvalho. O programa de fechar o órgão máximo do Judiciário, bandeira dos bolsonaristas de raiz, entre eles o ministro que confunde Kafka com kafta, e depois prender por nada seus componentes do poder de nossa republiqueta das bananas do Vale do Ribeira, onde viveu o magistrado supremo, como se diz no formalismo do poder republicano, não está previsto em nenhum manual decente de política, por mais ideológico que seja. É apenas um crime previsto no Código Penal e na Lei de Segurança Nacional, abrigada na Constituição em vigor. É, portanto, o ânimo criminal, e não ideológico, que inspira o idiota que comanda a pasta mais importante do País e não disse uma palavra a respeito dela na ocasião.

Muitos termos chulos foram usados pelos membros do chulé da extrema direita, mas nenhum foi pronunciado na fala do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Nada, contudo, foi tão pornográfico como o que fez numa rara menção à gravíssima crise sanitária provocada pelo novo coronavírus. “O meio ambiente é o mais difícil de passar qualquer mudança infralegal em termos de infraestrutura, instrução normativa e portaria, porque tudo que a gente faz é pau no Judiciário, no dia seguinte. Então para isso precisa ter um esforço nosso aqui enquanto estamos nesse momento de tranquilidade no aspecto de cobertura de imprensa, porque só se fala de covid, e ir passando a boiada e mudando todo o regramento e simplificando normas”, disse, sem tugir nem mugir. Entre Weintraub e ele, o ex-ministro da Saúde Nelson Teich retorceu-se em evidente desagrado, que, na certa, o levou a desertar da patota imunda. Fez bem. O recorde de derrubada da Floresta Amazônica demonstra que as palavras do ministro, condenado por improbidade em primeira instância por ato administrativo no governo do tucano Alckmin no Estado de São Paulo, não foram semeadas em vão.

Damares Alves, ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, também se referiu à terrível crise sanitária vivida no Brasil. “A pandemia vai passar, mas governadores e prefeitos responderão processos e nós vamos pedir inclusive a prisão de governadores e prefeitos. E nós tamo (sic) subindo o tom e discursos estão chegando. Nosso ministério vai começar a pegar pesado com governadores e prefeitos. Nunca vimos o que está acontecendo hoje”, disse, bem ao estilo terrivelmente evangélico que encanta o bajulado pornógrafo-chefe. Sua inspiração não pode ter sido do evangelho do amor, mas, provavelmente, do gabinete do ódio, chefiado pelo filho 02 do chefão da União, Carlos Bolsonaro. É inimaginável que ela tenha aprendido esse tipo de delinquência vulgar com Jesus Cristo na goiabeira. Mais fácil terá sido em seu ofício de coletora de dízimos do que em manuais de política, democracia e coisa pública (res publica em latim).

Um silêncio eloquente na reunião foi o do chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno Ribeiro de Almeida, a quem o “capitão da cloroquina” teria dirigido as queixas mais duras (na verdade, o vídeo provou que eram contra Moro), numa estúpida versão fantasiosa bolada por ele e dois colegas de farda e galões no Palácio do Planalto, Walter Braga Netto e Luiz Eduardo Ramos. Não se sabe se para esconder a vergonha da mentira desmascarada antes de ser contestada, ele deixou para aparecer na sexta-feira 22 de maio assinando de próprio punho uma nota golpista de ameaça ao decano do STF, por ter este encaminhado a seu amado chefe aviso de que consultara o procurador-geral da República, Augusto Aras, sobre notícia-crime de que é alvo.

O autor do crime contra a Lei de Segurança Nacional, assinada por João Figueiredo no último governo da ditadura e incorporada à Constituição, já foi condenado por um crime menor, de intendente. O Tribunal de Contas da União o flagrou em compra irregular de equipamentos esportivos numa olimpíada do Exército. O general, que foi gravado cantarolando “se gritar pega centrão, não fica um, meu irmão”, também foi obrigado a deixar discretamente a sinecura de que gozava no Comitê Olímpico Brasileiro assim que seu chefe e protetor, Arthur Nuzman, foi preso sob a acusação de ter participado da compra da escolha do Rio de Janeiro para sediar os Jogos Olímpicos de 2016.

A experiência “ideológica” do arapongão do Palácio foi o golpe frustrado do general Sylvio Frota, de quem era ajudante de ordens como capitão, contra Ernesto Geisel. O grupo, a que também pertenciam os assassinos e torturadores Brilhante Ustra e Major Curió, escalado pelo chefe para receber os comandantes de tropas no aeroporto foi enganado por um “frotista”, general Fernando Bethlem, que recebeu os quatro-estrelas à saída da escada dos aviões em que chegaram para a posse deste.

Hoje o acusado de crimes contra humanidade no Haiti é estrela “frotista” dos generais empregados pelo capitão na produção de gosto similar ao linguajar chulo da reunião, intitulada “a volta dos que não foram”. E o que é grave: ninguém parece querer impedir que fiquem pendurados no cabide de altíssimos cargos com as garras fincadas no filé mignon do poder da triste república dos sem-coragem nem vergonha.

*Jornalista, poeta e escritor


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


26/05


2020

Se fingindo de morto

A administração do PSB de Pernambuco se destacou no cenário nacional pelas denúncias de corrupção envolvendo a merenda escolar no escândalo da Casa de Farinha. Agora, em meio à operações da Polícia Federal para investigar o dinheiro federal enviado para o combate à pandemia do coronavírus, o prefeito do Recife, Geraldo Júlio (PSB), se finge de morto com as sérias denúncias feitas pelo Tribunal de Contas, pelo Ministério Público de Contas, pelo Ministério  Público Federal e pela Polícia Federal.

Denúncias que envolvem compras sem licitação com dinheiro da COVID 19, que deveria estar sendo usado para salvar vidas. Mas há quem ache que isso é apenas a ponta de um Iceberg. Já circulam informações sobre os gastos com publicidade e com gráficas que, se quer, prestaram serviços. Em breve, o País poderá conhecer sem se surpreender novos capítulos dessa gestão tão transparente.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Coluna do Blog
TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores