Tarcísio enfrenta entraves na articulação política

Discreto burocrata com passagens pelas gestões de Dilma Rousseff e de Michel Temer, Tarcísio de Freitas ganhou os holofotes depois de um elogiado trabalho pelo Ministério da Infraestrutura de Jair Bolsonaro, a ponto de o chefe indicá-lo para a disputa do Palácio dos Bandeirantes. Vencedor improvável do pleito, dada a inexperiência, a falta de maiores vínculos com São Paulo e o domínio de duas décadas do PSDB no estado, ele vem tentando imprimir ao governo um perfil técnico. 

Quer ser reconhecido como “tocador” de obras importantes, viabilizador de grandes privatizações e administrador eficaz da máquina pública. A poucos meses de completar um ano de mandato, tem aprovação de 63,4% entre os paulistanos, segundo levantamento recente do instituto Paraná Pesquisas. As informações são da revista Veja.

Essa lua de mel com o eleitorado não se repete no meio político, algo que pode comprometer o futuro do governo e até mesmo de Tarcísio, visto como favorito a ocupar o espaço da direita no pleito presidencial de 2026. A avaliação é a de que o governador se revelou pouco hábil até aqui na negociação e na articulação política, o que acende o sinal amarelo diante da necessidade de tirar do papel algumas das grandes promessas de campanha.

Na chegada ao Palácio dos Bandeirantes, Tarcísio já carregava o peso de orquestrar uma ampla aliança. Além do Republicanos, que é o seu partido, fazem parte dela o PSD, sigla do vice Felicio Ramuth e do cacique Gilberto Kassab, o PL, o PP e o Podemos. Ocasionalmente, somam-se a essas forças as bancadas do MDB, do União Brasil e do PSDB. Mesmo políticos com mais experiência no Poder Executivo teriam dificuldades para afinar no dia a dia tantos interesses. 

Novato na área, Tarcísio tem agora o complicador de que parte de sua base está com um pé no governo federal, caso do próprio Republicanos. Por isso, nos bastidores, dá-se como certo o divórcio entre o governador paulista e a sigla. “Só resta saber quando vai ser decidida a separação, de que forma isso ocorrerá e qual será o destino escolhido”, afirma um experiente político paulista.

Outro grande complicador nesse intrincado xadrez é o estilo do governador, que recebeu nos bastidores o maldoso (e injusto) apelido de “Dilma”, em referência à inabilidade política da ex-­presidente petista. Tarcísio não tem paciência com o que considera demandas pequenas e suspeitas de deputados, a exemplo de pedidos de nomeação para delegados, e gosta de repetir que não aceita negociar mudanças em seu secretariado em troca de apoio e que prefere, inclusive, sofrer eventuais derrotas do que desmembrar seu “time técnico”. É o tipo de comportamento que deixa de cabelos em pé os aliados.

Derrota, por ora, não houve, mas o governador tem experimentado o gosto amargo de ter passado votações apertadas na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) — muitas vezes penando para ter o número mínimo de deputados presentes. É algo preocupante, tendo em conta a necessidade de aprovação num horizonte próximo de medidas prioritárias e necessárias, como a privatização da Sabesp, a maior companhia de saneamento básico do país. 

A urgência de apresentação desses projetos — nenhum deles foi enviado ainda pelo Executivo — se faz ainda maior dado o fato de que, a partir do ano que vem, as atenções estarão voltadas às eleições municipais e, com o universo de interesses e alianças a serem definidas estado adentro, não haverá disposição para a discussão e a condução das matérias em 2024.

Na teoria, a inexperiência de Tarcísio seria compensada pela presença do tarimbado Gilberto Kassab, que ocupa o posto de secretário de Governo. Ocorre que Kassab disputa espaço no Palácio dos Bandeirantes com outro homem de confiança do governador, Arthur Lima, secretário da Casa Civil. Ambos negam publicamente qualquer atrito (“Nossa relação é a melhor possível”, garante Lima), mas aliados comentam que há hoje uma confusão a respeito de quem manda de fato por ali e reclamam de que Tarcísio tem dificuldade em arbitrar o caso.

Segue sem solução também o enrosco relacionado à liderança do governo na Alesp, a cargo do deputado Jorge Wilson (Republicanos), alvo de muitas críticas. Mas, nesse caso, ao contrário do embate entre Kassab e Lima, há uma tentativa de solução a curto prazo. Uma das possibilidades envolve a exoneração do secretário do Turismo, Roberto de Lucena, e sua substituição pelo atual líder da bancada do Republicanos, Altair Moraes. 

A troca abriria espaço para o suplente da legenda assumir uma vaga na Alesp: Dani­lo Campetti, policial federal que atuou na prisão de Lula na Lava-­Jato e que, neste ano, foi afastado do cargo pelo Ministério da Justiça. Campetti foi assessor especial de Tarcísio entre janeiro e junho deste ano e é tido como um nome de confiança e que “entregaria resultados”. E resultado é tudo que Tarcísio vai precisar nos próximos anos para manter seu prestígio em alta junto ao eleitorado.

Veja outras postagens

O ex-ministro Gilson Machado (PL) gravou uma mensagem reforçando seu apoio à pré-candidatura do deputado federal Fernando Rodolfo (PL) à Prefeitura de Caruaru. Durante o ato realizado em São Paulo, ontem, Gilson ressaltou que o correligionário uniu o campo da direita na Capital do Agreste, e que foi escolhido para a missão pelo próprio ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

“Fiquei muito feliz essa semana quando o presidente Bolsonaro bateu o martelo sobre o nome de Fernando Rodolfo para prefeito de Caruaru. Quem é Bolsonaro, também é Fernando Rodolfo”, afirmou Gilson. “O ano tem começado com manifestações muito importantes. Estamos animados para a missão, com certeza chegaremos fortes na eleição e vamos mudar Caruaru, fazer a cidade recuperar seu protagonismo, sua liderança e seu desenvolvimento, tudo que a atual gestão destruiu pelo despreparo, inabilidade e soberba”, destacou Fernando Rodolfo.

Ao lado de lideranças políticas nacionais do Partido Progressistas, a deputada federal e pré-candidata a prefeita de Jaboatão, Clarissa Tércio (PP), participou do ato em favor do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), na Avenida Paulista, em São Paulo, ontem.

“Foi emocionante, gigante e com certeza ficará marcado na história do nosso país. Foi um ato simbólico, memorável e importante para a democracia brasileira, que reuniu milhares de apoiadores e mostrou toda a força do nosso Capitão. Foi pelo Brasil e pelos brasileiros”, destacou Clarissa.

Jaboatão dos Guararapes - Dengue 2024

Por Juliana Albuquerque – repórter do Blog

O Ministério Público Federal encaminhou à Polícia Federal um pedido de investigação criminal contra o prefeito de Bom Jardim, João Francisco da Silva Neto (PL), mais conhecido como Janjão, por suposto desvio de recursos do Fundeb, nos exercícios de 2021, 2022 e 2023.

A ação foi denunciada originalmente ao Ministério Público pelo ex-prefeito de Bom Jardim João Lira, que solicitou que o atual gestor do município fosse investigado pela compra sem licitação e superfaturada de alimentos perecíveis das Associações Agroflor e Associação do Sítio Bonfim, ambas ligadas ao atual gestor. “O Ministério Público está tipificando os crimes por improbidade administrativa, além de remeter as investigações para a esfera penal”, detalha João Lira.

Por se tratar de recursos federais, o Ministério Público Federal encaminhou os autos processuais para serem investigados pela PF, que irá instaurar inquérito policial para apurar a materialidade a autoria dos delitos supostamente praticados pelo chefe do Executivo Municipal do Bom Jardim.

Petrolina - Bora cuidar mais

Por Edson Barbosa*

Seria o caso de Lula propor uma conferência imediata dos presidentes do Brics? “Parem com isso já, (inclusive você, Putin)! Ninguém ganha explodindo pessoas”. Uma ação firme. Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul encaram pela 1ª vez juntos uma guerra com esse potencial de destruição mundial.

O Hamas é um grupo terrorista? É. Netanyahu também é. Esse é o ponto. Lula foi corajoso, claro. Não ofendeu os judeus, nem a população alemã. Suas palavras foram diretas no diagnóstico: o que o Exército de Israel (sob ordem de Netanyahu) está fazendo na Faixa de Gaza é um genocídio, a mesma coisa que Hitler tentou fazer com os judeus. Esse é o fato.

Na fala completa de Lula, publicada no Poder360 ele diz, inclusive: “O que é que estamos esperando para humanizar o ser humano? É isso que está faltando no mundo. Então, o Brasil continua solidário ao povo palestino. O Brasil condenou o Hamas, mas o Brasil não pode deixar de condenar o que o exército de Israel está fazendo na Faixa de Gaza”.

Aliás, tem muita coisa obscura nessa matança. Perceba: um grupo de terroristas do Hamas arromba a fronteira mais vigiada do mundo, tida como inexpugnável (talvez só haja paralelo no limite entre as duas Coreias), mata mais de 1.200 pessoas, sequestra dezenas e sai de cena impunemente.

Onde estava o sistema de defesa de Israel (um dos mais sofisticados que existem), satélites, drones, patrulhas, mísseis, tropas que monitoram e vigiam a fronteira de Gaza? Não fizeram nada. Me pareceu uma armação tenebrosa para justificar o que estaria por vir.

Paralelamente, até aquele dia, por semanas seguidas, multidões de israelenses, centenas de milhares, tomavam as ruas das cidades para derrubar o governo de Netanyahu, que tentava, isso sim, destruir o equilíbrio do Estado de Israel, praticamente eliminando as funções históricas do Poder Judiciário israelense, garantia da democracia fundadora de Israel.

Vivemos coisa parecida no Brasil de 2019 a 2022. Não é coisa do acaso a ligação umbilical entre Benjamin Netanyahu e Jair Bolsonaro, dando nome aos bois.

Em vez de atacar Lula, as instituições democráticas de associação, promoção e defesa de israelenses e judeus deveriam agradecer e apoiar o presidente. O extermínio indiscriminado de milhares de crianças e mulheres palestinas indefesas é uma mancha, uma chaga que os judeus não merecem carregar na sua história em nome de Netanyahu.

Será que já esqueceram que foi esse homem e seu partido de extrema direita em Israel um dos principais insufladores incendiários responsáveis pelo assassinato de Yitzhak Rabin? O filme “O último dia de Yitzhak Rabin” finalmente chegou às telas de cinema no Brasil. É só assistir!

Não se trata de minimizar ou comparar o horror do Holocausto produzido pelos nazistas. O extermínio em Ruanda, na Armênia, em Gaza, dentre tantos outros na história foram todos tenebrosos. Não se trata só do número de mortes.

Desde o assassinato de Rabin, Netanyahu vem destruindo todas as possibilidades de paz construídas por ele e Arafat (um judeu e um palestino, ambos Prêmio Nobel da Paz), com um único objetivo: exterminar os palestinos da face da terra, sem considerar que isso transforma Israel num inferno, queimando carne humana. E tem como coadjuvantes (úteis) os extremistas do Hamas, que pensam, ao revés, da mesma forma que Netanyahu, pois querem eliminar o Estado de Israel.

A guerra cibernética da informação que produz as narrativas extremistas também não pode matar a verdade. Essa é uma guerra diferente, com escala algoritmicamente imprevisível e talvez imparável. Mas talvez pela 1ª vez na história, o protagonismo exclusivo não esteja nas mãos dos destruidores de sempre.

Lula acertou no alvo; não por acaso falou na Etiópia, depois de passar pelo Egito, territorialmente ao lado de Israel e da Palestina, explodindo de uma vez por todas o “complexo de vira-latas” que persegue o pensamento brasileiro, conforme nos ensinou o escritor Nelson Rodrigues.

*Jornalista e publicitário. É consultor em comunicação de interesse público, nos segmentos institucional, corporativo e político. Coordena e desenvolve projetos no Brasil e América Latina.

Ipojuca - App 153

Por Cláudio Soares*

Os ciclistas do grupo ‘Pedal Diário’, cansados da inércia do Governo do Estado de Pernambuco diante das condições precárias das estradas, decidiram agir por conta própria. No último domingo (25), eles se reuniram para realizar um ato de protesto, roçando o mato das margens da rodovia PE-275, entre São José do Egito e Tuparetama.

Essa ação não apenas teve o propósito de aumentar a segurança dos ciclistas, pedestres e motoristas que transitam pela via, mas também serviu como um chamado às autoridades. O descaso do governo em não realizar o serviço de roçagem nas estradas há muito tempo tem colocado em risco a vida e a integridade de todos que dependem dessa rota.

Os ciclistas, munidos de foices, roçadeiras e determinação, mostraram que a comunidade está disposta a agir quando as autoridades falham em cumprir com suas responsabilidades. Suas ações não apenas resolveram temporariamente parte do problema, mas também destacaram a necessidade urgente de investimentos em infraestrutura viária e manutenção adequada das estradas.

Esse ato de cidadania e conscientização deve servir como um alerta às autoridades, mostrando que a população está atenta e não aceitará mais a negligência com as vias públicas. Espera-se que o governo tome medidas imediatas para solucionar os problemas nas estradas e garantir a segurança e o bem-estar de todos os cidadãos que as utilizam.

*Advogado e jornalista

Citi Hoteis

Os olhos de vários políticos em todo o país estão voltados, esta semana, para o estado de São Paulo, onde está sendo aguardado um insólito processo de cassação de mandato de vereador no famoso município de Embu (SP), na região metropolitana paulista, mais conhecido como Embu das Artes – pela quantidade de artistas que possui entre a população. Lá, o engenheiro civil Abidan Henrique da Silva, 26 anos está sendo alvo de um processo por quebra de decoro parlamentar previsto para ser julgado na próxima quarta-feira (28/02).

O motivo alegado para o processo é o fato de, em outubro passado, ao denunciar a postura de colegas de esvaziar a sessão da Câmara Municipal para não debater a transferência de R$ 2 milhões da área de Saúde de Embu para a Secretaria Municipal de Cultura – o que teve como objetivo pagar os artistas do evento Embu Country Fest – Abidan teria se excedido. Na ocasião, utilizou-se de metáfora para dizer que os vereadores “fugiram como ratos”.

O caso é semelhante a vários outros que terminaram sendo arquivados em Legislativos do país, não fosse o fato de Abidan ser, hoje, o único vereador de oposição à prefeitura, governada pelo Republicanos. Integrantes do PSB no estado já dão a aprovação da sua cassação como certa e se preparam para apresentar um recurso no mesmo dia.

A questão chama a atenção, sobretudo, pelo fato de o vereador ser destaque no estado. Ele é um dos responsáveis pela criação, em 2018, do curso pré-vestibular Km 23, que oferece aulas gratuitas para estudantes de Embu e municípios vizinhos. O curso consiste numa ação afirmativa de acesso ao ensino superior para alunos de baixa renda, sobretudo jovens negros e periféricos.

Igualdade pela educação – Abidan costuma declarar que “pela educação, é possível alcançar a igualdade de oportunidades”. “A Lei de Diretrizes e Bases contempla que o ensino precisa se guiar pela igualdade, pluralismo e consideração com a diversidade étnico racial”, enfatiza.

Além disso, ele enfrentou várias adversidades para conseguir se formar e progredir na vida, além de ter estimulado os próprios pais a estudarem. A mãe, Cleide Oliveira, que foi empregada doméstica por 12 anos, hoje é professora. O pai, que foi marceneiro por décadas, também seguiu o exemplo do filho e se formou em engenharia.

Os três – pai, mãe e filho – fizeram juntos a prova do Enem, em 2014 e hoje têm curso superior. É nesse contexto que muitos grupos e entidades do país estão fazendo campanhas e coletando assinaturas em defesa de Abidan. Procurados, nem os vereadores nem a prefeitura de Embu quis se manifestar sobre o caso.

Cabo de Santo Agostinho - Refis 2023

O Governo Federal anunciou, hoje, a criação de um programa de moradias populares nos imóveis da União que não estão em uso ou estão subutilizados. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) participou do anúncio, que foi feito no Palácio do Planalto. As informações são do portal G1.

Segundo a ministra da Gestão e Inovação em Serviços Públicos, Esther Dweck, a ideia é inverter a lógica do plano de privatização dos imóveis, previsto no governo anterior. Com o programa intitulado Imóvel da Gente, o governo vai ceder ou fazer permutas de áreas para a construção de moradias populares ou de empreendimentos de uso social, como escolas ou unidades de pronto atendimento.

Ao estado da Bahia, por exemplo, o governo cedeu um imóvel no município de Amargosa, para construção de uma escola, além de celebrar um acordo para definir uma proposta de empreendimentos para o antigo aeroporto de Vitória da Conquista. No Rio de Janeiro, o governo celebrou um acordo para a elaboração de proposta de empreendimento de múltiplos usos na antiga Estação Leopoldina. O município planeja restaurar o edifício para abrigar moradias da Minha Casa Minha Vida, centro de convenções e Cidade do Samba 2.

Também em relação ao Rio de Janeiro, foi entregue a carta de anuência para a entidade selecionada, no âmbito do MCMV-Entidades, na Rua Sara, Bairro Santo Cristo, no Rio de Janeiro. O edifício será reformado, beneficiando famílias de baixa renda.

Caruaru - Geracao de emprego

Faleceu, na noite de ontem, vítima de um infarto, aos 57 anos, o ex-diretor-geral do Departamento de Transito de Pernambuco Sebastião Marinho. Segundo informações divulgadas pela TV Globo, o horário do velório não foi definido, pois o corpo ainda não foi liberado pelo Instituto de Medicina Legal (IML). O enterro será hoje, às 19h, no Cemitério Morada da Paz, em Paulista.

Belo Jardim - Patrulha noturna

A Câmara de Vereadores de Caruaru concede, na noite de hoje, o título de cidadão caruaruense ao presidente da Sociedade Teatral de Fazenda Nova, produtor executivo e coordenador geral do espetáculo da Paixão de Cristo de Nova Jerusalém, Robinson Pacheco. A solenidade acontece às 20h e nela também será realizada uma homenagem aos 55 anos do espetáculo.

O autor da proposta foi o vereador Leonardo Chaves. Ele enfatizou a importância de reconhecer o trabalho de Pacheco. “A Câmara Municipal se sente honrada em homenagear a dedicação de Robinson Pacheco à frente deste incrível espetáculo, que coloca Caruaru no cenário nacional”, destacou o vereador.

A Paixão de Cristo de Nova Jerusalém, realizada desde 1968, atrai anualmente milhares de espectadores, tornando-se uma tradição cultural durante a Semana Santa em Pernambuco. O espetáculo, realizado no distrito de Fazenda Nova, no Agreste de Pernambuco, é conhecido por ser o maior teatro ao ar livre do mundo, atraindo turistas de todo o Brasil e do exterior.

Completando 55 anos em 2024, a Paixão de Cristo de Nova Jerusalém destaca-se como um evento que projeta o nome de Caruaru para além de suas fronteiras, emocionando o público com a magnífica encenação do drama da Paixão de Cristo.

Vitória Reconstrução da Praça

O prefeito de João Alfredo, Zé Martins (PSB), assinou, ontem, novas ordens de serviços para os calçamentos do Sítio Capau e Vila do Capau. Na ocasião, ele também autorizou a reativação dos Sistemas de Abastecimento de Água dessas duas localidades. O evento contou com a presença do vice-prefeito Adeildo Filho (Cabôco), vereadores que fazem parte da base do prefeito, além de secretários municipais, suplentes de vereadores e lideranças.

O prefeito Zé Martins, comemorou os avanços nas localidades. “O povo do Capau e da Vila do Capau, mais conhecida como Vila de Seu Peba, necessitavam desses serviços. Muitas foram as promessas, mas graças a Deus, é o nosso time que está tirando papel e vai transformar em realidade. Serão mais de 150 famílias beneficiadas diretamente com essas obras. Aproveito também para agradecer todo carinho que recebi nesse domingo especial. Irei retribuir esses gestos com ainda mais trabalho pra melhorar a vida da nossa gente”, afirmou.

Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), ouvidos pelo blog da Andréia Sadi, classificaram o ato do ex-presidente Jair Bolsonaro que aconteceu neste domingo (25) na Avenida Paulista, em São Paulo, como um “grito de desespero” diante do avanço das investigações do roteiro do golpe e do temor do ex-presidente da prisão.

Na avaliação de um integrante da corte, Bolsonaro antecipou sua estratégia de defesa – que chamam de “absurdo jurídico” – para tentar criar um ambiente junto a seus apoiadores de que não havia nada de errado em discutir uma minuta de golpe de Estado.

Na admissão da existência da minuta do golpe por parte de Bolsonaro, durante seu discurso, um ministro do STF anotou: “mas como ele diz que ia submeter [a minuta] ao Congresso se, com golpe de Estado, quem garante que ia ter Congresso? Tinha uma versão [da minuta] até para prender o Pacheco [presidente do Senado]”.

Para a Polícia Federal, Bolsonaro admitiu que está liderando o golpe. E, ao pedir anistia, reconhece também crimes investigados.

Magistrados avaliam que está cada vez mais clara a mudança no entendimento de Bolsonaro e de seus aliados de que o cerco está se fechando pois, antes, falava-se no ex-presidente como autor intelectual, como se propostas de golpe fossem apresentados a ele.

No entanto, com o avanço da PF, evidencia-se que Bolsonaro estava “materializando” a proposta – nas palavras de um ministro da Corte. “Não só era ativo, como era proativo”.

Apesar de Bolsonaro ter evitado ataques ao STF, ministros viram uma terceirização de ataques, numa ação coordenada, a Silas Malafaia – chamado por integrantes da Corte, nos bastidores, de ‘ventríloquo”.

Investigadores avaliam que há limites até mesmo para um líder religioso como Malafaia e que se houver uso da igreja para ataques à democracia, ele não será poupado.

Por José Adalbertovsky Ribeiro*

MONTANHAS DA JAQUEIRA – “Onde estava Deus naqueles dias? Por que Ele ficou em silêncio? Como pôde permitir esse massacre sim fim, esse triunfo do mal?” Exclamou o Papa Bento 16, ao visitar o antigo campo de concentração de Auschwitz, na Polônia, onde foram exterminados 1,5 milhão de seres humanos, a maioria judeus, pelos assassinos nazistas ao longo da guerra mundial, de 1942 a 1944. A visita de Bento 16 aconteceu em 2006. O Papa era alemão, sagrado cardeal com o nome de batismo Joseph Ratzinger.

Bento 16 foi teólogo com altos teores filosóficos. As palavras emocionantes geraram comoção e repercutiram na Cúria Romana. Chamado de “Gólgota do mundo contemporâneo” (local do martírio de Cristo) o maldito campo de extermínio foi descrito como “um lugar de horror, de acumulação de crimes contra Deus e contra o homem que não tem comparação na história”. Confirma o pensamento atribuído a Einstein: “O Universo, não sei se é finito ou infinito; a maldade humana, sim, é infinita”.

O guru da seita vermelha realizou visita a Israel em 2010, durante seu segundo mandato. Recepcionado pelo premiê Benjamim Netanyahu, depositou flores no Museu do Holocausto em memória dos 6 milhões de judeus exterminados, por enforcamento, tiro e nas câmaras de gás. Falou, portanto, de caso pensado, não por ignorância, ao comparar a guerra de Israel contra o Hamas à tragédia do Holocausto. Faz parte do alinhamento das esquerdas radicais com os movimentos extremistas e as ditaduras comunistas. Não pede desculpas porque, como integrante do Foro de São Paulo, é aliado do Hamas.

Desculpe a falha técnica, não consigo lembrar o nome do cara, chamado de presidente, que insultou a memória do povo judeu ao nivelar o Holocausto à guerra contra o terrorismo. Lembro apenas que pertence à tradicional família Silva, da tribo de Caetés, é semianalfabeto de nascença e tem uma voz horrorosa.

Desde os tempos primevos — De Gengis Khan no Império Mongol, no século 13, de Hitler, Stálin, Pol Pot e Vladimir Putin, no mundo contemporâneo — os senhores das guerras são responsáveis por tiranias e genocídios. Reencarnação de Lúcifer, o satânico Joseph Stalin implantou o chamado Holodomor (a Fome-Terror, um Holocausto stalinista-comunista-soviético), que causou a morte de mais de 4 milhões de irmãos ucranianos por fome e inanição nos anos 1932-1933. Os ucranianos guardam a memória dessa tragédia agora sob o império do novo czar Vladimir Putin.

Perguntaram ao vermelhão sobre a situação na Venezuela, onde o ditador Nicolas Maduro, com licença da palavra, expulsou do País o Alto Comissariado da ONU para assuntos de direitos humanos. Deu um branco, ele disse que não sabia de nada. Nem desconfia que o energúmeno Maduro persegue, prende e tortura os opositores, depois de ter falido o País devido à incompetência e corrupção do regime, em nome da revolução bolivariana.

Shalom! Reza a expressão bíblica em hebraico. Paz e harmonia entre a humanidade adâmica e a criação divina.

*Periodista, escritor e quase poeta