‘Precisamos achar os culpados para tirar essa nuvem de desconfiança sobre Forças Armadas’, diz Múcio

Do Estadão

O ministro da Defesa, José Múcio Monteiro, quer que as investigações sobre os atos golpistas de 8 de janeiro cheguem ao fim o mais rápido possível. Um ano depois dos ataques às sedes do Palácio do Planalto, do Congresso e do Supremo Tribunal Federal (STF), os mentores e financiadores da tentativa de golpe ainda não foram totalmente descobertos e, de lá para cá, a imagem dos militares sofreu muito desgaste.

“Precisamos achar os culpados para tirar essa nuvem de desconfiança sobre as Forças Armadas”, disse Múcio ao Estadão. Em entrevista concedida na quinta-feira (4), em seu gabinete na Defesa, o ministro parecia medir cada palavra ao ser questionado sobre o envolvimento de militares na tentativa de solapar a democracia.

Como tem feito nos últimos meses, Múcio repetiu que as Forças Armadas não queriam dar nenhum golpe, embora admita que “algumas pessoas ali de dentro” torcessem por isso.

“Eu não estou protegendo nada, mas não quero condenar inocentes. Quero punir culpados”, afirmou ele, pouco antes de sair, apressado, para o primeiro almoço de 2024 com os comandantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica.

Na manhã desta sexta-feira (5), Múcio se reuniu com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no Palácio da Alvorada. O ministro diz que, atualmente, as relações de Lula com as Forças Armadas estão pacificadas. “O presidente, hoje, tem uma relação estreita com os comandantes. São próximos, se telefonam, resolvem as coisas de forma direta. Não precisam mais de intermediário”, assegura.

O governo vai fazer um ato para marcar um ano da tentativa de golpe em 8 de janeiro e comemorar a vitória da democracia. Mas aliados do ex-presidente Jair Bolsonaro prometem organizar protestos. O senhor não teme novos ataques?

O verbo não é temer. Eu torço para que nada aconteça. Não acredito que nada será como foi o dia 8 de janeiro de 2023. Nós tivemos uma posse magnífica do presidente Lula no dia 1º. Acho que aquele sucesso nos contaminou e fez com que a gente relaxasse no dia 8, achando que estava tudo pacificado. Hoje, a gente não teria mais aquele ímpeto de relaxar. Não vai acontecer nunca mais aquilo. Ficamos sempre de orelha em pé.

O senhor propôs, à época, que o presidente Lula recorresse a um decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) e foi muito criticado. Como contornou aquela situação?

Eu não propus, embora não ache que teria havido problema. O presidente disse assim: “É bom botar o Exército na rua”. Alguém atrás de mim falou: “O Exército só pode ir para a rua com GLO”. Aí o presidente respondeu: “Com GLO, não!”. Algumas pessoas achavam que a GLO daria condições a quem queria dar um golpe. Mas eu defendo a tese de que quem quer dar golpe não precisa de GLO. Golpe não tem regra. O golpista é um infrator.

Imagens do circuito interno do Palácio do Planalto mostram o ministro da Justiça, Flávio Dino, hoje prestes a assumir uma cadeira no Supremo Tribunal Federal, discutindo com o senhor. O que ele disse?

Nós não estávamos discutindo. Quem estava ali eram os ministros Rui Costa (Casa Civil), Waldez Góes (Integração), o senador Randolfe Rodrigues (líder do governo no Congresso) e eu. Flávio Dino estava dizendo para nós que tinha de punir, tinha de prender. Durante a explanação que fazia, ele balançava os braços, mas não era para mim. Não sou de briga.

O senhor chegou a dizer que os acampamentos de bolsonaristas em frente aos quartéis eram manifestações democráticas. Não era possível prever ali um risco iminente de ataque?

Não. Até o dia 8 de janeiro eram manifestações democráticas, tanto que em momento nenhum a Justiça mandou tirar as pessoas de lá. Foi muito melhor eu dizer que tinha parentes bolsonaristas nos acampamentos do Recife do que mentir e dizer que não tinha. Em Brasília também havia familiares de gente do Exército. Acho até que aquilo foi a forma encontrada pelo Exército para conviver com as partes contrárias que havia intramuros. Eu admito que havia algumas pessoas ali de dentro que torciam pelo golpe. Mas a instituição, o Exército, não queria o golpe.

E quem queria o golpe?

Sei de muita gente que desejava, mas não apareceu o líder. No momento em que o então presidente da República (Jair Bolsonaro) tomou um avião e foi embora, ficou todo mundo órfão.

O tenente-coronel Mauro Cid, ajudante de ordens de Bolsonaro, disse à Polícia Federal que o então presidente se reuniu com a cúpula das Forças Armadas, após ter perdido as eleições, e discutiu detalhes de um plano para tomar o poder. O senhor falou com Mauro Cid?

Eu nunca falei com Mauro Cid. Toda a investigação é presidida pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes. Não tive acesso nem às pessoas com as quais o hacker (Walter Delgatti Neto) disse ter falado no Ministério da Defesa. Eu solicitei por escrito e não obtive.

Qual foi o momento mais difícil naquele 8 de janeiro?

O mais difícil foi que nós amanhecemos no dia 9 sob a égide da suspeição e contrariando todos os lados. A esquerda, contrariada, porque achava que as Forças Armadas tinham interesse no golpe. E a direita muito zangada, porque as Forças Armadas não deram o golpe. Eu não tinha nem com quem conversar.

E por que o comandante do Exército caiu, menos de duas semanas depois?

Se você me perguntar qual o dia mais importante, digo que foi o 21 de janeiro de 2023, um sábado, quando nós substituímos o comandante do Exército (general Júlio César de Arruda). Ele foi substituído porque o clima de confiança do presidente com o comando do Exército tinha acabado. Houve uma fratura.

Mas isso também ocorreu porque ele se recusou a cancelar a promoção de Mauro Cid como chefe do 1º Batalhão de Ações e Comandos, em Goiânia, não foi?

Com a perspectiva da promoção do Mauro Cid, a gente sentia que havia uma certa proteção. A substituição do comando do Exército foi um divisor de águas porque, a partir daí, mudou o rumo das coisas. Os três primeiros meses – janeiro, fevereiro e março – foram muito difíceis. O presidente estava machucado, cheio de suspeições, e as desconfianças só aumentavam. Graças a Deus, ao longo do ano, conseguimos construir a relação entre as partes.

O mal-estar entre o presidente e as Forças Armadas foi superado?

Sim. O presidente, hoje, tem uma relação estreita com os comandantes. São próximos, se telefonam, resolvem as coisas de forma direta. Não precisam mais de intermediário. Precisamos apenas achar os culpados para tirar de vez essa nuvem de desconfiança sobre as Forças Armadas.

O PT nunca teve boa relação com as Forças Armadas. Quando o senhor assumiu, qual foi o pedido que o presidente lhe fez?

Quando ele disse “Olha, Múcio, eu preciso que você vá para a Defesa”, eu não entendi, porque não sou homem ligado à área militar. Minha área sempre foi a política. Passei a entender depois, porque no governo anterior se misturou muito o militar e o político. Todos os ministérios estavam ocupados por militares da reserva. Ali havia um interesse na manutenção do status quo. Foi quando nós começamos a negociar para acabar com essa história de militar fazer política, ser candidato. Pode fazer fora de lá, não dentro das Forças Armadas. Foi a partir daí que se começou o trabalho de saneamento.

O senhor articulou uma PEC que proíbe militares de permanecer na ativa caso disputem eleições e se opôs à proposta do PT para mudar o artigo 142 da Constituição, distorcido por bolsonaristas que defendiam intervenção militar. Não dava para ter um acordo?

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da Defesa, negociada com os militares, não é para se contrapor à que foi apresentada por deputados do PT e eu conversei com todos os autores. É para a gente consertar o daqui para a frente. O militar que vai ser candidato e perde a eleição volta para o quartel com todo proselitismo do político e nunca mais respeita hierarquia. Não é mais o mesmo. Então, o que nós acordamos com os comandos foi que todos que quisessem ser políticos saíssem de vez, se não tivessem o tempo necessário para passar à reserva.

Não são poucos os petistas que querem a sua saída do ministério. Como o senhor enfrenta essa hostilidade do PT?

O cargo é do presidente Lula. A decisão é dele e eu estar aqui, ou não, jamais vai interferir na nossa relação de afeto e amizade.

Quando houve a CPMI dos atos golpistas, o senhor tentou evitar a convocação de generais. Tinha algum receio?

Tínhamos a CPMI no Congresso e as investigações do ministro Alexandre Moraes (no Supremo Tribunal Federal). Ninguém está livre de ser investigado. Mas você conhece muito bem como são as CPIs. Ali tem um pouco da política, da emoção. Eu estava preocupado.

O senhor estava preocupado com a desmoralização das Forças Armadas?

De quem não tinha culpa. Naquele momento, para quem você apontasse já era culpado.

Então, o senhor queria blindar os militares…

Eu não estava querendo blindar. Estava querendo apenas que não houvesse uma desmoralização, uma provocação, porque a gente, quando mexe com um, está mexendo com não sei quantos. Não estou protegendo nada, mas não quero condenar inocentes. Quero punir culpados.

O deputado Lindbergh Farias (PT-RJ) diz que o senhor é o ministro da defesa dos militares. Como rebate isso?

Não rebato. Eu sou ministro do governo Lula e ao governo Lula interessa que os militares estejam pacificados. O mundo militar e o mundo político são completamente diferentes. O meu papel aqui é conciliar, pacificar. Eu sou o ministro do “deixa-disso”. A gente tem que fazer com que todo mundo toque o Brasil para frente.

O senhor sempre disse que os ataques golpistas são página virada. Não acha que essa página somente será virada depois da punição de todos, incluindo militares?

Principalmente os militares, no meu caso. A pior coisa do mundo é você trabalhar sob suspeição. Interessa às Forças Armadas legalistas que tudo seja absolutamente esclarecido e os culpados, punidos. Ninguém quer mais a punição do que as Forças Armadas.

Embora executores da tentativa de golpe tenham sido condenados, ainda não está claro quem foram os financiadores e os autores intelectuais desses atos…

Eu continuo achando que aquilo foi uma grande baderna. Um bando de vândalos que foi arrebanhado por empresários irresponsáveis, alguém pagou os ônibus (e disse): ‘Vamos para Brasília’.

Não é o que diz o ministro Alexandre de Moraes. Encontraram uma minuta do golpe na casa de Anderson Torres, ex-ministro da Justiça e secretário da Segurança do Distrito Federal, e foram descobertas mensagens sobre isso no celular de Mauro Cid. Isso não é tentativa de golpe?

Olha, não foi por parte dos militares nem das instituições. Havia pessoas que desejavam o golpe, mas o Exército, a Marinha e Aeronáutica, não. Como são os golpes no mundo? Vai a Força e o povo vem apoiando atrás. Aqui, o povo foi na frente. Não tinha um líder. Se eles (Forças Armadas) quisessem golpe, era um conforto. Eu via daqui da janela (do Ministério da Defesa). Era gente correndo para todo canto. Não apareceu esse coordenador.

Se houver a participação da cúpula militar na montagem desse plano, o que será feito?

Se for comprovado, serão punidos.

O presidente Lula sempre disse que não haveria GLO, mas em 1º de novembro foi decretada essa operação em portos e aeroportos. Quem o convenceu a mudar de ideia?

Aquilo ali foi fruto de uma conversa de Flávio Dino, Ricardo Cappelli (secretário-executivo da Justiça), Rui Costa, eu e o presidente. Mostrou-se a ele a vantagem de nós criarmos um limite fictício nos portos e aeroportos do Rio, de São Paulo, para que as Forças Armadas pudessem contribuir com a sociedade civil, combatendo o crime organizado.

Veja outras postagens

O que pesa contra Marcones é a rejeição 

Cria política da ex-prefeita Creuza Pereira, o médico Marcones Sá (PSB), prefeito de Salgueiro, se saiu muito bem nas duas gestões anteriores, mas não está bem no atual mandato, correndo o risco de não ser reeleito, porque sua desaprovação supera a casa dos 50%, segundo levantamento do Instituto Opinião abaixo, no qual Fabinho Lisandro, principal candidato da oposição lidera com 40% das intenções de voto.

Seja qual for o nível de poder, municipal, estadual ou federal, gestor em falta de sintonia com a população dificilmente emplaca a reeleição. Nesta pesquisa, Marcones tem 51,8% de desaprovação e apenas 41% de aprovação. Dos pré-candidatos, desponta com o mais rejeitado. Entre os eleitores entrevistados, 32% disseram que não votariam nele de jeito nenhum. O levantamento acende uma luz amarela no gabinete do prefeito.

Já Fabinho surge como a cara nova da política de Salgueiro, saído de uma eleição recente para deputado estadual na qual teve mais de 12 mil votos em Salgueiro e 26.666 votos no Estado, não se elegendo por causa do coeficiente eleitoral. Ligado ao grupo Coelho, o empresário teve papel importante em Salgueiro no segundo turno para governador.

No primeiro turno, a tucana teve pouco mais de mil votos, mas no segundo, com apoio do grupo de Fabinho e da família Coelho, sua votação subiu para 11 mil votos. Os ventos sopram favoráveis para ele chegar à Prefeitura de Salgueiro, mesmo que a distância hoje que o separa de Marcones não seja tão elástica.

Como candidato da oposição, Fabinho leva a vantagem, ainda, de ser o mais competitivo, já que Antônio Rocha, do Mobilidade, se apresenta apenas como franco aventureiro. A polarização frente ao prefeito, portanto, é muito importante, porque parte sem divisão no bloco oposicionista. Além disso tudo, Fabinho representa a renovação da política salgueirense. O município ainda está frustrado com o desastre também da gestão de Clebel, que havia tirado o grupo de Creuza do poder.

Aposta arriscada – Sem ter o que mostrar a população de Salgueiro, só restará ao prefeito Marcones Sá (PSB) apostar na força e popularidade do Governo Lula para se transformar num candidato mais competitivo à reeleição. Segundo o levantamento do Instituto Opinião, a aprovação da gestão petista no município é de 73,5%. Mas Lula não faz milagres e não é mais bom e eficiente cabo eleitoral como no passado. Tanto que, em nível estadual, não ajudou Danilo Campos a chegar ao segundo turno em 2022 nem fazer Marília Arraes governadora no confronto com Raquel.

Clebel, o amaldiçoado – O ex-prefeito Clebel Cordeiro, empresário bem-sucedido no Sertão, fez uma gestão tão desastrosa em Salgueiro que se transferiu de mala e cuia para Petrolina. Trocou o ramo de plano funerário, que lhe rendeu uma fortuna, pelos campos irrigados do Vale do São Francisco, onde produz manga e uva. Ninguém quer o seu apoio em Salgueiro, principalmente a oposição, para não puxar Fabinho para baixo e correr o risco de perder a eleição.

Isenção do IR – O Senado aprovou, ontem, um projeto que, na prática, isenta de Imposto de Renda quem ganha até R$ 2.824 mensais – o equivalente a dois salários mínimos, em 2024. O texto, que já foi aprovado pela Câmara dos Deputados, seguirá para sanção do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Apresentada pelo líder do Governo na Câmara, deputado José Guimarães (PT-CE), a proposta replica o teor de uma medida provisória, editada por Lula em fevereiro e que já está em vigor. Com a eventual sanção do texto, a MP será revogada, dando lugar à lei.

Diálogo para evitar CPI – O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes assumiu o diálogo com o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, para conter a instalação de uma CPI contra o Judiciário. Recentemente, Lira anunciou a instalação de cinco novas CPI’s, entre elas, a de Abuso de Autoridade do Judiciário. No entanto, parlamentares avaliam que ele pode desistir de instalar essa CPI para não se isolar. Lira tem adotado postura mais amenas com o Judiciário quando comparado com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco. Aliados avaliam que pode não ser estratégico comprar briga com os outros dois Poderes ao mesmo tempo.

Parou no tempo – A deputada estadual Mical Damasceno (PSD-MA) defendeu, ontem, que “o homem é o cabeça da família” e “a mulher é submissa ao seu marido”. Durante sessão plenária da Assembleia Legislativa do Maranhão, a deputada ainda afirmou que apenas homens devem participar da sessão solene que será realizada no dia 15 de maio, quando é comemorado o “Dia da Família”. “Veio uma ideia, em meu coração, que acredito que seja divina, de nós fazermos uma sessão solene, mas somente com homens para mostrar à sociedade que o cabeça da família é o homem”, disse. “Vamos encher esse plenário aqui de macho. A mulher tem que entender que ela deve submissão ao marido, doa a quem doer”. Em pleno século XXI, não parece piada?

CURTAS

FUTEBOL – Deputados federais aproveitaram o plenário esvaziado da Câmara, ontem, para assistir às quartas de final da Liga dos Campeões da Europa. Segundo o portal Estadão, enquanto as conversas entre o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e articuladores do governo Lula pegavam fogo nos bastidores, o espaço mais lotado da Casa era o “cafezinho”, onde um telão exibia o duelo entre Real Madrid e Manchester City.

EXPOCARPINA – Carpina está sediando, até o próximo domingo, a 45ª ExpoCarpina. O evento acontece no Parque Senador Paulo Guerra e tem a expectativa de movimentar cerca de R$ 40 milhões em negócios. A exposição funciona das 8h às 23h e a entrada é gratuita.

MAIS QUEIXAS – O Ministério Público de Pernambuco ofereceu, ontem, denúncia à Justiça contra Rodrigo Dib Carvalheira, que é investigado por estupros. A denúncia é referente a um dos três inquéritos em que a Polícia Civil indiciou o empresário, que tem 34 anos. Na tarde de ontem, Rodrigo foi solto após seis dias preso no Cotel. Segundo informações da TV Globo, mais duas mulheres prestaram queixa contra o empresário. Elas se juntam às outras três denunciantes. As acusações são de crimes sexuais.

Perguntar não ofende: Ainda há tempo para o prefeito de Salgueiro recuperar a aprovação?

Toca Jabô

Candidato a deputado estadual nas eleições passadas, o empresário Fabinho Lisandro (PRD) sai na frente, com 40% das intenções de votos, na primeira pesquisa para prefeito de Salgueiro encomendada por este blog ao Instituto Opinião. Em segundo lugar aparece o prefeito Marcones Sá (PSB), candidato à reeleição, com 30,8%. Como alternativa de terceira via, Antônio Rocha (Mobiliza 33) pontua apenas 3%.

Brancos e nulos somam 11,3% e indecisos chegam a 14,9%. Na espontânea, modelo pelo qual o eleitor é instigado a lembrar o nome do seu candidato preferido sem o auxílio do disco, um ponto separa o prefeito Marcones de Fabinho – 19,5% a 18,5%. Neste cenário foram citados ainda Doutor Edilton Carvalho, por 0,8% dos entrevistados, Clebel, com o mesmo percentual e Antônio Rocha (0,3%). Brancos e nulos somam 8,8% e indecisos sobem para 51,3%.

No quesito rejeição, Marcones lidera. Entre os entrevistados, 32% disseram que não votariam nele de jeito nenhum, seguido por Antônio Rocha, com 18%, e Fabinho, com 12,5%. Ainda entre os entrevistados, 4,5% disseram que rejeitam todos e 33% disseram que não rejeitam nenhum dos candidatos que foram colocados no disco da pesquisa.

No confronto direto com os seus dois adversários, o prefeito perde para Fabinho e ganha para Rocha. Se o seu concorrente fosse Fabinho, ele teria 33,3% dos votos e o oponente 47%.  Já se o adversário do prefeito fosse Antônio Rocha, ele teria 45% dos votos e o adversário apenas 23%. 

Estratificando o levantamento, as maiores taxas de intenção de voto de Fabinho despontam entre os eleitores com grau de instrução no ensino médio (44,9%), entre os eleitores na faixa etária de 35 a 34 anos (44%) e entre os eleitores com renda familiar até dois salários (42,1%). Por sexo, 43,9% dos seus eleitores são homens e 36,5% são mulheres.

Já o prefeito Marcones Sá tem suas melhores indicações de voto entre os eleitores entre os eleitores com renda familiar acima de cinco salários (38,2%), entre os eleitores na faixa etária entre 45 e 59 anos (35,1%) e entre os eleitores com grau de instrução superior (41,3%). Por sexo, 33,6% dos seus eleitores são mulheres e 27,5% dos seus eleitores são homens.

A pesquisa do Instituto Opinião, de Campina Grande (PB), que tem parceria com este blog há 16 anos, foi a campo entre os dias 13 e 14 deste mês, sendo aplicados 400 questionários. O intervalo de confiança estimado é de 95,0% e a margem de erro máxima estimada é de 4,9 pontos percentuais para mais ou para menos sobre os resultados encontrados no total da amostra.

A modalidade de pesquisa adotada envolveu a técnica de Survey, que consiste na aplicação de questionários estruturados e padronizados a uma amostra representativa do universo de investigação. A pesquisa está registrada sob o protocolo PE-06538/2024.

GESTÃO

O Opinião também avaliou o nível de satisfação do eleitorado de Salgueiro com os três níveis de poder – Federal, Estadual e Municipal. A gestão do presidente Lula tem aprovação de 73,5% e desaprovação de 21%. Já o Governo Raquel tem 53,5% de aprovação e 33.56% de reprovação. Dos três, o governo do prefeito é o mais rejeitado. Entre os entrevistados, 51,8% disseram que desaprovam a sua gestão e 41% disseram que aprovam.

Paulista - No ZAP

Daqui a pouco, exatamente à meia-noite, este blog traz a primeira pesquisa do Instituto Opinião, de Campina Grande, sobre a corrida sucessória em Salgueiro, a 500 km do Recife, um dos principais colégios eleitorais do Sertão. Um bom motivo para a cidade dormir um pouco mais tarde.

Jaboatão - Toca Jabô

O deputado Fernando Rodolfo (PL) ocupou a Tribuna da Câmara dos Deputados, há pouco, para fazer um belo e emocionante registro do aniversário dos 18 anos de fundação deste blog. A ele, meu agradecimento em nome de toda a minha equipe, por extensão da Rede Nordeste de Rádio, com 48 emissoras em Pernambuco, Paraíba, Alagoas e Bahia, tendo como cabeça de rede a Rádio Folha 96,7 FM, no Recife.

Petrolina - Melhor cidade para viver 2024

Uma rotina com mais água já não é uma realidade distante para os 2,5 mil moradores da comunidade da Horta, no bairro dos Torrões, Zona Oeste do Recife, que nos próximos meses poderão comemorar a chegada da água diariamente nas torneiras. Isso porque a Compesa iniciou, hoje, uma obra de ampliação do abastecimento de água na comunidade, um investimento de R$ 838 mil. A intervenção é uma das ações autorizadas pelo governo do estado no dia 22 de março, Dia Mundial da Água, quando foi anunciado um pacote de investimentos de R$ 52 milhões para ampliar a oferta de água na Região Metropolitana do Recife.

As intervenções estão em andamento na Rua Doutor Flávio Ferreira da Silva Marojo com execução dos primeiros serviços de implantação de trecho de rede de abastecimento de água. As tubulações serão interligadas à rede existente na Rua Doutor Antônio Correia de Oliveira, próximo ao cruzamento com a Avenida Engenheiro Abdias de Carvalho, que tem pressões suficientes para atender à demanda da área. O projeto prevê, no total, o assentamento de 2.682 metros de uma nova rede de água para assegurar o atendimento diário na comunidade. O prazo de conclusão da obra previsto pela Compesa é para dezembro deste ano.

“A comunidade da Horta é abastecida atualmente no regime de um dia com água e um dia sem. Entretanto, em razão do crescimento da área, as tubulações existentes estão subdimensionadas para a demanda atual e, por isso, vamos reestruturar a rede de abastecimento de água, garantindo a continuidade do abastecimento e a eliminação do rodízio na área. Esse foi um compromisso assumido pela governadora Raquel Lyra e que a Compesa será responsável pela execução, levando mais água para os moradores”, explicou o presidente da Compesa, Alex Campos.

Ipojuca - Minha rua top

Após três dias de muito debate, o 7° Congresso Pernambucano de Municípios, realizado pela Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe), foi encerrado, hoje, com a palestra “Dos Desafios da Atualidade à Excelência na Gestão Pública”, do jornalista Caco Barcellos.

Conhecido por suas reportagens investigativas e defesa dos direitos humanos, o jornalista separou a plateia em uma dinâmica que trouxe os extremos da sociedade, do bilionário ao mais pobre. Na ocasião, frisou que a grande aliada das populações mais vulneráveis é a gestão pública, são as prefeituras e que “quaisquer temas que podemos trabalhar irão tocar na questão da desigualdade social”.

No encerramento do Congresso, o presidente da Amupe, Marcelo Gouveia, frisou o trabalho da Amupe em prol dos municípios pernambucanos e o trabalho dos prefeitos e prefeitas, de todo o corpo técnico municipal para o sucesso do evento. “Foram mais de 100 estandes, 12 salas temáticas e a participação recorde de 7,2 mil presentes nos três dias de evento. Agradecemos a todos e todas que compõem os municípios pernambucanos. É por e para vocês que trabalhamos diariamente”, enfatizou.

Com esta marca, o 7º Congresso Pernambucano de Municípios se torna o maior em quantidade de participantes, se consolidando também como o maior congresso de municípios do Nordeste, com a presença de prefeitos e prefeitas de todas as regiões de Pernambuco.

Caruaru - Geracao de emprego
Camaragibe Agora é Led

Do G1/PE

O empresário Rodrigo Dib Carvalheira, investigado por estupros, foi solto, há pouco. Ele estava preso no Centro de Observação e Triagem Professor Everardo Luna (Cotel), em Abreu e Lima, no Grande Recife, desde a última quinta-feira, após ter prisão preventiva decretada pela Justiça.

De acordo com a Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização, Rodrigo Carvalheira deixa o Cotel após receber um alvará de soltura condicionado a monitoramento eletrônico, ou seja, com uso de tornozeleira eletrônica. A liberdade provisória foi concedida pelo juiz que recebeu a denúncia.

Na segunda-feira (15), a Polícia Civil indiciou o empresário após a conclusão de três inquéritos. O processo corre em segredo de Justiça, mas, no mandado de prisão, consta que ele é investigado pelo crime de estupro de vulnerável, previsto no artigo 217-A do Código Penal.

Os inquéritos foram encaminhados ao Ministério Público de Pernambuco (MPPE) e estão sendo analisados por promotores de Justiça. O MPPE pode decidir apresentar denúncia à Justiça ou pedir novas diligências à Polícia Civil.  Caso o MPPE decida denunciar Carvalheira, o caso segue para o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), que, por sua vez, deve decidir se aceita a denúncia, tornando o empresário réu, ou se arquiva o processo.

A advogada de Carvalheira, Graciele Queiroz, informou que o alvará de soltura foi concedido na tarde de hoje. “O alvará de soltura foi de fato deferido pelo juiz porque o inquérito policial foi finalizado e o juiz entendeu que ele não oferece nenhum tipo de perigo. Lembrando que a prisão dele só foi decretada porque, supostamente, ele estava dificultando a investigação. […] A prisão dele se deu pela obstrução das investigações. Ponto. Não por supostamente ele ter abusado alguém”, disse Graciele Queiroz.

O indiciado, que tem 34 anos, faz parte de uma família tradicional de Pernambuco, já foi secretário de Turismo de São José da Coroa Grande, no Litoral Sul, e presidiu a executiva estadual do antigo PTB.

Belo Jardim - Vivenciando Histórias

A pré-candidata à Prefeitura de Olinda pelo PSD, Mirella Almeida, vai receber a confirmação de mais um apoio. O partido Avante realizará, amanhã, um ato para reafirmar a adesão da legenda ao palanque da postulante à sucessão do prefeito Professor Lupércio. O evento acontecerá no Hotel Costeiro, localizado em Bairro Novo, às 18h.

O ato terá a presença do presidente estadual do Avante, Sebastião Oliveira, do prefeito Professor Lupércio e do deputado federal Waldemar Oliveira. Em Olinda, o partido construiu uma chapa proporcional com os vereadores Biai, Bruno D’Melo, Ricardo Souza e Tostão, além de ex-parlamentares, líderes comunitários e de movimentos sociais. Durante o evento, também será oficialmente apresentado o novo presidente municipal da legenda. Trata-se do jornalista e secretário de Comunicação de Olinda, Júnior Dionízio.

Vitória Reconstrução da Praça

Pré-candidato a prefeito de Condado, o empresário Albino Silva, mais conhecido como Albino da Click, recebeu, hoje, o apoio do atual prefeito da cidade, Antônio Cassiano, para disputar o Executivo municipal. A pré-candidata Genyalda Soares, antes apoiada por Antônio Cassiano, também anunciou a retirada do seu nome da disputa municipal para apoiar Albino. Desta forma, Albino reúne os principais apoios da cidade.

Albino disputou as eleições de Condado em 2020, ficando em 3º lugar, com 30% dos votos apurados. “Recebemos com muita alegria o anúncio do apoio do prefeito Cassiano e de Genyalda, que retirou sua candidatura para integrar nosso projeto. Isso mostra o quanto nosso conjunto político está consolidado e representa o melhor para Condado. Vamos seguir fortalecendo nossas propostas e discutindo soluções para nossa cidade”, afirmou Albino.

Em um momento de tensão entre Poderes, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, recebeu, hoje, para conversas, o ministro da Casa Civil, Rui Costa, e o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Nos dois casos, os encontros foram para tratar do relacionamento entre o governo e o STF com o presidente da Casa.

Lira recebeu Rui Costa um dia depois de se reunir com líderes da Câmara e avisar que, a partir de agora, o governo terá de se virar sozinho e conseguir maioria na Casa para aprovar os projetos de seu interesse. Estariam fora desta lista as propostas da agenda econômica, como a que trata da regulamentação da reforma tributária. As informações são do blog do Valdo Cruz.

O presidente da Câmara avisou, inclusive, que vai liberar para votações projetos de interesse da oposição, como o pacote anti-invasão de terras. Ele afirma que a atitude é uma reação ao fato de estar se sentindo desprestigiado pelo Palácio do Planalto depois de ter ajudado a aprovar pautas prioritárias no ano passado.

No caso do encontro com o ministro do Alexandre de Moraes, o tema foi a relação com o STF e as insatisfações de deputados com decisões do Supremo que acabam atingindo os parlamentares. Entre elas, a prisão de deputados em condições contestadas pelos colegas, como o caso do deputado Chiquinho Brazão, acusado de ser o mandante do assassinato de Marielle Franco.

Por Juliana Albuquerque – repórter do Blog

Prestes a ser paga a terceira parcela dos precatórios do Fundef, a partir do dia 8 do próximo mês, ainda é grande o número de reclamações que chega ao conhecimento do Blog sobre o não pagamento das duas primeiras parcelas.

Além das queixas do não pagamento de nenhuma parcela até o momento, os relatos de problemas se estendem a complicações na plataforma criada pelo Governo do Estado para enviar documentação, o https://precatoriofundef.educacao.pe.gov.br/, e o não atendimento pelos meios de comunicação oficiais disponibilizados pela Secretaria de Educação para o beneficiário.

“Eu não recebi nenhuma das parcelas que foram disponibilizadas ao longo do ano passado. Assim como eu, há vários outros casos que eu tenho conhecimento no grupo de herdeiros que participo. No site criado para enviar documentação, o caos domina. Toda vez que entro para acessar, um documento que eu tinha inserido antes, simplesmente desaparece”, relata um herdeiro ao Blog.

Ainda de acordo com ele, o problema e a falta de transparência no processo se aplicam também ao acesso às informações. “Todas as fontes de contato que eles repassaram para a gente, não atende e nem responde. Já perdi a conta de quantas tentativas eu fiz, assim como a minha advogada, sem nenhuma resposta”, complementa o herdeiro.

De acordo com o cronograma divulgado pela Secretaria de Educação no fim de janeiro, as remessas de pagamento dos precatórios do Fundef referentes a primeira e segunda parcelas pendentes de 2023 serão feitas ao longo deste ano, com previsão de ser concluída no dia 20 de dezembro.

O problema é que até lá, muitos beneficiários, especialmente os herdeiros, não conseguem uma resposta concreta nem sobre em qual lote de pagamento se encontram, muito menos se há algum problema no cadastro que esteja impossibilitando o recebimento dos valores que têm direito.

“Todo mês é a mesma coisa. Esperamos o valor entrar na conta informada, mas toda vez é essa desorganização. Para ter uma noção, a coisa tá tão desorganizada, que esse pagamento tem sido feito de forma aleatória. Tem gente que recebeu a segunda, mas não recebeu a primeira; gente que recebeu a primeira e não a segunda. E tem gente, que assim como eu, não recebeu nenhuma das parcelas. Uma verdadeira esculhambação”, desabafa o herdeiro.