Fabrício Queiroz empareda clã Bolsonaro em áudios

Não é de hoje que se sabe que o notório Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro em seu antigo gabinete na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, é um arquivo vivo capaz não apenas de complicar o filho 01 de Jair Bolsonaro, mas também o próprio ex-presidente, de quem foi muito próximo ao longo de anos.

No auge do escândalo das rachadinhas, o ex-assessor desapareceu e fez surgir uma pergunta que ficou marcada na história recente da política nacional: “Cadê o Queiroz?”. Tempos depois, ele foi encontrado pela polícia na casa do igualmente notório Frederick Wassef, um dos principais advogados da então primeira-família da República. Passou um tempo preso, mas logo deixou a cadeia. As informações são do colunista Rodrigo Rangel, do Metrópoles.

O caso das rachadinhas, cuja investigação oficial acabou enterrada no Judiciário, entrou para o extenso rol dos escândalos políticos do país que ficam sem punição. Queiroz, porém, continuou a ser um fantasma a assombrar a família Bolsonaro.

Na semana passada, mostramos aqui que ele recorria a Alexandre Santini, ex-sócio de Flávio Bolsonaro em uma loja de chocolates que segundo o Ministério Público foi usada para lavar dinheiro de origem ilícita, para mandar recados e pedir dinheiro. Eram, claramente, pagamentos que ele cobrava do clã para se manter em silêncio.

Agora, a coluna obteve um conjunto de áudios que revelam, em detalhes, a pressão de Queiroz e a maneira como ele ainda empareda os Bolsonaro, sob pena de abrir a boca e trazer à luz os bastidores de sua atuação nas transações heterodoxas em favor do clã.

As mensagens foram enviadas por WhatsApp a Santini quando Queiroz e os Bolsonaro, em razão das investigações sobre as rachadinhas, vinham evitando o contato direto.

Para além de pedir mais dinheiro na forma de “empréstimos” para serem quitados posteriormente não por ele próprio, mas por Flávio Bolsonaro, Queiroz admite que recebeu apoio financeiro, reclama por considerar que não vinha tendo tratamento igual ao de outros aliados dos Bolsonaro e diz, sem reservas, ter conhecimento de vários rolos relacionados à família.

Eis os principais trechos.

O problema não é só dinheiro

Era fim de 2022. Fabrício Queiroz procurou Alexandre Santini porque estava precisando de socorro financeiro. Ele não sabia, mas Santini estava rompido com Flávio Bolsonaro. Os dois se aproximaram quando Flávio ainda era deputado estadual no Rio. Tornaram-se amigos. No auge do caso das rachadinhas, no qual ambos estiveram sob investigação do MP – Queiroz como operador do esquema e Santini como sócio da loja da Kopenhagen –, era por meio dessa conexão que o ex-assessor de Flávio mantinha contatos com a então família presidencial para pedir proteção e dinheiro.

Queiroz diz estar passando por dificuldades (“Você não tem noção da fogueira que eu tô pulando”), reclama que não teria sido suficientemente amparado e se gaba da lealdade ao clã. Dirigindo-se a Santini, ele afirma: “Se acontecesse com você o que aconteceu comigo, você bancava até o final também, (porque) tu és homem”.

As “migalhas” do clã

Fabrício Queiroz e Alexandre Santini tinham acabado de restabelecer o contato, depois de passarem um tempo sem se falar – por um período, em razão das investigações sobre as rachadinhas, Santini seguia muito próximo de Flávio Bolsonaro, e a ordem para quem estava no entorno do senador era para evitar conversas por telefone com Queiroz.

“Não sei nem se eu posso te chamar de meu amigo, porque uma vez que eu liguei pra você, e você disse que não podia mais falar comigo e desligou o telefone na minha cara”, queixa-se o ex-assessor, para em seguida dizer, sem meias palavras, o que queria: “Tô passando uma dificuldade muito grande, e eu tô precisando de um dinheiro, tá? Natal chegando aqui… Tô com problema financeiro mesmo, irmão”. É neste momento que Queiroz admite que costumava receber ajuda. “Não é com migalhas que me dão aí de vez em quando que resolve a minha vida, não, cara”, afirma, em tom queixoso, por considerar que a ajuda que recebia era insuficiente.

Homem-bomba assumido

Em mais um áudio, Queiroz diz que se seus filhos estão desamparados. Afirma que dois deles, Felipe e Nathália, até haviam conseguido alguma renda com o auxílio de um aliado de Flávio Bolsonaro, mas que, como vieram a público as contratações secretas realizadas por meio do Ceperj, uma fundação ligada ao governo do Rio, acabaram perdendo a boquinha. Ao mencionar o assunto, ele cita o nome do ex-árbitro de futebol Gutemberg Fonseca, nomeado secretário de Esportes do governo de Cláudio Castro, do Rio de Janeiro, por indicação de Flávio Bolsonaro.

Muito próximo do senador, o secretário teria sido o responsável, segundo Queiroz, por conseguir a boquinha para seus dois filhos. Só que, como o contrato não durou muito tempo, o ex-assessor de Flávio Bolsonaro se sentiu enganado. Queiroz põe ainda na conversa o nome de outro homem de confiança de Flávio, o advogado João Pedro do Nascimento, que durante o governo Bolsonaro se tornou presidente da poderosa CVM, a Comissão de Valores Mobiliários.

Nascimento chegou ao posto – onde está até hoje – por indicação do filho 01 do então presidente da República, de quem é amigo pessoal. “Esse filho da p. desse Gutemberg Fonseca, isso é um vagabundo esse Gutemberg Fonseca. Eu sei das tretas dele todas, cara. Sei que… Sei das tretas dele todas junto com o João Pedro… Eu não sou de bobeira, entendeu? Você sabe que informação é o que eu mais tenho”, afirma.

Empréstimo para o 01 pagar

Queiroz diz que não mandaria mensagem diretamente para Flávio Bolsonaro para não colocá-lo em apuros, já que o país estava, segundo ele, passando por uma situação complicada logo após a derrota de Jair Bolsonaro nas eleições presidenciais. Ele aproveita para reclamar, mais uma vez, do tratamento que a família Bolsonaro vinha lhe dando. Diz que outras figuras de confiança do clã estavam “bem”, “com dignidade”, enquanto ele próprio estava em apuros.

Ao pedir dinheiro a Alexandre Santini, ele fala em empréstimo. Só que curiosamente, diz que quem pagaria seria “o amigo” – uma referência a Flávio Bolsonaro. “Eu tô precisando de uma grana emprestada aí e depois eu vejo com o amigo lá pra te pagar aí, cara”, pede. “Eu sei que eles (os Bolsonaro) estão numa sinuca de bico do c. Acho que eles queriam tudo na vida, menos esses problemas que estão enfrentando com esse bandido aí voltando ao poder”, segue, referindo-se à derrota de Bolsonaro para seu arquirrival, o petista Luiz Inácio Lula da Silva.

Ameaça explícita

Os áudios mostram que a família de Fabrício Queiroz estava habituada a pedir auxílios de todo tipo a pessoas da estrita confiança do clã Bolsonaro. Até para pagar mensalidades da faculdade dos filhos o ex-assessor esperava contar com a ajuda da turma. Neste áudio, Queiroz conta que sua mulher havia procurado Victor Granado, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, pedindo dinheiro para colocar em dia os boletos do curso de uma de suas filhas, Evelyn Mayara. “Acumula, fica seis meses, ela liga, se não (pagar) ela não pode renovar a matrícula. Eles (referindo-se aos filhos de Jair Bolsonaro) fizeram faculdade, eles são tudo (formados em) faculdade particular, eles sabem como é que funciona isso”, queixa-se.

Ao se referir, mais uma vez, a outros aliados da família que estariam com a vida resolvida, Queiroz aponta a nomeação da mulher de Victor Granado no gabinete de Flávio no Senado (Mariana Frassetto Granado ocupa cargo comissionado desde 2019, com salário de pouco mais de R$ 20 mil) e diz que o próprio Granado teria parceria milionária com uma das advogadas de confiança do senador.

“A mulher do Victor tá lá pendurada no gabinete ganhando 20 mil, o Victor tá com um contrato milionário com a Luciana… Eu não sou otário, pô, eu sei de tudo, entendeu?”, diz. Ele afirma ainda ter informações de que vinha sendo criticado pelos filhos de Jair Bolsonaro e ameaça: “Eu quero falar isso com o amigo (Flávio), frente a frente. Porque, se for verdade, eu vou pro pau mesmo. Foda-se, eu sou homem pra c.”.

Veja outras postagens

Atestado de incompetência

Por Juliana Albuquerque – repórter do Blog

Chamou atenção uma entrevista exclusiva do secretário de Administração Penitenciária e Ressocialização de Pernambuco (Seap), Paulo Paes, ao Jornal do Commercio, esta semana. Como solução para impedir a comunicação de presos com membros de facções que estão soltos, ao invés de falar que pretende reduzir o déficit de policiais penais, hoje em 2,2 mil cargos vagos, ele afirmou que negocia a instalação de bloqueadores de sinais de celulares nas unidades prisionais do Estado.

Ora, como servidor de carreira há 22 anos na Polícia Penal, o secretário deveria saber que de nada vai adiantar o uso da tecnologia, que já foi testada em outra época, mas que não surtiu o efeito esperado. Na prática, ao invés de bloquear o sinal dentro do presídio, terminou por atingir a comunicação dos moradores do entorno da unidade prisional.

O que tem que ser feito é impedir que os aparelhos entrem nas prisões estaduais. Mas como fazer isso, se há unidades, como no presídio de Igarassu, com cinco mil presos e apenas dez policiais penais para dar conta de uma simples revista?

A declaração de Paulo Paes remete a outra fala, feita há cerca de um ano, pelo secretário de Administração Penitenciária e Ressocialização do Ceará, Mauro Albuquerque. Na ocasião, ele afirmou que sua primeira ação, quando assumiu a pasta, foi remover todos os bloqueadores dos presídios cearenses. Segundo ele, além do alto custo para os cofres públicos, a tecnologia terminava impedindo até a comunicação interna dos agentes via rádio.

“Bloqueador é a assinatura de incompetência. Por que tem que ter celular?”, afirmou o secretário, criador da doutrina de Intervenção Penitenciária e procedimentos de segurança, alguns adotados pelo Departamento Penitenciário Nacional (Depen).

De acordo com Mauro, investir na formação do policial penal para realizar uma revista sistemática é a única forma de evitar que os aparelhos entrem nas unidades prisionais. Assim, se elimina de vez qualquer comunicação entre os membros de facções que estão presos com o que estão soltos.

Mas trazendo para a realidade pernambucana, para o atual secretário, ao que tudo indica, parece ser mais fácil investir uma fortuna na instalação desses aparelhos comprovadamente ineficazes, do que convocar os 864 policiais penais aprovados no último certame para reforçarem o efetivo e impedir a entrada dos aparelhos. A solução do problema é simples, e não é preciso nenhuma fórmula milagrosa, muito menos resgatar ideias obsoletas.

Vista grossa – Há pouco mais de um ano, reportagem do programa Fantástico escancarou as aberrações que ocorriam na penitenciária Juiz Plácido de Souza, em Caruaru, onde Paulo Paes foi diretor até ser chamado para assumir como executivo de Ressocialização da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos de Pernambuco. Assim como tem feito no comando da recém-criada SEAP, em Caruaru, a gestão de Paulo foi marcada por fazer vista grossa. Na unidade, os presos gozavam de regalias, com direito a fazer churrasco, jogar sinuca, vê Smart TV, além de ter um detento que operava de dentro da unidade o tráfico de drogas em São Paulo.

Executivo exonerado – Enquanto faz vista grossa para a inércia do atual secretário da SEAP à frente da pasta, que é apadrinhado do aliado Izaías Régis, a governadora exonerou, ontem, um dos poucos nomes conhecidos pela honestidade e dedicação ao trabalho. Deu a famosa canetada no secretário executivo de Coordenação e Gestão, da Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Prevenção a Violência, Flávio Rodrigues de Oliveira.

Homicídios aumentam – Na última segunda-feira, após ter o fim de semana mais violento deste ano até o momento, com 53 homicídios, boa parte deles tendo como mandates internos do sistema penitenciário, Pernambuco chegou ao total de 412 assassinatos. Sem efetivo suficiente em todas as forças da Segurança Pública, infelizmente, esses números tendem a aumentar se nada for feito para barrar o avanço do crime organizado que opera livremente mesmo por trás dos muros dos presídios pernambucanos.

Déficit na Polícia Civil – Se os números de cargos vagos na Polícia Penal, que é de 2,2 mil, já é alarmante, na Polícia Civil, responsável pela investigação dos crimes que ocorrem em Pernambuco, é ainda maior. Levantamento do Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol), divulgado esta semana, revelou que a entidade conta com mais de 6 mil cargos vagos, além de 1,4 mil policiais aptos a se aposentarem.

Joaquim na Casa Civil – O ex-presidente do IPA Joaquim Neto, que negou ter sido demitido pela governadora Raquel Lyra, e disse, inclusive, que iria se afastar do Governo para disputar a prefeitura de Gravatá, foi agraciado com um novo assento no Executivo Estadual. Na edição do Diário Oficial do Estado, publicada ontem, foi oficializado o nome de Joaquim como Assessor Especial da Casa Civil, com a benesse de ter o mesmo salário, sem trabalho, sem ser ordenador de despesa.

CURTAS

NA CARNE – Durante ato de apoio à reeleição de João Campos (PSB) à Prefeitura do Recife, na quinta-feira, o presidente estadual do Avante, Sebastião Oliveira, agradeceu ao prefeito o corte que fez em sua própria carne. Se referia ao fato de o socialista ter aberto mão do vereador Alcides Teixeira Neto para que ele possa concorrer à reeleição pelo Avante.

MELHORIAS – Por proposta de Sileno Guedes (PSB), a Alepe vai cobrar do Governo Estadual, em audiência pública, na próxima segunda-feira, respostas sobre a renovação da frota e a ampliação do número de ônibus climatizados.

ADIN – Com a decisão liminar, emitida esta semana, pelo ministro do STF André Mendonça, a governadora Raquel Lyra deixa de ser obrigada a repassar arrecadação excedente de R$ 384 milhões aos demais poderes. Desse total, Raquel está desobrigada a repassar R$ 71 milhões só da Alepe, conforme previa a LDO deste ano aprovada pela Assembleia, e contestada pela tucana por uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN) no STF.

Perguntar não ofende: Quais as cenas do próximo capítulo na guerra entre o Executivo e Legislativo pernambucano após a liminar em favor da governadora no STF?

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) propôs, hoje, uma moção pelo “fim do genocídio” na Faixa de Gaza. O petista fez a proposta durante discurso na 8ª Cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac). O encontro ocorre em Kingstown, em São Vicente e Granadinas.

Lula afirmou que Israel impõe ao povo palestino uma “punição coletiva” e que os países da Celac precisam dizer um “basta” ao que chamou de “carnificina”. “As pessoas estão morrendo na fila para obter comida. A indiferença da comunidade internacional é chocante. Eu quero aproveitar a presença do nosso querido companheiro secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, para propor uma moção da Celac pelo fim imediato desse genocídio”, afirmou.

“Nossa dignidade e humanidade estão em jogo. Por isso, é preciso parar a carnificina em nome da sobrevivência da humanidade, que precisa de muito humanismo”, completou.

Na sequência, Lula sugeriu ao secretário-geral da ONU que seja invocado o artigo 99 da Carta da ONU, que diz o seguinte: “O Secretário-Geral poderá chamar a atenção do Conselho de Segurança para qualquer assunto que em sua opinião possa ameaçar a manutenção da paz e da segurança internacionais”.

O presidente do Brasil pediu que o próximo país a assumir a presidência do Conselho de Segurança da ONU, o Japão, paute o tema. O petista ainda pediu aos membros permanentes do Conselho de Segurança que deixem suas diferenças de lado e se unam em torno da paralisação da guerra na Faixa de Gaza.

O pedido direcionado aos membros permanentes se dá porque estes são os únicos com poder de veto e podem barrar resoluções tomadas por toda a organização. “Quero pedir aos cinco membros permanentes do conselho de segurança da ONU que deixem de lado suas diferenças e ponham fim a essa matança”, disse.

Os Estados Unidos, país com assento permanente no Conselho, já vetou três resoluções que pediam um cessar-fogo na região. ONU se diz ‘chocada’ com ataque de Israel a pessoas que buscavam ajuda em Gaza

Em ato realizado hoje, no escritório político da deputada federal e pré-candidata a prefeita de Jaboatão dos Guararapes, Clarissa Tércio (PP), o partido Podemos oficializou apoio ao nome da parlamentar para a disputa. Com o anúncio, a legenda passa a ser a primeira a anunciar oficialmente apoio à Clarissa.

Na ocasião, o prefeito de Paudalho e presidente estadual do Podemos, Marcelo Gouveia, ressaltou a competência e o preparo de Clarissa Tércio para disputar a Prefeitura de Jaboatão. “O Podemos apoia o projeto de Clarissa de disputar a Prefeitura de Jaboatão por entender que fará a diferença no município. Sei da sua capacidade e que está preparada para ser prefeita dessa cidade”, declarou o presidente estadual da legenda. 

Emocionada, Clarissa externou a alegria em receber o apoio do Podemos à sua pré-candidatura. “Tenho certeza de que o apoio do Podemos fortalecerá muito o nosso projeto de reconstruir uma Jaboatão grande, do tamanho e da dimensão que deve ter, porque o que temos hoje é uma Jaboatão com uma segurançazinha, uma educacaozinha, saudezinha. E de mãos dadas com esse time, vamos conseguir”, concluiu a parlamentar.

Petrolina - Bora cuidar mais

Com críticas ao Supremo Tribunal Federal (STF), o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP) afirmou em entrevista ao jornalista americano Tucker Carlson, ex-apresentador da Fox News, que o Brasil não é uma democracia e um País livre após a eleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Conhecido por ser um apoiador do ex-presidente Donald Trump e por posicionamentos de extrema direita, Carlson diz, na conversa de pouco mais de 20 minutos, que as eleições presidenciais brasileiras de 2022 foram “roubadas”.

Questionado por Carlson se considera o Brasil um País livre, Eduardo diz que “pessoas e jornalistas” estão sendo censurados e que há uma perseguição contra apoiadores de seu pai, o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). “Não mais. Temos, de fato, pessoas sendo censuradas, não apenas nas redes sociais. Tem pessoas exiladas vivendo aqui nos Estados Unidos”, disse o parlamentar. As informações são do portal Estadão.

Na entrevista, Eduardo acusa o ministro Alexandre de Moraes, do STF, de perseguir aliados de Bolsonaro. “Você sempre corre o risco de ser preso pelo Supremo Tribunal. Para ser honesto, não todo o Supremo Tribunal, mas um juiz chamado Alexandre de Moraes. Ele abriu uma investigação, que dura mais de cinco anos, perseguindo, geralmente, conservadores. No Brasil, não vale mais a pena você apelar. Não tem a quem recorrer. É o Supremo Tribunal processando pessoas. São as vítimas, os acusadores e os juízes de todos, sem distinção. Isso não é mais uma democracia. Infelizmente, não posso mais realmente dizer isso e você não tem onde recorrer ou a quem pedir ajuda”, afirmou.

Em um trecho da conversa, o jornalista americano diz que as eleições presidenciais de 2022 foram “manipuladas” e “roubadas” para eleger Lula, sem apresentar comprovações sobre sua declaração.

“O que aconteceu no Brasil, Lula venceu em uma eleição que foi, obviamente, manipulada. Está claro que a eleição foi roubada pelo governo Lula. É justo afirmar que, de fora, pareceu roubada”, disse o americano.

Repetindo um argumento utilizado por Bolsonaro, Eduardo afirma que não pode dizer que as eleições foram fraudadas, mas também não pode provar que não foram. “Não posso acusar que as eleições foram fraudadas, mas eles também não podem provar que não foram”, disse o parlamentar.

Em dezembro do ano passado, o Tribunal de Contas da União (TCU) completou a quarta e a quinta etapas da auditoria que conduziu sobre as eleições de 2022 e confirmou a segurança do sistema eleitoral mais uma vez, concluindo que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) (TSE) está de acordo com “as melhores práticas internacionais” e que a probabilidade de fraude é próxima de 0%.

No fim da entrevista, o parlamentar brasileiro critica as punições do STF contra os golpistas do 8 de Janeiro e diz que não houve uma tentativa de golpe de Estado na invasão aos prédios dos Três Poderes em Brasília no início do ano passado.

“Eles dizem que foi uma tentativa de golpe. Mas em janeiro, num domingo, nenhuma arma foi apreendida, não houve apoio da polícia ou das Forças Armadas. Então, na verdade, foi um protesto que foi longe demais. Não concordo com pessoas quebrando portas do Congresso ou do Supremo Tribunal. Mas essas pessoas estão recebendo punições de 17 anos de prisão”, afirmou.

Ipojuca - App 153

Por Juliana Albuquerque – repórter do Blog

Em uma disputa que, pela primeira vez, em 27 anos, contou com um bate chapa, Paulo Ziulkoski foi reeleito presidente da Confederação Nacional de Municípios (CNM), por mais três anos.

Ele obteve 55,77% dos votos válidos, enquanto seu oponente, o ex-presidente da Associação Mineira de Municípios (AMM), Julvan Lacerda, teve 44,23% dos votos.

Citi Hoteis

Se o leitor não conseguiu acompanhar a entrevista com o cantor e compositor Conde Só Brega ao quadro “Sextou”, do programa Frente a Frente, ancorado por este blogueiro e exibido pela Rede Nordeste de Rádio, não se preocupe. Clique aqui e confira. Está incrível!

Cabo de Santo Agostinho - Refis 2023

Em um momento decisivo para a política municipal de Camaragibe, o juiz Luiz Rocha, pré-candidato a prefeito, recebeu um apoio que impulsionou sua jornada rumo às eleições municipais. Os deputados federal e estadual, Clarissa e Júnior Tércio, respectivamente, ambos do PP.

Ao comentar sobre esta parceria, Luiz Rocha expressou sua gratidão e destacou a relevância do apoio para sua pré-campanha. “Receber o apoio de Clarissa e Júnior Tércio é uma honra e uma grande responsabilidade. Estamos unidos por um propósito comum: construir uma Camaragibe mais justa, inclusiva e que reflita os valores da nossa comunidade”, afirmou Rocha.

Caruaru - Geracao de emprego

O Sextou de logo mais, às 18h, abre a sua cortina para a música brega. O convidado é cantor e compositor pernambucano Conde Só Brega, um dos maiores fenômenos do estilo no País, que gravou sucessos como ‘Não devo nada a ninguém’, ‘A vida é assim’, ‘Azafama’ e ‘Espelho do poder’, esta com a participação de João Gomes, astro do piseiro.

O Sextou vai ao ar das 18h às 19h, pela Rede Nordeste de Rádio, formada por mais de 40 emissoras em Pernambuco, Alagoas, Paraíba e Bahia, tendo como cabeça de rede a Rádio Folha 96,7 FM, no Recife. Se você deseja ouvir pela internet, clique no link do Frente a Frente acima ou baixe o aplicativo da Rede Nordeste de Rádio na play store.

Belo Jardim - Patrulha noturna

Faleceu, hoje, aos 97 anos, o ex-prefeito de Terra Nova Joaquim Mendes de Sá, conhecido popularmente como Seu Diniz ou Diniz do Cartório. Ele foi acometido por problemas de saúde e não resistiu. As informações são do blog do Alvinho Patriota.

Seu Diniz foi vice-prefeito e depois o 4° prefeito de Terra Nova, exercendo mandatos entre os anos de 1967 e 1968 e de 1969 a 1970. Também trabalhou como Tabelião Público das comarcas de Terra Nova e Cabrobó, até se aposentar em 1982. Diniz faleceu em uma data simbólica, justamente no dia em que Terra Nova, o município que tanto amou, celebra aniversário. Ainda não foram divulgadas informações sobre velório e enterro.

Vitória Reconstrução da Praça

Eldy Magalhães, leitor do blog, enviou esta imagem do seu baú, de 1998. Nela, o ex-prefeito de Pedra, Chico Tenório, participa de uma solenidade no município ao lado do deputado Inocêncio Oliveira. Se você tem uma foto histórica em seus arquivos e deseja vê-la postada neste quadro, envie agora pelo (81) 9.8222.4888.

Foi anunciada, na manhã de hoje, a obra do novo aeroporto de Caruaru, no Agreste. O ministro de Portos e Aeroportos, Silvio Costa Filho, detalhou os investimentos substanciais para o Aeroporto Oscar Laranjeira, delineando um futuro promissor para a região. Durante uma cerimônia que atraiu olhares esperançosos, o ministro revelou um aporte financeiro considerável de R$ 140 milhões destinados à expansão e ao aprimoramento do aeroporto. Entre as iniciativas propostas, destaca-se a ampliação da oferta de voos, prevendo conexões diretas para destinos-chave como Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília.

Com previsão de início das obras ainda este ano e conclusão até 2026, a população de Caruaru aguarda com expectativa a transformação que o aeroporto trará, impulsionando não apenas o setor de transporte, mas também a conectividade e o potencial turístico da região. “Este é um marco histórico que reflete o compromisso de todos os poderes com o progresso e o bem-estar da nossa população. Agradeço à governadora Raquel Lyra, ao ministro Silvio Costa Filho e ao presidente Lula pela parceria. Enquanto município, estamos realizando obras estruturadoras ao redor do aeroporto para melhor servir à população de toda a região. Continuamos construindo agora a Caruaru dessa e das próximas gerações”, disse o prefeito Rodrigo Pinheiro.

A equipe técnica da Companhia Pernambucana de Gás (Copergás) esteve na cidade de Araripina, ontem, e reuniu-se com os representantes da Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco (FIEPE) e do SENAI na Unidade Regional do Sertão do Araripe para tratar sobre os avanços do projeto que trará Gás Natural Liquefeito (GNL) como matriz energética para as indústrias especialmente as do polo gesseiro.

O anúncio dos investimentos foi feito em fevereiro pelo Governo de Pernambuco e o pleito de uma matriz energética limpa e sustentável para as indústrias de gesso do Araripe é um dos principais itens da Política Industrial da FIEPE e faz parte dos anseios dos empresários da região. Durante o encontro, o diretor comercial da Copergás, Roberto Zanella informou que a companhia estuda atualmente a localização onde serão instaladas as duas usinas de regaseificação nas cidades de Araripina e Trindade.

Os representantes da FIEPE, Hélio Rocha e do SENAI, Josemberg Laurentino apresentaram as atuações das duas entidades de maneira a contribuir com o andamento do projeto. A Escola Técnica do SENAI poderá atuar na formação de mão de obra qualificada para novos profissionais que vão trabalhar nas indústrias após a mudança da matriz energética dos fornos deixando para trás o uso da lenha e aderindo ao GNL.

O Conselho Empresarial da Unidade do Araripe da FIEPE também está atento ao projeto e os empresários desejam conhecer a unidade de regaseificação que foi instalada na cidade de Petrolina, pois ela servirá como referência para as duas unidades da região do Araripe.

Para Roberto Zanella, o projeto do Gás Natural para as indústrias da região do Araripe está avançando devido a uma convergência de ideias e ações de diversos entes como o Governo de Pernambuco, a Copergás, os empresários do setor industrial e das entidades parceiras. “Acreditamos que a união de todos em prol deste projeto tem sido um grande diferencial para que muito em breve as indústrias tenham uma nova alternativa de matriz energética mais limpa e que vai proporcionar um salto de qualidade de produção, preservação do meio ambiente e novas perspectivas para o polo gesseiro”, destacou.