Coluna da quarta-feira

Série governadores: Oswaldo Cordeiro de Farias

Capítulo 20

Gaúcho de Jaguarão, o general Osvaldo Cordeiro de Farias foi eleito governador de Pernambuco pelo PSD em 1954, derrotando João Cleofas, que disputou pela UDN. Abertas as urnas, teve 239.315 votos, 53,9% dos votos válidos, enquanto Cleofas somou 204. 616, 46,09% dos votos válidos. Fez um governo voltado para o assistencialismo, com políticas que beneficiaram especialmente quem morava no Sertão, através da construção de açudes e estradas.

Mas antes de governar Pernambuco, Cordeiro de Farias chegou ao poder no Rio Grande do Sul como interventor federal, em 1938, exercendo o cargo por cinco anos. Cordeiro é filho de Joaquim Barbosa Cordeiro de Farias, militar transferido para o Rio Grande do Sul para trabalhar na pacificação da Revolução Federalista e que lá permaneceu por alguns anos, e de Corina Padilha Cordeiro de Farias.

Em 1906, com a transferência de seu pai para o Rio de Janeiro, foi matriculado no Colégio Militar, onde realizou todos seus estudos. Sentou praça aos 16 anos na 4a Companhia de Infantaria no Rio. Em 1917, ingressou na Escola Militar do Realengo, sendo, dois anos depois, declarado oficial de artilharia. Seria ainda promovido, em sua carreira militar, segundo-tenente (1920), primeiro-tenente (1921), capitão (1930), major (1931), tenente-coronel (1933), coronel (1939) e general-de-brigada (1942).

Cordeiro de Farias fez curso de observador aéreo na Escola de Aviação Militar, aperfeiçoamento de oficiais (1º lugar) na Escola de Armas, cursou a Escola Superior de Guerra e estagiou na Escola do Estado Maior do Exército Americano. Mais tarde, integrou-se, como General, à Força Expedicionária Brasileira e lutou na Itália durante a Segunda Guerra Mundial. Com o fim do conflito, ajudou a derrubar o Estado Novo e em 1949 assumiu a direção da Escola Superior de Guerra, sendo realocado para o Comando Militar do Nordeste. Filiado ao PSD, elegeu-se governador de Pernambuco e garantiu o quarto triunfo consecutivo do partido em disputas pelo Palácio do Campo das Princesas.

Renunciou ao mandato em 1958, um mês antes de assumir a presidência da Comissão Mista Brasil-Estados Unidos, cargo que exerceu durante dois anos. Como militar revolucionário, participou do Movimento Tenentista antes de comandar um dos destacamentos da Coluna Prestes. Com o fim do movimento exilou-se na Bolívia, mas retornou de forma clandestina ao Brasil em 1928 onde foi preso.

Absolvido em julgamento posterior, foi reintegrado ao Exército e participou da Revolução de 1930. Quando a Junta Militar de 1930 esteve no poder, trabalhou no gabinete do ministro da Guerra, Leite de Castro. Sob a presidência de Getúlio Vargas, assumiu a chefia de polícia em São Paulo e após deixar o cargo combateu a Revolução Constitucionalista de 1932. De volta à cidade do Rio de Janeiro, opôs-se à Aliança Nacional Libertadora.

O vice, Otávio Correia, foi eleito faltando um ano para Cordeiro encerrar sua missão – Em maio de 1957, a Assembleia Legislativa de Pernambuco realizou uma sessão especial destinada a criar o cargo de vice-governador e eleger seu ocupante, o qual seria empossado no mesmo dia. Presentes 61 deputados, o candidato Otávio Correia angariou cinquenta e dois votos contra seis de Miguel Arraes, um de José Mixto e um voto em branco. Paraibano de Cabaceiras, Otávio Correia, advogado pela Universidade Federal de Pernambuco, foi nomeado em 1930 prefeito de Vertente do Lério, no Agreste Setentrional. Após o fim da Era Vargas, foi eleito deputado estadual pelo PSD em 1947 e em seguida governador interino nos sete meses anteriores à posse de Barbosa Lima Sobrinho. Eleito deputado federal em 1950, licenciou-se para ser secretário de Justiça no governo Etelvino Lins e no pleito seguinte venceu a eleição para deputado estadual pelo PSD. Na disputa para senador, o candidato eleito com maior votação foi o advogado Jarbas Maranhão. Formado pela Universidade Federal de Pernambuco, Maranhão nasceu em Nazaré da Mata e foi oficial de gabinete do interventor Agamenon Magalhães. Depois, fundou e presidiu a seção pernambucana da Legião Brasileira de Assistência. Eleito deputado federal em 1945 e 1950, chegou a presidir o diretório estadual do PSD, legenda da qual saiu após integrar uma dissidência apesar de ter sido um dos fundadores da mesma. Depois de algum tempo, ingressou no PST e foi eleito para o Senado Federal.

Atuação destacada nas forças da Coluna Prestes – Em outubro de 1924, Cordeiro de Farias participou do levante tenentista deflagrado em Uruguaiana, liderado por Honório Lemes. No mês seguinte, derrotado pelas forças de Flores da Cunha, recuou com 30 homens em direção à fronteira com a Argentina, onde acabou por se exilar. Lá conheceu outros tenentes revolucionários, João Alberto e Antônio de Siqueira Campos. Juntos, se dirigem para o Rio de Janeiro, em seguida descendo ao Rio Grande do Sul, onde se juntaram aos demais contingentes rebeldes do Estado, reunidos sob a liderança de Luís Carlos Prestes e Miguel Costa. Os rebeldes gaúchos acabaram se retirando para o Estado do Paraná, onde se juntaram aos remanescentes do levante paulistano deflagrado no mês de julho. Da unificação desses dois grupos nasceu a Coluna Prestes, exército rebelde que, sob o comando do militar gaúcho que lhe deu o nome, promoveu, nos dois anos seguintes, uma guerra de movimento pelo interior do país contra as tropas fiéis ao governo federal. O movimento chegou a transpor as fronteiras do Paraguai, após voltar a adentrar o território brasileiro. Cordeiro de Farias teve atuação destacada na Coluna, comandando um dos quatro destacamentos que a compunham.

Preso na volta ao Brasil por erro de uma denúncia contra ele – Em fevereiro de 1927, já desgastados pela longa campanha e sem perspectivas de vitória, os líderes da Coluna Prestes, à frente Carlos Prestes, resolveram encerrar a fase da luta e abandonaram o território brasileiro, refugiando-se na Bolívia. No ano seguinte, Cordeiro retornou ao Brasil clandestinamente e deu prosseguimento às atividades conspiratórias, tendo sido, então, preso. Por um erro da denúncia seu processo não foi enviado à São Gabriel, onde havia servido, mas sim à Uruguaiana, que lutou com Honório Lemes, sem que houvesse nenhuma acusação contra ele. Foi, portanto, absolvido pelo Supremo Tribunal Militar. Regularizada sua situação, retornou ao Exército, ingressando no curso de engenharia do Instituto Geográfico Militar, sem deixar, contudo, de conspirar contra o governo.

Ativista do golpe militar que pôs fim à chamada República Velha – Em 1930, Cordeiro de Farias participou do golpe militar que extinguiu a República Velha. O movimento, conhecido como Revolução de 1930, depôs o presidente Washington Luís e impediu a posse do presidente eleito, Júlio Prestes. Integrou, nessa ocasião, o comando da insurreição em Minas Gerais. Com a vitória do movimento e a posse do novo governo liderado por Getúlio Vargas, Cordeiro foi lotado no gabinete do ministro da Guerra, general José Fernandes Leite de Castro. Em maio de 1931, foi transferido para São Paulo, assumindo a chefia de polícia daquele Estado. Permaneceu no cargo até junho do ano seguinte, um mês antes da deflagração do movimento constitucionalista pelas forças políticas tradicionais de São Paulo, que exigiam a reconstitucionalização do País e a recuperação da autonomia estadual, com o afastamento dos tenentes que vinham exercendo influência na política paulista. Colaborou então no combate à insurreição e, no ano seguinte, voltou a ocupar a chefia de polícia do Estado. No Estado Novo, foi, ainda, chefe do Estado-Maior da 5ª Região Militar, sediada em Curitiba.

Como governador do Rio Grande do Sul, nacionalizou as escolas alemãs – Em 1935, de volta ao Rio de Janeiro, Cordeiro de Farias deu combate a Intentona Comunista, levante militar deflagrado por elementos de esquerda ligados à Aliança Nacional Libertadora, liderado por ele próprio e por Carlos Prestes. Em 1937, Cordeiro foi transferido para o Rio Grande do Sul, onde assumiu a chefia do Estado-maior da 3ª Região Militar, sediada em Porto Alegre, sob o comando do general Manuel de Cerqueira Daltro Filho. Participou, então, da campanha movida por Vargas para afastar o governador José Antônio Flores da Cunha, que acabou sendo substituído pelo comandante da 3ª Região Militar. Após a morte de Daltro Filho, Vargas nomeou Cordeiro de Farias como interventor federal no Rio Grande do Sul. Por estar no Rio de Janeiro, o cargo foi assumido interinamente por dois meses por Maurício Cardoso, tendo Cordeiro de Farias assumido em 4 de março de 1938. Em sua administração, devido às tensões da Segunda Guerra Mundial, determinou que todas as escolas alemãs do Estado se nacionalizassem.

CURTAS

NOME COTADO PARA PRESIDENTE – Em 1942, chegou ao generalato e em setembro do ano seguinte deixou a interventoria gaúcha para integrar-se na Força Expedicionária Brasileira (FEB). Em setembro de 1944, viajou para a Itália, onde participou da Campanha como comandante das unidades da Artilharia Divisionária da FEB. A volta ao Brasil ocorreu em 1945, seguida de novas articulações políticas. Seu nome chegou, então, a ser cogitado como candidato a presidente da República. Em outubro daquele ano, participou de novo golpe militar, que desta feita afastou Vargas do poder, encerrando o Estado Novo.

EM FIM DE CARREIRA, ATUOU NO GRUPO JOÃO SANTOS – Participou também ativamente do Golpe Militar que, em 1964, depôs o presidente João Goulart. Novamente foi cogitado para presidente, o que não se concretizou. No governo do general Castelo Branco, assumiu o Ministério Extraordinário para a Coordenação dos Organismos Regionais, depois transformado em Ministério do Interior. Desempenhou esta função até junho de 1966, quando se retirou da vida pública. Assumiu, então, a direção executiva do grupo empresarial pernambucano João Santos. Alguns anos antes de falecer, contou sua versão dos fatos que participou para a cientista política Aspásia Camargo, da Fundação Getúlio Vargas, o que resultou no livro “Diálogo com Cordeiro de Farias: Meio Século de Combate”. A obra foi lançada pela editora Nova Fronteira em 1981 e reeditada pela Editora Biblioteca do Exército por ocasião do centenário do Marechal em 2001. Foi casado com Avany Cordeiro de Farias, com quem teve um filho, Osvaldo. Faleceu em 1981.

AMANHÃ TEM EDUARDO CAMPOS – A série prossegue amanhã trazendo o perfil de Eduardo Campos, que governou o Estado de 2006 a 2010 e 2011 a abril de 2014.

Perguntar não ofende: O que Bolsonaro foi fazer, enfim, na embaixada da Hungria?

Veja outras postagens

Inserções provocam crise no PL e vira galhofa

Candidato mais competitivo do bloco das oposições no Recife, tendo aparecido com 22% das intenções de voto na pesquisa do Atlas Intel sem nem ter posto o bloco na rua, o ex-ministro Gilson Machado continua tendo que se sujeitar aos caprichos da família Ferreira no PL, seu partido.

Tudo isso, mesmo sendo hoje a maior liderança e tendo o apoio incondicional do ex-presidente Jair Bolsonaro. Exemplo mais recente desta situação pode se tirar da leitura das inserções de 30 segundos na propaganda eleitoral na TV, que serão veiculadas ao longo desta semana.

Segundo o blog tomou conhecimento, ao invés de o presidente do partido, Anderson Ferreira, propagar a imagem de Gilson, o dirigente se escalou como papagaio de pirata, usando o tempo significativo das inserções para uma campanha de filiação partidária. O que chama atenção ainda é a decisão de Anderson de fazer Gilson dividir o tempo com outros candidatos, ao invés de priorizar a disputa na Capital e Jaboatão.

As inserções, claro, já geraram um novo conflito interno no PL, que continua sendo comandado de forma isolada pela família Ferreira. Nos próximos dias, serão 40 inserções de 30 segundos divididas entre todos os pré-candidatos. Se isso não fosse mais que uma trapalhada, o cômico é ver Anderson, que nem está na disputa municipal, encerrar todos os comerciais pedindo filiação ao partido.

Segundo as bancadas do PL na Câmara Federal e na Alepe, as inserções deveriam priorizar os candidatos a prefeito de peso e não pedidos de filiação partidária. Há inserções com até três pré-candidatos, “uma verdadeira lambança”, conforme definiu um dos liberais.

Os aliados de Gilson acham que Anderson está prejudicando fortemente o processo natural do ex-ministro de conquistar o eleitorado recifense além da fronteira bolsonarista. O mais lógico, evidentemente, seria Gilson ser a vitrine dessas inserções nos horários nobres da televisão. Mas a família Ferreira, sobretudo Anderson, insiste em tocar o partido como se fosse propriedade patriarcal, uma extensão dos seus interesses domésticos.

Mas o que já é evidente é que ele não lidera nem mesmo Mano Medeiros em Jaboatão, que já entendeu que para se reeleger precisa ser ele próprio.

Maior partido do Brasil, o PL parece ser provinciano em Pernambuco.

Novas urnas – O Tribunal Regional Eleitoral iniciou, ontem, a distribuição dos modelos mais atuais de urnas eletrônicas para os colégios eleitorais do Interior. O novo modelo vai substituir as que foram usadas nas eleições de 2010, já no ciclo final de uso. Serão recolhidas para descarte. Petrolina foi a primeira cidade a receber um total de 980. A troca vai contemplar 10 dos 18 polos eleitorais do Estado.

Salve-se quem puder!  – O plano de segurança que a governadora Raquel Mandacaru Lyra lançou, prometendo reduzir em 30% os homicídios no Estado, não serve para absolutamente nada. Sem proteção policial nas ruas, as pessoas vão escapando da morte por milagres, como é o caso de um entregador que reagiu a uma tentativa de assalto em Abreu e Lima e foi “salvo” pela mochila que carregava nas costas. Segundo testemunhas, os bandidos atiraram contra a vítima, mas o tiro atingiu a mochila. O crime foi filmado por uma câmera de segurança e enviado para a TV-Globo.

Duplo feminicídio – Em menos de 24 horas, duas mulheres foram assassinadas no Grande Recife. No domingo, a Polícia Civil registrou a ocorrência em que uma mulher, de nome e idade desconhecidos, foi morta a tiros em via pública, na Comunidade de Cabo Verde, no bairro de Sapucaia, em Olinda. Já em Jaboatão, uma mulher de 25 anos foi encontrada morta dentro de casa, com diversos sinais de ferimentos causados por arma branca. A ocorrência foi registrada pela Força-Tarefa de Homicídios da Região Metropolitana Sul como feminicídio. O corpo da vítima foi encontrado no quarto da residência onde ela morava, na Rua Frei Caneca, no bairro de Cajueiro Seco,

E aí, Governo Lula? – Os números da dengue não param de crescer. O Brasil alcançou, ontem, a marca de 5.100.766 de casos prováveis de dengue em 2024. A informação consta na mais recente atualização do Painel de Monitoramento das Arboviroses, abastecido com base em dados do Ministério da Saúde. No total, são 2.827 mortos pela doença. Esta é a maior quantidade de óbitos confirmados desde o início da série histórica no país, em 2000. O número supera, inclusive, o recorde registrado em todo o ano de 2023 (1.094 mortes).

Fim da era socialista – O reinado do PSB em São José do Egito, no Sertão do Pajeú, terra sagrada da poesia, pode terminar nas eleições deste ano, com a chegada ao poder pela oposição. Já liderando todas as pesquisas, o terror do prefeito Evandro Valadares, que lançou um dentista sócio do seu genro por não poder mais concorrer, atende pelo nome de Fredson Brito, empresário bem-sucedido na área da construção civil e hotelaria. Terá como vice o ex-deputado José Marcos, uma lenda na política do faraó do mote Rogaciano Leite.

Curtas

DÍVIDA – Em entrevista logo após tomar posse, ontem, em Brasília, para mais um mandato à frente da CNM, Paulo Ziulkoski disse que o valor das dívidas de 4,2 mil prefeituras com o sistema regime geral é de R$ 248 bilhões. Segundo ele, está em negociação o chamado refis, cujo volume de recursos não implica em nenhum tipo de recurso da União.

IMPACTO – Pelos dados da CNM, além da situação das prefeituras com a previdência geral, 81% dos 2.180 municípios com Regime Próprio de Previdência Social (RPPS) têm débitos; e o valor da dívida está em mais de R$ 312 bilhões. No entanto, segundo Ziulkoski, a questão mais grave é o impacto do aumento da folha, assim como o cálculo atuarial dos Fundos Próprios de Previdência.

CONTRATAÇÕES – O funcionalismo público, segundo o presidente da CNN, cresceu 12,5% entre 2010 e 2022, aumentou de 11 milhões para 12,4 milhões. Contudo, enquanto a União e os Estados tiveram contingente de 2,4% e 10,2% maior, respectivamente, as prefeituras precisaram contratar 31% a mais, passando de 5,8 milhões para 7,6 milhões.

Perguntar não ofende: Quantos prefeitos do PSB estão na lista das creches que Raquel Mandacaru mandou licitar?

Paulista - Prêmio Sebrae

Apoiado pelo prefeito Antônio Cassiano, o empresário Albino Silva (PP) lidera a primeira pesquisa do Instituto Opinião, em parceria com este blog, para prefeito de Condado, na Zona da Mata, a 58 km do Recife. Se as eleições fossem hoje, ele seria eleito com 43,7% dos votos, enquanto o ex-prefeito Edberto Quental (Republicanos) teria 28º%.

Em terceiro lugar aparece Lucas de Paulinho (União Brasil), com 4,9%, e por último Antônio Carlos, com apenas 1,4%. Brancos e nulos somam 7,1% e indecisos chegam a 14,9%. Na espontânea, modelo pelo qual o entrevistado é forçado a lembrar seu candidato preferido sem o auxílio da lista com todos os nomes, Albino também lidera com 31,7%, Quental vem em seguida com 13,4% e os demais pré-candidatos aparecem com menos de 1%.

No quesito rejeição, Quental lidera. Entre os entrevistados, 20,9% disseram que não votariam nele de jeito nenhum, seguido de Antônio Carlos, com 19,4% e Lucas de Paulinho, que tem 14,3% dos entrevistados que não votariam nele de jeito nenhum. Albino é o menos rejeitado. Apenas 10,9% dos entrevistados afirmaram que não votariam nele de jeito nenhum.

O Opinião fez também os confrontos entre o candidato da situação com os da oposição. Albino bate todos eles facilmente. Frente a Edberto Quental, Albino teria 47,4% dos votos contra 34%. Se o adversário isolado fosse Antônio Carlos, a dianteira seria maior ainda: 66% contra 8,6%. Já diante de Lucas, Albino teria 60.6% dos votos contra 16,9%.

Estratificando o levantamento, as maiores taxas de intenção de voto de Albino aparecem entre os eleitores jovens, na faixa de 16 a 24 anos (65,5%), entre os eleitores com grau de instrução superior (56,7%) e entre os eleitores com renda familiar acima de cinco salários (48,4%). Por sexo, 43,8% dos seus eleitores são homens e 43,6% são mulheres.

Já Edberto Quental aparece mais bem situado entre os eleitores na faixa etária acima de 60 anos (41,7%), entre os eleitores com grau de instrução até o 9º ano (36,1%) e entre os eleitores com renda familiar entre dois e cinco salários (30,4%). Por sexo, 29,3% dos seus eleitores são mulheres e 26,5% são homens.

Em Condado, o Opinião aplicou 350 questionários entre os dias 16 e 17 deste mês. O intervalo de confiança estimado é de 95,0% e a margem de erro máxima estimada é de 5,2 pontos percentuais para mais ou para menos sobre os resultados encontrados no total da amostra.

A modalidade de pesquisa adotada envolveu a técnica de Survey, que consiste na aplicação de questionários estruturados e padronizados a uma amostra representativa do universo de investigação. A pesquisa foi registrada na justiça eleitoral sob o protocolo de número PE-06130/2024.

AVALIAÇÃO DE GESTÃO

O Opinião mediu também o grau de satisfação da população do Condado com os três níveis de poder – federal, estadual e municipal. O Governo Lula é aprovado por 64,3% e reprovado por 23,.7%. Já a gestão de Raquel é o inverso. Tem 51,4% de desaprovação e apenas 33.7% de aprovação. Por fim, o Governo do prefeito Cassiano tem 62,6% de aprovação e 28,6% de desaprovação.

Petrolina - Viva a nossa arte

Se ontem Belo Jardim, no Agreste, dormiu mais tarde para aguardar a pesquisa para prefeito, exclusiva do Opinião em parceria com este blog, hoje quem vai ficar acordada é a população de Condado, na Zona da Mata, a 58 km do Recife. Exatamente à meia-noite, saem os primeiros números da corrida eleitoral para prefeito do município. Vale a pena esperar!

Ipojuca - Minha rua top

O radialista Claudinei Santos foi eleito, na última quinta-feira, o novo presidente do Salgueiro. O comunicador vai comandar o Carcará do Sertão pelos próximos quatro anos. O mandato, que começou na sexta-feira, termina no dia 16 de maio de 2028.

“O desafio é muito grande, talvez o maior de minha vida, que é trabalhar uma marca como a do Salgueiro. Um time que já foi Série B, realizou sonhos dos torcedores”, disse Claudinei.

A chapa “Voa, Carcará”, que tinha Claudinei como presidente e o empresário Ailton Sousa, proprietário da Banda Limão Com Mel, como vice, foi a única inscrita para o pleito que definiria o sucesso do atual presidente, José Guilherme.

Caruaru - Geracao de emprego

Uma das primeiras medidas tomadas pelo Ministério de Portos e Aeroportos (MPor) foi ampliar a malha aérea do Rio Grande do Sul, por meio da aviação regional, para manter o acesso da população, sobretudo do povo do Sul, aos voos que são tão importantes para o Estado.

Na última semana, o Ministério encaminhou a solicitação à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que autorizou a operação de voos comerciais na Base Aérea de Canoas (RS), localizada na região metropolitana de Porto Alegre.

A Secretaria Nacional de Aviação Civil (SAC) do Ministério encaminhou um ofício para a Fraport, questionando o interesse e a disponibilidade da concessionária do Aeroporto Salgado Filho em operar emergencialmente a Base Aérea de Canoas. A concessionária informou estar disponível para realizar a operação.

A venda de bilhetes deve ser liberada a partir de amanhã. Esse acréscimo representa 18 novos voos, além dos 116 voos semanais anunciados na primeira fase do plano de aviação emergencial na região. É importante destacar que a quantidade de voos anunciada na primeira fase do plano emergencial foi mantida, com adequações para outros aeroportos regionais. Com o novo anúncio, ao todo serão 134 voos para o acesso ao RS.

Camaragibe Agora é Led

A diretoria da Associação dos Docentes da Universidade Federal de Pernambuco (Adufepe) convoca Assembleia Geral Extraordinária para a próxima sexta-feira. A assembleia será realizada a partir das 8h30, no auditório do Centro de Ciências Sociais Aplicadas (CCSA), no campus Recife, e no Centro Acadêmico do Agreste (CAA), em Caruaru. Os docentes também podem participar e votar online.  A pauta inclui a apreciação e deliberação sobre a proposta apresentada pelo Governo Federal à categoria.

Os professores estão em greve desde o dia 22 de abril e reivindicam, entre outras demandas, reajuste salarial, recomposição do orçamento das Instituições Federais de Ensino Superior (Ifes) e melhores condições de trabalho. Na semana passada, o Governo Federal apresentou contraproposta e colocou o dia 27 de maio como prazo final para assinatura de acordo para encerrar a paralisação.

Belo Jardim - Vivenciando Histórias

Estadão

“A natureza escolheu, infelizmente, tragicamente, o Rio Grande do Sul (RS) para ser um grande alerta de que há um problema grave e urgente ocorrendo no mundo e que nós precisamos enfrentar”. Dita hoje, pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, a fala fez parte do fechamento do discurso do ministro no 167° Período Ordinário de Sessões da Corte Interamericana de Direitos Humanos.

Segundo o magistrado, a mudança climática e a proteção ambiental são possivelmente algumas das “grandes questões definidoras do nosso tempo”. Ele alega que as principais dificuldades para enfrentar desafios ligados ao clima são três, sendo a primeira o negacionismo científico.

“Ainda existem um grau relevante de ignorância e negacionismo, apesar de quase totalidade dos cientistas testemunharem que é a ação do homem na terra que está provando esse conjunto de fenômenos que vem abalando as condições de vida entre nós”, afirmou.

A segunda causa está ligada à dificuldade de visualizar os efeitos da destruição ambiental, que, de acordo com o ministro, só são observáveis após cerca de vinte anos. “Os comportamentos lesivos ao meio ambiente que se praticam hoje só vão efetivamente produzir suas consequências para a próxima geração” e é de prática da política ser imediatista, pensar em políticas que atendam ao presente, explicou.

Em último lugar, Barroso pontua que “nenhum país tem condições de, isoladamente, equacionar a questão climática”, por isso, é necessário pensar em soluções mundiais e conjuntas.

De acordo com a última atualização da Defesa Civil do Rio Grande do Sul, postada às 12h02min desta segunda, 20, 463 municípios foram afetados pelas fortes chuvas que vêm causando enchentes no Estado. As pessoas afetadas somam 2.339.508, sendo que 76.188 estão abrigos, 581.633 desalojados. 157 mortes foram confirmadas e 88 pessoas estão desaparecidas.

Barroso ressalta as ações feitas pela Justiça brasileira. “Nós temos também feito, a partir do Supremo e do Conselho Nacional de Justiça, os maiores esforços possíveis para ajudar naquilo que esteja na competência do Poder Judiciário”, diz o ministro. Até momento, órgãos mencionados suspenderam os prazos processuais dos tribunais superiores que envolvem o RS e os processos ligados a advogados registrados na OAB do Estado, além de enviarem mais de R$ 100 milhões à Defesa Civil do Estado.

Serra Talhada - Saúde

O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD), afirmou, hoje, que a maioria dos senadores é favorável ao fim da reeleição para prefeitos, governadores e presidente da República.

O assunto começará a ser debatido de maneira mais ampla neste ano. Caso uma proposta surja, a mudança constitucional deverá valer a partir de 2030 nas eleições nacionais. Em 2026, o atual presidente, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), bem como governadores de Estado em primeiro mandato, poderão disputar o pleito pela segunda vez seguida, caso queiram.

“A grande reflexão que devemos fazer sobre reeleição: foi positivo, foi proveitoso? As respostas que ouço é que não. E já adianto que a ampla maioria no Senado é favorável ao fim da reeleição”, afirmou durante reunião-almoço no Instituto dos Advogados de São Paulo (Iasp), na capital paulista.

A reeleição no Brasil, depois da Constituição de 1988, foi incluída por meio de emenda no fim do primeiro mandato de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), o que permitiu ao tucano ser candidato mais uma vez em 1998. Em efeito cascata, governadores e prefeitos foram beneficiados com a medida.

Nos últimos anos, parlamentares discutiram tentativas de reforma para acabar com a reeleição. Uma proposta que sempre foi levantada é a permissão de mandatos de cinco anos, sem reeleição.

Vitória Reconstrução da Praça

Caro Magno,

Queremos parabenizá-lo pelos 18 anos de dedicação e excelência do Blog do Magno. Este veículo que representa independência e imparcialidade no jornalismo pernambucano.

O Blog do Magno é uma fonte diária de notícias, que já faz parte da nossa rotina por tratar de fatos da política local e nacional, opinando e noticiando, levando um jornalismo de qualidade, enriquecendo o debate político e fortalecendo a nossa democracia.

Que venham muitos anos pela frente, levando mais informação com transparência e qualidade para os pernambucanos!

São os votos do deputado estadual Pastor Júnior Tércio e da deputada federal Clarissa Tércio.

A Assembleia Legislativa de Pernambuco abriu, hoje, inscrições gratuitas para o seminário “Eleições 2024: Novas Regras”. O objetivo é atualizar e capacitar servidores, gestores públicos e agentes interessados no processo eleitoral como candidatos, advogados eleitorais e dirigentes partidários, em relação à legislação do pleito para vereadores e prefeitos este ano.

Com a iniciativa, a Alepe manifesta sua preocupação com as condutas vedadas pela Lei, buscando contribuir com o equilíbrio e a transparência do processo eleitoral. O seminário será coordenador pela Escola do Legislativo da Assembleia, a Elepe.

O seminário será realizado no dia 11 de junho, das 8h às 17 horas, no auditório Sérgio Guerra, sede da Alepe. As inscrições podem ser feitas pelo link https://www.even3.com.br/seminarioeleicoes

“Esta é uma importante parceria que a Elepe realiza com a Escola Judiciária Eleitoral. Sem dúvida contaremos com o melhor time com o objetivo de atualizar o maior número possível de agentes públicos e a sociedade como um todo sobre as novas regras eleitorais, para que tudo ocorra harmoniosamente nas eleições deste ano em todo o Estado de Pernambuco”, ressalta o presidente da Elepe, José Humberto Cavalcanti.

Recife e Santiago são, respectivamente, os destinos nacional e internacional, mais procurados por brasileiros para as férias de julho deste ano, de acordo com levantamento inédito da Decolar. A empresa registrou um aumento de 107% na procura por pacotes de viagens para o período na comparação com o ano passado. E listou ainda os 20 lugares mais visados no país e fora dele.

São eles, no Brasil: 1) Recife; 2) Maceió; 3) Porto Seguro; 4) Salvador; 5) Natal; 6) Rio de Janeiro; 7) Fortaleza; 8) João Pessoa; 9) Florianópolis; 10) São Paulo; 11) Foz do Iguaçu; 12) Navegantes; 13) São Luís; 14) Jericoacara; 15) Aracaju; 16) Caldas Novas; 17) Ilhéus; 18) Curitiba; 19) Fernando de Noronha e 20) Goiânia. As informações são do blog do Lauro Jardim.

O ranking de 2023, também elaborado pela Decolar, era liderado por Fortaleza e Rio de Janeiro, com Porto Alegre (hoje debaixo d’água) na terceira colocação. Recife, agora líder, ocupava o quarto lugar.

A lista da preferência internacional para julho de 2024 inclui: 1) Santiago; 2) Buenos Aires; 3) Bariloche; 4) Orlando; 5) Punta Cana; 6) Cancún; 7) Ushuaia (na Argentina); 8) Paris; 9) Lisboa; 10) Nova York; 11) San Andrés (na Colômbia); 12) Miami; 13) Cusco; 14) Curaçao; 15) Cartagena; 16) Roma; 17) Mendoza; 18) Montevidéu; 19) Londres e 20) Lima.

A capital chilena já estava na posição mais destacada no ano passado, assim como Buenos Aires está repetindo a “vice” no radar dos brasileiros. Já Bariloche desbancou Lisboa ao entrar no pódio.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se reuniu com ministros, na manhã de hoje, para falar sobre a coordenação das ações de ajuda ao Rio Grande do Sul, que enfrenta enchentes históricas. No encontro, o presidente pediu foco em três frentes:

  • bombas para escoar a água;
  • plano e execução de reconstrução de escolas em pontos mais seguros;
  • reconstrução de hospitais, dada a situação de saúde que a água suja, com restos humanos e de animais, provoca no estado.

Definir as ações imediatas e as áreas prioritárias vai garantir que as medidas andem mais rapidamente – a população precisa de ajuda de forma urgente. As informações são do portal G1.

Há um entendimento entre os ministros que participaram da reunião que é preciso se comunicar com clareza e ajudar o RS a retomar aos poucos algumas atividades, enquanto a água baixa em alguns pontos. Nesta segunda, a rede municipal de ensino iniciou a volta às atividades em Porto Alegre. Participaram do encontro os ministros:

  • da Casa Civil, Rui Costa;
  • da Educação, Camilo Santana;
  • da Integração e do Desenvolvimento Regional, Waldez Góes;
  • das Cidades, Jader Filho;
  • da Secretaria Extraordinária para Apoio à Reconstrução do Rio Grande do Sul, Paulo Pimenta;
  • o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Swedenberger Barbosa;
  • e o secretário Nacional de Assistência Social (MDS), André Quintão.

Na reunião, Lula também reforçou que ministros só podem fazer anúncios se tiverem datas para concretizar, e que a comunicação deve ser clara, sem deixar dúvidas para a população. O tom do encontro foi o de articulação entre promessas e ações.

Na semana passada Lula já tinha cobrado os ministros. Na segunda-feira (13), o presidente reclamou de falta de articulação da equipe nas ações relativas às enchentes no Rio Grande do Sul, inclusive com anúncios de medidas antes de elas serem discutidas no governo federal.

A cobrança foi na reunião ministerial “emergencial” sobre a situação das chuvas no estado no Palácio do Planalto. À ocasião, o presidente disse: “Cada ministro que for falar, e cada ministra, tentar falar sempre a mesma coisa que está acontecendo. Não ficar dizendo coisa que não está acontecendo ou ficar inventando coisas que ainda não discutiu”.

“Ou seja, não dá para cada um de nós que tem uma ideia anunciar publicamente uma ideia. Uma ideia é um instrumento de conversa do governo para a gente transformar uma ideia em uma política real. Não é cada um que tem uma ideia ir falando da sua ideia, falando que vai fazer. Isso termina não construindo uma política pública sólida e uma atuação homogênea do governo no caso do RS”, continuou.