A sintonia entre Dueire e Teresa no Senado

O trabalho conjunto entre os senadores pernambucanos segue marcando o dia a dia no Senado Federal. Em mais uma demonstração de um alinhamento, o senador Fernando Dueire (MDB) e a senadora Teresa Leitão (PT) vão atuar juntos em mais um projeto que tramita na Casa. Ela será a relatora na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do projeto que Fernando apresentou no início deste mês propondo desconto no valor de renovação da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) para motoristas com mais de 50 anos.

Hoje, os motoristas com mais de 50 anos renovam a CNH com cinco anos de validade. Os que possuem mais de 70 renovam por três anos. No entanto, ambos os grupos pagam o mesmo valor que os motoristas com até 49 anos, que renovam por um período de 10 anos. Pelo projeto de Dueire, quem tem mais de 50 anos terá 50% de desconto na taxa administrativa da CNH e os de mais de 70 anos terão 70% de desconto.

“O que estamos propondo é na verdade um benefício justo, que vai equacionar essa diferença. Que tem uma CNH válida por 5 e 3 anos não deveria pagar na renovação o mesmo valor de quem vai ter um documento válido por 10 anos. O serviço é o mesmo mais a validade da documentação não. Então é preciso ajustar o valor da taxa que os estados cobram de acordo com o prazo de uso da CNH”, explicou Fernando Dueire. 

Após a apresentação do relatório de Teresa Leitão na CAE sobre o projeto, a matéria ainda passará pela Comissão de Constituição de Justiça (CCJ) antes de seguir para o plenário.

Em setembro, os dois senadores fizeram uma dobradinha semelhante. Um projeto de Dueire inscrevendo o nome de Dom Hélder Câmara no Livro dos Heróis e Heroínas da Pátria foi aprovado na Comissão de Educação e Cultura do Senado após relatoria de Teresa Leitão.

Veja outras postagens

Recife não é uma ilha

Numa entrevista exclusiva, ontem, ao Frente a Frente, reproduzida na edição de hoje da Folha de Pernambuco, o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, disse que Recife não se constituiu numa ilha isolada nas negociações com o PT. PSB e PT se entenderam em nível nacional. Se o PT cedeu no Recife, abrindo mão da vice, o PSB apoia candidatos petistas em cinco capitais, segundo ele.

“Entre colégios eleitorais expressivos e de porte médio, o PSB está apoiando o PT em cerca de 118 municípios, incluindo cinco capitais: Porto Alegre, Teresina, Fortaleza, Natal e Goiânia. De capitais, o PT nos apoia no Recife, Curitiba e São Luiz”, explicou Siqueira. O que se pode deduzir disso é que a lógica que rege uma eleição não pode nunca ser circunscrita a questões paroquiais quando estão em jogo interesses nacionais.

O PT pernambucano sempre se conduziu, em alguns momentos, olhando a política de forma cartorial e, neste episódio, se o presidente Lula não tivesse usado o seu poder de persuasão, principalmente nos momentos mais delicados e decisivos, com certeza a cúpula petista local teria criado um turbilhão de problemas para João Campos, inclusive lançando mão de uma candidatura própria.

Ressalte-se, igualmente, a postura e a altivez da presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, que agiu como uma leoa, quebrando arestas, negociando os acordos em todo o País na maior paciência e abertura com o presidente socialista Carlos Siqueira, que vem da escola de Miguel Arraes e já dirige o partido há dez anos.

Entendimento nacional – De Carlos Siqueira, na mesma entrevista, ao reforçar a sua linha de raciocínio da ampla aliança que o PSB fechou com o PT nas eleições para prefeito: “Esse sempre foi o nosso argumento em todas as negociações – cede o PT onde não tiver condições de chegar, igualmente o PSB apoia o PT em capitais com chances de vitória. A negociação no Recife com o PSB não poderia ser apenas sobre o Recife, mas sobre o conjunto da relação política eleitoral que mantém o PSB com o PT em todo o País.

A ditadura do Ceará – O ex-ministro Ciro Gomes disse que o Ceará, Estado que já governou, vive uma “ditadura” do PT, partido do atual governador Elmano de Freitas. A declaração foi dada quando esteve no Crato para participar da convenção de Dr. Aloísio (União Brasil), candidato à Prefeitura da cidade. “O Ceará está sendo destruído pela incompetência, pela corrupção, pelo mandonismo. Há uma ditadura tentando ser construída, tirando inclusive o direito do povo de escolher suas alternativas. A violência política acontece em Juazeiro, a violência política já matou gente no Crato, já tirou candidatos que não podem mais ser. Tudo armado para que o novo ditador do Ceará não tenha sequer contraste, e eu tenho certeza de que o Cariri vai se levantar”, afirmou.

Ira do irmão – Ciro esteve em Barbalha juntamente com o ex-prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT), para participar da convenção do candidato, que tem como vice Zé Adega (PL). Também participou do evento de candidatura à reeleição do prefeito de Juazeiro do Norte, Glêdson Bezerra (Podemos), onde dividiu palanque com o deputado estadual do PL, Carmelo Neto. O ex-presidenciável apoiou Cláudio na disputa pelo governo do Ceará em 2022, o que motivou o fim da aliança histórica PT-PDT na região, e o rompimento com o seu irmão e senador Cid Gomes (PSB). Este defendia o nome da então vice-governadora Isolda Cela (PSB). Ela também era apoiada pelo ministro da Educação, Camilo Santana, e pelo Partido dos Trabalhadores.

Olinda, capital do roubo de celulares – O Brasil registrou média de praticamente dois roubos ou furtos de celular por minuto no ano passado, segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado ontem. Ao todo, quase um milhão de aparelhos foram subtraídos em 2023. Em Pernambuco, Olinda aparece como epicentro dos ladrões, sendo a oitava no ranking nacional, acima do Recife, que ocupa a 10ª posição. Os celulares oferecem outras oportunidades para os bandidos. Além do valor do aparelho em si, os criminosos muitas vezes visam os smartphones como ferramenta para aplicar golpes virtuais.

Chá de camomila para Lula – O ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, sugeriu ontem que “quem se assustou” com suas declarações tomasse um “chá de camomila”, um dia depois do presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva ter questionado os avisos do mandatário venezuelano sobre um “banho de sangue”, caso a oposição vença as eleições marcadas para o próximo domingo. “Eu não disse mentiras. Apenas fiz uma reflexão. Quem se assustou que tome um chá de camomila”, afirmou Maduro, sem mencionar diretamente Lula. “Na Venezuela, irá triunfar a paz, o poder popular, a união cívico-militar-policial perfeita”, acrescentou.

CURTAS

JABÁ 1 – Tiago Eltz foi chamando atenção pela TV Globo. É que o repórter do Jornal Nacional foi acusado de violar os Princípios Editoriais da emissora, depois de usar as redes sociais para fazer o famoso jabá. A prática é proibida e acabou gerando uma investigação no departamento de Compliance.

JABÁ 2 – De acordo com o site Pop TV, o jornalista foi flagrado trocando diárias em um hotel de luxo por divulgação. O caso aconteceu no último domingo. No entanto, após o canal constatar a publicidade, feita nos stories do Instagram, exigiu que Eltz retirasse as postagens do ar, sob pena de ser demitido.

VICES INDEFINIDOS – O ex-prefeito de Caruaru, José Queiroz (PDT), aguarda apenas o desfecho da composição da chapa do prefeito Rodrigo Pinheiro (PSDB) para bater o martelo do seu companheiro de chapa. Estão cotados Eric Lessa (PP), Raffiê Dellon (UB), Armandinho (SD) e o ex-senador Douglas Cintra (PSB).

Perguntar não ofende: Dos nomes acima, quem soma mais como vice de Zé Queiroz?

A presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Cármen Lúcia, afirmou, nesta terça-feira, considerar o discurso de ódio contra a mulher “muito cruel”. Ela fez uma comparação entre os ataques sofridos por homens e mulheres para dar dimensão da situação.

“Contra o homem, ‘é ladrão, é preguiçoso, é vagabundo’. Contra nós, [o discurso] é sexista, misógino e machista. E esse discurso não afeta só a mulher, mas toda a sua família. Aí muitas vezes a família, os filhos, acabam pedindo para que a mulher não continue na carreira política”, disse a ministra, que esteve hoje no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-SP).

A ministra também afirmou ser necessário lembrar os eleitores brasileiros – diante da proximidade do pleito municipal em outubro próximo – de que o voto é sigiloso e que ninguém deve ser submetido a algum tipo de pressão. “Ninguém pode entrar com o celular na cabine de votação e ninguém pode saber em quem você votou. Isso precisa ficar claro para o eleitor”, disse.

Presidente da Corte Eleitoral paulista, desembargador Silmar Fernandes, e o vice-presidente, desembargador José Antonio Encinas Manfré, entregaram para a ministra um levantamento que mostra que 63% do corpo funcional do tribunal paulista é formado por mulheres.

O percentual é maior do que a média nacional de servidoras no Poder Judiciário (56,2%), segundo pesquisa do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) com 68 Tribunais, considerando dados de 2009 a 2018. Dos 4.071 servidores que atuam no TRE-SP, incluindo os servidores próprios e os requisitados de outros órgãos, 2.501 são mulheres. A grande maioria das servidoras (77%) trabalha nos cartórios eleitorais.

Do Estadão.

A vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, aparece com vantagem de 2 pontos percentuais sobre Donald Trump em pesquisa divulgada pela agência de notícias Reuters e pelo Instituto Ipsos nesta terça-feira.

Segundo o levantamento, Harris tem 44% das intenções de voto, contra 42% de Trump. A diferença está dentro da margem de erro, que é de 3 pontos percentuais.

A pesquisa foi realizada nas últimas 48 horas e contabiliza, portanto, o efeito da Convenção Nacional Republicana, encerrada na quinta (18), quando Trump aceitou formalmente sua candidatura.

O levantamento traz ainda o impacto do anúncio de desistência de Joe Biden no domingo, 21, dia em que o presidente também anunciou que apoiaria Kamala Harris.

Em sondagem anterior, feita entre 15 a 16 de julho, ambos apareceram com o mesmo percentual, de 44%.

Há, porém, importante nuance sobre os resultados das sondagens americanas. Embora as pesquisas nacionais forneçam a temperatura do eleitorado, apenas um punhado de estados deve decidir as eleições de fato.São os swing states, ou estados pêndulo, em que não há maioria republicana ou democrata e que podem, portanto, pender para ambos os lados.

Nessa categoria estão Arizona, Georgia, Michigan, Nevada, Carolina do Norte, Pensilvânia e Wisconsin.

Em outra pesquisa recente, 56% dos eleitores registrados concordaram com a afirmação de que Harris é “mentalmente capaz de lidar com desafios”, em comparação com 49% que disseram o mesmo sobre Donald Trump.

Somente 22% dos eleitores avaliaram Biden dessa forma.

Da Revista Veja.

“Que tome um chá de camomila.” Foi assim que o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, reagiu aos comentários de quem se disse assustado a uma fala que ele teve sobre “banho de sangue” caso não vença as eleições.

A afirmação desta terça-feira acontece um dia depois de o presidente Lula (PT) expressar preocupações sobre a fala de Maduro.

“Fiquei assustado com a declaração do Maduro dizendo que se ele perder as eleições vai ter um banho de sangue. Quem perde as eleições toma um banho de voto, não de sangue”, afirmou Lula.

“O Maduro tem que aprender: quando você ganha, você fica, quando você perde, você vai embora. Vai embora e se prepara para disputar outra eleição”, continuou o presidente brasileiro.

Hoje, Maduro respondeu. Sem citar Lula, o presidente venezuelano disse que prevê para “aqueles que se assustaram” a maior vitória eleitoral dele na história.

Sobre o “banho de sangue”, Maduro disse que não disse nenhuma mentira, apenas fez uma reflexão. “Quem se assustou que tome um chá de camomila”, declarou.

Do G1.

Após este blog publicar que a prefeita de Trindade, Helbinha Rodrigues, está perdendo apoio na sua caminhada pela reeleição no município, a gestora enviou uma nota apontando que se mantém forte e sem perder, segundo ela, as principais alianças.

Confira abaixo a nota na íntegra

Prezado Magno Martins,

Esperamos e desejamos que esteja bem. Gostaríamos de trazer à sua atenção um ponto importante em relação à matéria publicada recentemente sobre a prefeita Helbinha Rodrigues.

No artigo, foi mencionado que a prefeita perdeu o apoio de uma determinada liderança. No entanto, após verificarmos que tratava-se do empresário Lessinho Lins, constatamos que houve um equívoco: o empresário não foi aliado da prefeita. Assim, a informação de que ela perdeu o apoio desse empresariado não condiz com a realidade.

É essencial que corrijamos esse erro para manter a precisão e a credibilidade do seu conceituado blog. Agradeço antecipadamente pela sua compreensão e colaboração para retificar essa informação.

Atenciosamente

Assessoria de comunicação.

O ex-deputado Roberto Jefferson pagou à Polícia Federal R$ 39.581,32 pelos danos causados a uma viatura da corporação que ele atingiu com 42 tiros, em outubro de 2022. Na ocasião, agentes tentaram cumprir um mandado de prisão na sua casa, em Comendador Levy Gasparian, no interior do Rio, quando o parlamentar reagiu atirando.

No último dia 12, a defesa de Jefferson encaminhou o comprovante de “de reparação integral do dano causado” ao Tribunal Regional Federal da 2ª Região.

De acordo com a sindicância aberta pela PF, além de ferir dois policiais com estilhaços de balas, o ex-deputado acertou com 25 disparos o teto do veículo, com 14 o para-brisa, com dois a lateral esquerda e com um o capô. Entre os itens trocados na oficina, estão giroflex, forro do teto e para-brisa. 

O documento ainda aponta que a viatura, que não era blindada, também precisou de reparos no sistema de ar-condicionado e no motor, além de pintura e lanternagem. 

O relatório final ainda destaca a “insanidade da conduta do ex-deputado, que consciente e voluntariamente, após descobrir a finalidade da presença da equipe policial, passou a atacar os agentes da lei com granadas e disparos de arma de fogo de grosso calibre, assumindo o risco de causar o resultado morte daqueles policiais e gerando danos ao patrimônio público empregado na ação”.

Jefferson, que está preso preventivamente desde então, irá a júri popular pelo crime. Na época, seus advogados chegaram a divulgar vídeos de câmeras de segurança que mostravam os policiais próximos à residência. Nas imagens, aparecem o carro com os vidros danificados e o ex-deputado dizendo que eles estavam ali para prendê-lo. 

Do O GLOBO

Ovacionada em primeiro discurso em um comício como pré-candidata pelo partido Democrata, a vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, discursou em campanha em Wisconsin nesta terça-feira (23), com um discurso extremamente duro contra seu concorrente, o republicano Donald Trump.

“Antes de eu ser eleita vice-presidente, antes de eu ser eleita senadora, eu fui procuradora e lidei com predadores que abusam de mulheres, empreendedores que abusam de consumidores e trapaceiros que quebram as regras para o seu próprio bem. Então, me escute quando eu digo: eu conheço o tipo de Donald Trump. Quando eu era uma procuradora recém chegada, eu me especializei em abusos sexuais e Donald Trump é um abusador”, afirmou Kamala. As informações são do Metrópoles.

Kamala também demonstrou felicidade em ter garantido o número de delegados suficientes para sua nomeação, segundo um levantamento da Associated Press.

“Eu fui informada essa manhã que conseguimos o número suficiente de delegados para garantir a nomeação pelo partido Democrata. Eu estou muito honrada e eu prometo a vocês que continuarei a unir nosso partido para que estejamos prontos para vencer em novembro”.

Kamala ainda defendeu o direito à saúde de qualidade a preços justos para todos os norte-americanos, criticando o projeto econômico de Trump.

“Crianças com asma, mulheres que sobreviveram ao câncer de mama, avós com diabetes; são muitos problemas de saúde sem tratamento. A América já tentou essa estratégia econômica antes e nós não vamos voltar. E eu vou te dizer o porque não vamos voltar, Donald Trump é o passado”.

Com um forte discurso em defesa da liberdade, Kamala bradou que a luta da campanha é pela liberdade de todos os norte-americanos.

“Nossa luta é por liberdade. Gerações de americanos antes de nós lideraram a briga por liberdade e agora, Wisconsin, a batalha está em nossas mãos. Nós acreditamos que todo mundo de nossa nação deva viver sem o medo da violência armada. Que tipo de país queremos viver? Queremos viver em um país de liberdade, de compaixão e leis ou em um país de caos, medo e ódio?”, contou Kamala.

A democrata praticamente repetiu os principais pontos da primeira fala após a desistência de Joe Biden da disputa. Na segunda (22), ela falou à equipe de campanha em Delaware.

Ela atacou Trump e disse que ele pretende fazer os EUA voltarem ao passado. A pré-candidata democrata também sinalizou para os votos da classe média.

O Brasil reafirmou o compromisso com o combate ao racismo e às desigualdades raciais, durante reunião do G20, nesta terça-feira (23), no Rio de Janeiro. “No momento em que, lamentavelmente, presenciamos manifestações de racismo e discriminação, inclusive no esporte, o Brasil segue comprometido em promover a igualdade étnico-racial, que é não apenas um objetivo nobre, mas um imperativo para construir um mundo mais justo, inclusive sustentável”, afirmou o ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, em seu discurso de abertura da segunda sessão Combate às Desigualdades e Cooperação Trilateral, da Reunião Ministerial de Desenvolvimento.

A ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, que também participa do painel de discussão, reforçou que o combate ao racismo e às demais desigualdades devem ser compromisso não apenas do Brasil, mas mundial: “Sabemos também que resolver um problema sistêmico, estrutural e histórico não é tarefa apenas para um único ministério ou sequer um único país”.

Ambos os ministros destacaram a importância do compromisso assumido pelo Brasil em relação à questão. Em discurso na Assembleia Geral da ONU em 2023, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciou a criação voluntária do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 18, com o objetivo de alcançar a igualdade étnico-racial na sociedade brasileira. 

Os ODS são uma agenda mundial para acabar com a pobreza e as desigualdades. Eles foram pactuados pelos 193 Estados-Membros da Organização das Nações Unidas (ONU) e devem ser cumpridos até 2030. Ao todo, são 17 ODS. Lula propôs nacionalmente que se persiga também um 18ª objetivo em busca de igualdade étnico-racial.

Combate à pobreza e à fome

Vieira reforçou que a erradicação da pobreza é prioridade absoluta para o Brasil, mas que, em todo o mundo, esse objetivo ainda está distante. “Em 2023, chegamos à metade do período da Agenda 2030, ainda distantes do cumprimento daquilo que foi acordado pelos países membros da ONU. Não só estamos atrasados, como até recuamos na concepção de muitos dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, como a erradicação da pobreza e da fome”, afirmou.

E complementou: “O mundo está cada vez mais desigual. O 1% mais rico do mundo ficou com quase dois terços de toda a riqueza gerada desde 2020, segundo dados da Oxfam. Os 10% mais ricos são responsáveis por metade das emissões de carbono no planeta. Em 2020, vimos um aumento da desigualdade global pela primeira vez em décadas, com um incremento de 0,7% do índice de Gini Global”. O chamado índice de Gini é um instrumento para medir o grau de concentração de renda.

Segundo Franco, o compromisso global precisa ser reforçado e é preciso que as nações de fato se esforcem para erradicar a pobreza. “As palavras com as quais nos comprometemos hoje não são, na sua maioria, ideias absolutamente inovadoras. Na realidade, são anseios históricos pela garantia da vida digna e da oportunidade de se viver bem, que deveriam ser condições básicas e óbvias, mas que foram transformadas ao longo do tempo em luxos e privilégios”, disse a ministra.

“O que se espera de novidade é que nossos países sejam capazes de agir com velocidade e firmeza, com a qual estamos comprometidos para que possamos correr atrás de tempo perdido”, destacou.

Aliança Global

A reunião do G20 começou nessa segunda-feira (22). Ao longo da semana está prevista uma série de eventos no âmbito do G20.

Na quarta-feira (24), com a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, será realizado o pré-lançamento da Aliança Global contra a Fome e a Pobreza, uma das prioridades da presidência brasileira do G20.

Franco mencionou também a Agenda de Enfrentamento à Fome e à Pobreza com foco em mulheres negras, que será oficialmente lançada, no dia seguinte, dia 25. A ministra antecipou que o programa contará com cinco grandes metas, 26 ações e mais de R$ 330 milhões investidos em políticas públicas com este objetivo.

G20

O G20 é composto por Argentina, Austrália, Brasil, Canadá, China, França, Alemanha, Índia, Indonésia, Itália, Japão, República da Coreia, México, Rússia, Arábia Saudita, África do Sul, Turquia, Reino Unido e Estados Unidos, além da União Europeia.

Os membros do G20 representam cerca de 85% do Produto Interno Bruto (PIB, soma de todos os bens e serviços produzidos por um país) global, mais de 75% do comércio global e cerca de dois terços da população mundial.

Desde 2008, os países revezam-se na presidência. Esta é a primeira vez que o Brasil preside o G20 no atual formato.

A candidatura de Helbinha Rodrigues, que irá disputar a reeleição em Trindade, vem se desintegrando com a perda de apoiadores e lideranças políticas que, inconformados com o descaso com a cidade e seus habitantes, bem como com a crescente onda de denúncias de irregularidades, estão abandonando seu barco. 

Hoje, o empresário Geraldo Lins, neto e herdeiro político do ex-prefeito Geraldo Pedrosa Lins, declarou seu apoio e engajamento na campanha da oposição, composta pelos empresários Zé Capacete e seu vice, Erick Freitas.

A Livraria Jaqueira do Paço Alcântara será palco do lançamento, no Recife, do mais recente livro do jornalista Marcelo Tognozzi, intitulado “Ninguém segura este monstro – Manipular, mentir & polarizar”. O evento está marcado para o dia 1º de agosto. 

Após o sucesso do lançamento em São Paulo, a obra chega à capital pernambucana trazendo reflexões profundas sobre a manipulação ideológica e a polarização na política contemporânea em todo o mundo. A vinda do jornalista à capital pernambucana está sendo promovida pela Folha de Pernambuco e por este blog.

Sobre o livro

“Ninguém segura este monstro – Manipular, mentir & polarizar” é uma coletânea de 100 artigos escritos por Marcelo Tognozzi nos últimos cinco anos. O autor aborda temas centrais da política brasileira e mundial, incluindo a ascensão de figuras políticas como Jair Bolsonaro e Lula, no Brasil – além da eleição de Javier Milei, na Argentina, e o governo Trump, nos Estados Unidos.

O livro é elogiado por sua análise crítica e perspicaz dos eventos que moldam o cenário político atual. Nei Lima Figueiredo, jornalista e autor do prefácio, destaca a importância da obra em tempos de crescente desinformação e desprezo pela verdade. “Tognozzi proporciona lucidez e razão, brindando o leitor com o conhecimento necessário para entender a fase tormentosa pela qual passa a humanidade”, disse.

“Ninguém Segura Este Monstro – Manipular, Mentir & Polarizar” – nome também de um dos artigos do livro sobre Fake News -, vem iluminar os caminhos da compreensão política e social dos nossos tempos. Sobre Fake News, Tognozzi ressalta que elas devem ser combatidas, não com censura, mas com educação. É o que já fazem alguns países, como a Espanha, onde o ministério da Educação criou programas para educar jovens e seus pais sobre o uso da internet e redes sociais.

”Fake News é um fenômeno que preocupa, sobretudo em países como o Brasil, onde ainda não há políticas ligadas à educação para o uso das ferramentas tecnológicas, redes sociais e Inteligência Artificial. As crianças precisam ser ensinadas sobre como atuar nas redes, sem ideologia. Mas os próprios professores não sabem como fazer isso”, destaca o jornalista e escritor. 

Sobre o autor

Marcelo Tognozzi é um dos mais importantes analistas políticos do Brasil, com uma carreira que inclui posições de destaque em grandes veículos de imprensa e órgãos governamentais. Ele é pós-graduado em Marketing Político e Gestão de Campanhas Eleitorais pela The George Washington University e em Inteligência Econômica pela Universidade de Comillas, na Espanha. Atualmente, Tognozzi é colunista do jornal digital Poder360 e sócio-diretor da A+B Comunicação e RP Digitais.

Com vasta experiência em novas mídias e marketing político digital, Tognozzi já participou de diversas campanhas eleitorais e desenvolveu projetos pioneiros de agências de notícias virtuais. Ele é autor de vários livros e e-books sobre marketing político e comunicação digital.

Serviço

Lançamento do livro “Ninguém segura este monstro – Manipular, mentir & polarizar”

Autor: Marcelo Tognozzi

Local: Livraria Jaqueira, Recife (PE) – Rua Madre Deus, 110 – Paço Alfândega – Recife Antigo

Data: 1º de agosto de 2024 (quinta-feira)

O ex-presidente Donald Trump disse que a vice-presidente Kamala Harris “deve responder” se ela acha que Joe Biden está apto a cumprir o resto de seu mandato como presidente dos Estados Unidos.

“A mentirosa Kamala Harris acha que Joe Biden está apto a governar os EUA pelos próximos seis meses? Ela deve responder à pergunta”, postou Trump na Truth Social. As informações são da CNN.

O republicano alegou, sem evidências, que Biden estava “delegando sua autoridade presidencial a burocratas não eleitos de Washington” e que ele “nem confia em sua vice-presidente”.

“Quem está governando o país?”, postou Trump.

Trump não é o primeiro integrante do Partido Republicano a questionar se Joe Biden está apto a cumprir o resto de seu mandato.

No domingo (23), o presidente da Câmara dos EUA, Mike Johnson, pediu que o presidente Joe Biden renunciasse “imediatamente” após o anúncio de que não buscaria a reeleição. “Se Joe Biden não está apto a concorrer à Presidência, ele não está apto a servir como presidente. Ele deve renunciar ao cargo imediatamente”, ponderou Johnson.

Casa Branca diz que pedidos de renúncia são “ridículos”

A secretária de imprensa da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, descreveu como “ridículos” os pedidos de alguns republicanos para que Joe Biden renuncie. “O presidente decidiu não concorrer à reeleição – foi isso, foi tudo que ele decidiu,” disse Jean-Pierre ao The View, da ABC.

“Ele quer continuar a fazer o trabalho, três anos e meio de um trabalho histórico sem precedentes, acho que isso mostra o que ele é capaz de fazer, acho que isso mostra quão importante é sua liderança”, complementou.

Pré-candidato a prefeitura de São Paulo, José Luiz Datena (PSDB) não descartou abrir mão da corrida eleitoral na capital paulista, caso o partido não lhe dê respaldo suficiente para continuar. A princípio, a candidatura será oficializada em convenção neste sábado, mas o apresentador citou a possibilidade e usou até o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, que desistiu de concorrer a reeleição neste final de semana, para justificar mais um possível abandono em entrevista à Folha de S. Paulo. No mesmo dia em que a matéria foi publicada, Datena cancelou uma agenda prevista para esta terça-feira.

“Até eu desconfio. Se continuar essa sacanagem de que o partido está conversando com outras pessoas para colocar dentro do partido sem me avisar, eu não vou ser candidato. Se o Biden pode desistir a qualquer momento, por que eu não posso? Desde o começo, falei: se me sacanearam, eu desisto mesmo”, afirmou Datena ao ser questionado sobre a desconfiança do eleitorado se ele de fato seguirá na disputa.

Apesar de garantir que tem com a confiança da executiva nacional, e citar os nomes do presidente da legenda Marconi Perillo, e de caciques como Aécio Neves e José Aníbal, o jornalista afirma que levou “tiros” de dentro da sigla por correligionários que preferiram apoiar o atual prefeito Ricardo Nunes (MDB).

“Boa parte do partido debandou para o Ricardo Nunes. Dinheiro e cargo. Há alguns dias trocaram a federação [PSDB-Cidadania] inteira de São Paulo. Fiquei sabendo depois. Mesmo assim, continuaram essas críticas idiotas, que só podem vir do intestino do partido” disse em outro trecho.

Datena ainda teceu críticas ao atual prefeito, a quem se refere como uma “marionete” do ex-presidente Jair Bolsonaro e do governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas, e ao deputado federal Guilherme Boulos(PSOL), que para ele seria o “fantoche” do presidente Lula. Na sequência, voltou a afirmar que não é possível continuar com a polarização.

Com uma trajetória política marcada por idas e vindas, em flertes com quadros de diferentes ideologias e siglas, Datena ainda não levou uma campanha até o fim em nenhum pleito. Antes, ele desistiu duas vezes de concorrer a uma vaga no Senado, e se absteve em outras duas oportunidades de tentar se eleger como prefeito e vice-prefeito em São Paulo — quando tinha melhores números nas pesquisas.

Do Jornal O Globo.