Faculdade de Medicina de Olinda 2

14/10


2019

Maia: Caixa rouba R$ 7 bi por ano com taxa do FGTS

Caixa rouba R$ 7 bi por ano do trabalhador com taxa do FGTS, diz Maia. Presidente da Câmara criticou a alta taxa cobrada pelo banco estatal para administrar o fundo e sugeriu quebra de monopólio.

Rodrigo Maia em entrevista para o 'Poder em Foco', programa do SBT - 14/10/2019 (SBT/Reprodução)

Da Redação de Veja

 

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que 7 bilhões de reais do lucro anual da Caixa Econômica Federal são “roubados” do trabalhador por meio da taxa de administração do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Em entrevista ao programa Poder em Foco, do SBT, na madrugada desta segunda-feira, 14, Maia criticou a alta taxa cobrada pelo banco estatal para administrar o fundo e defendeu que, caso esta taxa não seja reduzida, o governo abra espaço para que outras instituições financeiras sejam elegíveis para gerir o FGTS.

Para o deputado, o rendimento do FGTS não deveria ser utilizado pelo governo para subsidiar programas sociais, como o Minha Casa Minha Vida.

“Não é justo que o dinheiro do trabalhador, que é sócio deste fundo imenso que é o FGTS, seja usado como subsídio para construir a casa de outra pessoa”, disse. “Para o trabalhador, o FGTS pode ser a única poupança que ele tem”, declarou Maia.

Anteriormente, o parlamentar já havia criticado o monopólio do banco estatal. “Todo mundo é liberal, até a hora que mexe na sua ilha”, disse o presidente da Câmara no início de outubro.

(Com Estadão Conteúdo)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Detran

14/10


2019

Brasi fora da OCDE: mais que derrota

Foto: Reuters | Reprodução

O Globo  

Por Ascânio Seleme

 

Perder é ruim, perder para a Argentina é pior . A máxima do narrador e “filósofo” Galvão Bueno serve muito bem agora para explicar o vexame do governo Bolsonaro ao ser ignorado pelos Estados Unidos na carta de indicações para a OCDE.

O presidente e seus assessores explicaram que foi uma simples questão de “ timing ” e que a indicação do Brasil virá em um ano, um ano e meio. 

Pode ser, mas diante da instabilidade retórica e emocional de sua excelência, vai ser difícil ver seu pleito aprovado pela França de Macron ou a Alemanha de Merkel. Enquanto isso, a Argentina segue mesmo caindo aos pedaços.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

13° Bolsa Familia

14/10


2019

Equador: decreto da alta dos combustíveis é revogado

Clima no Equador vai de tensão e protestos a alívio e comemoração. Após negociação com indígenas, o presidente revogou o decreto que retirava o subsídio aos combustíveis.

Indígenas comemoram fim do decreto dos combustíveis, em Quito - Martin Bernetti/AFP

Folha de S. Paulo  - Sylvia Colombo

Quando Lenín Moreno, presidente do Equador, e Jaime Vargas, líder indígena, terminaram de falar, na primeira parte do diálogo iniciado às 17h30 (19h30 em Brasília) deste domingo (13), os equatorianos estavam desconsolados. Ouviam-se algumas panelas batendo nos edifícios, e as fogueiras do acampamento de El Arbolito, epicentro dos protestos em Quito, se faziam notar por sua usual fumaça negra.

Durante a primeira rodada de intervenções, os dois líderes pareciam muito longe de chegar a um acordo sobre o decreto do governo que retirava o subsídio aos combustíveis, motivo que ocasionou a onda de protestos. O presidente equatoriano dizia que o decreto era necessário porque quem lucrava com ele eram “os contrabandistas, os narcotraficantes, gente que já tem muito dinheiro”. Estava tenso e com tom desafiador.

Já o presidente da Conaie, que congrega as principais agremiações indígenas, foi também duro em suas respostas. Com a cara pintada e as roupas típicas, afirmava encarando Moreno que não haveria negociação de paz possível se o decreto não fosse derrogado na mesma noite.
Enquanto isso ocorria, o assunto nas ruas de Quito era como iria ser uma nova semana com distúrbios, as aulas estavam suspensas há onze dias, boa parte do comércio fechado, e a cifra de mortos vinha aumentando. O cheiro de fumaça e de gás lacrimogêneo impedia o trânsito dos pedestres na região central, e as dificuldades para locomoção deixou negócios e turistas parados.

A demora de ambos em voltar para finalizar a negociação não parecia bom agouro. Os indígenas retornaram antes à mesa, enquanto Lenín Moreno demorava. Depois de mais de uma hora de espera, o mandatário retornou com outro aspecto. Estava com olhar mais brando, a fala mais pausada. Por fim, anunciou a derrogação do decreto.

As ruas de Quito foram tomadas pela festa. Por volta das 23h (13h de Brasília), indígenas estavam correndo desde o parque El Ejido e pela avenida 6 de Dezembro, gritando “ganhamos, ganhamos!”. Outros subiam em caminhonetes e rodavam pelo local. 

Nos bairros de classe média, pessoas que haviam ficado o dia inteiro em casa desciam, conversavam em grupos. O toque de recolher ficou para trás. Ainda que governo e indígenas tenham a obrigação de conversar e chegar a um acordo sobre o novo decreto, e a rivalidade de Moreno com Rafael Correa continue a nublar o cenário, a segunda-feira começou no Equador com um alívio generalizado e uma esperança de um retorno ao cotidiano.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Limoeiro

14/10


2019

Ato por "Lula livre" toma Avenida Paulista em São Paulo

Manifestantes pedem "Lula livre" em protesto em São Paulo. As principais lideranças do PT, como Gleisi Hoffmann e Fernando Haddad, participaram do ato na avenida Paulista.

Manifestantes em ato pró-Lula na avenida Paulista, em São Paulo (13/10/2019) (Rahel Patrasso/Reuters)

Da Veja - Por Estadão Conteúdo

 

Apoiadores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se reuniram na avenida Paulista, em São Paulo, desde o início da tarde deste domingo, 13, para protestar contra a condenação do ex-presidente. Lula responde pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro e está preso em Curitiba desde 7 abril de 2018.

A manifestação foi convocada pelo Comitê Nacional Lula Livre e tem como objetivo denunciar falhas no processo que levou à prisão do ex-presidente, após condenação em segunda instância no caso do triplex do Guarujá.

Participaram do ato lideranças do Partido dos Trabalhadores (PT) como a presidente e deputada federal Gleisi Hoffmann (PT-PR), o candidato derrotado à Presidência pelo partido em 2018, Fernando Haddad, e o vereador Eduardo Suplicy. A deputada Luiza Erundina (PSOL-SP) e Guilherme Boulos também estiveram lá. Os manifestantes levaram um grande boneco com os dizeres “Lula livre” e se concentraram em frente ao Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (Masp).

No final de setembro, procuradores da força-tarefa da Operação Lava Jato entregaram à juíza Carolina Lebbos, responsável pela execução da pena do petista, uma manifestação pedindo a transferência de Lula para o regime semiaberto. Como resposta, ele escreveu uma carta respondendo que não aceita “barganhar” seus direitos e sua liberdade.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


13/10


2019

Bolsonaro: mestre em desperdiçar oportunidades

Foto: Osid e AFP/Arquivo/fonte:Correio

O Estado é laico

 

Presidente, que não foi à canonização de Irmã Dulce, é mestre em desperdiçar oportunidades

O Globo - Por Ascânio Seleme

 

O presidente Jair Bolsonaro tem razão. O estado é laico e ele não precisava mesmo ter ido a Roma para a cerimônia de santificação da irmã Dulce, a primeira brasileira a virar santa da Igreja Católica. Não importa se o Estado mandou o vice e três aviões da FAB repletos de autoridades, o presidente se deu o direito de não prestigiar a consagração. Não se pode criticá-lo por esta razão. A menos que se considere que há um mês ele foi ao maior templo da Igreja Universal, em São Paulo, ajoelhou-se aos pés do bispo Macedo para ser abençoado por um dos mais notórios charlatões do Brasil. E ainda rezou e chorou.

Francamente , Bolsonaro é mestre em desperdiçar oportunidades. Pode não ser praticante, pode não ser fiel, pode ser apenas da boca para fora, mas o seu currículo informa que ele é católico romano. Mesmo tendo cara e jeito de evangélico, o que não é nenhum demérito, o pai de Flávio, Carlos e Eduardo é católico. Não se conseguiria reunir argumento melhor para participar da cerimônia no Vaticano. Seria um ganho enorme sob qualquer ângulo que se observe, até pelo respeito e pela circunspecção que o ato envolve.

Mas, não , Jair Bolsonaro preferiu ficar no Brasil, batendo boca com o major Olímpio e com o Luciano Bivar. Aliás, nem sei. Talvez até o major tenha ido na comitiva do Hamilton Mourão a Roma. O fato é que a maior autoridade brasileira deu uma banana ao Papa Francisco e a Santa Dulce dos Pobres. Para um governante que baseia todo o seu discurso em Deus e na família, sua ausência na festa desta manhã parece um descarrilamento de trem de alta velocidade.

Mas como tudo em Bolsonaro tem razões explícitas, fica fácil explicar sua desfeita. Da mesma forma que ele atacou Raoni pelo fato de o cacique ter se encontrado com o presidente da França, Emmanuel Macron, que o capitão julga ser seu desafeto, agora ele esnoba a santa porque o Papa resolveu fazer um sínodo sobre a Amazônia. Imagine, deve ter pensado Jair, não vou colocar azeitona na empada do Papa. Parece um raciocínio ridículo, não vou me ofender se você disser isso, mas será que ele está muito distante das cavernas vazias que ocupam a cabeça do presidente?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Magno coloca pimenta folha

13/10


2019

Barris no litoral do NE: governo pede explicações a Shell

Derramamento de petróleo

Governo quer que a Shell explique aparecimento de barris no litoral nordestino. Empresa diz que barris são de lubrificante, e não de óleo, e nega que tenham relação com as manchas do Nordeste.

Foto/fonte: Brasil247

Folha de S. Paulo - Thiago Resende

 

O governo quer que a Shell explique o aparecimento de barris ligados à empresa no litoral do Nordeste.

Os barris, que têm a inscrição de um lubrificante fabricado pela empresa, foram encontrados na praia da Formosa, em Sergipe. O esclarecimento sobre o achado foi requisito pelo Ibama, a pedido do ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente).

A Shell Brasil esclarece que o conteúdo original dos tambores não tem relação com o óleo cru encontrado em diferentes praias da costa brasileira. "São tambores de lubrificante para embarcações, produzido fora do país. Ibama está ciente do caso", disse a empresa em nota.

A equipe do presidente Jair Bolsonaro ainda busca repostas a respeito das manchas de óleo em praias do Nordeste brasileiro. O número de pontos atingidos pelo derramamento de petróleo tem aumentado nos últimos 30 dias, mas ainda não se sabe a origem do vazamento.

Análises do Ibama e da UFBA (Universidade Federal da Bahia) apontaram que o óleo é venezuelano, o que o governo do país nega. Em comunicado conjunto, o Ministério do Petróleo e a empresa estatal de petróleo PDVSA disseram que não receberam nenhum relato de clientes ou subsidiárias sobre vazamentos de petróleo perto do Brasil.

Simulações de computador feitas por pesquisadores indicam que a origem das manchas de óleo nas praias do Nordeste está no alto-mar, a pelo menos 400 km da costa.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banner de Arcoverde

13/10


2019

BNDES: banco gasta milhões com ex-executivos

Os milhões gastos pelo BNDES com seus ex-executivos

Lucas Tavares | Agência O Globo
O Globo - Coluna de Lauro Jardim 
PoR Gabriel Mascarenhas

 

As trocas de comando em órgãos públicos têm um preço, quase sempre, superlativo. O BNDES gastou entre janeiro e agosto de 2019 — ano de estreia de governo e, portanto, recheado de substituições — R$ 3,9 milhões com ex-integrantes da sua diretoria: quase R$ 500 mil por mês.

Nessa fatura entram quarentenas, distribuições de lucros e outros benefícios previstos nos contratos dos executivos, pagos retroativamente.

Só para acertar as contas com o passado recente, entre janeiro e agosto, o BNDES desembolsou cerca de R$ 750 mil aos seus últimos três ex-presidentes.

Joaquim Levy já levou R$ 150,8 mil depois de ter sido demitido por Bolsonaro, em junho. Dyogo Oliveira, desligado ao fim do governo Michel Temer, em dezembro, recebeu R$ 546,1 mil neste ano. O antecessor dele, Paulo Rabello de Castro, exonerado em março do ano passado, levou R$ 58,3 mil em retroativos ao longo de 2019.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


13/10


2019

Rede de academias: oito clientes presos na Lava Jato

Rede de academias já conta oito clientes presos na Lava Jato. Alunos tiveram que cancelar matrícula na Bodytech de Brasília.

Foto: Emily Almeida / Agência O Globo                                                            Foto/fonte: terça livre
Época - Guilherme Amado

 

As quatro filiais da Bodytech de Brasília já contabiliza oito alunos que tiveram que cancelar suas matrículas por terem sido presos na Lava Jato.

O curioso é que um dos donos do empreendimento, Alexandre Acioly, também foi citado na Lava Jato, em meio às investigações contra Aécio Neves.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha