Cidades são suspeitas de criar turmas fantasma de alunos para desviar verba da educação

Da Folha de São Paulo

Dezenas de cidades do país podem estar recebendo mais recursos públicos do que deveriam por meio de matrículas fantasmas em cursos de EJA (Ensino de Jovem e Adulto). A suspeita é que os municípios aumentaram artificialmente o número de estudantes nesta etapa para conseguir mais verbas federais.

A Folha identificou 108 cidades que tiveram grande variação na quantidade de matrículas no programa de 2021 a 2022 e que informaram ter mais de 10% da sua população na modalidade.

Num município de Alagoas, a prefeitura sorteou três motos para incentivar o cadastro de alunos, mas muitos não vão às aulas. Em uma cidade da Bahia que tem 20% de sua população matriculada no EJA, a verba do programa já representa metade das receitas locais. Procuradas, a maioria das prefeituras negou irregularidades.

O caso envolve as disputas por verbas do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação), que é financiado por um cesto de impostos.

Os recursos do fundo são distribuídos para estados e municípios de acordo com a quantidade e tipo de matrículas em cada localidade. Assim, se uma cidade aumentar de maneira artificial o número de alunos, vai conseguir receber mais dinheiro, prejudicando outras.

O dinheiro só pode ser usado na educação. A única exigência para a verba recebida via Fundeb é que 60% do total sejam utilizados para pagar o salário dos professores. Além disso, os valores não podem ser usados para pagar merenda escolar e para remunerar profissionais da Educação em desvio de função.

As 108 cidades com grande variação informaram ao governo federal ter tido um crescimento médio de 14,4% nas matrículas de EJA de 2021 para 2022, sendo que no país como um todo teve uma queda de 6,3% no período.

Com isso, elas receberam quase R$ 1,2 bilhão a mais do que teriam se a situação informada fosse similar à tendência nacional. A quase totalidade dessas cidades está no Mapa de Risco do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, ligado ao Ministério da Educação), indicador que agrega 520 cidades em que há indícios de problemas nas declarações feitas ao Censo Escolar.

O presidente do Inep, Manuel Palacios, afirmou que quando são detectadas grandes discrepâncias nas informações os casos deixam de figurar como suspeitos de erro de preenchimento e “entram na esfera criminal”.

Procurado, o Ministério da Educação disse que as denúncias são tratadas e investigadas. “Isso não significa a ausência de falhas. São mais de 5.500 sistemas de ensino compartilhando um fundo de financiamento. Mas é preciso ter em conta que o Brasil produziu uma belíssima arquitetura institucional de financiamento da Educação”.

A Folha visitou em agosto três das cidades com variações suspeitas na quantidade de alunos.

Uma delas é Novo Triunfo (BA), que tem 10.660 habitantes e 2.151 matrículas no EJA, ou seja, 20% da sua população. Um salto em relação a 2020, quando tinha 30 alunos na modalidade.

Com isso, elevou sua verba para uma projeção de R$ 30,4 milhões, o que representa cerca de metade das receitas do município.

Nos períodos em que visitou as três escolas municipais da cidade, a Folha não encontrou movimentação de alunos do EJA que tenha chegado perto dos números informados ao Ministério da Educação.

Na maior escola da cidade em número de matrícula de jovens e adultos em 2022, a Maria Simões, havia presença apenas de alunos de ensino fundamental ensaiando para o desfile do 7 de Setembro, mas não turmas do EJA —pelos números informados, deveria haver 315 alunos.

De acordo com a diretora da escola, Liliane Moreira, a unidade estava sem aulas porque os alunos estavam trabalhando na colheita.

Funcionários dessa escola e da segunda maior da cidade na área urbana (253 matrículas), a Tia Arcanja, relataram, sob condição de anonimato, que a média de alunos do EJA em cada escola é de 80 alunos, bem abaixo do que foi informado no Censo Escolar.

Procuradas, a prefeitura e a Secretaria de Educação não responderam aos questionamentos da reportagem.

Já a cidade alagoana de Maravilha tem um terço de sua população inscrita no EJA, de acordo com os registros oficiais, 3.071 pessoas de um total de 9.500 habitantes.

De acordo com relatos colhidos na cidade, todos na condição de anonimato, muitos dos alunos não assistiram a nenhuma aula.

A Secretaria de Educação da cidade paga uma bolsa para estimular a permanência no EJA e organizou o sorteio de três motos no início do ano passado para estimular a população a informar nome e CPF, passos necessários para a matrícula no programa.

A cidade é comandada por um clã político influente em Alagoas. A prefeita, Maria da Conceição de Albuquerque, é irmã do deputado estadual Antonio de Albuquerque (Republicanos), que está no parlamento estadual há oito mandatos. Outra irmã, Rosa de Albuquerque, é conselheira do Tribunal de Contas.

Um dos filhos de Antonio, Nivaldo Albuquerque (Republicanos), foi deputado federal entre 2018 e 2022. Outro, Arthur Albuquerque, (Republicanos), foi candidato a vice-governador na chapa de Rui Palmeira (PSD).

A prefeita não quis responder aos questionamentos e indicou a secretária de Educação da cidade, Adriana Paulino. Ela negou que o sorteio de motos tenha sido uma tentativa de inflar artificialmente as matrículas. “[Foi] uma forma de valorizar as matrículas de todas as etapas e modalidades de ensino realizadas na rede pública municipal”, disse.

“Todos os pagamentos de bolsa de auxílio permanência para os estudantes da educação de jovens, adultos e idosos são realizados sob análise e garantia dos requisitos previstos na lei municipal, não ocorrendo a possibilidade de pessoas receberem sem a matrícula na rede e sem a participação efetiva em sala de aula.”

O sorteio não foi realizado novamente em 2023 e com isso o número de matrículas caiu para 1.500 este ano, em números preliminares.

A Folha localizou pessoas inscritas pela cidade, mas que dizem não frequentar as aulas.

Um casal da zona rural da cidade se matriculou no EJA no início deste ano, por exemplo, mas afirma não ter ido a nenhuma aula. Em outro relato, a mãe de uma professora também disse que está matriculada sem nunca ter frequentado o curso.

Apesar disso, ambos receberam a bolsa permanência criada pela prefeitura em julho, que paga R$ 50 a cada pessoa pela matrícula, mais R$ 100 por mês.

A reportagem visitou duas escolas da zona urbana da cidade e conversou com integrantes da diretoria de ambas. Uma servidora afirmou que a cidade como um todo tem cerca de 400 alunos regulares de EJA, número bem distante dos 1.500 declarados ao Inep.

A coordenadora do EJA em outra escola, Vandilma Silva, disse que o número de matriculados reais no local onde trabalha era menor ainda, 173 matrículas, mas que somente 40 compareciam às aulas regularmente. A reportagem contou 32 alunos entrando na escola quando esteve lá.

Ministério Público disse ter detectado quase 10 mil alunos fantasmas em PE

O MPF (Ministério Público Federal) moveu no ano passado uma ação que levou a cidade de Custódia (PE) a depositar em juízo cerca de R$ 35 milhões, pouco mais da metade do orçamento do município. Segundo a ação, o município teria aumentado de maneira artificial a quantidade de alunos no EJA para conseguir mais verbas.

Com isso, segundo a petição dos procuradores, houve a criação de “um amplo cabide de empregos para professores sem capacitação mínima, contratos sem impessoalidade, por meio de indicação política ou com base em arregimentação de alunos, e que não exerciam regularmente suas funções letivas”.

Em 2021, o Inep realizou uma visita ao município e excluiu 8.779 das 9.500 matrículas de EJA da cidade, reduzindo o contingente de alunos para 739.

Apesar disso, há indícios de que a situação continue. No ano passado, foram 4.100 matrículas, ou 11% da população da cidade, que é de 37,7 mil pessoas. Em 2023, são 3.400 matrículas.

Uma professora, que não se identificou com medo de ser punida pela administração local, relatou que no meio do ano passado recebeu uma lista da prefeitura com 60 alunos, dos quais somente 19 foram localizados e 13 frequentaram as aulas.

No fim do ano letivo, ela diz ter sido obrigada pela direção a fazer uma caderneta aprovando os 60 alunos da listagem original.

Há na cidade um quilombo chamado Buenos Aires. Nele estão duas escolas que juntas deveriam ter mais de 1.500 alunos de EJA. Na noite em que a reportagem esteve lá, as duas unidades estavam fechadas apesar de ser um horário de aula.

A reportagem conversou com duas mulheres que estavam matriculadas no curso, mas disseram nunca ter frequentado nenhuma aula.

Sob anonimato, elas disseram ter sido procuradas por professores de EJA para se matricularem em troca de cestas básicas mensais que seriam dadas mesmo se elas não fossem às aulas. Elas receberam somente uma cesta com alimentos estragados, afirmam.

O secretário de Educação de Custódia, Alysson de Yolanda, disse que na cidade “não tem nenhum caso de alunos fictícios” e que desconhece suspeitas nesse sentido.

Veja outras postagens

Em reunião com lideranças de Capoeiras, na tarde deste sábado (24), o presidente da Assembleia Legislativa de Pernambuco, deputado Álvaro Porto, reafirmou apoio à pré-candidatura do prefeito Nego do Mercado, que disputará a reeleição, e comemorou a chegada de reforços ao palanque do gestor municipal. 

“A pré-candidatura de Nego está se fortalecendo a cada dia. A adesão da vereadora Verônica Araújo, a mais votada de Capoeiras, demonstra que o projeto da reeleição só tende a crescer. Muitas outras lideranças estão chegando para o nosso grupo”, disse.

De acordo com o deputado, a probabilidade de crescimento é tão positiva que a expectativa é que Nego do Mercado não tenha concorrentes. “Pelo andar da carruagem, Capoeiras pode ter uma candidatura única”, afirmou. 

“A gestão de Nego é marcada pela competência. A população e os adversários reconhecem isso. Vamos caminhar juntos em busca de uma nova vitória e seguir trabalhando pelo povo de Capoeiras”, completou. 

Participaram da reunião, além de Porto, Nego do Mercado e da vereadora Verônica, o ex-prefeito Neném, o vereador Alysson Farias e lideranças de Capoeiras. 

Por Delmiro D. Campos Neto*

Essa é a pertinente indagação feita pelo CEO do Fortaleza, Marcelo Paz, após o atentado criminoso praticado por vândalos travestidos de torcedores do Sport, no último dia 21.02.24, após partida válida pela Copa do Nordeste, na Arena Pernambuco.

Em resumo, o ônibus da delegação do Fortaleza foi alvejado por pedras e bombas, tendo o clube cearense, além dos danos materiais, uma série de danos pessoais e lesões graves em seu elenco, cujas sequelas pessoais e coletivas ainda são inimagináveis.

Estamos a gritar contra uma violência bem conhecida, fruto de associações criminosas compostas por meliantes transvestidos de torcedores organizados, em clara cortina de fumaça para a prática dos mais variados crimes.

O fato ganhou ainda mais notoriedade com o protagonismo célere e prudente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva, que em menos de 48 horas após o evento, recebeu denúncia apresentada por sua Procuradoria-Geral. Tendo o Auditor relator decidido liminarmente pela proibição da presença de torcedores do Sport Club Recife em todas as competições organizadas pela CBF, como a Copa do Nordeste, Copa do Brasil e o Brasileirão.

Em Pernambuco uma série de críticas estão sendo disparadas na imprensa e nas redes sociais, com o resgate de manchetes retratando violências análogas, em que a competência da Justiça Desportiva foi declinada.

Importante discernir que a atuação das autoridades policiais, do Poder Judiciário, do Ministério Público e da Justiça Desportiva são autônomas e independentes. Por outro lado, podem atuar de forma concomitante, bem como emprestarem entre si seus acervos probatórios.

Pernambuco vem protagonizando eventos violentos impensáveis. Há 11 anos tivemos o caso “Lucas Lyra”, onde um jovem apaixonado pelo Náutico, que estava indo a um jogo do clube, nos Aflitos, quando houve uma confusão envolvendo alguns torcedores do Sport, que estavam em um ônibus que passava em frente ao estádio.

No tumulto, um segurança que fazia a escolta de determinado veículo, atirou na cabeça do alvirrubro. O jovem passou três anos internado, recebendo alta apenas em 2016, tendo perdido a audição, adquirido osteoporose, com o lado esquerdo do corpo paralisado e quase não enxerga com o olho direito. Ainda segundo relatos da família, ele sente dores 24 horas por dia, aliado a um problema sério de engasgo.

Há 11 anos, outro crime horrendo, absurdo e sem precedentes no futebol brasileiro, desta feita envolvendo o Santa Cruz, quando um dos vândalos, que dizia ser torcedor do clube, resolveu “arrancar” e arremessar do alto da arquibancada do Estádio José do Rêgo Maciel – Arruda -, um vaso sanitário. O que determinou o óbito de Paulo Gomes da Silva, de 26 anos, que estava fotografando um confronto de torcidas organizadas, após um jogo do Santa Cruz contra o Paraná Clube, pela Segunda Divisão do Brasileirão.

Estou trazendo à memória esses dois episódios porque em ambos os casos eu já defendia a necessária atuação da Justiça Desportiva de Pernambuco, por entender que a interpretação restritiva dada ao art. 213 do CBJD, em especial no que versa sobre as praças desportivas e seu alcance, precisava ser enfrentada, dada a celeridade e a efetividade da justiça desportiva, que já teria julgado definitivamente os casos e produzido os efeitos pedagógicos em relação a eventos dessa natureza.

A necessária reação da Justiça Desportiva não é dirigida a Pernambuco ou ao Nordeste, como a imprensa local vem querendo incutir no torcedor. A liminar concedida em sede de medida cautelar tem natureza precária, e ainda é suscetível de revisão, quando do enfrentamento do processo.

O conceito de praça desportiva tem que ser amplo, “aberto” às nuances e circunstâncias decorrentes do evento. Atos criminosos, e no caso, a clara tentativa de homicídio, reclama a atuação da justiça comum e das autoridades policiais, e obviamente a identificação e responsabilização dos envolvidos.

Entretanto, como o ato é decorrente do evento jogo, não há porque suscitarem dúvidas quanto a competência da justiça desportiva, muito menos sob justificativas relativas à distância entre o local do atentado e do jogo. Soma-se ao exposto o fato de que os ônibus que transportam as delegações devem ser considerados como recinto esportivo.

Com respeito aos precedentes envolvendo atos de violência entre vândalos, que se dizem torcedores de clubes do Sudeste e Sul, em que a Justiça Desportiva declinou da sua competência, por entender não terem sido afetos às respectivas praças desportivas, é nosso dever buscar o amadurecimento e o aprofundamento das decisões. 

As leis são estáticas e a sociedade é dinâmica, de modo que o julgador e os estudiosos devem levar em conta essa evolução social. Logo, buscar o melhor disciplinamento das questões afetadas à prática do desporto, tem o nítido propósito contributivo, objetivando combater a violência dentro e fora dos estádios, em respeito, principalmente, à sociedade

Não estamos a discutir as causas da violência (sociais, econômicas, políticas públicas e de segurança, etc.) que testemunhamos nos entornos dos estádios, longe disso, o desejo aqui é fomentar o debate em torno da necessária responsabilização dos clubes quando deixam de tomar providências capazes de prevenir e reprimir atos criminosos. Até porque o próprio Código Brasileiro da Justiça Desportiva apresenta excludente de responsabilidade (§3° do art. 213), quando identificados e responsabilizados os respectivos vândalos, dentre outras exigências.

Parabéns à Procuradoria do STJD de Futebol, em nome do nosso Procurador-Geral Ronaldo Piacente, por sua atuação autônoma, imparcial e que muito vem contribuindo para o fortalecimento do futebol brasileiro. Oxalá que o Superior Tribunal de Justiça Desportiva enfrente o tema a partir desse trágico evento, ampliando a interpretação em relação à praça desportiva.

*Procurador do STJD de Futebol, Procurador-Geral do STJD de Surfe, ex-Presidente do TJD de Futebol de Pernambuco (2020) e com atuação na justiça desportiva desde 2005.

Jaboatão dos Guararapes - Dengue 2024

Na manhã desta sexta-feira (23) houve a eleição para o diretório do Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB), em Brasília. Dos 128 eleitores aptos, 56 votaram, sendo a chapa representada por Leonardo Alves escolhida com 30 votos, enquanto a outra chapa, representada por Ednazio, recebeu 23 votos. 

Antônio Campos esteve presente na votação. Ao final da decisão, o pernambucano foi convidado pela nova presidência do PRTB, através de Leonardo Alves e da viúva de Fidélis, Drª Aldineia, para permanecer no partido e continuar lutando por Olinda.

Petrolina - Bora cuidar mais

O prefeito de Garanhuns, Sivaldo Albino (PSB), se lançou oficialmente como pré-candidato à reeleição. O anúncio foi feito hoje, durante a Agenda 40, tradicional evento de mobilização do PSB. Na ocasião, o gestor também confirmou que a candidatura a vice em sua chapa será fruto de uma indicação do PT e terá o nome divulgado até o fim do prazo das convenções partidárias, em agosto. O evento reuniu deputados, vereadores, dirigentes partidários, secretários municipais e centenas de militantes no auditório da Federação dos Trabalhadores Rurais, Agricultores e Agricultoras Familiares de Pernambuco (Fetape).

Em seu discurso, o prefeito lembrou o início difícil de sua gestão e agradeceu à população pela confiança. “Ouvimos as críticas com humildade, mas não baixamos a cabeça naquele período. O povo confiou em nós e hoje temos 73% de aprovação. A gente está pavimentando ruas, fazendo escolas, creches e unidades de saúde, mas vamos fazer uma campanha muito transparente, mostrando o que ainda falta a gente fazer. Digo ao povo de Garanhuns: vamos buscar nas ruas, nos distritos, na zona rural. Estou pronto para fazer esse debate e uma campanha propositiva”, discursou.

O presidente estadual do partido, deputado Sileno Guedes, reforçou que “onde o PSB chega, transforma para melhor” e que, por isso, “o povo quer que a gente continue fazendo um grande trabalho nesta cidade”. Para o deputado federal Pedro Campos (PSB), a tônica da campanha vai ser mostrar “que o time do 40 representa valores, democracia, saber ouvir, saber fazer e trabalhar por quem mais precisa”. Já o presidente municipal do PSB, Dorgival Figueiredo, saudou lideranças da política, da cultura, da saúde e da educação que se filiaram ao PSB durante o evento.

Em participação por vídeo, o prefeito do Recife, João Campos (PSB), que é vice-presidente nacional do partido, disse que o legado dos ex-governadores Miguel Arraes (1916-2005) e Eduardo Campos (1965-2014) é uma grande escola para fazer uma política que transforme a vida das pessoas. “Sivaldo é um grande quadro da política. Ele aprendeu com nossas grandes referências a fazer o que é certo com gosto e determinação, o que se comprova na sua gestão. Conte sempre comigo e com nosso partido”, declarou.

Ipojuca - App 153

A vice-governadora de Pernambuco, Priscila Krause, afirmou hoje que o presidente Lula errou ao comparar os ataques israelenses à Faixa de Gaza com o Holocausto. Priscila, que é judia, ressaltou que o líder petista “continua errando ao não pedir desculpas ao povo judeu”.

“Assisti ontem ao filme ‘Zona de Interesse’ e nada, absolutamente nada, é comparável ao holocausto. O presidente Lula errou feio ao fazer absurda comparação com o que acontece hoje ao que aconteceu no passado”, escreveu a vice-governadora em suas redes sociais.

O filme citado por Krause está em exibição nos cinemas e narra um complexo caso de amor entre um oficial nazista e a esposa de um comandante do campo de concentração de Auschwitz.

“O Hamas é um grupo terrorista que coloca à prova não só a coexistência de dois povos, judeus e palestinos, mas também a paz mundial. Diante disso, acredito que a voz na diplomacia mundial precisa ser pela busca incessante de soluções que desarmem esse cenário de guerra e terror”, complementou Priscila.

Citi Hoteis

Um decreto da governadora Raquel Lyra publicado na edição deste sábado (24) do Diário Oficial do Estado criou um grupo de trabalho intersetorial com o objetivo de acelerar as contratações de mais de 10 mil empreendimentos habitacionais no Estado. As moradias são selecionadas no âmbito do programa Minha Casa, Minha Vida, com recursos do Fundo de Arrendamento Residencial (FAR). O grupo é formado por seis órgãos estaduais e visa garantir a liberação das licenças no tempo necessário para contratar os empreendimentos com a Caixa Econômica Federal (CEF), agente financiador do programa federal, dentro do prazo previsto pelo Ministério das Cidades, ou seja, 15 dias após a solicitação ser protocolada.

O Grupo de Trabalho será responsável por estabelecer os parâmetros para a emissão dos documentos necessários à viabilidade técnica dos empreendimentos. Além disso, o grupo também irá formalizar os contratos habitacionais das 10.276 unidades destinadas ao Estado.

“Agora nós temos uma nova cultura de trabalho no Estado. Antes, as nossas equipes técnicas não trabalhavam com foco voltado para entrega. Isso mudou. Nossos técnicos, hoje, trabalham com meta e prazo para garantir o que a sociedade espera da gente, o benefício na vida das pessoas e não apenas a assinatura de uma obra ou a licitação publicada”, afirmou a governadora Raquel Lyra.

A equipe será composta por dois representantes de cada um dos seguintes órgãos e entidades: Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação, Corpo de Bombeiros Militar de Pernambuco, Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa), Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH), Companhia Estadual de Habitação e Obras (Cehab); e Agência Estadual de Planejamento e Pesquisas de Pernambuco (Condepe/Fidem).

Participam como convidados técnicos da Caixa Econômica Federal, NeoEnergia, construtoras selecionadas pelo Ministério das Cidades e municípios responsáveis pelas licenças. O grupo se reunirá semanalmente em caráter ordinário, e extraordinariamente quando convocado pela Seduh, que ocupará a presidência.

Cabo de Santo Agostinho - Refis 2023

A poetisa petrolinense, Arleide Carvalho, lança hoje (24) seu livro de poemas “Primeiros versos”, durante um encontro literário no Espaço Cultural da Vila Sônia, em São Paulo. Sua estreia na literatura, em um momento de amadurecimento literário e intelectual pautado na sua trajetória de leitora e escritora em constante construção, também acontece simultaneamente de forma virtual.

Neste seu livro de estreia, a autora flerta com o modernismo, fugindo dos padrões  estabelecidos pela rigidez acadêmica.  Ela voa por um mundo imaginário em seus textos soltos, heterométricos e versos brancos, além de uma pitada de Romantismo. Mas o “eu” poético da autora fica mesmo no seu mundo bem mais íntimo, característica  herdada, talvez, da sua formação em psicologia. “Não me apego somente à ideia de inspiração, mas quando ela vem, procuro corresponder ao radar da linguagem poética com cuidado de dizer o melhor possível com verdade e precisão”, diz a autora.

Caruaru - Geracao de emprego

Da Veja

Ao comparar a ação militar israelense em Gaza com o Holocausto, o presidente Lula não fomentou apenas uma crise diplomática. Ele também deu um tiro no pé na política interna, tomando para si o protagonismo da agenda negativa, que até então estava toda no colo de seu principal adversário, o ex-presidente Jair Bolsonaro.

Durante boa parte da semana, as suspeitas de que Bolsonaro comandou as articulações para um golpe de Estado perderam espaço no noticiário e no debate público. O desatino verbal de Lula também serviu de combustível para a convocação feita por aliados do capitão para o ato em apoio a ele marcado para este domingo (25), na Avenida Paulista, em São Paulo.

Nas redes sociais, os bolsonaristas exploraram à exaustão a desastrada comparação feita pelo presidente. Entre os dias 18 e 20 de fevereiro, houve 1,56 milhão de menções ao tema, segundo levantamento da Quaest consultoria. Do total, 68% eram de críticas ao presidente, e 32% em defesa dele. O saldo poderia ser pior não fosse o esforço deflagrado pelos governistas, ao perceberem o tamanho do prejuízo, para tentar equilibrar o jogo no universo digital.

Reação no Congresso

A comparação feita por Lula também foi criticada, com diferentes graus de intensidade, por líderes evangélicos, segmento no qual o petista enfrenta forte resistência. Até aliados no Legislativo fizeram ressalvas ao petista.

Conhecido por seu perfil conciliador, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, cobrou de Lula uma retratação por comparar a ação militar de Israel em Gaza ao Holocausto. “Ainda que a reação do governo de Israel (aos atos terroristas do Hamas) venha a ser considerada desproporcional, excessiva, violenta, indiscriminada, não há como estabelecer um comparativo com a perseguição sofrida pelo povo judeu no nazismo”, disse o senador.

O líder do governo na Casa, Jaques Wagner, um dos poucos quadros no PT com coragem para dizer o que pensa ao presidente da República, seguiu caminho parecido. Durante a sessão plenária, Wagner relatou ter dito o seguinte a Lula: ‘Não tiro uma palavra do que vossa excelência disse, a não ser o final’, porque, na minha opinião, não se traz à baila o episódio do Holocausto para nenhuma comparação”.

Belo Jardim - Patrulha noturna

Em cerimônia realizada em Recife ontem, a Prefeitura de Petrolina, através da Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos, assinou o termo de adesão junto ao Governo Federal e do Estado para a implantação da Casa da Mulher Brasileira.

A Casa da Mulher Brasileira é um importante equipamento de enfrentamento à violência contra a mulher, que vai permitir a ampliação do serviço de proteção e acolhimento da mulher petrolinense. Irá oferecer às assistidas apoio psicossocial através de uma equipe multidisciplinar que prestará atendimento continuado, promovendo resgate da autoestima, autonomia e cidadania.

De acordo com o termo de cooperação técnica, o Município irá receber do Governo Federal o valor de R$ 7,5 milhões para a construção do equipamento e mais R$ 2,5 milhões para custeio. A previsão de entrega é para 2025. Em Pernambuco, apenas três cidades foram contempladas com o equipamento: Petrolina, Recife e Caruaru. 

Casa da Mulher Brasileira:

A Casa da Mulher Brasileira é uma inovação no atendimento humanizado às mulheres, que irá integrar no mesmo espaço serviços de enfrentamento à violência contra a mulher oferecidos tanto pelo Município quanto pelo Estado, proporcionando um atendimento integral e ágil.

Vitória Reconstrução da Praça

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, representantes da UE (União Europeia) e do Canadá participaram hoje de um ato em Kiev que marca 2 anos da guerra contra a Rússia.

“Agradeço cada pacote de assistência que ajuda os nossos soldados a lutar e fortalece o nosso Estado. Agradeço todas as decisões de sanções contra a Rússia. E agradeço por cada passo que nos permite levar esta guerra a um fim justo”, escreveu o líder ucraniano em publicação no X (antigo Twitter). As informações são do Poder360.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e os primeiros-ministro da Itália, Giorgia Meloni, da Bélgica, Alexander De Croo, e do Canadá, Justin Trudeau, participaram de um evento na praça Mykhailo, na capital da Ucrânia, em memória aos soldados mortos no conflito.

Mais cedo, também pela rede social, Zelensky agradeceu aos Estados Unidos por “imporem o maior pacote único de sanções contra a Rússia”. “Mais de 500 alvos sancionados no setor financeiro, na indústria militar, nas redes de evasão e evasão de sanções, nas indústrias de energia, mineração e metalurgia da Rússia; responsabilizar os criminosos pelas deportações forçadas de crianças ucranianas; e novas restrições à exportação da máquina de guerra russa”, descreveu o presidente ucraniano.

Conforme Zelensky, o presidente russo, Vladimir Putin, “não valoriza vidas humanas, mas valoriza o dinheiro. E a única coisa que ele teme são as decisões ousadas do mundo livre. Temos de privar a Rússia de Putin de todos os meios e maximizar a pressão das sanções para que Moscou deixe de poder financiar a sua guerra”.

Sobre o fim da guerra, Zelensky disse que isso só acontecerá se houver justiça: “É por isso que quando se trata de acabar com a guerra, acrescentamos sempre: nos nossos termos. É por isso que, junto com a palavra paz, há sempre outra palavra: justo. É por isso que, no futuro, a palavra independente aparecerá sempre ao lado da palavra Ucrânia”.

Zelensky também anunciou novos acordos de apoio internacional para as “próximas semanas”, mas não detalhou.

Um carro furou o bloqueio na chegada ao Palácio da Alvorada, residência oficial do presidente da República em Brasília, que se encontrava no local. Segundo fontes, os agentes do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) atiraram contra o veículo. O primeiro disparo foi de advertência, ainda na altura do Palácio do Jaburu, residência do vice-presidente. 

Em nota, a Polícia Federal afirmou que já iniciou as diligências para elucidar as circunstâncias. O diretor-geral da Polícia Federal determinou à Diretoria de Proteção à Pessoa (DPP) a instauração de inquérito policial. A corporação aguarda comunicação formal do Gabinete de Segurança Institucional, responsável pelos bloqueios e abordagem, relatando detalhes do ocorrido para auxiliar nas investigações. As informações são do portal R7.

Após os disparos, o carro retornou, passou por cima da barreira de fura-pneu, quando recebeu outro tiro. Após o segundo disparo, ele foi embora com tiro e pneu furado. Até o momento não houve prisão e um dos motivos seria o fato de não terem anotado a placa. O outro motivo para demora seria o fato de não haver câmeras próximo ao jaburu.

Apesar do incidente, a movimentação no Palácio da Alvorada ao longo do dia está tranquila. O presidente Lula passa o final de semana em Brasília. Na semana que vem, o presidente viaja para a Guiana, onde participa da 46ª Cúpula do Mercado Comum e Comunidade no Caribe (Caricom). Em seguida, segue para a Ilha de São Vicente e Granadinas. Lá, participa da  Cúpula da Comunidade dos Estados da América Latina e do Caribe (CELAC).

Reincidência 

Em 2021, um homem de 45 anos foi preso depois de tentar invadir o Palácio da Alvorada. Uma equipe do Exército que faz a segurança do local impediu a entrada do homem no Alvorada ao efetuar um disparo de arma de fogo contra ele. Apesar disso, segundo a PM, o homem não ficou ferido.

Após ser detido pelos militares, o homem foi encaminhado à sede da Polícia Federal em Brasília. 

Após um período de reflexão sobre os rumos do grupo Boca Preta, a ex-prefeita Carmen Miriam anunciou seu retorno à política de Agrestina, assumindo a liderança do grupo. A decisão surge em meio ao rompimento entre o ex-prefeito Thiago Nunes e o atual prefeito Josué Mendes, abrindo espaço para uma nova configuração no cenário político local.

Em uma reunião realizada ontem, Carmen Miriam recebeu o apoio declarado de três dos 11 vereadores do município, sinalizando um fortalecimento inicial da sua posição. Há relatos promissores sobre um quarto vereador que demonstrou interesse em retornar ao grupo, solidificando ainda mais a base de apoio da ex-prefeita.

Carmen Miriam, ao assumir o protagonismo no grupo Boca Preta, enfatizou que está disposta a dialogar com todos os atores políticos, independentemente de suas filiações anteriores. Ela se coloca como a “fiel da balança” no atual cenário político de Agrestina, destacando que as portas estão abertas para construir alianças e parcerias em prol do desenvolvimento do município.

Quanto ao seu papel nas eleições futuras, Carmen Miriam mantém diversas opções em aberto. Ela pode se candidatar à prefeitura, ao cargo de vice-prefeita, indicar um candidato de confiança ou até mesmo concorrer ao cargo de vereadora. A flexibilidade nas opções reflete a abordagem estratégica da ex-prefeita para contribuir com a melhoria da governança local.

O retorno de Carmen Miriam à cena política de Agrestina promete agitar as futuras eleições, transformando-a em uma figura central e uma potencial influenciadora no destino do município. A sua disposição para o diálogo e abertura para alianças indicam um caminho interessante a ser seguido, enquanto a população aguarda ansiosamente os desdobramentos dessa nova fase na política local.