Blog do Magno 15 Milhões de Acessos 2

21/12


2020

Zé Múcio diz que falta um projeto ao País

Entrevistado no sábado passado no especial da Band News, com duração de uma hora, o agora ex-presidente do Tribunal de Contas da União, o pernambucano José Múcio Monteiro, fez uma análise profunda, lúcida e cirúrgica do País. Disse que os políticos brasileiros em geral estão politizando a vacina de imunização contra o coronavírus, afirmou que o Brasil vive também outra pandemia, a da corrupção, e foi claro: "O mal do Brasil é que os políticos antecipam as eleições, mas esquecem de discutir um projeto para o Brasil. Somos um País sem projeto, temos que fazer o nosso Pacto de Moncloa, pregou.

Na Espanha, o Pacto de Moncloa uniu o país no pós-franquismo. Foi conduzido por três personagens centrais: o presidente Adolfo Suárez, o primeiro-ministro Felipe Gonzales e seu braço direito Alfonso Guerra, o braço guerreiro de Gonzales.

O pacto reuniu partidos políticos, associações empresariais e sindicatos, visando dois objetivos: preparar o país para a democracia e debelar uma profunda crise econômica.

Para José Múcio, o Brasil vive um momento grave de divisionismo das instituições pilares de sustentabilidade da democracia: Executivo, Legislativo e Judiciário. "Ninguém se entende e isso corrobora para o agravamento da crise econômica do País, segundo ele. Múcio falou como estadista. Fez uma radiografia perfeita dos problemas cruciais do País e disse, por fim, que não aceitaria em hipótese alguma servir ao Governo Bolsonaro.

"O presidente tem boas intenções, mas seus grandes problemas estão em suas cercanias, em quem está em seu redor", disse sem citar nomes nem fazer referência aos filhos do presidente. Múcio disse que não aceitaria ser ministro de Bolsonaro depois de abrir mão de um mandato de dois anos e sete meses no TCU por um simples motivo: "Iriam dizer que abandonei uma corte de contas para virar ministro". Clique e assista!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Lula arrumou uma boquinha pra ele no TCU.

Fernandes

Derrotado por Arraes para governador.

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

Grande homem. Político coerente, respeitado. Um excelente articulador, principalmente pela sinceridade e pela verdade.


O Jornal do Poder

21/12


2020

Quando a terra era plana

Falar em pandemia, o bicho-grilo Adalbertovsky faz uma sinopse da Peste Negra, a maior tragédia sanitária ocorrida no planeta, idos remotos do século 14 e que se propagou durante 200 anos. Faz parte do livro dele sobre microsfera e temas correlatos. “A tenebrosa bactéria Yersinia pestis dizimou um terço da população da Eur-Ásia, em torno de 350 milhões de almas, o equivalente hoje a 1 bilhão de viventes.

“Naquele tempo a terra era plana e o círculo era quadrado. O mundo começava e acabava na Eur-Ásia, com raízes na África. As doenças provinham de miasmas emanados das entranhas da terra. O mundo era povoado por bruxas, feitiçarias, deuses inclementes e flores do mal. Os pecados da carne, do sexo, rendiam maldição eterna. A Santa Inquisição da Igreja Católica queimava os hereges na fogueira. Dois séculos depois os inquisidores diziam na França que não queriam matar a camponesa pecadora Joana dos Arcos, queriam apenas fazer dela uma tocha humana para afugentar os demônios que atormentavam seu coração.

“De minha parte eu sempre fui terraplanista. Somente deixei de sê-lo quando meu amigo Galileo Galilei revelou que a terra é redonda e gira solta no espaço, inclusive domingos, feriado, dias santos e nos anos bissextos. Desvelado o véu de noiva do Novo Mundo, as Américas, os navios navegaram na linha do horizonte dos mares e a terra deixou de ser plana. Foi a maior tragédia sanitária do planeta, mudou a história da humanidade e o mundo demorou mais de dois séculos para se recuperar do apocalipse.  

“Prefácio – O meu livro está sendo enriquecido com prefácio primoroso do professor Nestor Accioly, intelectual culto e refinado. Diz o mestre Nestor: “Adalbertovsky luta, também, com palavras. Sua ironia peculiar perpassa análises objetivas e subjetivas. Transforma determinados conhecimentos menos palatáveis em guloseimas apetitosas. (....) Este livro deve ser lido. Ninguém sairá incólume após a sua leitura. (....)”. Entonces, meta os peitos!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

MICHEL ZAIDAN, bicho-grilo.


Abreu no Zap

21/12


2020

Coluna da segunda-feira

Que inveja do Ceará!

Na época dos coronéis cearenses, de César Cals, passando por Adauto Bezerra, Virgílio Távora e Gonzaga Mota, entre os anos 70 e 80, Fortaleza era uma província, Recife já era a capital do Nordeste, independente do poderio econômico de Salvador, movido ao óleo cru do petróleo. O tempo se encarregou da renovação política e administrativa. O grande timoneiro saiu do meio empresarial, um homem já rico, que se fez grande gestor e produziu uma escola de gestão alicerçada do chamado Estado-empresa.

Atende pelo nome de Tasso Jereissati, governou o Ceará com visão empresarial. Acabou com as mamatas. Só de jornalistas, demitiu mais de 200 parasitas que sugavam o erário nem nunca dar um dia de expediente. Cortou na carne, passando a navalha até reduzir despesas de pessoal de 70% para pouco mais de 40%. Pôs fim aos privilégios, criou um plano estratégico, leis específicas para atrair capital privado. O Estado, notadamente a capital Fortaleza, passaram a escrever um novo paradigma.

Nunca mais o Ceará regrediu. Tasso fez escola, elegeu Ciro Gomes, Ciro deu prosseguimento às mudanças e os Gomes nunca mais foram derrotados. Há pouco, cria dos Gomes, o prefeito Roberto Cláudio (PDT) elegeu um poste como sucessor, Sarto Nogueira, que começou a vida pública como vereador, foi eleito deputado estadual e é, atualmente, presidente da Assembleia Legislativa.

Tasso é, hoje, senador da República, Ciro eterno candidato ao Planalto, Roberto Cláudio pinta como sucessor do governador Camilo Santana (PT), em 2022. Essa escola de bons gestores levou Fortaleza, quem diria, a um feito inédito: transformou-se no maior PIB entre as três capitais mais importantes do Nordeste, deixando Salvador para trás e levando Recife à condição de lanterninha, em terceiro lugar.

Os números, por si só, falam mais alto. Nos últimos dois anos, inclusive este crucificado pela pandemia, o Ceará foi porta de entrada para 56.528 negócios, um crescimento de 16,30%, segundo o IBGE. Só este ano, quando a pandemia engessou os negócios, foram constituídos 8.965 novos negócios, contra 7,708 empresas abertas no ano passado. O setor de serviços saltou para 30.149 registros, enquanto foram instaladas 5.502 novas indústrias e 20.877 aberturas de novos comércios.

Na prática, o Ceará teve a maior alta do Brasil na produção industrial. Só em julho passado, ainda em meio à pandemia, gerou 5,7 mil novos empregos. De acordo com o IBGE, o crescimento real da indústria cearense chegou a 354,5%. Ficou acima do Espírito Santo (28,3%), superou a média do Nordeste (17,5%) e bateu até o crescente Amazonas (14,6%). Ainda segundo o IBGE, a alta cearense é reflexo da retomada das atividades econômicas e unidades produtivas após a paralisação da Covid-19.

Diferente do Recife, que na gestão Geraldo Júlio (PSB), o incompetente e falastrão, cresce feito rabo de cavalo, para baixo, Fortaleza se agiganta por políticas públicas bem geridas, por um continuísmo gerencial que deu certo, no Estado e na capital, graças ao tino administrativo de Tasso Jereissati, que teve coragem e elevado espírito público para mudar a face de um Estado, a partir de 1987, que era visto apenas como o eldorado dos coronéis.

Mercado crescente – Secretário do Desenvolvimento Econômico do Ceará, o executivo Maia Júnior constata: “Parece que a fase mais difícil do ponto de vista econômico na pandemia começa a se dissipar. Nos meses de junho e julho, não só o comércio varejista, mas a agricultura e a indústria reagiram, com excelentes resultados”, diz ele, à propósito do segundo mês consecutivo que o Ceará desponta com excelentes resultados na sua recuperação econômica, independente dos baques da pandemia.

Quem puxa – No Ceará, no mês de junho, conforme atesta a pesquisa do IBGE, se destacaram no crescimento econômico os segmentos da confecção, têxtil e calçados, e em julho os serviços turísticos começaram a despontar, o que é natural com a volta do consumo no varejo, o que está ativando a recuperação do estoque da indústria. Se comparada com julho de 2019, a produção industrial cearense teve alta de 2,7%. As maiores altas na variação mensal foram registradas nas atividades de fabricação de produtos alimentícios (36,7%), na metalurgia (26,7%) e na fabricação de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis (24%).

Visão estratégica – Para o economista Alex Araújo, Fortaleza bateu Salvador baseada na boa adaptação do município à natural desindustrialização, já que as empresas saíram das capitais e foram para a Região Metropolitana. "Colocamo-nos num patamar superior ao que tinha Salvador, numa posição que é muito mais sustentável para o futuro. Essa posição de liderança deve ser mantida nos próximos anos", observa. Já o economista Wilton Daher, vice-presidente do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças do Ceará (Ibef-CE), analisa que os resultados positivos de Fortaleza estão muito relacionados a uma série de governos desenvolvimentistas que, mesmo representando diferentes visões políticas, criaram políticas de Estado que possibilitaram um desenvolvimento de longo prazo.

Fala do prefeito – Desde o início da série histórica, o crescimento de Fortaleza se mostra constante. Isso fez com que a Cidade saltasse de terceiro maior PIB do Nordeste, em 2002, superando Recife em 2003, e, a partir de 2014, aproximando-se de Salvador, até ultrapassar em 2018. Sobre o dado, o prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, comemorou dizendo que os números divulgados são resultado do trabalho e do suor de cada fortalezense, da coragem empreendedora do empresariado e do conjunto de estímulos, incentivos e investimentos públicos diretos realizados na economia. O gestor municipal ainda diz que a Cidade se consolida no cenário nacional e até continental pelo recente crescimento socioeconômico.

CURTAS

OUTRO MUNDO – Além de Fortaleza, outras cidades do Ceará ganharam destaque no levantamento do IBGE. No cenário regional, Maracanaú se tornou o 14º maior PIB e Caucaia o 29º. Puxado pelo desenvolvimento do complexo do Porto de Pecém, São Gonçalo do Amarante ficou entre os 100 maiores municípios em PIB per capita do País, com R$ 87.086 mil, quase o dobro da segunda maior no Ceará, Eusébio (R$ 46.830 mil).

QUE DIFERENÇA! – Somente entre 2017 e 2018, o PIB fortalezense cresceu 8,8%, de R$ 61,592 bilhões para os R$ 67,024 bilhões. Já a capital baiana teve resultado bem mais tímido, saindo de R$ 62,823 bilhões para R$ 63,526 bilhões, alta de apenas 1,1% no período. Mais atrás, Recife fechou 2018 produzindo R$ 52,4 bilhões em riquezas.

Perguntar não ofende: João Campos vai pegar em bomba com a herança maldita de Geraldo Júlio?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Nehemias Fernanda Jaques o víado com a maior Bunda do Cabo de Santo Agostinho.

Fernandes

O caso do Bolsonaro é inequivocamente um enorme distúrbio afetivo. Uma necessidade absoluta de ser aceito. Para Isso, sua estratégia é se fazer visto. O método, treinado por mais de trinta anos, é se pôr em clara contradição ao bom senso ou ao pensamento ideológico dominante. Tudo o que ele quer, pra dar vazão aos seus conflitos, é estar em evidência. marcos de camaragibe mamador de piroca, o queima rosca, não está gostando.

marcos

A esquerda está batendo cabeça para indicar um candidato a presidência. A preocupação é quem levará a Lapada menor. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

marcos

O nosso Presidente mito Jair Bolsonaro é Foda. Enquanto a maioria dos países está quebrando, o Brasil cresce. E viva o nosso Brasil.

marcos

Estimativa de crescimento da economia em 2021 aumenta, diz pesquisa...................................................O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), divulgou uma boa notícia para a economia brasileira: segundo o Instituto, a estimativa de crescimento da economia do país em 2021 passou para 4%, anteriormente previsto em 3,6%.



20/12


2020

Orquestra Criança Cidadã conclui temporada na Caixa Cultural

Com o sucesso da Abertura de Natal, na semana passada, a Orquestra Criança Cidadã volta ao palco do teatro da Caixa Cultural Recife para sua última apresentação do ano, agora com sua banda pop: o Núcleo Popular. A OCC transmitirá o recital ao vivo, nesta terça (22), às 19h, por meio de seu perfil no Instagram (@criancacidada) e seu canal no Youtube.

Criado em 2012 e coordenado pelo professor de teoria musical da OCC Manassés Bispo, o Núcleo Popular foca em um repertório multifacetado, eclético e refinado, sem preferência de gêneros musicais. O destaque do grupo é a vocalista Wanessa Mouta, ex-aluna da Orquestra, que interpretará três de suas composições no show: "Moça bonita", "A vida vai" e "James Bond".

“As minhas inspirações são muitas, eu estou sempre ouvindo um pouco de tudo. Adoro Elis, Alceu, Zé Ramalho, os grandes nomes da música que inspiram qualquer artista”, conta a cantautora, que já pensa nos próximos passos da carreira. “Para o futuro, pretendo trabalhar em projetos autorais aproveitando dos vários ritmos pernambucanos”, revela.

Além de Wanessa na voz e percussão, e do professor Manassés no violão, guitarra e coordenação, o grupo ainda é composto por Orlando Araújo no teclado, Thierry Santos e Rayanna Lima na percussão, Diego Dias no violoncelo e Alice Soares no baixo elétrico.

A Orquestra Criança Cidadã dos Meninos do Coque é um projeto social realizado pela Associação Beneficente Criança Cidadã, incentivado pelo Ministério do Turismo, por meio da Lei de Incentivo à Cultura, e que conta com patrocínio máster da Caixa Econômica Federal e do Governo Federal.

SERVIÇO
[MÚSICA] Recital online – Núcleo Popular da Orquestra Criança Cidadã na Caixa Cultural Recife
Data: 22 de dezembro de 2020 (terça-feira)
Horário: 19h
Duração: 30 minutos
Classificação: Livre
Patrocínio: Caixa e Governo Federal


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


20/12


2020

Decoração de Solânea (PB) deixa Recife no chinelo

Com pouco mais de 26 mil habitantes, a pequena cidade de Solânea, a 130 km de distância de João Pessoa, Paraíba, deixa a grande Recife no chinelo quando o quesito é decoração natalina. No último dia 15, o prefeito reeleito, Kayser Rocha (DEM), gravou um vídeo, em que mostra um verdadeiro espetáculo de cores na Praça 26 de Novembro.

Um verdadeiro cartão-postal de fim de ano, que faz qualquer recifense ficar corado, tamanha inoperância da atual gestão, deixando a cidade nas trevas e como legado a pecha de "capital brasileira da desigualdade".


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banco de Alimentos

20/12


2020

Serra Talhada vai receber consultoria de sustentabilidade

Serra Talhada foi selecionada pelo Instituto Recicleiros para receber uma assistência técnica de sustentabilidade pelos próximos cinco anos. Com isso, a cidade se torna a única de Pernambuco a ser atendida pela ONG. O anúncio foi feito pela prefeita eleita Márcia Conrado (PT), em encontro virtual durante a semana.

“A ONG Recicleiros é a maior do país no quesito sustentabilidade. Sua missão engloba a redução drástica da quantidade de resíduos enviados para aterros e lixões, a inclusão socioprodutiva qualificada e o desenvolvimento da cultura ambiental. Serra Talhada avançou através de uma gestão comprometida com a qualidade de vida da nossa população e irá continuar avançando. Estamos colhendo os frutos de um bom trabalho”, comentou Márcia.

A consultoria vai proporcionar à Serra Talhada assistência para a coleta seletiva, além da construção de um plano voltado ao descarte de lixo no município, o que garantirá a captação de recursos do setor privado na ordem de R$ 5 milhões.

*Com informações do blog Fala PE.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


20/12


2020

Prefeito eleito de Bananeiras (PB) recusa 13º

O prefeito eleito de Bananeiras, na Paraíba, Matheus Bezerra (MDB), já divulgou que não receberá o 13º salário a que tem direito. Este benefício foi criado pela Câmara Municipal para prefeitos, vices e vereadores desfrutarem. A informação foi dada ao jornalista Heron Cid.

 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Jornao O Poder

20/12


2020

Ajude garoto atingido por bala perdida em Itapetim

O garoto Yure Braga de Araújo, sete anos, está internado em estado grave no Hospital da Restauração, no Recife. Ele foi atingido por uma bala perdida na última sexta-feira (18), no distrito de São Vicente, em Itapetim, no Sertão do Pajeú.

Diante de sua grave situação, a família deu início a uma campanha financeira. As doações podem ser feitas por meio de depósito ou transferência na conta bancária da tia de Yure.

Confira os dados:

Delis Roberta Lino Araújo
Banco: Caixa Econômica Federal
Agência: 1296
Conta-poupança: 18805-6


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


20/12


2020

Bolsa Família pode parar nas mãos da Igreja Universal

Por Helena Chagas*

O pastor Marcos Pereira, presidente do Republicanos, desistiu de sua candidatura à presidência da Câmara para apoiar o candidato do Planalto e do Centrão, Arthur Lira. No jogo geral, foi um lance para reagir ao avanços de Rodrigo Maia em sua aliança com a oposição para lançar um candidato de união antibolsonarista. Na prática, pode sair muito caro, e não só para o governo, mas sobretudo para um contingente de milhões de brasileiros que hoje vive do Bolsa Família.

Os bastidores da operação que cooptou o Republicanos dão conta de que, em troca, foi oferecido a Marcos Pereira, ou a um nome por ele indicado, nada menos do que o Ministério da Cidadania. É a pasta que cuida daquele que ainda é o maior programa social permanente do governo — apesar de todas as tentativas de golpeá-lo nos últimos dois anos. A junção de Igreja Universal com Bolsa Família poderá ser explosiva — ou devastadora para boa parte da população pobre do país.

Já imaginaram a Universal de posse de todos os cadastros de pessoas necessitadas do país, com poderes para fazer a triagem de quem recebe e quem não recebe o auxílio? Pois é. O Estado laico tem ficado cada vez menos laico no governo Bolsonaro, e a influência evangélica nas pautas de comportamento e costumes é crescente. A ética do governo em relação ao quesito uso político da máquina, todo mundo sabe, é próxima de zero.

Se ninguém fizer nada, vamos ter a Universal azeitando a reeleição de Bolsonaro — e de seus próprios candidatos — com o Bolsa Família em 2022. De “Bolsa farelo”, como foi chamado pelo então deputado em priscas eras, o programa vai virar uma soma de “Bolsofamília” com “Bolsa igreja”.

*Jornalista


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

Helena, não fique aperreada não. O Rodrigo e suas ações junto com a \"esquerda\" já era. Seu ídolo, o Lula ladrão, também já era. Seus comentários não serve mais para nada. O Renato Riella mostrou que esses \"jornalistas\" que vivem fazendo discurso de esquerda, assim como os de direita, se não tiver fundamentos e verdade, ficam no vazio.