Blog do Magno 15 Milhões de Acessos

22/09


2006

Petistas tinham dólares não registrados no Banco Central

 O Jornal do Commercio informa que a Polícia Federal já sabe que parte dos dólares que foram encontrados com petistas e que serviriam para o pagamento do dossiê contra o candidato tucano ao governo de São Paulo, José Serra, entrou no Brasil sem ser registrado no Banco Central. O dinheiro seria entregue ao chefe da máfia das ambulâncias, Luiz Vedoin, que ontem negou ter negociado com a cúpula do PT. No JC também foi destacada a pesquisa Ibope sobre as eleições em Pernambuco, na qual o governador Mendonça Filho segue na frente com 35% das intenções de votos, enquanto que o candidato do PT, Humberto Costa e do PSB, Eduardo Campos têm 26%, cada.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

O Jornal do Poder

22/09


2006

O Povo: Polícia prende clonadores de cartões

 A polícia cearense descobriu um ramificação internacional da quadrilha de clonadores de cartões que operava nas cidades de Novo Oriente e Crateús. O dinheiro de cartões clonados era sacado em países da Europa e da América do Sul para dificultar o rastreamento das movimentações bancárias. Dois homens acusados de serem clonadores de cartões de crédito e bancário foram presos no Aeroporto Internacional Pinto Martins, quando tentavam embarcar para a Argentina. Com eles, foram apreendidos mais de 400 ''grades'' (cartões que contém dados clonados), um laptop e uma máquina usada para copiar trilhas magnéticas e regravá-las. Entre os presos uma surpresa: Wilson Sales dos Santos, 24 anos, era jogador de futebol. 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Abreu no Zap

22/09


2006

Cristovam já fala sobre hipótese de impeachment

 O candidato do PDT à Presidência, senador Cristóvam Buarque (DF), afirmou nesta quinta-feira, 21, que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), candidato à reeleição, é hoje o maior interessado na realização de um segundo turno, ''para não ser eleito com o carimbo de responsável por tudo isso que está acontecendo''. Embora evitasse falar em impeachment, o parlamentar advertiu para a possibilidade de o presidente ser reeleito e, ainda em outubro, as investigações o apontarem como responsável pela compra do Dossiê Vedoin. Antes de participar do Fórum Especial 2006, no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, ele disse acreditar que o episódio pode forçar a realização de um segundo turno nas eleições presidenciais.

''Porque a população está percebendo que tem alguma coisa errada'', disse. ''Imagine o presidente ser eleito no primeiro turno e ainda em outubro se descobrir que ele estava detrás de tudo isso? O Brasil precisa de um segundo turno, nem que seja para ao longo das três semanas seguintes ao primeiro turno, a população saber o que está por trás de tudo isso.''

Ex-petista, Cristóvam afirmou ter recebido as notícias sobre o escândalo com ''indignação'', por falta de reação dos petistas. ''Não vi ninguém do PT se manifestar contra isso'', cobrou. ''Onde está o espírito combativo daquela militância que a gente conhece, que durante tantos anos se indignava com fatos como esse? Então, é uma surpresa, uma tristeza e uma indignação.''

O candidato afirmou que, se reeleito, o presidente Lula fará um governo ''muito difícil''. ''É um governo que vai carecer de legitimidade enquanto tudo isso não for apurado e inocentá-lo'', declarou. ''Se for apurado e não inocentá-lo, vai ser um governo inviável do ponto de vista ético, do ponto de vista da legitimidade e, em conseqüência, logo depois do ponto de vista político também. Mas, supondo que isto não chegue nele, vejo um governo muito difícil, porque chega cansado, como todos os segundos governos, chega sem ter uma obra para concluir.'' Para ele, o atual governo ''não teve obra, não teve legado, é um governo que não deixa legado para a história''. (Agência Estado)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


22/09


2006

RN: Tropas garantirão eleições em 18 cidades

  A Tribuna do Norte, de Natal, destaca, nesta sexta-feira, a notícia de que o TRE do Rio Grande do Norte decidiu mandar tropas federais para 18 cidades, consideradas inseguras para os eleitores devido ao clima quente da campanha estadual. 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


22/09


2006

PM maranhense apreende 60kg de maconha

 O jornal O Imparcial, do Maranhão, destacou nesta sexta-feira uma operação de apreensão de drogas. Segundo o jornal, policiais militares dos destacamentos de Altamira do Maranhão e de Brejo de Areia realizaram uma operação conjunta que resultou na apreensão de 60 quilos de maconha. A droga estava em poder do traficante José de Jesus Amorim, 25, que acabou preso após uma tentativa de fuga.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banco de Alimentos

22/09


2006

CB: Dólares do PT entraram ilegalmente no país

 O Correio da Bahia destacou em sua manchete nesta sexta-feira, a informação de que os dólares encontrados com petistas entraram no Brasil sem serem registrados no Banco Central. Esse dinheiro seria usado na compra de um dossiê contra o candidato tucano ao governo de São Paulo, José Serra.

 

 

 

 

 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


22/09


2006

Juízes eleitorais pedem tropas em Campina Grande

 A Associação dos Magistrados da Paraíba (AMPB) pediu que o Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba convoque tropas federais para garantir a tranquilidade e segurança das eleições no Estado. Ofício da entidade encaminhado ao TRE endossa o pedido feito pelos  juízes eleitorais de Campina Grande onde vários episódios de violência envolvendo partidários e candidatos foram registrados nos últimos dias. O presidente da AMPB, juiz Marcos Sales, teme que os problemas ocorridos em Campina Grande se espalhem por outros Municípios paraibanos e comprometam a segurança do processo eleitoral.

 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Jornao O Poder

22/09


2006

Bolsas temem paralisia no segundo governo Lula

 O mercado financeiro começa a temer a possibilidade de um segundo mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), franco favorito nestas eleições presidenciais, ficar paralisado em meio a inúmeros processos de investigação envolvendo membros do governo petista. A análise é de que a governabilidade do presidente ficaria comprometida e, por conseqüência, não seria possível promover reformas como a fiscal e previdenciária, que dependeriam de acordos diretos com o Congresso Nacional.

Até a quarta-feira, dia 20, o mercado vinha acompanhando de longe o cenário instável desencadeado pelo escândalo do dossiê que petistas teriam negociado para prejudicar o candidato tucano ao governo de São Paulo, José Serra. Mas a evolução das investigações, que avançam cada vez mais sobre colaboradores diretos do presidente, deixou analistas e investidores preocupados.

O próprio Banco Central (BC) reconhece que a perspectiva política pode prejudicar o ingresso de investimentos estrangeiros no Brasil. “O investidor sempre olha para o longo prazo e quer estar bem em um País com expectativa de crescimento e estabilidade”, afirmou o chefe do Departamento Econômico (Depec) do BC , Altamir Lopes.

Sinal Amarelo

O primeiro sinal amarelo do mercado acendeu nesta quinta-feira, 21. O risco país disparou 7,02% e atingiu 244 pontos. O dólar subiu 1,47%, para R$ 2,209, o maior nível desde 14 de julho, e a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) recuou 1,04%.

Segundo Alessandra Ribeiro, economista da Tendência Consultoria, a grande preocupação não é de curto prazo. ''O escândalo tende a dificultar o estabelecimento de acordos entre PT e oposição na aprovação de uma pesada agenda de reformas prevista para a próxima administração”.

Dependendo dos futuros índices de aprovação popular do presidente Lula num eventual segundo mandato, a oposição “poderá usar a ameaça de impeachment” até 2010, observa o economista para América Latina do banco Dresdner Kleinwort, Nuno Camara. “A cada dia que passa, a perspectiva de reformas se torna mais limitada.” (Agência Estado)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


22/09


2006

Dilma: Governo não protegerá envolvidos no dossiê

 A ministra chefe da Casa Civil, Dilma Roussef, afirmou nesta quinta-feira que o governo não dará apoio ou proteção aos envolvidos no dossiê Vedoin. ''Nem siglas partidárias, nem hierarquias ou cargos vão impedir a investigação. É fundamental ao País que tudo isso seja apurado doa a quem doer'', disse a ministra em Nova York. Dilma ainda classificou como ''estranhas'' as críticas que têm sido feitas à Policia Federal e ao ministro da Justiça Marcio Thomaz Bastos.

A ministra ponderou que a apuração do caso é importante para a manutenção da democracia no País. ''Nosso papel é afastar todos os suspeitos, sem fazer uma condenação prévia das pessoas, mas afastando para poder apurar. É fundamental que se faça de forma séria para que a Justiça possa fazer seu ritual, para que se preserve a situação democrática do Pais''.

Ela ressaltou que ''o compromisso do presidente Lula e a determinação do ministro Marcio Thomaz Bastos é para que a Polícia Federal faça todas as investigações. Aliás é muito estranho aqueles que agridem a Polícia Federal e o ministro Marcio Thomaz Bastos acusando-os de não estarem tendo uma posição adequada. É estranho pois quem prendeu e desmantelou esse esquema foi a Polícia Federal'', avaliou.

Questionada sobre como se sentia com a possibilidade de a negociação do dossiê ter sido feita tão próxima a ela, diante das suspeitas que recaem sobre o ex-assessor e segurança do presidente Lula (Freud Godoy), a ministra afirmou que até onde tem conhecimento de que ''o assessor Godoy não tem nenhuma relação com esse processo. O Berzoini (Ricardo Berzoini) reconheceu que foi avisado'', reconheceu. No entanto, ela ponderou que ''nem ao governo, nem ao PT pode interessar este tipo de prática. Não é este o governo, o País, nem o partido que a gente quer construir.'' (Agência Estado)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Raimundo Eleno dos Santos

Um novo sinônimo para dignidade:Dilma Roussef. O Brasil está bem servido por essa jovem senhora.Os dois ministérios que ocupou e que ocupa tem a sua marca gravada indelevelmente. É o que penso.