Lavareda

24/11


2020

TV Jornal realiza debate às 11h20

A TV Jornal promove, hoje, às 11h20, mais um debate entre os candidatos à Prefeitura do Recife. João Campos (PSB) e Marília Arraes (PT) vão travar mais um duelo de ideias para a capital pernambucana sob a mediação do apresentador Leandro Oliveira e a participação de jornalistas do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação. Vale a pena conferir!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

ALEPE

24/11


2020

Um modelo de gestão em live

Hoje, no horário do Frente a Frente, de 18 às 19 horas, vou entrevistar, em live pelo Instagram, o prefeito reeleito de Curitiba, Rafael Greca (DEM). O democrata, cria na vida pública do ex-prefeito e ex-governador Jaime Lerner, que se notabilizou pela implantação de um modelo de gestão inovadora e revolucionária em mobilidade urbana, foi reeleito domingo passado para o terceiro mandato à frente da capital paranaense.

A grande transformação de Curitiba, fundada em 1693, começou há quatro décadas. Jaime Lerner, arquiteto e urbanista, o padrinho político de Greca, chegou à Prefeitura em 1971. A estreia do novo Governo municipal foi polêmica e marcou um precedente: Lerner decidiu encerrar o tráfego na rua XV de Novembro, uma avenida recheada de negócios e carros. 

Os comerciantes negaram-se a fazer isso, preocupados com a perda de clientes, e organizaram um bloqueio à rua no sábado. Ao chegarem, encontraram dezenas de crianças desenhando no asfalto. Em tempo recorde (um fim de semana), Curitiba inaugurou a primeira via de pedestres do Brasil. Desde então, é tradição que as crianças desenhem no chão aos sábados.

O prefeito desenvolveu, com o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (IPPUC), que existe até hoje, um modelo de transporte inovador. Na contramão de outras grandes cidades, decidiu ignorar o metrô, por considerá-lo caro e pouco eficiente. Decidiu que os ônibus usariam vias expressas exclusivas nas ruas principais da cidade. 

Em seguida, nos anos oitenta, afinou o sistema: criou estações em forma de tubo que estão na altura das portas dos ônibus, onde os passageiros compram seus bilhetes antes de entrar (um sistema nada comum no Brasil, onde se paga a passagem ao cobrador ou ao motorista). 

Os ônibus passavam a cada minuto. O chamado Transporte Rápido por Ônibus (BRT, na sigla em inglês) tornou-se rapidamente um ícone, especialmente em um país onde os habitantes das grandes megalópoles, São Paulo e Rio de Janeiro, sofrem diariamente com o transporte público, e onde não é raro que um trajeto da periferia ao centro dure duas ou três horas.

Atualmente, por volta de 300 cidades usam o modelo BRT criado em Curitiba. Aproximadamente 45% da população da cidade utiliza o transporte coletivo, segundo a Prefeitura, e a rede transporta por volta de 2,3 milhões de pessoas por dia, de acordo com o IPPUC, que usa como exemplo o metrô de Londres, com três milhões de passageiros diários.

Paradoxalmente, Curitiba tem a maior frota de veículos do país (aproximadamente 1,4 milhão). Tem a ver, dizem os especialistas, com o fato de ser a quinta maior econômica nacional, segundo dados de 2013 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O PIB per capita da cidade, atrativa para a indústria, gira em torno de 42.900 reais, contra os 28.800 da média do Brasil.

Greca, que sucedeu a Lerner, é engenheiro urbanista. Nos 300 anos de Curitiba, quando não havia reeleição, a cidade ganhou o Prêmio Mundial do Habitat das Nações Unidas pelo conjunto da sua obra. Curitiba é a única cidade a ter praticado a recomendação da Organização Mundial da Saúde de 50% da lotação dos ônibus na pandemia. Foi promovida uma higienização sem precedentes no Brasil e no mundo. O colapso da saúde não aconteceu.

Três hospitais foram erguidos em menos de dois meses. O Fundo de Emergência de Curitiba,  de R$ 600 milhões, não foi consumido e todas as despesas são pagas em dia. No transporte coletivo, o usuário paga apenas uma tarifa para determinados trajetos entre Curitiba e demais municípios da região, mesmo que precise trocar de linha. 

Desde outubro de 2019, a Prefeitura de Curitiba reduziu o preço da tarifa de ônibus para alguns horários e linhas do transporte coletivo. Enquanto o valor da tarifa comum é de R$ 4,50, estas linhas custam R$ 3,50. 

Em 2018, Greca lançou o Cohab Solar, desenvolvido pela Companhia de Habitação Popular de Curitiba (Cohab). A proposta do programa é instalar placas fotovoltaicas em moradias sociais, a fim de diminuir a conta de luz paga pelo usuário por meio do consumo de energia solar.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

O Jornal do Poder

24/11


2020

João perdeu a razão

Por Cláudio Soares*

Perder a razão é uma coisa temível...

O homem é um animal racional, que perde sempre a cabeça quando é chamado a agir pelos ditames da razão.

Como em qualquer disputa, em um confronto político o que está em ação não é o desejo pela verdade, mas o desejo pelo o poder. E o candidato do PSB à Prefeitura do Recife, que não é um ser especialmente nobre, revela seu lado mais sombrio: a vaidade e a hipocrisia triunfam.

Desafiar uma convicção soa como desvalorizar a personalidade, e uma refutação é considerada declaração de covardia desesperada.

Bastou as pesquisas de intenções de votos apontarem a candidata Marília Arraes à frente com 10% dos votos válidos que a artilharia antiética do comando do PSB, desesperadamente, mirou contra a ex-vereadora e favorita no pleito eleitoral do próximo domingo.

Portanto, cada ataque parece fazer crescer a votação da petista. Assim, atacam muitas vezes de forma parcial ou completamente passional com os tipos de truques e subterfúgios dialéticos. O pior, são os panfletos apócrifos e mentirosos, desrespeitando as mulheres do Recife, e, consequentemente, a candidata.

E esses ataques são numerosos e variados, mas repetem-se por toda parte: nas conversas de ruas e nas polêmicas dos blogs e jornais, em debates e em processos judiciais; e até mesmo em discussões acadêmicas nos deparamos, hoje, com a disseminação de fake news, práticas covardes dos Bolsonaros usadas na eleição de 2018 –,  as mesmas trapaças e manobras evasivas utilizadas por crápulas da velha política brasileira.

Dois mil anos atrás, o filósofo Aristoteles já chamava atenção para "falácias dos sofistas". Quem deve se deixar enganar por falácias?

Para a estratagema do comando da candidatura do PSB vai o provérbio popular: "Para quem está se afogando, jacaré é tronco".

Marília Arraes terá como impedir as falácias dos seus adversários de forma clara e concisa no decorrer dos próximos debates que devem ser acalorados.

João perdeu a razão quando resolveu achincalhar o debate, sem argumento e até sendo insolente. Sendo assim, afronta-se, também, a democracia.

*Advogado e jornalista


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Aceita bozoloide dói menos.

joao carlos da silva

Magno, sinceramente, quem está totalmente sem razão és tu que estás esquecendo a independência de sua nobre profissão e a obrigação de informar com independência, fazendo um ativismo político em favor do PT que dá nojo. Deixa que nós o povo, decida com independência quem é o melhor para nossa cidade.


Abreu no Zap

24/11


2020

Coluna da terça-feira

Ranger de dentes

As notícias checadas pelo blog dão conta que existe um crescente desespero na campanha do candidato-mirim João Campos (PSB). Conversei com vários políticos importantes para chegar a inferir que, do lado socialista, há muita gente fazendo de conta que apoia João, mas na verdade orienta suas bases para votar em Marília.

Parece ter chegado a hora da vingança: já são, só em âmbito do poder municipal, oito anos de humilhação, promessas não cumpridas, desatenções, enfim, um prefeito e um PSB que governam de costas para seus aliados. E agora chegam Renata, Geraldo e Paulo oferecendo novas falsas promessas, insinceros “carinhos”, “delicadezas” postiças, tudo no completo cinismo.

Só que ao mesmo tempo impõem posições públicas, como o que aconteceu com a vereadora forçada a fazer falsas acusações contra Marília, quando antes só era elogios e flores, conforme as fotos publicadas por este blog. Teve também o caso ainda mais violento, ao tentarem desmoralizar o deputado Túlio Gadelha, que fez uma denúncia verdadeira, mas foram por trás e cooptaram o chefe de gabinete, uma das fontes da tentativa de comprar o silêncio do companheiro de Fátima Bernardes.

Ainda vieram os textos encomendados a Ricardo Leitão e a Jair Pereira para tentar desqualificar, dentro da mais absurda violência, o que escreveu o jornalista Ricardo Carvalho. Além dos panfletos falsos, indicando que Mendonça Filho apoiava João, junto com inúmeros outros panfletos em papel e eletrônicos difamando Marília de todas as formas. 

A degradação está sendo tamanha que o ex-prefeito João Paulo decidiu apoiar Marília, como protesto à degradação moral e ética que Renata, Geraldo e Paulo estão impondo na campanha de um reconhecido candidato-mirim, sem qualquer estatura para ser prefeito de uma capital da importância do Recife. Dentro da campanha do PSB já tem muita gente falando: “Eu alertei que era cedo demais para João, pois ele não tem a mínima capacidade política para liderar Recife”.

Outros culpam diretamente Renata pela desmesurada ambição de fazer o filho prefeito da capital a qualquer preço. “Essa eleição já era, não estamos conseguindo virar um único voto”, disse, ao blog, um aliado do socialismo de fantasia. Enquanto isso, Marília segue com firmeza de propósito, demonstrando sua capacidade superior para lidar com os ataques sujos e degenerados. Enfrenta todas as manipulações da máquina pública, do derrame de dinheiro sujo tentando comprar consciências.

Mas tudo sinaliza que povo do Recife já tomou uma decisão e sabe o que fazer: expulsar da Prefeitura agora, e daqui a dois anos, em 2022, o Governo do Estado. A voz rouca das ruas quer ficar livre do PSB saqueador dos cofres públicos. Há ranger de dentes nos corredores das Princesas e do Palácio Capibaribe.

Tracking Marília – Os ataques torpes do PSB à candidata do PT, Marília Arraes, não surtiram nenhum efeito. O tracking, medição diária via telefone, apontou, ontem, uma dianteira de dez pontos percentuais em favor da petista. Na prática, o bombardeio das fakes news, que chegaram até diretamente às igrejas evangélicas, foi reprovado pelo eleitorado recifense. Marília ganhou na justiça e desde ontem o PSB está proibido de continuar a baixaria, o que aumentou ainda mais a tensão e o desespero no comitê de João.

O jogo é pesado – Dois panfleteiros foram flagrados, na noite de domingo passado, nas proximidades de uma igreja evangélica distribuindo material apócrifo com calúnias contra a candidata a prefeita do Recife pelo PT, Marília Arraes. Em tom apelativo, panfletos traziam a mensagem "Cristão de verdade não vota em Marília Arraes", com uma série de ilações. Chama atenção que folders da campanha de João Campos (PSB) estavam sendo distribuídos em conjunto, com dizeres positivos sobre o prefeiturável.

Perseguição e emendas – O Ciro Gomes que desfilou pelas ruas do Recife ao lado do candidato do PSB, João Campos, é o mesmo que pediu, recentemente, a cabeça no PDT da namorada do socialista, Tábata Amaral, deputada federal pelo PDT paulista, por ter votado a favor da reforma da Previdência. Enquanto João Campos acusa Marília de não destinar emendas federais para o Recife, a coluna teve acesso a uma ampla documentação na qual o socialista, também deputado federal, destinou emendas de sua autoria para Estados do Sul e Sudeste.

Vaquinha – O candidato Guilherme Boulos (Psol), que disputa o 2º turno da corrida eleitoral pelo comando da Prefeitura de São Paulo contra Bruno Covas (PSDB), bateu o recorde de arrecadação via crowdfunding (doações de pessoas físicas por meio da internet) para uma campanha municipal no Brasil. De acordo com o aplicativo Voto Legal, a candidatura levantou R$ 1.946.292 em 19.246 doações realizadas na plataforma até 13h30 de ontem. Com isso, Boulos supera a marca do deputado Marcelo Freixo (Psol-RJ), que arrecadou R$ 1.454.452 nas eleições para a Prefeitura do Rio de Janeiro em 2016.

CURTAS

REELEIÇÃO – O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, defendeu em sua coluna publicada na revista Crusoé o fim da reeleição para cargos do Executivo. No Twitter, afirmou que a prática “não funcionou bem” no Brasil, além de ser instrumento que “potencializa o surgimento de caudilhos, lideranças populistas ou candidatos a ditadores”.

CENTRO-ESQUERDA – Depois de se eleger à Prefeitura, em 2016, e ao Governo do Estado de São Paulo em 2018, com um discurso marcado pelo antipetismo, o governador João Doria (PSDB) se reposicionou e, agora, tem pregado um diálogo “contra os extremos”, por meio de uma frente que inclua a centro-esquerda. Quer ser o elo desse movimento.

Perguntar não ofende: As múltiplas pesquisas ao longo desta semana para o segundo turno no Recife serão semelhantes ou dispares?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Derrotado no primeiro turno, Bolzonaro fica quieto no segundo. Bolzonaro tentou alavancar seus candidatos no primeiro turno e fracassou redondamente. Por isso, decidiu ficar quieto e desistiu de pedir votos para seus candidatos neste segundo turno. kkkk

Fernandes

O PT, um patrimônio do Brasil.

Fernandes

Pesquisa Folha/Ipespe para Prefeitura do Recife: Marília tem 54% dos votos válidos e João, 46%

Fernandes

Agora é Marília 13 (PT), marcos mamador de piroca de camaragibe Lolita safada. Te lasca ai.

Fernandes

XP/Ipespe: 37% aprovam Bolsonaro e 34% reprovam. A popularidade do presidente Bolzonaro oscilou negativamente, apontou pesquisa divulgada ontem segunda-feira. Tá começando a degringolar.



23/11


2020

“Ingratidão”, diz Teresa Leitão sobre o PSB

EXCLUSIVO

Houldine Nascimento, da equipe do blog

A deputada estadual Teresa Leitão (PT) saiu em defesa da correligionária Marília Arraes, candidata à Prefeitura do Recife, sobre as diversas inserções em tom acusatório que a campanha de João Campos (PSB) tem veiculado durante o horário eleitoral no rádio e na televisão, bem como a panfletos apócrifos que difamam e caluniam a prefeiturável petista. Na visão da parlamentar, a atitude expõe diversas contradições dos socialistas.

“Em 2018, o PSB estava correndo atrás da Executiva nacional (do PT) porque só ela poderia resolver o impasse. Nós ganhamos no encontro eleitoral com 95% dos votos, mas teve uma intervenção nacional e aí a candidatura de Marília (ao Governo de Pernambuco) teve de ser retirada. Antes dessa decisão, Renata Campos e Paulo Câmara foram atrás de Lula em São Paulo. Também foram atrás de Gleisi (Hoffmann, presidente do PT), que teve uma reunião com eles. Aí agora Gleisi não presta, Lula não presta, o PT não presta. Além da ingratidão política, é uma ingratidão e uma contradição”, avalia.

Teresa acredita que o PSB não conseguirá explicar as ações futuramente, caso volte a tentar uma aliança com o PT. Ela aproveitou para relembrar o apoio que a família Campos e o PSB deram à candidatura do ex-presidenciável Aécio Neves (PSDB) no segundo turno, em 2014, marcando posição contra a reeleição de Dilma Rousseff (PT). “O PSB vai ficar com essa mácula para sempre, da mesma forma que não consegue explicar ter votado em Aécio no segundo turno”, declara.

A deputada estadual afirma que a estratégia do PT é não subir o tom e manter uma campanha mais propositiva. Ela também mencionou a equiparação que uma matéria da Veja, hoje, fez das ações de João Campos e Marcelo Crivella (Republicanos), que concorre à reeleição no Rio de Janeiro. A revista foi enfática ao chamar de “jogo sujo” e dizer que “o fantasma da derrota bate à porta” dos dois prefeituráveis.

“Não vamos baixar o nível. A gente não quer começar uma gestão sendo comparado com Crivella como João Campos está. Se o PSB e João não estão ligando para isso, paciência. Eles estão utilizando acrescentando mais uma mácula, da inverdade, do fundamentalismo. É a mesma técnica que Crivella está usando no Rio e Bolsonaro utilizou. Que PSB é esse?”, questiona Teresa.

Para ela, a atitude do adversário, “do ponto de vista eleitoral, não está surtindo efeito”. Além disso, “a reação a esse tipo de política está sendo muito grande porque a baixaria tem limites”. “Estamos nos mantendo firmes. É claro que dá um estresse porque não é fácil ser acusada de coisas que não fez”, completa.

Ainda de acordo com Teresa Leitão, a direção nacional do PT está acompanhando tudo e está “muito chocada e indignada com tudo isso que está acontecendo”, mas mantém a confiança na campanha. Ela revela incômodo com a postura de aliados de João Campos, como o deputado federal Felipe Carreras (PSB), que tentou associar os petistas à extrema esquerda, em publicação recente no Twitter.

“Eu rebati aquele rapaz um dia desses. Ele queria ser o candidato, vamos e venhamos. Trabalhou para isso, mexeu os pauzinhos para todo o lado para ser candidato a prefeito, mas não deu. Aí agora está fazendo o papel de que não está passando recibo, de que está de corpo e alma com João. É uma pessoa que não tem respaldo nem história política. A história dele é muito aí dos shows, dos eventos. Nisso ele é bom”, cutuca.

“Acho tão engraçado que ele fica falando das nossas alianças. A primeira reação dele foi aos apoios que recebemos. No partido dele não tem apoio, tem aliança com o partido dos filhos de Bolsonaro (diz em referência ao Republicanos). E aí? Ele vai dizer o quê”, prossegue.

Teresa também ficou incomodada com uma nota dura lançada há alguns dias na imprensa pelo deputado estadual Waldemar Borges (PSB), seu colega de parlamento, sobre o ex-senador Armando Monteiro Neto, que declarou apoio à Marília Arraes. “A nota que Waldemar fez sobre Armando Monteiro foi terrível. É como se ele tivesse dito que, se não fosse o PSB, Armando não era senador. Será que vão dizer o mesmo com Humberto? Isso revela uma prepotência e não é bom para as relações democráticas. É muito ruim na política achar que ganha tudo sozinho e o PSB está sendo assim”, comenta.

A deputada estadual observa que há um movimento de renovação política no Brasil e que Marília sintetiza isto na eleição do Recife. “O PT tem essa condição de voltar a governar a Prefeitura do Recife, está com uma candidata que se viabilizou politicamente perante o partido, as bases e a população. Que mal há nisso? Há um movimento de renovação política Brasil afora e aqui Marília significa isso e eu aplaudo essa renovação”, destaca.

Para Teresa, Marília tem as condições de fazer uma boa gestão. “O desafio é esse. Ganhar a eleição é o primeiro passo e tenho fé em Deus de que isso vai acontecer. Depois o grande desafio é pegar uma Prefeitura que está na mão de um mesmo grupo há oito anos e nos desconhece. Eles desconhecem que foram nosso vice de 2008 a 2012, desconhecem que nos apoiaram em 2000 e 2004. O que foi que levou João Paulo a deixá-los?”, conclui.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Artur, aceita bozoloide dói menos.

Artur

Fogo no parquinho vermelho... Quero ver ela explicar o apoio de Humberto ao PSB e o mesmo tentando a todo custo rifar a candidatura de Marília. Esse PT cheira a carniça.


Banco de Alimentos

23/11


2020

Professores de PE marcam protesto por piso salarial

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação em Pernambuco (Sintepe) cobra o governador de Pernambuco, Paulo Câmara, por uma promessa feita na campanha eleitoral de 2014, quando se comprometeu em dobrar o piso salarial dos professores. De acordo com a instituição, além de não cumprir com a proposta, em 2020, o gestor se nega a atender à Lei do Piso. Por isso, a categoria promete um ato em frente ao Palácio do Campo das Princesas, na quinta-feira (26), às 9h.

Por meio de nota, o Sintepe detalhou os motivos da paralisação:

O Governo do Estado enviou para a Assembleia Legislativa o Projeto de Lei 1.720/2020 que enterra nosso Plano de Cargos e Carreira conquistado com tanto suor e lutas há 22 anos.

Após oito meses de insistência e tentativas de negociação por parte do Sintepe, o Governo decidiu desobedecer duas leis federais e uma lei estadual de uma só vez. Descumpre a Lei do Piso Salarial do Magistério e rasga a Lei 11.559/1998 - que institui nosso Plano de Cargos, Carreira e Vencimentos (PCCV). Também, descumpre a Lei 173/2020, que trata de congelamentos de reajustes na pandemia, mas que excetua "determinação legal anterior à calamidade pública". A lei do Piso Salarial é uma determinação legal anterior à calamidade pública.

O PL 1.720, enviado vergonhosamente no apagar das luzes para a Assembleia Legislativa, reduz o poder aquisitivo de 57.389 trabalhadoras e trabalhadores em educação de Pernambuco, porque não aplica ao PCCV o Piso Salarial do Magistério. Nessa maldade do Governo incluem-se também aposentados/as e pensionistas. Apenas 5.611 professores/as serão impactados pelo reajuste do Piso que já deveria ter sido aplicado em 1º de janeiro.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


23/11


2020

XP/Ipespe: 37% aprovam Bolsonaro e 34% reprovam

Do Terra

A popularidade do presidente Jair Bolsonaro oscilou negativamente, dentro da margem de erro, em novembro, apontou pesquisa XP/Ipespe divulgada nesta segunda-feira. Segundo a sondagem, a diferença de 8 pontos percentuais entre as avaliações positiva e negativa registrada em outubro caiu para 3 pontos percentuais.

Em novembro, 37% avaliaram o governo como ótimo ou bom, ante 39% em outubro. Os que consideram o governo ruim ou péssimo oscilou para 34%. Um mês atrás, foram registrados 31%.

A avaliação sobre a condução da economia apresentou piora. Dentre os entrevistados, 52% responderam que a economia do país está "no caminho errado". Em outubro, eram 47%. Outros 35% responderam que a economia está "no caminho certo", ante 39% em outubro.

A sondagem abordou ainda a expectativa sobre a pandemia de coronavírus e 77% responderam que o Brasil ainda irá enfrentar uma segunda onda da doença. Outros 19% consideram que o país não passará por uma nova leva de Covid-19.

Houve uma redução no número de entrevistados que consideram que o pior da pandemia já passou. Em outubro, eram 64%, agora são 46%. Os que responderam que "o pior ainda está por vir" chegam a 47%, frente os 30% registrados no mês passado.

A avaliação da atuação de Bolsonaro no enfrentamento à pandemia também oscilou negativamente dentro da margem de erro. O grupo dos que avaliam a atuação como ótima ou boa caiu de 30% para 25%. Os que a consideram ruim ou péssima oscilou de 47% para 49%.

A pesquisa entrevistou 1.000 pessoas em todo o território nacional entre 18 e 20 de novembro. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


23/11


2020

Editorial analisa agressões na campanha no Recife

No Frente a Frente de hoje, programa que ancoro pela Rede Nordeste de Rádio, o meu editorial foi sobre as agressões e farpas que estão sendo trocadas na campanha para o segundo turno no Recife. Vale a pena conferir!

O Frente a Frente tem como cabeça de rede a Rádio Hits 103,1 FM, em Jaboatão dos Guararapes.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


23/11


2020

XP: Para 77%, Brasil terá segunda onda de Covid-19

Do Money Times

Pesquisa XP (XP)/Ipespe divulgada nesta segunda-feira apontou que 77% dos entrevistados consideram que o Brasil irá enfrentar uma segunda onda de Covid-19, possibilidade minimizada pelo presidente Jair Bolsonaro. De acordo com a sondagem realizada em novembro, outros 19% consideram que o país não passará por uma nova leva da doença.

O presidente chegou a se referir aos alertas sobre uma segunda onda como uma “conversinha”. "Agora tem essa conversinha de segunda onda. Se tiver, tem que enfrentar. Se quebrar de vez, seremos um país de miseráveis”, disse Bolsonaro a apoiadores, em meados deste mês.

A pesquisa apontou ainda uma forte redução entre os que consideram que o pior da pandemia já passou. A rodada de outubro registrava 64% nesse grupo, e agora são 46%. Por outro lado, os que responderam que “o pior ainda está por vir” aumentaram para 47%, ante os 30% registrados no mês passado.

A avaliação da atuação de Bolsonaro no enfrentamento à pandemia oscilou negativamente dentro da margem de erro. O grupo dos que avaliam a atuação como ótima ou boa passou de 30% para 25%. Os que a consideram ruim ou péssima oscilou de 47% para 49%.

A pesquisa entrevistou 1.000 pessoas em todo o território nacional entre 18 e 20 de novembro. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais. Até o domingo, o Brasil tinha registrado 6.071.401 de casos confirmado de Covid-19, com um total de 169.183 mortes.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Coluna do Blog
TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores