Jaboatão

07/05


2021

Meira pede abertura de processo disciplinar contra deputados

O Coronel Meira, presidente estadual do PTB/PE, encaminhou, ontem, à Executiva Nacional da legenda, o pedido de abertura de processo disciplinar contra os deputados federais Wilson Santiago Filho (PTB/PB) e Maurício Dziedricki (PTB/RS).

"A nossa solicitação vem à tona por entender que ambos os parlamentares têm defendido bandeiras escusas às orientações Estatutárias do PTB Nacional. Somos um partido conservador que vem travando grandes batalhas em favor da moralização política no Brasil, não dá para manter nos quadros do PTB pessoas que jogam contra as nossas bandeiras!", exclamou Coronel Meira.

O pedido de afastamento se deu pelo fato ocorrido no último dia 05 de maio, quando na CCJC foi apresentado o substitutivo ao PL. 4754/16, que tipifica como crime de responsabilidade, a usurpação de poderes do Congresso Nacional.

"É um absurdo, um projeto de tamanha importância para o Brasil, e em especial para nosso presidente Roberto Jefferson, que vem travando uma guerra para combater ações ditatoriais dos membros do STF, era dever dos deputados agirem com total empenho para a aprovação do pleito", disse Meira.

O pedido foi aceito por Roberto Jefferson que prontamente destituiu o deputado Wilson Filho da presidência do PTB Paraibano.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

PREF DE OLINDA DESAFIOS DA PANDEMIA 21

07/05


2021

Cabo receberá R$ 10 milhões em emenda parlamentar

A Prefeitura Municipal do Cabo de Santo Agostinho receberá R$ 10 milhões em emendas parlamentares para investimentos em saúde, infraestrutura e serviço social. A notícia foi divulgada, ontem, pelo deputado federal Eduardo da Fonte (PP) em encontro com o prefeito da cidade, Keko do Armazém, que recebeu o parlamentar no Centro Administrativo Municipal (CAM 1).  

Além do recurso federal, o deputado também viabilizou cinco máquinas retroescavadeiras e quatro tratores com arado para a cidade. Os equipamentos têm a função de preparar o solo para o cultivo de plantações. “Vamos continuar trabalhando para destinar mais emendas ao Cabo de Santo Agostinho. Esse foi o primeiro dos muitos investimentos que iremos trazer para a cidade”, declarou Eduardo da Fonte. 

Keko do Armazém agradeceu e destacou a iniciativa do deputado federal em trazer aportes financeiros para oferecer mais qualidade de vida à população. “Esse ato político é fruto de uma gestão transparente e comprometida, que mostra a responsabilidade de atrair parceiros que possam investir em nossa cidade para transformar a vida do povo cabense”, ressaltou.

O encontro selou também a aliança do Partido Progressista ao grupo do atual gestor da cidade. Estiveram presentes na solenidade, o deputado estadual Clóvis Paiva, o presidente estadual da Juventude Progressistas, Lula da Fonte; secretária Executiva de Articulação e Prevenção Social ao Crime e à Violência de Pernambuco, Edna Gomes e os vereadores Jobinho, Binho de Roque e Sueleide de Amaro.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Ipojuca 2021

07/05


2021

Mais 165,1 mil doses de vacinas chegam a Pernambuco

Pernambuco recebeu, ontem, mais 165.100 doses da vacina da Astrazeneca/Fiocruz contra a Covid-19, para dar continuidade à imunização das pessoas com comorbidades. Os 18 volumes foram desembarcados no Aeroporto Internacional do Recife/Guararapes – Gilberto Freyre às 16h20, e seguiram para conferência, armazenamento e divisão entre os municípios no Programa Estadual de Imunização.

“Já acionamos nosso esquema de logística e vamos garantir o início do envio de mais esses imunizantes às 12 Gerências Regionais de Saúde já na madrugada de hoje”, assegurou o governador Paulo Câmara. Com a nova remessa, já são 3.095.180 doses de vacinas contra a Covid-19 recebidas por Pernambuco, sendo 1.789.560 da Coronavac/Butantan, 1.288.070 da Astrazeneca/Fiocruz e 17.550 da Pfizer/BioNTech.

Estão sendo imunizados em Pernambuco os trabalhadores de saúde, população indígena, idosos, pessoas com deficiência abrigadas em instituições, idosos também abrigados em instituições de longa permanência, povos quilombolas, forças de segurança e salvamento, pessoas com comorbidades e com deficiências, gestantes e puérperas.

“Ainda esperamos o envio de novas doses da Coronavac, para assegurar a segunda dose dos idosos, além de nova remessa da Pfizer”, destacou o secretário de Saúde, André Longo, que voltou a convocar a população para que acompanhe o calendário vacinal da sua cidade para ficar informado sobre quando chegará a sua vez de se vacinar.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Petrolina abril 2021

07/05


2021

Morre ex-prefeito de Arcoverde Giovanni Porto

Faleceu, na manhã de hoje, o ex-prefeito de Arcoverde Giovanni Rodrigues Porto. A causa da morte não foi divulgada pela família.

Giovanni foi gestor da cidade entre os anos de 1969 e 1973. Ele era professor de história e advogado. O sepultamento será no cemitério Morada da Paz ainda hoje.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


07/05


2021

Líder passa a assumir posição estratégica na CPI

Por Hylda Cavalcanti – da equipe do Blog em Brasília

Pelo segundo dia seguido, o ambiente interno da CPI da Covid foi marcado por bate-bocas entre os parlamentares, que reclamaram da participação do líder do Senado no colegiado. Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) foi chamado no Planalto na última terça-feira (4) para uma reunião e ficou acertado que vai assumir um lugar no colegiado daqui por diante.

Ele entrará na CPI em substituição a algum senador que esteja na suplência – e que renunciará ao cargo em atendimento ao Governo. É dado como certo que o preterido será Zequinha Marinho (PSC-PA), mas a questão só será definida a partir da próxima semana.

A estratégia é uma forma de ajudar a amenizar a pressão dos senadores de oposição a Bolsonaro nas perguntas e na condução do trabalho e tentar auxiliar ministros e representantes do Executivo que forem convocados. A atuação mais contundente de Bezerra Coelho hoje já deixou irritados muitos integrantes da CPI. Eles avaliaram suas tentativas de censurar perguntas feitas pelo relator, Renan Calheiros (MDB-PE) ao ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, como uma forma de atrapalhar.

“Só espero que a presença do senhor aqui não seja somente para atrapalhar, o que seria um gesto antidemocrático. Falo isso porque tem um time que não quer que essa CPI trabalhe, um grupo ligado ao gabinete anexo ao Palácio do Planalto”, destacou o vice-presidente da comissão, Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

Em outro momento, o pernambucano também foi mencionado por Renan quando participou de uma ação ao lado dos colegas Ciro Nogueira (PP-PI) e Luis Carlos Heinze (PP-RS) para mudar o foco das perguntas feitas a Queiroga. “Se quiserem gritar, me avisem que eu paro. Eu gosto muito de vocês dois, mas todo dia isso aqui não dá”, reclamou Renan.

O líder argumentou que só estava tentando fazer com que as perguntas não parecessem inquirição feita por promotores de justiça junto aos convidados da comissão. Foi um começo tumultuado, diante do tempo quente da comissão, do atraso e das esquivas na resposta às perguntas por parte do ministro e da insistência dos parlamentares.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Joao

Este está ao lado de quem estiver no poder. Agora juntamente com seu filho Miguel Coelho e Anderson Ferreira, respectivamente prefeitos de Petrolina e Jaboatão são ídolos do colunista.


ALEPE

07/05


2021

Viva Belém do São Francisco

Belém de São Francisco comemora, hoje, 118 anos. Em comemoração ao seu aniversário, o ex-vereador Joselito Nogueira enviou ao blog uma homenagem à sua terra Natal. Confira!

Por Joselito Nogueira*

Parabéns minha querida Belém do São Francisco, pela passagem de seu aniversário de 118 anos de emancipação política.

Belém da Nossa Padroeira Senhora do Patrocínio, da novela Senhora do Destino, Belém das ruas largas, das barracas de final do ano.

Terra dos primeiros bonecos gigantes do Brasil, terra das 88 ilhas, terra da cebola, terra dos casarios.

Minha Belém da infância, da minha mocidade, Belém do Grêmio, do jogador Oscar, Belém dos festivais de calouros de Celso Batista e Carlito Lima, Belém do cine Irapuã, Belém da discoteca de Jaime Adriano.

Belém dos cantores: Gildo Moreno, Carlos Pinto, Onaldo Aguiar e tantos outros, Belém dos artistas: Orlando Pinto, Marlindo Pires, Guimarães e tantos outros...

Belém da paquera, Belém da tropicana de Norberto, da Disk Dance de Nonato, Belém do Super Som terceiro grau de Gildão, dos tropicais de Lula Moreno, Belém dos carnavais dos artífices...

Belém da lanchonete de Faninho, de Nascimento, de Midinha, Belém da padaria de Alfredo, de Zé de Pio, Belém do Mercado Noslin, do Pró-Lar, Belém da mercearia de seu Maximiano, de Dona Catarina, Belém da budega de Elias Torres, Belém do bar de Juca do posto, de Fiinho, Belém do bode de Vó, de Maria do Pezin, Belém do Magazine de Dona Maria, da sapataria de Dona Bezinha, da loja de Sideval...

Belém das carroças de burro, Belém do jogo do bicho de Odir Alencar e Gérson Pires, Belém da orquestra de Mestre Lau, Belém do barraco de Zé de Raimundo, Belém da minha querida escola Tercina Roriz, Cermec, das diretoras Lia Caribé e Célia Lima...

Belém da Av. Cel. Jerónimo Pires, Belém da sorveteria de Jaime, de Pedão, Belém doHhotel Rex de João da Barra, Belém da farmácia de Pompilio, de Zé Flor, Belém do chora menino pra comer ui ui, Belém de Antônio de Santina, de Vaca velha e de outros anônimos...

Eita Belém bom da gota serena!

Viva Belém do São Francisco.

*Ex-vereador da cidade


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Bandeirantes 2021

07/05


2021

Defensores da causa animal cobram ações no Recife

Um grupo de ativistas estará reunido hoje, às 13h, na Secretaria Executiva dos Direitos dos Animais do Recife (Seda) para tratar das políticas públicas implantadas atualmente. Segundo a Comissão Pré-Fórum de Bem-Estar e Defesa Animal, formada por protetores, defensores e ONGs, a cidade precisa de maiores investimentos no setor.

O titular da Seda, Luís dos Anjos, e a vereadora Andreza Romero (PP) estarão no encontro. O grupo quer ouvir desses dois representantes seus planos de trabalho e como estão executando. 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Serra Talhada 2021

07/05


2021

Esquema que beneficiava empresas de transportes pode prescrever

Quase quatro anos após a Polícia Civil de Pernambuco ter desvendado um suposto grande esquema de corrupção que beneficiava empresas de transporte em fiscalizações de trânsito, a questão volta ao foco com audiência de instrução, marcada para o próximo dia 10, na Vara Criminal do Fórum de Ipojuca, às 9h, quando serão ouvidas as testemunhas do caso. De lá até aqui ninguém foi preso e nada sabe-se sobre quem atuou na linha de frente da operação criminosa como mandante dessa  rede de corrupção.

O processo tramita em sigilo sob n.º 0000564-16.2016.8.17.0730 e pode prescrever antes do final do ano de 2021, se não tiver sua tramitação agilizada, conforme anotação existente na capa dos autos.

Na época, em 2017, foram indiciados por corrupção passiva, o ex-chefe de fiscalização e vistoria do Departamento de Estradas de Rodagem de Pernambuco (DER-PE), Laurent Licare, logo exonerado do cargo e o ex-comandante do Batalhão de Polícia Rodoviária-(BPRv), Coronel Clóvis Fernando Pereira, também afastado da corporação. Além deles,  os empresários Felipe Rodrigues de Melo, diretor executivo e filho de um dos donos da empresa Asa Branca e Osvaldo José dos Santos Farias, gerente de Operações da Borborema, foram indiciados por corrupção ativa. As duas empresas de transportes são vistas como maiores beneficiadas no esquema.

A investigação que se arrasta desde então revela farto material sobre o esquema: retrata diálogos comprometedores, combinações de ações a serem realizadas, incluindo numero dos telefones de citados, acertos de gratificação/propina, direcionamento das blitz pela Borborema e presenças nessas de funcionários do alto escalão da companhia – que continuam trabalhando na empresa até hoje – , além de conversas entre envolvidos da empresa Borborema sobre a produtividade das operações. Muitas das conversas podem comprometer outros nomes até então preservados.

Entenda o caso – Em coletiva de imprensa, em 06 de Junho de 2017, a então delegada Patrícia Domingos anunciava que denúncias enviadas por policiais militares e funcionários do DER, contra seus superiores, davam conta de que o ex-comandante da BPRv, Clóvis Fernando Pereira bem como o chefe de fiscalização do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) intensificavam e direcionavam blitze para as empresas de transporte Totality, RCR e Astrotur. As investigações seguiram e identificaram ações correlatas  em municípios como Ipojuca, Cabo, Serinhaém e Panelas.

Os crimes, coincidência ou não, teriam, acontecido durante a gestão de Clóvis Pereira, nos anos de 2015 e 2016. As fiscalizações nas rodovias, feitas pelo Batalhão, eram direcionadas para beneficiar as empresas Borborema e Asa Branca no ganho de contratos. Ainda, segundo as investigações, o ex-comandante participava de reuniões com representantes das duas empresas para informar o horário e local em que iriam ocorrer as fiscalizações nas estadas.

O curioso é que em muitas dessas fiscalizações, o próprio ex-comandante do Batalhão, Clóvis Pereira participava pessoalmente das operações fiscais, o que não é comum acontecer. Segundo a delegada Patrícia Domingos anunciou, na época, Clóvis agia como se fosse subordinado das empresas Borborema e Asa Branca e chegava a informar a quantidade de ônibus apreendidos das outras empresas prejudicadas, além de fazer fotos das ações. Algumas das empresas alvo das fiscalizações e as envolvidas no esquema de corrupção eram contratadas por companhias do Complexo Portuário de Suape, no Grande Recife e faziam transporte de trabalhadores até as indústrias em Suape e Goiana.

A Astrotur, segundo as investigações apontaram, chegou a perder um dos contratos após se escoltada pela Polícia Rodoviária durante uma dessas ações e recebeu, apenas em 2015, 39 multas. Já a Totality teve 76 notificações de infrações e a RCR 46. Já a empresa Asa Branca foi notificada apenas uma vez no mesmo ano.

A investigação também revelaram fatos como: durante uma blitz em 21 de maio de 2016, Clovis e Laurent aguardaram um ônibus da Astrotur para apreendê-lo e enviar imagens da operação aos empresários. O objetivo era fazer com que as concorrentes perdessem a credibilidade para que a Borborema e Asa Branca fossem beneficiadas. Ainda, segundo a apuração, um montante de R$ 65 mil foi identificado pela polícia como resultante do esquema de corrupção, nas contas bancárias do coronel Clóvis Pereira, após a quebra do seu sigilo bancário. Ele foi reformado por incapacidade física, sem poder retornar as atividades. E, além de responder à ação penal, teve um procedimento disciplinar e administrativo instaurado no Conselho de Justiça.

O advogado Ademar Regueira, que defende o empresário Felipe Rodrigues, gerente da empresa Asa Branca, disse que provará a inocência se seu cliente e, ainda, que o inquérito favoreceu as empresas que transgrediam as leis de trânsito, criado e manipulado pelas empresas que vinham sendo autuadas constantemente em blitz.  Já o advogado William Monteiro, que defende Laurent Licari informou, na época, que seu cliente ficou surpreso com o indiciamento e se coloca à disposição da justiça para esclarecimento dos fatos.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Anuncie Aqui - Blog do Magno

07/05


2021

NE que deu certo: um pulo maior que o Japão

No primeiro capítulo do livro O Nordeste que deu certo, de minha autoria, lançado há 28 anos, com reprodução exclusiva neste blog, o leitor vai se deparar com números e estudos que apontam um crescimento espetacular e linear dos nove Estados da Região. Números oficiais do Banco do Nordeste e de outras instituições sérias apontando que o Nordeste cresceu e vem crescendo num ritmo médio de investimentos mais do que o próprio Brasil e potências mundiais, como o Japão. Isso quebra mitos e abre uma discussão ainda bastante atual: O Nordeste é solução, não é problema. Ao final do texto original, dados atuais em comparação ao momento em que o livro foi escrito. Confira abaixo .

Crescimento maior do que o Japão 

Capítulo 1

Embora a caminho do século XXI o Nordeste continue apresentando indicadores sociais assustadores – de cada 100 brasileiros miseráveis, 50 são nordestinos (esse pedaço de chão abriga, ainda, os piores índices do país em analfabetismo, saneamento básico, mortalidade infantil e trabalhadores com deficiência calórica) – as estatísticas demonstram que a Região cresceu e modernizou-se. E muito.

Estudos de insuspeitos organismos oficiais do exterior, como o Banco Mundial, revelam, por exemplo, que de 1965 a 1985 a economia nordestina teve um crescimento médio maior que a do Japão, de 6,3% contra 5,5%. Nesse período, apenas a Coréia do Sul conseguiu uma taxa de crescimento equivalente à do Nordeste. 

De 1960 a 1988, o Nordeste foi a Região que mais cresceu no País. Cresceu mais que o próprio Brasil, em geral perto de 10% a mais, suplantando a média nacional no aumento da renda per capital e do PIB. Nos últimos 10 anos, a balança comercial nordestina acumulou superávit de US$ 15 bilhões.

Os números estão num documento de 2,5 mil páginas intitulado “Uma estratégia para acelerar o desenvolvimento do Nordeste”, feito em 90, por encomenda do BNB, com base no qual o banco está traçando sua linha de investimentos para a Região. Em sua elaboração trabalharam 50 especialistas, sob a coordenação do economista pernambucano Gustavo Maia Gomes. 

 “O Nordeste tem grande potencial. A questão é que não se resolve em 30 anos uma estagnação de quatro séculos”, diz Gustavo Maia Gomes. Em 60, a renda per capita nordestina era de US$ 301. Em 89, atingiu US$ 1.025, num crescimento de 441%. Segundo o estudo coordenado por Maia Gomes, a média nacional, no período, aumentou 37%. 

"Quando o Brasil cresce, o Nordeste cresce em ritmo mais acelerado. Quando o Brasil entra em crise, o Nordeste também, em velocidade maior que a do País”, explica o economista. Os indicadores do crescimento nordestino não deixam margem a dúvidas. Há 20 anos, a maioria dos 44 milhões de nordestinos residia no campo, em casebres de barro e madeira. Hoje, 56 em cada 100 habitantes moram nas cidades, onde a paisagem está decorada por imponentes aranha-céus e shoppings centers gigantescos. 

É nordestino o maior grupo privado brasileiro pelo critério de faturamento, a holding Odebrecht, de Salvador, com um caixa que movimenta US$ 2,6 bilhões. Também é nordestino o segundo maior produtor de trigo do País, o grupo cearense J. Macedo, de onde sai a farinha de um em cada oito pães que os brasileiros consomem. Já o Shopping Center Recife recebe a visita de 1,8 milhão de clientes por mês e está na capital pernambucana a sede do Bompreço, a rede que mais cresceu no País nos últimos 15 anos, estando entre as 50 maiores do Brasil em faturamento. 

Contraste

Desvirtuado pela exploração da “indústria da seca”, o Nordeste ainda não conseguiu superar a ideia de que a Região é um sorvedouro de recursos da União. Literalmente, trata-se de uma meia-verdade. Segundo estudos mais recentes, tanto da Sudene, como do Banco Mundial e do BNB, o Governo Federal injetou R$ 19 bilhões na Região, entre 1962 e 1988, dos quais US$ 8 bilhões na Sudene. Examinando-se essa bolada com um olho mais crítico, no entanto, é possível chegar a algumas conclusões. O superintendente-adjunto da Sudene, Eliezer Menezes, fez as comparações. Uma conta de R$ 19 bilhões, segundo ele, pode ser alta em termos absolutos, mas é diminuta quando comparada com o número de pessoas que vivem na Região. Ou com os escândalos financeiros que o País rotineiramente assiste.

 “Existe até um problema psicológico quando se fala em verbas para o Nordeste”, diz o economista Gustavo Maia Gomes. Para ele, os políticos gostam de exagerar a miséria para obter mais recursos, e muitas pessoas acabam encarando qualquer investimento como esmola. “A verdade – acrescenta ele – é que esse dinheiro, se fosse esmola, seria mesmo muita coisa. Como investimento, porém, não é nada demais”.

Há, no entanto, um outro lado desconhecido. De dez das maiores empresas privadas do Nordeste, sete têm sua origem na atividade de empresários locais. É nordestino de Sergipe, por exemplo, o empresário Mamede Paes Mendonça, dono da quarta maior rede de supermercados do País, com um faturamento de mais de R$ 600 milhões por ano. Paes Mendonça montou uma cadeia com mais de 100 lojas em cinco Estados, onde gera emprego para 19 mil pessoas e vende 31 mil produtos diferentes. 

Já o fazendeiro Geraldo Rola, de Mossoró, a 280 quilômetros de Natal, bate recordes de produtividade em projetos de fruticultura irrigados. Só de melão são 36 mil toneladas a cada safra. Em 1989, a fazenda, que produz ainda maracujá, melancia, limão e caju, proporcionou um faturamento de US$ 30 milhões ao empresário. E ele não tem papas na língua: “Nosso destino é ser uma Califórnia brasileira”, acredita.

Com 253 lojas que faturaram 10 milhões de dólares em quatro meses, o Shopping Center Recife é o segundo maior do País e atraiu grandes comerciantes da Região. Estima-se que, todos os dias, 60 mil pessoas vão ao Shopping fazer compras. Isso significa que, a cada 30 dias, mais da metade de todos os moradores da Região Metropolitana do Recife passam diante de suas lojas.

Uma recente pesquisa feita pelos próprios comerciantes sobre a freguesia revela um dado atraente: 90% dos clientes que frequentam o shopping têm pelo menos um automóvel.

Obstáculos

Mesmo tendo sido a Região que ficou à margem da recessão dos anos 80, o Nordeste coleciona uma variedade de mitos que precisam ser passados a limpo, sobretudo agora diante de estudos sérios. Um deles, o mito pessimista, apregoa que o Nordeste ficou parado no tempo – como parado no tempo, se cresceu mais que o próprio Brasil? Outro mito considera que a Região é a que mais recebe subsídios e investimentos do Governo Federal. O fato é que o Nordeste recebe 16% de incentivos e subsídios distribuídos no país, e a Região Sudeste – de São Paulo, Espírito Santo, Rio de Janeiro e Minas Gerais – fica com 36%, mais que o dobro. 

Um terceiro mito, esse esquerdista, diz que o eleitorado nordestino é de “cabresto”, facilmente manipulado por caciques políticos de direita. O fato:é nas eleições presidenciais de 1989, o candidato do PT, Luís Inácio Lula da Silva, obteve o primeiro lugar em oito das nove capitais do Nordeste, perdendo apenas em Maceió.

Um quarto mito, o agrário, diz que a vocação natural do Nordeste é a agricultura. Na verdade, a agricultura representa apenas 13% do PIB da Região, logo abaixo da indústria, com 27%, e do setor de serviços, 59%. Uma das mudanças mais notáveis do perfil industrial do Nordeste se deu a partir da instalação do Polo Petroquímico de Camaçari, na Bahia, onde se instalaram, ao longo dos últimos 13 anos, as chaminés de aço de 36 empresas num investimento de US$ 6 bilhões. É responsável pela produção de metade das matérias-primeiras de todos os artefatos de plásticos do País, e das mãos dos seus 27 mil trabalhadores saem produtos que geraram, só em 89, um faturamento de US$ 4,2 bilhões, equivalente a 1,2% do PIB do Brasil.

“O Nordeste avança a olhos vistos. Só não vê quem não quer”, diz o superintendente da Sudene, Cássio Cunha Lima. Para ele, a discussão do crescimento do Nordeste está muito mal colocada, notadamente quando se questiona a ação a Sudene. “A economia nordestina foi alavancada depois da criação da Sudene, em 1959”, diz Cássio, acrescentando que se criou um mito perverso quanto à participação do órgão nesse processo.

O economista Gustavo Maia Gomes concorda com ele. “Desde 1980 as coisas não andam bem, mas elas andam pior no resto do País do que no Nordeste. Ajudado pela Sudene, o Nordeste cresceu também em termos sociais e a pobreza se reduziu. Este crescimento deveu muito aos programas oficiais de apoio ao investimento”, atesta Maia, para acrescentar: “Isso não equivale a dizer que não houve desperdício e ineficiência. Muito mais poderia ter sido feito, particularmente nos anos mais recentes, quando os órgãos de desenvolvimento regional foram contaminados pela nomeação de dirigentes medíocres, escolhidos por critérios da mais mesquinha conveniência política”.

O progresso do Nordeste é real, mas não serviu para diminuir as desigualdades sociais. Existe um lado desse pedaço de chão brasileiro que permanece sem apresentar avanços. A Região bate recordes trágicos em matéria de mortalidade infantil (de cada mil crianças que nascem 100 morrem antes de um ano) e em outras mazelas sociais. “É verdade que ocorreu um progresso no cotidiano da maioria das famílias, mesmo as mais humildes, mas também é verdade que esse avanço social pode ser considerado pequeno em comparação com o salto econômico”, atesta a economista Tânia Bacelar, ex-secretária de Planejamento do Governo Arraes, e uma das estudiosas sobre o assunto.

“Seria preciso ser ingênuo para acreditar que o simples crescimento econômico fosse trazer benefícios automáticos para todos”, explica o economista Francisco de Oliveira, outro estudioso da Região. As desigualdades, segundo ele, não se modificam apenas por causa da economia, mas também por um processo mais lento, que é o avanço social.

“Que ninguém se engane: a falência do Nordeste é a falência do Brasil”, adverte o empresário paulista Emerson Kapaz, presidente do Pensamento Nacional das Bases Empresariais, que recentemente se engajou ao Movimento Pró-Nordeste, em busca de uma solução definitiva para a região.

Para o governador do Ceará, Ciro Gomes, o Nordeste deve ser alvo de um programa desenvolvimentista diferente das políticas que até hoje foram destinadas à Região.

“A fome e a inflação são grandes problemas que o país deve combater sem tréguas. Mas o desenvolvimento do Nordeste requer a mesma prioridade dirigida a esses temas, até porque a miséria nordestina é a maior do país e é também um dos componentes da inflação”, argumenta ele. A última vez que um longo período de seca resultou em ação de longo prazo para o Nordeste foi em 1959, quando surgiu a Sudene. A criação do Banco do Nordeste (BNB), no início dos anos 50; da Companhia de Desenvolvimento do Vale do São Francisco (Codevasf), em 42, e Departamento Nacional de Obras Contra a Seca (DNOCS), no começo do século, aconteceram depois de uma grande seca. 

Sudene

Criada há 34 anos para ajudar o Nordeste a diminuir as disparidades com relação ao Centro-Sul do País, a Sudene é, até hoje, um instrumento combatido e gerador de muitas polêmicas. Há quem se refira ao órgão, por exemplo, como um sorvedouro dos recursos destinados à Região, ou até mesmo uma fonte inesgotável da “indústria da seca”, à medida em que faz a intermediação do dinheiro do Governo Federal para projetos via Finor, ou simplesmente torrando as verbas em programas de discutível resultado para o semiárido. 

“A Sudene, hoje, é um grande abacaxi”, diz o governador do Ceará, Ciro Gomes, para quem a instituição está agonizando, devorada por um vazio como nunca houve em sua história e sob bombardeio cerrado de técnicos. “Está numa fase muito ruim”, arremata o governador Joaquim Francisco. O abacaxi tem 300 salas distribuídas por 13 andares, do qual só o último – onde fica a Superintendência – funciona completamente. 

O número de funcionários caiu de 2.500 (há dois anos) para 1.250, dos quais somente 350 são de nível superior. As verbas tornaram-se escassas na vida da Sudene e praticamente não há mais dinheiro para aprovar novos projetos. Em 92 foram aprovados apenas 13 projetos, quando no passado ela já chegou a aprovar até 60 em apenas um mês. 

Antes de chegar à decadência de hoje, a Sudene conseguiu atingir alguns objetivos. Quem observa os índices de miséria do Nordeste é levado a pensar que, durante 34 anos, o dinheiro que o Governo Federal investiu na Região, via incentivos fiscais pela Sudene, foi desperdiçado.

Primeiro, não foi tanto dinheiro assim, conforme atestam os documentos da entidade: exatos US$ 8 bilhões. “Em apenas quatro anos, a Usiminas consumiu US$ 6 bilhões. Itaipu, no mesmo período, recebeu US$ 18 bilhões. E as usinas nucelares, que sequer entraram em funcionamento, levaram US$ 12 bilhões. As indústrias surgidas com o apoio da Sudene criaram cerca de 3 milhões de empregos diretor e indiretos, e são responsáveis por 70% dos impostos industriais arrecadados na Região. Até hoje, foram aprovados 2.800 projetos, sendo que apenas 12% fracassaram, o que está em conformidade com os índices nacionais”, enumera o especialista em incentivos fiscais, Geraldo Wanderley.

Com o apoio da Sudene, o Nordeste passou por uma significativa transformação no seu perfil industrial. Na década de 60, os setores mais tradicionais da economia (têxteis, alimentícios, entre outros), representavam 70% da indústria nordestina. Hoje esse percentual é de 46%. Os setores mais avançados – como metalurgia e petroquímica – tiveram a participação aumentada de 46% para 54%. 

28 ANOS DEPOIS

 - PIB nominal do Nordeste: R$ 595,3 bilhões (US$ 148 bilhões). Em 1993, o PIB do Nordeste era de US$ 65,6 bilhões (R$ 260 bilhões).

 - PIB nominal do Brasil: R$ 5,521 trilhões (US$ 1,3 trilhão). Em 1993, o PIB nacional era de US$ 450 bilhões (R$ 1,8 trilhão). (Cotação do dólar de fevereiro de 2016 em torno de R$ 4,00).

- O Nordeste continua crescendo mais que o Japão, como ocorreu entre os anos 60 e 90 , quando a região atingiu média de crescimento de 6,3%, contra 5,5% do país asiático. Enquanto no último trimestre de 2015 o PIB japonês caiu 1,4%, a previsão era de que o PIB do Nordeste continuasse em alta, como ocorreu em 2014, quando cresceu 3,7%. (O resultado do PIB nordestino do último trimestre de 2015 ainda não tinha sido divulgado).

- PIB nominal per capita nordestino é de R$ 11.044,59 (US$ 2.750,00) – cotação do dólar: R$ 4,00. Em 1960 era de US$ 301. Em 1989, US$ 1.025. Em 1993, US$ 1.494.

- Um dos destaques na Região Nordeste é o Grupo Bompreço, que foi comandado pelo empresário sergipano João Carlos Paes Mendonça desde 1959. Em 1993, faturava US$ 600 milhões por ano. Em 1999, registrou vendas de R$ 2,7 bilhões. Em maio de 2000, foi totalmente vendido para o grupo holandês Royal Ahold. Em março de 2004, o Bompreço foi adquirido pelo Wal-Mart por US$ 300 milhões.

- O Recife e a Região Metropolitana, que só tinham o Shopping Center Recife (Boa Viagem) até o início da década de 90, receberam investimentos pesados no setor. Hoje, além do pioneiro Shopping Recife, a RMR conta com mais sete shoppings: Costa Dourada, no Cabo (investimento inicial de R$ 25 milhões); Guararapes, em Jaboatão (só na última expansão, em 2013, foram investidos R$ 25 milhões); RioMar, no Pina (investimento inicial de R$ 600 milhões); Tacaruna, em Santo Amaro (só na última expansão, em 2014, foram investidos R$ 100 milhões); Plaza, em Casa Forte (investimento inicial de R$ 15 milhões e outros R$ 5 milhões quando da implantação das salas de cinema); Boa Vista, no Centro (investimento inicial de R$ 15 milhões e outros R$ 100 milhões na 3ª etapa); e North Way, em Paulista (investimento inicial de R$ 600 milhões). E mais dois em obras: Camará, em Camaragibe (investimento inicial de R$ 225 milhões); e Patteo, em Olinda (investimento inicial de R$ 150 milhões). 

Para enfrentar a concorrência, o Shopping Recife investiu R$ 90 milhões na sua quinta etapa (inaugurada em 2012). 

- A Sudene, que nos anos 90 já recebia críticas e tinha sua importância reduzida, ficou praticamente abandonada nos últimos anos. O gigantesco prédio, que já estava ocupado por outros órgãos, foi interditado no segundo semestre de 2015, obrigando até a Justiça do Trabalho a se mudar para Jaboatão. 

- O Nordeste obteve avanços no campo da saúde. Em relação à mortalidade infantil, nos anos 90, de cada mil crianças, aproximadamente 100 morriam antes de completar um ano de idade. Segundo o Censo de 2010 do IBGE, agora são 23 mortes em cada mil crianças abaixo de um ano. Uma redução significativa de 74,1%. 

- Entre os principais investimentos em Pernambuco, nos últimos anos, estão a Refinaria Abreu e Lima, em Suape (investimento inicial de R$ 2,5 bilhões e custo final de R$ 20 bilhões); o Estaleiro Atlântico Sul, também em Suape (investimento de R$ 1,8 bilhão); e a fábrica da Jeep, em Goiana (investimento de R$ 7 bilhões). 

- A Região Nordeste recebe, hoje, dois investimentos gigantescos. O primeiro, a Transposição do Rio São Francisco, com muitos atrasos e sobrepreços (o custo passou de R$ 4,5 bilhões para R$ 8,2 bilhões). A entrega da obra foi adiada para este ano. O segundo investimento de grande porte é a Ferrovia Transnordestina. A Obra sofreu nova revisão de preços e o custo saltou de R$ 7,5 bilhões para R$ 11,2 bilhões. O prazo de entrega foi adiado para julho de 2018, mas está parada em Pernambuco, com obras apenas no Ceará.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Blog do Magno 15 Milhões de Acessos 2

07/05


2021

Coluna da sexta-feira

Unidade é essencial

Num primeiro sinal de maturidade política, de que estão com os pés firmes no chão, os prefeitos de Petrolina, Miguel Coelho (MDB), e de Jaboatão, Anderson Ferreira (PL), posaram juntos em Brasília, tendo como testemunhas o líder do Governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB), e os deputados Fernando Filho (DEM) e André Ferreira (PSC). Mostraram disposição para pôr em prática o discurso necessário da unidade das oposições nas eleições para o Governo do Estado, em 22.

Dos três pré-candidatos ao Palácio das Princesas no campo de oposição, Miguel e Anderson são os que mais se movimentam, buscando convergências para superar as divergências. Terceira opção citada, a prefeita de Caruaru, Raquel Lyra (PSDB), é um desejo e uma torcida muito maior do seu partido e de aliados do que dela própria. Por ela, o jogo ainda estaria zerado, porque ensaia e pratica o mesmo discurso massificado e tornado até enfadonho pelo ex-governador Eduardo Campos, de que discussão de eleição só no ano da eleição.

Dizia, entretanto, Ulysses Guimarães, um paulista com sabedoria política inspirada nas montanhas de Minas Gerais, que quem é coxo, parte cedo. O bloco oposicionista pode até não ser coxo, mas tem pela frente um tremendo desafio: construir a unidade do seu palanque. Os últimos embates no Estado e na Prefeitura do Recife já deixaram lições muito claras que sem a construção de um projeto único, amplo, as oposições não vão a lugar nenhum.

Tire-se o exemplo do Recife. Se os partidos de Daniel Coelho, o Cidadania, e de Luciano Bivar, o PSL, não tivessem afrouxado no acordo prévio de que o nome com o maior número de legendas somando em seu favor seria a expressão dessa unidade, o ex-ministro Mendonça Filho, do DEM, atrapalhado na disputa pela Prefeitura do Recife pelos partidos aliados e as pesquisas que se confirmaram distantes da realidade do que as urnas apresentaram, certamente teria amplas chances de ser eleito.

Daniel preferiu apostar numa aventura: a candidatura de uma delegada carioca, com discurso centrado numa perseguição nunca comprovada, diga-se de verdade, ao seu trabalho. Já Bivar tirou do bolso do colete o nome de um advogado que nunca se teve conhecimento da sua militância política no Estado. Resultado: a divisão só beneficiou Marília Arraes, que até o mais neófito cidadão recifense em política sabia que seria atrapalhada e vitimizada pelo seu próprio partido, o PT.

Abertas as urnas do segundo turno, Marília foi derrotada pela rejeição do eleitorado ao PT. A soma dos votos em branco, nulos e abstenção foi maior do que a sua votação, o que comprova que ninguém queria PT. 2022 se aproxima mais veloz do que se possa imaginar e quem imagina que ainda está cedo para mexer as cartas do xadrez se engana. Por isso, Miguel e Anderson querem unidade.

O PSB parecia um pato manco para sucessão de Paulo Câmara, com Geraldo Júlio, o candidato que o partido apresenta como natural, bichado pelos escândalos da pandemia em sua gestão como prefeito do Recife. A ressureição de Lula, no plano nacional, pelo beato-ministro Edson Fachin, do STF, aponta, porém, um caminho que abre, sem dúvidas, horizontes para o partido se manter no poder em Pernambuco, no momento em que for confirmada uma aliança nacional do PT com o PSB.

O recado – De Miguel Coelho sobre a necessidade da unidade: "Caminhamos no mesmo bloco há anos, mas hoje nosso Estado enfrenta seu maior desafio. Somos prefeitos de dois municípios grandes e reunimos ao nosso lado outras lideranças expressivas como o senador Fernando e os deputados André e Fernando Filho. Num momento como esse, é fundamental que possamos discutir como tirar Pernambuco dessa situação de atraso. Estamos no meio de uma pandemia, numa grave crise econômica e o Governo não aponta caminhos. As pessoas nos cobram soluções e acredito que o primeiro passo urgente é amadurecer o debate público sobre o futuro do Estado".

Caminho da recuperação – Já Anderson Ferreira, animado com o encontro, afirmou: “Temos um grupo de oposição que está unido e essa união nos torna mais fortes para debater Pernambuco, diante do cenário de dificuldades que estamos vivendo. Junto com outras lideranças, incluindo a prefeita de Caruaru, Raquel Lyra, podemos tratar com seriedade o futuro do Estado. Não dá para continuar vendo Pernambuco estagnado por falta de diálogo. Por isso, sempre estamos trocando experiências e nos colocando à disposição de outros prefeitos, porque nosso projeto é um só, o de recuperar a economia do Estado e a autoestima dos pernambucanos”.

Quebra de patentes – O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, decidiu apoiar a suspensão de direitos de propriedade intelectual sobre as vacinas contra covid-19, uma ideia proposta por países como Índia e África do Sul na Organização Mundial do Comércio (OMC) que pode permitir a quebra de patente dos imunizantes. A ideia de países em desenvolvimento é facilitar a transferência de tecnologia e possibilitar a produção das vacinas em nações que estão atrás na corrida pela imunização.

Posição do Brasil – Os Estados Unidos, sede de grandes farmacêuticas, historicamente se opõem à discussão sobre quebra de patentes. Desde o ano passado, em rodadas de negociações na OMC sobre o tema, o país foi um dos que rejeitaram a proposta de nações em desenvolvimento, ao lado de Suíça, Japão e Reino Unido, em um embate entre países ricos e pobres. O Brasil começou a defender um caminho do meio, junto com Canadá, Chile e outros, mas não estava claro qual seria. E, portanto, não apoiou a proposta de Índia e África do Sul.

Fraude militar – Uma representação do deputado federal Elias Vaz (PSB-GO) no Tribunal de Contas da União e no Ministério Público Federal pede a investigação de supostas fraudes de empresas em licitações das Forças Armadas. Os valores chegam a quase R$ 40 milhões. Nos casos citados, as entidades pertencem à integrantes do mesmo grupo familiar e participaram de pregões eletrônicos para produtos de gêneros alimentícios como se fossem concorrentes. O documento é assinado também pelos congressistas do PSB Alessandro Molon, Bira do Pindaré e Lídice da Mata. São quatro casos supostamente irregulares identificados pelos autores em quatro cidades.

CURTAS

PENAS MANTIDAS – O Ministério Público Federal manifestou-se contrário a um recurso apresentado pela defesa do ex-senador Luiz Estevão (DF) para anular as penas pelos crimes de peculato e estelionato. Luiz Estevão é dono do site de notícias Metrópoles, com sede em Brasília. O veículo tem recentemente contratado mais jornalistas, como Ricardo Noblat, que estava na revista Veja, e três repórteres da revista Época (do Grupo Globo), que fazem uma coluna de notas.

NOVA JOICE – A deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) compartilhou em uma de suas páginas no Instagram, “Bem estar com Joice”, uma foto de maiô, mostrando seu corpo após perder 24 quilos. “Sim, você consegue. Perdi 24 kg somente com a reeducação alimentar – 45 dias com caldo de carne e depois refeições em pequenas porções a cada duas ou três horas. Muito líquido – água, chá. Cortei o açúcar completamente. Comecei a malhar APÓS emagrecer (1 ano DEPOIS) para adquirir um pouco de musculatura”, escreveu a congressista.

Perguntar não ofende: A CPI da pandemia vai dar em alguma coisa, além do palanque político?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Cristianismo: Pregações da Idade do Ferro cujo objetivo é fazer você permanentemente se sentir culpado.

Fernandes

Sem perder a ordem dos comentários. Ciro Gomes, sobre família Bolsonaro: “Se gritar pega ladrão, não fica um” Ciro Gomes voltou a chamar Jair Bolsonaro de ladrão . No Twitter, o pedetista compartilhou uma reportagem da Folha sobre as investigações que miram os quatro filhos do presidente, e escreveu: “‘Se gritar pega ladrão, não fica um, meu irmão’. O chefe da quadrilha é o pai, Jair Bolsonaro!”

Fernandes

Jacarezinho: 6 fuzis, 25 mortos. Vivendas da Barra: 117 fuzis, 0 mortos.

Fernandes

Até o último fio de cabelo, diz mulher de Moro sobre o arrependimento do voto em Bolsonaro.

Fernandes

Depois de chamar a gestão Bolsonaro de despreparada e boçal, o ex-ministro da Secretaria de Governo Santos Cruz voltou a criticar o presidente e o general Pazuello.


Coluna do Blog
Publicidade

TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores