FMO janeiro 2020

20/09


2006

Diretor do BB pede demissão após dossiê

O diretor de Gestão de Riscos do Banco do Brasil, Expedito Afonso Veloso, comunicou hoje que pediu afastamento do cargo, após seu nome surgir no mais recente escândalo político do país: a tentativa de vender um dossiê contra políticos tucanos com supostas provas de envolvimento na máfia dos sanguessugas.

Afonso Veloso supostamente teria recepcionado Valdebran Padilha da Silva, o intermediário de Luiz Antônio Vedoin, principal envolvido no esquema dos sanguessugas e que teria produzido e tentado vender o dossiê.

A Polícia Federal deve expedir ainda nesta semana uma intimação para ouvir o diretor do BB. A diretoria da instituição financeira se reuniu hoje e discutiu a situação do funcionário.

Em carta à diretoria divulgada pelo banco, Afonso Veloso afirma que, ainda licenciado, cuidou, por livre e espontânea vontade de "questões estritamente particulares, não tendo levado ao conhecimento de meus superiores no Banco a natureza dessas atividades" e que essas atividades não tiveram qualquer relação com o BB.

No documento divulgado pelo banco, não há quaisquer detalhes sobre essas "atividades particulares". O diretor do BB ainda afirma que, após seu afastamento, está disposto a prestar "todas as informações necessárias nos fóruns adequados".

Segundo a assessoria do banco, o Conselho de Administração já aceitou o afastamento de Afonso Veloso e determinou a "apuração dos fatos". As informações são da Folha Online.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Carlos

O Poderoso Chefão cai? Como diz o candidato que não sei o nome...depende de você. Aperte o 4, depois o 5 e confirme. E deixe o resto com Geraldo! 45 nelles!

LandRover

Soltem os dezenas de milhares de ladrões que estão presos nas cadeias deste país. Nelas coloquem os amigos de Lula.

José Rodrigues da Silva

Petezinho escroto esse do Luiz Inácio e asseclas!!!

Paulin de Caruaru.

Cai todo mundo,só não cai o chefão...É uma vergonha.


Prefeitura de Serra Talhada

20/09


2006

Senador quer investigar ligação de ONG com dossiê

O senador Heráclito Fortes (PFL-PI) disse hoje que vai começar a reunir assinaturas para pedir a abertura de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a ligação da ONG Unitrabalho com a compra do dossiê contra candidatos tucanos. O petista Jorge Lorenzetti, acusado de ser o responsável pela compra do dossiê, é ligado à ONG. Segundo informações do site Contas Abertas, a Unitrabalho recebeu na semana passada mais de R$ 4 milhões, justamente no mesmo período em que Gedimar Passos e Valdebran Padilha foram presos com R$ 1,7 milhões para a compra do dossiê. “Isso é um escândalo. Essas ONGs atuam no submundo, não sabemos que tipo de serviços elas prestam”, enfatizou Heráclito.

 

A CPI, segundo o senador, vai investigar não apenas a ONG ligada a Lorenzetti, e sim todas as operações de repasses financeiros do Governo para essas instituições. Para o pedido de abertura de CPI, são necessárias assinaturas de pelo menos 27 dos 81 senadores.

 

Mesmo se conseguir reunir rapidamente as assinaturas, o senador disse que vai esperar para solicitar formalmente a instalação da CPI somente depois das eleições. “Não venham dizer que é questão eleitoral, pois vou dar entrada no pedido somente depois das eleições”, disse.

 

Os governistas prometem se mobilizar para evitar a instalação de mais uma CPI. A senadora Ideli Salvatti (SC), líder do PT no Senado, disse que concorda com as investigações somente depois das eleições, e se elas incluírem repasses do governo Fernando Henrique Cardoso para as ONGs. “Isso tudo começou no governo anterior”, disse. Informações da Agência Nordeste.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Carlos

Ongs são as próximas a serem fiscalizadas...Tem muito desvio de nosso dinheiro fantasiado de benfeitores amigos do PT. Fora corja. 45 nelles!

Ricardo José Amorim Campos

Pior q as ongs são as OSIP. Contrato sem licitacao... o sonho de todo corrupto!!

Paulin de Caruaru.

O dinheiro pago as ONGs é apenas um dos canais utilizados para desviar dinheiro público para o partidão.São milhões de reais.É uma vergonha.

Ricardo José Amorim Campos

Certas coisas nao aceito. Depois de tudo há quem ainda defenda lula. Infelizmente o povo brasileiro nao nasceu p uma democracia; talvez p ser sudito e certamente p ser servo!!!


Abreu e Lima - Prefeitura - Abreunozap

20/09


2006

Descoberta origem do dinheiro do dossiê

A Polícia Federal (PF) já sabe de quais bancos saiu o dinheiro para a compra de documentos que supostamente comprovariam a participação de políticos no esquema de venda superfaturada de ambulâncias. A polícia não informou, no entanto, quais são esses bancos.

Na semana passada, a PF apreendeu US$ 248,8 mil e R$ 1,168 milhão, que serviriam para a compra do dossiê. O dinheiro estava com Valdebran Padilha e Gedimar Passos, dois dos presos acusados de participação no esquema. O dinheiro foi encontrado em dois quartos de um hotel próximo ao aeroporto de Congonhas, em São Paulo.

O dono da Planam, Luiz Antonio Trevisan Vedoin, e seu primo Paulo Roberto Trevisan Vedoin são acusados de planejavar a venda, por cerca de R$ 2 milhões, de imagens de vídeo, uma agenda e fotografias que poderiam envolver políticos no esquema de compra superfaturada de ambulâncias com recursos do Orçamento Geral da União. Informações do JBOnline.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Carlos

O Dinheiro é novamente caixa 2. E aí? Cassa ou não cassa a candidatura do chefão? Por via das dúvidas 45 nelles!!!

Paulin de Caruaru.

Se fussarem um pouquinho mais vão encontrar alguns cents de dólar do Freud,seu segurança, na bolsa de dona Marisa.


Banco de Alimentos

20/09


2006

Pneumonia leva Freire, literalmente, para a cama

 Tentei descobrir o paradeiro do presidente do PPS, Roberto Freire, hoje, em Brasília, que está sumido do noticiário da crise do dossiê. Descobri que está acamado em casa, há 10 dias, com uma forte pneumonia, tentando superar com antibióticos. Ele me contou que o médico pediu repouso absoluto e que a febre já baixou. Acha que deve voltar ao batente nos próximos cinco dias. Saúde, Freire!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Paulin de Caruaru.

Roberto tem anos de vida pública,nunca foi indiciado,tem um patrimônio compatível com anos de atividade política,o crime que cometeu foi ter sacado o que era o governo Lula há muito tempo,nunca foi monitor de zoológico,nem sócio da telemar...

Severino Isidoro Fernandes Guedes

Roberto Freire não merece respeito algum. É um trânsfuga, um travesti da política, um judas que traiu a esquerda e as causas populares. Vai para a lata do lixo da história com outros do seu naipe como Jarbas Vasconcelos, Fernando Gabeira & Cia.

IVAN INÁCIO DE OLIVEIRA

esse tem sete vidas, e várias histórias, é o ioiô da história, mas vale a perunta: Roberto vc é Luana ou Priscila?

Ricardo José Amorim Campos

Antonio, respeite quem tem historia. R. Freire nao é od seu partido, nao esta envolvido em mensalao, vampiro,sanguessuga, dossies...nao suborna o povo com bolsa-escolas (bolsa-voto).

Antonio Dantas

Tenho um bom remédio para esse energúmeno político: Lula, 13 vezes ao dia, por 4 anos. Se houver efeito colateral, aconselho-o a mudar-se para a África e ir conviver com as hienas e as aves de rapina, que são animais da sua espécie.



20/09


2006

Berzoini não cai e volta a bombardear a oposição

Após reunir-se com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ministros, o presidente do PT, deputado Ricardo Berzoini (SP), afirmou nesta quarta-feira que continua na coordenação da campanha de reeleição do petista.
''A coordenação da campanha é prerrogativa da candidatura, se a candidatura decidir afastar, evidentemente, é prerrogativa do presidente Lula, ele tem total liberdade para isso'', disse Berzoini a jornalistas, no Palácio do Alvorada. ''Evidentemente que ele (Lula) não colocou para mim essa hipótese.''

Berzoini disse que aproveitou para relatar ao presidente, que acaba de voltar dos Estados Unidos, a situação do escândalo sobre a compra do chamado ''dossiê Serra''. O deputado criticou a maneira como a oposição está lidando com o caso.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

LandRover

Questão de Raciocínio: Todos os amigos do presidente são do PT, logo todos não são tão honestos assim. Se no Palácio da Alvorada só se fala em deliquência, logo o Brasil virou um antro de corrupção. Se a Estrela que brilha é vermelha, logo todos os ladrões são vermelhos. O presidente é vermelho.

José Rodrigues da Silva

"Nojento" seria mais adequado.

Paulin de Caruaru.

Não trisquem no Lula senão, verão a ira dos comissionados...

Andre Leal

Claro que ele não vai cair, se cair ele vai denunciar todos.Esta esquerda é nogenta!!

Tiago

O Lula só faz isso mesmo proteger os companheiros envolvidos em corrupção, protege até quando pode, depois que o bicho pega pra ele ai o companheiro sai de fininho e ele posa de quem não sabia de nada. É SEMPRE ASSIM CERCADO POR ESSAS PESSOAS E NUNCA SABE DE NADA. COITADINHO!


O Jornal do Poder

20/09


2006

Mendonça teve entrevista polêmica hoje no rádio

O governador de Pernambuco e candidato  à  reeleição,  Mendonça  Filho (PFL), passou por uma  saia   justa, hoje   pela  manhã,  em entrevista  à Rádio CBN. Questionado sobre a Pesquisa Nacional por Amostragem Domiciliar (PNAD), divulgada na semana passada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em que, a taxa de analfabetismo no Estado cresceu de 20,53% para 20,56%, entre os anos de 2004 e 2005, o candidato pefelista assumiu que desconhecia os dados da pesquisa e rebateu o repórter, afirmando que ele deveria apontar, também, números em que Pernambuco evoluiu. “É importante que você coloque para o ouvinte os pontos vários em que Pernambuco evoluiu. Do ponto de vista de saneamento básico, queda da mortalidade infantil”, exemplificou, sendo interrompido pelo repórter, que lhe mostrou dados do esgotamento sanitário em Pernambuco de 2001. Segundo o jornalista, em 40,9% dos domicílios no Estado havia coleta periodicamente e, cinco anos depois, esse dado caiu para 40,5%.

Diante dos números, Mendonça Filho desconversou, citando outros exemplos de dados que, segundo ele, apresentaram melhorias no Estado. “Acesso a abastecimento d’água, energia elétrica, vários outros itens que reduziram”, disse, sem especificar.

Sobre os altos índices de violência no Estado, Mendonça garantiu que houve uma diminuição no número de mortes por homicídio em Pernambuco em relação ao governo anterior aos dois de Jarbas Vasconcelos (PMDB), de Miguel Arraes (falecido ano passado). “Já foi bem pior. A violência é um quadro nacional. Antes (referindo-se ao Governo Arraes) eram 80 homicídios por grupo de 100 mil habitantes. Reduzimos isso para 60 ou 50, mas não significa que estou satisfeito”, afirmou.

Segundo ele, os recursos provindos da venda da Celpe (mais de R$ 1 bilhão) foram destinados a diversos investimentos no Estado, inclusive a segurança. “Em 1999 a polícia nem combustível para as viaturas, que eram 70, tinha. Hoje são 200 viaturas”, comentou.

Outro ponto polêmico da sua campanha que vem sendo cobrado pelos adversários - a veiculação da imagem do presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) no guia eleitoral da União por Pernambuco - segundo Mendonça é desnecessária, já que o tucano possui seu próprio tempo na TV. “O público pernambucano sabe que ele (Alckmin) é o meu candidato a presidente. Com relação ao espaço de propaganda na televisão, ele tem o espaço dele”, afirmou Mendonça Filho, justificando que “o Tribunal Superior Eleitoral enrijeceu ainda mais a aparição de candidatos à Presidência da República em guias regionais”. “Há até uma restrição envolvendo até a própria candidatura do candidato do PT em Pernambuco com relação ao uso da imagem e da voz do presidente da República”, afirmou, se referindo ao candidato ao Governo de Pernambuco Humberto Costa (PT) e ao presidenciável Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

O lançamento do programa de Governo de Mendonça Filho, de acordo com ele, será nesta segunda-feira. Neste mesmo dia, ele confirmará a sua participação, ou não, no debate da Rede Globo, que será realizado no dia 28 de setembro.Informações da Agência Nordeste. 
 
 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Paulin de Caruaru.

Para espelhar as qualidades do chefe da nação,o melhor para Pernambuco seria um candidato INDICIADO,sob suspeita.

Antonio Dantas

O Mão-de-Oncinha, filho do Mão-de-Onça, do BNB, deixa antever que é um despreparado quando o seu tutor, Jarbas, não está por perto. Parece até um cachoro quando cai do caminhão de mudança, pois não diz coisa com coisa quando tenta dar alguma explicação sobre o desastre de 8 anos do seu governo.

Raimundo Eleno dos Santos

Mendonça se comporta titubeante ante um repórter, quanto mais quando estiverem reunidos os candidatos,todos eles.A voz não lhe sairá da garganta.E,se sair,vai ser com muito esforço.Sabe? Eu acho que não deveria ir. Se for, será como ouvir um gago.Será um dia memorável. Mememendodonça fafalandoooo

prudencio godoy de melo galvao

Diante desse desempenho, esse rapaz, tem alguma condição de participar, de algum debate, é como eu falei, vai arrumar um DESCULPA DE AMARELO E VAI SE ESCONDER DEBAIXO DA CAMA, ah ele disse que a presença de ALKIMIM, eh desnecessária, poís ele tem seu proprio guia, E JARBAS TB, não tem o seu?



20/09


2006

Serra diz que dossiê é "baixaria eleitoral"

O candidato do PSDB ao governo de São Paulo, José Serra, chamou nesta quarta-feira de "baixaria eleitoral" o episódio sobre a suposta compra de um dossiê pelo PT contra ele e o tucano Geraldo Alckmin, candidato à Presidência.

"Uma baixaria organizada pelo PT, pelo presidente do PT [Ricardo Berzoini], pelo candidato do PT em São Paulo [Aloizio Mercadante] e por outros integrantes deste partido", disse Serra durante o lançamento do programa de governo de Alckmin.

O tucano disse ainda que agora é fundamental investigar a origem do dinheiro. "Trata-se de delinqüentes, de comercialização de baixaria."

Hoje, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), candidato à reeleição, convocou uma reunião de emergência, no Palácio da Alvorada, para tratar do dossiê. Participam do encontro o presidente nacional do PT, Ricardo Berzoini, os ministros Tarso Genro (Relações Institucionais) e Márcio Thomaz Bastos (Justiça), o presidente da Câmara, Aldo Rebelo (PC do B-SP), o chefe de gabinete do presidente Lula, Gilberto Carvalho, e o publicitário da campanha, João Santana.

O presidente do PT deve explicar a participação de seus subordinados na compra do dossiê. Jorge Lorenzetti, que até ontem fazia parte da coordenação de campanha do presidente, é apontado como um dos mandantes da negociação do documento.

Expedito Afonso Veloso é diretor da área de Gestão de Riscos do Banco do Brasil e supostamente teria recepcionado Valdebran Padilha da Silva, o intermediário de Luiz Antônio Vedoin, principal envolvido no esquema dos sanguessugas e que teria produzido e tentado vender o dossiê.

Oswaldo Bargas foi secretário do Ministério do Trabalho durante a gestão de Berzoini e procurou jornalistas da revista "Época" para oferecer material contra "políticos de renome", com "fotos, vídeos e documentos", o que levantou suspeitas de que também soubesse do dossiê.

Em conversas reservadas, dirigentes do PT apostam que nas próximas horas Berzoini deve entregar o cargo de coordenador nacional da campanha de Lula e dificilmente também vai se sustentar na presidência do partido.

A avaliação é que o presidente do PT não poderá se colocar como inocente no episódio, pois este papel já pertence ao presidente Lula.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Severino Isidoro Fernandes Guedes

Serra foi o homem dos dossiês e armações no governo FHC (lembram do caso Roseana Sarney?). Agora vem com essa história de baixaria. Baixaria quando só quando é com ele, quando é com os outros não é baixaria não senhor Serra? O senhor também deve explicações!

IVAN INÁCIO DE OLIVEIRA

VI O VÍDEO, E AQUILO NÃO É MONTAGEM, CHAMEM O RICARDO MOLINA DA UNICAMP, AÍ A GENTE SABE SE A IMAGEM E OS DISCURSOS SÃO DE SERRA E DOS SANGUESSUGAS OU NÃO. OU SE ERAM SÓSIAS DO SERRA E DOS SANGUESSUGAS.



20/09


2006

PF deve ouvir hoje Vedoin sobre dossiê

A Polícia Federal (PF) de Cuiabá, no Mato Grosso, deve ouvir hoje à tarde o depoimento do dono da Planam, Luiz Antonio Vedoin. A polícia ainda tenta localizar Darci Vedoin, pai de Luiz Antonio, para que ele também preste depoimento. A empresa é acusada de liderar o esquema de compra superfaturada de ambulâncias.

De acordo com a PF, o delegado responsável pelo caso, Diógenes Curado, pedirá mais diligências para ajudar nas investigações. Ele deve enviar ainda hoje o inquérito para a Justiça, para que os pedidos de diligência sejam analisados. Ontem, após a instauração do inquérito na PF, a Justiça Federal decretou segredo de Justiça nas investigações.

A polícia também pretende intimar o assessor de risco e mídia da campanha de Lula, Jorge Lorenzetti, o ex-secretário do Ministério do Trabalho e responsável pelo capítulo de Trabalho e Emprego do programa de governo da candidatura à reeleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Oswaldo Bargas, e uma terceira pessoa, de nome Expedito.

Lorenzetti, que ontem pediu o desligamento formal da campanha de Lula, era chefe imediato de Gedimar Passos, um dos acusados de tentar  vender um dossiê que comprovaria a participação de políticos no esquema, como o candidato do PSDB ao governo de São Paulo, José Serra.

Bargas teria participado de negociação com uma revista de circulação nacional para a venda dos documentos. Tanto Bargas quanto Lorenzetti teriam checado o interesse da revista em produzir matérias com base nesses documentos.

O terceiro intimado, Expedito, é um funcionário do Banco do Brasil que presta serviço para a campanha de Lula e também teria participação no esquema. As informações são do Portal Terra.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


20/09


2006

ONG de churrasqueiro de Lula recebeu R$ 18 milhões

Do blog de Noblat: "A ONG Unitrabalho, que tem como colaborador Jorge Lorenzetti, acusado de estar envolvido na compra do dossiê para incriminar tucanos, recebeu R$ 18,5 milhões da União desde o início do governo petista até setembro deste ano. Coincidência ou não, desse dinheiro, R$ 4,1 milhões foram pagos pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) na última quinta-feira (15/9), um dia antes de Gedimar Pereira Passos e Valdebran Padilha serem presos portando R$ 1,7 milhão.

Este ano, a Unitrabalho (Fundação Interuniversitária de Estudo e Pesquisa sobre o Trabalho) recebeu R$ 4,4 milhões dos cofres federais, dos quais mais de 90% foram pagos na semana passada. O total repassado até agora em 2006 é cinco vezes maior do que toda a quantia desembolsada no período entre 1996 e o final do governo Fernando Henrique Cardoso, que não chega sequer a R$ 1 milhão. No ano passado, o montante foi ainda mais expressivo com repasses da ordem de R$ 7,2 milhões. As transferências em 2003 e 2004, feitas em favor da ONG que conta com o apoio de Lorenzetti chegam a quase R$ 7 milhões."


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


20/09


2006

Tasso: "Tasso é impossível que Lula não sabia das coisas"

 Os presidentes do PFL, Jorge Bornhausen, e do PSDB, Tasso Jereissati, fizeram novas críticas ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, afirmando que é impossível que ele não soubesse da compra do dossiê contra os candidatos tucanos José Serra e Geraldo Alckmin.

''Não conheço nenhum candidato a presidente que não saiba o que o partido vai fazer. O partido comandou este crime eleitoral organizado. Ele vai ter que provar que não sabia, o que eu acho muito difícil'', afirmou Bornhausen.

Tasso disse que o episódio demonstra a ''promiscuidade'' da relação entre Lula, o partido e o dinheiro público. ''Essa relação agora está clara. O que está muito claro é a relação de promiscuidade, a confusão entre o que é público, o que é do PT'', afirmou.

Para exemplificar sua afirmação, Tasso disse que ''todos eles [os envolvidos com o caso do dossiê] estão na campanha, são do PT, do comando do PT e tem algum cargo público muito perto do Lula''.

Ambos participam do lançamento do programa de governo do tucano Geraldo Alckmin no Rio. Os candidatos ao governo de São Paulo, José Serra, e Minas Gerais, Aécio Neves, também estão presentes, assim como o prefeito carioca, César Maia, um dos nomes fortes do PFL.

Bornhausen fez ainda uma citação irônica sobre o envolvimento de Oswaldo Bargas, ex-secretário do Ministério do Trabalho e ligado a Ricardo Berzoini, presidente do PT. As informações são da Folha Online.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Severino Isidoro Fernandes Guedes

Essa camarilha do PSDB-PFL acostumada a encobrir seus escândalos com o engavetador geral da República agora quer posar de donzela. Mas esse discurso de donzela em corpo de prostituta não convence ninguém. Por isso é que eles não emplacam nas pesquisas. Porque não são éticos como dizem.

Paulin de Caruaru.

Só não existe punição para o chefão...

Raimundo Eleno dos Santos

O grande mal de tudo isso é que não existe nem tapete nem gavetas nem engavetadores. O que acontece é posto logo às claras.