FMO janeiro 2020

20/09


2009

Nome de Chinaglia aparece na sentença que condenou Toffoli

 O nome do deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), ex-presidente da Câmara, aparece na sentença da Justiça do Amapá que condena o advogado-geral da União (AGU), José Antonio Dias Toffoli, e outras três pessoas a restituir R$ 420.000 ao erário por supostas irregularidades na contratação de serviços jurídicos, em 2001, pelo governo daquele estado. Indicado na última quinta-feira pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva para ocupar a cadeira deixada pelo ministro Carlos Alberto Direito no Supremo Tribunal Federal (STF), Toffoli é amigo de Chinaglia.

Ao mencionar trechos da ação pública proposta pelo ex-governador amapaense Annibal Barcellos, que resultou na sentença do dia 8 passado, o juiz Mário Kaskelis, da 2ª Vara Cível de Macapá, descreve que “os requeridos (acusados, entre eles Toffoli) estavam sendo contratados como forma ‘camuflada’ de pagar com recursos públicos os serviços profissionais realizados para as pessoas físicas de João Capiberibe (ex-governador do Amapá), João Plácido (ex-procurador-geral do estado) e ainda ao provável amigo Arlindo Chignália Júnior”. Kaskelis fez apenas essa referência ao parlamentar petista, sem fornecer mais detalhes.

Procurado neste sábado por ÉPOCA, Chinaglia negou qualquer irregularidade, afirmou que o ex-governador Annibal Barcellos faz uma “acusação desqualificada” e promete tomar providências na Justiça. (Informações do site da revista Época)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

milton tenorio pinto junior

Corja de picaretas esses petistas....


Detra maio 2020 CRLV

20/09


2009

Serra municia propaganda eleitoral de Dilma. Se o PT gravou...

                                  Deu no UOL hoje(ontem):

 

 ''''O governador de São Paulo, José Serra, um dos pré-candidatos à Presidência pelo PSDB e possível adversário de ao menos duas candidatas nas eleições do ano que vem, afirmou em Salvador que ''as mulheres são melhores'' porque ''mulher é durona, quer cumprir a lei e proteger a comunidade''.

 

''Quando eu vou a formaturas da Polícia Militar, as mulheres quase sempre pegam os primeiros lugares. Mulher polícia, mulher juíza, mulher promotora, mulher delegada são fogo'', disse em entrevista à TV Itapoan, afiliada da Rede Record.

 

Nas eleições de 2010, se escolhido pelos tucanos, Serra pode ter como principal adversária a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff,  a quem o presidente Luiz Inácio Lula da Silva aponta como sua candidata pelo PT.''''

 

Dilma sai da toca

 

Chama a atenção neste domingo a entrevista da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, a Valdo Cruz, da Folha de S. Paulo. Ela diz que o estado mínimo é uma ''tese falida''e critica o fato de as pessoas chamarem o presidente Lula de intervencionista.

 

Para quem pretende conhecer um pouco mais do que pensa a candidata de Lula à sucessão presidencial, a entrevista dá a entender que a visão dela para o futuro é de um estado forte e amplo.

 

Do blog de Denise Rothenburg


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Abreu e Lima - Maio

20/09


2009

Candidato sem simpatia e jogo de cintura sofre, admite Dilma

 Ainda sem assumir oficialmente uma candidatura que o presidente Lula divulga pelo país, a ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) afirma que nunca imaginou um dia disputar esse cargo e que, na infância, seu sonho era ser ''bailarina''. Tida como uma futura candidata ''sem carisma nem jogo de cintura'', a ministra reconhece que são qualidades importantes num candidato. Quem não as tem, afirma, ''sofre''.

A seguir, trechos da entrevista concedida à Folha, na qual afirmou que o governo Lula fez o brasileiro perder ''aquilo que o Nelson Rodrigues chamava de complexo de vira-latas''. (VALDO CRUZ)

 

FOLHA - Quais são os pontos positivos que o governo Lula poderá apresentar durante a campanha eleitoral, em 2010?
DILMA ROUSSEFF
- Eu acho que três, que vamos deixar de legado. Crescimento econômico, inflação sob controle e o fato de termos elevado à classe média milhões de brasileiros. Outro dia, o último dado dava quase 25 milhões de pessoas. Criamos uma rede de proteção para os mais pobres, fizemos uma transformação da educação básica. Tem ainda a questão das escolas técnicas, esse orgulho do presidente de ser quem mais criou universidades no Brasil. O JK criou 10, ele criou 11.

FOLHA - Duas não vinham do governo FHC?
DILMA
- Tem mais três no Congresso. Tem o PAC. E tem mais uma coisa, a questão da nossa soberania, o fato de termos sido capazes, mantendo a nossa soberania, de ter uma política externa de diversificação de parceiros. O Brasil acabou com a submissão que tínhamos aos Estados Unidos, à Europa, e passou a ser um ''player'' internacional. E o presidente fez isso magistralmente. Essas coisas produzem, no Brasil e no governo, a respeitabilidade internacional. Eu acho que essa autoestima nós conseguimos passar para a população. Hoje nós não temos mais aquilo que o Nelson Rodrigues chamava de complexo de vira-latas. Eu acho que o Brasil mudou. E acho que as pessoas sabem disso.

FOLHA - E os pontos negativos do governo Lula, que serão explorados pela oposição?
DILMA
- Ah, se a gente tivesse mais um prazinho fazia. A gente sempre pode melhorar tudo.

FOLHA - Mas alguns pontos, como saúde, segurança...
DILMA
- Eu acho que nós temos uma grande tarefa daqui para a frente. O presidente sempre fala nisso. A questão da melhoria do Estado brasileiro. Esse negócio de transformar, de criar o Estado mínimo, é uma coisa muito ineficiente. Nós tivemos, depois da década de 80, um processo de desmantelamento da máquina pública, o que implicou perda de capacidade e de engenharia.

FOLHA - A sra. acredita que esse conjunto de programas será suficiente para o presidente eleger o seu sucessor?
DILMA - Nós acertamos mais do que erramos. Olha, se aquele assessor do Clinton tinha razão, ''é a economia, estúpido'', eu acho que o presidente Lula tem um governo que não é só economia. É, como eu disse, o social, o nacional e o internacional. Então, acho que, pelo menos, nós deixamos um grande legado.

FOLHA - Uma plataforma para eleger o sucessor?
DILMA
- Esperamos que sim, mas, se não for suficiente, é um bom legado.

FOLHA - Como principal auxiliar do presidente Lula, como definiria a mensagem de uma campanha eleitoral no ano que vem?
DILMA
- Não tenho a menor ideia, porque não sou marqueteira, não tenho esse talento. Mas no dia que eu tiver clareza disso eu te conto.

FOLHA - Mas a sra. conhece todo o governo. Não estou dizendo um slogan, mas a mensagem. DILMA - Mas eu já respondi isso, quando falei dos quatro pontos que nos distinguem. Acho que a questão do pré-sal é uma marca inequívoca nossa. Eu acho que nossas intervenções foram todas estruturantes para o país. O que eu estou querendo dizer é o seguinte: esse governo pode ou não fazer seu sucessor, eu pessoalmente espero que ele faça, agora inequivocamente ele mudou o Brasil, o de 2010 não tem nenhuma similaridade com o de 2002. Nem nas expectativas das pessoas, nos sonhos das pessoas, no que as pessoas acham que é possível ter. Até isso eu acho que é importantíssimo, nós elevamos o que as pessoas podem sonhar. Nós aumentamos as possibilidades de sonhos. Então o maior legado é essa imensa esperança de hoje que esse povo tem.

FOLHA - Candidata a presidente tem necessariamente de ser simpática e ter jogo de cintura?
DILMA
- De preferência, ser simpático e ter um de jogo de cintura.

FOLHA - E não tendo essas características?
DILMA
- A pessoa sofre.

FOLHA - A sra. vai sofrer?
DILMA
- Eu não sei ainda. Mas a gente sempre sofre, não dá para achar que o mundo é um paraíso, que a gente vive em um mar de rosas.

FOLHA - O presidente tem falado, nos últimos dias, abertamente da sua candidatura a presidente...
DILMA
- Pois é.

FOLHA - A sra. imaginou um dia disputar esse cargo?
DILMA
- Se você perguntar para mim se alguma vez imaginei disputar, não. Imaginei não.

FOLHA - O que é ser candidata a presidente da República?
DILMA
- Olha, [reflete por alguns segundos], eu acho que é para qualquer pessoa, brasileiro ou brasileira, é algo muito... Primeiro, honroso, a pessoa tem de se sentir muito honrada. Segundo, eu acho que é algo que o pessoal da minha geração, ela queria mudar o Brasil, o mundo, e queria um mundo mais justo, um Brasil mais avançado.
A minha geração foi contra a pobreza, a favor dos trabalhadores, a favor do desenvolvimento do país, da riqueza do Brasil. Então eu acho que o governo Lula nos deu a possibilidade de tornar isso real. Ainda no meu período de vida, porque podia ter passado por esse período e não ter se tornado realidade. Então essa experiência no governo Lula já foi avassaladora. Eu acho, para qualquer pessoa, estou falando do meu lado, do pessoal que está tocando o governo Lula, é uma honra. E, mais do que isso, é a continuidade disso que importa.

FOLHA - A sra. poder continuar isso é uma honra?
DILMA
- É uma honra, é uma honra, sem sombra de dúvidas.

FOLHA - A sra. se sente preparada para isso?
DILMA
- Eu não sei, porque essa, daqui para a frente, você não me pega em mais nenhuma, tá? Porque eu não vou entrar na sua, especulando sobre candidatura.

FOLHA - Mas a sra. já falou tanto sobre isso.
DILMA
- Não, não vou. Não. Agora encerramos essa conversa de candidatura. A gente retomará, oportunamente, se for o caso, em 2010. Eu todas as vezes falei do ponto de vista conceitual. Isso é um assunto para ser tratado depois das convenções dos partidos, do PT.

FOLHA - Mas a sra. disse que é uma honra?
DILMA
- Para todos nós será. Para todos nós, da minha geração e dos que participam do governo Lula, é uma honra. Porque tem isso no governo Lula. A gente tem esse lado, considera uma coisa muito importante.

FOLHA - A sra. teve, na infância, esse desejo de um dia ser presidente?
DILMA
- Não, eu não tive não. Isso, eu acho que é mais de homem. Na minha época eu queria ser bailarina.

FOLHA - De bailarina a presidente da República.
DILMA
- Não, mas é bailarina. Menina queria ser bailarina, princesa, Cinderela. Quando menina, da minha geração, queria ser bailarina, a gente gostava muito de bailarina.

FOLHA - A sra. fez exames na semana passada...
DILMA
- Não, não fiz. Vou fazer, porque na semana passada, eu ia lá fazer, mas eu saí em férias e perguntei se precisava ir. Como estava em férias, tanto faz fazer numa semana, duas semanas depois. Vou fazer no final da próxima semana. Aí nós vamos fazer de fato o anúncio oficial da minha situação de saúde. Mas eu tenho absoluta certeza de que estou curada.

FOLHA - A doença mudou o comportamento da sra.?
DILMA
- Muda, muda. Você dá mais importância a coisas menores. Por exemplo, você dá importância ao sol batendo nas folhas, você olha o mundo com outros olhos. Você dá importância maior para a vida. É sobretudo isso. Quer uma síntese. Dá uma imensa importância para a vida e suas manifestações. Árvores, flores, você olha mais, e dá mais importância para o mundo de uma forma mais tranquila, mais calma. Mesmo trabalhando 24 horas por dia.

FOLHA - A sra. se sente mais forte depois disso tudo?
DILMA
- Fica mais forte. Foi o que eu falei no início, doente velho é um bicho muito esperto. Você fica esperto, fica mais forte.

FOLHA - Fica mais forte para qualquer desafio pela frente?
DILMA
- Fica mais forte para enfrentar, porque as outras coisas não são tão desafiadoras como é a vida. A vida é mais desafiadora do que qualquer outra coisa. E tem de dar valor a isso, viver.

FOLHA - O que mudou na vaidade da sra. nesse período?
DILMA
- Valoriza horrores o cabelo. Porque você perdeu, então valoriza ele, fica olhando para ele, passa a mão, olha se ele cresceu.

FOLHA - A sra. quer tirar a peruca quando?
DILMA
- Eu estou esperando que ele cresça um pouquinho. Eu não posso nem dar de exemplo o cabelo de vocês, que são imensamente maiores do que o meu. O meu está muito curto. O que acontece, estou esperando ele crescer um pouquinho. A minha expectativa é essa, de que venha bem bonito, mas esse é um grande desafio.

FOLHA - Sobre a ex-secretária da Receita Federal Lina Vieira, ela afirma que se encontrou com a sra. A sra. afirma que não. O que afinal aconteceu?
DILMA
- Para mim, esse episódio está encerrado. 

(Da Folha de S.Paulo)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

JARBASTA

EU NÃO CONSIGO ENTENDER COMO É QUE AINDA TEM NORDESTINO QUE TORCE PELA ELEIÇÃO DE ZÉ PEDÁGIO SERRA, SÓ MESMO LEVANDO NO NOME ALGO MINÚSCULO.

Junior Bernardino de Albuquerque

EU AINDA NÃO CNSIGO ENTEDER QUE AINDA TEM BRASILEIRO JUMENTO CAPAZ DE VOTAR NO PT, BASTA DE CORRUPÇÃO.

josenildo de lima cordeiro

EU NÃO CONSIGO ENTENDER COMO É QUE AINDA TEM NORDESTINO QUE TORCE PELA ELEIÇÃO DE JOSÉ SERRA.VEJA NO CASO DO PRÉ-SAL ELE O GOVERNADOR DO RIO E DE ESPIRITO SANTO FORAM PRESSIONAR LULA PARA ESTES ESTADOS FICAREM COM A MAIOR FATIA DOS ROYATES ARRECADADOS.IMAGINE SE ELE FOSSE O PRESIDENTE?

Pedro Batista Filho

Amigo Milton, ñ consigo entender sua coerência, em uns comentários admite o bom governo do presidente Lula e suas benfeitorias para c o NE, e ainda assim prega a eleição desse comprovadamente anti-nordestino José Serra. Vai entender!

JARBASTA

Que bando de perguntas bobas nessa entrevista, vê-se claramente que o objetivo aí era ver se Dilma dava uma escorregada. Amanhã seria manchete, ou talvez quem sabe, seria o título (a chamada) da entrevista. Esse PIG não tem jeito.


Prefeitura do Ipojuca

20/09


2009

Magalhães recebeu reforma eleitoral como mais uma derrota sua

 

 Os outdoors, para o deputado Roberto Magalhães, são a única forma de um cidadão de classe média fazer campanha. ''A manutenção de sua proibição é mais uma derrota minha”, desabafa o parlamentar,  em entrevista a Gilberto Prazeres, da Folha de Pernambuco, manifestando o seu desagrado para com a reforma eleitoral aprovada na Câmara. Magalhães, destaca a reportagem, que é defensor convicto da utilização de outdoors durante a campanha eleitoral, considera que a aprovação da mensagem pode ser contabilizada como mais uma de suas derrotas no Congresso.

 

Na bancada pernambucana, alguns, como o novo petebista Silvio Costa, apostam que “as novas regras, apesar de ainda não representarem a vontade de todos na Câmara, contribuirão para a melhoria do processo eleitoral”, segundo ainda o texto do repórter da Folha. Já outros, como peemedebista Raul Henry, definem o texto das modificações como “um arrumado sem substância”.

 

 “Não tem poder de transformação. É uma coisa superficial que não representa avanço algum. É uma frustração para esta legislatura, que não conseguiu realizar a reforma política, que com o voto em lista e o financiamento público, sim, poderia contribuir para o fortalecimento do processo”, afirmou Henry.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

milton tenorio pinto junior

..Roberto Magalhães é outra coisa. A reforma politica já deveria ter sido feita... Só assim acabaria com esses pseudo partidos nanicos picaretas..

milton tenorio pinto junior

Desde quando opinião de Silvio Bocão Costa vale alguma coisa?



20/09


2009

Viajando pelo Estado, João Paulo abre caminho para o Senado

Do Diario de Pernambuco

 Visitar associações de produtores rurais, conversar com políticos do interior e até participar da festa de inauguração de um trator têm sido parte da rotina do ex-prefeito do Recife João Paulo (PT). Desde que se tornou secretário estadual de Articulação Regional, há quase dois meses, o petista já fez sete viagens ao interior do estado, mais duas a Brasília e embarca neste domingo para Petrolina. Um roteiro com duas missões claras: dar visibilidade a sua pasta e, por tabela, pavimentar o caminho para ocupar uma cadeira no Senado em 2010.

 

Assim que assumiu o posto de secretário, com caixa esvaziado, no final de julho, o petista abarcou para a sua pasta os programas Promata, Prometrópole e Prorural, que pertenciam à secretaria de Planejamento. Três plataformas políticas com abrangência estratégica em todo o estado, especialmente nas camadas mais pobres. Acompanhado dos gerentes desses projetos, João Paulo tem participado pessoalmente de todos os eventos que pode, por mais simples que eles sejam. "A luta pelo trator na zona rural é a mesma coisa da luta por emprego e renda numa cidade como o Recife. Não vejo muita diferença", diz o ex-prefeito.

Nesses eventos, o petista não vem fazendo corpo a corpo apenas com a população. Prefeitos, vereadores e lideranças políticas de partidos da base aliada costumam ser convidados para acompanhar o secretário nesses municípios. (André Duarte)

 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

milton tenorio pinto junior

Se alguém duvida que João é candidato ao Senado, aí vai uma dica: Sinésio é candidato a Dep. Federal.

Emanuel Vasconcelos

É isso ai Joao Paulo, vamos mostra para o senador anao Severino Sergio Guerra quem será o novo SENADOR de Pernambuco em 2010 ! to com vc e nao abro.

Cátia Santos

Este daí, com este "jeitinho" ZEN de ser, não quer mais perder a PODER, por isso, quer toda ate~ção para ele, porém, vejamos: VEM MUITAS BRIGAS POR AÍ... Aguardemos as próximas CENAS... Dá-lhe João Lindú


Banco de Alimentos

20/09


2009

Justiça nos Estados gasta 90% dos recursos com servidores

 O Judiciário estadual consome, em média, 90% de seus recursos com o contracheque dos servidores - magistrados e pessoal administrativo. Há tribunais que aplicam 99% da verba em despesa de pessoal, de acordo com mapeamento do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). É o caso do Tribunal de Justiça do Piauí, que, no ano passado, desembolsou com o pagamento de salários R$ 157,78 milhões, 99% da despesa total da corte.

No ano passado, os 27 Tribunais de Justiça estaduais gastaram juntos R$ 16,73 bilhões com o holerite da toga. A forma como o Judiciário aplica o dinheiro público consta do Justiça em Números, sistema que retrata o desempenho e o custo dos tribunais. O arquivo é abastecido com dados que as próprias cortes repassam. A função do CNJ é fiscalizar a magistratura.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

edberto quental

E ainda nos julgam e condenam...


O Jornal do Poder

20/09


2009

Fraco desempenho de Dilma leva aliados de Lula a um plano B

 Os principais aliados do sonho eleitoral do presidente Lula - de fazer da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, sua sucessora - estão com ele e até se digladiam nos bastidores pelo posto de vice na chapa presidencial. Ao mesmo tempo, líderes do PMDB, do PSB, do PDT e até do PT não escondem a preocupação com o fraco desempenho da candidata Dilma nas pesquisas de intenção de voto e já articulam um plano B. Foi na iminência de a cúpula peemedebista emplacar o presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), como vice da candidata petista que o deputado Ciro Gomes (PSB-CE) abriu guerra contra o PMDB. 

A boa performance registrada nas primeiras pesquisas de intenção de voto deram a Ciro e ao PSB exatamente o que precisavam para sobreviver à primeira fase da corrida presidencial. O ex-governador do Ceará já se qualificou como o melhor plano B à disposição de Lula, caso a candidatura Dilma não decole no início de 2010.

''Muitos partidos têm plano B; só quem não tem é o PT'', avalia o senador Expedito Júnior (PR-RO), para quem Dilma ''vai mal'' porque pegou ''a rebarba'' da crise do Senado e ainda cometeu uma sucessão de erros que podem lhe custar a candidatura.(Informações de O Estado de São Paulo)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


20/09


2009

"Dilma precisa assumir candidatura", diz Temer, provável vice

  ''A Dilma até hoje não se disse candidata. O que ela precisa é assumir.'' Em entrevista ao Estado, o presidente licenciado do PMDB, deputado Michel Temer (SP), mostra que o partido já vive uma tensão pré-aliança para 2010, quer uma definição do PT e do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ''até outubro'' e cobra uma posição da ministra-chefe da Casa Civil como pré-candidata. Para Temer, ''se não houver afirmação nacional de que há uma aliança, as coisas começam a desandar''.

Apontado como provável vice na chapa governista à sucessão de Lula, Temer não hesita em afirmar que seu partido faz questão do cargo para compor uma parceria com o PT. ''O PMDB tem de entrar com a mesma estatura da legenda com quem faz aliança, e não em posição subalterna'', justifica. Em síntese, a vice é ''indispensável''.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

irania Olivia Benicio

Será que não existe algo mais qualificado de que Temer e Dilma, para o cargo de vice e presidente desta nossa República?


Shopping Aragão

20/09


2009

Pesquisa: Ciro sobe e Marina começa a incomodar

 A pesquisa CNI/Ibope a ser divulgada na segunda-feira trará uma novidade inconveniente para o governo – e não são os cerca de 40% das preferências para José Serra. O incômodo maior será ver Ciro Gomes em segundo lugar. A diferença real entre Ciro e Dilma Rousseff pode até nem existir, pois está dentro da margem de erro da pesquisa, mas sua divulgação fará grande barulho. Na mesma pesquisa, Marina Silva começa a dizer a que veio – ela surgirá com 6% das intenções de voto.  (Radar - Veja)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

milton tenorio pinto junior

Marina´não representa o novo. No seu guia ao lado de Zequinha Sarney mostrou seu comprometimento com o antigo, com o atraso.



20/09


2009

Senado: e aí, que providências tomaram?

 O presidente da Comissão de Fiscalização e Controle, Renato Casagrande (PSB-ES), vai convidar o primeiro-secretário, Heráclito Fortes (DEM-PI), e o diretor-geral, Haroldo Tajra, para prestarem contas do que efetivamente foi reestruturado na administração do Senado depois de descobertos os atos secretos e outros descalabros.

Sei lá. Com a revalidação dos atos, a permanência ou mesmo promoção de servidores contratados sem publicação, a efetivação de estagiários secretos e a iminente volta de Agaciel Maia ao trabalho, resta saber o que a dupla vai mostrar como portifólio.

(Painel - Folha de S.Paulo)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


20/09


2009

Dilma: "Os empresários podem falar o que quiserem. Lula não?"


Sérgio Lima/Folha Imagem

A ministra Dilma Rousseff (Casa Civil), em seu gabinete no CCBB, em Brasília 

Candidata à Presidência em 2010, a ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) diz que o Estado mínimo é uma "tese falida", que "só os tupiniquins" aplicam. Em sua opinião, quem defendia que o mercado solucionava tudo "está contra a corrente" e "contra a realidade". Principal auxiliar do presidente Lula, escolhida por ele para ser a candidata à sua sucessão, Dilma sai em defesa do chefe diante das críticas de que ele adotou uma política "intervencionista e estatizante".

"Os empresários podem falar o que quiserem, que é democrático. O presidente da República não pode dar uma opiniãozinha que é intervencionista. Diríamos assim, não é justo", protestou Dilma, num tom exaltado, em entrevista à Folha, na última quinta-feira, em seu gabinete, todo ornamentado com imagens de santos.

Bem-humorada, a ministra afirmou não aceitar a pecha de "intervencionista", mas não escondeu o sorriso ao dizer que "aceita" e "concorda" que o governo Lula seja classificado de nacionalista e estatizante.

"Esse país não pode ter vergonha mais de ser patriota" ou "que história é essa de nacionalista ser xingamento?" foram algumas de suas frases, sinalizando o tom que os petistas devem usar na disputa de 2010. Apesar de refutar a classificação de intervencionista, ela, a exemplo de Lula, cobra da Vale, uma empresa privada, maior compromisso com o país. "É uma empresa privada delicada", que não pode sair por aí "explorando recursos naturais do país e não devolver nada".
Da Folha de S.Paulo


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

milton tenorio pinto junior

Êita mulher pedante...Deus que me livre...

Felisberto Nobre

Lula privatiza e nacionaliza o Brasil para o seu PT e caterva. Parte do butim vai pra revolução comunista internacional que ele chefia com Fidel. A ôia graúda pras burras da cumpanheirada...Temos o novo Lênin !



20/09


2009

Lula quer vender parte do BB. Ele não criticou FHC por isso?

 Por mais de uma vez o presidente Lula criticou a iniciativa do antecessor, Fernando Henrique Cardoso, por haver determinado que 62% das ações da Petrobrás fossem  negociadas no  mercado internacional e por ter  quebrado o monopólio estatal antes  em mãos da empresa.  Pois não é que agora mandou fazer o  mesmo com o Banco do Brasil? Hoje, 21,7% das ações do estabelecimento estão no  mercado livre para pessoas físicas e jurídicas brasileiras, mas, conforme a nova determinação do Lula, mais 20% serão oferecidos na bolsa de Nova York. Mais um pouco e,  mesmo em se tratando de  ações sem direito a voto, o patrimônio do Banco do Brasil deixará de pertencer ao país.

 

Acresce a pergunta que ninguém responde: para quê? Só se for porque apesar da monumental propaganda oficial, estamos sem dinheiro e sem investimentos externos. Se for por aí que sairemos da crise, da qual fica evidente que ainda não saímos, é bom tomar cuidado.                                                                            

 

(Carlos Chagas)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fabio Leite Macedo

lula mostra sua cara, tudo que combateu agora defende, com isso seus eleitores mudam também, os que eram contra a direita e a venda dos filoes agora querem ele fora junto com sua trupe , Marina Já!

EDSON COSTA DE SIQUEIRA

Inexiste um adjetivo apropriado para esse “prisidenti”, que, bem mais rápido do que se possa imaginar, destruirá o que resta da nossa soberania. Interessante é que as “forças armadas” assistem tudo de braços cruzados. Acorda Mourão Filho!



19/09


2009

Lavareda no PSDB disputa mandato no Parlamento do Mercosul

 O presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra, anunciou no Recife a filiação ao partido do cientista político Antônio Lavareda, que foi responsável por pesquisas e marketing do senador Jarbas Vasconcelos (PMDB). A intenção dos tucanos é lançá-lo como candidato a uma das vagas no Parlamento do Mercosul, que o partido disputará em 2010. Os moldes da eleição para o “Parlasul” ainda não foram definidos. O projeto de Lei que disciplina a matéria encontra-se em tramitação na Câmara Federal. Procurado para comentar seu ingresso no PSDB, Lavareda não foi encontrado. Sua assessoria de imprensa infirmou que ele encontrava-se em voo para o Recife.

Guerra destacou que o “namoro” entre o partido e o cientista político é antigo. “Desde 2002, quando tentei trazê-lo para ser meu suplente”, revelou Guerra, que também garantiu que o neo-tucano não disputará mandatos pela legenda. “Trata-se de um quadro para a intelectualidade do PSDB, como outros de renome no Brasil. Ele não disputará mandatos eletivos, vamos indicá-lo para o Parlamento do Mercosul, cuja eleição deve ser indireta”, explicou.

DETALHE – Antônio Lavareda foi o “guru” dos tassistas quando das campanhas eleitorais no Estado. Era e continua sendo consultado sobre tudo o que Tasso Jereissati resolve. Lavareda assume assim seu lado tucano.

(Do blog do Eliomar)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Manoel Tomaz Vilanova Filho

O professor Antonio Lavaredas é um excelente quadro, tendo condições de disputar e ser indicado para qualquer cargo politico. Homens inteligentes e com visões macro-sociais estão em extinção no país. Parabéns ao PSDB por tê-lo em sua lista.

Felisberto Nobre

Lavareda na moita é uma coisa, ao ar livre incendeia tudo.É desagregador nato. E perdedor contumaz. O solitário Jarbas Vasconcelos que o diga. Guerra pisou na jaca...

francisco sales

Coitado do Tasso. É por isso que o cearense está em queda livre !! Cai fora desse encosto enquanto é tempo !

irania Olivia Benicio

Dilma é hermafrodita!!! Só não sei dizer qual lado é o imperante!

irania Olivia Benicio

Dilma é hermafrodita!!! Só não sei dizer qual lado é o imperante!