FMO janeiro 2020

07/08


2020

Valdir Teles perto de virar patrono do repente

O saudoso poeta Valdir Teles está perto de se tornar patrono do repente e da cantoria de viola de Pernambuco. A Comissão de Administração Pública da Assembleia Legislativa concedeu parecer favorável ao Projeto de Lei nº 1282/2020, de autoria do deputado Waldemar Borges (PSB), que versa sobre a honraria.

O PL está na Secretaria Geral da Mesa Diretora. Filho da Paraíba, Valdir Teles fincou raízes no Sertão do Pajeú, onde tornou-se referência cultural. Foi vitimado por um infarto fulminante, no último mês de março, aos 64 anos.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Jaboatão

07/08


2020

Editorial analisa prorrogação do auxílio emergencial

No Frente a Frente de hoje, programa que ancoro pela Rede Nordeste de Rádio, o meu editorial foi sobre o anúncio feito pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, da prorrogação até dezembro do auxílio emergencial para os trabalhadores informais. Vale a pena conferir!

O Frente a Frente tem como cabeça de rede a Rádio Hits 103,1 FM, em Jaboatão dos Guararapes.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Cabo de Santo Agostinho

07/08


2020

Em Paulista, presidente da Câmara se nega a dar posse a Matuto

Houldine Nascimento, da equipe do blog

O prefeito de Paulista, Junior Matuto (PSB), marcou para esta segunda-feira (10), às 8h, na Câmara de Vereadores, a recondução ao cargo. O presidente do STF, ministro Dias Toffoli, atendeu a defesa do gestor, ontem, ao suspender uma decisão do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) que o afastava da Prefeitura por 180 dias em razão de suspeita de irregularidades em sua administração, entre 2012 e 2017. Tudo isso após a deflagração das operações Chorume e Locatário, ambas da Polícia Civil, em 21 de julho.

Hoje, o presidente da Câmara Municipal de Paulista, Fabio Barros (PDT), declarou que não dará posse a Matuto, mesmo após decisão favorável do STF. “Não vou participar e não vou dar posse. Nesse momento, a população tem clareza do que está acontecendo, e é algo inaceitável. Ele vai ter que buscar uma solução jurídica, já que é um ato político. A população está revoltada com tudo o que foi apresentado pela Polícia Civil nestas duas investigações. Uma delas aponta desvio de R$ 900 mil e outra, que aponta R$ 21 milhões na questão do lixo. Essa decisão [do STF] demonstra claramente que o município corre risco de ter um gestor que foi afastado por tais acusações”, comentou, em entrevista à CBN Recife.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Serra Talhada

07/08


2020

Live da quarta trata de segurança nos presídios

A advogada criminalista carioca Maíra Fernandes é uma das mais credenciadas defensoras dos direitos humanos no País. É a convidada da live da próxima quarta-feira, às 19 horas, pelo Instagram deste blog. Ninguém conhece como ela alternativas para melhoria da política prisional, investimento pelos estados em modelos de apoio aos detentos, como associações de proteção e assistência a condenados e colônias agrícolas.

É grande estudiosa das legislações sobre drogas. Acha que deixar que o policial decida se a quantidade de droga apreendida configura tráfico ou uso, sem tabela de quantidades, dá margem a arbitrariedades e defende a criminalização das drogas no País.

A advogada também é favorável à adoção de novas políticas para reduzir a superlotação dos presídios, com medidas que levem à diminuição de prisões preventivas e temporárias.

Outro tema sobre o qual ela possui uma visão crítica é a Operação Lava Jato. Já afirmou, sobre a operação que “desnudou um empreendimento criminoso multifacetado, com a participação de inúmeras pessoas, durante muitos anos”.

E alerta para o fato de que “nem sempre as provas apresentadas contra um dos réus podem ser as mesmas para todos os demais, como se eles seguissem acorrentados numa acusação comum”. Se você ainda não segue o Instagram do blog, anote o endereço: @blogdomagno.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


07/08


2020

Joaquim faz abertura do projeto 100 DIAS–Eleições 2020

“Em uma eleição marcada pela calamidade pública e pela necessidade do isolamento social, a comunicação digital será fundamental na vida dos candidatos. E preciso ter cuidado com o demônio que são as fake news, que, com o advento das redes sociais, trazem um arsenal de mentiras”, comentou o ex-governador de Pernambuco, Joaquim Francisco, durante palestra de abertura do projeto 100 Dias – Eleições 2020, iniciativa do PSDB Pernambuco para capacitação de pré-candidatos em todo o estado.

O encontro on-line, na manhã desta sexta, foi aberto pela presidente do partido, deputada estadual, Alessandra Vieira. “Essa iniciativa surge nessa nova realidade que estamos vivenciando há meses. Tivemos que readaptar o nosso dia a dia e a nossa forma de realizar as nossas atividades, por isso o projeto visa disponibilizar um conteúdo de qualidade e estimular o debate e a troca de experiências entre os nossos pré-candidatos”, enfatiza a presidente.

A programação continua na sexta-feira, 14, com palestra de Renato Hayashi, advogado eleitoral, professor e mestre pela UFPE, que vai falar sobre legislação eleitoral e prazos. Já no dia 21 de agosto, o encontro terá como palestrante o vereador André Régis, advogado, administrador, mestre em direito pela UFPE, mestre e PhD em Ciência Política e professor da UFPE, que vai falar sobre Marketing Político.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Abreu e Lima - Prefeitura - Abreunozap

07/08


2020

Olinda: Gustavo Rosas é o vice na chapa de Federal

O médico Gustavo Rosas (Guga), que havia anunciado sua pré-candidatura à Prefeitura de Olinda pelo PROS, foi confirmado, hoje, como vice-prefeito na chapa encabeçada pelo vereador e presidente da Câmara, Jorge Federal (PSL).

O acordo será selado oficialmente na próxima segunda-feira, quando o presidente nacional do PSL, Luciano Bivar, e o presidente estadual do PROS, João Fernando Coutinho, participarão de um almoço, em Olinda, para firmar a aliança. As informações são do Observatório de Olinda.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banco de Alimentos

07/08


2020

A educação tem muito o que aprender

Por Arnaldo Santos*

De uma forma geral, desde primeiro de junho último que a economia brasileira iniciou seu processo de flexibilização dos setores, através do Plano de Retomada das Atividades Econômicas e Comportamentais. Segundo informações que vêm sendo publicadas pelos governos estaduais e municipais, quase todas as atividades já se encontrariam aptas a funcionar, restando, entretanto, segmentos como o de eventos, bares, cinemas e as aulas presenciais nas escolas e universidades.

No que se refere ao último segmento, o educacional, pais, educadores, alunos, professores, funcionários, ministério e defensoria pública, dentre outros, vêm discutindo como se dará o retorno das aulas presenciais, haja vista os riscos que possa oferecer essa decisão, no momento em que os índices de infecção e mortes pelo coronavírus, apesar de terem diminuído, ainda são uma ameaça.

Embora existam estudos indicando que crianças e adolescentes são menos propensas a se infectarem pelo vírus, no Ceará, por exemplo, o Governador Camilo Santana e o Prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, mantendo a prudência e a responsabilidade que se espera de um chefe do poder executivo, comunicaram semana passada que as aulas presenciais, só retornariam em setembro, se o cenário da COVID-19 oferecer segurança. É do conhecimento geral e dessa realidade poucos devem discordar que as escolas, mesmo as particulares, possam ser um foco de reincidência perigoso dado a seu caráter aglomerativo, o que vai exigir uma ampla estrutura de testagem e monitoramento, quando do retorno.

Como esperado, a maior pressão sobre as autoridades públicas, para um retorno imediato, procede do setor privado, ao alegar prejuízos financeiros, sendo este, inclusive, um aspecto ocorrente na maioria dos estados brasileiros. Deparamos, também, entretanto, um problema relevante, o de definir responsabilidades por eventuais mortes de professores e alunos, visto que a maioria das escolas não oferece condições para redefinição de uma nova configuração dos seus espaços que garantam o distanciamento exigido pelos protocolos sanitários. Até que se tenha uma vacina, que garanta imunidade a todos, o sistema híbrido, com aulas presenciais e turmas divididas, para permitir o distanciamento no mesmo espaço, e on-line, exprime-se, decerto, como a alternativa mais segura.

No concernente à ideia defendida por alguns – de que, após a reabertura das escolas, cabe aos pais a decisão sobre permitir ou não que seus filhos voltem a frequentar as aulas presenciais – é crucial se atentar para dois fatos que submetem a dúvidas mencionada opção. O primeiro é que a covid-19, sendo um problema de saúde pública com alta taxa de letalidade, cabe ao Estado regular e decidir o momento mais seguro. O segundo reside na noção de que, para oferecer essa alternativa, o Poder Público terá que disponibilizar infraestrutura digital (computador e internet) para os estudantes que não dispuserem desses recursos, que, como sabemos são muitos, para não agravar ainda mais o já comprometido aprendizado.

Em paralelo a essa discussão, a pandemia carreou para o centro dos debates, em escala global, a necessidade de se reformar o modelo tradicional de ensino, não apenas nos conteúdos mas também no seu formato, iniciando uma gradual substituição do ensino presencial pela modalidade on-line  e educação em casa, antecipado pela emergência da doença.

Refletindo sobre o modelo de ensino adotado pelas escolas no Mundo, em seu livro 21 Lições para o século XXI, o historiador Yuval Noah Harari descreve que “[…] as escolas continuam concentradas em ensinar as habilidades acadêmicas tradicionais e numa aprendizagem mecânica, quando melhor seria priorizar o pensamento crítico que é mais importante para o sucesso dos alunos no futuro”.

Em um contexto de país em desenvolvimento, como o Brasil, assim como para alguns estados da África, e outros periféricos, não constitui surpresa que a ideia de educação vigente ainda seja a mesma de uma escolaridade arraigada na maneira como os nossos antepassados a imaginavam – estruturas físicas como as que temos hoje, ocupadas pelos estudantes, com o professor sendo centro das atenções e única referência do saber. As modernas tecnologias já desfizeram essa concepção e transportaram o conhecimento para a palma das mãos dos alunos.

É notória a ideia de que, no atinente a qualidade da educação, maneiras de ensino, nível de aprendizado dos alunos, papel docente e outros temas correlatos, a matéria é quase tão antiga quanto a criação do quadro negro, ou lousa, criado pelo professor escocês James Píllans, ainda no século XVIII. Referimo-nos à mais tradicional e revolucionária tecnologia de ensino no Mundo, pois perpassou dois séculos, já está no terceiro, e nem as modernas tecnologias digitais a fizeram perder a utilidade em sala de aula. 

Como observador que acompanha atentamente as transformações sociais, culturais e tecnológicas sucedidas no Mundo, não é sem propósito afirmar que, nos últimos quarenta anos, quase tudo se desenvolveu e se modernizou, mas a educação e o nosso sistema de ensino ainda têm muito o que aprender, para, pelo menos, situarem-se no tempo corrente.

Essa afirmação é facilmente verificada todos os dias em sala de aula, (pelo menos era, até a pandemia provocar o fechamento das escolas no Mundo), quando, em plena Era Digital e de Inteligência Artificial, os professores da maioria da escolas e universidades públicas, e também privadas, não só no Brasil, ainda são obrigados a usar, em sala, uma caderneta, caderno ou diário de classe, com a lista dos alunos,  perdendo de 15 a 20 preciosos minutos, fazendo a velha e tradicional chamada para verificar a comparência dos alunos. Essa prática é a autodeclaração do atraso do nosso sistema de educação.

Adite-se o fato de termos uma escola de ensino fundamental e médio, pelo menos no Brasil, de concepção do século XIX, com professores do século XX, ensinando crianças e adolescentes, na sua totalidade nascidas no século XXI, antenadas com as novas tecnologias, cujo cérebro parece já trazer impressa uma placa com alguns milhões de megabytes no processador, e outros tantos terabytes de memória, bem como um ministro da Educação que ainda fala no uso da palmatória. Não é preciso dizer mais sobre o quanto a educação ainda tem que aprender.

O documento The covid 19 pandemic: shocks education and policy responses aponta que, mesmo antes da pandemia, o Mundo já enfrentava uma crise de aprendizado, e 258 milhões de crianças e jovens em idade escolar primária e secundária estavam fora da escola; e, pela crise na qualidade do ensino, os que estavam estudando aprendiam muito pouco. “[…] A taxa de aprendizagem da pobreza nos países de baixa e média renda era de 53% - o que significa que mais da metade das crianças de 10 anos não conseguia ler e entender uma história simples”.

É nesse contexto que o novo coronavírus impôs o fechamento das escolas, em 190 países, deixando fora das salas de aula 1,6 bilhão de alunos, segundo dados da Unesco. Isso representa 90% das crianças em idade escolar no Mundo, com grave repercussão no desenvolvimento intelectual dos estudantes, afetando, mais agudamente, os mais pobres, além das repercussões na vida acadêmica de todas elas. Na perspectiva de Richard Amitage, da Divisão de Saúde Pública e Epidemiologia da Universidade de Nottinghan, apesar desses problemas, eles “[…] não devem ser tomados como justificativa para reabri-las”.

Dentre as várias lições que o Mundo teve de aprender com a pandemia, a mais tangível se refere ao papel que as tecnologias estão aptas a desempenhar para o ensino e a aprendizagem on-line, além da digitalização dos vários processos em uso pela sociedade em geral, pois a doença fez antecipar o futuro, nesse e em muitos outros aspectos da vida em geral.

Nessa direção, num estudo desenvolvido pela Universidade de Harvard – Mind the Skills (Gap), os pesquisadores descobriram que, na economia global atual, o conhecimento que adquirimos na faculdade dura apenas cinco anos, tornando-se obsoleto desde então. Isso impõe a todos, especialmente aos professores, não imaginar que suas habilidades têm validade premente, quando o Universo está em permanente evolução e transformação.

Para remate desses comentários, talvez, a lição mais importante a ser tirada do que a pandemia impôs é que, quando o sistema escolar voltar a funcionar e a se estabilizar, os países devem investir ainda mais na inovação das suas estruturas educacionais e nos seus modelos de ensino, não só para atenuar os efeitos negativos desse período, mas, também e principalmente, não desperdiçar a oportunidade de dar o “salto de qualidade” que a educação está a exigir. Com esse objetivo, deve cuidar para não reproduzir os erros do pré-covid, mas desenvolver sistemas aprimorados e aprendizado acelerado para todos os alunos.

Como nos ensina Albert Einstein “[…] A mente que se abre a uma nova ideia jamais voltará ao seu tamanho original”.

*Jornalista, sociólogo e doutor em Ciências Políticas


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

O Jornal do Poder

07/08


2020

Secretária é flagrada tentando levar documentos em Paulista

A secretária de Saúde de Paulista, Terezinha Mousinho, foi flagrada, hoje, tentando sair do centro administrativo da Prefeitura com documentos públicos, segundo relato de uma fonte, que enviou ao blog um vídeo com registro do momento. Vereadores aliados do prefeito Junior Matuto (PSB), afastado de suas funções desde 21 de julho, foram informados sobre o que estava ocorrendo e se deslocaram para lá.

Ainda de acordo com a fonte, a situação se acalmou após diálogo com os legisladores. A Guarda Civil chegou a fechar o centro administrativo durante a ação. Tudo isso horas depois de o presidente do STF, ministro Dias Toffoli, autorizar o retorno de Junior Matuto à Prefeitura.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Potencial Pesquisa & Informação

07/08


2020

Deputado consegue kits de testes para Covid-19

Já estão no Laboratório Central de Saúde Pública (LACEN) de Pernambuco, os testes do modelo RT-PCR solicitados pelo deputado federal Fernando Rodolfo (PL/PE) ao Ministério da Saúde. Foram enviados ao LACEN do estado, 117 mil reações para diagnóstico de COVID-19. O programa de testagem é considerado fundamental no enfrentamento à pandemia e o modelo é considerado padrão-ouro no diagnóstico. A amostra é coletada via nasal com uma espécie de cotonete, diferentemente dos testes rápidos, que são feitos com amostra sanguínea.

“Recebi a confirmação de que o meu pedido foi atendido e fiquei muito feliz de ver que o meu trabalho em Brasília tem gerado grandes conquistas para os pernambucanos. Se o Agreste não tivesse um representante na capital federal, dificilmente conseguiríamos atender a demanda dos municípios. Principalmente porque o número de casos de infecção tem aumentado consideravelmente na região e os testes irão contribuir para a elaboração de estratégias no combate à pandemia”, explica o deputado.

O Ministério da Saúde destaca que o LACEN de Pernambuco está abastecido com insumos para a realização dos exames nos municípios elencados pelo deputado Fernando Rodolfo em ofício. Caso haja necessidade, as solicitações dos kits de Biologia Molecular destinados para diagnóstico do COVID-19, podem ser requeridas por meio do Sistema de Informação de Insumos Estratégicos (SIES), conforme fluxo já estabelecido pelo LACEN.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


07/08


2020

Irah Caldeira realiza live de comemoração ao aniversário

Amanhã, a partir das 16h, a cantora e compositora Irah Caldeira vai comemorar seu aniversário de forma diferente. A folia vai acontecer por meio de uma live no YouTube.

Com uma carreira de 20 anos, 16 CD’s, dois DVD’s e muitas outras gravações como convidada, a artista não perde a chance de se reinventar e levar alegria aos fãs. “Vai ser uma festa de aniversário, com direito a bolo e balões. O repertório será totalmente diferente, com ritmos e gêneros que as pessoas não costumam me ver cantar. Vou cantar forró, xote, arrasta-pé, calango, coco, baião, mas também as toadas, guarânias e modas caipiras que cresci ouvindo. Ou seja, de Gonzaga a João Mineiro e Marciano, eu cantarei tudo que me faz feliz, de uma forma livre”.

Adepta do ‘fique em casa’, a artista promete muita animação e garante, “não vou deixar ninguém parado”.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha