Os bastidores do poder e da
política em primeira mão

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE Jaboatão - Cão Terapia
14.01.2022 13:00

Sempre gostei de pinga!

Por Magno Martins, edição de Ítala Alves compartilhamentos

Falecida em julho de 2021, a jornalista Fabiana Queiroz, esposa do meu amigo e também jornalista Gabriel Garcia deixou um livro de crônicas incompleto. Amante da vida e das palavras, a moça do sorriso largo não concluiu seu livro, mas apostava que as histórias sobrevivem enquanto alguém tiver interesse em lê-las. Ainda bem que o seu marido tem absoluto apreço pelos textos da mulher. Abaixo, um dos textos primorosos de Fabiana enviado por Gabriel. Confiram!

“Não, essa história não é sobre mim, mas preciso de passar pela pinga, ou pela minha queridíssima fornecedora da melhor pinga dos goyases para que entendam de onde tirei tudo o que venho apresentar para vocês nessas crônicas adaptadas!

Por cerca de seis meses, viveria em Goiás Velho para levantar mais informações e entrar no ambiente da cidade que foi objeto de minha tese de mestrado.

Voltando à pinga, um dia, ao conversar com seu Nenzim do bar, soube que as cachaças que ele servia eram produzidas ali mesmo na região, num alambique bem artesanal que havia cerca de 15 quilômetros ao norte da cidade. A representante comercial por assim dizer morava na cidade, numa casinha bem modesta de fachada branca com portas azuis claras, passando a ponte da batata, seguindo a rua torta e ascendente que levava à paróquia.

Era Dona Menão, uma viúva como tantas outras, cuja personalidade havia sido reduzida e desidratada por décadas de um casamento prático com o Seu Menão, falecido há plácidos 8 anos. Ela havia sido dele por tantos anos que nem conseguia mais fazer valer seu próprio nome, nem na vizinhança nem na cidade. Mas era uma senhorinha muito simpática que aproveitava a visita dos clientes para longas conversas sobre a Goiás de outros tempos. Sempre contava as coisas com uma leveza tão crível que a gente pensava que tinha sido tudo tão bom como ela fazia parecer.

No começo, eu comprei três garrafinhas pequenas com diferentes sabores para provar. Foi uma aquisição lenta. Por mais de 50 minutos houve relatos adoráveis naquela voz macia, que falava um português meio truncado, mas com gosto de interior, de roça. Cada sabor tinha uma história, cada fruta vinha de um lugar mais para dentro da Serra Dourada. Tinham em comum o segredo daquelas bebidas tão únicas: todas eram curtidas ali mesmo, no quintal de Dona Menão, e ela fazia tudo sozinha!

Visitas familiares baixaram meu estoque daquelas atrevidas bebidinhas. Voltei à meia-porta da ladeirinha com meu irmão para mais daquele sabor para mim e para que levassem de volta à Brasília para presentear alguns amigos apreciadores. Os cabelinhos brancos se viam de longe, naquele fim de tarde quente. Fomos recebidos com festa. O volume das vendas entusiasmou Dona Menão, mas houve pouca conversa. Era hora de preparar a janta e ela não podia se demorar.

Quando fiquei sozinha com as minhas novas garrafinhas na casa novamente vazia, ajeitei-as calmamente sobre a mesa da cozinha para beber delas só daí a alguns dias. Meu paladar estava um tanto alterado pelas cervejas e comilanças da véspera e não queria desperdiçar aqueles sabores.

Eram 7 no total. Jaboticaba, tamarindo, buriti, cagaita, cajuzinho-do-cerrado, pitomba e pequi. Aqui as menciono na ordem decrescente de minha preferência. Jaboticaba era adocicada, licorosa, tinha um tom arroxeado bem bonito se colocada contra o sol. Foi a que acabou primeiro. Pequi já não gostei. Cheiro e gosto fortes demais. Só o amarelo do líquido era atrativo. Pena que as garrafas eram tão bagunçadas, cada uma de um formato diferente. Por rolha, um pedaço de sabugo de milho. Não serviam para decoração.

Voltei no final do meu primeiro mês na cidade para comprar mais pinga com jabuticaba, agora numa garrafa grande, para durar mais tempo. Encontrei Dona Menão mais disposta e dessa vez falamos até a noitinha. Ela até perdeu a hora da janta. Dei corda para suas histórias e não pude pensar em oradora mais orgulhosa e animada. Só quando falava do marido que os olhos baixavam da linha do horizonte, mas foram poucas vezes que o mencionou.

Contou de Cora Coralina. Disse que tinham sido um pouco amigas, mas que depois que ela se perdeu e a cidade inteira lhe virou as costas, quando ela se amasiou com aquele cavalheiro e mudou para longe para escapar da maledicência, perderam contato. Quando a poeta voltou para a cidade décadas depois, ainda carregava a pecha de leviana e Dona Menão, por ordem do marido, manteve-se à distância. Por não cortar completamente os laços com aquela mulher que ela admirava pela coragem e ousadia, vez que outra conseguia um portador que lhe fizesse chegar a Cora uma de suas garrafas mais saborosas, a qual fazia acompanhar de um curto bilhete com o seu nome em garatujas. Era tudo que podia escrever e sabia que a destinatária gostava muito de palavras.

Prometi que voltaria para prosear mais daí uns dias, mesmo que não precisasse de mais bebida. Era só para ouvir dela as anedotas de uma vida tão longa quanto trivial. Como podia haver tanta coisa para contar nunca cheguei a entender. Mas era delicioso passar algum tempo imersa num passado marinado pela distância, amolecido e açucarado. Diziam que ela contava 93 anos, mas nunca achei momento para confirmar a informação.

As visitas passaram a ser mais frequentes, voltava lá quase toda semana, quase sempre às quintas, que era o dia mais sossegado na casa. Levava bolo, biscoitos de pacote (como ela mesma falava!), pequenas guloseimas que ela comia com parcimônia entre uma historinha e outra. Ela perguntava como iam meus estudos com curiosidade. Expliquei que trabalhava em um documento muito antigo, de muito antes dela nascer, da época em que ainda havia ouro pelas redondezas. Tinha que entender o que estava escrito e adaptar para a linguagem dos nossos dias. Recebi um olhar brilhante de quem teve uma grande ideia. Fez menção de se levantar, mas desistiu. Logo engatou na história do Mascate João Damasceno, de quem havia comprado umas panelas muito pesadas havia mais de trinta anos, mas que ainda serviam como se fossem novas.

Um pouco frustrada pelos parcos avanços da tese, aceitei o fato de que teria de prolongar minha estada por pelo menos mais seis meses na antiga capital goiana. Reduzi minhas incursões às cachoeiras, ao bar de seu Nenzim e à casa de Dona Menão para me dedicar de forma quase exclusiva, um tanto alucinada ao documento que me levara à pequena cidade.

Numa tarde de quarta, já à beira da insanidade, decidi dar uma volta. Ia rumo à casa da minha amiga nonagenária quando divisei, de longe, a porta toda fechada e a janela apenas entreaberta. Nunca me havia deparado com aquela configuração na faixada. Bati e veio me receber a vizinha carrancuda, Dona Mariana. Contou-me com tristeza que a amiga estava adoentada e que havia dormido, pelo que me pediu que voltasse no dia seguinte.

Fiquei com o coração apertado e custei dormir aquela noite. Depois do meu café da manhã e antes de o sol estar muito alto no céu, cruzei ansiosa a ponte da batata. Senti uma espécie de alívio quando vi a meia porta aberta e a janela fechada. A cara de Dona Mariana se projetava com um olhar mais animado. Quando me viu já disse logo que Dona Menão estava melhor e que queria me ver se eu aparecesse.

No quarto quente, com pouca luz, a senhorinha descansava sua velhice e lutava sem muita disposição para melhorar e seguir nesse mundo dos vivos. Demostrou alegria ao me ver com um sorriso tímido e pediu que me aproximasse. Disse que não ia fazer rodeios e que tinha poucas esperanças de chegar à época das chuvas, período favorito do ano, quando o cheiro de vida e terra molhada tomava conta da cidade e a possibilidade de que o rio transbordasse trazia sempre alguma estranha expectativa.

No banquinho à esquerda da cama, que servia de criado mudo improvisado, apontou para uma espécie de pasta rústica, em couro engraxado. Falou que não tinha muito na vida, mas que queria deixar de herança para a amiga da cidade um dos seus tesouros mais preciosos, mas que pouca gente saberia dar valor. Peguei o vulto e quando ia abrir, ela pediu que não o fizesse, que levasse como estava e guardasse num canto seguro e que só visse o conteúdo depois que ela já não pudesse nem fabricar e nem beber as deliciosas cachaças. Que jeito leve de se despedir ela arranjou!

Conversamos um pouco ainda, mas ela parecia exausta. Antes de sair, ainda olhei com toda a ternura que pude para aquele rosto singelo, emoldurado pelos cabelinhos ralos e brancos, e mandei um beijinho de longe, tentando imitar o gesto que ela tantas vezes havia feito para mim quando começava a descer a ladeira depois de nossas agradáveis tardes.

Soube logo cedo, pelo caixa da padaria, que Dona Menão havia falecido na madrugada e que o enterro seria às quatro da tarde. Havia bastante gente naquele funeral simples. Eram vizinhos, clientes, amigos e as senhoras da igreja, que nunca perdiam a chance de ver o Padre Hipólito falar, fosse qual fosse a ocasião. O caixão era simples e as flores, em sua maioria, colhidas e não compradas como quando o defunto era rico. Choro houve pouco. A senhora era muito querida, mas já estava bem velha e a doença ajudou a preparar as pessoas para a despedida.

Levei ainda umas semanas para ver o que havia na pasta de couro que Dona Menão me havia presenteado com tanta ponta e orgulho. Terminei de escrever o texto para o mestrado e já me preparava para deixar a cidade quando, num fim de tarde, perto da hora em que costumava ir ver minha amiga, sentei-me no alpendre, com a derradeira garrafa de pinga com jabuticaba e um copinho na mesa em frente e a bolsa no colo.

Ao abrir o fecho, um cheiro de papel velho subiu forte e espesso. Eu realmente gostava daquele odor. Puxei uma pilha de folhas em formatos vários e diversos tons de amarelo e marrom. Eram recortes de jornal com fotos, cartas, bilhetes e documentos de família que a velhinha havia colecionado durante anos, na vã esperança de um dia poder lê-los com seus próprios olhos e habilidades. Numa revisão rápida percebi 1950, 1962, 1970. Eleições, certidão, crônica. Letras e números fervilhavam em minha cabeça.

Filhos eu não teria, por opção. Árvores já havia plantado umas quantas. Daqueles pedaços de história nasceria o tão sonhado livro. Das funduras daquele Goiás, guardado numa gaveta improvável, o tesouro de Dona Menão se tornaria o volume Crônicas Adaptadas em que ainda estou trabalhando e cujo delicioso conteúdo espero poder compartilhar com todos os que como eu sabem apreciar uma boa chachaça, um bom fim de tarde e algumas histórias que o tempo amarela, mas que sobreviverão enquanto alguém teimar em relê-las!”

compartilhamentos

Últimos posts

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE Petrolina - São João
Coluna 17.05.2022 00:00

Coluna da terça-feira

Por Magno Martins, edição de Ítala Alves compartilhamentos

Danilo faz o primeiro gol

Só administrando notícias desfavoráveis, o pré-candidato do PSB ao Governo de Pernambuco, Danilo Cabral, fechou o fim de semana em alta. Saiu do encontro estadual do PT, que sacramentou Teresa Leitão ao Senado, domingo passado, comemorando a unidade da legenda petista em torno da sua candidatura.

...



compartilhamentos
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE Ipojuca - Maio 2022
Pernambuco 16.05.2022 21:30

Passos diferentes, movimentos iguais

Por Magno Martins, edição de Ítala Alves compartilhamentos

Por Ricardo Andrade*

Os nomes escolhidos pela Frente Popular e pelo Solidariedade para disputar a cadeira do Senado simbolizam uma movimentação política no espectro ideológico, cada qual, com seus gestos e sinais.

...



compartilhamentos
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE Caruaru - Aniversário
Pernambuco 16.05.2022 21:00

“Raquel é prioridade para o PSDB nacional”, afirma Bruno Araújo

Por Magno Martins, edição de Ítala Alves compartilhamentos

A pré-candidata ao Governo de Pernambuco, Raquel Lyra (PSDB), recebeu, hoje, o reforço público do presidente nacional do partido, Bruno Araújo, que afirmou: “O projeto de Raquel é prioridade máxima para o PSDB no país”.

Destacando que o nome da tucana é parte fundamental do projeto político e administrativo do PSDB nas eleições de outubro, Bruno Araújo enfatizou que ela possui “experiência e preparo para liderar as transformações que Pernambuco precisa a partir de 2023”.

...



compartilhamentos
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE Cabo - Unidade de Saúde da Família
Pernambuco 16.05.2022 20:00

Bolsonaro volta a lançar suspeitas sobre processo eleitoral: Podemos ter eleições conturbadas

Por Magno Martins, edição de Ítala Alves compartilhamentos

O presidente Jair Bolsonaro (PL) voltou a questionar, sem provas, a integridade das eleições e do processo eleitoral brasileiro, na tarde de hoje, durante evento com empresários da área de alimentos e bebidas em São Paulo.

Em discurso de aproximadamente uma hora, Bolsonaro declarou que "tudo pode acontecer" e citou "eleições conturbadas" ao se referir às eleições de outubro.

...



compartilhamentos
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE Arcoverde - abril 2022
Pernambuco 16.05.2022 19:30

Marília faz Raquel murchar mais cedo do que a tucana imaginava

Por Magno Martins, edição de Ítala Alves compartilhamentos

Por Francis Neto Júnior*

Uma pesquisa eleitoral é mais que a soma do desejo dos eleitores transformado em números. É a análise que aponta como pode terminar uma corrida de muitas voltas. E a pesquisa deste início de pré-campanha mostra que a entrada de Marília Arraes no cenário eleitoral para o Governo de Pernambuco claramente sacode dois palanques. Um óbvio e o outro nem tanto.

...



compartilhamentos
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE Camaragibe - Maio 2022
Pernambuco 16.05.2022 19:00

Deputado Fabrizio Ferraz declara apoio a André de Paula para o Senado

Por Magno Martins, edição de Ítala Alves compartilhamentos

Com a aliança entre André de Paula (PSD) e Marília Arraes (SD) consumada em ato realizado na manhã de hoje, o deputado estadual Fabrizio Ferraz confirmou que está com a chapa fechada e irá apoiar André para o Senado. A parceria entre o presidente do PSD e Ferraz já era esperada, mas se consagrou após o anúncio feito por Marília em coletiva de imprensa.

Fabrizio Ferraz tem pavimentado sua reeleição com acordos importantes e vem se destacando como um dos nomes de peso na chapa montada pelo Solidariedade. O apoio do parlamentar a André de Paula foi recebido com grande expectativa.

...



compartilhamentos
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE Serra Talhada 2021
Pernambuco 16.05.2022 18:30

Direto do túnel do tempo

Por Magno Martins, edição de Ítala Alves compartilhamentos

Em 1996, o governador Miguel Arraes recebendo em audiência o com o presidente da Assembleia Legislativa, Djalma Paes, com o prefeito de Gravatá, Luiz Prequé. A foto foi enviada por Rafael Prequé, filho do ex-prefeito, hoje vereador de Gravatá. Se você tem uma foto histórica no seu baú e deseja vê-la postada neste quadro, envie agora pelo WhatsApp (81) 9.8222-4888.

...



compartilhamentos
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE Belo Jardim 2 - Abril
Pernambuco 16.05.2022 18:00

Em Barreiros, Tiago Pontes defende retomada do protagonismo do município

Por Magno Martins, edição de Ítala Alves compartilhamentos

O pré-candidato a deputado estadual Tiago Pontes (Republicanos) cumpriu agenda em Barreiros, na Mata Sul, neste final de semana. No município, ele foi recebido por uma série de lideranças políticas da região. Estiveram com o pré-candidato, Beto da Sensação, que foi candidato a prefeito por duas vezes, os vereadores Lucas Lafaiete, Kidinho, Geno de Baité, Nel do Peixe, além dos suplentes Balo do Mercadinho, Gordinho do Povo, Professor Rinaldo, Marcos Marcelino, pastor Vicente e Alan do Povo. Além de participar de encontros com lideranças, Tiago visitou a feira livre da cidade, para conversar com a população e reforçar o compromisso não só com a cidade, mas com a Mata Sul.

“O nosso time está com vontade de trabalhar por Barreiros e resgatar o papel de destaque na região. A cidade tem um comércio muito forte e sempre foi uma referência para toda a Mata Sul. Por onde a gente passou, viu nos olhos de cada pessoa a vontade de mudança e a esperança por dias melhores. Por isso, tenho trabalhado nessa direção. Ajudado na viabilização de equipamentos e ações que melhorem a mobilidade urbana, o acesso à internet, a educação e a segurança pública”, pontuou. 

...



compartilhamentos
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE Bandeirantes Maio 2022
Pernambuco 16.05.2022 17:45

Petrolina sanciona Plano de Cargos e Carreiras dos Agentes de Saúde e Endemias

Por Magno Martins, edição de Ítala Alves compartilhamentos

Mais um ato importante que vai marcar na história do município de Petrolina. O prefeito Simão Durando sancionou, hoje, o Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração (PCCR) para os cargos de Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate às Endemias. A solenidade memorável aconteceu na sede da Associação dos Agentes Comunitário de Saúde de Petrolina (ACOSAP) e contou com a presença do deputado estadual, Antonio Coelho, secretários e vereadores.

A Lei de nº 004/2022 foi aprovada na última quinta-feira (12), na Câmara de Vereadores de Petrolina, tendo como objetivo a valorização e profissionalização destes servidores públicos. No projeto, por exemplo, são elencadas as regras de progressão profissional por merecimento e escolaridade. De acordo com o prefeito Simão Durando, esta é uma vitória para categoria e mostra a preocupação e o compromisso da gestão municipal com a valorização profissional.

...



compartilhamentos
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE Nord Hotels
Pernambuco 16.05.2022 17:30

Miguel Coelho: “Pacto pela Vida faliu e não existe mais”

Por Magno Martins, edição de Ítala Alves compartilhamentos

A escalada da violência e a insatisfação das polícias em Pernambuco refletem a falência do Pacto pela Vida. Essa avaliação foi feita hoje, pelo pré-candidato a governador Miguel Coelho (União Brasil), que defendeu uma nova política de segurança pública para Pernambuco, estado com maior crescimento da violência no Brasil.

Durante entrevista à rádio Cueiras, de Igarassu, o ex-prefeito de Petrolina lamentou a situação da violência em Pernambuco. No ponto de vista de Miguel, o Governo do Estado precisa atualizar urgentemente o plano de combate à criminalidade. “O Pacto pela Vida faliu, acabou, não existe mais, é só uma planilha para fazer propaganda desse governo”, resumiu.

...



compartilhamentos
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE SESC - Férias de Janeiro
Pernambuco 16.05.2022 17:00

Keko do Armazém lança ações para reduzir mortes no Trânsito

Por Magno Martins, edição de Ítala Alves compartilhamentos

Em alusão à campanha mundial “Maio Amarelo: juntos salvamos vidas”, a Prefeitura do Cabo de Santo Agostinho, por meio da Secretaria Municipal de Defesa Social, está realizando diversas atividades entre os dias 13 e 27 de maio. O movimento visa chamar a atenção da população para o alto índice de mortos e feridos em acidentes de trânsito, além de trabalhar de maneira integrada com os órgãos do governo, empresas, entidades de classe, associações, federações e sociedade civil organizada, temas como a vulnerabilidade e a fragilidade da vida no trânsito, segurança viária, informações para condutores e técnicas de direção defensiva.

A campanha está acontecendo durante todo mês de maio. O lançamento oficial aconteceu na última sexta-feira, com a apresentação de um cinema rodoviário, da Polícia Rodoviária Federal, para alunos das escolas municipais, estaduais e particulares da cidade. Durante o evento, os policiais realizaram palestras e demonstrações com as viaturas e motocicletas, realização de blitz educativa e distribuição de brindes.

...



compartilhamentos
Pernambuco 16.05.2022 16:30

Conselheiro tutelar de Sertânia faz vídeo em sua defesa

Por Magno Martins, edição de Ítala Alves compartilhamentos

O conselheiro tutelar de Sertânia Tiago Medeiros, candidato a deputado estadual e acusado de depor em favor de um responsável por estupro na cidade, enviou ao blog um vídeo em sua defesa. No vídeo Tiago diz estar sendo vítima de calunia e que a verdade irá prevalecer no caso. Confira!

...



compartilhamentos
Pernambuco 16.05.2022 16:00

Vestido de noiva de Janja foi presente de estilistas para o casamento com Lula

Por Magno Martins, edição de Ítala Alves compartilhamentos

O vestido que a socióloga Rosângela da Silva, a Janja, vai usar no casamento com Lula, marcado para a quarta (18), foi um presente das estilistas Helô Rocha e Camila Pedrosa. Helô foi apresentada a Janja pela culinarista e apresentadora Bela Gil, filha de Gilberto Gil. A designer já tinha assinado o vestido de noiva da irmã dela, a cantora Preta Gil, e de artistas como Ísis Valverde. As informações são da colunista Mônica Bergamo para a Folha de São Paulo.

A festa será realizada no sofisticado espaço Grupo Bisutti, em São Paulo. No dia do evento, a fachada da casa de festas será isolada com grades, para permitir somente o acesso de carros de pessoas convidadas, tudo muito bem coordenado pela equipe de segurança do casal. Já para garantir a animação dos convidados, o roteiro da festa aponta que vários artistas foram escalados. No entanto, não foram devidamente nomeados na divulgação.

...



compartilhamentos