13/01


2021

Gonzaga Patriota lamenta fechamento da Ford

O deputado federal Gonzaga Patriota (PSB), lamentou a decisão da Ford de encerrar a produção de veículos no Brasil, após um século. A fabricante já havia fechado as portas em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, agora vai fechar as demais fábricas em Camaçari (BA), onde produz os modelos EcoSport e Ka; em Taubaté (SP), que produz motores e, em Horizonte (CE), onde são montados os jipes da marca Troller. Segundo Patriota, essa decisão terá um grande impacto social e econômico para o Brasil.

“No um momento em que lutamos para diminuir o índice de desemprego no país, receber essa notícia que a Ford vai fechar as suas fábricas e encerrar sua produção de carros no país, nos deixa ainda mais preocupados, pois essa decisão afetará milhares de famílias e o impacto econômico será grande para o Brasil”, avaliou o socialista.

Ainda, segundo o parlamentar, o fechamento da Ford demonstra a falta de incentivo e de interesse do Governo Federal. “Perder esse grande investimento é um alerta, pois demonstra que algo está errado e precisa ser analisado. Precisamos investir mais na segurança jurídica e em um sistema tributário racional, implantar medidas para melhorar o ambiente de negócios para que as empresas tenham segurança e invistam seu capital no nosso país”, comentou Patriota.

Motivos da decisão – Em comunicado divulgado para a imprensa, a fabricante diz porque a decisão foi tomada “à medida em que a pandemia de Covid-19 amplia a persistente capacidade ociosa da indústria e a redução das vendas, resultando em anos de perdas significativas”.  A montadora afirmou que “desde a crise econômica em 2013, a Ford América do Sul acumulou perdas significativas” e que a matriz, nos Estados Unidos, tem auxiliado nas necessidades de caixa, “o que não é mais sustentável”. A montadora citou ainda a recente desvalorização das moedas na região, que “aumentou os custos industriais, além de níveis recuperáveis”, e mencionou a pandemia e a ociosidade nas linhas de produção, “com redução nas vendas de veículos na América do Sul, especialmente no Brasil”.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Cabo 2021

Confira os últimos posts



07/03


2021

Barreiras sanitárias em feira livre de Vitória de Santo Antão

Em uma ação inédita, a Secretaria de Saúde da Prefeitura de Vitória de Santo Antão, na Mata Sul pernambucana, instalou barreiras sanitárias de controle da Covid-19 nas entradas da feira livre do centro da cidade. A intenção é que haja disciplinamento na entrada das pessoas que acessam o centro de compras ao ar livre durante todo o dia. 

A medida foi adotada junto com a antecipação da feira, que ocorre aos sábados (6), para a sexta-feira (5) em função da Data Magna de Pernambuco e também pelas medidas mais rígidas implantadas pelo Governo do Estado. A ação foi aprovada pela população. Ao todo foram colocadas quatro barreiras, sendo elas na Praça Luís Boaventura, na Praça Duque de Caxias, na Avenida Mariana Amália e na Praça 13 de Maio.

“Nesses pontos, agentes sanitários, bombeiros civis e guardas municipais orientavam a população sobre medidas preventivas contra a proliferação do coronavírus, além de aferir a temperatura das pessoas, disponibilizar álcool 70% e máscaras”, explicou o secretário de Saúde, Eudes Lorena.

A decisão de antecipara a feira foi tomada em uma reunião na última quarta-feira (3), com a presença do prefeito Paulo Roberto (MDB), do vice-prefeito Edmo Neves, secretários, procurador-geral, coordenadora de Vigilância Sanitária, representantes do Corpo de Bombeiros e comércio, entre outros.

Ficou decidido, também, que as feiras livres do Maués, Lídia Queiroz e Águas Brancas serão mantidas aos domingos. “As feiras do domingo nos bairros são essencialmente de produtos alimentícios, serviço essencial que está liberado pelo Governo do Estado”, destacou o prefeito. Barreiras sanitárias também serão instaladas nestes espaços.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


07/03


2021

Joel da Harpa vai a Garanhuns defender Guarda armada

O deputado estadual Joel da Harpa (PP) passou a última sexta-feira (5) em Garanhuns, no Agreste pernambucano, para uma série de compromissos com foco na segurança pública. Ele foi recebido pelo prefeito Sivaldo Albino (PSB) e discutiu a importância dos guardas civis municipais no combate à violência e defendeu o cumprimento da Lei Federal 13.022/2014, que prevê o armamento dos agentes.

O parlamentar destacou que a atuação da categoria tem reflexo nas outras instituições que atuam no campo da segurança, ajudando as forças policiais, que podem direcionar sua atenção para outras localidades. “Todas as cidades que investiram nas suas guardas com capacitação e armamento tiveram bons resultados quanto à redução da criminalidade”, disse.

Joel também ressalta que foi finalizado o julgamento das ações em tramitação no Supremo Tribunal Federal que questionavam o critério populacional estabelecido no Estatuto do Desarmamento para que as guardas municipais possam se armar. Por 8 votos favoráveis e 3 contrários, o plenário do STF decidiu que todas as Guardas Municipais podem ter acesso ao porte de arma, independente do número de habitantes dos seus Municípios.

O julgamento confirma a decisão do ministro Alexandre de Moraes, exaurida em sede de decisão cautelar.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Ipojuca 2021

07/03


2021

Sem máscaras no Brasil, com máscaras em Israel

O Antagonista

A comitiva do governo brasileiro chefiada pelo ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, desembarcou neste domingo em Israel.

É curioso observar que na fotografia divulgada na manhã de hoje, já em território israelense, todos os integrantes do grupo aparecem usando máscaras.

Ontem, pouco antes da partida, os mesmos membros da comitiva posaram para fotos sem o equipamento. O bom exemplo não serve para o Brasil?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


07/03


2021

Evangélicos protestam contra fechamento de igrejas em PE

Membros de igrejas evangélicas do Estado se reuniram, hoje, no Recife em ato contra medidas restritivas estabelecidas pelo Governo de Pernambuco. As igrejas estão enquadradas entre as atividades não essenciais e por isso seguem proibidas de abrir nos finais de semana.

O grupo realizou uma carreata, que teve início em Boa Viagem e seguiu até o Palácio do Campo das Princesas. Entre os participantes, estavam políticos da ala evangélica, como a deputada estadual Clarissa Tércio (PSC) e o vereador Junior Tércio (Pode). “A igreja não está dormindo. A igreja é essencial. Senhor governador do estado de Pernambuco, respeite a nossa fé”, chegou a dizer a parlamentar.

Em novo decreto, o governador Paulo Câmara (PSB) determinou o fechamento dos serviços considerados não essenciais de segunda a sexta, das 20h às 5h, e nos finais de semana. A medida segue até o próximo dia 17 sob a justificativa de conter o avanço da Covid-19 e evitar o colapso do sistema de saúde.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Jaboatão Março 2021

07/03


2021

Vereador de Xexéu morre de Covid-19

O vereador de Xexéu José Valdelício da Silva Filho morreu, hoje, aos 52 anos devido à Covid-19. Ele ficou conhecido na cidade como Véio de Helena (PSB) e exercia a atividade parlamentar desde 2008, quando foi eleito pela primeira vez.

O deputado estadual Clodoaldo Magalhães (PSB) lamentou a morte de Véio de Helena por meio das redes sociais: "Ele deixa muitos ensinamentos de amizade, solidariedade, ética e humanidade para todos nós! Pedimos a Deus que conforte o coração dos familiares e amigos neste momento de dor e os console com a luz divina para suprir a saudade, bem como dê o merecido repouso eterno ao nosso querido amigo no reino do Céu."


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Petrolina 2021

07/03


2021

Bolsonaro não quer estados e municípios comprando vacinas

De acordo com o colunista Josias de Souza, do UOL, o presidente Jair Bolsonaro determinou que o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, atue para impedir que prefeituras e estados adquiram vacinas. "Guiando-se pela aversão de Jair Bolsonaro à ciência, o ministro da Saúde se absteve de antecipar a compra de vacinas na quantidade necessária. Agora, por ordem do presidente, corre para evitar que estados e municípios comprem as vacinas que a União negligenciou", escreveu.

"Em conversa com a coluna, um executivo da pasta da Saúde informou que Bolsonaro foi taxativo na orientação que deu a Pazuello. Não admite que consórcio de prefeitos ou aliança de governadores substituam o governo federal na negociação com os fabricantes de vacinas", continuou.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Serra Talhada 2021

07/03


2021

Sete anos sem Sérgio Guerra

Na minha já extensa, mas produtiva e cada vez mais enriquecedora trajetória no Jornalismo, vivi e presenciei fatos na política que marcaram a vida nacional. Briguei muito, arranjei desafetos, inimigos perdi as contas. 

Sérgio Guerra, que Deus chamou há sete anos, completados no sábado passado, me chamava de Maugno. Eduardo Campos, de Maligno. Entre ambos, fui testemunha de muitos diálogos ásperos. Eram amigos, mas diziam que ajudei a distanciá-los em várias ocasiões, mesmo quando Eduardo trouxe Jarbas Vasconcelos para sua aliança, depois de derrotá-lo por mais de 1 milhão de votos, vingando a derrocada de Miguel Arraes, seu avô, para Jarbas, em 1998.

Sérgio começou a se projetar na vida pública quando líder do Governo Arraes, em 87. Veio de uma família de políticos: o pai, Pio Guerra, e um de seus irmãos, José Carlos Guerra, também haviam sido deputados federais. Formado em economia pela Universidade Católica, militou no movimento estudantil. Teve dois filhos e duas filhas, foi genro do ceramista Francisco Brennand.

Trabalhou na Fundação Joaquim Nabuco e na iniciativa privada. Era também pecuarista e criador de cavalos de raça. Morreu em 6 de março de 2014 em decorrência de um câncer de pulmão. Seja na Câmara ou no Senado, Guerra foi um político de dimensão nacional, tanto que chegou à presidência do PSDB, sucedendo a Tasso Jereissati, e coordenou as campanhas presidenciais de José Serra e Geraldo Alckmin.

De tanto conviver com Sérgio Guerra fui testemunha da sua primeira internação antes do diagnóstico de dois cânceres que enfrentou, o primeiro na cabeça e o segundo no pulmão. Era um sábado de sol iluminado em Piedade, onde morava numa cobertura à beira-mar, quando me chamou para uma conversa.

Já encontrei por lá Evandro Avelar, um dos seus discípulos mais fiéis. Tomamos café e não mais que de repente o senador começou a reclamar de tonturas, seguidas de fortes náuseas. Resolvemos levá-lo ao hospital, mas resistiu. Da sua equipe, só havia uma pessoa que ele obedecia nessas ocasiões: Caio Melo, o faz tudo dele. Acionamos Caio imediatamente. Mas Guerra insistia que ficaria bem. Caio o arrastou à força até o elevador, chegou na garagem quase o carregando nos braços.

Sérgio Guerra se internou no Santa Joana e no dia seguinte foi levado numa UTI aérea para São Paulo. A partir daí, só sofrimento com o diagnóstico de um câncer na cabeça. O senador já tinha uma saúde frágil. Diabético, só tinha um rim, se alimentava muito mal e levava, mesmo assim, uma rotina maluca na política.

Guerra se livrou do primeiro câncer por meio de uma delicada cirurgia no Sírio Libanês. Mas com o passar do tempo, o pior: outro câncer havia atingido um dos pulmões. Sérgio sempre me dizia que iria viver pouco. Não bebia, não fumava. Tinha dois grandes hobbies: cavalos de raça e assistir lutas de artes marciais pela TV e ao vivo também.

Vez por outra, me ligava de Las Vegas. Amava de paixão. As lutas costumam acontecer no hotel MGM Grand ou T-Mobile Arena, que por si só já são lugares incríveis. Nos dias de luta, todo o percurso até  chegar no ginásio fica imerso. A galera curte muito e esses esportes têm uma energia única durante o evento.

Era isso o que ele me dizia com um sorriso largo e feliz. Sérgio só viveu 66 anos. Morreu como deputado federal e não senador. Recusou-se a entrar na chapa de Jarbas governador em 2010, para não ser também derrotado. Sabia tratar-se de uma luta inglória e garantiu seu mandato de deputado federal.

Sua morte teve ampla repercussão. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso assim se manifestou: "A vida pública brasileira acaba de perder um de seus mais competentes e dedicados personagens. No período em que, por longos anos, Sérgio Guerra dirigiu o PSDB conseguiu rearticular o partido e dar-lhe enraizamento nacional. Como amigo, sempre foi atento e devotado. Em um momento no qual a vida política brasileira carece de pessoas com estas características sua perda é inestimável. Deixo registrado meu pesar de amigo e de brasileiro. Sérgio Guerra fará muita falta".


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Anuncie Aqui - Blog do Magno

07/03


2021

Os governadores e 2022

Por Adriano Oliveira*

O cientista político Fernando Abrúcio escreveu os Barões da Federação. Foi a sua dissertação de mestrado, a qual foi publicada em livro no ano de 1998. Abrúcio mostra a força dos governadores na política nacional e como é necessário que o presidente da República tenha constante diálogo com eles. Desde o governo Sarney, os presidentes da República mantêm interação com os governadores. Após a abertura democrática, governador sempre teve importância.

O presidente Bolsonaro quebrou a tradição. Para o atual mandatário da República, governador é mais uma peça a ser ignorada ou atacada. Apesar deste comportamento, são vários os chefes do Executivo estadual que tentam defender o presidente e insistir no diálogo com ele. As atitudes do presidente Bolsonaro sugerem que para ele, governador não tem importância.

Os governadores estão corretos ao enfrentarem o presidente Bolsonaro. Se o enfrentamento não ocorrer, a narrativa que predominará é a do presidente da República, qual seja: “Os governadores fecharam o comércio, não garantiram vacina para a população e o dinheiro enviado para a saúde sumiu”. Esta narrativa encontra respaldo na população. Se os governadores não cobrarem responsabilidade e atitude do presidente da República, a fama que conquistarão em parcela do eleitorado é de que são corruptos e incompetentes.

Ao enfrentar os governadores, o presidente Bolsonaro coloca os pretensos candidatos “bolsonaristas” aos governos estaduais na eleição de 2022 em situação complicada. Eles terão que explicar à população as razões que motivaram Jair Bolsonaro a negar as consequências da Covid-19 para a saúde pública e a economia. Nem todos os candidatos “bolsonaristas” aos governos estaduais receberão o apoio entusiasmado de Jair Bolsonaro. E os apoios serão assimétricos: o candidato terá que pedir votos para Bolsonaro. Mas Bolsonaro não tem a obrigação de pedir votos para ele.

O aumento da popularidade do governo Bolsonaro, algo que pode ocorrer, pois a sua impopularidade cresce, mas não tão rapidamente quanto às condições sanitária e econômica sugerem, tem o óbvio poder de atrair apoios para o presidente da República candidato à reeleição. A impopularidade gera efeito inverso. O enigma eleitoral para 2022 é: Qual será a popularidade do presidente Bolsonaro na vindoura eleição presidencial? Neste instante, a elaboração da resposta requer parcimônia.

*Doutor em Ciência Política. Professor do Departamento de Ciência Política da UFPE.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Blog do Magno 15 Milhões de Acessos 2

07/03


2021

Belo Jardim retira juros para quem regularizar IPTU

O prefeito de Belo Jardim, Gilvandro Estrela (DEM), sancionou, na última sexta-feira (5), a Lei do Programa de Recuperação Fiscal do Município (REFIS/21), que prevê benefícios aos contribuintes que estejam inadimplentes até 31 de dezembro de 2020, com o IPTU. De acordo com o programa de recuperação de créditos da Fazenda do município, a população que detenha débitos com o fisco municipal terá a possibilidade de redução nos juros e nas multas em até 100% para pagamento à vista e, caso o contribuinte deseje parcelar seu débito, também haverá desconto, de acordo com o número de parcelas.

Neste período de pandemia, que trouxe inúmeros prejuízos financeiros a toda a população, a oportunidade de negociação faz parte dos esforços da gestão municipal para amenizar os impactos da grave crise e oferece meios para que o contribuinte resolva suas pendências junto com a prefeitura. O ato foi corroborado pelos vereadores do município que entenderam que é um projeto importante e que vai beneficiar a população.

“Esta proposição reflete a sensibilidade do Governo Municipal em relação ao momento delicado por qual passa a nossa economia, que tem exigido grandes sacrifícios de toda a sociedade. Este projeto foi planejado para assegurar ao contribuinte que a melhor oportunidade para quitação de dívidas com o município está sendo proposta. Agora o dinheiro do seu IPTU vai ser devidamente aplicado em benefício do povo", explicou Estrela.

Todas as regras e dispositivos da sanção estão anexas e publicadas no Portal da Transparência municipal. Os interessados em regularizar seus débitos fiscais devem procurar o setor de tributos para a regularização da situação.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


06/03


2021

Um deserto

Neste fim de semana de pandemia, Recife virou uma cidade fantasma. Onde havia vida, nem rastro de sopro humano. Ruas desertas, cenário triste e deprimente. O único respiro da economia está a olho nu, em qualquer lugar: os entregadores de comida de restaurantes fechados para consumo presencial.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha