28/11


2020

Desculpas pelo atraso

Por Cristovam Buarque*

No dia seguinte ao pleito de 15 de novembro, o ministro Luís Roberto Barroso, presidente do TSE, pediu desculpas pelo atraso de algumas horas na divulgação dos resultados eleitorais. Surpreende que ninguém antes tenha pedido desculpas pelo atraso educacional de cem anos. Nem temos a quem responsabilizar: não há TSE da educação nacional.

Presidentes e ministros cuidam de universidades e escolas técnicas, enquanto a educação de base é responsabilidade de quase 6 mil prefeitos e alguns governadores. A população com renda não culpa o governo, porque utiliza escolas particulares; os pobres acostumaram-se a ver a escola como restaurante para os filhos receberem merenda. O eleitor não dá à educação a mesma atenção que ao resultado rápido da eleição.

Todos os presidentes e políticos, desde 1889, especialmente depois de 1985, devem pedir desculpas pelo atraso e pela desigualdade educacional no Brasil.

Fui ministro por 12 meses e devo pedir desculpas por não ter construído força política para me manter no cargo pelo tempo necessário para implementar as ferramentas que defendo, e iniciei, como a Escola Ideal, embrião de um sistema nacional de educação de base. Como governador, implantei a Bolsa Escola e diversos programas na educação de base no Distrito Federal. Como senador, criei duas dezenas de leis, como a do Piso Salarial Nacional dos Professores, a obrigatoriedade de vaga desde os 4 até os 17 anos de idade. Mas nada disso mudou a realidade. Como candidato a presidente só consegui 2,5% dos votos.

Reitero as desculpas por não ter convencido a opinião pública de que educação é o vetor do progresso e a estratégia para isso passa pela nacionalização do sistema municipal. A educação não será de máxima qualidade, nem será igual nas 200 mil escolas do Brasil, enquanto a responsabilidade pela educação das crianças brasileiras não for do governo federal.

Para isso cinco passos são necessários: 1) transformação do MEC em ministério com a responsabilidade exclusiva de cuidar da educação de base; 2) criação de uma carreira nacional do magistério, todos os professores com muito boa formação, avaliados permanentemente, com dedicação exclusiva e, para isso, muito bem remunerados; 3) prédios escolares com a máxima qualidade e instalações culturais e esportivas; 4) escolas com os mais modernos equipamentos da pedagogia, que permitam saltar das tradicionais aulas teatrais para as aulas cinematográficas com recursos da teleinformática, adotando métodos que desenvolvam a criatividade; 5) todas as escolas em horário integral.

Raríssimas cidades são capazes de financiar a execução dessa estratégia. Ela requer processo de nacionalização da educação de base ao longo de alguns anos, com adesão voluntária de cidades que queiram substituir seus frágeis sistemas educacionais por um robusto sistema nacional.

O custo para ter essa “escola ideal” é de R$ 15 mil/ano por aluno. Valor que permitiria financiar todos os gastos e investimentos e pagar salário de R$ 15 mil ao professor por mês, em salas com 30 alunos. Esse salário faria do magistério uma profissão atraente, permitindo que o selecionado aceitasse ir para a cidade que lhe fosse determinada, com dedicação exclusiva à sua escola e submetido a avaliações periódicas. Num ritmo de 300 cidades por ano, o novo sistema chegaria a todo Brasil em 20 anos. Se o PIB crescesse a um ritmo médio de 2% ao ano, o sistema nacional custaria cerca de 7% do PIB, para atender 50 milhões de alunos.

Considerando que o número de alunos deverá ser menor e que as novas técnicas permitirão diminuir o custo por aluno, a dificuldade dessa estratégia é política: convencer os ricos de que a escola com qualidade apenas para seus filhos amarra o progresso do País e limita o bem-estar e o futuro de todos; e os pobres, de que seus filhos têm direito a uma escola que ofereça muito mais do que merenda e seja tão boa quanto as melhores do país. Convencer também os políticos de que terão de enfrentar eleitores mais conscientes; e mostrar aos sindicatos que os interesses dos professores devem ser associados aos interesses das crianças, da educação e do futuro do país.

Não será fácil atrair a população para a ideia de que as escolas brasileiras poderão ser tão boas quanto as de países com educação de qualidade. E que crianças pobres devem ter escolas com a mesma qualidade das dos ricos.

No final do século 19 tivemos dificuldade para convencer que era possível o Brasil ser um país industrial e para isso era preciso abolir a escravidão. Agora o desafio é convencer que sem escola com a máxima qualidade para todos não completaremos a Abolição, nem avançaremos para o progresso com eficiência econômica, justiça social e sustentabilidade ecológica no mundo global da civilização que caracteriza o século 21. Antes não tínhamos futuro com a escravidão, agora não teremos futuro sem escola com máxima e igual qualidade para todos. E que nenhum cérebro seja deixado para trás. Enquanto isso não for feito, precisamos pedir desculpas pelo atraso a que condenamos o Brasil.

*Ex-ministro, ex-senador e ex-governador do DF. Pofessor Emérito da Universidade de Brasília.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Jose Ribamar de Souza Agra

Quando analisamos o projeto do Presidente Lula em prol da educação brasileira, vemos o que a escolha do nobre ex-Ministro seria a pessoa ideal para implantar um sistema educacional que o País precisa na época. Infelizmente, o demiurgo do agreste resolver demiti-lo por telefone. Mostrando que a quantidade, não quer dizer qualidade.


O Jornal do Poder

Confira os últimos posts



21/01


2021

Prefeitura de Tabira encontra galpão com materiais abandonados

A prefeita de Tabira, Nicinha Melo, encontrou, na manhã de hoje, durante uma varredura por galpões na cidade, um espaço com equipamentos da Secretária de Saúde. No local, foram achados berços aquecidos, cadeiras odontológicas, balanças, documentos importantes da Pasta empoeirados e empilhados de forma desordenada. Tudo em completo abandono

O mais grave foi encontrar um aparelho de raio-x odontológico na porta de entrada, exposto ao sol e ao clima quente. Segundo o protocolo estabelecido pelo Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear (CDTN), há um regulamento a ser seguido para o descarte desse tipo de aparelho, que segue os critérios de proteção radiológica conforme prevê a Portaria 453/98 da ANVISA de 01 de junho de 1998.

"A radiação neste aparelho (que é um tubo de raios catódicos) só é gerada quando é acionada uma corrente elétrica. Mesmo não sendo radiação espontânea como aquelas provenientes de fontes radioativas permanentes, os raio-x podem causar danos à saúde", cita o portal da CTDN.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Abreu no Zap

21/01


2021

O segredo da boa gestão fiscal

Em entrevista ao Frente a Frente, que vai ao ar às 18 horas pela Rede Nordeste de Rádio, o ex-prefeito de Cabrobó, Marcilio Cavalcanti (MDB), que desistiu da reeleição por causa da pandemia do coronavírus, conta como conseguiu deixar reservas de mais de R$ 4 milhões em caixa para o sucessor, que é um aliado, no momento em que os municípios em geral reclamam de quebradeira e os novos prefeitos dizem ter herdado massas falidas.

Do grupo de risco por ser diabético, Marcilio tinha pela frente um cenário favorável para reeleição, mas a pressão da família falou mais alto. "Minhas filhas me pressionaram e preferi atender ao pedido delas", contou o emedebista. Na mesma entrevista, Marcilio revela os segredos para o controle fiscal da gestão e lamenta que grande parte de ex-prefeitos não tenha sido tão zelosos com os cofres municipais.

Se você deseja ouvir o programa pela Internet clique no botão Rádio acima ou baixe o aplicativo da Rede Nordeste de Rádio na play store.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


21/01


2021

Índia autoriza exportação da vacina de Oxford para o Brasil

O governo da Índia autorizou as exportações comerciais de vacinas contra a Covid-19, disse o secretário de Relações Exteriores indiano, Harsh Vardhan Shringla, à agência de notícias Reuters. A informação foi confirmada pela TV Globo com o consulado indiano em São Paulo.

As primeiras doses da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela AstraZeneca, que são fabricadas pelo Instituto Serum da Índia (SII), devem ser enviadas para Brasil e Marrocos amanhã.

Até o momento, a Índia havia apenas enviado remessas de vacinas, gratuitas, a países vizinhos. Segundo o consulado em São Paulo, um avião do Instituto Serum partirá da Índia na sexta e deve desembarcar no aeroporto de Guarulhos ainda no sábado. De lá, o carregamento será enviado para a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, para ser etiquetado e armazenado.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


21/01


2021

PSL deixa o bloco de Baleia Rossi e passa a apoiar Lira

O PSL passou a integrar oficialmente, hoje, o bloco do deputado Arthur Lira (PP-AL) na disputa pela presidência da Câmara. Até então, o partido integrava o grupo aliado de Baleia Rossi (MDB-SP), principal adversário de Lira na eleição, marcada para 1º de fevereiro.

A reviravolta foi possível graças à adesão de mais quatro parlamentares a um grupo inicial de 15 deputados dissidentes do PSL favoráveis à candidatura de Lira. Com isso, essa ala conseguiu 19 assinaturas, o que formou maioria em relação à bancada atual da legenda na Câmara, que tem 36 parlamentares. A decisão de apoiar o nome de Baleia tinha sido liderada pelo deputado Luciano Bivar (PSL-PE), que é o presidente nacional da legenda.

No entanto, a bancada na Câmara é dividida em razão de atritos internos. De um lado, há o grupo próximo de Bivar, conhecido como "bivarista". E, de outro, os bolsonaristas, aliados do presidente Jair Bolsonaro, que se desfiliou da sigla, pela qual se elegeu em 2018, após disputas pelo comando do partido.

Além de se oporem ao bloco de Baleia, que é composto também por partidos de esquerda, os bolsonaristas defendem o nome de Lira, que é o candidato do Palácio do Planalto. Esse grupo dissidente do PSL chegou a apresentar uma lista com 32 assinaturas pedindo a saída do bloco de Baleia, mas não foi validada. O motivo foi que constavam as assinaturas de 17 deputados do PSL que estão suspensos pelo partido em razão de divergências com a cúpula e que não poderiam ser contabilizados.

Como eram apenas 15 que pediam a participação no bloco de Lira, havia prevalecido a vontade da maioria até então, de apoio a Baleia Rossi. A questão chegou a ser levada para que a Mesa Diretora da Câmara validasse as assinaturas dos suspensos, mas não houve definição e só deixou evidente o embate entre grupos adversários na eleição.

Dos sete integrantes da Mesa, quatro apoiam Lira. Os demais três, incluindo o atual presidente, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e Bivar, defendem o nome de Baleia. Embora houvesse maioria para a validação do apoio a Lira, o caso acabou adiado em razão de um pedido de vistas feito por Bivar – estratégia que teve o aval de Maia.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banco de Alimentos

21/01


2021

Idosos ensinam o que é cidadania a prefeitos

Por Fernando Castilho

Hilda Cândida da Silva, idosa de 108 anos de Rio das Flores (RJ), abriu mão de ser uma das primeiras vacinadas contra a Covid-19 na sua comunidade. Quando a equipe de enfermagem esteve na casa dela para aplicar a vacina ela disse “não” e deixou claro que o motivo não foi por medo, mas sim, pela generosidade de pensar no próximo.

Em São José do Egito, Paulo Jucá, secretário de Saúde, “furou a fila” e recebeu a vacina sem fazer parte dos grupos prioritários. Na foi um gesto isolado. No município de Itabi (SE), o prefeito Júnior de Amynthas (DEM), de 46 anos, recebeu uma das 31 doses do imunizante que foram destinadas para a região.

No município de Pombal (PB), Abmael de Sousa Lacerda, conhecido como Dr. Verissinho (MDB), prefeito do município furou a fila e se vacinou. Também em Candiba (BA), o prefeito Reginaldo Prado (PSD), mesmo sem fazer parte do grupo prioritário se vacinou. Em Natal, o prefeito Álvaro Dias (PSDB), só não se vacinou após a reação, ele anunciou a desistência.

A família de Dona Hilda, deve estar sentindo um orgulho imenso pelo gesto de altruísmo de sua matriarca. Na sua comunidade, ela e outras cinco idosas estavam relacionadas para receber a Coronavac. Mas apenas ela abdicou da proteção.

O gesto da centenária brasileira nos remete a pergunta: E o que deve estar sentido, hoje, a família de Paulo Jucá, Júnior de Amynthas e Dr. Verissinho? Assim como a família de Álvaro Dias pela fraqueza de comportamento ao tentar se beneficiar de uma vacina quando não tinham o direito, agora?

Talvez suas esposas, filhos e apoiadores até encontrem justificativa para o gesto desses digníssimos “fura-las”. No meio de tanta corrupção perpetrada por políticos essa decisão talvez até seja comemorada no clã familiar. Um pequeno delito como esse? O que há de grave? Podem se justificar.

Mas a questão continua perturbadora: se esse tipo de político é capaz de passar na frente de uma pessoa em uma crise sanitária, o que não será capaz de fazer com o dinheiro do contribuinte. Clique aqui e confira a matéria na íntegra.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


21/01


2021

Em Cumaru, idosa de 111 anos recebe primeiro RG

Através de uma parceria entre a Polícia Civil de Pernambuco, o Instituto de Identificação Tavares Buril (IITB) e a Prefeitura de Cumaru, no Agreste pernambucano, dona Maria Severina da Conceição conseguiu ter acesso ao seu primeiro RG, aos 111 anos de idade. A idosa estava há quatro meses sem receber a aposentadoria por falta de registro civil. As informações são do Diário de Pernambuco.

Segundo a PCPE, pelo o que consta em registros, dona Maria é uma das pessoas mais idosas do estado atualmente. O documento de identidade foi entregue nas mãos de dona Maria, na última terça (19), em sua residência, em Cumaru. "Gostei muito", disse ela sorridente ao receber o RG.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Jornao O Poder

21/01


2021

Tecnologia pernambucana contra o assédio sexual

Houldine Nascimento, da equipe do blog

Diante de novo caso de assédio sexual ocorrido, ontem, em uma linha de ônibus na capital pernambucana, diversos internautas cobraram soluções à Prefeitura do Recife para combater as variadas formas de importunação sexual no transporte público. Há iniciativas que podem servir ao menos como inspiração. É o caso da Nina, uma startup (empresa emergente) com raízes recifenses, que presta consultoria de mobilidade e gênero de cidades.

Foi em março de 2019 que essa tecnologia passou a auxiliar a Prefeitura de Fortaleza no combate ao assédio sexual no transporte público. Esta ferramenta está integrada ao aplicativo Meu Ônibus e tem permitido que a população fortalezense denuncie casos no transporte coletivo.

Até outubro do ano passado, 2.334 denúncias foram registradas e 10% viraram inquérito policial. A fundadora da Nina é a recifense Simony César, que teve de sair do Estado em busca de oportunidade. Seu trabalho rendeu grande repercussão positiva na imprensa e diversos prêmios dentro e fora do Brasil, levando a jovem empreendedora de origem humilde a ser eleita pela Forbes Under 30 um dos destaques de 2019.

Filha de ex-cobradora de ônibus, ela chegou a estagiar em uma empresa de transporte público. Sua iniciativa surgiu em 2016, ainda quando estudava na UFPE, ao ver a omissão do sistema operacional nas poucas denúncias de assédio sexual que eram feitas. “Eu trabalhava no setor comercial de uma empresa de ônibus no Curado. As demandas chegavam por telefone, mas para o chefe do setor só interessavam as demandas comerciais. Eles nem faziam tabela no Excel de reclamações de assédio ou relacionadas a motoristas, e eu ficava indignada”, conta.

“Aí teve o caso de uma estudante que foi estuprada depois que pegou o circular na UFPE. E aí eu comecei a querer saber como a gente poderia utilizar a tecnologia da informação e comunicação para tentar mapear de alguma forma”, prossegue.

Simony então foi atrás de editais de inovação para conseguir recursos e, assim, colocar sua ideia em prática. Parcerias foram estabelecidas com multinacionais como Red Bull e Toyota, o que permitiu o contato com gestores brasileiros em abril 2018, na 73ª Reunião Geral da Frente Nacional de Prefeitos, em Niterói/RJ. Entre os presentes no encontro, estavam o então prefeito do Recife, Geraldo Julio (PSB), e o de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT).

“Uma das etapas de um edital ocorria na reunião com os prefeitos. Eu tinha chegado na semifinal e quem fosse para a final, ganharia o capital da Toyota de 20 mil dólares e o apoio da FNP para aplicar a ideia nas cidades brasileiras. A Nina era a única startup que não era de São Paulo. Nessa etapa, a gente tinha de escolher três cidades para atuar e optei por Recife, Natal e Fortaleza. Os prefeitos tinham de assinar uma carta de endosso se comprometendo a ajudar na articulação da startup. Fortaleza foi a única que deu assistência e colocou uma técnica à disposição”, explica Simony.

A partir de julho de 2018, começou a preparação para que a Nina entrasse em operação em Fortaleza. “Foram seis meses de consultoria para a gente fazer a integração com as câmeras de ônibus e conversar com todos os atores, delegacias, etc.”, continua. Em 06 de março de 2019, a iniciativa entrou em caráter de projeto-piloto e foi efetivada no final do ano.

Isso abriu possibilidades à expansão da Nina, com melhoria da tecnologia e novos acordos com outras prefeituras. Ainda segundo Simony, houve diversas tentativas para que Pernambuco implantasse a Nina. “Sempre coloquei Recife como cidade prioritária por ser daqui, mas sempre esbarramos nos trâmites políticos. Fortaleza nos colocou como prioridade e isso deu uma boa visibilidade ao transporte público da cidade”, diz.

Conforme o Blog apurou, antes de chegar a Fortaleza, houve uma reunião inicial com a Prefeitura de Olinda, mas as negociações esbarraram na falta de interesse da gestão. Também ocorreram conversas com o Grande Recife Consórcio de Transporte e há tratativas com a Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação de Pernambuco.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


21/01


2021

Motorista recebe vacina contra Covid-19 no Cabo

Houldine Nascimento, da equipe do blog

No Cabo de Santo Agostinho, na Região Metropolitana do Recife, houve registro de um funcionário da Prefeitura que tomou a vacina contra a Covid-19 mesmo sem fazer parte do grupo prioritário. O motorista Gustavo Manoel Arruda recebeu a primeira dose do imunizante ontem.

Nesta primeira etapa, a vacinação é destinada apenas a profissionais da saúde que estiveram na linha de frente no combate ao novo coronavírus, idosos com mais de 60 anos que estão em asilos e indígenas em aldeias. O Cabo de Santo Agostinho teve acesso a 3.620 doses.

Prefeitura justifica vacinação de motorista

O Blog procurou a Prefeitura do Cabo para que se pronunciasse sobre o assunto. Por meio de nota, a administração justifica a vacinação do servidor:

"A Prefeitura do Cabo de Santo Agostinho informa que o motorista Gustavo Manoel Arruda é integrante da equipe de imunização itinerante da Covid-19, portanto faz parte do grupo de trabalhadores de saúde que devem ser vacinados na primeira fase do Plano Estadual de Imunização da Covid-19. Segundo a resolução CIB/PE nª 5393 de 20 de janeiro de 2021, a prioridade são os trabalhadores de saúde que atuem nos ambientes de assistência a pessoas acometidas pela Covid-19, assim como as equipes de vacinação diretamente envolvidas com a vacinação da Covid-19, trabalhadores de saúde que atuam nas instituições de longa permanência de idosos e de residência/instituições inclusivas para jovens e adultos com deficiência."

Casos de "fura fila" em Pernambuco

Há denúncias de outras pessoas fora do grupo prioritário que obtiveram vacinação contra a Covid-19 em Pernambuco. Em Jupi, no Agreste Meridional, a secretária municipal de Saúde, Nadir Ferro, e o fotógrafo oficial da Prefeitura, Guilherme JG, receberam doses da Coronavac.

A cidade teve acesso a 136 doses da vacina. Após a repercussão negativo, o prefeito Marcos Patriota (DEM) informou o afastamento dos dois servidores. A Polícia Civil abriu uma investigação preliminar ontem para saber se quem vacinou cometeu crime e pediu que Prefeitura entregue a lista dos profissionais que aplicaram o imunizante.

No Recife, uma arquiteta que atua no Hospital de Referência à Covid-19 Unidade Boa Viagem foi vacinada. Ela chegou a publicar uma foto do momento em que recebeu o imunizante e escreveu que estava "ansiosa demais para que ela (a vacina) chegue a todos".

O caso gerou revolta nas redes sociais. Diante da repercussão negativa, a arquiteta apagou a imagem. Como justificativa, o secretário de Saúde de Pernambuco, André Longo, disse que "todos os servidores, colaboradores que circulam em ambientes potencialmente contaminados por serem 100% dedicados à Covid-19 vão receber a vacina no primeiro momento. Neste processo, entram todos os trabalhadores da manutenção da unidade".

Apesar do argumento de Longo, o Ministério Público de Pernambuco deu início a um procedimento para investigar se ocorreu violação do plano nacional de imunização contra a Covid-19.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


21/01


2021

Uchoa diz que nomeação de Thiago é legal

Aliado do prefeito de Agrestina, Josué Mendes (PSB), o deputado estadual Uchoa Júnior (PSC) esclareceu, há pouco, que nada impede na forma da lei que o ex-prefeito Thiago Nunes (PTB) assuma a Secretaria de Governo, conforme já está de fato no exercício da função. Informa também que Thiago não está usando tornozeleira.

"Ele foi preso para prestar esclarecimentos, mas nunca usou tornozeleira", diz. Quanto à função no Governo Municipal, esclarece que Thiago só não podia ser nomeado se tivesse sido condenado em processos judiciais.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


21/01


2021

Instalações do Colégio Alpha impressionam prefeito

Destaque em Paulista, o Colégio Alpha impressiona por sua estrutura arrojada e moderna, estrategicamente pensada para o estímulo do desenvolvimento através de vivências práticas e de interação, respeitando a individualidade de cada estudante e trabalhando as suas limitações. A unidade de ensino funciona dentro do Shopping Norte Janga.

O prefeito de Paulista, Yves Ribeiro (MDB), alguns vereadores e secretários estiveram, ontem, no Colégio Alpha. A visita da comitiva teve como objetivo conhecer a estrutura da escola e discutir assuntos relacionados à Educação da cidade.

Na ocasião, esteve presente uma das CEOs do Grupo Alpha Luciana Victor, a diretora Pedagógica do Colégio Alpha, Nathalia Lumarina, a diretora de Marketing, Priscila Santana, e o consultor Independente do Grupo Alpha, Antônio Lima. O prefeito Yves ficou maravilhado com o que viu e sinalizou apoio à iniciativa da unidade de ensino particular.

“Estamos entusiasmados com essa estrutura e proposta pedagógica do Colégio Alpha, dentro do shopping em nossa cidade. Estamos prontos para apoiarmos essa unidade educacional", prometeu.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha