Múcio minimiza o apoio das zonais a João da Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

Rivânia Queiroz

O apoio de dez zonais do Recife ao prefeito João da Costa (PT) não foi visto como uma ameaça às demais pré-candidaturas do PT na disputa interna que vem sendo travada e que pode levar a uma prévia partidária. Hoje, o vereador Múcio Magalhães, que defende o nome do ex-prefeito João Paulo para a sucessão municipal, avaliou que isso não é a garantia de votos.

Para Múcio, nem todos os filiados ligados às lideranças dessas zonais vão votar no prefeito, nem em prévias, nem nas eleições do Recife. “Todos nós sabemos que não tem quem controle 33 mil filiados. Os militantes não têm dono, a não ser uma pequena parte ligada a correntes. Isso é mais uma aparência”, avisou, durante entrevista a uma rádio local.

O petista disse também que a ideia passada pelo grupo do prefeito, com a moção em apoio a João da Costa, faz parte de um jogo de cena, “de assédios e movimentações políticas”. E explicou que a grande maioria dessas zonais não está organizada, pois não há um trabalho de construção. “Eles não são orgânicos”.

Segundo argumentou, nove, dos dez presidentes dessas zonais eleitos com o apoio de João da Costa foram bem sucedidos por que fizeram um trabalho pessoal, em busca de votos. “Não foi com um trabalho de construção. Eles foram competentes, chegaram na casa dos militantes e pediram o voto”. E concluiu que “quem cria esse tipo de versão (de que o prefeito tem o voto da maioria dos filiados) sabe que não está falando a verdade”.

Publicado em: 28/03/2012