Mulher de assessor envolvido prestou serviços a Lula

A empresa de segurança da mulher de Freud Godoy, assessor especial da Secretaria Particular do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, possui vínculos comerciais com as principais instâncias partidárias e campanhas eleitorais do PT.

A empresa faz a vigilância e o controle da portaria da sede do Diretório Nacional do PT em São Paulo. Recentemente, foi contratada para fazer varredura nos telefones desse departamento petista em Brasília.

Por uma empresa com outro nome, Freud Godoy prestou serviços de segurança, em 2002, à campanha de Lula. No papel, a Caso Comércio de Serviços atuava no "comércio atacadista de produtos químicos" e tinha capital social de R$ 10 mil. Recebeu, em gastos declarados ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral), R$ 101,5 mil do comitê eleitoral presidencial.

No mesmo ano, trabalhou para a campanha de José Dirceu (PT) a deputado federal, por só declarados R$ 4.400.

Em 2004, agora no nome da mulher de Freud, a nova empresa, Caso Sistemas de Segurança, trabalhou na campanha em que Marta Suplicy tentou a reeleição à Prefeitura de São Paulo. Recebeu R$ 106 mil.

"Está aberto o sigilo bancário, o telefônico, o que quiser da Caso Sistemas de Segurança, como também o meu [sigilo] pessoal, porque não tenho relação com essas pessoas [presas]", disse ontem a mulher de Freud e dona da empresa, a jornalista Simone Messeguer Pereira Godoy. "É uma empresa regulamentada pela Polícia Federal", afirmou Simone.As informações são da Folha Online.

Publicado em: 19/09/2006