Prisão de Palocci poderá ser pedida hoje

O delegado seccional de Ribeirão Preto (SP), Benedito Antonio Valencise, deve enviar ainda nesta terça-feira à Justiça o inquérito sobre irregularidades nos contratos de limpeza da Prefeitura e que aponta o ex-ministro e candidato a deputado federal pelo PT Antonio Palocci como o coordenador da ''máfia do lixo''. Valencise pode pedir ainda a prisão de Palocci, mas não quis antecipar a decisão. Além do ex-ministro, outras nove pessoas, devem ser acusadas por peculato, lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e formação de quadrilha.

Na semana passada, Palocci foi apontado pela Polícia Federal como o mandante da quebra ilegal do sigilo bancário do caseiro Francenildo dos Santos Costa. No inquérito, o delegado da PF Rodrigo Carneiro Gomes, responsável pelo caso, confirma o pedido de indiciamento do ex-ministro da Fazenda pelos crimes de denunciação caluniosa, prevaricação e quebra de sigilos bancário e funcional. A soma dos quatro crimes pode dar até 15 anos de cadeia.

As investigações abrangeram irregularidades nas gestões dos petistas Palocci (2001 a 2002) e Gilberto Maggioni (2002 a 2004) em Ribeirão Preto. A suposta fraude no contrato de limpeza pública envolveria a empresa Leão Leão e seria coordenada por Palocci. Além dos ex-prefeitos, também serão indiciados o ex-secretário Nelson Colela (Casa Civil), o ex-presidente da Leão Ambiental Wilney Barquete e a ex-superintendente do Daerp (Departamento de Água e Esgotos de Ribeirão Preto) Isabel Bordini.

Segundo Valencise, o contrato de limpeza urbana em Ribeirão teria sido superfaturado em cerca de R$ 30,7 milhões nos quatro anos de governo Palocci-Maggioni. Baseado no depoimento de Rogério Buratti, ex-diretor do grupo Leão Leão e ex-secretário de Palocci, o delegado declarou que o dinheiro obtido com a empresa era usado para pagar propina ao PT e a políticos petistas. Informações do Portal Terra. 

 

Publicado em: 19/09/2006