Alckmin acha que grampo no TSE partiu do governo

 O candidato tucano à Presidência, Geraldo Alckmin, considerou ''extremamente'' grave a informação de que o telefone do presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Marco Aurélio Mello, e outros dois ministros foram grampeados. Alckmin insinuou que o grampo pode ter partido do governo.

''Acho que é hora de dizer um basta. Foi a Ancinav (Agência Nacional do Cinema e Audiovisual), a tentativa de amordaçamento da imprensa, o fechamento do Congresso e o uso da maquina pública. Essas coisas não são normais e não devem ser toleradas'', disse. O candidato tucano classificou o grampo como uma ''injustiça'' que representa uma ''ameaça para toda a sociedade''. As informações são da Folha Online.

Publicado em: 18/09/2006